O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1"

Transcrição

1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado intervalo de tempo. O montante é o principal e o preço pago é expresso como sendo o percentual do principal por unidade de tempo (geralmente um ano, por exemplo, 12% a.a). 2 Evolução da Taxa de Juros - Brasil 3 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

2 Introdução Neste tópico nós iremos apresentar as duas principais teorias referentes a determinação da taxa de juros: (i) A Teoria de Fisher qual qual é subjacente a teoria dos fundos emprestáveis [loanable funds theory]; (ii) e a teoria keynesiana da preferência pela liquidez [Keynes s liquidity preference theory] 4 Introdução O objetivo aqui é examinarmos de que forma é determinada o nível geral da taxa de juros nominal e os fatores que influenciam o seu comportamento. Vimos anteriormente que as taxas de juros são inversamente relacionadas ao preço dos bônus [Pb= Re/i]. Deste modo, se pudermos explicar porque o preço dos bônus mudam, podemos explicar também porque a taxa de de juros muda ou flutua! 5 Introdução A análise da oferta e demanda por bônus conhecida como abordagem dos fundos emprestáveis - fornece uma teoria da determinação da taxa de juros. Ela prevê que as taxas de juros irão mudar quando houver modificações na demanda, devido a mudanças na renda (ou riqueza), retornos esperados, risco ou liquidez, ou quando houver uma mudança na oferta devido a uma variação no retorno das oportunidades de investimento, no custo de pedir empréstimos ou políticas governamentais. 6 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 2

3 Introdução Uma outra teoria da forma como as taxa de juros são determinadas é conhecida como abordagem pela preferência pela liquidez, que analisa a oferta e demanda por moeda. Ela mostra que as taxa de juros irão oscilar quando houver mudanças na demanda por moeda devido a variações nos níveis de preço ou quando houver mudanças na oferta de moeda. 7 Introdução A TFE (Teoria dos Fundos Emprestáveis) está associada aos economistas clássicos do final do século XIX e inicio do século XX, enquanto a TPL (Teoria da Preferência pela Liquidez) é um produto da Teoria Geral de Keynes (1936, caps ). [cf. Howells & Bain (2001,p.34) e Tsiang (1988) - Loanable Funds in New Palgrave] 8 A Teoria dos Fundos Emprestáveis [TFE] A TFE têm origem no trabalho de Irving Fisher (1930) que analisou a determinação da taxa de juros numa economia verificando a razão pela qual os indivíduos poupam [isto é, não consomem toda a sua renda ou recursos correntes] e porque outros tomam emprestado. 9 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 3

4 A TFE e as decisões de poupança, empréstimo e investimento A poupança no modelo de Fisher (1930) é uma escolha que os indivíduos fazem entre o consumo corrente e futuro de bens e serviços. Os indivíduos poupam alguns de seus recursos correntes a fim de serem capazes de consumir mais no futuro. O principal determinante da decisão de poupança dos indivíduos é sua taxa de preferência intertemporal isto é - a sua disposição em trocar algum consumo agora por mais consumo no futuro. 10 A TFE e as decisões de poupança, empréstimo e investimento Outro determinante da decisão de poupança é a renda. De um modo geral, como veremos abaixo, altas rendas implicam que os indivíduos irão poupar mais, embora as pessoas com a mesma renda possam ter preferência intertemporais diferentes. A terceira variável importante no modelo de Fisher (1930) é a taxa de juros - ou a recompensa por poupar (isto é, não consumir toda a sua renda no presente). 11 A TFE e as decisões de poupança, empréstimo e investimento Os investimentos implicam em direcionar recursos para ativos que irão aumentar a capacidade de produção futura da firma. Um dos fatores que influencia esta decisão das empresas são os ganhos de investimento, os quais são as diferenças positivas entre os recursos usados por um processo e o total de recursos que ele irá produzir no futuro. 12 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 4

5 A TFE e as decisões de poupança, empréstimo e investimento A medida em que o montante de projetos cresce, os ganhos adicionais necessariamente caem, a medida em que os projetos menos lucrativos são aceitos. O máximo que uma firma irá investir depende da taxa de juros, a qual é o custo do empréstimo. 13 O equilíbrio de mercado na teoria de Fisher (1930) A taxa de juros de equilíbrio é determinada pela interação das curvas de oferta e demanda. A teoria de Fisher (1930) enfatiza que a taxa de juros de longo prazo e o montante de investimento dependem da propensão da sociedade a poupar e do desenvolvimento tecnológico (que afeta a produtividade marginal do capital). 14 O equilíbrio de mercado na teoria de Fisher (1930) A teoria de Fisher (1930) da determinação da taxa de juros de equilíbrio, implica que o nível de equilíbrio de longo prazo é o resultado das decisões de investir e poupar tomadas pelos indivíduos e firmas. A taxa de juros é determinada livremente por meio daqueles dois conjuntos de decisões. 15 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 5

6 A taxa de juros como um fenômeno real na teoria de Fisher (1930) Na teoria de Fisher (1930), a taxa de juros é determinada pelas forças reais da produtividade [do equipamento de capital, determinando o montante de empréstimo que os tomadores iriam investir] e da parcimônia [o quanto os indivíduos estariam dispostos a abrir mão de seu consumo presente em relação ao consumo futuro]. 16 O Equilíbrio de Mercado na Teoria de Fisher (1930) i (taxa de juros) Of i* Df 0 S* =I* S, I 17 A Teoria de Fisher (1930) e suas Limitações 1) A teoria de Fisher (1930) sobre a teoria dos juros é uma teria geral, mas que negligencia certos aspectos práticos, tais com o poder do governo de criar moeda e de tomar empréstimos (a qual é freqüentemente imune ao nível de taxa de juros). 2) A teoria de Fisher (1930) também não considera a possibilidade de que os indivíduos e firmas possam investir em saldos de caixa (moeda). 18 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 6

7 A formação da taxa de juros e a teoria dos fundos emprestáveis Escola Clássica (Irving Fisher (1930): a taxa de juros é determinada pela demanda e oferta de bens [poupança e investimento ou demanda e oferta de bônus]. Fundos Emprestáveis (Bertil Olin, Knut Wicksell, e Dennis Robertson): a oferta adicional de novos bônus dependem dos investimentos das firmas I e dos planos das famílias de aumentar seus saldos de caixa [money holdings]: M D 19 Teoria dos Fundos Emprestáveis (Bertil Olin, Knut Wicksell e Dennis Robertson) Dennis Robertson Knut Wicksell Bertil Olin 20 Da Teoria de Fisher (1930) a TFE A expansão da teoria de Fisher (1930), que leve em conta aquelas situações produz a teoria dos fundos emprestáveis [loanable funds theory of interest rates]. [cf. Fabozzi, Modigliani & Ferri (1994, p.211)] 21 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 7

8 Irving Fisher (1930) 22 A Teoria dos Fundos Emprestáveis - aqui analisamos a determinação da taxa de juros através do estudo da oferta e demanda de bônus; - nós presumimos, também, que só há um tipo de título e uma única taxa de juros em toda a economia; 23 A Teoria dos Fundos Emprestáveis - considere a demanda por um bônus de um ano, com desconto, que não paga juros de cupom, pagando ao seu proprietário apenas o valor nominal de resgate após um ano; 24 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 8

9 A Teoria dos Fundos Emprestáveis - se o investidor em questão mantém esse bônus em sua carteira por um ano, então, conforme vimos anteriormente, o retorno do bônus é totalmente conhecido e é igual a taxa de juros conforme medida pela curva de retorno até a maturidade (YTM). Isto significa que o retorno esperado desse bônus é igual à taxa de juros, i. 25 Derivação da Curva de Demanda por Bônus i = RET e = (N Pd) P Ponto A: Ps = $950 ($1000 $950) i = = = 5.3% $950 B d = $100 bilhões. 26 Derivação da Curva de Demanda por Bônus Ponto B: P = $900 ($1000 $900) i = = = 11.1% $900 B d = $200 bilhões. Ponto C: P = $850 i = 17.6% B d = $300 bilhões Ponto D: P = $800 i = 25.0% B d = $400 bilhões Ponto E: P = $750 i = 33.0% B d = $500 bilhões 27 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 9

10 Derivação da Curva de Demanda por Bônus A curva de demanda é dada por B d na figura abaixo a qual conecta os pontos A, B, C, D, E. A curva de demanda por bônus é negativamente inclinada. 28 Derivação da Curva de Oferta por Bônus Ponto F: Ponto G: Ponto C: Ponto H: Ponto I: P = $750 i = 33.0% B s = $100 bilhões P = $800 i = 25.0% B s = $200 bilhões P = $850 i = 17.6% B s = $300 bilhões P = $900 i = 11.1% B s = $400 bilhões P = $950 i = 5.3% B s = $500 bilhões A curva de oferta de bônus é dada por B s a qual conecta os pontos F, G, C, H, I, e é positivamente inclinada. 29 Equilíbrio no mercado de bônus 30 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 10

11 Equilíbrio no mercado de bônus O equilibrio de mercado ocorre quando B d = B s, em P* = $850, i* = 17.6% Quando P = $950, i = 5.3%, B s > B d (excesso de oferta): P to P*, i para i*. Quando P = $750, i = 33.0, B d > B s (excesso de demanda): P to P*, i para i*. 31 Equilíbrio no mercado de bônus: o significado do equilíbrio Numa situação de equilíbrio, como vista acima, a interseção das curvas de oferta e demanda fixam o nível da taxa de juros de equilíbrio e o nível de empréstimos. No equilíbrio, temos que a demanda por fundos é igual a oferta de fundos. Isto significa que todos os agentes que estão tomando emprestado o que desejam, investindo na extensão desejada, e os poupadores estão sendo remunerados pela sua poupança tendo em vista suas preferências intertemporais. 32 Terminologia dos Fundos Emprestáveis Demanda por bônus = Oferta de fundos emprestáveis Oferta de bônus = Demanda por fundos emprestáveis 33 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 11

12 A Teoria dos Fundos Emprestáveis Oferta e Demanda de Fundos Emprestáveis A demanda por fundos emprestáveis representa o comportamento dos tomadores de empréstimos e portanto refere-se a oferta de todos os instrumentos de dívida. A oferta de fundos emprestáveis representa o comportamento dos emprestadores e portanto refere-se a demanda por instrumentos de débito. 34 Terminologia dos Fundos Emprestáveis 35 Deslocamentos na Demanda por Bônus 36 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 12

13 Fatores que deslocam a Demanda por Bônus 1. Riqueza Economia, Riqueza, B d, B d deslocaparaa direita. Numa expansão econômica com aumento da riqueza, a procura por bônus cresce e a curva de demanda por bônus se desloca para a direita. Contudo, o aumento na demanda dependerá até que ponto os bônus são considerados pelos indivíduos como sendo um bem de luxo e não bens necessários. 37 Fatores que deslocam a Demanda por Bônus 2. Retornos Esperados i no futuro, RET e para bônus de longo prazo, B d Deslocaparaa direita; π e, relativamente a RET e, B d deslocaparaa direira Expectativas de taxas de juros maiores no futuro reduzem o retorno esperado de bônus de longo prazo, diminuem a demanda e deslocam a curva de demanda para a esquerda. 38 Fatores que deslocam a Demanda por Bônus 3. Risco Risco dos bônus, B d, B d deslocaparaa esquerda Se os preços no mercado de bônus se tornam mais voláteis, o risco associado com os bônus aumenta, e os bônus se tornam ativos menos atraentes para os poupadores. Assim, um aumento no risco dos bônus diminui a procura por bônus, e a curva de demanda se desloca para a esquerda. 39 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 13

14 Fatores que deslocam a Demanda por Bônus 4. Risco dos outros ativos Risco k dos outros ativos, B d, B d desloca-se para a direita. Um aumento na volatilidade dos preços em um outro mercado de ativos, como o mercado de ações, tornaria os bônus mais atraentes. Um aumento no risco de ativos alternativos aumenta a demanda por bônus, e acurva de demanda se desloca para a direita. 40 Fatores que deslocam a Demanda por Bônus 5. Liquidez Liquidez dos Bônus, B d, B d desloca-se para a direita; Liquidez dos outros ativos, B d, B d desloca-se para a esquerda. Um aumento na liquidez de um bônus aumenta a sua procura, e a curva de demanda se desloca para a direita. Do mesmo modo, um aumento na liquidez de ativos alternativos reduz a procura de bônus e desloca a curva de demanda para esquerda. 41 Fatores que deslocam a demanda por Bônus 42 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 14

15 Fatores que Deslocam a Curva de Oferta de Bônus 1. Lucratividade das oportunidades de investimento Expansão do ciclo econômico, oportunidades de investimento, B s, B s desloca-se para a direita. Quanto mais lucrativos forem os investimentos que uma firma espera realizar, mais disposta ela estará a pedir empréstimos e aumentar seu endividamento para financiar tais investimentos. Portanto, numa expansão econômica, a oferta de bônus [a demanda por empréstimos por parte das firmas] aumenta, e a curva de oferta se desloca para a direita. 43 Fatores que Deslocam a Curva de Oferta de Bônus 2. Inflação esperada π e, B s, B s desloca-se para a direita. O custo real de um empréstimo é medido de forma mais precisa pela taxa real de juros, que corresponde à taxa de juros nominal menos a taxa de inflação esperada. Assim, para uma dada taxa de juros, quando a inflação esperada aumenta,, o custo de pedir empréstimos diminui, e a oferta de bônus, portanto aumenta para todos os preços de bônus e taxa de juros determinados. 44 Fatores que Deslocam a Curva de Oferta de Bônus 3. Políticas governamentais Deficit públicos, B s, B s desloca-se para a direita. Quando o governo financia seu déficit através da venda de títulos públicos, temos um aumento na oferta de bônus para todos os preços de bônus e a taxa de juros. Assim, déficit governamentais mais altos aumentam a oferta de bônus e deslocam a curva de oferta para a direita. 45 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 15

16 Fatores que Deslocam a Curva de Oferta de Bônus 46 Fatores que deslocam a Curva de Oferta de Bônus 47 O Aumento na π e : o Efeito Fisher (1930) Se π e, Retorno relativo RET e, B d para a esquerda B s, B s deslocaparaa direitap, i ; 48 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 16

17 Evidência sobre o Efeito Fisher no Canadá 49 Fatores que deslocam a Curva de Oferta e Demanda por Bônus 50 Expansão Econômica 51 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 17

18 Expansão Econômica Riqueza, B d, B d desloca para a direita Investimento, B s, B s deslocaparaa direita; Se B s desloca-se mais do que B d então P, i 52 Taxa de Juros e o Ciclo Econômico O nível da taxa de juros e o crescimento econômico variam coincidentemente ao longo do tempo. Expansão: aumento nos gastos do consumidor; Acumulação de estoques e aumento na demanda por empréstimos. Pico: restrição monetária. Elevada demanda por emprestimos, pouca liquidez. Contração: Queda nos gastos do consumidor; Contração dos estoques; Queda na demanda por empréstimos. Depressão: demanda limitada por empréstimos; excesso de liquidez. 53 Evidência da relação entre taxa de juros e atividade econômica - Canadá 54 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 18

19 Resposta a uma Baixa Taxa de Poupança 55 Resumo da TFE - a taxa de juros real, sem riscos, de curto prazo, é a soma paga pelos tomadores de empréstimos pelo período mais curto possível, em um mundo de preços constantes e risco zero; - a oferta de recursos é determinada pela disposição das pessoas em poupar, o que por sua vez, depende de sua taxa de preferência temporal; 56 Resumo da TFE - a demanda pelos fundos depende das perspectivas para o seu uso lucrativo, e custo depende, por sua vez da produtividade dos ativos que serão adquiridos pelos fundos; - a taxa de juros nominal, de curto prazo e sem risco é composta da taxa real determinada pela preferência intertemporal e produtividade, mais um prêmio que reflete a taxa esperada de inflação. 57 Prof. Giácomo Balbinotto Neto 19

20 FIM Prof. Giácomo Balbinotto Neto FCE/UFRGS Prof. Giácomo Balbinotto Neto 20

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Demanda de Moeda por Precaução Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Principais Modelos *Whalen (1966), QJE *Miller & Orr (1966), QJE Weinrobe (1972) SEJ Tsiang, S. C. (1969).

Leia mais

TEORIAS DA TAXA DE JUROS:

TEORIAS DA TAXA DE JUROS: TEORIAS DA TAXA DE JUROS: Teoria dos Fundos de Empréstimos Teoria da Preferência por Liquidez Teoria da Exogeneidade dos Juros Teorias da Taxa de Juros a termo Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

TAXA DE JUROS, UMA ANÁLISE DE SEU COMPORTAMENTO

TAXA DE JUROS, UMA ANÁLISE DE SEU COMPORTAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS Cristiane Andréia Lunardi TAXA DE JUROS, UMA ANÁLISE DE SEU COMPORTAMENTO Porto Alegre 2009 Cristiane

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Por que o valor do dinheiro muda com o passar do tempo? Toda análise financeira leva em consideração um de seus principais paradigmas: o dinheiro perde

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

TEORIA KEYNESIANA DA DEMANDA POR MOEDA PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO ANÁLISE MACROECONÔMICA UFRGS/FCE

TEORIA KEYNESIANA DA DEMANDA POR MOEDA PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO ANÁLISE MACROECONÔMICA UFRGS/FCE TEORIA KEYNESIANA DA DEMANDA POR MOEDA PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO ANÁLISE MACROECONÔMICA UFRGS/FCE J. M. Keynes & A Teoria Geral (1936,1937) 2 O marco conceitual keynesiano A decisão da qual se ocupa

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS Ney Roberto Ottoni de Brito Ph.D., Stanford University Sócio-Diretor, Ney O. Brito e Associados Foi Professor Titular da UFRJ e Associado

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010

Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010 Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010 HAYEK, O EFEITO RICARDO E O EFEITO CONCERTINA Ubiratan J. Iorio I. Introdução No debate travado entre ambos, nos anos trinta do século passado, Keynes afirmava

Leia mais

1) POLÍTICA MONETÁRIA: CORRELAÇÕES ENTRE A TAXA BÁSICA E A TAXA DE MERCADO. Marco Aurélio Garcia - 01/2007.

1) POLÍTICA MONETÁRIA: CORRELAÇÕES ENTRE A TAXA BÁSICA E A TAXA DE MERCADO. Marco Aurélio Garcia - 01/2007. 1) POLÍTICA MONETÁRIA: CORRELAÇÕES ENTRE A TAXA BÁSICA E A TAXA DE MERCADO. Marco Aurélio Garcia - 01/2007. e:mail : magconsultoria@uai.com.br - Home Page : www.magconsultoria.uaivip.com.br - MOTIVO: artigos

Leia mais

Valor do dinheiro no tempo

Valor do dinheiro no tempo Valor do dinheiro no tempo "Tempo é dinheiro - diz o mais vulgar ditado conhecido por qualquer idade ou pessoa. Coloque-o ao contrário e você obtém a mais preciosa verdade - dinheiro é tempo." (George

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Banco Central origem Bank of England O primeiro banco central foi o Banco da Inglaterra

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

Economia e Mercado Financeiro

Economia e Mercado Financeiro Economia e Mercado Financeiro O que é fluxo cambial? O fluxo cambial é a soma das operações da balança comercial, das operações financeiras e das operações com instituições financeiras no exterior. Segundo

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni

Auditor Fiscal AP. Economia e Finanças Públicas - FGV. Professor Fantoni Senhores, é com imenso prazer que concluo essa que foi a última prova da FGV na área fiscal deste ano... Façam bom proveito! E meus sinceros votos de sucesso no concurso!! 51 Com relação à mensuração do

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais