Nome Número: Série. Jogo de Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome Número: Série. Jogo de Empresas"

Transcrição

1 Nome Número: Série Jogo de Empresas Competências: Avaliar e analisar informações como estratégicas para tomada de decisão; Habilidades: Caracterizar as informações gerenciais de acordo com a sua aplicação; Utilizar as informações geradas para a tomada de decisão. Bases Tecnológicas: Informações gerenciais; Tipos e usos da informação. O objetivo do material é estudar melhor as variáveis de decisão do Jogo de Empresas da Microsiga na versão Gold através da implementação de diagrama de blocos e das fórmulas oferecidas no livro que acompanha o material de apoio para o curso da TI Educacional. Adaptado do livro Gestão Empresarial com ERP do Professor HABERKORN. Objetivos dos jogadores: 1. Obter maior volume de vendas em quantidade; 2. Maior lucro orçado; 3. Melhor administração do caixa (não deixá-lo negativo) 4. Maior lucro real; 5. Melhor ROI Decisões: 1ª Rodada Capital inicial Estratégica Folha de pagamento Estratégica Publicidade Estratégica Percentual de Lucro Estratégica Previsão de Vendas Estratégica 2ª Rodada Redução do GGF Lúdica Preço de MP Estratégica Política de Compras Estratégica Controle de Qualidade Lúdica Abatimento Lúdica Cálculo do preço de venda (PV) Na tabela a seguir temos a descrição das variáveis usadas no cálculo do preço de venda, a origem do dado atribuído a cada uma delas e alguns valores de exemplo. 1

2 Folha Decisão do jogador R$ 2.000,00 Previsão de Vendas Decisão do jogador 100 Lucro Decisão do jogador 5% Capital Decisão do jogador R$ ,00 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Matéria Prima (MP) Valor fixo do jogo R$ 100,00 Gastos Gerais de Fabricação (GGF) Valor fixo do jogo R$ 2.000,00 Impostos Valor fixo do jogo 18% Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Tabela 1: Variáveis necessárias para o cálculo do Preço de Venda, suas origens e valores ilustrativos. Diagrama de blocos No diagrama a seguir é possível observar de forma geral que variáveis influenciam direta, ou indiretamente cada um dos cálculos necessário para decidir o preço de venda no jogo. Duas observações são pertinentes neste exemplo; Primeiro: é que os losangos usados no modelo tem a função exclusiva de servir como conectores para melhorar a visualização de mais de uma variável ligada a um dos lados da outra variável representada por um bloco e; Segundo: Todos os caixotes representam variáveis e as setas indicam outras variáveis que são influenciadas por esta. Um caixote azul indica uma variável que contem um valor conhecido, enquanto uma variável acinzentada representa uma variável incógnita, ou seja, que desejamos saber o valor. Ilustração 1: Diagrama de blocos para o cálculo do Preço de Vendas. 2

3 Fórmulas Preço de Venda (PV) Como é possível observar, as variáveis agrupadas a direita no diagrama são variáveis fixas (definidas pelo jogo ou pelo jogador) porém as que estão mais a esquerda, ligadas por essas, são produtos de cálculos matemáticos estabelecidos a partir de fórmulas, as quais estão listadas a seguir. Todas as fórmulas podem e devem ser reproduzidas em planilha de cálculo para que se possa estabelecer cenários e estudar o comportamento dos resultados a partir da implementação desses dados demonstrativos. PreçoVenda=CustoUnitFabricação DespesasAdministrativas PrevisãoVendas Fórmula 1: Cálculo do Preço de Venda Uma observação relevante no estudo da fórmula do Cálculo do Preço de Venda é que ela tem um componente conhecido como recursividade, isto é, ela tem uma variável que é o próprio Preço de Venda incluído no cálculo, por isso é necessário adaptá-la para que possa ser usada em planilhas de cálculo, assim a sua adaptação seria a seguinte. Fórmula 2: Cálculo do Preço de Venda "adaptado" O preço de venda é o preço pelo qual o produto acabado deve ser vendido. Inicialmente é só uma especulação, pois o preço de venda de um produto vai variar em razão da atualização dos custos unitários, despesas administrativas, publicidade e impostos, que podem variar a cada venda. DespesasAdministrativas PreçoVenda= CustoUnitFabricação PrevisãoVendas Publicidade PrevisãoVendas PrevisãoVendas Imposto PreçoVenda LucroDesejado 1 Imposto Publicidade PrevisãoVendas PrevisãoVendas LucroDesejado Custo Unitário de Fabricação (CUF) O cálculo do preço de venda, por sua vez, depende de outras duas fórmulas, uma delas é o cálculo do Custo Unitário de Fabricação que é efetuado a partir da fórmula abaixo. Folha CustoUnitFabricação=MatériaPrima PrevisaoVendas GGF PrevisãoVendas Fórmula 3: Fórmula do Custo Unitário de Fabricação. O custo unitário de fabricação é o custo gerado para cada unidade de PA fabricada. Lucro Desejado (LD) Finalmente o último cálculo a ser realizado é o do Lucro Desejado. 3

4 LucroDesejado= Lucro 100 Capital Fórmula 4: Fórmula do Lucro Desejado. O lucro desejado é o montante de capital que se deseja obter a partir do capital investido. Quantidade pelo Preço (QP) Veja a seguir a tabela com as variáveis usadas para obter a quantidade vendida pelo preço, as origens dos valores e os valores de exemplo. Preço mais Alto Calculado pelo jogo R$ 635,00 Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Tabela 2: Descrição, origem e valor de variáveis para a obtenção da Quantidade pelo Preço. Diagrama de blocos Por ser um cálculo que envolve poucas variáveis o diagrama de blocos construído para demonstrar a quantidade pelo preço é bem simples, observe. Fórmula QuantidadePreço= PreçoMaisAlto PreçoVenda Fórmula 5: Cálculo da Quantidade Vendida em razão do preço de mercado. A quantidade vendida pelo preço é um número que representa a quantidade de PA vendida por conta do desempenho do preço no mercado. Ilustração 2: Diagrama de blocos para obter a Quantidade pelo Preço. 4

5 Quantidade Total Vendida (QV) Quantidade mínima Decisão do jogador 20 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Custo do anuncio (por peça) Valor fixo do jogo R$ 100,00 Quantidade pelo preço Calculado pelo jogo 66 Acréscimo pela folha Decisão do jogador 10% Tabela 3: Descrição, origem e valor das variáveis necessárias para a Quantidade Total Vendida. Quantidade de PA que a empresa pode vender. Depende da quantidade mínima, isto é, um valor estabelecido de vendas absorvido pelo mercado apenas pelo fato de a empresa existir, do total investido em publicidade, isto é, quanto maior o valor investido mais a empresa pode vender. Pelo total vendido pelo preço praticado em relação ao preço maior preço da concorrência e total a mais acrescido em razão do investimento em folha de pagamento, isto é, quanto melhor a folha de pagamento, mais a empresa vende. Veja tabela a seguir: Valor da Folha Perda de Peças Aumento nas Vendas R$ % R$ % R$ % Tabela 4: Detalhamento dos parâmetros internos para Folha de Pagamento: Valor da Folha, Perda de Peças e Aumento nas Vendas. Estipulando que a cada R$ 100 investidos em divulgação a empresa venderá uma peça a mais determinou-se o custo do anuncio por peça em R$

6 Diagrama de blocos: Fórmula: Ilustração 3: Diagramas de blocos para obter Quantidade Total Vendida. Faturamento (F) QuantTotalVendida= PeçasAnuncio QuantidadeMinima Publicidade QuantPreço AcréscimoFolha Fórmula 6: Cálculo da quantidade total vendida. É o produto da quantidade total vendida pelo preço de venda. Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Tabela 5: Descrição, origem e valor das variáveis para obtenção do faturamento. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 4: Diagrama de blocos para o Faturamente. Custo da mercadoria vendida (CMV) Faturamento=QuantidadeTotalVendida PrecoVenda Fórmula 7: Cálculo do Faturamento a partir das variáveis encontradas em cálculos anteriores. As variáveis Folha, Gastos Gerais de Fabricação, Matéria Prima e Quantidade Vendida são usadas para o cálculo do custo da mercadoria vendida. 6

7 Folha Decisão do jogador R$ GGF Valor Fixo do Jogo R$ MP Valor Fixo do Jogo R$ 100 Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Tabela 6: Descrição, Origem e Valor de variáveis usadas no cálculo do CMV. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 5: Diagrama de blocos indicando variáveis usadas no CMV. CMV=Folha GGF MateriaPrima QuantTotalVendida Fórmula 8: Cálculo do Custo da mercadoria vendida Lucro Orçado (LO) Lucro a partir da previsão feita com os dados informados, isto é, lucro diferente do lucro real, pois leva em conta dados estipulados e não os dados reais. As despesas de vendas são um componente a ser calculado para se chegar ao Lucro Orçado, observe a seguir a descrição das variáveis a serem usadas para o cálculo deste item. Impostos Valor fixo do jogo 18% Faturamento Calculado pelo jogo R$ 381,00 CMV Calculado pelo jogo R$ ,00 Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Despesas de Vendas Calculado pelo jogo R$ 7.955,00 Publicidade Decisão do jogador R$ 2.000,00 Tabela 7: Descrição, Origem e Valor de variáveis usadas para obtenção do Lucro Orçado. 7

8 Diagrama de blocos Fórmulas Ilustração 6: Diagrama de blocos para a definição do Lucro Orçado. Despesas de vendas: A primeira fórmula é muito simples, diz respeito ao calculo das despesas de vendas, o que, no caso do jogo é um dado fácil de ser obtido pois basta encontrar o produto da taxa de imposto (ICMS por exemplo) multiplicado pelo Faturamento, informação encontrada a partir de dados calculados anteriormente no jogo. DespesasVendas=Faturamento Imposto Fórmula 9: Cálculo das Despesas de Vendas. Lucro orçado: Outro elemento calculado será, evidentemente, o Lucro Orçado. Onde o dado obtido será usado como parâmetro para o resultado parcial do jogo. Também se trata de uma fórmula muito simples, uma vez que já chegamos até este ponto do jogo calçados por cálculos dos itens que irão compô-la agora. LucroOrcado=Faturamento CMV DespesasAdministrativas DespesasVendas Publicidade Fórmula 10: Cálculo do Lucro Orçado. Comissão (C) Em um cenário onde jogam até cinco jogadores é possível, a partir do jogo, vender a matéria prima necessária para os demais participantes e aumentar a receita com base na comissão que os demais jogadores pagarão a você quando você conseguir vender a MP. 8

9 Quantidade Total Vendida (Cliente) Calculado pelo jogo 44 Oferta Decisão do jogador R$ 115,00 Matéria-Prima Calculado pelo jogo R$ 100,00 Tabela 8: Descrição, Origem e Valor de variáveis para o cálculo da Comissão. Supondo um cenário como o da tabela a seguir, observe como o cálculo será implementado no jogo. Fornecedor Comprador Valor Jogador 1 Jogador 2 R$ 106,00 Jogador 1 Jogador 3 R$ 106,00 Jogador 2 Jogador 1 R$ 109,00 Jogador 2 Jogador 3 R$ 109,00 Jogador 3 Jogador 1 R$ 103,00 Jogador 3 Jogador 2 R$ 103,00 Tabela 9: Tabela com a relação fictícia de Jogadores que ofertaram MP no jogo e seus respectivos valores. Quando um jogador consegue vender para mais de um cliente ele receberá a soma das comissões de venda para os dois clientes, neste exemplo o Jogador 3 vendeu para os jogadores 1 e 2 pois ofereceu o melhor preço para ambos, e o Jogador 1 venceu a disputa com o dois e forneceu para o Jogador 3. Diagrama de blocos Fórmula Ilustração 7: Diagrama de blocos para demonstrar as variáveis da Comissão. Comissão=QuantTotalVendida Cliente Oferta MP Fórmula 11: Fórmula para o cálculo da comissão. Lucro Real (LR) Para o cálculo do Lucro Real é necessário antes o cálculo de outras três variáveis que serão 9

10 utilizadas na fórmula. 1. Quantidade real de peças produzidas (deduzidas as perdas) 2. Valor do Faturamento (Baseado na produção real) 3. Valor do custo de fabricação (Baseado nas compras reais) Comissão Calculado pelo jogo R$ 660,00 Despesas Administrativas Valor fixo do jogo R$ ,00 Publicidade Decisão do jogador R$ Impostos Valor fixo do jogo 18% Abatimento concedido Decisão do jogador 15% Preço de Venda Calculado pelo jogo R$ 381,00 Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Preço de Compra de MP Decisão do jogador (Fornecedor) R$ 103,00 Folha Decisão do jogador R$ 2.000,00 Gastos Gerais de Fabricação (GGF) Valor fixo do jogo R$ 2.000,00 Redução do GGF Decisão do jogador R$ 900,00 Perda de Peças Decisão do jogador 6 Política de Compras Decisão do jogador 2 (meses) Desconto para as compras Calculado pelo jogo 10% Tabela 10: Descrição, Origem e Valor de variáveis aplicadas na definição do Lucro Real. Política de Compras: A variável desconto para as compras é definida pelo jogo a partir da política de compras adotada pelo jogador conforme tabela a seguir. Política Desconto Obtido 1 mês 0% 2 meses 10% 3 meses 20% Tabela 11: Política de compras. 10

11 Diagrama de blocos Fórmulas Ilustração 8: Diagrama de blocos para obtenção do Lucro Real. A primeira e mais simples de todas as formulas trata do cálculo da quantidade real. Quantidade Real Entregue: QuantRealEntregue=QuantTotalVendida Perdas Fórmula 12: Cálculo da Quantidade Real Entregue. Faturamento Real: Outra fórmula, também muito simples é o cálculo do Faturamento Real. FaturamentoReal =QuantRealEntregue PreçoVenda Fórmula 13: Cálculo do Faturamento Real. Custo Real de Fabricação: Uma fórmula um pouco mais complexa é a do Custo Real de Fabricação, que também envolve a variável Quantidade Total Vendida. 11

12 CustoRealFab=PreçoCompra 100 DescontoCompras 100 QuantTotalVendida Folha GGF GGF Redução Fórmula 14: Cálculo do Custo Real de Fabricação: deverá receber a variável Desconto para Compras como número decimal e não percentual. Lucro Real: Finalmente chegamos no cálculo do Lucro Real, que decide, em partes, o grande campeão do Jogo de Empresas. LucroReal=FatReal Comissão DespesasAdm Publicidade FatReal Imposto 100 FatReal Abatimento Fórmula 15: Cálculo do Lucro Real: Leva em conta os Impostos e Abatimento em números decimais e obtém as despesas reais com vendas. Finalmente a partir das fórmulas anteriores é possível saber o ganhador do Jogo de Empresas. Mesmo assim dois cálculos ainda são necessários para obter a ponderação dos pontos decisivos. 100 Cálculo do Retorno sobre o Capital (ROI) Caso o retorno seja negativo o dado que deve ser informado é 0, ou seja, no caso de prejuízo não há retorno sobre o investimento. Lucro Real Calculado pelo jogo R$ 2.886,70 Capital Decisão do jogador R$ ,00 Tabela 12: Descrição, origem e valor de variáveis para obter o ROI. Diagrama de Blocos Fórmula Ilustração 9: Diagrama de blocos para a definição do Retorno sobre o Investimento. ROI= LucroReal Capital 100 Fórmula 16: Cálculo do Retorno sobre o Investimento. Administração do Caixa Para obter o valor Total em Caixa é preciso antes obter o Estoque Final. Leva-se em conta a 12

13 política de compras (1, 2 ou 3 meses) e o consumo que é um dado que corresponde ao o número de MP consumida pelo PA que, neste caso, é 116 pois este é o total de PA produzidas neste exemplo. Lucro Real Calculado pelo jogo R$ 2.886,70 Capital Decisão do jogador R$ ,00 Imobilizado Valor fixo do jogo R$ ,00 Preço de Compra Decisão do outro jogador R$ 103,00 Desconto para as Compra Calculado pelo jogo 10% Quantidade Total Vendida Calculado pelo jogo 116 Política de Compras Decisão do jogador 2 (meses) Tabela 13: Descrição, Origem e Valor das variáveis para a gestão do Caixa. Diagrama de blocos: Fórmula: Ilustração 10: Diagrama de blocos de variáveis usadas na gestão do Caixa. Sendo o Consumo igual a Quantidade Total de Vendida e a Quantidade Comprada um produto da Política de Compras (em meses) e a Quantidade Total Vendida, vamos ao cálculo do Estoque Final. 13

14 Consumo: Consumo=QuantTotalVenda Fórmula 17: O consumo equivale a Quantidade Total de Vendas. Quantidade Comprada: QuantComprada=QuantTotalVendas PoliticaCompras Fórmula 18: Cálculo da Quantidade Comprada. Estoque final (em R$): EstoqueFinal= QuantComprada Consumo PreçoCompra 100 DescontoCompra 100 Fórmula 19: Processo para obter o Estoque Final. Saldo do Caixa: Finalmente chegaremos no cálculo do Saldo do Caixa a partir da fórmula adiante. SaldoCaixa= Capital LucroReal EstoqueFinal Imobilizado Fórmula 20: Cálculo do Saldo de Caixa Penalidade por caixa negativo: Valor do Caixa Pontos menor que - R$ de - R$ a - R$ de - R$ a - R$ de 0 a R$ Tabela 14: Pontuação em caso de caixa negativo. Parâmetros Capital Folha Lucro Previsão de Vendas Publicidade Política de Estoque Venda de MP R$ R$ % 20 R$ 0 1 R$ 103 R$ R$ % 25 R$ R$ 106 R$ R$ % 20 R$ R$ 109 R$ % 35 R$ R$ 112 R$ % 40 R$ R$ 115 R$ % 45 R$

15 R$ % 50 R$ R$ % 60 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Modelagem Financeira Tutorial

Modelagem Financeira Tutorial Modelagem Financeira Tutorial Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas e custos da criação e operação da

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 10 Índice 1. A formação de preços de venda com base no custo do produto...3 2 1. A FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDA COM BASE NO CUSTO DO PRODUTO Os cálculos que serão a seguir

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos que darão prejuízo. $ Custo fixo; $ Custo variável; $

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Manual Módulo de Custos

Manual Módulo de Custos Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Conteúdo Introdução...... 3 I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI.......

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL - BP Periodo ATIVO Empresa Empresa 2 Empresa Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Empresa 7 Empresa 8 ATIVO.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Titulo: Fluxo de Caixa 2016. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Introdução Pedro era um pequeno empresário que trabalhava muito em seu negócio.

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS 1) Desconto de Duplicatas O desconto de duplicatas é uma operação muito comum nos dias atuais, por conta da grande necessidade de se fazer caixa. Nesta operação

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR)

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS MATÉRIA - CONTABILIDADE BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Bonificação em Mercadorias 2.1. Tratamento da venda bonificada 2.2. Baixa do

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem Trabalhadas Planejamento Orçamentário Contabilidade Gestão financeira ACI

Leia mais

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade II AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO

ESTUDOS DE CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTEÚDO DA PALESTRA Finanças Corporativas e Contabilidade G a s t o s Patrimônio, Resultado e Caixa Formação de Preços Processo de Governança Conselho de Administração

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Golden Game Um Jogo de Logística

Golden Game Um Jogo de Logística MANUAL DO JOGADOR Golden Game Um Jogo de Logística Manual do Jogo 2013 1 GOLDEN GAME O Jogo dos Ourives O Golden Game simula a atuação de uma empresa que industrializa um único produto, um Anel de Ouro,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais