Perspectivas para a Inflação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas para a Inflação"

Transcrição

1 Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213

2 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2

3 I. Introdução 3

4 Missão do Banco Central Assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente. 4

5 Importância dessa Missão A experiência internacional e a teoria econômica apontam inflação baixa e estável como précondição para o crescimento sustentável. Inflação elevada: Maior prêmio de risco, baixa confiança, horizonte de planejamento curto e menor investimento; Menos emprego, menos renda e menos consumo; e Mais concentração de renda, menos crescimento e redução do bem-estar. 5

6 A Experiência Brasileira Ratifica essa Visão Período Média Anual (%) Var. Real PIB Inflação ,6 147, ,3 842, ,2 9, ,9 5,5 Fonte: IBGE 6

7 Retrospectiva - Exterior Desde a divulgação do último Relatório: Riscos para a estabilidade financeira global permaneceram elevados; Forte inclinação da curva de juros em importantes economias maduras; Atividade global em ritmo moderado; Certa acomodação dos preços das commodities nos mercados internacionais e tendência de apreciação do dólar dos Estados Unidos; e De modo geral, política monetária acomodatícia, nas economias emergentes e maduras. 7

8 Retrospectiva - Brasil Desde a divulgação do último Relatório: Crescimento de 1,5% da economia no segundo trimestre; No mercado de fatores: UCI relativamente estável e estreita margem de ociosidade no mercado de trabalho; No mercado atacadista, pressões de preços nos segmentos industrial e agrícola; Inflação ao consumidor elevada e mostrando resistência; e Continuidade do ciclo de ajuste das condições monetárias. 8

9 Perspectivas Exterior Riscos para a estabilidade financeira global ainda elevados, baixa probabilidade de ocorrência de eventos extremos; No horizonte relevante para a política monetária, a volatilidade dos mercados financeiros tende a reagir ao início do processo de normalização das condições monetárias nos Estados Unidos; Perspectivas de intensificação do ritmo de atividade global; e No horizonte relevante, perspectivas de aumento da inflação global. 9

10 Perspectivas Brasil Ritmo de atividade mais intenso neste e no próximo ano, com mudança na composição da demanda agregada; Déficit nas transações correntes financiado essencialmente com investimentos estrangeiros diretos; Expansão moderada do crédito (consumo em especial); Moderação de ganhos salariais; e Projeções indicam inflação em doze meses elevada no horizonte relevante, mas com tendência de recuo. 1

11 Fiscal: Retrospectiva e Perspectivas Relatório de Março: boxe apresentou metodologia de cálculo do superávit estrutural; Relatório de Junho: boxe informou que modelos de projeção levariam em conta o superávit estrutural; Ata de Julho: Ratificou informação de que, nas projeções, o indicador fiscal considerado seria o superávit primário estrutural (retrospectivamente: política fiscal expansionista); e Ata de Agosto: Repetiu informação de que o indicador fiscal considerado nas projeções era o superávit primário estrutural (prospectivamente: política fiscal pode se deslocar para a neutralidade). 11

12 12 Boxe Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte a variação do resultado estrutural entre dois períodos é a medida do impulso fiscal, que pode ser expansionista, contracionista ou neutro... Obs.: Seguindo procedimento universalmente aceito e utilizado (por exemplo, no WEO, do FMI)., (2) * 5 * t m m t m l l t l k k t k j j t j i i t i t u h y sup r h h Fiscal: Retrospectiva e Perspectivas

13 Fiscal: Retrospectiva e Perspectivas A geração de superávit primários em patamares semelhantes aos que vêm sendo obtidos recentemente é compatível com uma trajetória de razão dívida/pib estável nos próximos anos; O custo de financiamento do setor público aumentou; e Uma trajetória sustentável para o balanço do setor público contribui para o fortalecimento da confiança de firmas e famílias. 13

14 Perspectivas Projeções Projeção para o PIB: A taxa estimada para o crescimento do PIB em 213 foi revisada para 2,5%, ante 2,7% constante no Relatório de março; e A taxa estimada alcança 2,5% no acumulado em quatro trimestres até o segundo trimestre de 214. Projeções para a inflação: Cenário de referência: 5,8% para 213; 5,7% para 214; e 5,5% para o terceiro trimestre de 215; e Cenário de mercado: 5,8% para 213; 5,7% para 214; e 5,4% para o terceiro trimestre de

15 Cenário Prospectivo Política Monetária O Copom destaca que, em momentos como o atual, a política monetária deve se manter especialmente vigilante, de modo a minimizar riscos de que níveis elevados de inflação como o observado nos últimos doze meses persistam no horizonte relevante para a política monetária. 15

16 II. Ambiente Internacional 16

17 Mundo EUA Área do Euro BRICS América Latina % de crescimento real Atividade Expectativas ,9 3,2 2,7 3, 2, 1,6 PIB 1, 1,4 5,7 5,7 5,9 2,5 3,2 3,6-2 -,4 PIB 213 (%) mar jun set EUA 2, 1,9 1,9 1,6 Área do Euro -,1 -,2 -,6 -,4 Japão,7 1,2 1,8 1,9 Reino Unido 1,1,9,9 1,3 China 8,1 8,1 7,7 7,6 Índia 5,6 5,2 5,1 5,7 Brasil 3,4 3, 2,4 2,4 PIB 214 (%) dez mar jun set EUA 2,8 2,7 2,7 2,7 Área do Euro 1,2 1,1 1, 1, Japão 1, 1,3 1,5 1,6 Reino Unido 1,6 1,6 1,6 2, China 8, 8, 7,7 7,4 Índia 6,5 6,2 6, 5,2 Brasil 3,8 3,5 3, 2,2 Fontes: Bloomberg e Focus no último dia disponível de cada mês 17

18 Mundo EUA Área do Euro BRICS América Latina % Preços Expectativas , Inflação 2,8 2,8 1,6 1,9 2,2 1,5 1,5 1,6 3,9 4,6 4,2 7,2 6,8 6,3 Inflação 213 (%) dez mar jun set EUA 1,9 1,9 1,5 1,6 Área do Euro 1,9 1,7 1,5 1,5 Japão,,1,1,2 Reino Unido 2,5 2,6 2,7 2,7 China 3,1 3,1 2,8 2,6 Índia 8,6 8,6 9,3 6,1 Brasil 5,5 5,7 5,9 5,8 Inflação 214 (%) dez mar jun set EUA 2,1 2,1 1,9 1,9 Área do Euro 1,8 1,7 1,6 1,5 Japão 1,7 1,8 2, 2,3 Reino Unido 2, 2,3 2,4 2,3 China 3,5 3,5 3,2 3,2 Índia 7,6 7,9 8,3 8,7 Brasil 5,5 5,6 5,9 6, Fontes: Bloomberg e Focus no último dia disponível de cada mês 18

19 mar 1 jun 1 set 1 nov 1 fev 11 mai 11 ago 11 out 11 jan 12 abr 12 jul 12 out 12 dez 12 mar 13 jun 13 set 13 mar 1 jun 1 set 1 nov 1 fev 11 mai 11 ago 11 out 11 jan 12 abr 12 jul 12 out 12 dez 12 mar 13 jun 13 set 13 pontos básicos mar 1 jun 1 set 1 nov 1 fev 11 mai 11 ago 11 out 11 jan 12 abr 12 jul 12 out 12 dez 12 mar 13 jun 13 set 13 mar 1 jun 1 set 1 nov 1 fev 11 mai 11 ago 11 out 11 jan 12 abr 12 jul 12 out 12 dez 12 mar 13 jun 13 set 13 pontos pontos básicos Commodities, Volatilidade e Aversão ao Risco CRB Espanha Portugal Itália CDS VIX Brasil Turquia Rússia África do Sul CDS dados até 27/9 Fontes: BCB e Bloomberg 19

20 III. Condições Financeiras 2

21 * R$ bilhões em 12 meses Operações de Mercado de Capitais Domésticas Emissões Primárias ações debêntures outros *12 meses até jul/13 Fonte: CVM 21

22 ago 11 out 11 dez 11 fev 12 abr 12 jun 12 ago 12 out 12 dez 12 fev 13 abr 13 jun 13 ago 13 ago 11 out 11 dez 11 fev 12 abr 12 jun 12 ago 12 out 12 dez 12 fev 13 abr 13 jun 13 ago 13 % % a.a. ago 11 out 11 dez 11 fev 12 abr 12 jun 12 ago 12 out 12 dez 12 fev 13 abr 13 jun 13 ago 13 % Crédito: Custo, Inadimplência e Atrasos 45 42,3 Taxa de Juros pessoa física pessoa jurídica 4, 3,5 Pessoa Jurídica inadimplência atrasos de 15 a 9 dias 3,4 4 3, 36,5 2,5 2,3 35 2, 3 25,2 8,5 Pessoa Física 25 8, 2 2,6 7,5 7, 6,5 inadimplência atrasos de 15 a 9 dias 7,1 6,3 15 6, Fonte: BCB 22

23 mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 % mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 % Endividamento das Famílias e Provisões do Sistema ,1 21, ,4 19,7 Endividamento Comprometimento da Renda, com ajuste sazonal Endividamento sem habitacional CR sem habitacional, com ajuste sazonal ,5 21, , 3,8 CR CR 3m Provisões constituídas há 12m Créditos baixados para prejuízo até 12m Fonte: BCB 23

24 IV. Atividade 24

25 mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 abr 1 ago 1 dez 1 abr 11 ago 11 dez 11 abr 12 ago 12 dez 12 abr 13 ago 13 % do PIB, acum. 12m % (12m/12m ant) 2T 9 4T 9 2T 1 4T 1 2T 11 4T 11 2T 12 4T 12 2T 13 2T 9 4T 9 2T 1 4T 1 2T 11 4T 11 2T 12 4T 12 2T 13 % t/t-1, dessaz. Demanda Consumo das Famílias, FBCF 3,6 Superávit Primário Quantum de Exportações ,9 3, Fontes: IBGE, BCB e Funcex 25

26 abr 1 ago 1 dez 1 abr 11 ago 11 dez 11 abr 12 ago 12 dez 12 abr 13 ago 13 % a/a-1 % (12m/12m ant) mar 1 jul 1 nov 1 mar 11 jul 11 nov 11 mar 12 jul 12 nov 12 mar 13 jul 13 3T 9 4T 9 1T 1 2T 1 3T 1 4T 1 1T 11 2T 11 3T 11 4T 11 1T 12 2T 12 3T 12 4T 12 1T 13 2T 13 % (12m/12m ant) % t/t-1 Oferta Produção Industrial, ICS -2,1 3 Safra Agrícola 4 Quantum de Importações , , : estimativas IBGE em ago/13 Fontes: FGV, IBGE e Funcex 26

27 jan 7 mai 7 set 7 jan 8 mai 8 set 8 jan 9 mai 9 set 9 jan 1 mai 1 set 1 jan 11 mai 11 set 11 jan 12 mai 12 set 12 jan 13 mai 13 set 13 jan 7 mai 7 set 7 jan 8 mai 8 set 8 jan 9 mai 9 set 9 jan 1 mai 1 set 1 jan 11 mai 11 set 11 jan 12 mai 12 set 12 jan 13 mai 13 set 13 1=neutro, dessaz. jan 7 mai 7 set 7 jan 8 mai 8 set 8 jan 9 mai 9 set 9 jan 1 mai 1 set 1 jan 11 mai 11 set 11 jan 12 mai 12 set 12 jan 13 mai 13 set 13 jan 7 mai 7 set 7 jan 8 mai 8 set 8 jan 9 mai 9 set 9 jan 1 mai 1 set 1 jan 11 mai 11 set 11 jan 12 mai 12 set 12 jan 13 mai 13 set 13 Confiança e Expectativas de Firmas e Famílias Confiança Consumidor Serviços Indústria 9 7 Expectativas Consumidor Serviços Indústria Obs.: ICC: Proporção de respostas favoráveis proporção de respostas desfavoráveis + 1 (1=neutro) Fonte: FGV 27

28 Boxe: Projeções para o PIB Crescimento de 2,5% para 213 (demanda interna: 3,5 p.p. e exportações líquidas -1, p.p.) Oferta Agropecuária: 1,5% (-2,3% em 212); Indústria: 1,1% (-,8% em 212); e Serviços: 2,3% (1,7% em 212). Demanda Investimentos: 6,5% (-4% em 212); Consumo das Famílias: 1,9% (3,1% em 212); Consumo do Governo: 1,8% (3,2% em 212); Para o acumulado em quatro trimestres até o 2º tri de 214: crescimento de 2,5%. Fonte: BCB 28

29 2T 12 3T 12 4T 12 1T 13 2T 13 3T 13 4T 13 1T 14 2T 14 % Projeção de PIB Cenário de Referência* * juros constantes de 9,% a.a. Fonte: BCB 29

30 Boxes Pesquisa Mensal de Serviços Pesquisa mensal conjuntural do setor de serviços que passou a ser divulgada pelo IBGE a partir de julho, com dados desde janeiro 212; Resultados indicam moderação do crescimento do setor. Indicadores Alternativos do Mercado de Trabalho Trata da evolução recente do mercado de trabalho a partir de uma avaliação segmentada do conjunto de desempregados; As evidências indicam o subconjunto de recém desempregados como mais sensíveis a choques desfavoráveis na demanda por mão de obra; e Sugere acomodação no mercado de trabalho. Fonte: BCB 3

31 Boxes: Projeção para Balanço de Pagamentos 213 Déficit em CC mantido em US$75 bilhões, 3,3% do PIB (superávit BC passa de US$7 bilhões para US$2 bilhões; e remessas de lucros, de US$3 bilhões para US$24 bilhões); Taxa de rolagem de títulos e empréstimos de longo prazo ajustada de 139% para 1%; Ingresso líquido em títulos de renda fixa no país ampliados de US$12 bilhões para US$3 bilhões; e IED reduzido para US$6 bilhões, de US$65 bilhões. Taxa de Câmbio e a Balança Comercial Brasileira Efeitos da variação cambial sobre a balança comercial (e o produto) derivam, em um primeiro momento, de mudanças nas importações; e Exportações são sensibilizadas, sobretudo, pela demanda global (a taxa de câmbio afeta principalmente a exportação de produtos manufaturados). Fonte: BCB 31

32 V. Evolução da Inflação 32

33 Evolução da Inflação Índices de Preços Variação em 12 meses (%) ago/12 ago/13 IPCA 5,24 6,9 INPC 5,39 6,7 IPC-Fipe 4,1 4,88 IPC-C1 6,57 5,36 IGP-DI 8,4 3,98 IPA-DI 9, 2,81 Agrícola 17,92-2,41 Industrial 5,83 4,93 IPC-DI 5,69 5,54 INCC-DI 7,41 7,86 Fontes: IBGE, Fipe e FGV 33

34 ago 8 fev 9 ago 9 fev 1 ago 1 fev 11 ago 11 fev 12 ago 12 fev 13 ago 13 ago 1 dez 1 abr 11 ago 11 dez 11 abr 12 ago 12 dez 12 abr 13 ago 13 dez/5 = 1 ago 11 dez 11 abr 12 ago 12 dez 12 abr 13 ago 13 set 11 dez 11 mar 12 jun 12 set 12 dez 12 mar 13 jun 13 set 13 % em 12 meses % em 12 meses % em 12 meses Preços não-comercializáveis comercializáveis monitorados Inflação (IPCA) 8,4 6,8 1, Preços ao Produtor e IGP IPP IPA IGP 5,97 IPP ago 213 3,98% IGP-DI ago 213 2,81% IPA-DI ago IC-Br (R$) agropecuárias metálicas energéticas ,8 Preços de Alimentos In Natura -1,7 9,3 Fontes: BCB, IBGE e FGV 34

35 *ago 13 ago 8 fev 9 ago 9 fev 1 ago 1 fev 11 ago 11 fev 12 ago 12 fev 13 ago 13 aumento anual médio % % em 12 meses Salários Salário Real Salário Nominal 4,5 4, 4, 3,8 4, ,5 3, 2,5 3,2 3,4 3,2 2,7 2, , 1,5 1,,5, ,1 * 12m Fonte: IBGE 35

36 Projeções do Banco Central para a Inflação Cenário de Referência* e Cenário de Mercado Período Referência Mercado ,9 5, ,8 5, ,8 5, ,6 5, ,8 5, ,7 5, ,6 5, ,6 5, ,5 5,4 Obs.: inflação acumulada em 12 meses (% a.a.) * juros constantes de 9,% a.a. Fonte: BCB 36

37 3T 12 4T 12 1T 13 2T 13 3T 13 4T 13 1T 14 2T 14 3T 14 4T 14 1T 15 2T 15 3T 15 3T 12 4T 12 1T 13 2T 13 3T 13 4T 13 1T 14 2T 14 3T 14 4T 14 1T 15 2T 15 3T 15 % em 12 meses Projeções do Banco Central para a Inflação 1 Cenário de Referência (juros constantes de 9,% a.a.) 1 Cenário de Mercado Fonte: BCB 37

38 Boxes: Repasse de Choques de Preços no Atacado para o Varejo Repasse de choques sobre os preços no atacado para os preços ao consumidor ocorre em intervalos de tempo relativamente curtos; Bens comercializáveis são mais sensíveis a choques no atacado do que os bens não comercializáveis; e Choques sobre preços industriais têm impacto maior sobre os preços ao consumidor do que choques sobre preços agrícolas. Fonte: BCB 38

39 Visão do Mercado Quadro Resumo /6/13 26/9/133/6/13 26/9/133/6/13 26/9/13 IPCA 5,87 5,82 5,88 5,96 5,5 = 5,5 Preços Administrados 2,5 1,8 4,35 4,2 4,5 4,7 IGP-M 4,84 5,24 5,26 5,9 5, 5,5 IPA-DI 3,41 4,35 5,25 5,84 5, = 5, Selic (fim) 9,25 9,75 9,25 9,75 9,5 1, Câmbio (fim) 2,15 2,32 2,2 2,4 2,25 2,4 PIB 2,4 = 2,4 3, 2,21 3, 2,5 Produção Industrial 2,49 2,7 3,2 2,4 3,53 3,25 Balança Comercial 6, 2, 7,35 1, 1,5 12,1 Investimento Estrangeiro Direto 6, = 6, 6, = 6, 6, 56,5 Resultado Primário 1,8 1,7 1,58 1,5 2, = 2, Fonte: BCB 39

40 Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Boletim Regional Florianópolis

Boletim Regional Florianópolis Boletim Regional Florianópolis Carlos Hamilton Araújo Novembro de 2014 Índice I. Introdução II. Inferências Nacionais III. Região Sul IV. Santa Catarina V. Mercado de Crédito 2 I. Introdução 3 Missão do

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços 2 A inflação mais elevada no trimestre finalizado em fevereiro evidenciou, essencialmente, o realinhamento dos preços monitorados e livres, pressões pontuais advindas da desvalorização cambial,

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 20 1 Inflação Cenário Prospectivo O Copom avalia que: Reduziram-se os riscos à concretização de um cenário inflacionário benigno - reversão

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Programação monetária para o segundo trimestre de 1997

Programação monetária para o segundo trimestre de 1997 Março 1 Programação monetária para o segundo trimestre de A. A economia no primeiro trimestre de 1. A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) atingiu 2,91% em, refletindo a retomada PIB trimestral

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Focus - Relatório de Mercado

Focus - Relatório de Mercado Inflação nos próximos 12 meses suavizada Mediana - agregado IPCA (%) 6,30 6,04 6,00 (1) IGP-DI (%) 5,80 5,66 5,61 (2) IGP-M (%) 5,79 5,79 5,68 (2) IPC-Fipe (%) 5,33 5,11 4,98 (2) * comportamento dos indicadores

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Programação Monetária

Programação Monetária Diretoria Colegiada Departamento Econômico DEPEC Programação Monetária Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB, embora

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise

PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise 7º. SEMINÁRIO FEBRABAN DE ECONOMIA Depois da tempestade: a economia brasileira em 2009 PAINEL I O crédito doméstico em 2009 dentro do cenário pós crise São Paulo (SP), 25 de novembro de 2008 1 AVISO IMPORTANTE:

Leia mais

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015 Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre de, em relação ao anterior, após dois

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais