Ciclo Operacional. Venda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo Operacional. Venda"

Transcrição

1 Sumário 1 Introdução Dinâmica dos Fluxos de Caixa Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos Necessidade de capital de giro (NCG) Saldo em Tesouraria (ST) Reflexões sobre a relação entre CCL, NCG e ST Interpretação dos Dados da Empresa ANALISADA Introdução Vimos, no estudo dos índices de giro, ou atividade, o conceito de Ciclo, que corresponde ao período compreendido entre: (a) o desembolso, pelo pagamento de mercadorias ou insumos de produção, tais como a matéria-prima; e (b) o recebimento de valores pela venda, da mercadoria ou do produto acabado. A figura a seguir ilustra o conceito acima referido. Os ciclos de uma empresa: (1) ciclo econômico, (2) ciclo financeiro e (3) ciclo operacional; e Os respectivos períodos: (a) período médio de estoques, (b) período médio de pagamento e (c) período médio de cobrança compra de matéria prima Recebimento da venda Ciclo Período médio de Estoques Venda Período médio de cobrança período médio de pagamento pagamento das compras Ciclo Ciclo Econômico Pela definição do conceito, bem como pela visualização da figura acima, resta imediata a compreensão de que, para que a entidade possa levar a efeito sua atividade, é necessário contar com recursos, pelo menos durante o Ciclo. Em outras palavras, como nesse período, já teria havido consumo, mas ainda não teria ocorrido o recebimento de caixa, a atividade da entidade teria que ser financiada, com recursos próprios ou de terceiros. Luiz Eduardo Santos Página 1 de 15

2 Porém, aqui surgem os seguintes questionamentos: (1) Qual é a quantia necessária para garantir o funcionamento da entidade, ou seja, para financiá-la durante o Ciclo? (2) Existem esses recursos no patrimônio da entidade? (3) De onde esses recursos estariam se originando de capitais próprios, de capitais de terceiros de longo prazo ou de capitais de terceiros de curto prazo? Pois bem, são justamente esses questionamentos que esclareceremos neste ponto de nossa matéria. 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa Em decorrência de sua atividade, a entidade experimenta a entrada e a saída de dinheiro (ou de itens equivalentes a dinheiro). Assim, o caixa funciona como um repositório desse valor, recebendo fluxos positivos, de operações que geram caixa e emitindo fluxos, negativos, de operações consumidoras de caixa. Se, em decorrência de sua atividade, a entidade gerar, no período, mais caixa do que o consumir, o repositório cresce. Ao contrário, se no período o consumo de caixa for maior, o repositório será esvaziado. Para verificar esse comportamento, é necessário considerar a velocidade com que os elementos patrimoniais se transformam em caixa e a velocidade com que o caixa é transformado em outros elementos patrimoniais, tudo isso - é claro - em decorrência da atividade normal da entidade. Então, para uma compreensão adequada dessa dinâmica de geração e consumo de caixa, sugerimos imaginar a entidade como uma linha de produção de dinheiro, que tem por insumo básico o próprio dinheiro. Vejamos como funciona uma linha de montagem padrão (tipicamente industrial): (a) insumos entram no processo produtivo, (b) esses insumos são trabalhados e se transformam em produtos em elaboração, e (c) os produtos em elaboração, sofrendo mais processamentos, transformam-se em produtos acabados. A figura abaixo ilustra o funcionamento padrão de linhas de montagem. Insumo Produto Produto Produto Processamento 1 Intermediário 1 Processamento 2 Intermediário 2 Processamento 3 Acabado Agora, vamos analisar a linha de montagem acima proposta. (1) Se a velocidade de realização do "Processamento 1" for maior do que a velocidade de realização do "Processamento 2", irá se acumular uma pilha do Produto Intermediário 1, esperando para ser trabalhada, sem acúmulo do Produto Intermediário 2 ou do Produto Acabado. Luiz Eduardo Santos Página 2 de 15

3 (2) Ao contrário, se a velocidade de realização do "Processamento 1" for menor do que a velocidade do "Processamento 2", não haverá acúmulo do Produto Intermediário 1, com os insumos fluindo na linha de produção, até tornarem-se o Produto Intermediário 2. (3) Porém, se a velocidade de realização do "Processamento 3" for menor do que a velocidade de realização dos processamentos 1 e 2, ocorrerá o acúmulo do Produto Intermediário 2. Assim, visualmente, pelo acúmulo de produtos intermediários, podemos verificar as velocidades relativas dos correspondentes processos de sua elaboração, na linha de produção. Agora, transportando essa ideia para o giro da atividade da entidade, considerado aqui como uma linha de produção de caixa, temos a seguinte situação. Direitos Venda a prazo Creditórios Recebimento da venda a prazo Compra à vista Estoque Caixa Venda à vista Caixa Pagamento da compra a prazo Obrigação Compra a prazo Consumo de Caixa Geração de Caixa Apresentando essa questão por outro ponto de vista, vejamos o processo de consumo de caixa e de geração de caixa na representação patrimonial da entidade. 1 Consumo Caixa ATIVO PASSIVO Fornecedores Compras a prazo Estoque Compras à vista PL Pagamento de compras a prazo Repare que, quanto maior for o acúmulo de estoque, maior será a velocidade do processo de consumo de caixa. Ao contrário, quanto maior for o acúmulo de obrigações (de pagamento a fornecedores), menor será a velocidade de consumo de caixa. Luiz Eduardo Santos Página 3 de 15

4 2 - Consumo Caixa ATIVO PASSIVO Clientes Recebimento de vendas a prazo Estoque PL CMV DESPESA RECEITA Receita de Venda Vendas (à vista e a prazo) Repare que, quanto maior for o acúmulo de estoque e de direitos creditórios (a receber de clientes), menor será a velocidade do processo de geração de caixa. Ora, é com base nessa comparação que poderemos calcular o valor dos recursos necessários para financiar o giro da entidade. 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos Neste item, analisaremos os conceitos de: (a) capital circulante líquido, (b), (c), (d) e (e) Passivo Circulante. Sabemos que: - o (AC) é definido singelamente como o conjunto de recursos de curto prazo da entidade, e - o (PC), por sua vez, é definido, também de forma simplificada, como o conjunto de obrigações de curto prazo. Com base nos dois conceitos acima, podemos definir o conceito de Capital Circulante Líquido (CCL). O CCL corresponde à diferença entre os valores do e do Passivo Circulante. CCL (=) AC (-) PC Obs.: o Capital Circulante Líquido também é denominado Capital de Giro (CDG). Quando o CCL é positivo, podemos concluir que há recursos de curto prazo em valor superior ao das obrigações de curto prazo, no patrimônio da entidade. Nessa situação, verifica-se que apenas parte dos recursos de curto prazo teria sido financiada pelas obrigações de curto prazo, sendo a parte restante financiada por obrigações de longo prazo ou por capitais próprios. Luiz Eduardo Santos Página 4 de 15

5 A figura a seguir ilustra essa situação: ATIVO AC ANC PASSIVO PC PNC PL Parcela financiada com recursos de curto prazo Parcela financiada com recursos de longo prazo e capitais próprios. Repare que: (a) como o Ativo é formado pela soma dos recursos de curto e longo prazo, respectivamente do (AC) e do Ativo não Circulante (ANC), o Passivo é formado pelas obrigações de curto e longo prazo, respectivamente do (PC) e do Passivo não Circulante (PNC) e o Patrimônio Líquido (PL) corresponde à diferença entre o valor do Ativo e do Passivo; (b) então, o CCL também pode ser calculado pela diferença entre o valor total do Passivo não Circulante e do Patrimônio Líquido e o valor do Ativo não Circulante. CCL (=) PNC (+) PL (-) ANC Agora, o é composto por duas partes: (a) o (ou cíclico), composto pelos recursos de curto prazo relativos ao giro do negócio da entidade, por exemplo: - Clientes; - adiantamentos a fornecedores; e - estoques; e (b) o (ou errático), composto pelos demais recursos de curto prazo, não relacionados às atividades operacionais da entidade, por exemplo: - disponibilidades; - aplicações financeiras; e - créditos concedidos. De forma semelhante, o também é composto por duas partes: (a) o, composto pelas obrigações de curto prazo decorrentes da operação da entidade, por exemplo: - Fornecedores; - impostos a recolher; e - salários; e - o, composto pelas demais obrigações de curto prazo, relacionadas ao financiamento das atividades da entidade, por exemplo: - empréstimos e financiamentos de curto prazo; Luiz Eduardo Santos Página 5 de 15

6 - duplicatas descontadas; e - outras dívidas. A figura a seguir ilustra os conceitos de Ativo e (operacional x financeiro). ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE FINANCEIRO FINANCEIRO Disponibilidades Empréstimos Aplicações financeiras Duplicatas Descontadas Créditos concedidos OPERACIONAL OPERACIONAL Fornecedores Clientes Salários Estoques Tributos a Recolher Adiantamento a Fornecedores PASSIVO NÃO CIRCULANTE ATIVO NÃO CIRCULANTE PATRIMÔNIO LÍQUIDO ARLP CAPITAL INVESTIMENTOS RESERVAS IMOBILIZADO AJUSTES INTANGÍVEL PREJUÍZOS ACUMULADOS 4 Necessidade de capital de giro (NCG) Fórmula ( ) (-) (=) NCG Definição e comentários A necessidade de capital de giro (NCG), conforme o próprio nome indica, pode ser entendida como a quantidade mínima de numerário necessária para desenvolvimento da atividade básica de compra e venda. A NCG, também conhecida pelo nome Necessidade de Investimento em Giro, é definida pela diferença entre os valores: (1) do e (2) do. Para compreendermos esse conceito, devemos levar em consideração o que segue. Com relação ao : (a) considerando que há um ciclo infinito de compra e venda de mercadorias, quanto maiores forem os valores mantidos em estoque, maior será o tempo necessário para sua venda e (b) considerando que há um ciclo infinito de venda e recebimento de valores, quanto maiores forem os valores a receber de clientes, maior será o tempo necessário para seu recebimento. Assim, quanto maior for o ativo circulante operacional, maior será a necessidade de capital de giro da empresa. Ao contrário, com relação ao : (a) considerando que há um ciclo infinito de aquisição de fatores de produção (trabalho de empregados e mercadorias para venda) e de remuneração destes fatores de produção (pagamento de salários e encargos, bem como pagamento de fornecedores e tributos), quanto Luiz Eduardo Santos Página 6 de 15

7 maiores forem os valores de salários a pagar, fornecedores e tributos a pagar, maior terá sido o prazo concedido à entidade, para seu pagamento. Assim, quanto maior for o passivo circulante operacional, menor será a necessidade de capital de giro da empresa. A figura a seguir ilustra as conclusões apresentadas. ATIVO CIRCULANTE OPERACIONAL PASSIVO CIRCULANTE OPERACIONAL NCG Contextualizando, quando em decorrência da natureza do negócio da empresa, do nível de atividade e do ciclo financeiro ocorrerem saídas de caixa antes das respectivas entradas (os pagamentos das aquisições forem anteriores aos recebimentos pelas respectivas vendas), haverá uma necessidade de aplicação de recursos no caixa da empresa (com origem em empréstimos ou capital próprio sócios), para honrar os compromissos operacionais. Frise-se que esses empréstimos geram juros a pagar e o capital próprio gera dividendos a pagar, impactando de ambas as maneiras a rentabilidade para o acionista. Nesse caso, a NCG é positiva. Quando, ao contrário, ocorrerem entradas antes das respectivas saídas (ex. compra a prazo e venda à vista), não há necessidade de aplicação de recursos no caixa, pois o próprio passivo circulante operacional resulta em origem de recursos para o caixa que, ficando com sobras, caracteriza uma NCG (necessidade de capital de giro) negativa. A seguir, ilustramos o conceito com um exemplo, nos termos a seguir: Considerando: - compra diária, à vista, por 10,00 e - venda por 15,00. Prazos: - 10 dias de estocagem - 5 dias para recebimento Obs.: pagamento do lucro ao final de cada mês Luiz Eduardo Santos Página 7 de 15

8 No primeiro mês de operação da empresa, o fluxo de valores decorrente da atividade irá gerar/consumir caixa e resultará em receitas/custos conforme tabela abaixo: Dia Compra Venda Pagamento Recebimento Necessidade de caixa Lucro (-) Dividendos pagos 1 10,00 0,00 10,00 0,00 10,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 20,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 30,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 40,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 50,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 60,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 70,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 80,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 90,00 0,00 0, ,00 0,00 10,00 0,00 100,00 0,00 0, ,00 15,00 10,00 0,00 110,00 5,00 0, ,00 15,00 10,00 0,00 120,00 10,00 0, ,00 15,00 10,00 0,00 130,00 15,00 0, ,00 15,00 10,00 0,00 140,00 20,00 0, ,00 15,00 10,00 0,00 150,00 25,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 145,00 30,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 140,00 35,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 135,00 40,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 130,00 45,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 125,00 50,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 120,00 55,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 115,00 60,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 110,00 65,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 105,00 70,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 100,00 75,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 95,00 80,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 90,00 85,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 85,00 90,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 80,00 95,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 175,00 100,00 100,00 Luiz Eduardo Santos Página 8 de 15

9 No segundo mês, o referido fluxo assume os seguintes valores: Dia Compra Venda Pagamento Recebimento Necessidade de caixa Lucro (-) Dividendos pagos 31 10,00 15,00 10,00 15,00 170,00 5,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 165,00 10,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 160,00 15,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 155,00 20,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 150,00 25,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 145,00 30,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 140,00 35,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 135,00 40,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 130,00 45,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 125,00 50,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 120,00 55,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 115,00 60,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 110,00 65,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 105,00 70,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 100,00 75,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 95,00 80,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 90,00 85,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 85,00 90,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 80,00 95,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 75,00 100,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 70,00 105,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 65,00 110,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 60,00 115,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 55,00 120,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 50,00 125,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 45,00 130,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 40,00 135,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 35,00 140,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 30,00 145,00 0, ,00 15,00 10,00 15,00 175,00 150,00 150,00 Repare que, para manter a operação nos termos acima propostos, auferindo e distribuindo lucros de R$ 150,00 por mês, é necessário manter em caixa um valor de até R$ 175,00. 5 Saldo em Tesouraria (ST) Fórmula ( ) Capital Circulante Líquido (CCL) (-) Necessidade de Capital de Giro (NCG) Definição e comentários O saldo em tesouraria corresponde ao valor que sobra do Capital Circulante Líquido (CCL ou CDG), depois de descontado o montante referente à Necessidade de Capital de Giro (NCG). Por um lado, o CCL representa o total de recursos de curto prazo, depois de deduzidas as obrigações de curto prazo. Luiz Eduardo Santos Página 9 de 15

10 Por outro lado, a NCG representa o valor mínimo de recursos em caixa necessário à manutenção da operação. Assim, o Saldo em tesouraria corresponde ao valor dos recursos de curto prazo, não comprometidos com obrigações de curto prazo, que sobram, depois de garantida a operação da entidade. Alternativamente, o Saldo em Tesouraria também denominado Saldo de Disponível também pode ser apurado pela diferença entre (1) o e (2) o Passivo circulante financeiro, conforme fórmula abaixo: ( ) (-) Para confirmarmos essa segunda fórmula, voltamos à primeira ( ) Capital Circulante Líquido (CCL) (-) Necessidade de Capital de Giro (NCG) Lembramos que o CCL é a diferença entre o e o. ( ) (-) (-) Necessidade de Capital de Giro (NCG) Porém, tanto o quanto o correspondem ao somatório de suas parcelas operacional e financeira. ( ) (+) (-) (-) (-) Necessidade de Capital de Giro (NCG) Por Fim, temos que a Necessidade de Capital de Giro equivale à diferença entre o Ativo Circulante e o. ( ) (+) (-) (-) (-) (+) Então, basta simplificarmos os termos inversos, conforme assinalado. ( ) (+) (-) (-) (-) (+) Luiz Eduardo Santos Página 10 de 15

11 Com isso, chegamos exatamente à fórmula alternativa proposta. ( ) (-) O termo Saldo de Disponível é muito elucidativo, para indicar o conceito de Tesouraria. Com efeito, ele representa, do total do CCL (=) CDG (=) AC (-) PC, o valor que sobra após garantir a necessidade de capital de giro NCG. 6 Reflexões sobre a relação entre CCL, NCG e ST Neste item, interpretaremos 6 (seis) possíveis situações em que a entidade pode se encontrar, com o objetivo de classificar a viabilidade financeira de suas operações 1. Situação CCL NCG ST Classificação I Excelente II Sólida III Insatisfatória IV Péssima V Muito Ruim VI Alto Risco (a) Situação I Excelente: CCL positivo, NCG negativa e ST positivo. Saldo em Tesouraria Positivo Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido NCG Negativa CCL Positivo Repare que, nessa situação, o giro operacional se auto-financia, sem necessidade de capital de giro. Ou seja, o prazo para pagamento de suas compras (componente principal do Passivo Circulante ) é superior ao prazo de venda e recebimento (determinante do Ativo Circulante ). Adicionalmente, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Positivo, ou seja, com sobra de recursos de curto prazo, em relação às obrigações de curto prazo. 1 Essa classificação é utilizada por Eliseu Martins, e outros, em Análise Didática das Demonstrações Contábeis (Atlas, 2014), com base na proposta de Roberto Braga, em Análise avançada do capital de giro (FIPECAFI, 1991). Luiz Eduardo Santos Página 11 de 15

12 E, finalmente, ainda há saldo positivo em tesouraria, revelando uma sobra de recursos financeiros não financiados por obrigações financeiras de curto prazo, para utilização, se necessário. (b) Situação II - Sólida: CCL positivo, NCG positiva e ST positivo. NCG Positiva Saldo em Tesouraria Positivo Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido CCL Positivo Repare que, nessa situação, o giro operacional necessita de capital para financiamento. Ou seja, o prazo para pagamento das compras (componente principal do ) é inferior ao prazo de venda e recebimento (determinante do ). Portanto, a Necessidade de Capital de Giro é positiva. Porém, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Positivo, ou seja, tem sobra de recursos de curto prazo, em relação às obrigações de curto prazo. E, adicionalmente há saldo positivo em tesouraria, revelando uma sobra de recursos financeiros não financiados por obrigações financeiras de curto prazo, para utilização, se necessário. Essa situação é muito comum. (c) Situação III - Insatisfatória: CCL positivo, NCG positiva e ST negativo. NCG Saldo em Tesouraria Positiva Negativo Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido CCL Positivo Repare que, nessa situação, o giro operacional necessita de capital para financiamento. Ou seja, o prazo para pagamento das compras (componente principal do ) é inferior ao prazo de venda e recebimento (determinante do ). Portanto, a Necessidade de Capital de Giro é positiva. Pois bem, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Positivo, ou seja, tem sobra de recursos de curto prazo, em relação às obrigações de curto prazo. Luiz Eduardo Santos Página 12 de 15

13 Mas, infelizmente, o saldo em tesouraria é negativo, revelando que não há sobra de recursos financeiros financiados por obrigações financeiras de longo prazo ou por capitais próprios, paga garantir o capital de giro necessário. Nessa situação, a empresa, para manter sua atividade, dependendo dos prazos relativos de vencimento dos direitos e obrigações de curto prazo, poderá ter que recorrer a nova capitação de recursos, próprios (aumento de capital) ou de terceiros (contratação de empréstimos). (d) Situação IV - Péssima: CCL negativo, NCG positiva e ST negativo. NCG Positiva Saldo em Tesouraria Negativo CCL Negativo Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido Repare que, nessa situação, o giro operacional necessita de capital para financiamento. Ou seja, o prazo para pagamento das compras (componente principal do ) é inferior ao prazo de venda e recebimento (determinante do ). Visualmente, verificamos o maior do que o Passivo Circulante, portanto, a Necessidade de Capital de Giro é positiva. Entretanto, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Negativo, ou seja, tem mais obrigações de curto prazo do que recursos de curto prazo. Repare que parte do Ativo não Circulante da entidade é financiado com recursos oriundos do. E, para piorar a situação, o saldo em tesouraria é negativo, revelando que não há sobra de recursos financeiros financiados por obrigações financeiras de longo prazo ou por capitais próprios, para garantir o capital de giro necessário. Assim, a entidade tem que financiar seu giro com recursos oriundos de passivos financeiros de curto prazo. (e) Situação V Muito Ruim: CCL negativo, NCG negativa e ST negativo. Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido NCG Negativa Saldo em Tesouraria Negativo CCL Negativo Luiz Eduardo Santos Página 13 de 15

14 Repare que, nessa situação, pelo menos para o financiamento do giro operacional não é necessário capital. Isso, porque o é superior ao Ativo Circulante. Portanto, a Necessidade de Capital de Giro é negativa. Ocorre, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Negativo, ou seja, tem mais obrigações de curto prazo do que recursos de curto prazo. Repare que parte do Ativo não Circulante da entidade é financiado com recursos oriundos do. De qualquer maneira, ainda que não haja necessidade de capital de giro, o saldo em tesouraria é negativo, revelando que não há sobra de recursos financeiros financiados por obrigações financeiras de longo prazo ou por capitais próprios, caso seja necessário. (g) Situação VI Alto Risco: CCL negativo, NCG negativa e ST positivo. NCG Negativa ST Positivo CCL Negativo Ativo não Circulante Passivo não Circulante e Patrimônio Líquido Repare que, nessa situação, para o financiamento do giro operacional não é necessário capital. Isso, porque o é superior ao. Portanto, a Necessidade de Capital de Giro é negativa. Ocorre, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Negativo, ou seja, tem mais obrigações de curto prazo do que recursos de curto prazo. Repare que parte do Ativo não Circulante da entidade é financiado com recursos oriundos do. Por outro lado, ainda que não haja necessidade de capital de giro, o saldo em tesouraria é positivo, revelando que há sobra de recursos financeiros financiados por obrigações financeiras de longo prazo ou por capitais próprios, caso seja necessário. A classificação como de alto risco é decorrente da necessidade de utilização de fontes de financiamento de curto prazo, para aquisição de recursos de longo prazo, o que pode resultar em dificuldade de quitar obrigações. 7 Interpretação dos Dados da Empresa ANALISADA Considerando as Demonstrações Contábeis de nossa empresa Analisada, assim como as memórias de cálculo propostas neste tópico, para levantamento do Capital Circulante Líquido CCL, da Necessidade de Capital de Giro - NCG e do Saldo em Tesouraria, temos a seguinte situação, para cada um dos três períodos 20x1, 20x2 e 20x3. Luiz Eduardo Santos Página 14 de 15

15 20X1 20X2 20X3 ( ) , , ,00 (-) , , ,00 (=) Capital Circulante Líquido , , ,00 ( ) , , ,00 (-) , , ,00 (=) Necessidade de Capital de Giro 8.775, , ,00 ( ) 5.330, , ,00 (-) , , ,00 (=) Saldo em Tesouraria 3.075, , ,00 Nos três períodos analisados, a empresa ANALISADA apresentou: - Capital Circulante líquido (CCL) positivo; - Necessidade de Capital de Giro (NCG) positiva; e - Saldo em Tesouraria (ST) também positivo. Nesse caso, podemos classificar a situação da empresa analisada como Sólida. Repare que, como o é superior ao, o giro operacional necessita de capital para financiamento. Portanto, a Necessidade de Capital de Giro é positiva. Porém, a entidade tem um Capital Circulante Líquido Positivo, ou seja, tem sobra de recursos de curto prazo, em relação às obrigações de curto prazo. E, adicionalmente há saldo positivo em tesouraria, revelando uma sobra de recursos financeiros não financiados por obrigações financeiras de curto prazo, para utilização, se necessário. Luiz Eduardo Santos Página 15 de 15

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Administração Financeira a Curto Prazo

Administração Financeira a Curto Prazo Administração Financeira a Curto Prazo Fundamentos de administração do Capital de Giro, Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Administração de Caixa Considerações sobre o Capital de Giro A administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir:

Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: Modelo Fleuriet Ao se analisar o comportamento do fluxo de recursos provenientes das operações mercantis das empresas, é possível retratar tal como a figura a seguir: COMPRAS PRODUÇÃO E ESTOCAGEM CAIXA

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro.

Olá, pessoal! Bons estudos! Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre um dos tópicos mais obscuros do edital de Análise de Balanços do concurso para Fiscal do ICMS de São Paulo. Trata-se do seguinte item: Análise do Capital de Giro: Necessidade

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos Objetivos Apresentar o conceito e em que contexto está inserido o capital de giro; Explicar a importância do capital de giro;

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

1. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR)

1. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) 1. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) 1.1 Conceito É a demonstração contábil que indica a modificação na posição financeira de curto prazo da companhia, representada pelo Capital

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Conteúdo As números fundamentais da gestão econômicofinanceira Compreendendo a liquidez Capital de Giro

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Como calcular a necessidade de capital de giro de sua empresa. Alexandre de Pinho Mascarenhas

Como calcular a necessidade de capital de giro de sua empresa. Alexandre de Pinho Mascarenhas BDMG Como calcular a necessidade de capital de giro de sua empresa Alexandre de Pinho Mascarenhas Aplicaçõe es de Rec cursos Ativo Circulante Passivo Circulante.Caixa. Duplicatas Descontadas. Bancos. Empréstimos

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro Pablo Ferreira Dias da Silva* Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Administração Financeira e Orçamento Empresarial Matricula:

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos DOAR Luiz Eduardo Conceitos iniciais Capital Circulante líquido CCL, Origens e Aplicações 1 Capital Circulante Líquido CCL, definido

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE FINANCIAMENTO EMPRESARIALUMA VISÃO DINÂMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE FINANCIAMENTO EMPRESARIALUMA VISÃO DINÂMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE FINANCIAMENTO EMPRESARIALUMA VISÃO DINÂMICA Armando Rasoto 1 Luiz Roberto Antonik 2 Vanessa Ishikawa Rasoto 3 RESUMO Existem muitas razões para algumas empresas fecharem as portas

Leia mais

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC Sumário 1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC... 1 1.1 Base Normativa... 1 1.2 Balanço Patrimonial... 2 1.3 Demonstração do Resultado, e do Resultado Abrangente... 4

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Passivo

Programas de Auditoria para Contas do Passivo Programas de Auditoria para Contas do Passivo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo Prof. Luciano Moura 1 de 6 (Questão Inédita ) As contas escrituradas no livro razão da empresa Aprovados S/A,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais