Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II"

Transcrição

1 Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 10º Encontro - 04/09/ :50 às 20:30h

2 COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - INVENTÁRIO DE MATERIAIS - 3ª Dinâmica em sala de aula: hoje (04/09/12) - 2ª Atividade Extraclasse Individual, para ser entregue até 11/09/12. Valor: 1,0 (um ponto).

3 ABERTURA 03

4 Análise de Estoques 04 Como os estoques representam parcela substancial dos ativos das empresas, devem ser encarados como um fator de geração de negócios e de lucros. Assim cabe ao gestor dos estoques verificar se estão tendo a utilidade adequada ou sendo um peso morto, não apresentando o retorno sobre o capital neles investido. A gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao gestor verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que dele se utilizam, bem manuseados e bem controlados.

5 Indicadores de Desempenho 05 Os indicadores de desempenho dos estoques são fundamentais para uma análise do comportamento dos mesmos. Existem vários indicadores de produtividade na análise e controle dos estoques, sendo os mais usuais: Diferenças entre inventário físico e o contábil. Acurácia¹ dos estoques. Nível de serviço ou nível de atendimento. Giro dos estoques. Cobertura dos estoques. ¹Acurácia: Propriedade de uma grandeza física que foi obtida por processos ou por instrumentos isentos de erros.

6 Inventário Físico 06 O inventário físico consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferença entre o inventário físico e os registros do controle dos estoques, devem ser feitos ajustes conforme normas da empresa. Quais prejuízos podem ser gerados em função de diferenças entre o estoque físico e contábil? - Não atendimento à produção de bens e serviços. - Falhas no Planejamento de Produção. - Compras urgentes para reposição. - Diminuição da margem líquida da empresa. - Entre outros

7 Inventário Físico 07 O controle que pode ser feito em qualquer empresa para auxiliar o fluxo de caixa é o referente aos inventários. Estoques em excesso significa gastar dinheiro à toa, arcar com um custo que não traz benefício algum. Qualquer custo, seja ele relacionado à produção, à administração de materiais ou simplesmente ao estoque, pode ser reduzido se for bem gerenciado.

8 Inventário Físico 08 Se os recursos mais utilizados, como ativos fixos, mão de obra e energia, forem bem administrados, o produto ganhará em qualidade e o custo final será menor. Mudanças excessivas em ordens de produção, implicando parada de máquinas e aumento dos estoques em processo, acabam por gerar retrabalho, e é uma forma clara de desperdício, impactando no custo final do produto.

9 Análise de Estoques 09 Como descobrir se a empresa está com excesso de estoques? O inventário físico geralmente é efetuado de dois modos: periódico ou rotativo. Inventário periódico - é realizado em determinados períodos, geralmente no encerramento dos exercícios fiscais. Inventário rotativo - é realizado em períodos rotativos, ou por produtos, ou por família de produtos, de acordo com a política de gerenciamento de estoques de cada empresa. Qual o período adequado para realizar o inventário? Depende da política de gestão de estoques da empresa. Eu, Adm. Sérgio David, defendo que devem ser constantes.

10 Inventário Rotativo 10 Inventário rotativo - permanentemente se contam os itens em estoque. Nesse caso faz-se um programa de trabalho de tal forma que todos os itens sejam contados pelo menos uma vez dentro do período fiscal (normalmente 1 ano). Será o período de um ano adequado para que todos os itens sejam contados? Essa política exigirá um certo número de pessoas ou de tempo reservado exclusivamente à contagem dos itens.

11 Inventário Rotativo Um critério usual é contar a cada três meses 100% dos itens da classe A, 33,3% ao mês aproximadamente. 50% dos itens da classe B, 16,6% ao mês, 5% dos itens da classe C, 1,6% ao mês. Eu, Adm. Sérgio David, defendo que seja assim: Itens Classe A Inventário diário, independente da movimentação. Dessa forma garante-se a acuracidade, de, pelo menos, 80% do estoque. Itens Classe B Por movimentação de entrada ou saída. Movimentou hoje, inventaria amanhã. Itens Classe C De forma rotativa, sendo 05 a 10 itens por dia, dependendo do tamanho do estoque. 11

12 Inventário Rotativo Exercício 12 Uma empresa utiliza o inventário rotativo, contando a cada três meses, 100% dos itens da classe A, 60% dos itens da classe B e 10% dos itens da classe C. No último ano fiscal constatou dispor em seus estoques de sku s¹ diferentes, sendo da classe A, da classe B e da classe C. A classe A tem em média 25 pçs por sku, a classe B 40 pçs, e a C 80 pçs. A empresa trabalha 250 dias por ano. ¹SKU -Stock Keeping Unit = Itens distintos mantido em estoque, conhecidos também como código, referência ou part-number.

13 Inventário Rotativo Exercício (continuação) 13 Itens a serem contados: Classe A 100% de x 25 = pçs Classe B - 60% de x 40 = pçs Classe C 10% de x 80 = pçs Total de pçs contadas a cada três meses = pçs Total de pçs contadas por ano ( x 4) = pçs Se dividirmos pçs contadas por ano, por 250 dias, teremos pçs/dia. Qual a melhor opção para essa empresa, contar diariamente ou de 03 em 03 meses?

14 Acurácia de Controle dos Estoques 14 Acurácia Classe A = (Nº de itens com registros corretos / Nº total de itens) x 100 Acurácia Classe A = (980 / 1.100) x 100 = 89% ou seja, 11% dos itens em estoque não está OK. Acurácia Classe B = (R$ dos itens com registros corretos / R$ total de itens) x 100. Acurácia Classe A = ( / ) = 87% OK, ou seja, R$ ,00 (13%) não está OK (perda, furto?) Acurácia Classe C = (Quant de itens corretos / quantidade total de itens) x 100 Acurácia Classe A = ( / ) = 90% OK, ou seja, 10% do total de itens não está OK.

15 Nível de Serviço ou de Atendimento dos Estoques 15 É um dos indicadores mais importante, pois mede a eficácia dos estoques em atender às solicitações dos usuários, ou seja, será que os estoques tem atendido às necessidades dos setores da empresa? Um Exemplo: A Tigre, líder brasileira no mercado de tubos e conexões plásticas, espera aumentar sua base de clientes na região norte com a inauguração do novo centro de distribuição (CD), na região metropolitana de Belém. Para o diretor da Tigre, o novo CD é uma forma de prestigiar os clientes da região norte, pois permitirá aos revendedores reduzir seus estoques e melhorar o nível de serviço.

16 Nível de Serviço ou de Atendimento dos Estoques 16 Como descobrir se a Tigre está atendendo o seu objetivo? Nível de serviço = (nº de requisições atendidas / nº de requisições efetuadas) x 100 (requisições feitas ao Almoxarifado do CD de Belém) Nível de serviço = (98 / 105) x 100 = 93,3% Nível de serviço = (nº de pedidos atendidos / nº de pedidos efetuados) x 100 (pedidos feitos ao CD pelos distribuidores de Belém) Nível de serviço = (68 / 70) x 100 = 97,1%

17 Giro de Estoque 18 Mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou, ou seja, girou. Giro de Estoque = R$ consumido por período / valor do Estoque Médio no período. Mês Estoque Inicial Entradas Saídas Estoque Final Janeiro , , ,00 Fevereiro , , ,00 Março , , ,00 Abril , , ,00 Maio , , ,00 Junho , , ,00 Total

18 Giro de Estoque 16 Mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou, ou seja, girou. Giro de Estoque = R$ consumido por período / valor do Estoque Médio no período. Mês Estoque Inicial Entradas Saídas Estoque Final Janeiro , , , ,00 Fevereiro , , , ,00 Março , , , ,00 Abril , , , ,00 Maio , , , ,00 Junho , , , ,00 Total ,00

19 Giro de Estoque 20 Mês (EI+EF)/2 EM Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Total Estoque Médio (jan-jun) =

20 Giro de Estoque 19 Mês (EI+EF)/2 EM Janeiro (10.200, ,00)/ ,00 Fevereiro (19.400, ,00)/ ,00 Março (42.900, ,00)/ ,00 Abril (53.000, ,00)/ ,00 Maio (10.300, ,00)/ ,00 Junho (35.500, ,00)/ ,00 Total ,00 Estoque Médio (jan-jun) = ,00 / 6 = R$ ,00

21 Giro de Estoque 22 Giro de estoque = R$ consumido por período (soma das saídas) / valor do Estoque Médio no período Giro de estoque = ,00 / ,00 = 11,49 Em seis meses, o estoque girou 11,49 vezes Obs.: A análise de Giro de Estoque pode ser aplicada a valores e a quantidades. No caso acima foi aplicado em valores R$. O que é melhor: o estoque girar muitas vezes em um determinado período ou poucas vezes? Se um determinado item em análise girou 02 vezes no ano anterior e está com uma quantidade elevada em estoque, significa dizer o que para o gestor do estoque?

22 Cobertura do Estoque 23 Indica o nº de dias que o Estoque Médio será suficiente para cobrir a demanda média. Cobertura em dias = nº de dias do período / giro de estoque Cobertura = 180 dias / 11,49 vezes que girou = 15,66 dias. Significa que nesses seis meses, manteve-se um Estoque Médio suficiente para suprir 15,66 dias de demanda. É muito, é pouco? O que vocês acham? Não seria melhor o estoque médio atender a um maior número de dias de demanda?

23 CONTROLE DE ESTOQUE 2ª Atividade Extraclasse Entregar até 11/09/12 - Impreterivelmente Pesquisar em qualquer loja de varejo (calçados, roupas, restaurantes, etc), como se processa o inventário (diário, semanal, mensal, anual) A pesquisa deve ocorrer em empresa diferente da empresa pesquisada no Controle de Estoque. Valor: 1,0 (um ponto). Caso não haja nada desenvolvido e em operação, descrever como você faria para implantar um processo de inventário na empresa. Para aqueles que não estão trabalhando no momento, buscar uma empresa, hotel, pousada, loja comercial ou de serviços, lanchonete, entre outras, que lhe permita essa busca e realizem a atividade. Observação: Não será aceito que não conseguiu fazer porque ninguém lhe atendeu. Faculdade de Ilhéus CESUPI Ilhéus-BA Administração da Produção II Prof. Adm. Sérgio David Data: / / 23 Nome do Aluno(a): Empresa Pesquisada: Localização: Obs.: Dissertação com no mínimo de 25 linhas e máximo de 50 linhas (regras ABNT).

24 3a DINÂMICA EM SALA DE AULA Cálculos de Controle de Estoque - Formar duplas. - Efetuar os cálculo e responder a questão apresentada. - Tempo para resolução: 15 minutos. - Valor: 0,5 (meio ponto)

25 25 Obrigado a TODOS e até o próximo encontro!!! Vida Longa e Próspera!!!

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 7º Encontro - 09/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - PRODUTIVIDADE - VÍDEOS PARA DEBATE -

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014 PROCESSO DE CONTAGEM DE INVENTÁRIO FÍSICO Para um resultado satisfatório na execução da contagem do inventário físico é importante que os preparativos tenham início 30 dias antes da data programada para

Leia mais

Processo Entrada Geração de Notas Fiscais para gerar estoques para produtos de fabricação próprios

Processo Entrada Geração de Notas Fiscais para gerar estoques para produtos de fabricação próprios Página 1 Processo Entrada Geração de Notas Fiscais para gerar estoques para produtos de fabricação próprios Página 2 Sumário Procedimento para criar inventário:... 03 Procedimento para atualizar o inventário:...

Leia mais

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA TÍTULO: SISTEMA DE INVENTARIO NA AREA DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO,

Leia mais

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Curva ABC Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração da curva ABC... 4 Configuração

Leia mais

Processo: Logística. Motivação. Nome do Processo: Inventário Cíclico. Desenvolvimento Versão 2009 Release 61 Autor Jaciara

Processo: Logística. Motivação. Nome do Processo: Inventário Cíclico. Desenvolvimento Versão 2009 Release 61 Autor Jaciara Desenvolvimento Versão 2009 Release 61 Autor Jaciara Processo: Logística Nome do Processo: Inventário Cíclico Motivação Foi feita uma alteração no método de inventariar estoques do Millennium Business.

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE. Procedimento Operacional Padrão

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE. Procedimento Operacional Padrão Orientação para Elaboração Inventário nas Unidades de Saúde 1. PALAVRA CHAVE: inventário, estoque, contagem de estoque, controle de estoque 2. OBJETIVO 2.1. Auxiliar e melhorar o controle de estoque das

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

OFIC0730 Indicadores Gerenciamento de Peças TSM

OFIC0730 Indicadores Gerenciamento de Peças TSM Arquivo: OFIC0730.doc - Página: 1/5 OFIC0730 Indicadores Gerenciamento de Peças TSM O objetivo deste programa é gerar a planilha Quadro Indicadores de Gerenciamento de Peças TSM Básico para a Toyota do

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 8º Encontro - 28/08/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CONTROLE DE ESTOQUE e SCM. - PLANO MESTRE

Leia mais

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque A Globaw analisa a situação atual do cliente e apresenta soluções sob medida de automação de estoque (Almoxarifados, armazéns e CDs) matéria prima, materiais

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Almox Express Especificação de Requisitos

Almox Express Especificação de Requisitos 1. Introdução Almox Express Especificação de Requisitos Este documento descreve um sistema de gerenciamento de almoxarifado, denominado de Almox Express, a ser desenvolvido por um grupo de estudo. Nele

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Unidade II 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE CAPITAL Morgado (01) afirma que a importância do planejamento e do controle financeiro em uma empresa está intimamente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS?

POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS? POR QUE ALGUNS E-COMMERCES PROSPERAM APESAR DAS INCERTEZAS? SAMUEL GONSALES Analista de Sistemas MBA em Gestão de Negócios PÓS em Sistemas Integrados de Gestão. Gerente de Produtos e-commerce responsável

Leia mais

Manual Módulo de Custos

Manual Módulo de Custos Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Conteúdo Introdução...... 3 I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI.......

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Observamos que a gestão de estoques deixou de ser considerada fonte de custo e passou a ser vista como fonte de lucro. A área de materiais tornou se uma área estratégica, com possíveis ganhos

Leia mais

MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS

MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS Manual de Solicitação de Compras 1 SUMÁRIO Acesso ao SIE:... 2 1. Acesso à tela de Solicitação de Compras... 3 2. Abrir nova Solicitação de Compras...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE Bares e Restaurantes

CONTROLE DE ESTOQUE Bares e Restaurantes CONTROLE DE ESTOQUE Bares e Restaurantes O objetivo deste documento é apresentar resumidamente a importância do controle de estoque para um comércio. 1. Estoque O estoque é a armazenagem de mercadorias,

Leia mais

Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas

Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas 1 Módulo Almoxarifado Módulo que busca a redução de custos e controla os bens de consumo.

Leia mais

ESTOQUE. Manual Estoque Atualizado em 29/06/2007 Pág. 1

ESTOQUE. Manual Estoque Atualizado em 29/06/2007 Pág. 1 MANUAL ESTOQUE Pág. 1 INTRODUÇÃO AO MÓDULO ESTOQUE Sua empresa seja de pequeno, médio, ou grande porte, precisa de um sistema que contemple as principais rotinas de controle de estoque. É para contornar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

LOGISMATER QUEM SOMOS?

LOGISMATER QUEM SOMOS? CADASTRE E CONTROLE DE FORMA PADRONIZADA LOGISMATER QUEM SOMOS? Empresa voltada para soluções práticas na Área de Materiais. Possui um quadro de colaboradores com larga experiência em alinhamento de processos

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

RESULTADO COM MERCADORIAS!!!

RESULTADO COM MERCADORIAS!!! RESULTADO COM MERCADORIAS!!! Aula 26/10/2009 RCM Já aprendemos como é contabilizada a venda de uma mercadoria! Os valores das vendas e dos custos foram informados, mas no dia a dia, na maioria das vezes

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS

INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo de verificação dos estoques de produtos, mercadorias e materiais da empresa. Esta verificação é feita in loco,

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Continuando a série 100 motivo para implantar um CRM, veremos agora motivos referentes a BackOffice de CRM. Se você não tem a primeira parte da nossa apresentação, com os primeiros 15 motivos para implantar

Leia mais

Seu cadastro na empresa! Para quem é esta oportunidade? O grande negócio! Administração Financeira Diretora Executiva Beth Filippelle Administração Financeira Você sabia? O mercado

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência

NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W. Atividade Descrição Versão Abrangência NOVIDADES DA VERSÃO 2.10 DO SANKHYA-W Atividade Descrição Versão Abrangência Nota de complemento Geração de nota de complemento através do Sankhya-W. Informações da Sankhya/Jiva no Os e-mails de NF-e enviados

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

E&L Controle de Estoque e Materiais. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Estoque e Materiais. Perguntas Frequentes E&L Controle de Estoque e Materiais Perguntas Frequentes 1. Qual relatório deve ser tirado para fazer a prestação de contas? Balancete de Materiais por detalhado. Esse relatório está disponível no menu

Leia mais

Fechamento de Balanço Almoxarifado

Fechamento de Balanço Almoxarifado Fechamento de Balanço Almoxarifado 1ª Etapa: Realizar a emissão do relatório de Balancete de Materiais por Dotação através do Menu Relatórios / Prestação de Contas. Será aberta a seguinte tela: Informe

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Manufatura

Sistema Integrado de Gestão de Manufatura O Conceito Competitiva. Rentável. Produtiva. Não é assim que você quer ver a sua empresa? Nós também. A SIGMA SERVICES sabe que o sucesso da sua empresa depende basicamente das decisões que você toma e

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É?

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse

Leia mais

Relatório de Resultado Pós-Vendas (Peças/Oficina)

Relatório de Resultado Pós-Vendas (Peças/Oficina) Relatório de Resultado Pós-Vendas (Peças/Oficina) Introdução O processo de pós vendas consiste em todas as assistências técnicas realizadas em veículos nas concessionárias e as peças vendidas no balcão.

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Sistema Gestão Comercial 2012

Sistema Gestão Comercial 2012 Sistema Gestão Comercial 2012 Charles Mendonça Analista de Sistemas Charles Informática Tecnologia & Sistemas Charles System Gestão Empresarial O Charles System é um software para empresas ou profissionais

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE. Histórico

SOLUÇÕES DE SOFTWARE. Histórico Histórico - Originado do Software Practico, produto presente em mais de 2000 clientes o Smart Practico foi produzido em 2007 visando atender as necessidades do micro varejo. Este produto possui todas as

Leia mais

MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO

MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO Para uma empresa se destacar em relação à outra, um fator é muito importante, o conhecimento do seu negócio. Conhecer o negócio, não basta apenas saber

Leia mais

Entrada de Produtos por arquivo XML. Varejo-Vestuário

Entrada de Produtos por arquivo XML. Varejo-Vestuário Entrada de Produtos por arquivo XML Varejo-Vestuário 1 Objetivo: A importação de produtos através do arquivo XML da nota fiscal eletrônica permite o controle de estoque. Não há erros no cadastro de entrada

Leia mais

Inventario de produtos

Inventario de produtos Inventario de produtos Parar o TAC. Gerar o inventario. Informações de erros na importação de produtos. Produtos sem código tributário associado. A posse de produtos no Thotau. Como corrigir as posses

Leia mais

COMUNICADO SIAD 44/2005 ASSUNTO: Material de Consumo Decreto de encerramento de exercício 2005

COMUNICADO SIAD 44/2005 ASSUNTO: Material de Consumo Decreto de encerramento de exercício 2005 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rua Bernardo Guimarães, 2731. Tel.: (31) 3290-4600 CEP: 30.180-140 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil CGC: 18.715.607 / 0001-13 Inscrição Estadual: Isento

Leia mais

Controle Faixa de numeração de controle (numeração de talão de vendas) dos pedido que deseja visualizar.

Controle Faixa de numeração de controle (numeração de talão de vendas) dos pedido que deseja visualizar. 1-1-5-5- RELATÓRIOS DE VENDA (menu 5-2-2) Permite visualizar relação de pedidos (vendas ou não) realizados em determinado e período e com determinadas características desejadas. Período Informe o período

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF MISTER CHEF Histórico - A MISTERCHEF é uma empresa genuinamente brasileira com 16 anos de experiência e uma ampla especialização na criação e desenvolvimento de soluções para Automação Comercial do Varejo.

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação)

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação) Aula 3 Adm. de Materiais-TRE- ALEX DINIZ INDICADORES Giro de estoques Rotação de Estoques GIRO é a média de entrada e saída de um item em estoque, A unidade que este vem expresso é o inverso da unidade

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Inventário Geral versus Inventário Cíclico

Inventário Geral versus Inventário Cíclico Inventário Geral versus Inventário Cíclico Qual a melhor opção para combater divergências de inventário e melhorar os indicadores de estoque e de atendimento ao cliente. Iuri Destro Coordenador de produtos

Leia mais

Software de gestão para pequenas empresas excelentes.

Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Qual sua estratégia para o sucesso? Seja qual for a estratégia, para o pequeno empresário do varejo entender o que o cliente quer, se antecipar e ter

Leia mais

O que é um inventário?

O que é um inventário? Com a chegada do fim de ano e os encerramentos fiscais e contábeis, as empresas fazem o processo de inventário do seu estoque. O que é um inventário? Inventário basicamente é uma lista de bens e materiais

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Quem não sabe administrar tostões, não sabe administrar milhões. Atenção para estas perguntas: Você possui uma conta corrente ou poupança separada para o seu negócio? O que você

Leia mais

1 Organização de estoque no Gera 1

1 Organização de estoque no Gera 1 ESTOQUE 1 Organização de estoque no Gera 1 1.1 Endereçamento de estoque no GeraSGI 1 1.2 Configuração das Estações (Ruas) 2 1.3 Configuração das Racks (Prateleiras) 4 1.4 Cadastro dos Produtos no Endereçamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO Gustavo Carrer I. Azevedo gustavoa@sebraesp.com.br @gustavocarrer /gustavocarrer Prevenção de Perdas O que são perdas no Varejo? Toda e qualquer interferência negativa no

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS Página 1 de 11 Considerações Iniciais Previous Top Next CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 - Procedimento de Backup - Segurança Recomendamos a Atualização do Sistema pelo Site da Sistematec, para utilizar a última

Leia mais

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Custo de oportunidade e decisões Custo explícito é aquele que requer gasto em dinheiro. O custo implícito, por outro lado, não implica despesas

Leia mais

EXERCÍCIO AVALIATIVO DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO PROJETO CONTROLES

EXERCÍCIO AVALIATIVO DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO PROJETO CONTROLES EXERCÍCIO AVALIATIVO DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO PROJETO CONTROLES Aula 5 1) Num levantamento realizado pela Fiscalização em uma loja de venda de celulares, constatou-se que o contribuinte omitiu operações

Leia mais

Controle de custos. O gerenciamento das ferramentas indispensáveis para o sucesso. Turismo Gastronômico: Um passeio pelas delícias de Campos do Jordão

Controle de custos. O gerenciamento das ferramentas indispensáveis para o sucesso. Turismo Gastronômico: Um passeio pelas delícias de Campos do Jordão Nº 4 Ano I Novembro/Dezembro 2008 www.btsp.com.br Controle de custos O gerenciamento das ferramentas indispensáveis para o sucesso Turismo Gastronômico: Um passeio pelas delícias de Campos do Jordão Inclui

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Manual do Módulo. MerchNotas

Manual do Módulo. MerchNotas Manual do Módulo MerchNotas Bento Gonçalves (RS), Agosto de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Menu Entrada de Notas... 5 2.1. Entrada de Notas (F11)... 5 2.2. Entrada de Notas NFe (F12)... 8 2.3. Apuração

Leia mais

Sintegra & Sped Fiscal

Sintegra & Sped Fiscal As alterações nos processos fiscais e Sintegra & Sped Fiscal os seus impactos para as pequenas e (A solução!) médias empresas no Brasil Quem somos nós... A MF Tecnologia e Sistemas se especializou no sentido

Leia mais

Obrigado por adquirir o FOCUS 10!

Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Somos do setor de apoio à implantação do software de Gestão Óptica - Focus 10. Daremos todo o suporte remoto, para os primeiros dos muito importantes passos a serem dados

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF)

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF) 1 Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão SEM Impressora de cupom fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa...3 2. Configurações dos Parâmetros......3 3. Cadastro de cliente...4

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE

PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE SAMUEL GONSALES MBA em Gestão de Negócios e PÓS em Sistemas Integrados de Gestão (ERP). Gerente de Produtos e-millennium. Professor

Leia mais

INÍCIO. Definição da Operação de Entrada ou Saída. Cadastro do Tipo de Movimento. Gera Financeiro? Vai Contabilizar? Vai ter Centros de Custos?

INÍCIO. Definição da Operação de Entrada ou Saída. Cadastro do Tipo de Movimento. Gera Financeiro? Vai Contabilizar? Vai ter Centros de Custos? INÍCIO Toda Operação a Ser Criada ou Modificada no Atak Precisa Ser Registrada no Suporte do Atak Redmine. Definição da Operação de Entrada ou Saída Cadastro do Tipo de Movimento Contabilidade Cria o Movimento

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

Escrita Fiscal Tron SPED FISCAL

Escrita Fiscal Tron SPED FISCAL 1 Escrita Fiscal Tron SPED FISCAL A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse dos

Leia mais