MARKETING E TURISMO NO CEARÁ UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING E TURISMO NO CEARÁ UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA"

Transcrição

1 1 MARKETING E TURISMO NO CEARÁ UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA Renato Ângelo de Almeida Moreira 1 Resumo: O presente artigo objetiva caracterizar o marketing como ferramenta necessária para o fomento de políticas públicas e empresariais no Estado do Ceará, revelando seus procedimentos, características e possibilidades. A chamada vocação turística do estado, assim como a relevância de seu produto turístico revelada pelo ostensivo crescimento da participação percentual desta atividade no PIB do Ceará, demanda uma urgente e necessária relação entre o turismo e a prática mercadológica em seu viés estratégico. Palavras chave: Marketing. Plano de Marketing; Marketing Turístico. Políticas Públicas. Abstract: This article aims to characterize the marketing as a necessary tool for the promotion of public policies and business in the State of Ceará (Brazil), revealing its procedures, features and possibilities. The so-called "tourist vocation" of the State, as well as the relevance of its ostensible tourist product revealed by the growth of this activity in the GDP (Gross Domestic Product) percentage shares of Ceará, demand an urgent and necessary relationship between tourism and marketing practice in its strategic bias. Keywords: Marketing. Marketing Plan. Tourism Marketing. Public Policies. Resumen: este artículo pretende caracterizar el marketing como una herramienta necesaria para la promoción de políticas públicas y de las empresas en el estado de Ceará (Brasil), revelando sus procedimientos, funciones y posibilidades. La llamada "vocación turística" del Estado, así como la pertinencia de su producto turístico ostensiblemente revelado por el crecimiento de esta actividad en las acciones de porcentaje de Producto Interno Bruto de Ceará, exige una urgente y necesaria relación entre el turismo y la práctica en su sesgo estratégico de marketing. Palabras clave: Marketing. Plan de Marketing. Turismo de Marketing. Políticas Públicas. 1 Mestre em Políticas Públicas e Sociedade (UECE), Especialista em Gerência Executiva de Marketing (UECE/IEPRO), professor do curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e do Curso de Serviço Social da Faculdade Cearense (FaC).

2 2 Sumário: 1 Introdução; 2 Marketing: conceito e aplicações. 2.1 Planejamento de Marketing no Turismo; 3 Segmentação de Mercado; 4 O Produto Turístico: uma urgência de estruturação; 5 Conclusão; 6 Referências. 1 INTRODUÇÃO Sobra afirmar que o turismo está consolidado como uma das principais estratégias comerciais do Estado do Ceará. Nos últimos 15 anos, a contribuição desta atividade para a receita estadual passou de injustificáveis 4% em 1995 para 10,8% em É que, segundo a OMT, no período de 1975 a 2000, o turismo teve um crescimento médio de 4,6% ao ano, maior que os 3,5% representantes do crescimento médio mundial no mesmo lapso temporal. Esta atividade é ainda responsável pela geração de 6% a 8% do total de empregos no mundo (OMT, 2010). Antes, porém, de tecer comentários sobre a conveniente discussão acerca da necessidade do marketing como atividade empresarial e pública no campo turístico, deve-se, brevemente, expor ao leigo do que se trata tal atividade. Assim, pensar o conceito de marketing como uma prática recente é um grande equívoco. Este termo anglo-saxão (market = mercado / ing = partícula do gerúndio), atualmente muito em moda nas grandes empresas do mundo, teve sua evolução desde a Antiguidade com as rotas de comércio das civilizações antigas como os fenícios. Tudo que ponha o mercado em atividade, em movimento, pode ser considerado como uma ação de marketing (em português: ação no mercado). Logo, pode-se dizer que o marketing é usado também na Idade Média, quando artesões levavam seus produtos às praças ou feiras e os vendiam por um determinado preço, anunciando que seus artigos estavam em promoção. Não se pode esquecer, ademais, dos exemplos incontestáveis de estruturação e fluxo de redes comerciais como ocorreram nas chamadas ligas hanseáticas. Ditas ligas de comércio chegaram a agregar até 80 cidades, capitaneadas pela cidade germânica de Lübeck, por volta do séc. XII. Este fato histórico apontava, inegavelmente, para um novo recrudescimento das atividades de troca obscurecidas pelo longo período de prostração feudal-católica. 2 SETUR CE / IPLANCE

3 3 2 MARKETING: CONCEITO E APLICAÇÕES A concepção moderna do termo marketing, surgido em 1950, esteve em transformação através das décadas e passou por algumas eras ou gerações. A primeira delas era a geração da ênfase na produção industrial. Nesta era o foco se encontrava na indústria, a qual estipulava com plena autonomia diversidade, preço e qualidade de seus produtos. O uso da palavra marketing designava todo processo de pesquisa, produção, vendas, distribuição sem, entretanto, esboçar nenhuma relação entre os diversos órgãos do sistema e sem ter um espaço definido no organograma empresarial. A geração seguinte, na década de 1970, apontava seu foco para as vendas em massa em que se caracterizava o uso da mídia televisiva no processo de propaganda. Esta foi a era dos vendedores, de sua retórica argumentativa e de sua capacidade de forçar as vendas. Neste período o marketing ganhava definitivamente o espaço definido dentro das empresas. A terceira geração se caracteriza pelo foco no produto. Promove-se um estudo sobre design, qualidade, engenharia, variedade de linhas de produtos. Porém, é somente na quarta geração que o cliente entra como figura central das ações de marketing das empresas. São considerados, então, os seus desejos, preferências, comportamento etc. O conceito também sofreu alterações e possivelmente não é estático e definitivo. Em 1960, a American Marketing Association (AMA) definia o conceito como o desempenho das atividades de negócios que dirigem o fluxo de bens e serviços do produtor ao consumidor ou utilizador (COBRA, 1997, p. 23). A evolução do conceito se observa com a definição da Ohio State University onde o marketing foi entendido como sendo o processo na sociedade pelo qual a estrutura da demanda para bens econômicos e serviços é antecipada ou abrangida e satisfeita através da concepção, promoção, troca, distribuição física de bens e serviços (COBRA, 1997, p.23). Kotler, um dos mais proeminentes estudiosos do marketing contemporâneo e o precursor do estudo sistemático do assunto, define este como um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros (KOTLER, 2000, p.30). Desta forma, o marketing estruturado está integrado com toda atividade econômica, pois direciona ações sistemáticas para obtenção, criação, manutenção e

4 4 fidelização de mercados diversos. Isto implica dizer que esta atividade vai além da promoção, conceito com o qual o marketing é constantemente confundido. O marketing é vítima frequente de erros de aplicações conceituais e é muitas vezes confundido com promoção, dissimulação e falta de ética. Neste sentido, Kotler coloca que marketing não pode ser o mesmo que vender porque começa muito antes de uma empresa ter o produto. Marketing é a tarefa, assumida pelo s gerentes, de avaliar necessidades, medir sua extensão e intensidade e de determinar se existe oportunidades para lucros. A venda ocorre somente depois que o produto é fabricado. O marketing continua por toda a vida do produto, tentando encontrar novos clientes, melhorar o desempenho do produto, tirar lições dos resultados das vendas do produto e gerenciar as vendas repetidas aos mesmos clientes (KOTLER 1999, p.32). O marketing é essencial para as empresas que tem como meta principal a satisfação de seus clientes. A busca por uma colocação confortável no mercado passa obrigatoriamente por conceitos como qualidade, preço adequado, responsabilidade social, respeito ao consumidor, encantamento do cliente, diferenciação da concorrência. Todos estes conceitos podem ser trabalhados com os elementos da teoria de mercado. Dentro das divisões existentes do marketing tem-se: marketing de produtos, institucional, de serviços, industrial, pessoal, social 3 (ou de causa social), turístico, entre outros. Praticamente em todas as ocasiões onde existem processos de troca de produtos e/ou serviços será possível a manutenção de ações da teoria mercadológica. Quando se juntam duas grandes áreas conceituais como mercadologia e turismo, o normal é que se tenha um amplo cabedal de conceitos e técnicas tanto prolixas quanto profícuas. O turismo como uma nomenclatura de abrangência plural pode abrigar as diversas ações do mix de marketing dentro de sua variedade 4. Assim, marketing de turismo pode ser definido como Um processo administrativo através do qual as empresas e outras organizações de turismo identificam seus clientes (turistas, reais e potenciais, e com eles se comunicam para conhecerem e influenciarem suas necessidades, desejos e motivações nos planos local, regional, nacional e internacional em que atuam, com o objetivo de formular e adaptar seus produtos para alcançar a satisfação ótima da demanda (BENI, 2006, p.220). Segundo Krippendorf (1989, p.18), o marketing turístico consiste em uma adaptação sistemática e coordenada da política das empresas de turismo, tanto privadas, como 3 O marketing para Causas Sociais (MCS) pode ser definido como uma ferramenta estratégica de marketing e de posicionamento que associa uma empresa ou marca a uma questão ou causa relevante, em benefício mútuo (PRINGLE & THOMPSON, 2000, p.03).

5 5 do Estado, no plano local, regional, nacional e internacional, visando à plena satisfação das necessidades de determinados grupos de consumidores, obtendo, com isso, um lucro apropriado. Atualmente, em meio a uma acirrada disputa por espaço nos mais variados mercados, o marketing pode ser considerado como uma peculiar ação estratégica empresarial capaz de conquistar e manter clientes através da tão almejada fidelização. Este ambiente macro, envolto em intensas disputas, incrementadas pelo aumento da concorrência e de outros agentes microambientais, serve como pano de fundo para a legitimação e a utilização do marketing como ferramenta empresarial na guerra de mercados. MacCarthy criou o Composto de Marketing ou Mix de Marketing para que fossem mais bem compreendidos todos os fatores que estão presentes na relação de troca entre produtor e consumidor. Ele conceituou os quatro elementos que ficaram conhecidos como os 4P s: product, price, promotion, place, que podem ser entendidos como produto, preço, promoção e distribuição, respectivamente. Segundo MacCarthy (1996), para que as ações voltadas ao mercado se concretizem, é necessário que: (1) o produto possua qualidade, variedade, nome de marca e quantia que atenda ao gosto e ao desejo de cada grupo de consumidores; (2) o preço se adéqüe ao que o consumidor pode pagar, às suas expectativas, que seja justo, que faça parte de uma política em que descontos, liquidações e prazos de pagamento sejam definidos e estipulados de maneira a estimular o processo de troca e que esta seja viável para ambas as partes; (3) a comunicação informe de maneira clara e direta quais as características diferenciais que o produto ou serviço possui, seu preço e o local onde ele pode ser comprado, fazendo uso da propaganda, força de vendas, promoção de vendas, relações públicas e merchandising; (4) a distribuição leve o produto (ou disponibilize o serviço) ao ponto de venda mais adequado a cada grupo de consumidores, facilitando o processo de compra e logísticos coerentes. Neste sentido, apresenta-se a ideia do marketing de relacionamento que, depois das eras de manipulação do cliente, do foco na produção e do foco no produto, tem papel fundamental na era do foco no cliente. Nesta era existe uma maior importância ao que o cliente quer, sente e pensa. O próprio cliente parece estar mais exigente. Além da transformação nos consumidores, as empresas têm de enfrentar as mudanças no ambiente competitivo e na área tecnológica. Para Beni (2006, p. 221), o marketing competitivo é um novo conceito resultante da combinação de duas técnicas: a de marketing e de 4 Para uma pesquisa exaustiva das variedades de turismo, ver Beni (2006).

6 6 competitividade, o que significa que se deve considerar neste contexto a identificação de clusters e microclusters 5, mercados e segmentos de mercado (com seus respectivos nichos e sub-nichos), oportunidades competitivas e diferenciais de um produto turístico considerado per si. O marketing de relacionamento se apresenta, pois, como a chave para a sobrevivência em ambientes de intensa concorrência e rápidas mudanças. O desafio está em ultrapassar as etapas do processo de desenvolvimento de clientes que, segundo Kotler (2000, p. 72), são: possíveis clientes; clientes potenciais; clientes eventuais; clientes regulares; clientes preferenciais; clientes associados; defensores; parceiros. Antes de ser estruturada pelo governo cearense, no setor do turismo, seria necessário antes um prévio desenvolvimento de um eficaz sistema de banco de dados de clientes (database marketing) capaz de aproximar o prestador de serviço ao turista através da customização. O Quadro 1 abaixo contempla a relação existente entre o nível do marketing de relacionamento, a margem de lucros da empresa e o número de clientes. Quadro 1 Relação entre Marketing de relacionamento, margem de lucro e número de clientes Margem alta Margem média Margem baixa Muitos clientes / distribuidores Responsável Reativo Básico ou reativo Quantidade média de clientes/distribuidores Pró-ativo Responsável Reativo Poucos clientes/distribuidores Parceria Pró-ativo Responsável Fonte: Adaptado de Kotler (2000, p.73) Observa-se acima que empresas com muitos clientes e margens de lucro pequenas preferem o marketing básico, ou seja, aquele em que o vendedor simplesmente vende o produto. Entretanto, quando a situação é inversa (poucos clientes e altas margens de lucro), a empresa busca a parceria com clientes e melhora o desempenho do produto com sua preciosa ajuda. No caso específico do turismo, existem alguns pontos chave que merecem atenção em um mix de marketing. A atividade turística tem grande ligação com o item promocional, 5 Cluster (do inglês colméia ou ajuntamento ) refere-se ao grupo de empresas instaladas em determinada região que, sendo líderes em seus ramos, interagem entre si de forma orgânica, proporcionado umas aos outros produtos e serviços de

7 7 pois o serviço turístico só será tangível ao cliente quando este efetuar a compra da viagem ou passeio. O trabalho de divulgação deve ser intenso e fiel ao que se oferece in loco. Tal divulgação pode ser dividida em dentro do país (interna) e em outros países (externa), contendo informações importantes sobre formas de pagamento. Outra variável importante no turismo a ser trabalhada na parte promocional é a imagem do produto. Esta imagem, que pode ser de uma cidade, país, região, pode ser trabalhada pelo marketing, entretanto depende de vários aspectos sociais e governamentais. A criação de uma marca forte é fundamental em todo processo do composto promocional. As marcas consideradas mais fortes são aquelas que geram associações, daí o porquê do grande interesse atual em torno do marketing social. As marcas fortes têm o poder de trazer a mente de membros dos mercados-alvo outra palavra ou idéia associada ao slogan ou à própria marca, quase sempre positiva, que pode ser decisiva no processo de efetivação da compra. Por fim, o marketing como ação empresarial e suas ferramentas tem, entre outras funções: definir o alvo mercadológico, determinar a espécie e a qualidade dos produtos a serem oferecidos, fornecer o que os clientes desejam e superar suas expectativas, cuidar para que o preço e distribuição sejam adequados ao mercado e ao que quer a empresa, prever os desejos e as necessidades dos clientes e planejar todos os passos para se alcançar o alvo mercadológico. 2.1 PLANEJAMENTO DE MARKETING NO TURISMO A importância de um plano de marketing bem estruturado, com análise de ambiente, foco no cliente, pesquisa de mercado, conhecimento da concorrência, estratégia correta, é evidente para qualquer empresa que anela ter resultados favoráveis e, até certo ponto, previsíveis. A visão mercadológica estrutural de planos para a atuação nos mercados, engendrada através das últimas décadas, parece ter resultado em um manancial de técnicas e estratégias muito úteis no mercado globalizado. Entenda-se o panorama de tal mercado como a hegemonia das grandes potências capitalistas (...) o ocaso do Estado-Nação e a submissão dos territórios nacionais às forças internacionais da globalização (MAGNOLI, 1997, p. 5). Claro está que todos os mercados têm suas peculiaridades. Tais diferenças impelem o empresário a uma conduta diferenciada no trato com suas unidades de negócios implementando, ordenadamente, as abordagens mercadológicas adequadas a cada setor. que necessitam com um superior processo de maximização de resultados da cadeia produtiva plurisetorial. Para aprofundar

8 8 O turismo tem a necessidade de um tratamento mercadológico específico por ser uma atividade mundial, muito competitiva e que pode ser extremamente rentável. Um dos primeiros passos para uma correta utilização no turismo no Estado cearense das ferramentas mercadológicas é o desenvolvimento pertinente de um plano de marketing. Neste tipo de plano é possível criar mercados e a promoção para satisfazê-los. Segundo Mota (2001, p.122), existem três fases na elaboração de um plano de marketing. Na primeira identificam-se e medem-se as oportunidades que se oferecem nos mercados alternativos; na segunda, determinam-se os objetivos que se pretende alcançar com o turismo em determinado tempo e desenvolvem-se técnicas para alcançar tais objetivos; na terceira, traça-se uma estratégia com a introdução de elementos concretos para a comercialização dos produtos. Em Westwood apud Mota (2001, p. 123), encontra-se um processo de planejamento de marketing modelo para a aplicação na atividade turística. Seu processo envolve: estabelecer objetivos corporativos, realizar pesquisa interna e externa de mercado, realizar uma análise SWOT, fazer suposições, estabelecer objetivos de marketing e estimar os resultados esperados, desenvolver as estratégias de marketing / planos de ação, definir programas que incluam planos de comunicação, elaborar orçamentos, escrever o plano, usar um sistema de controle, rever e atualizar o plano (feedback & controle). O que deve ficar claro sobre o plano é o onde se quer chegar (objetivos) e como se vai chegar (estratégia). Estes dois pontos são fundamentais para o correto desenvolvimento do plano, sendo que o objetivo corporativo tende a ser expresso em termos financeiros. A pesquisa auxilia no processo de retratar a realidade, é uma radiografia do mercado como ele se encontra. Esta realidade do mercado turístico é muito rica e envolve hotéis, restaurantes, agencias etc. De forma integrada com os vários itens componentes do trade turístico, o governo tem uma função ordenadora, limitadora e direcionadora. Como aspectos relevantes na política de apoio ao turismo, é possível destacar a articulação com governos municipais, trade e comunidades; regulamentação do meio-ambiente com as devidas restrições e oportunidades; informação, base de dados, pesquisa de mercado, segmentação de mercados (apoio diferenciado) articulação para mercados novos e promoção de turismo. Cabe ao Governo do Estado ainda a função de indução e formação dos pequenos negócios turísticos, atração e captação de investimentos de forma viável e que não ver Alfredo (1998) ou Potter (1998)

9 9 comprometa a integridade socio-ambiental das regiões turísticas, capacitação para gestores e funcionários de turismo através de campanhas de conscientização e treinamento voltados ao turismo. Compete à Secretaria de Turismo do Estado a criação e implementação de tal plano e este deve ser abrangente e estruturado de forma lógica, pautado nos preceitos do marketing como visão de unidades de negócios. Para um direcionamento correto na implementação do plano de marketing, é imprescindível o desenvolvimento de uma pesquisa de mercado abrangente capaz de responder a perguntas como: Que segmento(s) compraria este produto turístico? Quais os produtos similares no mercado? Quais os preços praticados no mercado? Quais os segmentos de mercado mais sensíveis ao produto (Ceará) e quais as oportunidades de alcançar novos segmentos? Qual é o perfil e como é o comportamento dos clientes? Uma pesquisa de mercado turístico é relevante para que se faça um estudo de viabilidade em que se observam os custos do produto, definição do preço possível, tendências do mercado, além do perfil do turista (análises psicográfica, demográfica, comportamental e geográfica). A utilização da pesquisa mercadológica pode e deve ser feita nas três fases de criação, implementação e controle do plano, para que sejam feitos as adaptações e os controles necessários. É pertinente a manutenção de pesquisas permanentes aplicadas em turistas, agências de turismo, operadoras, empresas de transporte etc. A análise ambiental (análise do ambiente externo, ambiente do consumidor e análise organizacional) é outro importante item a ser apresentado no plano de marketing. Neste item não pode faltar uma análise precisa dos macroambientes demográfico, econômico, tecnológico, natural, socio-cultural, político-legal, assim como a ação dos agentes microambientais (clientes, concorrência, distribuidores e fornecedores). O turismo é particularmente sensível a estes ambientes e toda ação dos criadores do plano do marketing turístico deve estar voltada para atualização das orientações deste com os citados ambientes para que possam realizar alterações oportunas em sua estratégia. No caso do Ceará, por exemplo, a análise do ambiente demográfico trataria de, através de um estudo das populações de países ou regiões, definir o escopo turístico estratégico. Esta análise possibilita uma adequação correta da oferta turística através do estudo etário populacional. Um país como o México, com uma população jovem, tem um tipo de demanda potencial mais aventureira (turismo esportivo, trilhas, ecoturismo) que a

10 10 população japonesa (uma das mais velhas do mundo). Logo, uma análise ambiental pertinente, entre outras ações, permite uma ajuda preciosa no direcionamento do composto promocional, no modo de abordagem e na definição do público alvo. Ademais, a Análise SWOT, fundamental nos bastidores de qualquer plano de marketing, pode fazer parte também dos planos turísticos de governo como ferramenta auxiliar no auto-conhecimento do potencial turístico do Estado e de todo o trade. Abaixo observa-se um exemplo desta análise voltada ao tema turístico. Análise SWOT do Turismo no Ceará Pontos Fortes Pontos Fracos Atrativos turísticos naturais Demanda interna favorável Investimento do capital transnacional Proximidade de grandes mercados potenciais Oportunidades Destino turístico alternativo Poucos hotéis afiliados a cadeias hoteleiras Implementação de parcerias Eminentes eventos esportivos internacionais Demanda reprimida em turismo esportivo; ecoturismo, turismo histórico Deficiências de infra-estrutura Falta de mão de obra especializada (em nível operacional, tático e estratégico) Políticas públicas de turismo do País Instabilidade por demandas sazonais Desafios Acesso rodoviário Financiamento (longo prazo) Divulgação do destino Segurança do turista Melhoria do Serviço turístico Resgate e revitalização da cultura popular e ícones da história do estado. O Ceará goza de uma boa imagem nacionalmente, se levado em conta o aspecto de sua beleza natural. O Estado dispõe de diversos atrativos naturais, muitos em estado de primeira natureza, além do conhecido binômio Sol e Mar, componentes valorizados em mercados como o Sudeste e Sul do Brasil, EUA e Europa. Existem grandes oportunidades como o desenvolvimento de parcerias nacionais e internacionais em serviços de hotelaria, locadoras de veículos, serviços financeiros, no composto Distribuição do Produto Turístico (entre outros). Há uma tendência globalizante em prol da implementação dos negócios do setor turístico como estratégia de redenção econômica em vários países. O Ceará, desde o primeiro governo de Tasso Jereissati, vem se empenhando em aquecer o mercado do turismo no Estado. Dentro desta perspectiva, um plano integrado de marketing a ser desenvolvido pelo governo necessitaria ainda explicitar as metas e estratégias para o setor, expondo harmoniosamente os compostos mercadológicos: Produto (Turismo), Preço, Promoção e Distribuição. Percebe-se que um plano não pode ser definitivo e inflexível. Em setembro de 2001, uma série de atentados terroristas abalou os EUA e o mundo de uma forma sem precedentes. Tal ataque teve reflexos em várias economias e o turismo entrou em cheque. Ainda em 2001 fatos como o assassinato de seis turistas portugueses em Fortaleza, a abalar as

11 11 relações com o maior mercado emissor do Estado, e a crise argentina constituem ocorrências inesperadas e de grande impacto econômico. Para acompanhar tais variações do mercado turístico, pois, faz-se mister a inserção bem estruturada e dinâmica da avaliação e do controle do plano. Na definição do alvo mercadológico, observam-se as vantagens e desvantagens inerentes a cada escolha. O quadro 2, a seguir, traça uma análise comparativa dos aspectos qualitativos referentes ao mercado nacional e internacional. Quadro 2 Descrição Mercado Internacional Mercado Nacional Vantagens Desvantagens Alto poder aquisitivo; Permite entrada de divisas; Intercâmbio cultural; Aumento do fluxo turístico; Mercado potencial amplo e praticamente ilimitado; Possibilita atrair investidores em empreendimentos turísticos Pacotes fechados gerando certo distanciamento local; Investimentos mercadológicos elevados; Longo processo de promoção; Baixo grau de fidelidade; Pode gerar turismo sexual; Altamente competitivo; Muito suscetível a notícias da mídia sobre saúde, violência, economia e outros fatores. Fonte: Mota (2001, p.64) Turismo mais regular e mais frequente; Períodos mais amplos de permanência; Facilidades do mesmo idioma e mesma moeda; Fluxo natural dos Estados próximos; Inter-relação direta com o povo e a cultura local; Ausência de intérpretes; Ausência de intempéries (furacões, terremotos, guerras, etc) Menor sensibilidade à mídia sensacionalista. Mercado com menor poder aquisitivo; Dimensões restritas; Não possibilita entrada de divisas no país; Menor possibilidade de atração de investimentos estrangeiros. 3 SEGMENTAÇÃO DE MERCADO Sabe-se que, para que o produto turístico seja ofertado de forma coerente e bem sintonizado com a demanda, é preciso um esforço de planejamento prévio no sentido de segmentar o mercado existente. Dentro do que Kotler (2000, p. 278) chamou de marketing de mercado-alvo, existem três passos a serem seguidos: (a) Segmentação de Mercado identificação da descoberta do perfil de grupos distintos com interesses em comum; (b) Mercado Alvo seleção de um ou mais segmentos de mercado; (c) Posicionamento de Mercado determinação e promoção dos produtos chave no mercado. A segmentação de mercado difere diametralmente da conduta tomada pelo chamado marketing de massa em que o foco de ação está na produção e distribuição

12 12 indiscriminada do que se deseja ofertar. Ela está localizada entre o marketing de massa e o individual (one-to-one). Os gastos com o turismo podem ser elevados e improfícuos caso a segmentação de mercado seja mal feita ou caso se adote uma estratégia de marketing de massa. O Ceará dispõe de produtos variados que podem ser explorados de formas diversas para diferentes mercados pontuais, segmentos ou até nichos de mercado. Através da segmentação, os mercados podem ser alocados em grupos a partir de suas características peculiares como localização geográfica, preferências, poder aquisitivo, hábitos de compra. Logo, o turista da Região Sudeste terá grupos de necessidades diferentes do turista da Região Nordeste e cada um destes mercados deve ser estudado com cuidado pelos profissionais do marketing turístico, cabendo a estes últimos a tarefa de penetração nestes mercados potenciais de forma viável e lucrativa dentro de uma estratégia macro. A manutenção do marketing individual no turismo ainda é um desafio. Sua utilização é dispendiosa e talvez não se justifique neste segmento. Entretanto, existem nichos de mercado turístico pouco explorados. Assim, como entende Kotler (2000, p.279), o nicho é um grupo definido mais estritamente, um mercado pequeno cujas necessidades não estão sendo totalmente satisfeitas, e, dentro do mercado do turismo cearense, existem nichos potenciais promissores. Há que se pensar em hotéis para diferentes nichos assim como atividades culturais, esportivas, artesanais, ecológicas etc. O que parece faltar é uma boa estruturação mercadológica envolvendo todos os setores sociais relacionados com o turismo. Caso estes nichos fossem explorados de forma correta, as opções de atividades poderão se diversificar (tanto na capital como no interior do Estado) e isto pode significar um aumento da permanência de turistas e, consequentemente, maior lucratividade. Os segmentos do mercado turístico contemplam, na concepção de Ignarra (vide quadro 3), uma grande variedade de segmentos. É justamente sob estes segmentos e critérios de segmentos que se deve debruçar exaustivamente qualquer política pública, estratégia empresarial ou de outros órgãos de atuação no trade turístico. Todo este estudo sobre segmentação de mercado e seu aparente inesgotável leque de opção pode refletir-se na concepção de um plano harmônico de turismo contribuindo para uma correta estruturação da oferta, melhoria dos lucros por meio do aumento de satisfação do cliente. Quadro 3 Critérios de segmentação Idade Nível de renda Segmentos Turismo infantil, juvenil, meia idade, terceira idade Turismo popular, de classe média, de luxo

13 13 Meio de transporte Duração da permanência Distância do mercado consumidor Tipo de grupo Sentido do fluxo turístico Condição geográfica da destinação turística Aspecto cultural Grau de urbanização da destinação turística Motivação da Viagem Fonte: Ignarra (1999, p.80) Turismo aéreo, rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial/lacustre Turismo de curta, média e longa duração Turismo local, regional, nacional, continental, intercontinental Turismo individual, de casais, de famílias, de grupos Turismo emissimo, receptivo Turismo de praia, de montanha, de campo, de neve Turismo étnico, religioso, histórico Turismo de grandes metrópoles, de pequenas cidades, rural, de áreas naturais Turismo de negócios, de eventos, de lazer, de saúde, educacional, de aventuras, esportivo, de pesca Cabe ressaltar que o turismo, como uma prestação de serviço, não pode ser experimentado antes de seu uso. Logo, no chamado momento da verdade (quando o serviço deixa de ser promessa e se torna tangível), processam-se todas as reações, boas ou más, dos consumidores em relação aos prestadores de serviços. Um atendimento mal feito, uma necessidade mal atendida, uma surpresa negativa constituem um anti-marketing grave e de efeito irremediável e quase sempre, de grande propagação. As regras para a identificação de um grupo de consumidores dentro da segmentação de mercado respeitam certas bases. Estas bases estão dispostas na figura 1 a seguir. Através das bases para segmentação, pode-se conhecer o mercado de forma mais profunda auxiliando no engendro do produto e em sua divulgação eficaz. Aumenta-se, assim, a participação de mercado em segmentos significativos de consumo e, como consequência, melhoria da lucratividade e da imagem do Estado como destino turístico nos segmentos-chave. Outro aspecto importante para se segmentar o mercado turístico é descobrir a motivação da viagem. A motivação determina aquilo que o consumidor deseja. As pessoas são motivadas por necessidades e desejos. Figura 1 Bases para Segmentação Geográfica Demográfica Psicográfica Comportamental divisão políticoadministrativa (Estado, região, pais bloco) Idade, sexo Infantil, adolescente, terceira idade etc./ masculino feminino, alternativo, Gls Classe social classe operária, média, classe alta Ocasiões - viagens em datas especiais (aniversários, eventos, carnavais, férias escolares, etc) extensão territorial (tamanho, raio de ação) Est.civil, tamanho e ciclo familiar solteiro, casado c/ 1 filho menor, separado Estilo de vida metódico, impulsivo, intelectual Benefícios, motivação qualidade, economia, proximidade, lazer, aventura, cultura

14 14 concentração (urbana, suburbana rural) Clima (frio, seco tropical, etc) Fonte: Kotler apud Mota (200, p.66) Educação, ocupação, renda grau de instrução p. liberal, f. público, aposentado, estudante, operário Raça, religião nação branca, negra, oriental, católica, protestante, judaica, sul-americana Personalidade compulsiva, sociável, ambiciosa Relacionamento interpessoal individualista, extrovertido, gregário Condições de consumo primeira vez, turista potencial, turista habitual, exusuário Taxa de uso, fidelidade pequena, média, alta, periodicidade de realização das viagens (semanal, mensal, semestral, anual, etc.) Atitude, aptidão entusiástica, indiferente, hostil, inconsciente, consciente, informado É importante saber que, segundo a metodologia VALS 6, o estudo sistemático do estilo de vida dos clientes é uma ferramenta estratégica de grande relevância dentro da estruturação de ações mercadológicas como estruturação do produto, da comunicação com o público alvo, descoberta e exploração de novos nichos de mercado etc. A premissa desta metodologia de estudo do comportamento do consumidor é a análise psicográfica de clientes (fidelizados ou potenciais). O consumo seria relacionado a um conjunto elementos que constituiriam um estilo de vida, como o dos consumidores com mais recursos (atualizados, satisfeitos, empreendedores e experimentadores) e com menos recursos (crédulos, lutadores, executores e esforçados). O conhecimento destas forças que influenciam o comportamento do consumidor é de grande relevância na estratégia do plano mercadológico. Pessoas diferentes formam grupos heterogêneos que têm motivações diversificadas. Segundo Beni (apud MOTA 2000, p.67), um dos principais meios para segmentar o mercado é através da identificação do motivo da viagem. Entre os motivos mais conhecidos estão: lazer, necessidade de evasão, status, ecológico, aventureiro, esportivo, comercial, estudantil, religioso, congressos e eventos. A adequação da estratégia de marketing e do produto turístico a estas motivações efetiva o foco no cliente e lança as bases para uma campanha de fidelização ou um marketing de relacionamento. A maneira como uma empresa atende às necessidades dos seus clientes 6 Values and Lifestyle (Valores e Estilo de Vida) é uma metodologia de estudo do comportamento do consumidor desenvolvido pelo SRI International.

15 15 diferencia-a de sua concorrência. No caso específico de um Estado de vocação turística, esta ênfase no marketing de relacionamento pode ser fomentada pelo governo de uma forma a integrar e somar ações hoteleiras, e de todos os profissionais envolvidos no negócio turístico. Seria uma tarefa difícil, mas compensadora. 4 O Produto Turístico: uma urgência de estruturação O produto turístico é uma mescla de serviços e estruturas tangíveis, como a natureza e instalações hoteleiras. É formado por atrativos naturais, culturais, estrutura turística, preço e comercialização, tendo sua estrutura turística é formada basicamente de: (a) Infra-estrutura básica: Energia, serviços de água, saúde e saneamento, telecomunicações, entre outros; (b) Acesso: hidrovias, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, rodoviárias; (c) Equipamentos turísticos: hotéis, transportes terrestres, marítimos e fluviais, agências de viagens, operadoras, centro de informações, parques de diversões, bares, parques temáticos, centros culturais; (d) Serviços turísticos: Guias, camareiras, recreacionistas; (e) Equipamentos de apoio: Casas de câmbio, lojas, postos de gasolina; (g) Serviços de apoio: Serviços de garçons, serviços mecânicos, bancários; (h) Facilidades: mapas, folders bilíngues, guias ou programações disponíveis on-line. O produto turístico, como enfrenta grande concorrência (concorrência mundial desde a revolução nos transportes e acirrada com a internet), tem de criar incessantemente diferenciais em si e em seus serviços correlatos, como transportadoras, restaurantes e locais de visitação. Existem algumas opções estratégicas para isto, como ampliação do leque de atrações, criação de parcerias, agregação de valores aos serviços prestados de forma criativa, criando uma cadeia de valores ou um diferencial em torno do produto turismo, aumentando as vantagens competitivas da região em questão. O governo pode exercer a função de vetor de integração entre os setores econômicos envolvidos no turismo, sem agir como entrave para o desenvolvimento econômico da região, mas atentando para a preservação do ambiente físico, cultural, social e ambiental. Deve, ainda, impor limites para avanço do neoliberalismo sobre o chamado desenvolvimento sustentável, não deixando que este se torne um termo vazio de significado e apreciável apenas na falácia política. Ademais, ao se programar ou estruturar um produto turístico, é conveniente o uso das estratégias cabíveis referentes ao período do ciclo de vida do produto. Segundo

16 16 Ruschmann (1997, p. 03) as fases deste ciclo de vida das destinações turísticas podem ser divididas em: 1. Exploração: Crescimento lento da demanda; 2. Investimento e desenvolvimento: investimento com a participação e o controle dos equipamentos da população local e desenvolvimento com aumento da demanda através de um intenso trabalho de publicidade e promoção de vendas; 3. Consolidação: Estabilidade da demanda, domínio dos serviços turísticos pelas empresas e serviços multinacionais que possibilitam o controle dos custos e a estabilidade competitiva da região; 4. Declínio ou rejuvenescimento: Desgaste econômico, social e ambiental. Observa-se a obsolescência dos equipamentos turísticos e das atividades. A preferência dos turistas já não é observada e produto não surpreende mais o visitante. É notória a fase de desenvolvimento e expansão do produto turístico cearense na atualidade. Se forem consideradas séries históricas, principalmente da última década, avaliase um franco processo de recrudescimento da atividade receptiva local. 5 Conclusão Podem-se tirar algumas conclusões sobre o produto turístico cearense. Uma delas é que, dada a segmentação qualquer, o produto pode ter não um, mas vários ciclos de vida diferentes. Como exemplo, temos o mercado nacional e o internacional. O Ceará como destino de turistas nacionais pode estar em seu momento de expansão e desenvolvimento, ao passo que, para os turistas estrangeiros, o Estado esteja em uma fase introdutória. Ou ainda, pode-se afirmar que cada País, Estado ou Região é considerado como mercado em separado e existe um processo independente para cada um deles, diferentes fases de ciclo de vida e, obviamente estratégias particulares para cada situação. De toda forma há um grande potencial inexplorado no Estado, pois, em comparação com a capital portuguesa (apenas como exemplo fortuito), onde o impacto direto e indireto do setor das viagens e turismo na região de Lisboa foi de 9,15% do PIB daquela região em 2007, nossa participação e market share ainda parece tímida. Além disso, a recente confirmação da participação do Ceará em eventos de relevância internacional (como a Copa do Mundo de Futebol em 2014 sediada pelo Brasil e a Copa das Confederações um ano antes) sinaliza, ao mesmo tempo, um macroambiente favorável e desafiador. Além dos desafios políticos, das carências infraestruturais históricas e das instabilidades climáticas cada vez mais presentes, pode ser elencada como um grande

17 17 desafio a qualificação efetiva de vários setores relativos ao negócio turístico do Estado em todos os níveis: desde o operacional, o tático, até o estratégico. Neste sentido, o marketing e seu planejamento a curto, médio e longo prazo apresentam-se como uma necessidade premente tanto para a estruturação do estado para enfrentar ameaças e mitigar os pontos fracos, como na concepção que faz deste uma ação estatal e empresarial estratégica de caráter contínuo e habitual. 6 Referências Bibliográficas ALFREDO, Lopes Neto. O que é o cluster? Fortaleza: Edições IPLANCE, BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 11ª edição. São Paulo: Editora Senac São Paulo, COBRA, Marcos. Marketing Básico: uma perspectiva brasileira. 4ª ed. São Paulo: Atlas, Marketing de serviços: conceitos e estratégias. São Paulo: Mc Graw-Hill, Marketing Competitivo. São Paulo: Ed. Atlas, IGNARRA. L. R. Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira, JOUGLAS, Paulo. Marketing de Serviços: Intek - ESPM 1988 KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura, Adminstração de Marketing, São Paulo: Prentice Hall, KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do Turismo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, McCARTHY, E.J., Basic Marketing: A managerial approach, 12 ed. Homewood, IC: Irwin, MAGNOLI, Demétrio. Globalização: Estado nacional e espaço mundial. São Paulo: MOTA, Keila C. Nicolau. Marketing Turístico. São Paulo: Ed. Atlas, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO. Barômetro Mundial do Turismo, Vol. 8 Número1. OMT, PORTER, M. & C. Montgomery. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. RJ: Campus, 1998.

18 18 PRINGLE, Hamish. THOMPSON, Marjorie. Marketing Social. Marketing para causas sociais e a construção das marcas. São Paulo: Makron Boocks do Brasil, RUCHIMMANN, Doris. Marketing turístico: um enfoque promocional. Campinas: Papirus, Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas: Ed. Papirus, 1997.

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ Camilla Moro Piekarski 1 RESUMO Dentro de uma nova ordem mundial, com meios cada

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque Conteúdo Programático 1- Introdução ao Turismo: Gestão Local Conteúdo Programático TEMA GERAL : Abordagem sistêmica do fenômeno turismo. Inclui aspectos de mercado

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: CST Marketing Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Planejamento de Marketing.

Planejamento de Marketing. Planejamento de Marketing. Análise de Mercado Identificação de Riscos e Oportunidades Segmentação de mercado; Seleção de mercado alvo Objetivos de Marketing Estratégia de diferenciação de produto Estratégia

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Marketing. - Fatos históricos.

Marketing. - Fatos históricos. Marketing - Fatos históricos. Escambo. Produção e consumo baixos. Crescimento do consumo. Crescimento da produção = paridade. Explosão da produção. Marketing é o desempenho das atividades de negócios que

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 3 Estratégias e Mudanças Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais