PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012"

Transcrição

1 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012

2 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO

3 Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente Transformações Sociais e Econômicas contemporâneas na Sociedade: Demandas Sociais sempre crescentes; Globalização; Accountability; Controle Social; Crises Financeiras. Novo Paradigma agilidade e qualidade dos serviços

4 Manter o superávit fiscal e promover o desenvolvimento Melhoria da gestão governamental Buscar a eficiência do gasto Fazer mais com menos Demandas Crescentes Limitação de Recursos X

5 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO PEG

6 Objetivos do Programa Racionalizar o uso dos recursos públicos; Promover uma administração mais eficiente; Conscientizar os servidores públicos; Incentivar o desenvolvimento de estudos para aprimorar a qualidade do gasto; Estimular a troca de boas práticas.

7 Enfoque do Programa Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo, Técnico e Operacional Serviços de Processamento de Dados Manutenção de Bens Imóveis Serviços de Telecomunicações Limpeza e Conservação Material de Consumo Diárias e Passagens Energia Elétrica Água e Esgoto Vigilância

8 Despesas Administrativas Valores Nominais Aplicações Diretas 24,4 Exe 92% Jud 5% Leg 2% MPU 1% 10 Fonte: Siafi Despesas Liquidadas Crescimento Médio Anual: 13,1%

9 Inflação, PIB e Despesas Administrativas (%) 250,00 200,00 150,00 100,00 50,00 0, Fontes: Siafi Despesas Liquidadas, IPEADATA, Bacen Inflação Acumulada (IPCA) Variação Acumulada do PIB (nominal) Variação Acumulada das Despesas Administrativas (nominal)

10 Crescimento Médio Anual das Despesas Administrativas (Valores Nominais):

11 Fonte: Siafi Despesas Liquidadas R$ bilhões Despesas Administrativas em 2010 Material Farmacológico, Hospitalar e Laboratorial: 3,6 bi (38%) Material para Produção Industrial: 1,1 bi (12%) Gêneros de Alimentação: 0,8 bi (8%) Combustíveis (aviação e automóveis): 0,7 bi (7%)

12 Características: Órgãos Clientes Adesão Relevância em termos financeiros Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Ministério dos Transportes; Ministério da Justiça; Ministério da Defesa; Ministério da Educação.

13 Resultados do Projeto-Piloto 92,3 6,4 1,7 100,4 R$ milhões FNDE MEC SRH MP HFA MD Resultado Total Transferências Sentenças Judiciais Mat. e Equip. Médico e Hospitalar Os Ministérios da Defesa, Planejamento e da Educação possibilitaram mais de R$ 100 milhões de ganho ao longo do acompanhamento.

14 Resultado do Projeto-Piloto Resultado acumulado de setembro/08 a agosto/09 O resultado para o período apresenta-se 10% acima da meta de gasto, mas

15 Status atual do PEG Órgãos Participantes: 21 Universidades Federais; 12 Institutos Federais; e 5 Órgãos do MEC Despesas: Energia Elétrica; Telefonia Fixa e Móvel; e Vigilância.

16 Perspectiva para o PEG Dentro do Projeto Esplanada Sustentável. Órgãos Participantes: Todos os Ministérios da Esplanada. Despesas: Vigilância, Limpeza, Água e Esgoto, Energia Elétrica, Telefonia Fixa e Móvel.

17 2. CONCEITUAÇÕES

18 Indicadores: medem a diferença entre a situação desejada e a atual, quantificam os processos. PDCA (Plan, Do, Check e Action): ferramenta gerencial de tomada de decisões para garantir o alcance de metas. Cluster: grupo de coisas ou atividades semelhantes que se desenvolvem conjuntamente. Na esfera do PEG, é conjunto de órgãos ou unidades comparáveis.

19 Gráfico de Pareto: apresenta os itens em ordem decrescente de ocorrência junto com a soma total acumulada. O empenho na solução dos problemas mais importantes (20% do total) geralmente leva a 80% do resultado possível. Benchmark: é o referencial de excelência em si. No âmbito do PEG, benchmark é o menor valor.

20 3. METODOLOGIA PROPOSTA CICLO PDCA

21 Etapas Planejamento: estabelecer metas e os meios para alcançá-las. Execução: executar as atividades propostas no planejamento. Verificação: periodicamente, monitorar e avaliar a implementação das ações. Ação: aprimorar a execução e/ou corrigir eventuais falhas.

22

23 4. METODOLOGIA DE ANÁLISE DAS DESPESAS

24 1 PLANEJAMENTO PROBLEMA E COLETA DE DADOS: Identificação do problema e preparação da base de dados P 2 TIPOS DE ANÁLISE: Análise das características e do comportamento do problema (preço, consumo e situação) 3 DEFINIÇÃO DAS METAS: Identificação dos benchmarks e pactuação das metas junto aos gestores de pacote 4 PLANO DE AÇÃO: Proposta de soluções para as causas principais

25 valores gastos porcentagem acumulada Por que priorizar? - Não dá para atacar todas as frentes. - Recursos limitados. Gráfico de pareto Valores gastos Milhões Unidade s C E D A B valores gastos porcentagem acumulada 0,43 0,81 0,89 0,95 1,00 100% 80% 60% 40% 20% 0%

26 4.1 Coleta de Dados Levantamento de informações: em faturas das concessionárias (energia elétrica, água e telefonia); e contratos (limpeza e vigilância); assim como em sistemas próprios do órgão. Elaboração de indicadores (R$/m³, kwh/m²). Identificação dos melhores valores executados benchmarks e procedimentos adotados em outra instituição ou setor.

27 Modelo de planilha eletrônica para coleta de dados sobre o serviço de energia elétrica. Órgão: Unidade: Responsável: Data: Visto: Grupo: Poder Público Tipo de ligação: VERDE Valor total (R$) Contratado: kw Tarifa Consumo (kwh) Ponta 1,12 Ponta F Ponta 0,18 F Ponta Demanda 1,12 Demanda (kw) soma média mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev Valor C Ponta C F Ponta Demanda Demais informações pertinentes: nº de servidores: área construída da edificação:

28 4.2 Tipos de Análise Análise de Preço: valores financeiros contratados pelos serviços. Análise de Consumo: quantidades consumidas (volume). Análise de Situação: características específicas da despesa.

29 4.2 Tipos de Análise Atuação em Preço GASTO ANTIGO NOVO GASTO Atuação em Consumo

30 4.2.1 Análise de Preço Dados financeiros - contratos com fornecedores de bens e serviços, consolidados em planilhas eletrônicas. Exemplos de dados financeiros: valor total contratado, valor por posto, valores que compõem a planilha de custos, entre outros.

31 4.2.1 Análise de Preço Gastos, em reais Exemplo Energia Elétrica Unid mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev Média A B C D E UNIDADE QUE GASTA MAIS B UNIDADE QUE GASTA MENOS C

32 4.2.2 Análise de Consumo Dados físicos - faturas de serviços e dos contratos administrativos, consolidados em planilhas eletrônicas. Exemplos de dados: kwh de energia elétrica, m³ de água, número de Servidores de um órgão...

33 4.2.2 Análise de Consumo Gastos, em reais Exemplo Energia Elétrica Unid mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev Média A B C D E Utilizando o indicador kwh/m² Unid mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev Média A 1,14 1,01 0,95 0,86 0,70 0,82 1,07 1,05 1,11 1,08 1,15 1,15 1,01 B 1,31 1,17 1,06 0,98 0,79 0,91 1,23 1,15 1,24 1,24 0,98 1,27 1,11 C 1,05 0,94 0,87 0,79 0,65 0,74 1,03 0,95 1,01 0,99 1,07 1,05 0,93 D 0,89 0,79 0,72 0,67 0,79 0,62 0,84 0,82 0,85 0,85 0,89 0,87 0,80 E 0,96 0,88 0,82 0,72 0,61 0,71 0,90 0,92 0,96 0,91 1,00 0,99 0,87 Nem sempre a Unidade que gasta menos é a que tem o melhor indicador!!

34 4.2.3 Análise de Situação Analisar as características da despesa (problemas e causas); Identificar os pontos críticos e os gargalos na execução; Verificar a relação custo x benefício; Analisar a normatização vigente; Considerar os sistemas de controle.

35 4.2.3 Análise de Situação Exemplo Energia Elétrica Série Histórica dos Gastos com Energia Elétrica Reais mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev meses A B C D E Existe uma anomalia em julho no órgão D. Uma possibilidade: queima do banco

36 Indicador Características: ser representativo; fácil de entender; com forma de cálculo simples; e compatível com os métodos de coleta disponível. Finalidade: base para a definição das metas de economia e auxílio no acompanhamento das ações.

37 Tabela: Indicadores por despesa Pacotes de gasto Água e Esgoto Combustível (por tipo) Comunicação Energia Elétrica Terceirizados (Limpeza e Conservação; Vigilância) Serviços Técnicos Administrativos Telecomunicações Indicadores elaborados R$ / m 3 m 3 / servidor R$ / litro R$ / km R$ / tipo de serviço % de SEDEX do total R$ / kw R$ / kwh R$ / servidor R$ / m 2 kwh / m 2 m 2 / servidor % de R$ com energia reativa R$ / posto R$ / m 2 (por tipo de área) posto / m2 R$ / posto R$ / horas mensais R$ / minuto ( por tipo de ligação) minutos / ramal minutos / servidor

38 4.3 Definição das Metas Resultado desejado Ex: Reduzir em R$ 15 mil o gasto com energia elétrica até 18 de julho de 2012 Benefício financeiro Prazo Negociada entre as partes (benchmark ou série histórica) Desafiante porém realista

39 4.3 Definição das Metas (Os órgãos do PEG foram os cinco Ministérios) Identificação dos melhores valores executados (benchmarks) (Dentre as secretarias, departamentos...) Unidades Comparáveis? sim não Negociação das metas até o valor do benchmark Redução percentual da média dos valores realizados nos últimos doze meses

40 4.3 Definição das Metas Unidades comparáveis: sem possibilidade de alcançar o benchmark. 30 Serviço de Energia Elétrica - Unidade A Proposta de Redução mensal kwh mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev meses Série histórica Unidade D Meta

41 4.4 Elaboração dos Planos de Ação Participação de todos Validação pelas lideranças Órgão: Unidade: A Pacote de gasto: Energia Elétrica Meta: Reduzir em 15% o gasto com energia até o final de julho de Economia: R$ ,00 Data: 06/08/11 Visto: Responsável: Patricia Solução Proposta Responsável Prazo Local Impacto na meta Procedimento 1. Alteração tarifária Samantha 26/10/2011 Setor Contactar a concessionária. 2. Compra de capacitores Carina 15/03/ a. Preparar edital Vanessa 05/02/2012 Preparar edital; realizar licitação; Unidade A b. Realizar licitação Matheus 05/11/2011 instalar equipamentos 2.c. Instalar equipamentos Antonio 15/03/ Alterar demanda contratada Cássia 26/10/2011 Setor 1, 3 e Contactar a concessionária Modelo de formulário para plano de ação.

42 Exemplo de Ações para Energia

43 Exemplo de Ações para Água

44 Exemplo de Ações para Telefonia

45 Exemplo de Ações para Telefonia

46 Exemplo de Ações para Vigilância

47 Exemplo de Ações para Limpeza

48 5. METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DAS DESPESAS

49 EXECUÇÃO 1 D2 TREINAMENTO NOS PROCEDIMENTOS: Capacitação dos gestores de pacote nas novas atividades e procedimentos inovadores PLANOS DE AÇÃO: Execução dos planos de ação

50 VERIFICAÇÃO 1 COLETA DE DADOS Atualizados, mensalmente, para refletir situação atual C2 3 META X REALIZADO Comparação dos valores realizados com o objetivo estabelecido PLANOS DE AÇÃO Verificar e registrar o andamento das atividades propostas, para posterior correção ou replicação 4 DIVULGAÇÃO e DISCUSSÃO Em todos os níveis hierárquicos para proposição de ajustes e aprimoramentos

51 5.1 Controle do Valor Realizado x Meta Serviço de Energia Elétrica - Setor B 240 R$ jan fev mar abr mai jun realizado Benchmark meta meses Modelo planilha de acompanhamento dos valores financeiros e/ou indicadores.

52 Controle da Execução dos Planos de Ação Órgão: Ministério X Despesa: Energia Elétrica Economia: R$ ,00 Ação Proposta 1. Alteração tarifária 2.a. Preparar edital 2.b. Realizar a licitação 2.c. Instalar equipamentos Responsável Samantha 2. Compra de capacitores Carina Vanessa Matheus Antônio Responsável: Cássia Data de Elaboração: 06/08/2011 Meta: Reduzir em 15% o gasto com energia até 31/07/2012 Prazo Legenda: Ação Concluída Ação em Andamento Ação Atrasada Procedimento Observações Data de Término Status A concessionária foi contactada em setembro 26/10/2011 de 2011 e acatou a Contactar a concessionária solicitação. Os efeitos 1/10/2011 financeiros aparecerão em novembro de /3/2012 A Consultoria Jurídica 5/11/2011 demorou para liberar o edital por conteralgumas 10/04/2011 cláusulas novas. Preparar edital; Realizar a licitação; e Instalar o banco A licitação está prevista de capacitor para o dia 20/02/2012.O 5/2/2012 atraso deveu-se a uma série deimpugnações que ocorreram no período. 15/3/2012

53 AÇÃO 1 CORREÇÃO DE DESVIOS No caso de identificadas anomalias entre o realizado e a meta A 2 APRIMORAMENTOS No caso de identificadas situações que podem ser melhoradas 3 PADRONIZAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS No caso de identificados procedimentos que obtiveram bons resultados

54 BOAS PRÁTICAS

55 Planilha de Demanda Ótima Fatura de energia elétrica de um órgão público: Consumo (kwh); Demanda (kw); e Energia Reativa. Descrição: Calcular a demanda de energia mais econômica. Objetivo: Reduzir o gasto com energia elétrica. Resultados: R$ 250 mil em 27 meses na SOF (edifício com 6 pavimentos e 300 servidores).

56 Sistema de Esgotamento a Vácuo Descrição: Em caso de reforma, troca do sistema convencional de esgotamento sanitário para o sistema de esgotamento a vácuo. Objetivo: Reduzir o consumo de água. Resultados: R$ 27 mil em 20 meses na SOF. (edifício com 6 pavimentos e 300 servidores) MAIOR RESULTADO AMBIENTAL!

57

58 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal Secretaria-Adjunta de Gestão o Corporativa Equipe Técnica do PEG André do Valle Carlos Augusto Catarina Pinheiro Eduardo Brasileiro Isabella Amaral Leila Frossard Munique Barros Tel: (61)

59 A qualidade só é feita se as pessoas envolvidas aceitam receber os conhecimentos transformando-os em aprendizado para aplicá-los nos processos. O comprometimento é ferramenta para atingir a qualidade nas organizações públicas.

60 6. ACESSO AO SISTEMA

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009 IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público Brasília, 01º de dezembro de 2009 Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira Coordenador-Geral de

Leia mais

PALESTRA. Projetos especiais inovadores da SOF

PALESTRA. Projetos especiais inovadores da SOF PALESTRA Projetos especiais inovadores da SOF Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira (Coordenador-Geral de Inovações, Assuntos Orçamentários e Federativos da SOF) 08 de fevereiro de 2012 Secretaria Secretaria

Leia mais

Qualidade do Gasto no Setor Público. Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável

Qualidade do Gasto no Setor Público. Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável Qualidade do Gasto no Setor Público Perspectiva Operacional. Projeto Esplanada Sustentável Isabella Amaral da Silva POR QUE BUSCAR QUALIDADE? (1) - A legislação nacional regra. Exs: CF 88, art. 37 (Eficiência

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos CONTEXTUALIZAÇÃO Demandas Crescentes Limitação de Recursos X CONTEXTUALIZAÇÃO Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas.

Leia mais

Projeto Esplanada Sustentável

Projeto Esplanada Sustentável CAPA Projeto Esplanada Sustentável POR QUE BUSCAR QUALIDADE? (1) - A legislaçã ção o nacional regra. Exs: CF 88, art. 37 (Eficiência lato,, um dos princípios) pios) LRF (utilizaçã ção o racional e equilibrada

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento CAPA Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo, Técnico e Operacional Serviços

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015)

Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Resultado da Gestão (Jan/Dez - 2015) Secretária Executiva Dezembro de 2015 Resultado da Gestão Janeiro à Dezembro de 2015 Gestão Voltada para Resultados Secretaria Executiva Z Resultado da Gestão Janeiro

Leia mais

Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo. Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública

Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo. Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública Rodrigo Mauro Ruiz de Matos III Encontro de Agentes Públicos 23/02/2011

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Gilberto Souza de Almeida Rodinei Silva da Paixão Antônio Gabriel Di Atalanta Valente Alan Ferreira Brito Marcell Ribeiro

Gilberto Souza de Almeida Rodinei Silva da Paixão Antônio Gabriel Di Atalanta Valente Alan Ferreira Brito Marcell Ribeiro PLANO DO PROJETO 1 PLANO DO PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: Código do projeto: Área proponente: Líder de projeto: Equipe de projeto: BI DO MPAP MPAP_GE_0009 DTI Departamento de Tecnologia

Leia mais

Treinamento dos CIPES

Treinamento dos CIPES Treinamento dos CIPES Brasília, 9 de abril de 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: O que é o Projeto Contextualização Objetivos Escopo Metodologia Cronograma Integração entre Programas PROCEL Programa Nacional

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

COMPRAS MANAUS Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

COMPRAS MANAUS Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos COMPRAS MANAUS Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos 1. MODELO DE GESTÃO ANTERIOR 1 Modelo de Gestão Anterior CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS BANCO DE PREÇOS PLANEJAMENTO DO REGISTRO DE PREÇO LICITAÇÃO

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO 2013 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS Dezembro - 2013 2 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DAS METAS NACIONAIS 2013 METAS DE NIVELAMENTO PARA AS CORREGEDORIAS

Leia mais

COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS E INFORMAÇÕES GERENCIAIS Sandra Helena Caresia Gustavo

COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS E INFORMAÇÕES GERENCIAIS Sandra Helena Caresia Gustavo PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO Paulo Bernado Silva SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Machado SECRETÁRIO DE RECURSOS HUMANOS Sérgio Eduardo Arbulu Mendonça COORDENADORA-GERAL DE ESTUDOS

Leia mais

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Autor: Vinicius Silva Neves Ampla Energia e Serviços S.A. RESUMO O Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL, é um indicador de prevenção de acidentes

Leia mais

QualiHosp Curso Pré-Congresso

QualiHosp Curso Pré-Congresso QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL... Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira

Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira Meta Meta 2 de 29 Meta 2 de 21 Meta 2 de 212 Meta 2 de 213 Descrição Identificar os processos judiciais mais antigos e adotar medidas concretas

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

OBS: A variação percentual refere-se ao valor em unidade, e não ao valor arredondado para R$ mil da tabela.

OBS: A variação percentual refere-se ao valor em unidade, e não ao valor arredondado para R$ mil da tabela. Composição do custeio O objetivo do Informativo é apresentar, mensalmente, as despesas de custeio da Administração Pública Federal Direta. As despesas de custeio aqui discriminadas referem-se aos gastos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS. Fernando Carlos Almeida

COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS. Fernando Carlos Almeida COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS Fernando Carlos Almeida A QUESTÃO Quais os compromissos do Secretário Municipal de Finanças com a gestão financeira moderna e responsável, com a execução

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo. Campus da UNESP de São José do Rio Preto, 30/09/2015

Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo. Campus da UNESP de São José do Rio Preto, 30/09/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Campus da UNESP de São José do Rio Preto, 30/09/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Boletim de Despesas de custeio administrativo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Setembro de 2015

Boletim de Despesas de custeio administrativo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Setembro de 2015 Boletim de Despesas de custeio administrativo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Setembro de 2015 O Boletim do Custeio Administrativo tem por objetivo dar transparência e ampla divulgação à

Leia mais

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Unidade de Negócio Baixada Santista População Fixa 1800.000 habitantes População Alta Temporada 4.000.000 habitantes Domicílios

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Elaborado pelo Departamento de Pesquisa - AABIC CONSIDERAÇÕES JUNHO DE 2015 No mês de junho, o IPEVECON registrou variação positiva de 0,72%,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

Atribuições do Líder de projeto

Atribuições do Líder de projeto Atribuições do Líder de projeto Brasília, 9 de abril de 2012 Governança do Projeto Comitê Geral (MP/MMA/MME/MDS + Min. s) Reuniões Semestrais Comitês s Internos do PES (CIPES) (SE, SPOA, Líder L de projeto)

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DE FINANÇAS FERMOJU Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 1. Departamento de Gerência Executiva

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Ciclo A2 Revisão do e Ciclo B Elaboração dos Planos de Ação Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado de Pernambuco SIMPEPE-PE IDENTIDADE ORGANIZACIONAL DO SINDICATO

Leia mais

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional Comparativamente com o mesmo período de 2013, o percentual de crescimento dos custos assistenciais (atendimentos a beneficiários locais - 158) foi de 20,06%, enquanto que as receitas oriundas de mensalidades

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25

EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25 EDITAL DE CONTRATAÇÃO 001/2015 FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA CNPJ: 08.011.968/0001-25 O Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), torna

Leia mais

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos.

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Fabielli Guerra de Oliveira UFC (fabielliguerra@yahoo.com.br) Marcos Ronaldo Albertin UFC (albertin@ufc.br)

Leia mais

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá Nos processos tradicionais, quando um executivo prepara o orçamento do departamento sob sua responsabilidade, age como somente o seu centro

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO MAIS COM MENOS - PROGRAMA DE CONTROLE E EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Nancy de Araujo Vieira Maria Leila Casagrande Dayan Margon Carolina Kaizer Alessandro dos Santos

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

REAJUSTE DAS CONTRAPRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS DE CONTRATOS DE CONTRATAÇÃO COLETIVA OPERADORA: PORTO DIAS SAÚDE CNPJ: 06.145.428/0001-09 REGISTRO ANS: 41.508-1 PERÍODO DE APLICAÇÃO: Maio/2016 a Abril/2017 PERCENTUAL

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro FNQ- Reunião do Conselho Curador São Paulo, 26 de agosto de 2010 Luciano Coutinho 1 Brasil retomou o ciclo de crescimento sustentado pela

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

4 - GESTÃO FINANCEIRA

4 - GESTÃO FINANCEIRA 4 - GESTÃO FINANCEIRA Nos termos do art. 103 da Lei Federal nº 4.320/64, o Balanço Financeiro demonstra a movimentação das receitas e despesas financeiras, evidenciando também operações não propriamente

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO TABELAS 1) ARRECADAÇÃO MENSAL DOS TRIBUTOS (2006): Em R$ Bilhões TRIBUTOS JAN FEV MAR IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO 0,82 0,66 0,79 IPI 2,25 2,05 2,04 IMPOSTO SOBRE A RENDA 10,89

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

NCIA DAS. Palmas - TO

NCIA DAS. Palmas - TO PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA NCIA DAS FAMÍLIAS Palmas - TO Janeiro 2010 SUMÁRIO Análise dos Resultados 3 Tabela 1 PEIC - Evolução nos últimos 13 meses 3 Tabela 2 PEIC Evolução nos últimos

Leia mais

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Pro - Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Departamento de Contabilidade e Finanças e-mail: dcf@dcf.ufmg.br Tel. (031) 3409-4102 1 OFÍCIO CIRCULAR DCF 028/2009

Leia mais

Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A.

Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A. Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A. São Paulo, 8 de dezembro de 2005 1 Aviso Legal Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação,

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal

Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional Reforma Previdenciária e Sustentabilidade Fiscal Joaquim Vieira Ferreira Levy Secretário do Tesouro Nacional Brasil: Pilares do Crescimento Responsabilidade

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/10/G32 Terceira Comunicação Nacional do Brasil à

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Seminário sobre Acidentes de Trabalho

Seminário sobre Acidentes de Trabalho Seminário sobre Acidentes de Trabalho ABRANGÊNCIA Paulo Afonso Itaparica Xingó Bom Nome Cícero Dantas ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Regional de Paulo Afonso Gerência Regional de Operação de Paulo Afonso - GRP

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data base Deflatores: ICV-DIEESE INPC-IBGE março de 2014 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2013

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público

Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público Monitor da Taxa Básica de Juro e dos Juros Pagos pelo Setor Público Nelson Barbosa Grupo de Economia Política do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB) 11 de setembro de 17 Evolução

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS JULHO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual DIRETORIA GERAL DE FISCALIZAÇÃO E APOIO ÀS SERVENTIAS JUDICIAIS - DGFAJ Unidade Organizacional: DIRETORIA

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS NOVEMBRO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015 No mês de novembro, os valores médios observados caíram 0,1%, em relação ao mês anterior. No acumulado de 12 meses,

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais