Para solução de problemas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para solução de problemas"

Transcrição

1 Para solução de problemas

2 Sumário 1. Introdução O que é? Porque 5? Como fazer Exemplo Dicas Conclusão...13

3 O maior erro cometido por um diretor ou um gerente é permitir que o não atingimento da meta fique sem a devida reflexão. Vicente Falconi

4 Introdução Todas as empresas buscam melhorar seus processos e, consequentemente, potencializar seus resultados financeiros. Para isso, é necessário ter excelência em suas operações, ou seja, ser cada vez mais eficiente em sua rotina e resolver cada vez melhor os seus problemas. Entender a causa raiz de seus problemas dentro do ambiente de??? trabalho lhe ajuda a solucioná-los de maneira eficaz, pois resolve-se o problema ao invés de simplesmente gerar uma solução paliativa ou sanar um sintoma gerado por ele. Dessa?? forma, você evita que o problema reapareça. O método dos 5 Porquês auxilia na análise da causa raiz.

5 O que é o método dos 5 Porquês? É uma ferramenta simples de resolução de problemas que consiste em formular a pergunta Por quê cinco vezes para compreender o que aconteceu (a causa-raiz). A ferramenta foi desenvolvida por Sakishi Toyoda (Fundador da Toyota), e foi usada no Sistema Toyota de Produção durante a evolução de seu sistema de manufatura. CAUSA RAIZ O método do 5 porquês é utilizado para determinar a causa raiz de determinado problema, ou seja, a causa que realmente deve ser tratada na solução de um problema. Problema encontrado Porquê? Porquê? Porquê? Porquê? Porquê? Solução

6 Por que 5? Apesar de propor 5 porquês, nada impede, porém, que mais (ou menos) do que 5 perguntas sejam feitas. O número 5 vem da observação de que esse número costuma ser suficiente para se chegar a causa raiz. A lógica de raciocínio é: No 1º porquê, temos um sintoma No 2º porquê, temos uma desculpa No 3º porquê, temos um culpado No 4º porquê, temos uma causa No 5º porquê, temos a causa raiz

7 Como fazer Problema encontrado 1 2 Porque esse problema esta acontecendo? Causa 1 ou sintoma Porque esse sintoma ocorre ou esta relacionado ao problema encontrado? Causa 2 ou desculpa para o sintoma ocorrer 3 Porque essa desculpa esta gera o problema, o afeta ou esta relacionada a ele? Causa 3 ou encontra-se um culpado 4 Porque o ele(a) tem culpa no problema encontrado? Causa 4 ou uma causa para o problema ocorrer 5 Porque isso esta acontecendo ou de forma essa causa afeta o problema encontrado? Causa 5 ou uma causa raiz do problema A Solução eficaz do seu problema encontrado tem de sanar a sua causa raiz

8 Exemplo 1 Porque temos um produto com defeito? Soluções Paliativas 2 Há problemas na fabricação Refugar peças defeituosas Porque há problemas na fabricação? Uma máquina esta com defeito Trocar a máquina 3 4 Porque uma máquina esta com defeito? Falta manutenção na máquina Porque falta manutenção na máquina? Colaborador desconhecia regras de manutenção Aplicar a manutenção adequada na máquina Demitir colaborador Porque o colaborador desconhecia regras de manutenção? 5 Solução Real Gestor não passou o manual de manutenção de máquinas Treinar equipe de manutenção e divulgar os manuais de manutenção visualmente próximo às maquinas.

9 Anote aí! 5 Porquês e o Diagrama Espinha de Peixe Os 5 porquês podem ser utilizados individualmente ou como uma parte da espinha de peixe (também conhecida como a causa e efeito ou Ishikawa) diagrama. O diagrama espinha de peixe ajuda você a explorar todas as causas potenciais ou reais que resultam em um único defeito ou falha.

10 Dicas importantes Ao fazer a pergunta inúmeras vezes você consegue ir aprofundando na situação como se estivesse atingindo camadas ou mais informações de um problema ou situação. Porém é importante ter alguns cuidados ao desenvolver o método com seu grupo: Baseie suas respostas sempre em fatos e dados; Utilize a opinião de diversas áreas, dessa forma você terá maior riqueza de informações; Tente manter o grupo focado no problema, evitando que se conclua a causa-raiz equivocada; O uso dessa ferramenta não dispensa uma análise de qualidade ou uso em conjunto com outras. Na verdade, é até mais indicado (ex: Ishikawa, Carta de Controle, 5W2H, etc); Ao se desenvolver os 5 porquês com um grupo heterogêneo, entenda que pessoas distintas poderão chegar a conclusões distintas; Quando for utilizar o processo, faça perguntas claras, objetivas e seja totalmente honesto.

11 Dicas importantes Para garantir que suas causas são corretas, tente realizar essas perguntas: Que provas tenho de que esta causa existe? (É concreta? É mensurável?) Que provas tenho de que esta causa levará ao problema identificado? (Ou estou apenas fazendo suposições?) Que provas tenho de que esta é a principal causa que verdadeiramente leva ao problema? (Mesmo que seja um fator importante, a causa principal poderia ser outra). Algo mais deve ocorrer junto a esta causa para que o problema ocorra? (Serve para esclarecer se o problema não vem de uma combinação de fatores)

12 Conclusão Como você pode visualizar, a ferramenta de 5 porquês é uma técnica simples e bastante útil, auxiliando efetivamente a estruturação de soluções iniciais para problemas mais complexos. Sempre utilize outras ferramentas de qualidade em conjunto a essa para garantir soluções com base em fatos e dados. Garanta sempre que suas perguntas sejam claras e objetivas e principalmente que suas respostas sejam honestas. É essencial que todo problema tenha a devida reflexão. A utilização dessa ferramenta pode potencializar os resultados de sua organização!

13 Sobre a Voitto Com um modelo de gestão inovador, a Voitto promove a capacitação de estudantes, profissionais e empresas em todo o território nacional. Especializada nas áreas de Lean Seis Sigma, Softwares Empresariais, Sistemas de Gestão, Desenvolvimento Humano e Segurança Operacional, oferecemos treinamentos orientados para o mercado de trabalho, transformando conhecimento em diferencial competitivo para nossos clientes. Por isso somos focados na geração de resultados através de uma metodologia de ensino dinâmica, própria e personalizada, que articula teoria e prática através de aulas participativas e dinâmicas, permitindo a aplicação imediata dos conteúdos abordados em sua rotina de trabalho.

14 Transformando conhecimento em diferencial competitivo Voitto Treinamento e Desenvolvimento

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Simplificando o mundo financeiro. Educação www.investorbrasil.com Educação APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas de aprenderem as ferramentas e instrumentos do mercado

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Técnicas e Ferramentas de Mercado Objetivo Este curso tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as principais técnicas e ferramentas de Gerenciamento da Qualidade utilizadas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Espero que faça um bom proveito do conteúdo e que, de alguma forma, este e-book facilite a sua decisão de adquirir um planejamento.

1. INTRODUÇÃO. Espero que faça um bom proveito do conteúdo e que, de alguma forma, este e-book facilite a sua decisão de adquirir um planejamento. 1. INTRODUÇÃO Muitas pessoas ficam em dúvida sobre o que considerar na hora de contratar um planejamento de estudos. Esta é uma dificuldade aceitável, tendo em vista que existem opções no mercado que não

Leia mais

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR. 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR. 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR 3ª Oficina 10ª Reunião Análise e Melhoria de Processos OBJETIVO Harmonizar os conhecimentos dos integrantes da equipe

Leia mais

Rossini Murta Indústria Metalúrgica Ltda. Treinamento: Como Preencher uma não Conformidade

Rossini Murta Indústria Metalúrgica Ltda. Treinamento: Como Preencher uma não Conformidade 1) OBJETIVO DO TREINAMENTO: - Informar a todos os fornecedores. A forma correta de se preencher o relatório de não conformidade padrão da Rossini Murta, e simplificar a utilização de ferramentas que auxiliam

Leia mais

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Outubro 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO GESTOR DA QUALIDADE EM EAD (ENSINO A DISTÂNCIA)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO GESTOR DA QUALIDADE EM EAD (ENSINO A DISTÂNCIA) PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTOR DA QUALIDADE - MODALIDADE EAD OBJETIVOS Formar Gestores na área da Qualidade, consolidando conhecimentos técnicos mais especializados: Formar Líderes de Equipe do SGQ Prover

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos DGA INFORMÁTICA Aplicação de Práticas Ágeis no Desenvolvimento do Sistema de Controle de Estoque da Unicamp Área de Desenvolvimento de Novos Projetos Flavia Facciolla Maia Gerente da Área de Novos Projetos

Leia mais

Plano de Ensino. Elabora dados de refugo, devolução, retrabalho dos setores produtivos;

Plano de Ensino. Elabora dados de refugo, devolução, retrabalho dos setores produtivos; Plano de Ensino Curso: Engenharia de Produção/ noturno Disciplina: Engenharia da Qualidade Carga horária semanal: 2h Ano: 2015/1 urma: EPM5 Carga horária total: 40h Ementa Aplicação das ferramentas e estratégias

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m²

ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m² 1975 ~ 1988 TUBOZIN 1988 ~ 1994 GOYANA DA AMAZÔNIA 1994 ~ atual SPRINGER PLÁSTICOS DA AMAZÔNIA S/A ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m² PRINCIPAIS ATIVIDADES Produção de peças plásticas

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS Guilherme Yuji FUKUMOTO 1 Gabriel Samorano MARINS 2 Roberta CAVALCANTE 3 RESUMO: Recrutamento e Seleção de Pessoal nada mais é que uma ferramenta funcional de todas as

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2

Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 2 Out/2013 Revisão Gerenciamento de Projetos Áreas de Conhecimento Processos Cronograma EAP Revisão Conceitos de Riscos Incertezas Risco Evento de Risco Tipo de

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

BRINCANDO DE MATEMÁTICO

BRINCANDO DE MATEMÁTICO BRINCANDO DE MATEMÁTICO Carlos Alberto Rezende de Carvalho Junior Universidade Federal do Paraná (UFPR) carloscarvalhoj@gmail.com Janio de Jesus Cardoso Universidade Federal do Paraná (UFPR) ijanio_pt@yahoo.com.br

Leia mais

SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, ATENDIMENTO E VENDAS

SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, ATENDIMENTO E VENDAS SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, A Expertise: ² ² ² ² ² Percebendo as necessidades do mercado, nasceu a Expertise Treinamentos no início de 2016. A união de três profissionais, consultores e palestrantes, com

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2

PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2 PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2 IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM QUALQUER ÁREA DE ATUAÇÃO Num mundo globalizado e em constantes mudanças, nenhuma empresa consegue sobreviver, sem uma real orientação

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

TÍTULO: REDUÇÃO DOS CUSTOS DA NÃO QUALIDADE DE UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE FABRICANTE DE BASES PORTA LÂMPADAS ATRAVÉS DO INVESTIMENTO EM TREINAMENTO

TÍTULO: REDUÇÃO DOS CUSTOS DA NÃO QUALIDADE DE UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE FABRICANTE DE BASES PORTA LÂMPADAS ATRAVÉS DO INVESTIMENTO EM TREINAMENTO TÍTULO: REDUÇÃO DOS CUSTOS DA NÃO QUALIDADE DE UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE FABRICANTE DE BASES PORTA LÂMPADAS ATRAVÉS DO INVESTIMENTO EM TREINAMENTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 RESUMO: O Customer Relashionship Management CRM ou

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Programa de Compliance

Programa de Compliance Programa de Compliance O que é compliance? Origem: to comply, tradução aproximada: conformidade Em poucas palavras significa observar determinadas normas ou comportar-se de forma a não perturbar a ordem

Leia mais

Ano 3 / N 16. 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas.

Ano 3 / N 16. 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas. Ano 3 / N 16 37ª Convenção dos Lojistas do Estado de São Paulo reúne empresários lojistas. Artigo MÃO DE OBRA: HÁ COMO MELHORAR? Uma das principais reclamações dos lojistas, é a qualidade da mão de obra,

Leia mais

Gerenciamento do dia a dia

Gerenciamento do dia a dia CICLO DO PDCA Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Definição de Gestão Gerir, assim como administrar tem a ver com todo o controle e ações propostas de um conjunto que pode envolver pessoas, empresas e clientes. Gerir é conseguir

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Henrique Montserrat Fernandez Muitas pessoas, antes de abrir a empresa, já têm uma idéia do que ela produzirá. Mas será que é isso que os clientes

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. Apresentação Com as relações comerciais globalizadas é imperativo que as organizações tenham foco onde pretendem chegar. Para tanto,

Leia mais

Mas vamos ao que interessa! Qualquer dúvida ou falha da minha parte que vier a surgir, estou a disposição através do e-mail jgcosta@ymail.com.

Mas vamos ao que interessa! Qualquer dúvida ou falha da minha parte que vier a surgir, estou a disposição através do e-mail jgcosta@ymail.com. Olá! Valendo-me da minha experiência com PCs desde 1995, numa eterna briga, trago para os amigos algumas dicas para uma manutenção periódica de sua máquina, visando um melhor desempenho e menos dores de

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

JORNADA DE COMPRA. O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital VECTOR

JORNADA DE COMPRA. O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital VECTOR O que é e sua importância para a estratégia de Marketing Digital 1 2 3 4 Já falamos muitas vezes sobre produção de conteúdo ser a base de uma estratégia de marketing digital de resultados para a sua empresa.

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS Joaldo de Carvalho Wesley Oliveira Irlei Rodrigo Ferraciolli da Silva Rodrigo Clemente Thom de Souza INTRODUÇÃO O mundo está dominado pelos dispositivos móveis. A cada

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0 Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0 Antes de começar, algumas informações de ordem administrativa... 1. Roteiro / Intervalos 2. Ligações Telefônicas (Celulares,...) 3. Questionário de Avaliação

Leia mais

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve BREVE CURTA DURAÇÃO INTERVENÇÃO QUALQUER INTERFERÊNCIA NOS ASSUNTOS DE OUTROS! INTERVENÇÃO BREVE CONSISTE

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Palavras-chave: Deficiência Visual. Trabalho Colaborativo. Inclusão. 1. Introdução

Palavras-chave: Deficiência Visual. Trabalho Colaborativo. Inclusão. 1. Introdução PROFESSOR DE SALA COMUM E PROFESSOR ESPECIALISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADE DE TRABALHO COLABORATIVO NO ENSINO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Karen Regiane Soriano Simara Pereira da Mata Flaviane

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Dicas fundamentais para você decidir pelo curso ideal para a sua qualificação profissional 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> A importância da

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Software. Apresentação (Ementa) e Introdução

Projeto de Desenvolvimento de Software. Apresentação (Ementa) e Introdução Projeto de Desenvolvimento de Software Apresentação (Ementa) e Introdução Msc. Eliezio Soares Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFRN Mestrado em Sistemas e Computação - DIMAp / UFRN Experiência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE (30h) Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia Mecânica 9ª Série Fabricação Assistida por Computador A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA PARA EMPRESA INSTALADORA EM CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL CATEGORIA: CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL

VANTAGEM COMPETITIVA PARA EMPRESA INSTALADORA EM CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL CATEGORIA: CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL VANTAGEM COMPETITIVA PARA EMPRESA INSTALADORA EM CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL CATEGORIA: CERTIFICAÇÃO QUALINSTAL Marcelo Matsusato INTRODUÇÃO Desde 2003 a TECNISA já possui a certificação ISO 9001 preocupada

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf

Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf Risk IT - Um conjunto de princípios orientadores e o primeiro framework que

Leia mais

Uma nova forma de gestão

Uma nova forma de gestão Uma nova forma de gestão por Michael Ballé ARTIGO Desvio da missão, silos e uma força de trabalho desengajada são alguns dos efeitos negativos da gestão tradicional. Michael Ballé oferece uma alternativa

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA Wherllyson Patricio Goncalves (UFCG) wherllyson@yahoo.com.br Suelyn Fabiana

Leia mais

DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço

DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço Entenda como aconteceu a queda dos servidores dos sites do governo brasileiro Por Fabio Jordão em 24 de Junho de 2011 Está repercutindo

Leia mais