Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem."

Transcrição

1 Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral, identificando e medindo variáveis de forma conjunta: inflação, desemprego, crescimento econômico etc. Os preços se formam com base em dois mercados: - Bens e serviços: ajusta o preço dos bens e serviços - Fatores de produção: ajusta salários, aluguéis, juros e lucros Coeteris Paribus: tudo o mais constante. Todas as variáveis, que não a estudada, permanecem constantes. Demanda: quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores desejam consumir não representa a compra efetiva. Escala de demanda indica quanto o consumidor pode adquirir, mediante alternativas de preços. Valor utilidade: com uma renda e preços, o consumidor demanda um bem ou serviço, o qual consumindo-o maximiza-se a satisfação (utilidade) atribuída ao bem. Utilidade total: aumenta quanto maior a quantidade consumida do bem. Utilidade marginal: satisfação adicional obtida pelo consumo de mais uma unidade do bem. (Decresce, pois há saturação). Assim, dizemos que a água tem grande utilidade total e baixa utilidade marginal. Já o diamante possui grande utilidade marginal. A demanda é afetada pela riqueza, renda, preço do bem e de outros bens, fatores sazonais, propaganda, hábitos, expectativas, facilidades de crédito etc. Função geral da demanda:

2 q d i p i p s p c R G : quantidade demandada do bem i : preço do bem i : preço dos substitutos (concorrentes) : preço dos complementares : renda : gostos, hábitos etc Função convencional: Relação entre a quantidade demandada e o preço do bem. A lei geral da demanda diz que: a quantidade demandada de um bem varia na relação inversa de seu preço. Isto acontece por dois efeitos: o de substituição (maior consumo dos concorrentes, reduzindo a demanda) e o de renda (redução do poder aquisitivo). Abaixo um gráfico de curva de demanda, mostrando a inclinação negativa da mesma. Relação entre quantidade demandada e preços de bens substitutos Ao aumentarmos o preço do bem substituto, estaremos aumentando a quantidade demandada do outro bem.

3 Relação entre quantidade demandada e preços de bens complementares Ao aumentarmos o preço do bem complementar, a quantidade demandada de outro bem diminui. Relação entre demanda e renda do consumidor Neste caso, há três situações distintas: - Bem normal: um aumento na renda provoca um aumento na demanda pelo bem. Ex.: Carne de 1ª. - Bem inferior: um aumento na renda provoca redução na demanda pelo bem. Ex.: Passagem de ônibus.

4 - Bem de consumo saciado: a demanda pelo bem independe da renda do consumidor. Ex.: Arroz, sal, açúcar etc. Os consumidores de baixa renda possuem menor número de produtos classificados como bens inferiores. Relação entre demanda e gostos dos consumidores Neste caso, os hábitos podem ser alterados por propagandas, incentivando ou reduzindo o consumo de dado bem. Por exemplo, campanhas do tipo: fumar faz mal à saúde provoca um deslocamento da curva para a esquerda. Por outro lado, campanhas do tipo: beba mais leite, provocarão um deslocamento da curva para a direita. Demanda de mercado: caracterizada pela soma das demandas individuais. Variações na demanda: deslocamento da curva de demanda, alterações em p s, p c, R e G. Alteração da condição Coeteris Paribus. Variações na quantidade demandada: deslocamento ao longo da própria curva de demanda, em virtude da variação do preço do próprio bem. (Coeteris Paribus). Funções de demanda: determinadas empiricamente por métodos econométricos. Pode ser de diversos tipos, mas, geralmente apresentam coeficientes em relação às variáveis estudadas. Oferta: quantidade de determinado bem ou serviço que os produtores desejam vender considerando produção a lucro máximo, na restrição custos de produção.

5 Q O i p i p fp p c T M : quantidade ofertada do bem i : preço do bem i : preço dos fatores de produção : preço de outros n bens, substitutos na produção : tecnologia : metas do empresário Função geral da oferta: Se o preço do bem aumenta, a quantidade ofertada também aumentará. Relação entre oferta e preço dos fatores de produção Se os fatores de produção ficarem mais caros, a quantidade ofertada do bem diminuirá. Relação entre oferta e preço dos substitutos na produção Se o preço do bem substituto aumenta, a quantidade ofertada de outro bem irá ser reduzida (intenção é produzir mais do substituto). Relação entre oferta e tecnologia Um avanço na tecnologia reduz os custos de produção, aumentando a quantidade ofertada do bem. Relação entre oferta e metas Poderá haver interesse do empresário de reduzir ou elevar a produção.

6 Oferta de mercado: caracterizada pela soma das ofertas individuais. Variações na oferta: deslocamento da curva de oferta, alterações em p fp, p n, T e M. Alteração da condição Coeteris Paribus. Variações na quantidade ofertada: deslocamento ao longo da própria curva de oferta, em virtude da variação do preço do próprio bem. (Coeteris Paribus). Equilíbrio de mercado: o preço em uma economia de mercado é determinado tanto pela oferta, como pela demanda. No encontro das curvas, onde as quantidades ofertada e demandada são iguais, há o equilíbrio de mercado. Lei da oferta e da demanda: o preço de qualquer bem ou serviço se ajusta de forma a equilibrar a oferta e a demanda deste bem. Excesso de oferta: há uma redução de preços e um novo equilíbrio de mercado. Escassez do bem: há uma elevação nos preços para formar um novo equilíbrio. Elasticidade: Alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual em outra. Também denominada sensibilidade, resposta etc. Elasticidade-preço da demanda: Variação percentual na quantidade demandada, dada uma variação percentual no preço do bem. A elasticidade-preço da demanda é um valor sempre negativo, portanto é expresso em módulo.

7 Demanda elástica (elasticidade-preço > 1): variação percentual no preço leva a uma grande variação percentual na quantidade demandada no sentido oposto Demanda inelástica (elasticidade-preço < 1): variação percentual no preço leva a uma pequena variação na quantidade demandada em sentido contrário. Demanda unitária (elasticidade-preço = 1): variação percentual no preço leva a mesma variação na quantidade demandada em sentido contrário. Esta elasticidade é afetada por diversos fatores, entre os quais: Disponibilidade de bens substitutos (tendem a tornar a demanda mais elástica) Essencialidade do bem, uma vez que bens essenciais tendem a ser inelásticos. Importância relativa ao orçamento do consumidor Horizonte de tempo Elasticidade no ponto: calculada em um ponto específico da demanda, a dado preço e quantidade. Pode ser por: Acréscimos finitos: Derivada: Se a demanda é função apenas do preço do bem: Se a demanda é função de outras variáveis: Elasticidade no arco (ou ponto médio): mede a elasticidade em trecho da curva de demanda.

8 Graficamente, a elasticidade pode ser determinada pelo quociente entre o tamanho do segmento abaixo de A e o segmento acima de A. Grandes inclinações da curva de demanda implicam em demandas inelásticas, ao passo que pequenas inclinações tendem a representar demandas elásticas. Casos extremos: Inclinação infinita: não há variação na demanda do bem, dada uma variação de preço. Perfeitamente inelástica. Inclinação zero: as compras variam muito com o aumento dos preços. Relação entre Receita total (RT) e variação do preço Como RT = p*q (quantidade vendida * produtos comprados), como a variação do preço irá afetar a receita dependerá da elasticidade-preço da demanda. Elasticidade-preço cruzada da demanda: Variação percentual na quantidade demandada de A. dada a variação percentual do preço de B. Ela será positiva caso os bens sejam substitutos (aumento do preço de A eleva o consumo de B) e negativa caso os bens sejam complementares (aumento do preço de A reduz consumo de B). Elasticidade-renda da demanda: Variação percentual na quantidade demandada de A. dada a variação percentual na renda do consumidor.

9 Maior que 1: bem superior; Maior que 0: bem normal; Menor que 0: bem inferior; Nulo: bem de consumo saciado. Elasticidade-preço da oferta: Variação percentual na quantidade ofertada, dada uma variação percentual no preço do bem. Maior que 1: bem de oferta elástica; Menor que 1: bem de oferta inelástica; Igual a 1: bem de oferta unitária. Teoria da firma: teoria que atua nos bastidores da curva de oferta. É ela que afirma que o objetivo de toda firma é maximizar os lucros. Lucro total (LT): O lucro total equivale a diferença entre a receita total (RT) e o custo total (CT). Receita total (RT): é o produto do preço de venda pela quantidade produzida. A teoria da firma se subdivide em duas: Teoria da produção: relações entre as quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados. Teoria dos custos de produção: relações entre a quantidade produzida e o preço dos insumos. Produção: processo de transformação de fatores de produção em produtos e serviços para venda no mercado. São insumos fatores de produção: mão-de-obra (N), capital físico (K), Área (T), matérias-primas (M p ). Eficiência técnica: produção de mesma quantidade de produto com menos insumos. Eficiência econômica: produção de menor quantidade de produto no menor custo de produção.

10 Função de produção q N K M : quantidade produzida / tempo : mão-de-obra utilizada / tempo : capital físico / tempo : matéria-prima utilizada / tempo A função de produção relaciona a produção com as quantidades físicas dos fatores de produção. Já a função de oferta, relaciona a produção com os preços dos fatores de produção. Fatores fixos de produção: permanecem inalterados quando a quantidade produzida varia. Ex.: instalações da empresa. Efeitos variáveis de produção: alteram-se quando a quantidade produzida varia. Curto prazo (CP): período com pelo menos um fator de produção fixo. Longo prazo (LP): período com variação em todos os fatores de produção. Produto total (PT): quantidade total produzida em determinado período de tempo. Produtividade média (PMe): relação entre o produzido e a quantidade de fator de produção em determinado período de tempo. Da mão-de-obra: Do capital: Produtividade marginal (PMg): variação do produto dada variação de uma unidade na quantidade de fator de produção. Contribuição adicional de cada insumo. Lei dos rendimentos decrescentes: ao aumentar o fator variável, dada a quantidade de um fator fixo, a PMg do fator variável cresce até certo ponto e, à partir daí, decresce, até tornar-se negativa. Só vale no curto prazo. Isoquanta: linha onde os pontos representam combinações dos fatores que resultam na produção da mesma quantidade. Apresentam as seguintes propriedades: Negativamente inclinada: o aumento de um fator de produção implica na redução de outro, para uma mesma quantidade produzida

11 Declividade: Taxa marginal de substituição técnica (TMST = ΔK/ΔN), taxa de intercâmbio de um fator por outro, mantida a produção. Convexa: quando aumenta o número de trabalhadores e diminui o capital, TMST diminui. Dificuldade crescente de diminuir um fator pelo outro devido aos rendimentos decrescentes. Rendimentos (ou economias) de escala: vantagens e desvantagens da empresa, a longo prazo, em aumentar seu tamanho ou escala. Se todos os insumos variam na mesma proporção e a empresa: Produz em uma proporção maior: rendimentos crescentes de escala; Produz em uma proporção menor: rendimentos decrescentes de escala; Produz na mesma proporção: rendimentos constantes de escala. A diferença entre os rendimentos de escala e a lei dos rendimentos crescentes está no fato de que a primeira, por ser no longo prazo, não considera fatores fixos de produção. Custos de produção: é a relação entre os custos e a quantidade produzida. No curto prazo, pelo menos um fator de produção é fixo, assim: CFT Custo fixo total: mantém-se fixo quando a produção varia. CVT Custo variável total: varia de acordo com a produção. CT = CFT + CVT O custo obedece a Lei dos Custos Crescentes. Existe ainda o conceito de custo médio, que é a relação entre o custo (fixo, variável ou total) e a quantidade produzida. Custo marginal: variações de custo quando se altera a produção em uma unidade. Se o custo marginal supera o médio, há aumento nos custos. Se o custo marginal é inferior ao médio, há redução. Custo marginal é igual ao médio no ponto de mínimo deste.

12 No longo prazo, todos os custos são variáveis. Portanto faz-se necessário operar no curto prazo planejando-se para o longo prazo. Economias de escala: redução de custos unitários de uma empresa à medida que aumenta a produção. Economias de escopo: redução de custos totais quando aumenta a variedade de bens e serviços produzidos. Isocusto: conjunto de todas as combinações possíveis de fatores de produção que mantém constante o custo/orçamento total. Equilíbrio do produtor: compatibilidade entre alternativas tecnológicas e dos preços dos fatores de produção. Para maximizar o lucro, deve-se visar a maximização da produção, minimizando-se os custos. Com o CT, deve-se escolher a combinação de fatores de produção compatível com a isoquanta mais alta. Estruturas de mercado Condicionadas por três fatores: Podem ser: Número de empresas produtoras no mercado; Tipos de produto; Existência ou não de barreiras ao acesso de novas firmas. Concorrência perfeita: número infinito de firmas, produto homogêneo e livre acesso das firmas e consumidores ao mercado. Monopólio: única empresa, produto sem substitutos próximos, com barreiras a entrada de novas firmas. Concorrência monopolística (imperfeita): inúmeras empresas, produto diferenciado, livre acesso de firmas ao mercado. Oligopólio: pequeno número de empresas domina o mercado, produto podem ser homogêneos ou diferenciados e existem barreiras para a entrada de novas firmas. Concorrência pura ou perfeita características Mercado atomizado: infinitos vendedores e compradores. Um agente isolado não afeta o preço, o qual é fornecido pelas empresas e consumidores. Produtos homogêneos: oferecimento de produto semelhante, na qualidade e nas embalagens. Não há diferença de qualidade. Racionalidade: empresários maximizam lucro, consumidores maximizam satisfação.

13 Transparência do mercado: consumidores e vendedores tem acesso a toda informação necessária, inclusive dados dos concorrentes. A maximização de lucros é o principal objetivo das empresas (teoria neoclássica marginalista). Deve-se determinar a demanda do mercado e o comportamento dos custos. A curva de demanda para este caso é horizontal, pois se o preço se eleva, a firma não encontrará compradores e o preço não pode ser reduzido pelo princípio da racionalidade. Tanto as curvas de receita média e de marginal equivalem ao preço do produto. Para o maior lucro, deve-se encontrar o nível de produção de modo a garantir a maior diferença positiva entre receita e custos. RMg > CMg : maior a produção (o lucro aumenta a cada unidade adicional) RMg < CMg : menor a produção (o lucro diminui a cada unidade adicional) RMg = CMg : os lucros estão maximizados.

14 A produção ótima acontece no ponto em que RMg = CMg e o custo marginal está crescente. A remuneração dos empresários está inclusa na curva de custo (custo de oportunidade). Lucro normal ou custo de oportunidade: o que o empresário receberia se empregasse seus recursos em outras atividades. Lucro extraordinário: excede o lucro normal (LT = RT CT) No longo prazo não há lucro extraordinário, onde novas empresas entram no mercado, elevam a oferta e reduzem os preços. Monopólio características Única empresa produtora do bem ou serviço Não há substitutos próximos Barreiras para a entrada de concorrentes Exemplos de barreiras: Monopólio puro ou natural: decorrente da alta escala de produção, exigindo montantes elevados de investimentos. Dificulta a entrada de empresas no mercado. Patentes: direito único de produzir o bem. Controle de matérias-primas Monopólio estatal (ou institucional)

15 O preço é afetado pelo monopolista. Se a quantidade produzida por ele aumenta, o preço cai. Por outro lado, se a quantidade produzida cai, o preço sobe. RMe é o próprio preço de mercado (demanda). No monopólio não existe a igualdade RMe = RMg. A quantidade adicional é vendida por preço inferior às vendidas anteriormente. Concorrência monopolística Muitas empresas produzindo um dado bem ou serviço Cada empresa produz um produto diferenciado (com substitutos) Cada empresa tem certo poder sobre os preços e o consumidor tem opções de escolha Oligopólio características Empresas dominantes têm o poder de fixar preços de venda, defrontando-se com demandas inelásticas. Barreiras para entrada de novas empresas no setor. Oligopólios podem ser concentrados (pequeno número de empresas no setor) ou competitivos (pequeno número de empresas domina um setor com muitas empresas) Podem ser de produto homogêneo ou diferenciado. As empresas podem concorrer entre si ou formando cartéis (conluios, trustes) organizações formais ou informais determinando a política de empresas do cartel fixa preços e repartição do mercado. Modelos de oligopólio podem ser tradicionais (onde a maximização de lucros é feita da forma RMg = CMg) e por Mark-up (receitas de vendas custos diretos de produção).

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada CUSTOS DE PRODUÇÃO Profª Graciela Cristine Oyamada Curva de Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados) Teoria dos Custos de

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Efeito de substituíção

Efeito de substituíção Efeito de substituíção Y Recta orçamental 2 Y3 óptimo do consumidor X, Y = Bens Y1 Y2 Recta orçamental 1 Y 0 X2 X3 X1 Efeito rendimento P Efeito de substituíção P2 P1 0 X2 X1 QX X Para bens normais, existe

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 Introdução à Microeconomia 6-1 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 6-2 Principais aspectos A função de produção. A produção

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

E struturas de M ercado

E struturas de M ercado E struturas de M ercado 1 INTRODUÇÃO Exploramos nos capítulos anteriores os fatores determinantes da oferta e da demanda dos agentes individuais e do mercado. Agora, passaremos a examinar a determinação

Leia mais

- Estruturas de Mercado. Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores

- Estruturas de Mercado. Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores - Estruturas de Mercado Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores Introdução As várias formas ou estruturas de mercado

Leia mais

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto Versão Preliminar Produção em período curto caso discreto 1 - Suponha que a ojinha de Hamburgers Caseiros com a actual dimensão definida por 1 sala com 60 m, mesas e cadeiras, grelhadores, 1 frigorífico

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de asso Fundo - RS Eduardo Belisário Finamore 1 Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a visão da teoria econômica sobre

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Diretor Geral M.Sc. Ionaldo Vieira Carvalho Diretor Financeiro André Monteiro Freitas Presidente do Conselho Bárbara Monteiro Freitas Coordenador

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS LISTA DE EXERCÍCIOS Capítulo 1 Introdução à Economia 1. Qual é o conceito de economia? Qual sua relação com a questão das escolhas ótimas e da escassez? 2. Por que a escassez se constitui com um dos pilares

Leia mais

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas, 2015 DECON/UFPEL Rodrigo Nobre Fernandez Microeconomia 1 / 30 Minimização de Custos 1 Suponha que a firma escolhe um certo nível

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A.

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A. ECONOMIA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2006 2 DEMANDA E OFERTA A Teoria Microeconômica

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO

ESTRUTURAS DE MERCADO ESTRUTURAS DE MERCADO Introdução A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio. Incentivo: Meio de estimular a competição Lucro: Motivo

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA 01 1 - INTRODUÇÃO COETERIS PARIBUS Para analisar determinado mercado isoladamente, supõe-se que todos os demais são constantes; ou seja,

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

Pessoal, César Frade. 3-(Gestor-2001 ESAF) Entre as afirmações abaixo, indique aquelas que são Falsas (F) e as que são Verdadeiras (V).

Pessoal, César Frade. 3-(Gestor-2001 ESAF) Entre as afirmações abaixo, indique aquelas que são Falsas (F) e as que são Verdadeiras (V). Pessoal, Tenho um grupo de estudos com muito material para vocês se divertirem. Disponibilizo, inclusive, o primeiro capítulo do livro que estou fazendo. Associem-se a ele acessando o link http://groups.google.com.br/group/macroeconomiaafrf.

Leia mais

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress.

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress. SUMÁRIO 1 1. Introdução à Economia... 2 2. Teoria do Consumidor... 24 3. Teoria da Firma (Produção e Custos)... 38 4. Teoria de Mercados... 55 5. Teoria dos Jogos... 71 6. Equilíbrio Geral... 79 7. Bem

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

a) 150. b) 200. c) 250. d) ***300. TMS (valor absoluto)= K/2L; 2Lpl=Kpk (porque TMS=pl/pk), Kpk=200; CT=300.

a) 150. b) 200. c) 250. d) ***300. TMS (valor absoluto)= K/2L; 2Lpl=Kpk (porque TMS=pl/pk), Kpk=200; CT=300. Licenciatura em Economia MICROECONOMIA II LEC106 Miniteste 17/04/2009 A 1. Considere a seguinte função de produção: Q = L α K β. Sabe-se que em consequência de uma variação proporcional de ambos os factores

Leia mais

III. PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL

III. PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL III. PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL 1. Teoria da Produção 1.1. Introdução A teoria da produção e a teoria dos custos de produção constituem a chamada teoria da oferta da firma individual. Esses temas

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

ECONOMIA COMPETITIVA

ECONOMIA COMPETITIVA ECONOMIA COMPETITIVA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 ESTRUTURAS DE MERCADO

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Parte II MICROECONOMIA

Parte II MICROECONOMIA Parte II MICROECONOMIA D em an d a, O ferta e E quilíbrio de M ercado 1 FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA A Microeconomia, ou Teoria de Preços, é a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias

Leia mais

Economia Conceitos e Exercícios

Economia Conceitos e Exercícios Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 5. 2. TEORIA ELEMENTAR DA DEMANDA... 15 2.1. Curva de Demanda... 16 2.2. Bens complementares e substitutos... 17

APRESENTAÇÃO... 5. 2. TEORIA ELEMENTAR DA DEMANDA... 15 2.1. Curva de Demanda... 16 2.2. Bens complementares e substitutos... 17 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. INTRODUÇÃO À ECONOMIA... 6 1.1. Conceito de Economia... 7 1.2. O Problema Fundamental da Economia... 8 1.3. Quatro Perguntas Fundamentais... 9 1.4. A Curva de Possibilidade

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

Faculdade Politécnica POLICAMP Sistemas de Informação 7º Semestre Economia e Finanças Aula 02 Prof. Carlos A. B. Viviani Email: carlosviviani@policamp.edu.br Microeconomia O termo Microeconomia designa

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ESTRUTURAS DE CONCORRÊNCIA E TEORIA DOS JOGOS Adriana Kumiko Takahagui, AN091321

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo

Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo 1 Ambiente Econômico Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo Introdução O objetivo deste primeiro capítulo é apresentar conceitos básicos sobre mercado (oferta e demanda) e a formação de preços em mercados

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

Aula 00-360 questões comentadas de economia para o Instituto Rio Branco. - Professores: Fábio Dáquilla e Luís Crisóstomo

Aula 00-360 questões comentadas de economia para o Instituto Rio Branco. - Professores: Fábio Dáquilla e Luís Crisóstomo Aula 00-360 questões comentadas de economia para o - Professores: AULA 00: Demonstrativa Sumário Sumário... 2 1. Apresentação.... 4 1.1. A Banca.... 4 1.2. Metodologia das aulas.... 4 1.3. Observações

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Noções de Economia. Módulo I

Noções de Economia. Módulo I Rede de Ensino LFG Curso Preparatório para Agente da Polícia Federal - Noções de Economia 1 Noções de Economia Módulo I 1. Microeconomia Conceitos fundamentais A Ciência Econômica é também conhecida como

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Aula 00 Curso: Economia Teoria e Questões Comentadas p/ Agente da PF. Professor: Marcos Bezerra

Aula 00 Curso: Economia Teoria e Questões Comentadas p/ Agente da PF. Professor: Marcos Bezerra Aula 00 Curso: Economia Teoria e Questões Comentadas p/ Agente da PF Prof. Marcos Bezerra Professor: Marcos Bezerra 1 de 30 APRESENTAÇÃO Olá, concursandos! Sejam bem-vindos ao curso de Economia para o

Leia mais

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS Após a análise das principais características da demanda (que é o lado do consumidor), serão agora abordados alguns aspectos da oferta (que é o lado do produtor), que é

Leia mais

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza.

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza. AVESSO E PROPENSO Questão 2/97. Um indivíduo tem função de utilidade esperada definida por u( w )= w(onde w é a sua riqueza). Seja: - A: a loteria que paga R$ 36 com probabilidade 1/6 e zero com probabilidade

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 CURSO: Administração DISCIPLINA: Microeconomia CARGA HORÁRIA: 80 ANO: 1º. Ano PROFESSOR: Orlando Assunção Fernandes 1. EMENTA: A Ciência Econômica e o Papel da Microeconomia.

Leia mais

PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA

PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA Introdução à Microeconomia PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA Prof. Marta Lemme IE/UFRJ 1º SEMESTRE 2011 O MERCADO Concorrência Perfeita Outros Mercados Oligopólio Monopólio Oligopsônio Monopsônio FALHAS

Leia mais

Economia I Apostila da Unidade I O Sistema de Economia de Mercado Prof. Charles Chelala. Sumário

Economia I Apostila da Unidade I O Sistema de Economia de Mercado Prof. Charles Chelala. Sumário Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Ciências Contábeis Economia I Unidade I O Sistema de Economia de Mercado Macapá (AP) Agosto de 2009 Sumário I. O SISTEMA ECONÔMICO... 3 I.1. Introdução... 3

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

Estratégia empresarial e gestão de custos

Estratégia empresarial e gestão de custos Estratégia empresarial e gestão de custos Marcello Lopes dos Santos* A empresa e seu ambiente Uma adequada formação de preço de venda é uma questão crucial para que uma empresa possa sobreviver e crescer,

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TJL12_008_15N830872 SP/Un TJ/L ONHIMNTOS SPÍFIOS QUSTÃO 31 respeito dos mercados e do papel dos preços, assinale a opção O bem-estar de pessoas autossuficientes permanece inalterado, pois atuar no mercado

Leia mais

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008 ECONOMIA E FINANAÇAS Brasília, fevereiro de 2008 Texto produzido pela Fundação Getúlio Vargas, com adaptações da Universidade Corporativa Banco do Brasil Sumário S1. Economia... 9 1.1 Curva de possibilidade

Leia mais

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 03: A ELASTICIDADE E SUAS APLICAÇÕES TÓPICO 03: APLICAÇÕES DOS CONCEITOS DE ELASTICIDADE CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL A receita total ( ) é obtida

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas.

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Elasticidades O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Por exemplo: para alguns bens os consumidores reagem bastante quando o preço

Leia mais

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica Estrutura Tarifária de Energia Elétrica A Estrutura Tarifária de Energia Elétrica II: Teoria de precificação e metodologia regulatória Cristiano Silva Silveira Bloco 1 Microeconomia aplicada à precificação

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais