Gerenciamento do dia a dia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento do dia a dia"

Transcrição

1 CICLO DO PDCA

2 Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise crítica do desempenho, dos indicadores através da identificação, análise e solução dos problemas que ocorrem na gestão possibilitando a participação de todos os profissionais envolvidos no processo e/ou problema.

3 Mas afinal... O QUE É UM PROCESSO? 3

4 EXISTEM VÁRIAS DEFINIÇÕES! Um processo é um conjunto de atividades estruturadas e medidas destinadas a resultar num produto especificado para um determinado cliente ou mercado. Conjunto de atividades ligadas que tomam um insumo (input) e o transformam para criar um resultado (output). A transformação que nele ocorre deve adicionar valor e criar um resultado que seja mais útil e eficaz ao recebedor acima ou abaixo da cadeia produtiva.

5 VISÃO POR PROCESSOS FORNECEDOR CLIENTE INSUMOS PROCESSO PRODUTO

6 PROCESSOS... Agente 1 Agente 2 Agente 3 Agente N PROCESSO Interfuncional PROCESSO Funcional PRODUTO / SERVIÇO PRESTADO GRANDES OPORTUNIDADES DE GANHO: RETRABALHO, DEMORA, SIMPLIFICAÇÃO, COMUNICAÇÃO, ETC

7 Metodologia A Gestão pela Qualidade adota o Método de Solução de Problemas (PDCA) e utilização de Ferramentas da Qualidade, com a finalidade de identificar o problema, mensurá-lo, analisá-lo e propor soluções.

8 O que é o PDCA? O ciclo do PDCA compõe um conjunto de ações em sequência dada pela ordem estabelecida pelas letras que compõem a sigla: P (plan: planejar) D (do: fazer, executar) C (check: verificar, controlar) A (act: agir, atuar corretivamente) É uma proposta de abordagem organizada para a solução de qualquer tipo de problema. Assim, podemos orientar de maneira eficaz/eficiente a preparação e a execução de atividades planejadas para a solução de um problema.

9 Para elaboração do Ciclo do PDCA recomendamos a utilização das Ferramentas da Qualidade. Você sabe o que são Ferramentas da Qualidade? PDCA

10 Ferramentas da Qualidade São técnicas que utilizamos com a finalidade de definir, mensurar, analisar e propor soluções para os problemas que interferem no desempenho dos processos de trabalho e assim obter sua melhoria. O próprio Ciclo PDCA é uma ferramenta da qualidade. A seguir mais algumas: Fluxograma Brainstorming Estratificação Folha de Verificação Diagrama de Ishikawa Gráfico de Pareto Diagrama de dispersão Gráfico sequencial e carta de controle Histograma 5W2H PDCA

11 Agrupamento das 7 Ferramentas do C.Q. Estratificação Folha de Verificação Estratificação Gráfico de Pareto Folha de Verificação Gráfico de Pareto Priorizar o ataque aos problemas Diagrama de Dispersão Diagrama de Ishikawa Diagrama de Causa e Efeito Diagrama de Dispersão Ordenar cientificamente os fatores causais Histograma Gráfico Sequencial e Carta de Controle Histograma Gráfico e Carta de controle Avaliar e monitorar processos

12 Fluxograma PDCA Fluxograma Representa graficamente a interação entre as diversas áreas que participam de um dado processo, composto por uma série lógica de atividades. Os processos de trabalho são representados através de símbolos / figuras. O fluxograma possibilita a visualização do processo como um todo e das relações cliente / fornecedor Início e final de processo Etapa do processo (ações) Representa documento Ponto de decisão (perguntas) Direção em que o processo ocorre Conector define continuação do fluxo (mesma página ou página seguinte)

13 Fluxograma PDCA Fluxograma

14 Brainstorming PDCA Brainstorming É uma técnica utilizada para auxiliar um grupo a criar tantas idéias quanto possível num curto espaço de tempo. Regras: Evitar criticar idéias; Quantidade de idéias é necessária; Escrever em um flip-chart ou quadro todas as idéias; Todos do grupo devem concordar com a questão; Deve ser dinâmico.

15 Estratificação PDCA Estratificação Esta ferramenta é uma maneira de se enxergar uma situação sob vários ângulos diferentes, identificando diversas partes do todo, ou subgrupos dentro do grupo maior. Com a estratificação, pretende-se examinar o problema, permitindo sua visão de forma mais específica (NOGUEIRA, 1999). Vamos imaginar, por exemplo, que um determinado hospital esteja enfrentando um sério problema de aumento do absenteísmo entre seus colaboradores.tomando esta situação, por exemplo, surgem alguns questionamentos: Como tem ocorrido este absenteísmo? Ocorre de forma generalizada ou prevalece em um determinado dia da semana ou turno? Acontece com todas as categorias profissionais?

16 Estratificação PDCA Estratificação Por tempo Hora, dia da semana, dia do mês, mês, turno, horários diurno, noturno,... Por local Emergência, Centro Cirúrgico, Farmácia,... Por tipo Serviço e ou Produto. Por sintoma Erro, Evento Sentinela e Evento Adverso. Por fatores Método, pessoas, equipamentos, materiais,...

17 Folha de Verificação PDCA Folha de Verificação É um formulário que permite uma coleta de dados organizada, facilitando sua análise e interpretação. Utilizado para tabular dados de uma observação amostral, identificando a frequência dos eventos previamente selecionados, a um período determinado. OCORRÊNCIA VERIFICAÇÃO TOTAL ATRASO ANESTESISTA IIII 4 ATRASO CIRURGIÃO IIIII IIIII 10 SALA OCUPADA IIIII IIIII IIIII 30 FALTA DE ROUPA IIIII IIIII IIIII 70 FALTA DE MATERIAL ESTERELIZADO IIIII IIIII IIIII I 16 OUTROS IIIII IIIII 10 TOTAL 140

18 Folha de Verificação PDCA Folha de Verificação Quais são os Cuidados necessários? Definir o período de tempo da coleta; Desenhar a Folha de Verificação de uma forma clara e fácil de usar; Obter os dados de uma maneira consistente e honesta; Certificar-se de que as pessoas que irão preencher, realmente sabem e concordam com a Folha de Verificação. Uma Folha de Verificação bem feita auxilia muito na solução de um problema.

19 Diagrama de Ishikawa PDCA Diagrama de Ishikawa Conhecido como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe, é uma ferramenta gráfica utilizada para identificar, explorar, ressaltar, mapear fatores que julgamos afetar um problema. O Diagrama de Ishikawa mostra a relação entre uma característica de qualidade (efeito) e os fatores que a influenciam (causas). Esse diagrama também é conhecido como 6M ou 4P pois, em sua estrutura, todos os tipos de problemas podem ser classificados como sendo de seis ou quatro tipo diferentes: REGRA DOS 6M OU DOS 4P Máquina Matéria-prima Mão-de-obra Método Medição Meio Ambiente Políticas Procedimentos Pessoal Planta(layout)

20 Diagrama de Ishikawa PDCA Diagrama de Ishikawa Mão de Obra Métodos Materiais EFEITO Máquinas Meio Ambiente Medidas Uma grande seta indica o problema (efeito) à direita. Os ramos em formato de espinha de peixe representam as principais causas potenciais.

21 Diagrama de Ishikawa PDCA Diagrama de Ishikawa MATÉRIA PRIMA MÁQUINA MÉDIDA CARRO COMBUSTÍVEL RELÓGIO MARCADOR DE COMBUSTÍVEL O CARRO CHEGOU ATRASADO CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS ESTRADAS MOTORISTA MECÂNICO DE MANUTENÇÃO TRAGETO PLANEJADO EFEITO ACESSOS MEIO AMBIENTE MÃO DE OBRA MÉTODO PROVÁVEIS CAUSAS

22 Diagrama de Ishikawa PDCA Diagrama de Ishikawa Utilizado no HSR Materiais/ Equipamentos Organizacional Ambiente EFEITO Pessoas Paciente Processos Uma grande seta indica o problema (efeito) à direita. Os ramos em formato de espinha de peixe representam as principais causas potenciais.

23 Gráfico de Pareto PDCA Gráfico de Pareto Gráfico de barras que ordena as frequências das ocorrências. Da maior para a menor, permitindo a priorização dos problemas; Sua maior utilidade é a de permitir uma fácil visualização e identificação das causas ou problemas mais importantes, possibilitando a concentração de esforços sobre os mesmos. Para que serve o Gráfico de Pareto? Ressaltar a importância relativa entre vários aspectos; Identificar um ponto de partida para a solução de um dado problema; Escolher o que priorizar em sua análise; Dirigir esforços para aquilo que realmente importa.

24 Gráfico de Pareto PDCA Gráfico de Pareto Causas de Atraso de Cirurgias nº absoluto % acumulada 0 FALTA DE ROUPA SALA OCUPADA FALTA MAT. ESTERELIZADO ATRASO CIRURGIÃO ATRASO ANESTESISTA OUTROS 0 ATRASO DE CIRURGIAS PERCENTAGEM ACUMULADA

25 Diagrama de Dispersão PDCA Diagrama de Dispersão São gráficos que permitem avaliar se existe correlação entre duas ou mais variáveis, bem como a intensidade desta correlação e a relação de causa e efeito. Gráfico cartesiano que representa a relação entre duas variáveis.

26 Diagrama de Dispersão PDCA Diagrama de Dispersão Consultas Marcadas Dias Número de Faltas

27 Diagrama de Dispersão PDCA Diagrama de Dispersão Número de Desistência Tempo de Atendimento

28 Gráfico Sequencial e Carta de Controle PDCA Gráfico Sequencial e Carta de Controle Os gráficos seqüenciais são instrumentos que mostram, de forma dinâmica, a forma como um determinado processo está evoluindo ao longo do tempo, tornando evidentes eventuais tendências ou padrões indesejáveis que possam estar ocorrendo. Quando acrescidos de limites de controle superior e inferior, que são determinados estatisticamente, através de cálculos e fórmulas específicas, estes gráficos passam a ser chamados cartas de controle, e são utilizados para monitorizar e controlar o desempenho dos processos e para estudar a variação e suas causas (NOGUEIRA, 1999).

29 Gráfico Sequencial e Carta de Controle PDCA Tempo (min) Gráfico Sequencial e Carta de Controle Limite superior de controle Limite inferior de controle dia

30 Histograma PDCA Histograma É uma ferramenta que consiste num gráfico de barras que associa os valores de uma característica da Qualidade, dividida em pequenos intervalos, com a freqüência com que ocorreram na amostra. Conforme destaca Nogueira (1999), o histograma resume e mostra visualmente a distribuição de um grande número de dados a respeito de um processo.

31 Histograma PDCA Histograma Nº de Casos Tempo gasto (min)

32 O QUE? O QUE? (WHAT) 5W2H QUANTO? (HOW MUCH) COMO? (HOW) 5W2H QUEM? POR QUÊ? (WHO) (WHY) ONDE? QUANDO? (WHERE) (WHEN) PDCA 5W2H Tipo de check-list utilizado para garantir que o Plano de Ação seja conduzido sem nenhuma dúvida por parte dos gestores e sua equipe. O nome dessa ferramenta foi assim estabelecido por juntar as primeiras letras dos nomes ( em inglês) das diretrizes utilizadas neste processo. Abaixo você pode ver cada uma delas e o que elas representam: WHAT HOW WHEN WHO WHY WHERE HOW MUCH O QUÊ COMO QUANDO QUEM PORQUÊ ONDE QUANTO CUSTA O que será feito? Como será feito? Quando será feito? PLANO DE AÇÃO Quem fará? Porque será feito? Onde será feito? Quanto custa?

33 Planejar é definir o que precisa ser feito para que a meta seja atingida.

34 CONCEITO DE META Meta é um GOL. Um ponto a ser atingido no futuro. A Meta é constituída de: Objetivo gerencial Valor Prazo Ex.: Reduzir o número de glosas em 30% até Dezembro/00 Gerenciar é atingir METAS!

35 Como desenvolver o ciclo do PDCA.

36 Utilização do Ciclo do PDCA Vamos considerar a seguinte situação: Trabalhamos no hospital e no último relatório do mês, tivemos grande aumento no consumo de energia elétrica. Temos um problema! Vamos utilizar o ciclo do PDCA para resolvê-lo?

37 8 Padronizar e Treinar no Sucesso 1 Localizar Problemas 2 Análise do Fenômeno 7 Tomar ação corretiva mo Insucesso 3 4 Análise dos Processos Planos de Ação 6 Verificar o Atingimento das Metas 5 Executar o Plano de Ação Ciclo para Atingir Metas

38 1 fase Plan (Planejar) A primeira fase do PDCA é Planejar (PLAN) Nessa fase devemos: Identificar o problema Elaborar um plano de ação Definir indicadores para monitorar a melhoria de processo que será proposta

39 1 fase Plan (Planejar) Identificação do problema Nesta fase é importante analisar o problema e identificar as suas principais causas. Ferramentas da Qualidade aplicáveis nesta fase: Lista de Verificação Diagrama de Pareto Brainstorming Diagrama de Causa e Efeito (Ishikawa)

40 1 fase Plan (Planejar) Pessoal Políticas Não apagam as luzes ao deixar a sala Equipe do Centro Cirúrgico não desliga o ar condicionado das salas não utilizadas Funcionários não desligam o ar condicionado ao deixar o local de trabalho Interruptores sem identificação dificultando o desligamento pela segurança no período noturno Salas e setores permanecem acesos após horário de funcionamento sem necessidade Falta de campanha de conscientização contra desperdício de energia Falta de desligamento automático das luzes em alguns setores no período noturno DESPERDÍCIO DE ENERGIA Quantidade de lâmpadas superestimadas em alguns locais Não há sistema de desligamento automático ou sistema de Timer Falta de Timer de desligamento por horário Falta de sensor de presença em locais pouco acessados Processo Planta

41 1 fase Plan (Planejar) Agora precisamos definir o indicador utilizado para demonstrar a melhoria. Atenção!!! Indicador Defina o indicador que será utilizado para demonstrar a melhoria. Preferencialmente com numerador e denominador definidos. O indicador deverá ser mensurável e permitir a comparação antes e após implementação da melhoria. Meta Defina uma meta mensurável para seu projeto. A mesma deverá conter: objetivo gerencial, valor e prazo. É importante também estabelecer uma meta a ser alcançada.

42 1 fase Plan (Planejar) Para dar continuidade ao nosso problema, vamos considerar que nosso indicador e nossa meta são: Indicador Meta Valor de consumo de energia elétrica por Kw/h/paciente. Redução de 10% do consumo de energia.

43 1 fase Plan (Planejar) Plano de ação Utilizar a ferramenta da qualidade 5W2H para estabelecer o plano de ação O quê Quem Quando Por que Onde Como Quanto Custa Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4...

44 1 fase Plan (Planejar) O passo seguinte é a elaboração do Plano de Ação (5W2H): O que? Como? Porque? Quando? Onde? Quem? Quanto custa? Verificação de alternativas: instalação de sensor de presença, timers Análise dos pontos que podem ser implementados sensores Otimizar os pontos de iluminação 2009 Unidade Garibaldi Engenharia de Manutenção R$ ,00 Descrever Check List dos locais com problema de desperdício de energia no HSR e levantamento dos pontos de iluminação que poderão ser apagados no período noturno Identificar pontos de alta utilização de energia elétrica Desligar pontos de iluminação não utilizados no período noturno Julho / 2009 Unidade Garibaldi Engenharia de Manutenção e Departamento de Segurança Criação de campanha institucional: Clic desperdício Através de, comunicação por , folders, eventos no refeitório, oficinas de teatro. Criação de canal de comunicação para sugestões e reclamações dos colaboradores Conscientizar os colaboradores quanto a importância do uso racional de energia elétrica Julho e agosto / 2009 HSR Recursos Humanos e Engenharia de Manutenção R$ 5.000,00

45 1 fase Plan (Planejar) Dicas importantes: Quanto mais tempo você gastar na fase do planejamento, mais fácil e assertiva será a execução do plano de ação; Faça uma análise do problema envolvendo as pessoas que participam diretamente no processo/atividade; Novas idéias e oportunidades podem surgir A inovação começa com a observação (Kelley,2002); O Plano de Ação deve ter coerência com as principais causas levantadas no Diagrama de Ishikawa.

46 2 fase Do (Fazer, Executar) Nessa fase devemos executar o Plano de Ação elaborado anteriormente. Devemos: Informar e treinar: preparar o pessoal que deve executar as tarefas definidas. Executar o Plano: fazer o que foi decidido na fase P (Plano de Ação 5W2H). Algumas ferramentas da qualidade que podem ser utilizadas nesta fase, como a Lista de Verificação.

47 2 fase Do (Fazer, Executar) Para exemplificar, vamos relatar aqui o processo de execução. O processo foi executado em 2 fases. 1 Fase: Inicialmente realizamos: 1. Levantamento dos pontos de iluminação pelo hospital que puderam ser apagados. Bloco 2. Realização do desligamento manual pela segurança. 3. Instalação dos sensores e timers em locais apropriados. Total de pontos de iluminação Bloco A Bloco B 144 Bloco C 82 Bloco D 829 Totais 2.460

48 2 fase Do (Fazer, Executar) 2 Fase: A 2ª fase incluía o desenvolvimento da Campanha de Comunicação Institucional Click Desperdício. As seguintes estratégias foram utilizadas: Banners da campanha espalhados pelo hospital; Canal de comunicação pela Intranet; Informativo da campanha junto ao holerite; Distribuição de brindes para as 100 primeiras mensagens/ sugestões.

49 2 fase Do (Fazer, Executar) Dicas importantes: Divulgar o Plano de Ação para todos os envolvidos no processo / atividade; Promover reuniões periódicas e participativas; Utilizar as Ferramentas da Qualidade para controle das ações implementadas; Atenção!!! Nesta fase pode ser necessário retornar à fase P para inclusão ou exclusão de ações não previstas ou inviáveis.

50 3 fase Check (Verificar) Nessa fase devemos apresentar o resultado do Indicador (antes e depois da implementação da melhoria) estabelecido na fase P. O objetivo nesta fase é demonstrar: Se o Plano de Ação eliminou o problema; Se as práticas estão sendo realizadas corretamente; Se o resultado está dentro do esperado (meta). As Ferramentas da Qualidade que podem ser utilizadas nesta fase são: Fluxograma Diagrama de Pareto Diagrama de Controle (gráficos)

51 3 fase Check (Verificar) A partir do mês seguinte houve redução de 15% no consumo de energia em KW/paciente/dia, sendo assim atingimos a meta proposta Consumo de energia elétrica KW/paciente dia KW/paciente dia JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ KW/paciente dia Meta

52 3 fase Check (Verificar) Dicas importantes: Os formatos utilizados para comparação dos resultados obtidos, devem ser os mesmos antes e depois da ação; Toda alteração pode provocar efeitos secundários, positivos e/ou negativos fique atento! Quando você mostrar uma representação gráfica, comente brevemente o resultado; Pergunte: a causa fundamental do problema foi efetivamente encontrada e corrigida?

53 4 fase Act (Consolidar) Revise as atividades e o planejamento para trabalho futuro e registre: As ações corretivas implementadas no Plano de Ação durante e execução; Os ganhos e o que aprenderam com este projeto As ações futuras e/ou revisões previstas A manutenção (ou não) do novo processo Os próximos passos: Pretende mudar para o novo processo ou torná-lo permanente? Necessita rever os procedimentos e rotinas? Necessita girar um novo ciclo PDCA ou retornar para alguma fase do ciclo por não ter atingido a meta pré-estabelecida? (rever as causas do problema, implementar uma nova ação, etc.) Comentários adicionais: O que a equipe aprendeu

54 4 fase Act (Consolidar) Conclusões Sobre o nosso planejamento podemos destacar: Vale ressaltar que o consumo de energia elétrica não está ligado somente à iluminação, mas também aos equipamentos hospitalares, grandes consumidores. Vamos continuar com as ações já estabelecidas visando manter a redução de consumo. Atingimos a meta de redução de energia elétrica proposta demonstrando que as ações propostas foram efetivas; A campanha Click Desperdício foi um sucesso e causou bastante impacto aos colaboradores. Manteremos essa campanha e utilizaremos o veículo de informação para outros temas como desperdício de água, telefone, papel, etc.

55 4 fase Act (Consolidar) Dicas importantes: Garanta que os resultados (positivos e negativos) sejam compartilhados com todos os envolvidos no estudo. Realize o acompanhamento do processo/atividade implementado; O resultado não será necessariamente positivo, o que não significa que o projeto deva ser abandonado, ou seja, reinicie o Ciclo PDCA.

56 P D C A = Aprimoramento Contínuo Obrigada! Equipe da Qualidade

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Beatriz Simone Dockhorn (FAHOR) bd000684@fahor.com.br Eliane

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda para Coleções Biológicas Paulo Holanda 2º Encontro de Coleções Biológicas da Fiocruz Rio de Janeiro, 2015 Contexto observação dos desafios vivenciados por coleções biológicas na última década; a importância

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Aplicação do MASP para redução de perdas e aumento da produtividade no processo de fabricação de embalagens para consumo

Aplicação do MASP para redução de perdas e aumento da produtividade no processo de fabricação de embalagens para consumo Aplicação do MASP para redução de perdas e aumento da produtividade no processo de fabricação de embalagens para consumo Fábio Gomes Jardim (eng.jardim@yahoo.com.br / UEPA) Diego Moah Lobato Tavares (moah6@hotmail.com/uepa)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Gerenciamento do dia a dia

Gerenciamento do dia a dia CICLO DO PDCA Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

Para solução de problemas

Para solução de problemas Para solução de problemas Sumário 1. Introdução...4 2. O que é?...6 3. Porque 5?...7 4.Como fazer...8 5.Exemplo...9 6. Dicas...11 7. Conclusão...13 O maior erro cometido por um diretor ou um gerente é

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios

Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios 5 - Responsabilidade da direção 5.1 - Comprometimento da direção Quem: Alta Direção = Pessoa ou grupo de pessoas que dirige e controla

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE CASO ORÇAMENTO FAMILIAR

ESTUDO DE CASO ORÇAMENTO FAMILIAR ESTUDO DE CASO ORÇAMENTO FAMILIAR Informações A família Silva e Lima é constituída por 03 membros. Pai, Mãe e filho. O Pai, funcionário de uma empresa de serviço para a representação comercial de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Bloco Seleção = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 23Jul2015 1 Estrutura do Sistema RH1000 Gerenciar e administrar Sistema RH1000 Planejamento Estratégico

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR

Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR Eng. Civil Diogo Artur Tocacelli Colella Gerente Departamento de Fiscalização CREA-PR A apresentação: - Sistema de Gestão - Formulação Estratégica - Adoção

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Gestão da Qualidade. Ferramentas da Qualidade

Gestão da Qualidade. Ferramentas da Qualidade Gestão da Qualidade Brainstorming / Brainswriting GUT Método para Priorização de Problemas Diagrama de Causa e Efeito Gráfico de Pareto Histograma Gráfico de Controle Ciclo PDCA 1 Brainstorming Brainstorming

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES Sara Freire Dias Facesm/Fapemig Edmar Oliveira Duarte Facesm Elvis Magno da Silva

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 13 ESTUDOS DE CASOS (continuação) 15.1.3 Relacionamento com os clientes: o caso do Hospital Taquaral/2000 O Hospital Taquaral não mede esforços para

Leia mais

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO PROGRAMA DE EXCELÊNCIA GERENCIAL ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS (Nota de instrução) ÍNDICE DOS ASSUNTOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 Finalidade...3 1.2 Princípios

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais

Contextualização Histórica

Contextualização Histórica Contextualização Histórica Estudo de caso: Cervejaria Foi introduzido no Japão após a segunda guerra mundial, idealizado por Shewhart e divulgado por Deming, quem efetivamente o aplicou. Os fragmentos

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Avaliação do uso de técnicas de controle de qualidade no processo de abate de frangos no Instituto Federal de Minas Gerais, campus Bambuí

Avaliação do uso de técnicas de controle de qualidade no processo de abate de frangos no Instituto Federal de Minas Gerais, campus Bambuí V Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, V Jornada Científica, 19 a 24 de novembro de 2012 Avaliação do uso de técnicas de controle de qualidade no processo de abate de frangos no Instituto

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS Plano de Gerenciamento da Qualidade Descreve como as políticas de qualidade de uma organização serão implementadas. Como a equipe de gerenciamento do projeto planeja cumprir os requisitos de qualidade

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: <ÁREA DE CONCENTRAÇÃO>

UNIVERSIDADE POSITIVO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: <ÁREA DE CONCENTRAÇÃO> UNIVERSIDADE POSITIVO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: PRÉ-PROJETO DE TESE DE DOUTORADO ***TÍTULO*** ***AUTOR***

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br

Indicadores de desempenho. www.qualidadebrasil.com.br Indicadores de desempenho www.qualidadebrasil.com.br Zafenate Desidério De 1999 até 2010 atuando como gestor da Qualidade através de 5 cerbficações ISO 9001 no Rio Grande do Sul nas áreas eletrônicas E

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

A Prática da Gestão do Conhecimento em uma Empresa Brasileira

A Prática da Gestão do Conhecimento em uma Empresa Brasileira A Prática da Gestão do Conhecimento em uma Empresa Brasileira José Renato S. Santiago Junior Cenário Atual As empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Qualidade total em pequenas empresas

Qualidade total em pequenas empresas Qualidade total em pequenas empresas Frederico Cezar Capoletti Curi (UFOP) fredcuri2@yahoo.com.br Zirlene Alves da Silva Santos (UFOP) santoszirlene@em.ufop.br Resumo: As pequenas empresas vivem em um

Leia mais

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR. 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR. 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos OBJETIVO Harmonizar os conhecimentos dos integrantes da equipe

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Conheça mais sobre a coleta de dados por meio de bastão de rondas, entrevistas e auditorias. Artigo Publicado no Jornal da Segurança

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIDADE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA GERÊNCIA DE APOIO ADMINISTRATIVO S E F A Z SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIDADE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA GERÊNCIA DE APOIO ADMINISTRATIVO S E F A Z SECRETARIA DA FAZENDA S E F A Z SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA UNIDADE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA GERÊNCIA DE APOIO ADMINISTRATIVO Apresentação Este manual pretende dar dicas simples aos

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

OFICINA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA ADM PÚBLICA. Conceitos e Aplicações. Prof. Ricardo Cunha Nogueira, Dr.

OFICINA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA ADM PÚBLICA. Conceitos e Aplicações. Prof. Ricardo Cunha Nogueira, Dr. OFICINA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA ADM PÚBLICA Conceitos e Aplicações Prof. Ricardo Cunha Nogueira, Dr. C.V. RESUMIDO PÓS GRADUAÇÕES: Doutor em ADM-UFMG Mestre em Desenvolvimento Regional UFAM; Especialista

Leia mais

Atua no acompanhamento das atividades, através da implementação de políticas e normas; Busca a satisfação do cliente.

Atua no acompanhamento das atividades, através da implementação de políticas e normas; Busca a satisfação do cliente. Aula 17 1 2 Inclui os processos e atividades necessários para determinação das políticas de qualidade, objetivos e responsabilidades, de maneira que o projeto satisfaça suas necessidades; Atua no acompanhamento

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL OBJETIVOS DO MANUAL Elaborar Manual de Governança Específico para cada

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos O que é risco? Um risco é um evento incerto que, se ocorrer, pode comprometer a realização do objetivo do projeto. Identificação de riscos inclui determinar quais riscos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais