GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS RESUMO"

Transcrição

1 GESTÃO DE ESTOQUES UNIFICAÇÃO DO CADASTRO DE MATERIAIS INVENTORY MANAGEMENT REGISTRATION OF UNIFICATION OF MATERIALS Edgar Luis de Souza Bomfim - Marcelo Augusto da Silva - Ronaldo Aparecido Meira da Silva - Rogério Lucio Sponton - Prof. M. Sc. Francisco César Vendrame Prof. Esp. Ana Beatriz Lima RESUMO Com o mercado mais competitivo, os grandes grupos buscam uma administração eficiente e eficaz, para manterem-se forte no mercado. Uma das ferramentas mais utilizadas na administração é a gestão de estoque, destacando-se na área de suprimentos, que é responsável pela gestão de uma parte significativa dos recursos financeiros dos grupos. Compras e almoxarifados têm papel importante, porque essas áreas existem vários fatores a serem controlados com precisão. Também esta relacionada à satisfação do cliente, pois determina precisão no atendimento de pedidos com a disponibilidade dos materiais. Hoje, cada vez mais está prevista a reestruturação da gestão de estoque e os resultados positivos são visíveis e os números relacionados a ela. Com o objetivo de verificar a importância da gestão de estoque, focando as atividades de materiais de registro unificado foi realizada uma pesquisa de campo na empresa Equipav, localizada em Promissão. Após a pesquisa conclui-se que manter um cadastro atualizado pode oferecer condições para as áreas de compras e almoxarifados alcançar melhores resultados. Palavras chaves: Unificação. Gestão de Estoque. Material. ABSTRACT With the most competitive market, large groups are seeking an efficient and effective administration, for to remain strong in the market. One of the most used tools in the administration is the management of stock, standing out in the supplies area, which is responsible for managing a significant part of the financial resources of the groups. Shopping and warehouses has an important role, because these areas there are several factors to be controlled accurately. Also related to customer satisfaction because it determines accuracy in order fulfillment with the availability of materials. Today, more and more is planned to restructure its management of stock and the positive results are visible and figures related to it. Aiming to verify the importance management of stock, focusing the activities of unified registration materials has been carried out field research in the company Equipav, located in Promised. After the search is concluded that maintaining an updated register can offer conditions for the shopping areas and warehouses achieve better results. Keywords: Unification. Management stock. Material. - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

2 INTRODUÇÃO Os resultados positivos de uma empresa estão relacionados à gestão de estoque eficiente. Martins e Alt afirmam que a gestão de estoques constitui em ações que permitem o administrador analisar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados, bem manuseados e controlados. Estoques excessivos significam gastar dinheiro a toa, é assumir custo que não retorna beneficio algum. De acordo com Tófoli, cada empresa deve determinar qual o sistema mais conveniente e mais econômico pra o controle de seus estoques. Com o objetivo de demonstrar a importância da gestão de estoque através reestruturação do cadastro, foi realizada uma pesquisa de campo no período de fevereiro a outubro de 2010, na empresa Equipav S/A. A unificação do cadastro teve como foco a economia de tempo e resultados com custos, sendo assim possibilitou efetuar todas as compras de uma forma integrada para todas as unidades de negocio que compõe o grupo Equipav, pois se obteve aumento do volume a comprar, proporcionando melhor poder de negociação. 1 GESTÃO DE ESTOQUE De acordo com Slack, et al. (2008), todos os recursos transformados como materiais, informação, dinheiro e às vezes clientes, são considerados estoques. Os clientes são considerados como estoque nas operações de serviços, onde os clientes fazem filas, sendo necessário para o término do processo, seu atendimento e satisfação. Pode-se citar como exemplo bancos, lotéricas e qualquer tipo de abordagem que é útil em uma operação. Todos os processos, redes de suprimentos e operações acumulam estoque. No caso de materiais pode-se citar como exemplo material de limpeza na operação de montagem de um computador, é de baixo valor e relativamente sem importância - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

3 para a operação, porém, os estoques de componentes para a montagem são de alto valor e vital para a operação contínua. Entretanto, em empresa que prestam serviço de limpeza industrial, a falta do material de limpeza poderia parar todo o processo produtivo. Se o suprimento de um item ocorre exatamente quando fosse à demanda, o item nunca seria armazenado. Conforme Cruz, Santos e Oliveira (2006), a Gestão de Estoques permitem ao administrador verificar se os estoques estão bem utilizados, bem localizados em relações aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados, tendo indicadores de produtividade para controlar, como: diferenças entre o inventário físico e o contábil, acurácia dos controles, níveis de serviço, giro e cobertura de estoques. 2 CONTROLE DE ESTOQUE Segundo Martins; Alt, (2006), na busca constante e incansável dos gerentes de reduzir os estoques, seja de matéria prima, de produtos em processo ou produtos acabados, o desenvolvimento de novas técnicas de administração e novas filosofias gerenciais é importante. Afirma Tófoli (2008), cada empresa deve determinar qual o sistema mais conveniente e mais econômico pra o controle de seus estoques. Alguns sistemas de controle de estoque básicos são: sistema de duas gavetas, sistema de renovação, sistema de estocagem para fim específico, sistema curva ABC e outros. Podem ser realizadas combinações ou adaptações, utilizando simultâneamente vários sistemas. Segundo Fernandez (2003), os estoques representam capital investido, lançado no ativo da empresa, sendo assim, torna-se estratégico para qualquer empresa o controle adequado de seus estoques, de forma a reduzir os custos gerados pela existência deles. 3 CURVA ABC - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

4 Na análise de estoques uma das formas mais usuais é a curva ABC, que consiste na análise em certo tempo, na maioria das análises, 6 meses ou 1 ano. Para os itens mais importantes com maior valor e quantidade, dá-se a denominação de classe A, aos intermediários, classe B e aos menos importantes, classe C. (MARTINS; ALT, 2006). Afirma Fernandez (2003), que a curva ABC, classifica os produtos em três categorias, das quais o valor de A, representa maior parte do valor dos bens estocados (80%), apesar de ser a menor parte em quantidade (15 a 20%). B por sua vez representa de 35 a 40% dos bens, porém valendo em torno de 15% do total estocado, enquanto C representa a grande maioria dos materiais (40 a 50%), valendo apenas de 5 a 10% do total do estoque. Isso significa que os esforços no controle de estoque em sua empresa devem ser centralizados nos itens que compõem a classe A, os mais valiosos, mas em menor quantidade, mas não se deve deixar de controlar as classes B e C. O uso dos computadores e programas de gestão auxilia em muito o processo de controle dos estoques. 4 GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Segundo Slack, et al. (2008), o gerenciamento dos relacionamentos e fluxos e as operações constituem o gerenciamento da cadeia de suprimentos. Seu objetivo é satisfazer as necessidades dos clientes finais, contribuindo para qualquer mix de qualidade, velocidade, confiabilidade, flexibilidade e custo que o cliente final necessite. O conceito da cadeia de suprimentos refere-se ás redes internas de processo bem como as redes externas de suprimentos. Qualquer falha individual da operação em qualquer um destes objetivos pode se multiplicar por toda a cadeia de suprimentos. Embora o desempenho de cada operação possa ser adequado, o desempenho de toda cadeia poderia ser ruim. (Slack, et al. 2008). - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

5 5 GIRO DE ESTOQUE O giro de estoque mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou girou. Esse indicador é calculado a partir do quociente entre custo de mercadorias vendidas e o valor do estoque médio da empresa, sendo melhor que uma empresa tenha um giro alto de estoque, pois isso é um indicador de maior volume de vendas. (LOPRETE, et al 2009). Segundo Martin e Alt (2003) medem quantas vezes este estoque foi reposto, ou seja, quantas vezes foram renovadas de período em período. De acordo com Gitman (2004), o giro resultante passa a ter significado quando comparado ao de outras empresas, que atuam no mesmo setor. Assim o giro de estoque pode ser facilmente convertido em índice de idade media dos estoques. ou 6 CUSTOS DOS ESTOQUES A maioria das empresas brasileiras não aderiu ao sistema, para os poucos que aderiram, os resultados começaram a aparecer. O principal fator para esses ganhos estão nos investimentos em tecnologia, computadores e leitores de barras estão no mercado, mas o maior desafio é a troca transparente entre fabricantes e varejistas, que é complicado por envolver mudanças culturais. (HARA, 2005). Empresas precisam armazenar produtos, matéria-prima, material em processamento ou produtos acabados até serem vendidos, pois o ciclo de produção e de consumo é difícil coincidirem. Estocagem é sinônimo de produtos disponíveis para serem entregues aos clientes rapidamente, mas gera custos. A armazenagem - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

6 é seguramente uns dos gargalos da agroindústria. A estocagem se faz necessária quando a produção de bens não acompanha o consumo, a estocagem pode aumentar o valor dos produtos, mas instalações especializadas de armazenagem reduzem custo e melhor atende os clientes, (HARA, 2005). Conforme Bertaglia (2003), as empresas preferem utilizar métodos intuitivos para tomadas de decisão que envolve a administração de estoques. Como as empresas utilizam altos volumes de estoque seria conveniente aplicar métodos mais analíticos que suportem as tomadas de decisão. Já o departamento financeiro prefere manter estoques mínimos, aumentando a freqüência de compras no decorrer de um dado período. Os departamentos de vendas e manufatura preferem manter estoques altos para não haver surpresas de desabastecimentos. Para melhor resolver a questão nada mais que um gerenciamento baseado em bom senso e métodos analíticos. (BERTAGLIA 2003). 7 CUSTOS DE AQUISIÇÃO De acordo com Bertaglia (2003), essa análise dos estoques é fundamental para a identificação dos custos. Os principais custos de estoques são: custo de aquisição relacionado aos custos de pedir e obter o material, dividindo-se em custos fixos e variáveis. (BERTAGLIA 2003). Custo fixo é associado aos salários dos funcionários responsáveis pela emissão das requisições, já o custo variável, aumenta na proporção em que se aumenta o número de pedidos. (BERTAGLIA 2003). 8 CUSTO POR FALTA DE MATERIAL - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

7 Custo por falta de estoque, que traz conseqüências econômicas sérias para a empresa e provoca um impacto externo e interno. Os impactos externos incluem atrasos de pedidos e perdas de lucros provenientes das perdas de vendas, interferindo na reputação e futuras vendas da empresa. Os impactos internos incluem perdas de produção, reprogramações e atrasos no atendimento das datas. (BERTAGLIA 2003). 9 ESTUDO DOS ESTOQUES Afirma Martins; Alt, (2006), como estoques representam parte substancial dos ativos das empresas, devem ser vistos como fator potencial de geração de negócios e lucros. Com isso, cabe ao administrador verificar se a utilidade é adequada ou se é peso morto, não apresentando o retorno sobre o capital investido. Épocas de alta inflação, manter estoques altos poderiam ser adequadas para obter lucros, pois a reposição dava-se sempre a preços bem maiores. Em economia mais estável e de baixa inflação, isso não é adequado, uma boa gestão de estoques poderá ser responsável pelo lucro. O material, capital e mão-de-obra, formam o tripé que sustenta uma organização, pois sem o capital não se adquire o material, e sem o material não há como uma organização atingir seu objetivo seja na produção ou prestação de serviço. O controle desses pontos é fundamental para que a empresa possa reduzir seus custos com estoques e aquisições de materiais, pois uma adequada gestão de estoque é que permite a empresa se manter no mercado, garantindo assim seu papel que é de gerar lucros e crescimento constante. É por isso que o material deve ser tratado como estratégico, assim como o capital e o conhecimento agregados as organizações. (ROSA, 2003). Segundo Rosa (2003), foi em 1990 um período marcante para o setor de materiais, pois foi o período em que os profissionais encarregados pela produtividade viram o quanto era importante o controle e verificação de armazenamento, estoque, movimentação, tanto das matérias-primas, materiais auxiliares, produtos semi-acabados, em fabricação ou acabados, pois compõem - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

8 uma grande parcela do custo da mercadoria ou serviço fornecido, como também que a informática seria uma forte aliada para promover melhorias dos serviços de materiais. A manutenção dos estoques é a atividade reguladora entre a demanda e a disponibilidade dos produtos que responsável aproximadamente um a dois terços dos custos logísticos, a administração dos estoques busca manterem os níveis de estoque o mais baixo possível, e ao mesmo tempo promover disponibilidade desejada pelos clientes. (POZO, 2008) 10 PLANEJAMENTO DE ESTOQUE Afirmam Santos e Pereira (2010), que para garantir total eficiência entre as atividades de suprimento, produção, distribuição e pós-venda, têm que se cumprir um nível de resultado na gestão de estoque, relacionando a índices elevados na satisfação dos clientes. O planejamento estratégico tem como objetivo a maior competitividade e as operações de gestão de estoque estão diretamente ligadas à competência da administração. Para isso, a cadeia de suprimentos deve aproximar os centros de distribuição com os centros clientelistas, formando uma rede em que de um lado estão os fornecedores e do outro os consumidores. Uma maneira de aperfeiçoar os resultados dos processos logísticos, por meio de seus estoques de segurança e do controle de seus custos. (SANTOS; PEREIRA 2010). 11 HISTÓRICO DA EMPRESA A Equipav iniciou suas atividades em época que a produção de bens e insumos necessários à demanda nacional não tinha bom escoamento das suas fontes produtoras, em razão da precariedade das estradas, mas os homens que formaram - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

9 o grupo de empresas eram visionários, e acreditavam em si e na potencialidade do país. Hoje, está presente também nos setores Agroindustrial, Ambiental e de Concessões. Com os olhos no futuro, o Grupo Equipav continua apostando na diversificação sempre buscando a qualidade máxima de seus produtos e serviços. 12 UNIFICAÇÃO DE CADASTRO DE MATERIAIS Diante a pesquisa realizada a unificação do cadastro de materiais para grupo Equipav veio pela necessidade de um melhor gerenciamento de suprimentos, tendo como foco principal os almoxarifados e compras, pois cada unidade de negocio contava com um setor de compras e almoxarifados que não se relacionavam. Com a unificação do cadastro de materiais também houve uma melhor adequação quanto à estocagem desses materiais no almoxarifado e uma melhor informação técnica quanto às descrições desses materiais, descrições estas que são muito importantes para os usuários. 13 ALMOXARIFADO O almoxarifado foi foco principal na unificação, pois é o setor que mais sofreu mudanças. Todas as atividades do almoxarifado esta ligado ao material, seja ele de estoque, aplicação direta ou investimento. Conforme a pesquisa, cada unidade de negocio tinha seu sistema informatizado e cada almoxarifado seu cadastro de materiais. Com a unificação cada unidade de negocio passou a utilizar o mesmo sistema informatizado e um único cadastro de materiais. Durante os trabalhos de unificação do cadastro foram encontrados vários materiais em duplicidade no estoque, também materiais com marcas diferentes mais com a mesma aplicação em um determinado equipamento. Isso acabou diminuindo a quantidade de locações dos materiais nas prateleiras e também diminuindo a - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

10 quantidade de itens a serem negociados pelo setor de compras. Isso também refletiu no atendimento ao cliente interno, pois algumas pessoas mantinham o habito de utilizar somente uma determinada marca de material, porém através de pesquisas efetuados foi comprovado que outras marcas muitas vezes com custo mais baixo, poderiam suprir tanto e qualidade como tempo de duração da peça em sua aplicação. Peças originais que tem um custo muito alto, foram substituídas por peças paralelas de custo mais baixo, porém sem perder a qualidade do serviço. Para que isso acontecesse foi importante a participação dos setores da manutenção automotiva e industrial. Toda duvida a respeito da parte técnica foram tiradas com os profissionais de cada área e a introdução de uma nova marca fica a cargo dos técnicos, que fazem os testes de durabilidade e qualidade. 14 COMPRAS O setor de compras junto com o almoxarifado foram os que mais sofreram as mudanças, pois todo processo de suprimentos passa por estes setores. Antes da unificação do cadastro e implantação do sistema corporativo, as compras eram realizadas em cada unidade de negocio, com a unificação todas as compras passaram a ser corporativas e com apenas duas sedes, em Campinas na matriz e em Promissão que é a unidade de mais fluxo de solicitações. O setor de compras passou por reestruturação em sua estrutura, as compras deixam de ser locais e passam a ser corporativa, compradores das unidades de negócio foram remanejados para as duas sedes, Campinas e Promissão. O novo sistema permitiu que os compradores começassem a comprar por grupos de materiais e não mais pelos materiais da unidade local, pois com unificação do cadastro, os códigos dos materiais agora são os mesmos para todas as unidades. Toda estrutura de aprovação das cotações também foi modificada, passaram a ser toda via sistema e por alçadas de competência e valor. CONCLUSÃO - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

11 Concluímos que a unificação do cadastro trouxe eficácia administrativa e operacional para todos os setores envolvidos, destacando o departamento de compras, o almoxarifado e o departamento de manutenção, pois esses departamentos são vitais para as empresas do seguimento sucroalcooleiro. O departamento de compras após a unificação começou a efetuar as compras de forma corporativa, pois as compras são feitas para todas as unidades de negocio do grupo, assim aumentou as quantidades a serem negociadas, aumentado o poder de negociação dos compradores e conseqüentemente fechando suas negociações com preços mais baixos, tendo grandes valores economizados. O almoxarifado conseguiu eficácia nas suas rotinas administravas e operacional, pois a unificação trouxe a diminuição de itens duplicados ou itens com a mesma empregabilidade, assim tornou a reposição de estoque mais eficiente, repondo menos itens e em menos quantidades. Também devemos destacar a rotina operacional dos almoxarifados, antes da unificação os almoxarifados das unidades de negocio não se interagiam, e com a unificação todos os almoxarifados podem estar se auxiliando em uma urgência ou falta de um determinado material, ação esta que pode resultar em uma economia de valores significativa, pois um equipamento ou veiculo parado é prejuízo direto na produtividade da empresa. O departamento de manutenção também aprimorou sua operacionalidade, pois as informações técnicas que foram agregadas no recadastramento dos itens, trouxeram agilidade para os usuários e a eliminação de requisições de materiais emitidas de forma errônea, com isso resultado do departamento se tornou muito mais eficiente. REFERÊNCIAS BERTAGLIA, P. R. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento, São Paulo: Saraiva Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

12 CRUZ, M.C., SANTOS JUNIOR, M.P., OLIVEIRA, R.B. Gestão de Estoque, Lins, SP: Monografia (Graduação em Administração) Centro Universitário Salesiano Auxilium, Lins. FERNANDEZ, H. M. Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso, sebrae.com.br [ s.l.;s.d.] Acesso em 21/08/2010. GITMAN, L. J; Principio de administração financeira; 10 ed. tradução técnica Antonio Zoratto Sanvicente: São Paulo, Pearson Addison Wesley, HARA. M. T., Logística: Armazenagem, Distribuição e Trade Marketing Campinas: Alínea, LOPRETE, D. et. al. Gestão de Estoque e a Importância da Curva ABC, Lins, SP: Monografia (Graduação em Administração) Centro Universitário Salesiano Auxilium, Lins. MARTINS, P. G.; ALT, P. R. C. Administração de matérias e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva MARTINS. P.G., ALT. P.R.C., Administração de Materiais e recursos Patrimoniais, 2. ed.,são Paulo: Saraiva, POZO, H., Administração de recursos materiais e patrimoniais: Uma Abordagem Logística, 5 ed, São Paulo: Atlas, ROSA, C. B., Gestão de almoxarifado: Uma Abordagem Prática. São Paulo: Edicta, SANTO, J. P.; PEREIRA, C. D. S.;Estudo de caso: análise critica da utilização do modelo de gestão de estoque adotado pelo Centro de Distribuição da companhia Brasileira de Distribuição na regional Brasília: html-pdf-convert.com/cari/estudode-caso-planejamento-e-controle-de-estoque.html >. Acesso em 13 ago Brasília SLACK. N., CHAMBERS. S., JOHNSTON. R., BETTS. A., Gerenciamento de operações e de processos; tradução de Sandra de Oliveira., Porto Alegre: Bookman, TÓFOLI. I., Administração Financeira Empresarial: Uma Tratativa Prática, Campinas: Arte Brasil, Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 1, n.2, jul/dez de

GESTÃO DE ESTOQUES Equipav S/A Açúcar e Álcool Promissão-SP

GESTÃO DE ESTOQUES Equipav S/A Açúcar e Álcool Promissão-SP UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração Edgar Luis de Souza Bomfim Marcelo Augusto da Silva Rogério Lucio Sponton Ronaldo Aparecido Meira da Silva GESTÃO DE

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 10º Encontro - 04/09/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - INVENTÁRIO DE MATERIAIS - 3ª Dinâmica

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES RESUMO

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES RESUMO ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES Flávia Galdino Silva Juliana de Freitas da Silva Lícia Mara Denis Ferreira Unisalesiano Flavinha_galdino@hotmail.com Agulha.freitas@hotmail.com Licia.denis@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE E A IMPORTÂNCIA DA CURVA ABC

GESTÃO DE ESTOQUE E A IMPORTÂNCIA DA CURVA ABC GESTÃO DE ESTOQUE E A IMPORTÂNCIA DA CURVA ABC Diego Loprete Leandro Parinos Luiz Fernando Pacheco Luiz Henrique Baptista Pereira Profº Esp. Francisco Vendrame Lins SP 2009 0 GESTÃO DE ESTOQUE E A IMPORTÂNCIA

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência

GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência 1 GESTÃO DE ESTOQUE: um fator de obtenção de lucro através de sua eficiência RESUMO As empresas do mundo atual buscam melhores alternativas para que se tenha um bom método de gestão dentro da organização,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Sistema Binário

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

LOGISMATER QUEM SOMOS?

LOGISMATER QUEM SOMOS? CADASTRE E CONTROLE DE FORMA PADRONIZADA LOGISMATER QUEM SOMOS? Empresa voltada para soluções práticas na Área de Materiais. Possui um quadro de colaboradores com larga experiência em alinhamento de processos

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras Módulo Suprimentos Gestão de Compras Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Gestão de Compras. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais