VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27."

Transcrição

1 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento de $50 e uma probabilidade de 0,7 para o recebimento de $10. a. Qual é o valor esperado dessa loteria? O valor esperado, VE, da loteria é igual à soma dos retornos ponderados por suas probabilidades: VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. b. Qual é a variância dos resultados dessa loteria? A variância, σ 2, é a soma dos quadrados dos desvios da média, $27, ponderados por suas probabilidades: σ 2 = (0.1)(100-27) 2 + (0.2)(50-27) 2 + (0.7)(10-27) 2 = $841. c. Quanto uma pessoa neutra a riscos pagaria para participar dessa loteria? Uma pessoa neutra a riscos pagaria o valor esperado da loteria: $ Suponha que você tenha investido em uma nova empresa de computadores cuja lucratividade dependa de: (1) aprovação ou rejeição, por parte do Congresso dos EUA, de um imposto de importação que aumente o preço de venda dos computadores japoneses, e (2) crescimento lento ou rápido da economia dos EUA. Quais seriam os quatro cenários (mutuamente exclusivos) com os quais você deveria se preocupar? Os quatro cenários mutuamente exclusivos podem ser representados da seguinte forma: Taxa de crescimento baixa Taxa de crescimento alta O Congresso aprova a tarifa Cenário 1: Baixo crescimento com tarifa Cenário 3: Crescimento rápido com tarifa O Congresso não aprova a tarifa Cenário 2: Baixo crescimento sem tarifa Cenário 4: Crescimento rápido sem tarifa 3. Richard está decidindo sobre a aquisição de um bilhete da loteria estatal. Cada bilhete custa $1, e a probabilidade dos seguintes prêmios é apresentada na tabela abaixo: Probabilidade Retorno

2 0,50 $0,00 0,25 $1,00 0,20 $2,00 0,05 $7,50 a. Qual seria o valor esperado do payoff de Richard caso ele adquirisse um bilhete de loteria? Qual seria a variância? O valor esperado da loteria é igual à soma dos retornos ponderados por suas probabilidades: VE = (0,5)(0) + (0,25)($1,00) + (0,2)($2,00) + (0,05)($7,50) = $1,025 A variância é a soma dos quadrados dos desvios da média, $1,025, ponderados por suas probabilidades: σ 2 = (0,5)(0-1,025) 2 + (0,25)(1-1,025) 2 + (0,2)(2-1,025) 2 + (0,05)(7,5-1,025) 2, ou σ 2 = $2,812. b. O apelido de Richard é Rick sem risco. Trata-se de uma pessoa extremamente avessa a riscos. Ele adquiriria o bilhete? Um indivíduo extremamente avesso a riscos provavelmente não compraria o bilhete, apesar do ganho esperado ser maior que o preço, $1,025 > $1,00. A diferença no retorno esperado não seria suficiente para compensar Rick pelo risco de aquisição do bilhete. Por exemplo, se sua riqueza fosse $10 e ele comprasse um bilhete de $1,00, ele obteria, sob cada um dos possíveis cenários, $9,00, $10,00, $11,00, e $16,50, respectivamente. Supondo que sua função de utilidade fosse U = W 0,5, onde W é sua riqueza, sua utilidade esperada seria: EU = ( 0.5) ( )+ ( 0.25)10 ( 0.5 )+ ( 0.2)11 ( 0.5 )+ ( 0.05)16.5 ( 0.5 )= que seria menor que a utilidade obtida sem o bilhete, 3.162: (U(10) = 10 0,5 = 3,162). Ele preferiria uma renda certa igual a $10. c. Suponha que tenha sido oferecido a Richard um seguro contra a perda de qualquer quantia. Se ele adquirisse bilhetes de loteria, qual valor ele estaria disposto a pagar para segurar sua aposta? Se Richard comprasse tickets, seu ganho esperado seria $1.025 menos o montante pago de $1.000, ou seja, $25. Possivelmente, ele não compraria nenhum seguro, tendo em vista que o retorno esperado, $1.025, seria maior que o custo, $1.000; a aquisição de um número elevado de bilhetes poderia funcionar como um seguro indireto para ele. Entretanto, dado que Richard é avesso a riscos, ele possivelmente estaria disposto a comprar o seguro. O montante que ele estaria disposto a pagar para evitar o

3 risco seria dado pelo prêmio de risco. Veja a figura 5.4 no texto. Para calcular o prêmio de risco, é necessário conhecer a função de utilidade de Richard. Se a função de utilidade fosse U = W 0,5, a utilidade esperada associada à aquisição dos bilhetes de loteria seria: EU = ( 0.5) ( )+ ( 0.25)1000 ( 0.5 )+( 0.2) ( )+ ( 0.05) ( )= que seria menor que a utilidade associada à sua riqueza certa de $1000, dada por U=1000 0,5 =31,62. Para calcular o prêmio de risco, é necessário, primeiro, calcular o nível de renda que garantiria a Richard a utilidade de 21,18, que é $448,59. Ele estaria, portanto, disposto a pagar até $1000-$448,59=$551,41 para segurar sua aposta. d. A longo prazo, levando em consideração o preço do bilhete de loteria e as informações da tabela anterior sobre probabilidade/retorno, o que você imagina que o governo faria a respeito dessa loteria? No longo prazo, a loteria irá à falência! Dado o preço do bilhete e as probabilidades envolvidas, a loteria é deficitária. O governo deveria aumentar o preço do bilhete ou reduzir a probabilidade dos ganhos positivos. 4. Suponha que um investidor esteja preocupado com uma escolha de investimentos envolvendo três alternativas possíveis, cujas respectivas probabilidade e retornos são os seguintes: Probabilidade Retorno 0,2 $100 0,4 50 0,4-25 Qual é o valor esperado do investimento incerto? Qual é sua variância? O valor esperado do retorno nesse investimento é VE = (0,2)(100) + (0,4)(50) + (0,4)(-25) = $30, A variância é σ 2 = (0,2)(100-30) 2 + (0,4)(50-30) 2 + (0,4)(-25-30) 2 = $ Você é um corretor de seguros e deve preencher uma apólice para um novo cliente cujo nome é Sam. A empresa de Sam, a Sociedade para Alternativas Criativas para a Maionese (SACM), está trabalhando no desenvolvimento de um substituto para a maionese contendo baixos teores de gordura e colesterol, que será fornecido à indústria de condimentos de sanduíche. Esta última pagaria altas somas em dólares para o primeiro que inventasse um substituto para a

4 maionese. A SACM tem para você o aspecto de uma empresa de alto risco. Você já calculou os possíveis retornos de Sam e os apresentou na tabela a seguir. Probabilidade Retorno 0,999 -$ (Sam vai à falência) 0,001 $ (Sam é bem-sucedido e vende sua fórmula) a. Qual é o retorno esperado do projeto de Sam? Qual é sua variância? O retorno esperado, ER, do investimento é ER = (0,999)( ) + (0,001)( ) = $ A variância é σ 2 = (0,999)( ) 2 + (0,001)( ) 2, ou σ 2 = b. Qual seria o maior valor que Sam estaria disposto a pagar pelo seguro? Suponha que ele seja neutro a riscos. Tendo em vista que Sam é neutro a riscos e o resultado esperado é $1.000, Sam não está disposto a contratar o seguro. c. Suponha que você tenha descoberto que os japoneses estão na iminência de lançar seu próprio substituto para a maionese já no próximo mês. Sam não dispõe dessa informação, sendo que acaba de recusar sua oferta final de $1.000 para fazer o seguro. Caso Sam venha lhe dizer que a SACM está a apenas seis meses da conclusão do projeto, você, conhecedor dos fatos relacionados aos japoneses, aumentaria ou reduziria o valor do prêmio da apólice em outra eventual proposta que viesse a fazer a ele? Baseando-se nas informações de que dispõe, Sam aceitaria sua proposta? A entrada dos japoneses no mercado reduz a probabilidade de Sam obter um payoff positivo. Por exemplo, supondo que a probabilidade do payoff de 1 bilhão de dólares caia para zero, o resultado esperado é: (1.0)(-$ ) + (0.0)(($ ) = -$ Logo, você deveria aumentar substancialmente o valor do prêmio da apólice. Contudo, por não saber da entrada dos japoneses no mercado, Sam continuaria a recusar suas propostas de seguro. 6. Suponha que a função de utilidade de Natasha seja expressa por: u(i) = I 0,5, na qual I representa sua renda anual em milhares de dólares. a. Natasha é amante do risco, neutra a riscos, ou avessa a riscos? Explique.

5 Natasha é avessa a riscos. Isso pode ser verificado da seguinte forma. Suponha que ela tenha $ e lhe seja oferecida uma aposta na qual ela ganha $1.000 com probabilidade 0,5 e perde $1.000 com probabilidade 0,5. A utilidade associada a $ é 3.162, (u(i) = 10 0,5 = 3.162). A utilidade esperada da aposta é: EU = (0,5)(9 0.5 ) + (0,5)( ) = < logo, ela não aceitaria a aposta. Se ela fosse neutra a riscos, ela seria indiferente entre os $ e a aposta; e se fosse amante do risco, ela preferiria a aposta. Sua aversão a riscos também pode ser verificada pela representação gráfica da função de utilidade (veja a Figura 5.6), que mostra que a função apresenta utilidade marginal decrescente. (Alternativamente, observe que a segunda derivada da função é negativa, o que implica utilidade marginal decrescente.) Utilidade 5 U (I ) Renda (em $1000) Figura 5.6 b. Suponha que Natasha atualmente esteja recebendo uma renda de $ (I = 10), podendo com certeza obter a mesma renda no ano que vem. Ela recebe, então, uma oferta para um novo emprego com rendimentos de $16.000, com probabilidade de 0,5 e rendimentos de $5.000, com probabilidade de também 0,5. Ela deveria assumir o novo emprego? A utilidade de seu salário atual é 10 0,5, ou seja, A utilidade esperada do novo emprego é EU = (0,5)(5 0,5 ) + (0,5)(16 0,5 ) = 3.118,

6 que é menor que Logo, ela recusaria o novo emprego. c. No item (b), Natasha estaria disposta a adquirir um seguro para poder se proteger contra a renda variável associada ao novo emprego? Em caso afirmativo, qual o valor que estaria disposta a pagar por tal seguro? (Sugestão: Qual é o prêmio de risco?) Supondo que Natasha aceitasse o novo emprego, ela estaria disposta a pagar um prêmio de risco igual à diferença entre $ e o nível de renda certa associado à utilidade da aposta, de modo a garantir um nível de utilidade igual a Sabemos que a utilidade da aposta é igual a Inserindo esse valor na sua função de utilidade, obtemos = I 0.5, e resolvendo para I encontramos a renda associada à aposta de $ Logo, Natasha estaria disposta a pagar pelo seguro o valor dado pelo prêmio de risco: $ $9.722 = $ Desenhe uma função de utilidade sobre a renda u(i) capaz de satisfazer a condição de que um determinado consumidor seja apreciador de risco quando sua renda é baixa, porém se torne avesso a riscos quando sua renda é alta. Você poderia explicar a razão pela qual tal função de utilidade seria capaz de descrever razoavelmente bem os gostos de uma pessoa? Considere um indivíduo que necessita de determinado nível de renda, I*, para sobreviver. Um aumento na renda além de I* apresentará utilidade marginal decrescente. Abaixo de I*, o indivíduo será amante do risco e aceitará apostas muito arriscadas com o objetivo de obter aumentos de renda significativos. Acima de I*, o indivíduo comprará seguro contra possíveis perdas. Utilidade U (I ) I* Renda Figura 5.7

7 8. Um município está estudando o valor mais adequado para o gasto com parquímetros. As seguintes informações encontram-se à disposição do administrador municipal: i. A contratação de um funcionário para fazer a medição custa $ por ano. ii. Havendo uma pessoa contratada para o monitoramento, a probabilidade de um motorista ser multado cada vez que estacione ilegalmente é igual a 0,25. iii. Havendo duas pessoas, a probabilidade é de 0,5; se forem três, a probabilidade passa para 0,75; e se forem quatro pessoas, a probabilidade é igual a 1. iv. A multa atualmente cobrada por estacionamento além do tempo permitido é de $20, havendo duas pessoas contratadas para efetuar o monitoramento dos medidores. a. Suponha que todos os motoristas sejam neutros a riscos. Qual a multa que você estabeleceria para o estacionamento ilegal e quantas pessoas contrataria para o monitoramento (1, 2, 3, ou 4) a fim de, com o mínimo custo, poder atingir os atuais níveis de desencorajamento ao estacionamento ilegal? Se os motoristas são neutros a riscos, seu comportamento depende apenas da multa esperada. Com duas pessoas monitorando os estacionamentos, a probabilidade de detecção do estacionamento ilegal é 0,5 e a multa é $20. Logo, a multa esperada é $10 = (0,5)($20). A mesma multa esperada pode ser obtida através da contratação de apenas um funcionário, aumentando-se a multa para $40, da contratação de três funcionários, diminuindo-se a multa para $13,33, ou da contratação de quatro funcionários, diminuindo -se a multa para $10. Supondo que o único custo a ser minimizado seja o custo de contratação dos funcionários responsáveis pelo monitoramento dos estacionamentos, isto é, $ por ano, você deveria minimizar o número de funcionários, contratando apenas um funcionário e aumentando a multa para $40. b. Agora suponha que os motoristas sejam substancialmente avessos a riscos. Como você modificaria sua resposta para a questão (a)? Se os motoristas são avessos a riscos, a utilidade de um valor obtido com certeza é maior do que a utilidade de um valor esperado igual ao valor certo, o que significa que eles se esforçarão mais do que motoristas neutros a riscos para evitar uma multa. Logo, uma multa inferior a $40 seria suficiente para manter o atual nível de desincentivo ao estacionamento ilegal.

8 c. (Para discussão) O que ocorreria se os motoristas pudessem fazer seguros contra o risco de multa por estacionamento ilegal? Seria de interesse público a autorização para que houvesse tal modalidade de seguro? Os motoristas podem proceder de várias formas com o objetivo de se proteger do risco das multas por estacionamento ilegal; por exemplo, eles podem estacionar longe de seu destino, em local sem parquímetro, ou podem utilizar o transporte público. Uma companhia de seguro privada poderia oferecer uma apólice de seguro que protegesse os motoristas contra o risco das multas por estacionamento ilegal, cujo prêmio dependeria da probabilidade de cada motorista ser multado e do custo de oportunidade desse serviço. (Observação: um seguro total geraria problemas de risco moral, conforme será discutido no Capítulo 17.) A política pública deve procurar maximizar a diferença entre os benefícios e os custos para todas as partes. Dados os custos de transação envolvidos, a oferta de seguro privado pode não ser a solução ótima. Uma solução alternativa seria a oferta de outro tipo de seguro, como a venda de adesivos para estacionamento; os automóveis estacionados ilegalmente deveriam ser multados. 9. Um investidor moderadamente avesso a riscos investe 50% de sua carteira em ações e os outros 50% em títulos do Tesouro, considerados ativos sem risco. Mostre de que forma cada um dos eventos abaixo afetaria a linha de orçamento do investidor e a proporção de sua carteira investida em ações: a. O desvio padrão do retorno das ações aumenta, mas seu retorno esperado permanece inalterado. Conforme a seção 5.4, a equação da linha do orçamento é R p = R R m f σ σ p + R f, m onde R p é o retorno esperado da carteira, R m é o retorno esperado do ativo arriscado, R f é o retorno esperado do ativo sem risco, σ m é o desvio padrão do retorno do ativo arriscado, e σ p é o desvio padrão do retorno da carteira. A linha do orçamento mostra a relação positiva entre o retorno da carteira, R p, e o desvio padrão do retorno da carteira, σ p. No caso em questão, o aumento do desvio padrão do retorno das ações, σ m, torna a linha do orçamento menos inclinada, de modo que, para qualquer nível de retorno da carteira, o desvio padrão associado ao retorno aumenta. Logo, a proporção da carteira investida em ações deve diminuir.

9 b. O retorno esperado das ações aumenta, mas seu desvio padrão permanece inalterado. O aumento do retorno esperado das ações, R m, torna a linha do orçamento mais inclinada, de modo que, para qualquer nível de desvio padrão do retorno da carteira, σ p, o retorno aumenta. Logo, a proporção da carteira investida em ações deve aumentar. c. O retorno dos títulos do Tesouro aumenta. Nesse caso, ocorre um aumento de R f, tal que a linha do orçamento se torna menos inclinada e se desloca para cima. Em conseqüência, a proporção da carteira investida em ações pode aumentar ou diminuir. Por um lado, os títulos do Tesouro apresentam retorno mais elevado e são, portanto, mais atrativos. Por outro lado, dado o maior retorno de cada título, o investidor pode obter, a partir de uma menor quantidade de títulos, o mesmo fluxo total de pagamentos que recebia antes. Por essa razão, o investidor pode estar disposto a direcionar mais recursos para o ativo arriscado. O resultado final depende das preferências específicas do investidor, bem como das magnitudes dos retornos dos dois ativos. Uma situação análoga ocorre na determinação do nível de poupança quando a taxa de juros aumenta: por um lado, a poupança poderia aumentar devido ao maior retorno; por outro lado, ela poderia diminuir pelo fato de que, a partir de um menor montante de poupança, o consumidor poderia auferir o mesmo nível de renda no futuro.

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II Lista Adicional de Incerteza c/ Gabarito Questão 1: Considere o caso típico de um investidor cuja renda total se divide em renda do trabalho (salário)

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Microeconomia. Parte 10. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Parte 10. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 10 Escolha sob Incerteza Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Descrição do Risco Preferência em Relação ao Risco Redução do Risco A Demanda por Ativos de Risco O Modelo

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.2 Utilidade Esperada Von Neumann-Morgenstern: Aplicação ao Mercado de Seguros Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

QUAL É A RELAÇÃO ENTRE RISCO E CUSTO DE CAPITAL

QUAL É A RELAÇÃO ENTRE RISCO E CUSTO DE CAPITAL QUAL É A RELAÇÃO ENTRE RISCO E CUSTO DE! Diversificação de ativos! Risco Sistemático! Risco não Sistemático! Curva de mercado de capitais Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade Lupércio França Bessegato Introdução Roteiro Tabela de Retorno e Árvore de Decisão Critérios para Tomada de Decisão Exemplos de Aplicação Referências

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO

MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO LICENCIATURA EM ECONOMIA (2010-11) MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO 1. Um monopolista sujeito a regulação enfrenta a seguinte função procura: P=200-q, e um

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1

Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1 Aula 7 Covariância e suas aplicações Roteiro Introdução Covariância Valor esperado, Variância e Desvio-padrão da soma entre duas variáveis aleatórias Retorno

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Lembramos que quanto mais transparentes forem as respostas, mais facilmente identificaremos seus objetivos de investimento.

Lembramos que quanto mais transparentes forem as respostas, mais facilmente identificaremos seus objetivos de investimento. São Paulo, de de 20 Nome: Perfil de Risco: Conta Cliente: Prezado Cliente, Atendendo as melhores práticas de mercado, apresentamos abaixo 13 questões, que nos permitirão compreender melhor o seu perfil

Leia mais

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO PPGE/UFRGS SELEÇÃO ADVERSA E O COLAPSO DO MERCADO DE CRÉDITO O MODELO DE MANKIW (1986) O MODELO DE MANKIW (1986) Bibliografia: MANKIW, N.G. (1986). The Allocation of Credit and Financial

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor genda Comportamento do Consumidor Econ. Edilson guiais Material isponível em: www.puc.aguiais.com.br Restrições Orçamentárias Escolha do Consumidor Preferências Reveladas Utilidade Marginal e Escolhas

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Prof. Isidro

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 PASSOS PARA INVESTIR EM AÇÕES SEM SER UM ESPECIALISTA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados,

Leia mais

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Custo de oportunidade e decisões Custo explícito é aquele que requer gasto em dinheiro. O custo implícito, por outro lado, não implica despesas

Leia mais

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO O Guia Absolutamente Completo Onde Investir Seu Dinheiro O Guia Absolutamente Completo Geralmente não costumo sugerir carteiras de investimento por dois motivos: (1) Não gosto

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento. Ordens e Política de Execução de Ordens

Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento. Ordens e Política de Execução de Ordens Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento Ordens e Política de Execução de Ordens Introdução Nas Informações Adicionais sobre Serviços, a DEGIRO fornece uma descrição detalhada dos acordos

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ECONOMIA QUESTÕES DISCURSIVAS Questão n o 1 a) Taxa de Câmbio Em setembro/outubro de 2008, houve uma desvalorização do real em relação ao dólar acima de 40%, decorrente do aumento da aversão a risco que provocou

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados.

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados. Microsoft Excel Aula 4 Objetivos Trabalhar no Excel com cálculos de juros simples e compostos Trabalhar com as funções financeiras VF e PGTO do Excel Trabalhar com a ferramenta Atingir Meta Apresentar

Leia mais