Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão"

Transcrição

1 Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.2 Utilidade Esperada Von Neumann-Morgenstern: Aplicação ao Mercado de Seguros Isabel Mendes Isabel Mendes/MICRO II 1

2 1. Preferências dos agentes face ao risco A partir do conceito de utilidade esperada de von Neumann-Morgenstern e do respectivo índice, é possível caracterizar um agente económico segundo a sua preferência perante o risco. Assim um agente pode ser: Avesso ao risco; Amante do Risco; Neutro perante o risco. Para definir os três conceitos considerem-se os seguintes elementos Isabel Mendes/MICRO II 2

3 Seja: U(x) = função de utilidade do resultado x (riqueza); Se x for obtido sem qualquer risco num só acontecimento, então a utilidade associada a esse resultado certo é dada directamente pela função de utilidade da riqueza U(x); Considere-se uma lotaria (uma situação com risco) com dois acontecimentos esperados um bom e um mau: o bom pode ocorrer com probabilidade ρ e o mau pode ocorrer com probabilidade (1- ρ) ; No acontecimento bom, o indivíduo ganha o valor a e fica com uma riqueza total igual a x + a; no acontecimento mau, perde o valor a e fica com uma riqueza total igual a x a; A utilidade da riqueza obtida no estado bom é U(x + a); a utilidade da riqueza obtida no estado mau é U(x - a); O valor esperado da riqueza obtida na lotaria é: ( ) = ( 1 ρ)( ) + ρ( + ) E x x a x a L Isabel Mendes/MICRO II 3

4 Seja: A utilidade esperada da lotaria é: { ( )} = ( 1 ρ) ( ) + ρ ( + ) E U x U x a U x a L Avesso ao risco DEFINIÇÃO: um indivíduo é avesso ao risco quando prefere uma riqueza certa obtida sem risco, a essa mesma riqueza obtida através de uma lotaria, ou seja com risco quando a utilidade da riqueza certa, de valor igual ao valor esperado da riqueza de uma lotaria - U[E(x L )] - for maior do que a utilidade esperada da lotaria E[U(x L )]. Ou seja, o indivíduo prefere receber sem risco uma riqueza de valor igual à que esperaria receber se participasse numa lotaria: Isabel Mendes/MICRO II 4

5 Avesso ao risco (continuação): ( ) ( ) U E x > E U x L L valor esperado da riqueza da lotaria utilidade da riqueza certa igual ao valor esperado da riqueza da lotaria utilidade esperada da lotaria ( 1 ρ)( ) ρ( ) ( 1 ρ) ( ) ( ) U x a + x+ a > U x a + ρu x+ a Em termos analíticos e geométricos, a função de utilidade da riqueza U(x) de um indivíduo avesso ao risco é representada por uma função côncava tal que: U( x) 2 x U x 2 x ( ) > 0; < Isabel Mendes/MICRO II 5

6 Avesso ao risco (continuação): Geometricamente: U(x) U(x+a) U[E(x)] U(x EC ) = E[U(x)] U(x-a) PRÉMIO DE RISCO = E(x L ) x EC > 0 U(x) Grau de aversão perante o risco PRÉMIO DE RISCO x-a x EC γ ( ) = x+a ( 1 ρ)( x a) ρ( x a) Ex L = + + x Isabel Mendes/MICRO II 6

7 Amante do risco DEFINIÇÃO: um indivíduo é amante do risco quando prefere uma riqueza esperada obtida através de uma lotaria, ou seja com risco, a essa mesma riqueza obtida sem risco quando a utilidade da riqueza certa, de valor igual ao valor esperado da riqueza de uma lotaria - U[E(x L )] - for menor do que a utilidade esperada da lotaria E[U(x L )]. Ou seja, o indivíduo prefere receber com risco uma riqueza esperada de valor igual à que esperaria receber sem risco: ( ) ( ) ( 1 ρ)( ) ρ( ) U E x < E U x U x a + x+ a < L L valor esperado da riqueza da lotaria utilidade da riqueza certa, igual ao valor esperado da riqueza da lotaria ( 1 ρ) U ( x a) < utilidade esperada da lotaria ( ) + ρu x+ a Isabel Mendes/MICRO II 7

8 Amante do risco (continuação) Em termos analíticos e geométricos, a função de utilidade da riqueza U(x) de um indivíduo avesso ao risco é representada por uma função convexa tal que: ( ) U x x 2 U x 2 x ( ) > 0; > Isabel Mendes/MICRO II 8

9 Amante do risco (continuação) Geometricamente: U(x) U(x+a) PRÉMIO DE RISCO = E(x L ) x EC < 0 U(x) U(x EC ) = E[U(x)] U[E(x)] U(x-a) γ Grau de preferência perante o risco PRÉMIO DE RISCO x-a ( ) = ( 1 ρ)( x a) ρ( x a) Ex L x EC = + + x+a x Isabel Mendes/MICRO II 9

10 Neutro perante o risco DEFINIÇÃO: um indivíduo é neutro perante o risco quando lhe é indiferente escolher entre uma riqueza esperada obtida através de uma lotaria, ou seja com risco, e essa mesma riqueza obtida sem risco quando a utilidade da riqueza certa, de valor igual ao valor esperado da riqueza de uma lotaria - U[E(x L )] - for igual à utilidade esperada da lotaria E[U(x L )]. Ou seja, o indivíduo é indiferente entre receber com risco ou sem risco uma determinada: ( ) ( ) ( 1 ρ)( ) ρ ( ) U E x = E U x U x a + x + a = L L valor esperado utilidade esperada da riqueza da lotaria da lotaria utilidade da riqueza certa, igual ao valor esperado da riqueza da lotaria ( 1 ρ ) U ( x a) = ( ) + ρu x + a Em termos analíticos e geométricos, a função de utilidade da riqueza U(x) de um indivíduo neutro perante o risco é representada por uma função linear Isabel Mendes/MICRO II 10

11 Neutro perante o risco (continuação) Geometricamente: U(x) U(x+a) PRÉMIO DE RISCO = 0 U(x) U[E(x)] = E[U(x)] U(x-a) x-a ( ) = ( 1 ρ)( x a) ρ( x a) Ex L = + + x+a x Isabel Mendes/MICRO II 11

12 2. Aplicações ao mercado de seguros Os conceitos que demos até agora são exemplo de algumas das ferramentas básicas utilizadas habitualmente no mercado de seguros: As companhias de seguros querem vender a maior quantidade de apólices a um preço (prémio de seguro) que lhe maximize os lucros, tendo em consideração o grau de risco segurado; Os clientes querem contratar um seguro que lhes permita cobrir, na totalidade ou em parte, o risco a que estão sujeitos; Obviamente, os clientes avessos ao risco são os que estão interessados em contratar seguros; no entanto, apesar da sua aversão à incerteza, a decisão a tomar sobre a contratação/não contratação do seguro e sobre o respectivo grau de cobertura do risco (total ou parcial) vai depender do prémio de seguro que terá de pagar (o prémio de seguro deve ser interpretado com se se tratasse do preço de um bem ordinário: quanto maior for o prémio a pagar, menor será o grau de cobertura do risco do seguro contratado e vice- versa) Isabel Mendes/MICRO II 12

13 2. Aplicações ao mercado de seguros Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: Seja: Um indivíduo avesso ao risco com uma função de utilidade de riqueza U(x); x 0 a sua riqueza inicial; A sua riqueza inicial está sujeita a um risco de perda: pode perder L unidades monetárias com uma probabilidade ρ; O indivíduo pretende contratar um seguro, pagando um prémio de seguro κ, que lhe garantirá um reembolso de montante A, se a perda ocorrer; Se o seguro for actuarialmente justo, então κ = ρa; Se o seguro não for actuarialmente justo, então κ = ka; Isabel Mendes/MICRO II 13

14 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: Se o indivíduo contratar um seguro actuarialmente justo κ = ρa : a sua riqueza no estado mau (se a perda ocorrer) x 1, será igual a: 0 1 x = x L+ A ρ A e se a perda não ocorrer (estado bom) então a riqueza do indivíduo x n, será igual a: n 0 x = x ρ A Isabel Mendes/MICRO II 14

15 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: A utilidade esperada pelo indivíduo nesta lotaria (situação de risco) se contratar o seguro pagando o prémio actuarialmente justo e garantindo o reembolso A é: 1 n ( ) ρ ( ) ( 1 ρ) ( ) E U x = U x + U x LCS (1) DECISÃO: deve ou não o indivíduo contratar um seguro de protecção contra o risco, que lhe garante um reembolso A, pagando um prémio κ? Resposta: sim, se a utilidade esperada da lotaria com seguro for superior à utilidade esperada da lotaria sem seguro, em sentido estrito. Ou seja quando, em termos analíticos, se verificar a seguinte desigualdade: Isabel Mendes/MICRO II 15

16 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: [ ] > EU [ ] EU LCS LSS OUTRA DECISÃO: dado o prémio de seguro κ actuarialmente justo, qual é o montante de reembolso A que o indivíduo vai contratar? Ou seja, qual deve ser a cobertura óptima A* do seguro contratado? RESPOSTA: o montante de reembolso contratado ou o montante óptimo do reembolso A* vai depender do valor do prémio de seguro e é dado pela maximização da utilidade esperada com lotaria em ordem a A Isabel Mendes/MICRO II 16

17 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: Cálculo do A* para um prémio de valor κ = ρa Seja a seguinte utilidade esperada de um indivíduo avesso ao risco com seguro actuarialmente justo: 0 ( ) ( ) 0 E U x = ρu x L + A ρ A + 1 ρ U x LCS ρ A κ κ x 1 A* é o valor do reembolso óptimo que maximiza a função de utilidade esperada (2): x `n (2) max A* 0 ( ) ( ) 0 E U x = ρu x L+ A ρa + 1 ρ U x LCS ρa κ κ x 1 x `n Isabel Mendes/MICRO II 17

18 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: Cálculo do A* para um prémio de valor κ = ρa Diferenciando (2) em ordem a A e igualando a zero obtém-se o seguinte resultado: ( ) 1 ( ) n ( ) E U x LCS U x U x = ρ( 1 ρ) ( 1 ) 0 1 ρ ρ n = (3) A x x Simplificando (3) obtém-se: U x 1 n ( ) U( x ) x 1 = x n (4) Isabel Mendes/MICRO II 18

19 2. Aplicações ao mercado de seguros ( continuação) Cliente avesso ao risco: decisão sobre contratação de seguro: Cálculo do A* se o prémio for actuarialmente justo A igualdade (4) significa que, se o prémio for actuarialmente justo, A* é o valor do reembolso que iguala a utilidade das riquezas, independentemente do que possa vir a acontecer. A igualdade (4) implica ainda que, para que as utilidades dos dois estados do mundo sejam iguais, então as respectivas riquezas também terão de ser iguais, com ou sem a perda: 1 n 0 0 x = x x L+ A ρa= x ρa A* = L CONCLUSÃO: se um indivíduo for avesso ao risco, o seguro que irá ser contratado se o prémio for actuarialmente justo é um seguro de cobertura total do valor do risco, ou seja, A* = L Isabel Mendes/MICRO II 19

20 2. Aplicações ao mercado de seguros A Decisão da Empresa de Seguros Vamos agora olhar o problema dos contratos de seguros na óptica da companhia seguradora. Seja: A companhia seguradora quer maximizar os seus lucros π: para isso interessa-lhe contratar o maior número possível de apólices de seguro e praticar o prémio de seguro mais elevado possível; Se o estado mau ocorrer, a seguradora terá de fazer ao cliente o reembolso A com probabilidade ρ ; se não ocorrer a seguradora nada paga; independentemente do que possa vir a acontecer, a seguradora recebe sempre o prémio de seguro no valor de κ = ka; Isabel Mendes/MICRO II 20

21 2. Aplicações ao mercado de seguros A Decisão da Empresa de Seguros O lucro esperado da seguradora será igual a: π = ka ρa 1 ρ 0= ka ρa ( ) premio de probabilidade seguro κ = da seguradora receita ter de pagar A= custo de fornecer o seguro Se a seguradora cobrar um prémio de seguro justo, então o valor esperado do seguro é igual ao seu custo. Neste caso o lucro económico da seguradora é nulo: π = ka ρa = 0 k = ρ premio de seguro κ probabilidade da seguradora ter de pagar A Isabel Mendes/MICRO II 21

22 2. Aplicações ao mercado de seguros A Decisão da Empresa de Seguros Como é que a seguradora consegue obter lucros superiores ou igual a zero, com prémios de valor igual ao valor esperado da perda? Esta questão pode constituir um problema para a seguradora se o número de apólices vendidas for pequeno. Para diminuir este risco, as seguradoras tendem a incentivar à venda do maior nº possível de apólices o somatório de todos os prémios de seguros cobrados pela seguradora tende a igualar o somatório das perdas cobertas. LEI DOS GRANDES NÚMEROS: quando uma amostra é crescente, a sua média tenderá para a média da população: a probabilidade de a média da amostra se afastar em mais do que um valor positivo (arbitrariamente pequeno) em relação à média da população tende para zero Isabel Mendes/MICRO II 22

23 2. Aplicações ao mercado de seguros A Decisão da Empresa de Seguros A dispersão do risco pelos clientes permite igualmente à seguradora praticar prémios de seguro mais baratos [mais esclarecimento e exemplos de aplicação no VARIAN e no FRANK, por exemplo] Isabel Mendes/MICRO II 23

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Isabel Mendes 2007-2008 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O que até agora

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II DEPARTAMENTO DE ECONOMIA / PUC-Rio Microeconomia II Lista Adicional de Incerteza c/ Gabarito Questão 1: Considere o caso típico de um investidor cuja renda total se divide em renda do trabalho (salário)

Leia mais

Microeconomia. Parte 10. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Parte 10. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 10 Escolha sob Incerteza Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Descrição do Risco Preferência em Relação ao Risco Redução do Risco A Demanda por Ativos de Risco O Modelo

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Excedente do consumidor e equação de Slutsky Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Estrutura da aula 1 Consumo contingente 2 Utilidade esperada

Leia mais

MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO

MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO LICENCIATURA EM ECONOMIA (2010-11) MICROECONOMIA II MONOPÓLIO E INCERTEZA QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA MONOPÓLIO 1. Um monopolista sujeito a regulação enfrenta a seguinte função procura: P=200-q, e um

Leia mais

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO TOMADA DE DECISÃO 36 Tomada de Decisões Primeiro Passo i. Identificar decisões alternativas. ii. Identificar consequências possíveis. iii. Identificar

Leia mais

A escolha do consumidor sob incerteza

A escolha do consumidor sob incerteza UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL Departamento de Eonomia - DECON A esolha do onsumidor sob inerteza Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 1 Introdução A inerteza faz parte da vida, nos

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado A gestão de activos Ramo Vida Objectivos Política de investimentos; Tipos de risco; A gestão dos riscos financeiros dos fundos de pensões; Estratégias de gestão; Definição da performance da carteira; Conceito

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas, 2015 DECON/UFPEL Rodrigo Nobre Fernandez Microeconomia 1 / 30 Minimização de Custos 1 Suponha que a firma escolhe um certo nível

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Organização interna da empresa

Organização interna da empresa Organização interna da empresa IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Duas questões neste capítulo: A) Em que circunstâncias as empresas preferirão englobar internamente as várias fases

Leia mais

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 a) x ij são as variáveis de decisão apropriadas para o problemas pois devemos indicar quantos

Leia mais

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL Pesquisa Operacional Introdução à Modelagem de Problemas Lineares Recursos Escasso. Componentes de um modelo de PL O modelo Matemático é composto por: Função Objetivo (eq. Linear, Ex.: Lucro) Restrições

Leia mais

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado.

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado. Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ) - Graduação Microeconomia II 1º semestre de 2007 Prof. Paulo C. Coimbra 1º Lista de Exercícios 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES,

INFORMAÇÕES IMPORTANTES, INFORMAÇÕES IMPORTANTES, que devem ser lidas, todas elas, na íntegra, por todos e por cada um dos alunos que estejam matriculados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I ou na disciplina TT 080 Economia

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS?

COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS? COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS? Para ganhar dinheiro com as apostas temos de apostar com valor esperado Para compreender este conceito temos de entender o conceito de valor esperado nulo (ou justo).

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Escolhas sob Incerteza

Escolhas sob Incerteza Escolhas sob Incerteza Roland Veras Saldanha Jr Capítulo 14 17/01/2008 Introdução Nos capítulos anteriores, que cuidaram basicamente dos problemas de escolha dos consumidores e das firmas, uma suposição

Leia mais

' ( ) *+,-& *+../ #$ $% ! &

' ( ) *+,-& *+../ #$ $% ! & ' ( ) # *+,-& *+../!" # #$ $%! & # O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO E A RELAÇÃO NEGATIVA ENTRE SALÁRIO E RISCO DE FALÊNCIA: UMA TEORIA EM EQUILÍBRIO PARCIAL Pedro Cosme da Costa Vieira (pcosme@fep.up.pt), Faculdade

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza.

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza. AVESSO E PROPENSO Questão 2/97. Um indivíduo tem função de utilidade esperada definida por u( w )= w(onde w é a sua riqueza). Seja: - A: a loteria que paga R$ 36 com probabilidade 1/6 e zero com probabilidade

Leia mais

Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação?

Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação? Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação? Há já mais de 30 anos (Decreto Lei nº 553/80, de 21 de Novembro) que o Governo estabeleceu

Leia mais

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade Lupércio França Bessegato Introdução Roteiro Tabela de Retorno e Árvore de Decisão Critérios para Tomada de Decisão Exemplos de Aplicação Referências

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.2

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.2 Microeconomia II ursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.2 Decisão Intertemporal do onsumidor Análise dos Efeitos de Rendimento e de Substituição Isabel Mendes 2007-2008 4//2008

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.3 Oligopólio em Restrições de Capacidade (Edgeworth). Oligopólio de Stackelberg. Variações Conjecturais Isabel Mendes

Leia mais

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Instituto Superior Técnico. 19 de Janeiro de 2001. Parte I

Instituto Superior Técnico. 19 de Janeiro de 2001. Parte I Exame de Compressão e Codificação de Dados Secção de Telecomunicacções DEEC, Instituto Superior Técnico 19 de Janeiro de 1 Parte I Esta parte do exame é constituida por 20 perguntas de resposta múltipla.

Leia mais

2. Imagine um mercado que apresenta as seguintes curvas de oferta e demanda: (Curva de Demanda)

2. Imagine um mercado que apresenta as seguintes curvas de oferta e demanda: (Curva de Demanda) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Economia Quantitativa I Professor: Carlos Alberto Período: 1/7 Segunda Prova Questões 1. Resolver a seguinte integral: 1 ln ( 1 + x.5 ) dx

Leia mais

Programação Linear (PL) Solução do problema (método gráfico)

Programação Linear (PL) Solução do problema (método gráfico) Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Método Gráfico - solução dos exercícios do item 4.3.2 Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi Programação

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Princípios microeconómicos. Sumário aula 1-2. Princípios microeconómicos. Princípios microeconómicos. Exemplos de Custo/Benefício

Princípios microeconómicos. Sumário aula 1-2. Princípios microeconómicos. Princípios microeconómicos. Exemplos de Custo/Benefício Sumário aula 1-2 1) Princípios Os agentes económicos têm necessidades Os recursos são escassos / preço de reserva 2) Custo e Benefício 3) Custo de oportunidade Exemplos 1) Cada indivíduo tem necessidades

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

1) Tomada de Decisão Sem Experimentação, e 2) Tomada de Decisão Com Experimentação.

1) Tomada de Decisão Sem Experimentação, e 2) Tomada de Decisão Com Experimentação. Análise de Decisão 1. Introdução A Análise de Decisão envolve o uso de processos racionais para selecionar a melhor alternativa dentre um conjunto de alternativas possíveis. Os processos de tomada de decisão

Leia mais

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008 Revisões Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Revisões Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A:

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A: MQI 00 ESTATÍSTICA PARA METROLOGIA - SEMESTRE 008.0 Teste 6/05/008 GABARITO PROBLEMA O preço de um certo carro usado é uma variável Normal com média R$ 5 mil e desvio padrão R$ 400,00. a) Você está interessado

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

Introdução à Economia da Gestão Florestal

Introdução à Economia da Gestão Florestal ECONOMIA AMBIENTAL RECURSOS RENOVÁVEIS Introdução à Economia da Gestão Florestal PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE PESCAS E FLORESTAS As florestas são um recurso que se renova no recurso terra, enquanto que

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil Segundo Semestre, 2013 C.T.Cristino (DEINFO-UFRPE) Vetores Aleatórios 2013.2

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

CONTRATAÇÃO E AVERSÃO AO RISCO NO DESPACHO COMPETITIVO DA GERAÇÃO. Álvaro Veiga F o FURNAS. PUC Rio Mercados de Energia

CONTRATAÇÃO E AVERSÃO AO RISCO NO DESPACHO COMPETITIVO DA GERAÇÃO. Álvaro Veiga F o FURNAS. PUC Rio Mercados de Energia SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1. GAE.19 19 a 24 Outubro de 23 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VI ASPECTOS EMPRESARIAIS - GAE CONTRATAÇÃO E AVERSÃO AO RISCO

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Economia Financeira Internacional Curso de Economia, 3º ano, 2001-2002 Época Especial de Exame Dirigentes Associativos 03/05/2002 Parte A Sem consulta Duração: 1 hora 1. Considere as economias A, B e C,

Leia mais

17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min

17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min DE PROVAS BIMESTRAIS 1º, 3º e 5º TERMOS DE MATEMÁTICA 17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min A PROVA SERÁ APLICADA NA SALA DO 3º TERMO DE MATEMÁTICA 1º TERMO MATEMÁTICA DE SUBSTITUTIVA 4ª FEIRA 24/06 - Fundamentos

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO CONDIÇÕES PARTICULARES

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO CONDIÇÕES PARTICULARES 1 ÍNDICE CONDIÇÕES PARTICULARES Conteúdo 1. Estipulante... 3 2. Grupo Segurável... 3 3. Grupo Segurado... 3 4. Segurado... 3 5. Início, Vigência

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 126 MODELAGEM PARA NEGÓCIOS SUSTENTAVEIS. Moisés da Silva Martins Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade

Leia mais

BOLETIM ESCLARECIMENTOS II A partir de 01 Agosto 2010

BOLETIM ESCLARECIMENTOS II A partir de 01 Agosto 2010 BOLETIM ESCLARECIMENTOS II A partir de 01 Agosto 2010 Plano Base oferecido pelo OTOC O que é este seguro? Este seguro de saúde foi negociado em 2007 pela OTOC com o Grupo Espírito Santo (Banco Espírito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular MICROECONOMIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular MICROECONOMIA

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado

Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado Avaliação pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado! Estimativa do Fluxo de Caixa! O método do fluxo de caixa descontado! Valor presente do fluxo de caixa futuro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ CURSO: Mestrado em Engenharia de Transporte ADMISSÃO: 2012/1 ATIVIDADE: Prova Escrita parte integrante do PROCESSO DATA: 21/11/2010 SELETIVO DE INGRESSO

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

MATEMÁTICA ENEM 2009

MATEMÁTICA ENEM 2009 MATEMÁTICA ENEM 2009 19 de setembro PROF. MARCELO CÓSER Essa apresentação pode ser baixada em http://www.marcelocoser.com.br. 01) (UFRJ) Uma operadora de celular oferece dois planos no sistema pós-pago.

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais