INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014"

Transcrição

1 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de

2 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes análises e abordagens Economia x Administração Desempenho x eficiência Instrumento único para analisar vários destinos Amostra: destinos turísticos Índice do Turismo Nacional: 65 destinos (27 capitais e 38 não capitais) 2

3 Competitividade de Destinos Tendência Mundial Países Empresas / Indústrias Turismo(WEF, Australia, Hong Kong, UNWTO) Análise de diferentes metodologias Travel & Tourism Competitiveness Index WEF Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) FGV

4 Competitividade Abordagens Desempenho Ex post Eficiência Ex ante número de turistas, volume de passageiros, taxa de ocupação (resultado do desempenho) Existência de atrativos, patrimônio, UC (aspectos gerenciáveis) Indicadores de desempenho são uma consequência da competitividade

5 Competitividade - Teorias Competição Competitividade Olha para seus concorrentes Olha para seus recursos e competências Capacidade de ser melhor que os outros Capacidade de produção e de inovação

6 Por que avaliar a competitividade? Competitividade por que avaliar? A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo Acompanhar o desenvolvimento dos destinos (série histórica) Reunir informações que subsidiem o planejamento estratégico de um destino Fomentar investimentos em áreas prioritárias

7 Competitividade de Destinos Pesquisa de campo: 5 dias por destino Dados secundários coletados em fontes oficiais (FGV gabinete) Dados primários coletados por meio de entrevistas (triangulação, análise documental) Visitas técnicas (observação)

8 Competitividade de Destinos Prefeito Gestor municipal de turismo ou similar e técnicos Gestor municipal de Cultura, Meio Ambiente, Planejamento, Obras, Fazenda, Saúde Representante de turismo do SEBRAE Responsável pela instância de governança regional Representantes das entidades de classe e empresários do setor hoteleiro, de alimentação, de receptivo e do Convention & Visitors Bureau Outros (técnicos e servidores, entidades de sindicatos e associações do setor, Ongs, gestores de atrativos privados, etc)

9 Competitividade de Destinos Infraestrutura geral Acesso Serviços e equipamentos turísticos Atrativos turísticos Marketing e promoção do destino Políticas públicas Cooperação regional Monitoramento Economia local Capacidade empresarial Aspectos sociais Aspectos ambientais Aspectos culturais

10 Infraestrutura geral Capacidade de atendimento médico para o turista no destino Fornecimento de energia Serviço de proteção ao turista Estrutura urbana nas áreas turísticas

11 Acesso Acesso aéreo Acesso rodoviário Acesso aquaviário Acesso ferroviário Sistema de transporte no destino Proximidade de grandes centros emissivos de turistas

12 Serviços e equipamentos Sinalização turística Centro de atendimento ao turista Espaços para eventos Capacidade dos meios de hospedagem Capacidade do turismo receptivo Estrutura de qualificação para o turismo Capacidade dos restaurantes

13 Atrativos turísticos Atrativos naturais Atrativos culturais Eventos programados Realizações técnicas, científicas ou artísticas

14 Marketing e promoção Plano de marketing Participação em feiras e eventos Promoção do destino Estratégias de promoção digital

15 Políticas públicas Estrutura municipal para apoio ao turismo Grau de cooperação com o governo estadual Grau de cooperação com o governo federal Planejamento para a cidade e para a atividade turística Grau de cooperação público-privada

16 Cooperação regional Governança Projetos de cooperação regional Planejamento turístico regional Roteirização Promoção e apoio à comercialização de forma integrada

17 Monitoramento Pesquisas de demanda Pesquisas de oferta Sistema de estatísticas do turismo Medição dos impactos da atividade turística Setor específico de estudos e pesquisas

18 Economia local Aspectos da economia local Infraestrutura de comunicação Infraestrutura e facilidades para negócios Empreendimentos ou eventos alavancadores

19 Capacidade empresarial Capacidade de qualificação e aproveitamento do pessoal local Presença de grupos nacionais ou internacionais do setor de turismo Concorrência e barreiras de entrada Geração de negócios e empreendedorismo

20 Aspectos sociais Acesso à educação Empregos gerados pelo turismo Política de enfrentamento e prevenção à exploração de crianças e adolescentes Uso de atrativos e equipamentos turísticos pela população Cidadania, sensibilização e participação na atividade turística

21 Aspectos ambientais Estrutura e legislação municipal de meio ambiente Atividades em curso potencialmente poluidoras Rede pública de distribuição de água Rede pública de coleta e tratamento de esgoto Patrimônio natural e Unidades de Conservação no território municipal

22 Aspectos culturais Produção cultural associada ao turismo Patrimônio histórico e cultural Estrutura municipal para apoio à cultura

23 Competitividade de Destinos : 65 destinos (MTur/Sebrae) 2009: 65 destinos (MTur/Sebrae) + 11 (MG) 2010: destinos (MTur/Sebrae) + 17 (MG) 2011: 65 destinos (MTur/Sebrae) 2012: 7 destinos (SETUR RS) 2013: 65 destinos (MTur/Sebrae) + 18 (SETUR MG) +26 (SETUR RS) 2014: 65 destinos (MTur/Sebrae)

24 Competitividade como estamos? Índice de Competitividade do Turismo Nacional (2013) ,5 52,1 46,9 61,9 54,0 48,4 64,1 56,0 50,3 65,5 57,5 51,8 66,9 58,8 53, Brasil Capitais Não Capitais

25 Competitividade como estamos? Índice de Competitividade do Turismo Nacional (2013) ,5 52,1 46,9 61,9 54,0 48,4 64,1 56,0 50,3 65,5 57,5 51,8 66,9 58,8 53, Brasil Capitais Não Capitais DIMENSÕES COM MAIORES ÍNDICES Infraestrutura geral DIMENSÕES COM MENORES ÍNDICES Marketing e promoção do destino Aspectos ambientais Cooperação regional Economia local Monitoramento

26 Destinos turísticos competitivos Cuide da articulação Turismo atividade diferenciada Crie um conselho - junte publico e privado Compartilhe responsabilidades e resultados

27 Destinos turísticos competitivos Faça planejamento e monitore Plano de desenvolvimento x plano de marketing Estabeleça objetivos metas e alinhe com a realidade Crie um painel de indicadores

28 Destinos turísticos competitivos Conheça o seu mercado potencial Tempo Acesso Tamanho e Poder aquisitivo

29 Destinos turísticos competitivos Defina os seus produtos prioritários Onde você é competitivo O que o mercado quer Comercializado x potencial

30 Destinos turísticos competitivos Pense em eventos como produtos Crie um calendário de eventos Ocupação x promoção de destino Reforço de imagem

31 Destinos turísticos competitivos Pense em tudo o que o seu turista possa comprar Caminho do turista Produção local - experiência única Cultura e entretenimento

32 Destinos turísticos competitivos Faça gestão da imagem Conteúdo Gestão de crise Integração e coerência Posicionamento Objetivos mais amplos

33 Destinos turísticos competitivos Pense em sustentabilidade Ambiental Cultural Social

34 Airton Pereira Agnes Dantas

A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo

A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo Acompanhar o desenvolvimento dos destinos (série histórica) Reunir informações que subsidiem o

Leia mais

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI APRESENTAÇÃO Com o intuito de auxiliar destinos turísticos a analisar, conjugar e equilibrar os diversos fatores que, para além da atratividade, contribuem para a evolução

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

INSTITUTO MARCA BRASIL. www.marcabrasil.org.br

INSTITUTO MARCA BRASIL. www.marcabrasil.org.br INSTITUTO MARCA BRASIL www.marcabrasil.org.br PROJETO INVESTIMENTOS EM HOSPITALIDADE MERCADO IMOBILIÁRIO TURÍSTICO DESCRITIVO Apoio aos empreendedores nacionais na apresentação de projetos para investidores

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro

Leia mais

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo PLANO DE AÇÃO NR 01 /2013-2014 Ação/proposta: Viabilizar a construção da torre de observação de pássaros (Ecoturismo). Descrição da ação/proposta: Articular juntos as lideranças municipais e junto a UHE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL FORTALEZA 2015

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL FORTALEZA 2015 ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL FORTALEZA 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral. Ação: Capacitar em Gestão

Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral. Ação: Capacitar em Gestão Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral Ação: Capacitar em Gestão 1. Palestras no Fórum com representantes ABRASEL e ABIH (nos seis municípios) 1. Associativismo

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região Proposta e estudo temático para Seminário a ser realizado em Visconde de Mauá. Vila de Visconde de Mauá. Serra da Mantiqueira, agosto de 2010. Domitila Bercht 1. APRESENTAÇÃO Este estudo pretende ser uma

Leia mais

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Gestão do Turismo Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Secretaria Municipal de Turismo Grupo Gestor Destino Indutor Estudo de Competitividade Breve Histórico - Primeira Pesquisa MTUR/FGV 12/01 a 18/01/2008

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa 3 Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM V EGEPE SÃO PAULO MARÇO 2008 Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável do País através da melhoria constante da produtividade, da qualidade e da inovação

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS AGOSTO, 2009 PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS Meios de Transportes Atrativo Turístico Necessidades do Turista Turista O turista compra direto com a rede de prestadores de serviços turísticos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL NATAL 2015

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL NATAL 2015 ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL NATAL 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

PORTFOLIO. Os valores que permeiam o trabalho da Prisma são:

PORTFOLIO. Os valores que permeiam o trabalho da Prisma são: PORTFOLIO A Prisma Consultoria é uma empresa voltada para o marketing de destinos, produtos, serviços e instituições, com foco em planejamento, gestão de produto, comunicação, comercialização e inovação

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor Programa Região de Aveiro Empreendedora Filipe Teles Pró-reitor 30 de junho de 2015 EIDT 2020: uma estratégia para a Região VISÃO Uma Região inclusiva, empreendedora e sustentável, que reconhece no seu

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

As Agendas de Inovação dos Territórios Algumas reflexões INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA

As Agendas de Inovação dos Territórios Algumas reflexões INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 O que é Inovação? Produção, assimilação e exploração com êxito da novidade, nos domínios económico e social. Livro Verde para a Inovação (Comissão Europeia, 1995) 2 Os territórios

Leia mais

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Profissional Autonoma Abril 2009

Leia mais

Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo. Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International

Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo. Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International Plano Municipal de Turismo Platum 2004/2006 Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International 1 Platum 2004-2006

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios

Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios Foz do Iguaçu PR 30 de maio de 2014 Força das Pequenas Empresas 8,7 Milhões optantes no Simples 4

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Manifesto Público Turismo da Estância de Atibaia

Manifesto Público Turismo da Estância de Atibaia Manifesto Público Turismo da Estância de Atibaia Elaborado por representantes do trade turístico da Estância de Atibaia Julho / 2012 Documentos base: 1. Empresa Indústrias Criativas Estratégias e Projetos

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 Telefone: (91) 3110-5000 E-mail: gesturpara@gmaiil.com Plano Ver-o-Pará Plano Operacional de Desenvolvimento SETUR; Macroprograma

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Objetivo Ampliar o olhar sobre a propriedade rural, fornecendo ferramentas para identificar e implantar

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 Promoção Turística - Comitê executivo - Proposta inicial - Estrutura Turística Fecomércio 01/10/2009 Infraestrutura Comunicação Dados Comitê Integração GT

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos

PROGRAMA DE FORMAÇÃO. Calendário Geral de Cursos PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Calendário Geral de Cursos FORMAÇÕES REGULARES 12 Concurso Público da Função Pública 20 horas 18 22 11 15 14 19 9 14 13 Elaboração de Projectos 60 horas 15 3 12 30 14 Gestão de

Leia mais

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas para a extensão. São elas: 1) Função Acadêmica- fundamentada

Leia mais

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de Janeiro de 2015 A Madeira

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO DATAS DOS EXAMES * 1º SEMESTRE CURRICULAR - NOTURNO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO DATAS DOS EXAMES * 1º SEMESTRE CURRICULAR - NOTURNO 1º SEMESTRE CURRICULAR - NOTURNO SALA 301 Contabilidade I Matemática Geral Fundamentos da Administração Estatística Leitura e Produção de Textos Contabilidade I Matemática Geral Fundamentos da Administração

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES SIGA ZMBAEESP11/00 Rua Almirante Protógenes, 290 Bairro Jardim Santo André SP - CEP 09090-760 - Fone: (11) 4433 3222 Av.

Leia mais

65 DESTINOS INDUTORES

65 DESTINOS INDUTORES ESTUDO DE COMPETIVIDADE DOS 65 DESTINOS INDUTORES DO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO REGIONAL PARATY Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Turismo Luiz

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI

IEL INSTITUTO EUVALDO LODI INSTITUTO EUVALDO LODI IEL Integra o Sistema Indústria juntamente com CNI, SESI, SENAI e Federações Possui mais de 44 anos de atuação em todo o território Brasileiro Tem o compromisso com o aumento da

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

EMPREENDER NA ESCOLA

EMPREENDER NA ESCOLA PROGRAMA para o APRESENTAÇÃO O O programa Empreender na Escola Metodologia Programa Didático - Manuais Implementação do projeto Cronograma de atividades Formação e Acompanhamento Prémios 2 O PROJETO A

Leia mais