Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %."

Transcrição

1 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade de preço de -2 a curto prazo, enquanto a elasticidade de preço de suas unidades de disco é de -1. a. Caso a empresa decida aumentar o preço de ambos os produtos em 10%, o que deverá ocorrer com o volume de vendas da empresa? E o que deverá ocorrer com a receita de vendas da empresa? Sabemos que a fórmula da elasticidade de demanda é: Q E P = % % P. Para chips de computador, E P = -2; então, um aumento de 10 % no preço reduzirá a quantidade vendida em 20 %. Para drives de disco, E P = -1, então, um aumento de 10 % no preço reduzirá as vendas em 10 %. A receita de vendas é igual ao preço multiplicado pela quantidade vendida. Seja RT 1 = P 1 Q 1 a receita antes da mudança de preço e RT 2 = P 2 Q 2 a receita depois da mudança de preço. Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Para drives de disco: RT dd = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT dd = (1,1P 1 )(0,9Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,01P 1 Q 1, ou uma diminuição de 1 %. Logo, a receita de vendas dos chips de computador diminui substancialmente, -12%, enquanto a receita de vendas dos drives de disco quase não é alterada, -1%. Note que no ponto sobre a curva de demanda onde a demanda apresenta elasticidade unitária, a receita total é máxima. b. Levando em consideração as informações disponíveis, você poderia dizer qual dos dois produtos seria responsável pela maior receita de vendas para a empresa? Em caso afirmativo, diga por quê. Em caso negativo, diga de quais informações adicionais você necessitaria para poder responder a esta pergunta. Não. Para determinar a receita total de vendas seria necessário conhecer não apenas a sensibilidade da demanda às variações no preço, mas também as quantidades e preços dos produtos.

2 2. Considere o Exemplo 4.3 sobre a demanda agregada do trigo em Considere 1996, quando a curva da demanda doméstica era Q DD = P. A curva da demanda de exportação, entretanto, era praticamente a mesma que em 1998, ou seja,, QDE= P. Calcule e desenhe a curva da demanda agregada do trigo em Dada a curva de demanda doméstica por trigo, Q DD = P, sabemos que o intercepto do eixo das quantidades é 1560 e o 1560 intercepto do eixo dos preços é = 26. A curva de demanda de 60 exportação de trigo, Q DE = P, tem um intercepto de 1544 no eixo das quantidades e um intercepto de 1544 = 8, 77 no eixo dos 176 preços. A curva de demanda total é igual à curva de demanda doméstica entre os preços $26 e $8,77 devido ao fato da demanda de exportação ser 0 nesse intervalo de preços. Ao preço de $8,77 e uma quantidade de aproximadamente 1033,7 = (60)(8,77), a curva de demanda total apresenta uma quebra. À medida que o preço cai abaixo de $8,77, a demanda total passa a ser a soma da demanda doméstica e das exportações, que equivale à soma horizontal das duas curvas de demanda individuais. Entre os preços de $26 e $8,77, a equação da demanda total é Q T = P e entre o preço de $8,77 e zero, a equação da demanda total é Q T =Q DD +Q DE = P. Veja a figura 4.2. P Q DE QDD Q T Figura 4.2 Q

3 3. Judy decidiu alocar $500 exatos para gastar em livros na universidade todo ano, embora saiba que os preços tendem a aumentar de 5 a 10 % por ano e que ela receberá uma quantia substancial em dinheiro de presente de seus avós no ano seguinte. Qual é a elasticidade-preço da demanda por livros de Judy? E a elasticidade- renda? A elasticidade-preço da demanda é a variação percentual na quantidade dada uma variação percentual no preço. Judy sabe que os preços devem aumentar no futuro. Tendo em vista que ela irá gastar um montante fixo em livros, a quantidade demandada deverá cair à medida que o preço aumenta. Como a despesa é constante, a variação percentual na quantidade demandada deve ser igual à variação percentual no preço, e a elasticidade-preço é -1. A elasticidaderenda deve ser zero, pois, apesar de Judy receber um presente memorável em dinheiro, ela não planeja adquirir mais livros. Lembre que a elasticidade-renda é definida como a variação percentual na quantidade demandada de um bem dada uma variação percentual na renda, se tudo mais se mantiver constante. 4. Vera decidiu fazer um upgrade no seu novo computador e mudar o sistema operacional. Ela ouviu falar que um novo sistema operacional, o Linux, é tecnologicamente superior ao Windows e substancialmente mais barato. Entretanto, quando perguntou a seus amigos sobre os sistemas, soube que todos utilizavam o Windows. Eles concordam que o Linux é um sistema superior, mas dizem que há relativamente poucas cópias daquele sistema à venda nas lojas especializadas próximas. Baseado no que ela aprende e observa, Vera opta pelo Windows. Você pode explicar a sua decisão? Vera está consumindo sob a influência de uma externalidade de difusão positiva (não de um efeito cumulativo de consumo). Quando ela ouve falar que há opções limitadas de softwares compatíveis com o sistema operacional Linux, decide optar pelo Windows. Se ela não estivesse interessada em adquirir muitos softwares, talvez tivesse escolhido o Linux. Veja o Exemplo 4.6 no texto. No futuro, entretanto, talvez ocorra um efeito cumulativo de consumo, ou seja, a aquisição do Linux porque quase todo mundo o tem. À medida que mais pessoas utilizem o Linux, os fabricantes deverão introduzir mais softwares que sejam compatíveis com este sistema operacional. À medida que as seções de softwares compatíveis com o Linux nas lojas especializadas em informática se tornarem maiores, os consumidores passarão a comprar mais Linux. Finalmente, a seção do Windows encolherá e a do Linux se tornará cada vez maior.

4 5. Suponha que você seja responsável pelo pedágio de uma ponte o qual não tem custos. A demanda por travessias pela ponte Q é expressa por P = 12-2Q. a. Desenhe a curva de demanda por travessias pela ponte. Veja a figura 5.4a abaixo. b. Quantas pessoas atravessariam a ponte se não houvesse pedágio? Ao preço zero, a quantidade demandada seria 6. c. Qual é a perda de excedente do consumidor associada com a cobrança de um pedágio de $6? O excedente do consumidor sem o pedágio é igual a (0,5)(6)(12) = 36. O excedente do consumidor com um pedágio de $6 é igual a (0,5)(3)(6) = 9, ilustrado na Figura 4.4.a. Logo, a perda de excedente do consumidor é $27. Pedágio Excedente do consum idor 6 P = 12-2Q 4 2 T ravessias Figura 5.4.a 6.a. Os sucos de laranja e de maçã são substitutos perfeitos. Desenhe as curvas de preço-consumo (supondo que o preço do suco do laranja varie) e rendaconsumo para esses bens. Sabemos que as curvas de indiferença para substitutos perfeitos são linhas retas. Nesse caso, o consumidor sempre comprará o mais barato dos dois bens. Se o preço do suco de laranja for menor que o preço do suco de maçã, o consumidor adquirirá somente suco de laranja e a curva de preço-consumo se situará sobre o eixo do suco

5 de laranja no gráfico. Se o suco de maçã for mais barato, o consumidor comprará somente deste bem e a curva de preçoconsumo se situará sobre o eixo do suco de maçã. Se os dois bens tiverem o mesmo preço, o consumidor será indiferente entre eles; a curva de preço-consumo coincidirá com a curva de indiferença. Veja a Figura 4.6.a.i. Suco de m açã P A < P O E P A = P O P A > P O U F Suco de laranja Figura 4.6.a.i Supondo que o preço do suco de laranja seja menor que o preço do suco de maçã, o consumidor maximizará a sua utilidade consumindo apenas suco de laranja. À medida que o nível de renda varia, somente a quantidade de suco de laranja varia. Assim, a curva de renda-consumo se situará sobre o eixo do suco de laranja na Figura 4.6.a.ii.

6 Suco de m açã Restrição orçam entária Curva de renda-consum o U 2 U 3 U 1 Suco de laranja Figura 4.6.a.ii 5.b. Sapatos direitos e esquerdos são complementos perfeitos. Desenhe as curvas de preço-consumo e renda-consumo apropriadas. No caso de complementos perfeitos, como os sapatos direitos e esquerdos, sabemos que as curvas de indiferença têm formato de L. A utilidade é máxima nos pontos em que as restrições orçamentárias L 1 e L 2 tangenciam os cantos de U 1 e U 2. Veja a Figura 4.6.b.i. Sapatos direitos Curva de preço-consum o U 2 U 1 L 1 L 2 Figura 4.6.b.i Sapatos esquerdos No caso de complementos perfeitos, a curva de renda-consumo é uma linha que passa pelos cantos das curvas de indiferença em formato de L. Veja a Figura 4.6.b.ii.

7 Sapatos direitos Curva de renda-consum o U 2 U 1 L 1 L 2 Figura 4.6.b.ii Sapatos esquerdos 7. A taxa marginal de substituição de Heather de ingressos para o cinema por locações de vídeo é a mesma, não importando quantas locações de vídeos ela deseje. Desenhe a curva de renda-consumo de Heather e sua curva de Engel para vídeos. Supondo que o preço dos ingressos de cinema seja menor que o preço das locações de vídeo, a restrição orçamentária, L, será menos inclinada que a curva de indiferença relativa aos dois bens substitutos, ingressos de cinema e locações de vídeo. A curva de renda-consumo se situará sobre o eixo dos vídeos, dado que ela consome somente vídeos. Veja a Figura 4.7.a.

8 Ingressos de cinem a Curva de renda-consum o L U 3 U 2 U 1 Aluguéis de vídeo Figura 4.7.a A curva de Engel de Heather mostra que seu consumo de locações de vídeo aumenta à medida que sua renda aumenta, e a inclinação de sua curva de Engel é igual ao preço de uma locação de vídeo. Veja a Figura 4.7.b. Renda + Preço do vídeo + 1 Figura 4.7.b Aluguel de vídeos 8. Você está administrando um orçamento municipal de $ e o seu gasto concentra-se apenas em educação e segurança pública. Você está em vias de

9 receber uma ajuda do governo federal que visa dar suporte a um programa de combate às drogas. Dois tipos de programa encontram-se disponíveis: (1) uma dotação de $ que deve ser gasta com a implementação da lei contra as drogas; e (2) um subsídio de 100% por meio do qual cada dólar gasto pela localidade na implementação da lei será compensado por um dólar doado pelo governo federal. O programa do subsídio compensado proposto pelo governo federal tem um limite de $ para cada município. a. Complete a tabela seguinte com os montantes disponíveis para segurança em cada situação possível. ESCOLAS SEGURANÇA Sem subsídio federal SEGURANÇA Com subsídio (1) SEGURANÇA Com subsídio (2) $0 $ $ $ $ $ $ a. Veja a Tabela 4.8.a. ESCOLAS SEGURANÇA Sem subsídio federal SEGURANÇA Com subsídio (1) SEGURANÇA Com subsídio (2) $0 $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $0 $ $0 Tabela 4.8.a b. Que programa você escolheria, caso desejasse maximizar a satisfação dos cidadãos do município, se gastasse $ dos $ com as escolas? E se alocasse $ para os gastos com as escolas? Alocando $ para as escolas e $ para a segurança pública, ambos os programas geram o mesmo montante, $ ,

10 de modo que você seria indiferente entre eles. Alocando $ para as escolas e $ para a segurança pública, o programa (1) gera $ (de um total de $ ) e o programa (2) gera $ (de um total de $ ), de modo que o programa (1) é preferível. c. Desenhe as restrições orçamentárias para as três opções disponíveis: nenhum subsídio federal, subsídio (1), ou subsídio (2). 360 Escolas A C D Restrições orçam entárias: 1. Sem subsídio,ab 2. Program a 1,ACE 3. Program a 2,ADE B E Segurança Figura 4.8.c Na ausência do subsídio, a restrição orçamentária é a linha AB, que vai do ponto em que são alocados $ para as escolas e zero para a segurança, até o ponto com $ para a segurança e zero para as escolas. Com o subsídio (1), a restrição orçamentária, ACE, tem dois segmentos: o primeiro, paralelo ao eixo horizontal, termina no ponto em que os gastos com segurança atingem $ ; o segundo, que apresenta inclinação negativa, intercepta o eixo horizontal no ponto em que os gastos com segurança atingem $ Com o subsídio (2), a restrição orçamentária, ADE, também tem dois segmentos: o primeiro parte do ponto ($0, $ ) e vai até o ponto ($ , $ ), e o segundo parte de ($ , $ ) e vai até ($ , $0). 9. Por meio da observação do comportamento de um consumidor nas situações a seguir descritas, determine as elasticidades renda da demanda relevantes para cada mercadoria (isto é, diga se tais mercadorias são bens normais ou inferiores).

11 Se você não puder determinar a elasticidade renda da demanda, de quais informações adicionais necessitaria? a. Bill gasta toda a sua renda com literatura e café. Durante suas buscas por livros de capa mole pelas prateleiras da seção de livros usados de uma livraria, ele encontra $20. Então, imediatamente adquire um livro novo de poesia, com capa dura. Os livros são um bem normal, dado que o consumo de livros aumenta com a renda. O café é um bem normal ou neutro, pois seu consumo não cai quando a renda aumenta. b. Bill perde os $10 que utilizaria na aquisição de um café expresso duplo. Em conseqüência, ele decide vender seu livro novo com desconto para um amigo e utilizar o dinheiro na compra do café. O café é claramente um bem normal. c. Ser boêmio é a última moda para os adolescentes. Conseqüentemente, os preços de café e livros sofrem um aumento de 25%. Bill reduz seu consumo de ambas as mercadorias na mesma proporção. Ambos os livros e o café são bens normais, pois a redução na renda real de Bill leva à diminuição do consumo dos dois bens. d. Bill decide sair da escola de arte e fazer mestrado em administração de empresas. Sendo assim, muda seus hábitos: pára de ler livros e de beber café. Agora ele lê o The Wall Street Journal e bebe água mineral. Não sabemos por quê, mas as suas preferências mudaram completamente. Para tentar entender melhor seu comportamento, seria necessário conhecer seu nível de renda, suas preferências por dormir, e, talvez, até mesmo suas preferências políticas. 10. Suponha que, para a demanda de alimento, a elasticidade renda seja 0.5, e a elasticidade-preço seja Suponha também que uma consumidora tenha um dispêndio anual de $ com alimento, que o preço unitário deste seja $2 e que a renda da consumidora seja $ a. Se fosse criado um imposto de $2 sobre as vendas de alimento, fazendo com que seu preço duplicasse, o que ocorreria com o consumo de alimento por parte da consumidora? (Sugestão: uma vez que se trata de uma grande variação no preço, você deveria supor que a elasticidade-preço corresponde à medição da elasticidade no arco, em vez da elasticidade no ponto) O preço do alimento passa de $2 para $4, de modo que a fórmula da elasticidade no arco deveria ser usada:

12 E P = Q P 1 + P 2 2 P Q 1 + Q 2. 2 Sabemos que E P = -1, P = 2, P = 2, e Q=5000. Sabemos também que Q 2, a nova quantidade, é igual a Q + Q.. Assim, supondo que a renda permaneça constante, podemos resolver para Q: Q 1 = ( Q) 2 A solução dessa equação é Q = Logo, a consumidora reduz seu consumo de alimento de para unidades. b. Suponha que a consumidora receba um desconto fiscal no valor de $5.000 no período, visando atenuar o efeito do imposto. Qual seria seu consumo de alimento? O desconto fiscal de $5.000 implica um aumento de renda de $ Para calcular a variação na demanda gerada pelo desconto, use a definição de elasticidade renda no arco: E I = Q I I 1 + I 2 2 Q 1 + Q 2 2 Sabemos que E I = 0.5, I = , I = 5.000, Q = (a partir da resposta da Questão 10.a). Supondo preços constantes, podemos resolver para Q Q 0,5 = ( Q) 2 A solução é Q = 238 (aproximadamente). Logo, a consumidora aumenta seu consumo de alimento de para unidades. c. O bem-estar da consumidora teria melhorado ou piorado, no caso de lhe ser oferecido um desconto fiscal de valor igual à soma dos impostos sobre as vendas pagas no período? Discuta. Precisamos saber se a sua curva de indiferença original se situa acima ou abaixo de curva de indiferença final (após a introdução do imposto e do desconto fiscal). A sua escolha final envolve o consumo de unidades de alimento (por $10.952) e $ de

13 outros bens. Será que essa combinação poderia ter sido atingida com seu orçamento original? Ao preço original do alimento de $2, essa combinação teria lhe custado (2.738)($2) + $ = $24.524, sobrando $476 que poderiam ser gastos em alimento ou outros bens. Logo, seu bem-estar teria diminuído, pois na situação original ela poderia ter adquirido maior quantidade de alimento e outros bens, relativamente à situação após a introdução do imposto e do desconto. 11. Suponha que você seja o consultor de uma cooperativa agrícola que precisa decidir se, no próximo ano, seus membros devem ou não diminuir sua produção de algodão pela metade. A cooperativa quer saber de você se a receita dos agricultores aumentará com essa redução na produção. Levando em consideração que as plantações de algodão (C) e de melancias (W) competem por terra na região Sul, você obtém a seguinte estimativa da demanda por algodão: C=3,5-1,0P C +0,25P W +0,50I, onde P C é o preço de algodão, P W o preço da melancia, e I a renda. O plano de redução da produção deve ser levado adiante ou não? Existe alguma informação adicional que poderia ajudar a responder a essa pergunta de forma mais precisa? Se a produção de algodão for reduzida pela metade, o preço do algodão aumentará, pois, pela equação acima, a demanda é negativamente inclinada. Teremos, assim, um aumento de preço e uma redução da quantidade demandada, de modo que a receita poderá aumentar ou diminuir - dependendo da demanda ser inelástica ou elástica ao preço corrente. Se a demanda for inelástica, uma redução na produção e um aumento no preço poderão aumentar a receita. Se a demanda for elástica, uma redução na produção e um aumento no preço causarão a diminuição da receita. Seria necessário conhecer o preço corrente e/ou a quantidade demandada para determinar o nível corrente da elasticidade.

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1. O que significa o termo transitividade de preferências? A transitividade de preferências significa que, se alguém prefere A em relação a B, e B em relação a C, então essa

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor genda Comportamento do Consumidor Econ. Edilson guiais Material isponível em: www.puc.aguiais.com.br Restrições Orçamentárias Escolha do Consumidor Preferências Reveladas Utilidade Marginal e Escolhas

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w.

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 9, Mercados Competitivos :: EXERCÍCIO 1. Em 1996, o Congresso dos EUA discutiu se o salário mínimo deveria subir de $4,25 para $5,15 por hora. Algumas pessoas sugeriram que

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira PROCON MICROECONOMIA - Prof. I Introdução A teoria econômica é um instrumental extremamente útil para o entendimento de uma série questões do mundo moderno. Neste curso estudaremos o comportamento de consumidores,

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

C Por que é preciso fazer rápido o produto web?

C Por que é preciso fazer rápido o produto web? C Por que é preciso fazer rápido o produto web? Já falamos sobre algumas denições e requisitos para se ter uma startup. Depois falamos sobre como ter ideias de produtos para a startup e que essas ideias

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

VPL do Projeto. Parte 3. O VPL Projetado Como fazer na planilha Excel

VPL do Projeto. Parte 3. O VPL Projetado Como fazer na planilha Excel 2008 VPL do Projeto Parte 3 O VPL Projetado Como fazer na planilha Excel Bertolo INVENT 21/05/2008 2 VPL do Projeto ORÇAMENTO DE CAPITAL 10 VPL Projetado 1. Básico Problema. Suponha uma empresa considerando

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Análise da sensibilidade

Análise da sensibilidade Análise da Sensibilidade Bertolo, L.A. UNIUBE Análise da sensibilidade Em todos os modelos de programação linear, os coeficientes da função objetivo e das restrições são considerados como entrada de dados

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 03: A ELASTICIDADE E SUAS APLICAÇÕES TÓPICO 03: APLICAÇÕES DOS CONCEITOS DE ELASTICIDADE CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL A receita total ( ) é obtida

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Custo de oportunidade e decisões Custo explícito é aquele que requer gasto em dinheiro. O custo implícito, por outro lado, não implica despesas

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVIÃO 1. uponha que um clima excepcionalmente quente ocasione um deslocamento para a direita da curva de demanda de sorvete. Por que o preço de equilíbrio

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

ORÇAMENTO FAMILIAR. Por que fazer um orçamento doméstico?

ORÇAMENTO FAMILIAR. Por que fazer um orçamento doméstico? 1 Autor: Eloi Myszka NRE: Guarapuava Escola: Colégio Estadual Mahatma Gandhi, Ensino Fundamental e Médio. Disciplina: Matemática ( ) Ensino Fundamental ( X ) Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar

Leia mais

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Suponhamos que uma empresa possa praticar uma discriminação perfeita de preços

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Custos para Tomada de Decisões Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Exemplo Planilha de Custos Quantidade Vendida 10.000 12.000 Item de Custo

Leia mais

CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA

CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA CARTILHA EDUCAÇÃO FINANCEIRA ÍNDICE PLANEJANDO SEU ORÇAMENTO Página 2 CRÉDITO Página 12 CRÉDITO RESPONSÁVEL Página 16 A EDUCAÇÃO FINANCEIRA E SEUS FILHOS Página 18 PLANEJANDO SEU ORÇAMENTO O planejamento

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II Lista Adicional de Incerteza c/ Gabarito Questão 1: Considere o caso típico de um investidor cuja renda total se divide em renda do trabalho (salário)

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza.

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza. AVESSO E PROPENSO Questão 2/97. Um indivíduo tem função de utilidade esperada definida por u( w )= w(onde w é a sua riqueza). Seja: - A: a loteria que paga R$ 36 com probabilidade 1/6 e zero com probabilidade

Leia mais

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas.

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Elasticidades O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Por exemplo: para alguns bens os consumidores reagem bastante quando o preço

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

CAP4: Distribuições Contínuas Parte 1 Distribuição Normal

CAP4: Distribuições Contínuas Parte 1 Distribuição Normal CAP4: Distribuições Contínuas Parte 1 Distribuição Normal Quando a variável sendo medida é expressa em uma escala contínua, sua distribuição de probabilidade é chamada distribuição contínua. Exemplo 4.1

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1 Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 1º semestre 2015 Profa Olga Função Quadrática Uma função f : R R chama-se função quadrática quando existem números reais a, b e c, com a 0, tais que f(x) = ax 2 + bx

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de evitar a ocorrência de arbitragem. Explique de que

Leia mais

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira

BANRIDICAS FINANCEIRAS. A sua cartilha sobre Educação Financeira BANRIDICAS FINANCEIRAS A sua cartilha sobre Educação Financeira Planejando seu orçamento Traçar planos e colocar tudo na ponta do lápis - não é tarefa fácil, mas também não é impossível. O planejamento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais