Nome Número: Série. Jogo de Empresas

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome Número: Série. Jogo de Empresas"

Transcrição

1 Nome Número: Série Jogo de Empresas Competências: Avaliar e analisar informações como estratégicas para tomada de decisão; Habilidades: Caracterizar as informações gerenciais de acordo com a sua aplicação; Utilizar as informações geradas para a tomada de decisão. Bases Tecnológicas: Informações gerenciais; Tipos e usos da informação. O objetivo do material é estudar melhor as variáveis de decisão do Jogo de Empresas da Microsiga na versão Gold através da implementação de diagrama de blocos e das fórmulas oferecidas no livro que acompanha o material de apoio para o curso da TI Educacional. Adaptado do livro Gestão Empresarial com ERP do Professor HABERKORN. Objetivos dos jogadores: 1. Obter maior volume de vendas em quantidade; 2. Maior lucro orçado; 3. Melhor administração do caixa (não deixá-lo negativo) 4. Maior lucro real; 5. Melhor ROI Decisões: 1ª Rodada Capital inicial Estratégica Folha de pagamento Estratégica Publicidade Estratégica Percentual de Lucro Estratégica Previsão de Vendas Estratégica 2ª Rodada Redução do GGF Lúdica Preço de MP Estratégica Política de Compras Estratégica Controle de Qualidade Lúdica Abatimento Lúdica Cálculo do preço de venda (PV) Na tabela a seguir temos a descrição das variáveis usadas no cálculo do preço de venda, a origem do dado atribuído a cada uma delas e alguns valores de exemplo. 1

2 Folha Decisão do jogador R$ 2.000,00 Previsão de Vendas Decisão do jogador 100 Lucro Decisão do jogador 5% Capital Decisão do jogador R$ ,00 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Matéria Prima (MP) Valor fixo do jogo R$ 100,00 Gastos Gerais de Fabricação (GGF) Valor fixo do jogo R$ 2.000,00 Impostos Valor fixo do jogo 18% Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Tabela 1: Variáveis necessárias para o cálculo do Preço de Venda, suas origens e valores ilustrativos. Diagrama de blocos No diagrama a seguir é possível observar de forma geral que variáveis influenciam direta, ou indiretamente cada um dos cálculos necessário para decidir o preço de venda no jogo. Duas observações são pertinentes neste exemplo; Primeiro: é que os losangos usados no modelo tem a função exclusiva de servir como conectores para melhorar a visualização de mais de uma variável ligada a um dos lados da outra variável representada por um bloco e; Segundo: Todos os caixotes representam variáveis e as setas indicam outras variáveis que são influenciadas por esta. Um caixote azul indica uma variável que contem um valor conhecido, enquanto uma variável acinzentada representa uma variável incógnita, ou seja, que desejamos saber o valor. Ilustração 1: Diagrama de blocos para o cálculo do Preço de Vendas. 2

3 Fórmulas Preço de Venda (PV) Como é possível observar, as variáveis agrupadas a direita no diagrama são variáveis fixas (definidas pelo jogo ou pelo jogador) porém as que estão mais a esquerda, ligadas por essas, são produtos de cálculos matemáticos estabelecidos a partir de fórmulas, as quais estão listadas a seguir. Todas as fórmulas podem e devem ser reproduzidas em planilha de cálculo para que se possa estabelecer cenários e estudar o comportamento dos resultados a partir da implementação desses dados demonstrativos. PreçoVenda=CustoUnitFabricação DespesasAdministrativas PrevisãoVendas Fórmula 1: Cálculo do Preço de Venda Uma observação relevante no estudo da fórmula do Cálculo do Preço de Venda é que ela tem um componente conhecido como recursividade, isto é, ela tem uma variável que é o próprio Preço de Venda incluído no cálculo, por isso é necessário adaptá-la para que possa ser usada em planilhas de cálculo, assim a sua adaptação seria a seguinte. Fórmula 2: Cálculo do Preço de Venda "adaptado" O preço de venda é o preço pelo qual o produto acabado deve ser vendido. Inicialmente é só uma especulação, pois o preço de venda de um produto vai variar em razão da atualização dos custos unitários, despesas administrativas, publicidade e impostos, que podem variar a cada venda. DespesasAdministrativas PreçoVenda= CustoUnitFabricação PrevisãoVendas Publicidade PrevisãoVendas PrevisãoVendas Imposto PreçoVenda LucroDesejado 1 Imposto Publicidade PrevisãoVendas PrevisãoVendas LucroDesejado Custo Unitário de Fabricação (CUF) O cálculo do preço de venda, por sua vez, depende de outras duas fórmulas, uma delas é o cálculo do Custo Unitário de Fabricação que é efetuado a partir da fórmula abaixo. Folha CustoUnitFabricação=MatériaPrima PrevisaoVendas GGF PrevisãoVendas Fórmula 3: Fórmula do Custo Unitário de Fabricação. O custo unitário de fabricação é o custo gerado para cada unidade de PA fabricada. Lucro Desejado (LD) Finalmente o último cálculo a ser realizado é o do Lucro Desejado. 3

4 LucroDesejado= Lucro 100 Capital Fórmula 4: Fórmula do Lucro Desejado. O lucro desejado é o montante de capital que se deseja obter a partir do capital investido. Quantidade pelo Preço (QP) Veja a seguir a tabela com as variáveis usadas para obter a quantidade vendida pelo preço, as origens dos valores e os valores de exemplo. Preço mais Alto Calculado pelo jogo R$ 635,00 Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Tabela 2: Descrição, origem e valor de variáveis para a obtenção da Quantidade pelo Preço. Diagrama de blocos Por ser um cálculo que envolve poucas variáveis o diagrama de blocos construído para demonstrar a quantidade pelo preço é bem simples, observe. Fórmula QuantidadePreço= PreçoMaisAlto PreçoVenda Fórmula 5: Cálculo da Quantidade Vendida em razão do preço de mercado. A quantidade vendida pelo preço é um número que representa a quantidade de PA vendida por conta do desempenho do preço no mercado. Ilustração 2: Diagrama de blocos para obter a Quantidade pelo Preço. 4

5 Quantidade Total Vendida (QV) Quantidade mínima Decisão do jogador 20 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Custo do anuncio (por peça) Valor fixo do jogo R$ 100,00 Quantidade pelo preço Calculado pelo jogo 66 Acréscimo pela folha Decisão do jogador 10% Tabela 3: Descrição, origem e valor das variáveis necessárias para a Quantidade Total Vendida. Quantidade de PA que a empresa pode vender. Depende da quantidade mínima, isto é, um valor estabelecido de vendas absorvido pelo mercado apenas pelo fato de a empresa existir, do total investido em publicidade, isto é, quanto maior o valor investido mais a empresa pode vender. Pelo total vendido pelo preço praticado em relação ao preço maior preço da concorrência e total a mais acrescido em razão do investimento em folha de pagamento, isto é, quanto melhor a folha de pagamento, mais a empresa vende. Veja tabela a seguir: Valor da Folha Perda de Peças Aumento nas Vendas R$ % R$ % R$ % Tabela 4: Detalhamento dos parâmetros internos para Folha de Pagamento: Valor da Folha, Perda de Peças e Aumento nas Vendas. Estipulando que a cada R$ 100 investidos em divulgação a empresa venderá uma peça a mais determinou-se o custo do anuncio por peça em R$

6 Diagrama de blocos: Fórmula: Ilustração 3: Diagramas de blocos para obter Quantidade Total Vendida. Faturamento (F) QuantTotalVendida= PeçasAnuncio QuantidadeMinima Publicidade QuantPreço AcréscimoFolha Fórmula 6: Cálculo da quantidade total vendida. É o produto da quantidade total vendida pelo preço de venda. Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Tabela 5: Descrição, origem e valor das variáveis para obtenção do faturamento. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 4: Diagrama de blocos para o Faturamente. Custo da mercadoria vendida (CMV) Faturamento=QuantidadeTotalVendida PrecoVenda Fórmula 7: Cálculo do Faturamento a partir das variáveis encontradas em cálculos anteriores. As variáveis Folha, Gastos Gerais de Fabricação, Matéria Prima e Quantidade Vendida são usadas para o cálculo do custo da mercadoria vendida. 6

7 Folha Decisão do jogador R$ GGF Valor Fixo do Jogo R$ MP Valor Fixo do Jogo R$ 100 Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Tabela 6: Descrição, Origem e Valor de variáveis usadas no cálculo do CMV. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 5: Diagrama de blocos indicando variáveis usadas no CMV. CMV=Folha GGF MateriaPrima QuantTotalVendida Fórmula 8: Cálculo do Custo da mercadoria vendida Lucro Orçado (LO) Lucro a partir da previsão feita com os dados informados, isto é, lucro diferente do lucro real, pois leva em conta dados estipulados e não os dados reais. As despesas de vendas são um componente a ser calculado para se chegar ao Lucro Orçado, observe a seguir a descrição das variáveis a serem usadas para o cálculo deste item. Impostos Valor fixo do jogo 18% Faturamento Calculado pelo jogo R$ 381,00 CMV Calculado pelo jogo R$ ,00 Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Despesas de Vendas Calculado pelo jogo R$ 7.955,00 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Tabela 7: Descrição, Origem e Valor de variáveis usadas para obtenção do Lucro Orçado. 7

8 Diagrama de blocos Fórmulas Ilustração 6: Diagrama de blocos para a definição do Lucro Orçado. Despesas de vendas: A primeira fórmula é muito simples, diz respeito ao calculo das despesas de vendas, o que, no caso do jogo é um dado fácil de ser obtido pois basta encontrar o produto da taxa de imposto (ICMS por exemplo) multiplicado pelo Faturamento, informação encontrada a partir de dados calculados anteriormente no jogo. DespesasVendas=Faturamento Imposto Fórmula 9: Cálculo das Despesas de Vendas. Lucro orçado: Outro elemento calculado será, evidentemente, o Lucro Orçado. Onde o dado obtido será usado como parâmetro para o resultado parcial do jogo. Também se trata de uma fórmula muito simples, uma vez que já chegamos até este ponto do jogo calçados por cálculos dos itens que irão compô-la agora. LucroOrcado=Faturamento CMV DespesasAdministrativas DespesasVendas Publicidade Fórmula 10: Cálculo do Lucro Orçado. Comissão (C) Em um cenário onde jogam até cinco jogadores é possível, a partir do jogo, vender a matéria prima necessária para os demais participantes e aumentar a receita com base na comissão que os demais jogadores pagarão a você quando você conseguir vender a MP. 8

9 Quantidade Total Vendida (Cliente) Calculado pelo jogo 44 Oferta Decisão do jogador R$ 115,00 Matéria-Prima Calculado pelo jogo R$ 100,00 Tabela 8: Descrição, Origem e Valor de variáveis para o cálculo da Comissão. Supondo um cenário como o da tabela a seguir, observe como o cálculo será implementado no jogo. Fornecedor Comprador Valor Jogador 1 Jogador 2 R$ 106,00 Jogador 1 Jogador 3 R$ 106,00 Jogador 2 Jogador 1 R$ 109,00 Jogador 2 Jogador 3 R$ 109,00 Jogador 3 Jogador 1 R$ 103,00 Jogador 3 Jogador 2 R$ 103,00 Tabela 9: Tabela com a relação fictícia de Jogadores que ofertaram MP no jogo e seus respectivos valores. Quando um jogador consegue vender para mais de um cliente ele receberá a soma das comissões de venda para os dois clientes, neste exemplo o Jogador 3 vendeu para os jogadores 1 e 2 pois ofereceu o melhor preço para ambos, e o Jogador 1 venceu a disputa com o dois e forneceu para o Jogador 3. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 7: Diagrama de blocos para demonstrar as variáveis da Comissão. Comissão=QuantTotalVendida Cliente Oferta MP Fórmula 11: Fórmula para o cálculo da comissão. Lucro Real (LR) Para o cálculo do Lucro Real é necessário antes o cálculo de outras três variáveis que serão 9

10 utilizadas na fórmula. 1. Quantidade real de peças produzidas (deduzidas as perdas) 2. Valor do Faturamento (Baseado na produção real) 3. Valor do custo de fabricação (Baseado nas compras reais) Comissão Calculado pelo jogo R$ 660,00 Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Publicidade Decisão do jogador R$ Impostos Valor fixo do jogo 18% Abatimento concedido Decisão do jogador 15% Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Preço de Compra de MP Decisão do jogador (Fornecedor) R$ 103,00 Folha Decisão do jogador R$ 2.000,00 Gastos Gerais de Fabricação (GGF) Valor fixo do jogo R$ 2.000,00 Redução do GGF Decisão do jogador R$ 900,00 Perda de Peças Decisão do jogador 6 Política de Compras Decisão do jogador 2 (meses) Desconto para as compras Calculado pelo jogo 10% Tabela 10: Descrição, Origem e Valor de variáveis aplicadas na definição do Lucro Real. Política de Compras: A variável desconto para as compras é definida pelo jogo a partir da política de compras adotada pelo jogador conforme tabela a seguir. Política Desconto Obtido 1 mês 0% 2 meses 10% 3 meses 20% Tabela 11: Política de compras. 10

11 Diagrama de blocos Fórmulas Ilustração 8: Diagrama de blocos para obtenção do Lucro Real. A primeira e mais simples de todas as formulas trata do cálculo da quantidade real. Quantidade Real Entregue: QuantRealEntregue=QuantTotalVendida Perdas Fórmula 12: Cálculo da Quantidade Real Entregue. Faturamento Real: Outra fórmula, também muito simples é o cálculo do Faturamento Real. FaturamentoReal =QuantRealEntregue PreçoVenda Fórmula 13: Cálculo do Faturamento Real. Custo Real de Fabricação: Uma fórmula um pouco mais complexa é a do Custo Real de Fabricação, que também envolve a variável Quantidade Total Vendida. 11

12 CustoRealFab=PreçoCompra 100 DescontoCompras 100 QuantTotalVendida Folha GGF GGF Redução Fórmula 14: Cálculo do Custo Real de Fabricação: deverá receber a variável Desconto para Compras como número decimal e não percentual. Lucro Real: Finalmente chegamos no cálculo do Lucro Real, que decide, em partes, o grande campeão do Jogo de Empresas. LucroReal=FatReal Comissão DespesasAdm Publicidade FatReal Imposto 100 FatReal Abatimento Fórmula 15: Cálculo do Lucro Real: Leva em conta os Impostos e Abatimento em números decimais e obtém as despesas reais com vendas. Finalmente a partir das fórmulas anteriores é possível saber o ganhador do Jogo de Empresas. Mesmo assim dois cálculos ainda são necessários para obter a ponderação dos pontos decisivos. 100 Cálculo do Retorno sobre o Capital (ROI) Caso o retorno seja negativo o dado que deve ser informado é 0, ou seja, no caso de prejuízo não há retorno sobre o investimento. Lucro Real Calculado pelo jogo R$ 2.886,70 Capital Decisão do jogador R$ ,00 Tabela 12: Descrição, origem e valor de variáveis para obter o ROI. Diagrama de Blocos Fórmula Ilustração 9: Diagrama de blocos para a definição do Retorno sobre o Investimento. ROI= LucroReal Capital 100 Fórmula 16: Cálculo do Retorno sobre o Investimento. Administração do Caixa Para obter o valor Total em Caixa é preciso antes obter o Estoque Final. Leva-se em conta a 12

13 política de compras (1, 2 ou 3 meses) e o consumo que é um dado que corresponde ao o número de MP consumida pelo PA que, neste caso, é 116 pois este é o total de PA produzidas neste exemplo. Lucro Real Calculado pelo jogo R$ 2.886,70 Capital Decisão do jogador R$ ,00 Imobilizado Valor fixo do jogo R$ ,00 Preço de Compra Decisão do outro jogador R$ 103,00 Desconto para as Compra Calculado pelo jogo 10% Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Política de Compras Decisão do jogador 2 (meses) Tabela 13: Descrição, Origem e Valor das variáveis para a gestão do Caixa. Diagrama de blocos: Fórmula: Ilustração 10: Diagrama de blocos de variáveis usadas na gestão do Caixa. Sendo o Consumo igual a Quantidade Total de Vendida e a Quantidade Comprada um produto da Política de Compras (em meses) e a Quantidade Total Vendida, vamos ao cálculo do Estoque Final. 13

14 Consumo: Consumo=QuantTotalVenda Fórmula 17: O consumo equivale a Quantidade Total de Vendas. Quantidade Comprada: QuantComprada=QuantTotalVendas PoliticaCompras Fórmula 18: Cálculo da Quantidade Comprada. Estoque final (em R$): EstoqueFinal= QuantComprada Consumo PreçoCompra 100 DescontoCompra 100 Fórmula 19: Processo para obter o Estoque Final. Saldo do Caixa: Finalmente chegaremos no cálculo do Saldo do Caixa a partir da fórmula adiante. SaldoCaixa= Capital LucroReal EstoqueFinal Imobilizado Fórmula 20: Cálculo do Saldo de Caixa Penalidade por caixa negativo: Valor do Caixa Pontos menor que - R$ de - R$ a - R$ de - R$ a - R$ de 0 a R$ Tabela 14: Pontuação em caso de caixa negativo. Parâmetros Capital Folha Lucro Previsão de Vendas Publicidade Política de Estoque Venda de MP R$ R$ % 20 R$ 0 1 R$ 103 R$ R$ % 25 R$ R$ 106 R$ R$ % 20 R$ R$ 109 R$ % 35 R$ R$ 112 R$ % 40 R$ R$ 115 R$ % 45 R$

15 R$ % 50 R$ R$ % 60 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Modelagem Financeira Tutorial

Modelagem Financeira Tutorial Modelagem Financeira Tutorial Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas e custos da criação e operação da

Leia mais

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades.

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. PORCENTAGEM * Definição PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. É visto com freqüência as pessoas ou o próprio mercado usar expressões

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS MATÉRIA - CONTABILIDADE BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Bonificação em Mercadorias 2.1. Tratamento da venda bonificada 2.2. Baixa do

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

CUSTO DE REPOSIÇÃO NA FORMAÇÃO DE PREÇOS

CUSTO DE REPOSIÇÃO NA FORMAÇÃO DE PREÇOS CUSTO DE REPOSIÇÃO NA FORMAÇÃO DE PREÇOS! Quando usá-lo e quando não usá-lo! Por que o custo de reposição é um problema financeiro e não econômico Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Eric Duarte Campos Objetivos da aula: O objetivo dessa aula é apresentar Noções de tipos básicos de tomadas de decisões; Objetivos da Administração Financeira.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio.

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio. DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa data futura, é normal que entregue ao credor um título de crédito, que é o comprovante dessa dívida. Todo título de crédito tem uma data

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS EMPRESA INDUSTRIAL ÁREA FÁBRIL ÁREA COMERCIAL Eliabe Moraes de Oliveira FUNDAMENTOS DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Matéria Prima Materiais diversos Aluguel Energia

Leia mais

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir!

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! KA-dicas Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! Os KA-dicas são mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para mais, acesse nosso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

Manual do Sistema "Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM" Editorial Brazil Informatica I Vida em Mãos - Controle Financeiro para PALM Conteúdo Part I Introdução 2 1 Fala Comigo -... Sistema de Atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos que darão prejuízo. $ Custo fixo; $ Custo variável; $

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico Manual Verba 1 Sumário Conceito de verba... 3 Funcionamento básico... 3 Outros Pontos a Serem Considerados... 5 Parâmetros relacionados à verba... 8 Tela Parâmetros de Configuração... 8 Tela Parâmetros

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 Índice 1. A formação de preços de venda com base no custo do produto...3 2 1. A FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDA COM BASE NO CUSTO DO PRODUTO Os cálculos que serão a seguir

Leia mais

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA Gestão da Cadeia de Suprimento Compras Integração Transporte Distribuição Estoque Tirlê C. Silva 2 Gestão de Suprimento Dentro das organizações, industriais,

Leia mais

ESTOQUE. Manual Estoque Atualizado em 29/06/2007 Pág. 1

ESTOQUE. Manual Estoque Atualizado em 29/06/2007 Pág. 1 MANUAL ESTOQUE Pág. 1 INTRODUÇÃO AO MÓDULO ESTOQUE Sua empresa seja de pequeno, médio, ou grande porte, precisa de um sistema que contemple as principais rotinas de controle de estoque. É para contornar

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

b) A quantidade mínima de peças que a empresa precisa vender para obter lucro.

b) A quantidade mínima de peças que a empresa precisa vender para obter lucro. Avaliação Trimestral Amanda Marques Adm-Manhã 1. Uma empresa produz um tipo de peça para automóveis. O custo de produção destas peças é dado por um custo fixo de R$10,00 mais R$5,00 por peça produzida.

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

LUCRO ESTOU SABENDO APURAR?

LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? Ano 3 / N 15 LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? Capa LUCRO ESTOU SABENDO APURAR? O conceito de Lucro pode ser objetivamente definido pela diferença entre a Receita e os Custos de uma empresa, mas se formos nos

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais