EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EMATER-PR PROCESSO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EMATER-PR PROCESSO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA"

Transcrição

1 EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EMATER-PR PROCESSO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004

2 SUMÁRIO 1- BREVE HISTÓRICO DA ORIGEM DA ADMINISTRAÇÃO RURAL: O AMBIENTE DAS EMPRESAS: Ambiente Geral: Ambiente Tarefa: CONCEITO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA: Elementos chaves do processo gestão: OBJETIVO GERAL: Objetivos específicos para o cliente agricultor: Quanto ao desempenho da empresa/propriedade agropecuária e sua relação com o ambiente: Quanto ao desempenho interno da empresa/ propriedade agropecuária: Quanto à melhoria do desempenho da empresa/ propriedade rural: Objetivos específicos para os extensionistas da EMATER -PR: ABRANGÊNCIA: METAS: ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO: Estratégia de produção capital físico: Estratégia de compras e suprimentos: Estratégia de recursos humanos capital humano: Estratégia de finanças capital financeiro: Estratégia de vendas e marketing: Sistema de informação e de decisão: Estratégia operacional: ETAPAS DO PROCESSO GESTÃO AGROPECUÁRIA: Etapas do processo gestão a nível de empresa/ propriedade: Etapas internas do processo gestão (EMATER- PR): MODELOS/PRODUTOS DE GESTÃO PROPOSTOS: Modelo 1: gestão dos custos e do fluxo financeiro do produto: Modelo 2: gestão do produto: Diagnóstico: Estudo de mercado (verificar o item 9.4.6): Planejamento: Modelo 3: gestão da propriedade/empresa rural: Diagnóstico: Estudo de mercado (verificar o item 9.4.6): Planejamento: (observar o item 9.2.3) Modelo 4: gestão de um novo negócio Funções principais do plano de negócio: Objetivo do plano de negócio: Identificação da oportunidade de negócio: Escolha da melhor alternativa de negócio Diagnóstico: Estudo de mercado fatores e produtos: Estratégia de produção: Localização do empreendimento: Objetivos e metas do empreendimento: Engenharia do projeto: Estratégia de compras e de suprimento de insumos e de matéria-prima: Estratégia de comercialização e de marketing: Avaliações de viabilidades - financeira, econômica, ambiental, política e social: Análise de riscos e incertezas: Legislação e termos regulatórios sobre o empreendimento: Identificar fatores críticos de sucesso do empreendimento: Fontes de financiamento: Modelo 5: gestão da qualidade total na agricultura: Diagnóstico: Estudo de mercado (verificar o item 9.4.6): Planejamento: FLUXOGRAMA DO PROCESSO GESTÃO DA EMPRESA/PROPRIEDADE RURAL: BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

3 PROCESSO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA Odilio Sepulcri¹ Sidnei A. Baroni¹ Milton S. Matsushita¹ 1- BREVE HISTÓRICO DA ORIGEM DA ADMINISTRAÇÃO RURAL: A administração rural teve sua origem no início do século XX, junto às Universidades de Ciências Agrárias, na Inglaterra e Estados Unidos da América, nos chamados "Land Grant College", com a finalidade de analisar a viabilidade econômica das técnicas agrícolas. Tinha um conceito parcial da administração rural, enfocando, prioritariamente, a área de produção e a função controle. A aplicação e os estudos de extensão consideravam, principalmente, a alocação de recursos, registros contábeis e financeiros, sendo a contabilidade simplificada o instrumento "gerencial" mais divulgado. Nesta fase inicial, a administração rural era tida como um ramo da economia rural, embora essa visão ainda persista em muitas instituições. Lima (1982), em seu artigo "O objetivo da administração rural", após analisar vários enfoques e definições sobre Administração Rural, elaborou a seguinte conceituação: "Administração Rural é um ramo da ciência administrativa que estuda os processos racionais de decisões e ações administrativas em organizações rurais". Com este conceito o autor abre espaço para o acesso a todas as teorias administrativas, desde a abordagem clássica de Taylor e Fayol até a moderna teoria de desenvolvimento organizacional. Dessa forma, foram agregados ao conceito de administração rural os conceitos das áreas de finanças, comercialização e marketing, recursos humanos, sendo áreas tão relevantes como a produção. Ressaltou-se, também, além do controle, a importância das demais funções administrativas (planejamento, organização e direção). Na Extensão Rural do Paraná, a administração rural foi incluída em seu conteúdo desde o seu início, com a fundação da Associação de Crédito e Assistência Rural do Paraná (ACARPA), em ¹ Eng. Agr. Extensionista da EMATER - PR 3

4 Após foi dada continuidade pela sua sucessora Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Paraná (EMATER - PR), cuja maior ênfase foi dada na década de 1970 e início de 1980, quando a administração rural passou a contar com estrutura técnica específica para a assessoria ao gerenciamento das propriedades rurais. Posteriormente, a partir de 1998, com a implantação do projeto Redes de Referência, em apoio à agricultura familiar, voltou a ter prioridade. 2- O AMBIENTE DAS EMPRESAS: Toda empresa está inserida em um ambiente onde influencia e é influenciada por este. Tais influências afetam direta e indiretamente o resultado produtivo e, consequentemente, os resultados da empresa rural. O ambiente representa o universo que envolve externamente a empresa, (figura 1), sendo constituído de outras empresas e organizações, grupos sociais, enfim toda a sociedade. Segundo Jesus e Zambalde (1997, p.24 a 27), é no ambiente externo que a empresa obtém a maioria dos recursos materiais, financeiros, humanos, mercadológicos e informações para o seu funcionamento. Dessa forma, valorizaramse as interrelações propriedade rural e ambiente, desenvolvendo o conceito de que, numa moderna empresa rural, cerca de 50% das decisões estão fora de seus domínios. Logo, o "ambiente", com suas organizações e instituições interagindo com as unidades de produção agrícola, é também objeto de estudo da Administração rural. Segundo Chiavenato (1982), o ambiente é dividido em ambiente geral e ambiente tarefa Ambiente Geral: O ambiente geral ou macroambiente é constituído de um conjunto de fatores externos que envolve e influencia todas as empresas. É constituído das seguintes variáveis: - Variáveis tecnológicas: envolvem os conhecimentos totais acumulados de como fazer as coisas. Inclui invenções, técnicas, aplicações, desenvolvimentos e outros. Elas podem ser externas à empresa, quando são absorvidas do ambiente, tornam-se também internas, quando são desenvolvidas e aplicadas na empresa. 4

5 - Variáveis políticas: decorrem das políticas e critérios de decisão adotadas pelos governos federal estadual e municipal, bem como pelos governos estrangeiros, quando as decisões destes exercem influência relevante sobre as atividades da empresa. - Variáveis econômicas: referem-se ao contexto econômico geral. O efeito das variáveis econômicas sobre as empresas é acentuadamente grande, determinando, por vezes, o volume de operações das mesmas, o nível de preços e de rentabilidade potencial, a possibilidade na obtenção de recursos básicos, os mecanismos de oferta e procura do mercado em geral. - Variáveis legais: referem-se ao contexto de leis e normas legais que regulam, controlam, incentivam ou restringem determinados tipos de comportamento em geral. - Variáveis sociais: sendo a empresa, ao mesmo tempo, uma organização social e uma unidade econômica, está sujeita a pressões sociais e à influência do meio social e cultural em que se situa. - Variáveis demográficas: referem-se às características da população, seu crescimento, raça, distribuição geográfica, etc. - Variáveis ecológicas: referem-se ao ecossistema solo, vegetação, animais, clima. Para o setor rural é importante, uma vez que determina e condiciona todo o processo produtivo Ambiente Tarefa: É o meio ambiente específico da empresa e corresponde ao segmento do ambiente geral mais próximo e operacional da empresa. É constituído por empresas, instituições, grupos e indivíduos que atuam no mesmo setor e que são relevantes para a empresa poder estabelecer e alcançar os seus objetivos. Este ambiente é constituído de quatro setores principais: - Clientes da empresa: são os consumidores e usuários dos produtos ou serviços da empresa. Geralmente este setor é denominado de mercado de clientes ou de consumidores. - Fornecedores da empresa: referem-se aos fornecedores de todos os recursos necessários ao funcionamento da empresa, isto é, os fornecedores de capital, materiais, insumos, de mão-de-obra, equipamentos e de serviços. É conhecido 5

6 como o mercado de suprimento de insumos e materiais necessários às operações da empresa. - Concorrentes: é constituído por empresas que concorrem entre si para a obtenção de recursos necessários e para a conquista dos mercados para a colocação dos seus produtos e serviços. - Grupo reguladores: são compostos pelo governo, sindicatos, associações, etc. Essas instituições de alguma forma, impõem controles, limitações e restrições às atividades da empresa, seja especificando maneiras pelas quais ela deverá se conduzir, seja limitando suas ações ou fiscalizando e controlando suas atividades. Observa-se, quanto ao controle, que os fatores externos à empresa (ambiente) podem ser subdivididos em dois grupos: os fatores controlados pelo governo, como a legislação, política agrícola, fiscal e cambial, etc. e os fatores incontroláveis, regidos, principalmente, pelo mercado e sociedade. Os fatores internos à empresa rural são controlados pelo produtor. Figura 1. A empresa: ambiente geral e ambiente tarefa (Chiavenato,1982) Variáveis Tecnológicas AMBIENTE GERAL AMBIENTE DE TAREFA Variáveis Políticas Variáveis Econômicas Cliente Concorrentes Empresa Fornecedores Grupos Reguladores Variáveis Legais Variáveis Sociais Variáveis Ecológicas Variáveis Demográficas 6

7 3- CONCEITO DE GESTÃO AGROPECUÁRIA: Para efeito do presente trabalho, considera-se que gestão e administração têm o mesmo significado. Entende-se por gestão agropecuária um processo de tomada de decisão e ação, focada no mercado, sobre a alocação, organização e a utilização dos recursos produtivos e da informação, para a obtenção de determinados resultados que, por sua vez, são esperados em função dos objetivos do agricultor e de sua família. É a relação existente entre os resultados obtidos através do gerenciamento efetivo dos fatores de produção, monitorando o seu uso, comparando resultados e corrigindo seus rumos, quando necessário Elementos chaves do processo gestão: Os elementos chaves, a seguir, deverão nortear o processo de gestão agropecuária: - Foco no resultado; - Liderança; - Visão sistêmica; - Flexibilidade; - Tomada de decisão baseada em fatos e dados; - Utilizar e maximizar os meios e recursos; - Desenvolvimento sustentável (econômico, social e ambiental) - Desenvolver a criatividade e apoiar a inovação; - Satisfação do cliente (compromisso com a qualidade); - Lucratividade (compromisso com o lucro). 4- OBJETIVO GERAL: Reestruturar a área de administração rural para a atuação de forma processual, em apoio aos processos econômicos e ao desenvolvimento empresarial dos agricultores no atingimento de seus objetivos Objetivos específicos para o cliente agricultor: 7

8 Quanto ao desempenho da empresa/propriedade agropecuária e sua relação com o ambiente: Elaborar o diagnóstico externo da empresa/propriedade agropecuária: - Analisar o ambiente geral e de tarefa da empresa verificando suas relações com o mercado (clientes, fornecedores, concorrentes) e demais componentes, identificando oportunidades, ameaças, riscos e tendências de seu negócio Quanto ao desempenho interno da empresa/ propriedade agropecuária: Elaborar o diagnóstico interno da empresa/propriedade (diagnóstico técnico, econômico, financeiro e ambiental), identificando seus pontos fortes e pontos a melhorar: Entende-se por diagnóstico o resultado de um sistema de informações internas da situação atual da empresa, que envolve a coleta ou levantamento, registros, ordenação, análise ou interpretação e síntese de dados, fatos e informações, comparados a uma situação desejada. Etapas a serem observadas: - Analisar a estrutura, a composição dos negócios da propriedade e o valor de seus ativos; - Analisar o funcionamento da propriedade: seus processos produtivos, a tecnologia, seus fluxos administrativos, financeiros e materiais, seus pontos fortes e críticos (gargalos); - Analisar os resultados técnicos (produtividade dos fatores e indicadores técnicos de desempenho) econômicos (indicadores econômicos, taxa de retorno e tempo de recuperação do capital) e financeiros (indicadores financeiros, fonte de recursos, capacidade de pagamento, lucros e perdas) Quanto à melhoria do desempenho da empresa/ propriedade rural: Planejamento elaborar o planejamento da empresa/ propriedade, visando: - Implementar os objetivos do produtor e de sua família; - Implementar as ações identificadas no diagnóstico; 8

9 - Otimizar o gerenciamento dos processos produtivos para a obtenção de produtos/ benefícios gerando riqueza, competitividade e desenvolvimento sustentável; - Aumentar a racionalidade no processo de Tomada de Decisão fundamentada em fatos e dados e com o apoio de ferramentas adequadas; - Organizar sistemas de informações em apoio às decisões, utilizando-se da INTERNET como canal de informação e de comercialização; - Contribuir com o aumento da satisfação e da motivação dos trabalhadores envolvidos no processo produtivo; - Refletir sobre as vantagens e os meios de obtenção dos ganhos proporcionados pela escala de produção, utilizando-se da parceria como ferramenta; - Analisar a viabilidade técnica, econômica e financeira de novas oportunidades de negócio Objetivos específicos para os extensionistas da EMATER -PR: - Apoiar os processos econômicos da EMATER - PR. - Capacitar os extensionistas participantes dos times dos processos econômicos nos componentes da administração rural; - Discutir, analisar e difundir sistemas de produção sustentáveis; - Estruturar a área de Administração Rural/Gestão Agrícola para atuação de forma processual; 5- ABRANGÊNCIA: A abrangência do processo gestão será negociada com cada processo econômico de acordo com seus objetivos. 6- METAS: As metas serão estabelecidas conforme o objetivo do processo econômico e o modelo de gestão a ser adotado. 7- ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO: A estratégia de negócio, apresentada na figura 2, ilustra as áreas envolvidas na gestão da empresa agropecuária dentro de uma visão holística. A seguir, os conteúdos que compõem, resumidamente, cada estratégia. 9

10 Figura 2. Estratégia de negócio visualizando as áreas envolvidas na gestão da empresa agropecuária. GESTÃO DA EMPRESA AGROPECUÁRIA AMBIENTE Estratégia de Negócio Estratégia de Compras e Suprimentos Estratégia de R. Humanos Estratégia de Produção Estratégia de Finanças Estratégia de Vendas e MKT Sistema de Informação e Decisão AMBIENTE 10

11 7.1- Estratégia de produção capital físico: Envolve todos os setores ligados à produção. A gestão da produção pode ser entendida como sendo um processo empresarial que administra o fluxo de recursos produtivos e informações, dentro de um sistema pré definido no qual os recursos são reunidos e transformados, de uma forma controlada, a fim de agregar valor de acordo com os objetivos empresariais. As principais ações são: - Projeto ou plano de produção; - Definição de objetivos e produtos; - Definição de metas; - Estrutura de produção e seu arranjo físico; - Organização do processo tecnológico e de produção; - Cronograma de produção; - Controle e gerenciamento da produção; - Avaliação dos resultados obtidos; 7.2- Estratégia de compras e suprimentos: Compreende a aquisição de insumos, materiais, serviços e principalmente a administração de estoques, transporte e armazenagem. As principais ações são: - Especificação de materiais, insumos e qualidade; - Previsão de demanda; - Orçamentos e custos dos produtos; - Cadastro e avaliação de fornecedores; - Negociação com fornecedores e estabelecimento de parcerias; - Contratos administrativos; - Gestão de estoque; - Custo de armazenagem e de transporte; - Inventário de materiais Estratégia de recursos humanos capital humano: Esta área trata dos cargos, funções e tarefas de todas as pessoas que trabalham na empresa/ propriedade, inclusive os membros da família, para atingir os objetivos da mesma. Considera-se aqui, também, o conhecimento estratégico (gestão do conhecimento) que a empresa deve dominar para ser competitiva com seus produtos. 11

12 O estilo gerencial da liderança da empresa que proporciona a participação dos funcionários, o reconhecimento, a capacitação e a aprendizagem contínua, favorecem a obtenção dos resultados e de um clima organizacional agradável Estratégia de finanças capital financeiro: Administra os recursos financeiros da empresa como o orçamento de capital, escolha da estrutura de capital, administração da liquidez e controle contábil financeiro (fluxo de caixa, custos de produção, apuração de resultados, avaliação patrimonial) e os riscos financeiros Estratégia de vendas e marketing: Do ponto de vista gerencial, o Marketing consiste na análise, planejamento, implementação e controle de ações destinadas a realizar as trocas desejadas com os mercados-alvo, de modo a atingir as metas da empresa. Um plano de Marketing deve considerar: - Produto (qualidade, marca, embalagem, linhas de produtos, características e opções); - Praça (canais de distribuição, venda eletrônica, pontos de venda, regiões de vendas, níveis e locais dos estoques, transporte e entrega); - Promoção (propaganda, promoção de vendas, publicidade); - Preço (nível de preço, formas de pagamento, descontos e reduções); - Marketing de relacionamento (comunicação com o cliente, satisfação do cliente e serviços pré e pós-venda) Sistema de informação e de decisão: Para alguns autores, cerca de metade das decisões são tomadas fora da empresa, em seu ambiente. Isto reforça a necessidade de se organizar um sistema de informações internas e externas, para apoiar o processo de tomada de decisão do empreendedor, diminuindo seus riscos. O sistema de controle da empresa é a base para geração de dados para compor o sistema de informações internas. Para a organização do sistema de informações externas, utilizam-se todos os meios de comunicação existentes, inclusive a INTERNET. Para tanto, os responsáveis pela administração deverão estar sempre bem atualizados. 12

13 Existem diferentes tipos de decisões programadas e não programadas, que podem ser classificadas segundo os diferentes níveis administrativos: Nível operacional - é um processo pelo qual se assegura que as atividades operacionais sejam bem desenvolvidas, utilizando-se procedimentos e regras de decisões preestabelecidas; Nível tático - as decisões são normalmente relacionadas ao controle administrativo e utilizadas para decidir sobre operações de controle, formulação de novas regras de decisão, que irão ser aplicadas por parte do pessoal de operação e alocação de recursos; Nível estratégico - as decisões englobam a definição de objetivos, políticas e critérios gerais para planejar o rumo da empresa. O propósito é desenvolver estratégias para que a empresa seja capaz de atingir seus grandes objetivos. A tomada de decisão e a ação correta estão tornando-se cada vez mais importantes na gestão das propriedades rurais. Diariamente surgem problemas (resultado indesejável de um trabalho ou de um processo), que precisam ser resolvidos. Toma boa decisão quem tem a melhor informação e está capacitado; assim, identificar bem os problemas, suas causas e priorizá-las é uma questão fundamental. Para isto, é necessário um método que considere na tomada de decisão os passos a seguir: - Identificar o problema que restringe o resultado esperado; - Observar o problema; - Analisar o problema; - Buscar alternativas para a solução do problema; - Avaliar as alternativas; - Decidir, escolhendo a melhor alternativa para solução do problema; - Agir implementando a alternativa selecionada para corrigir o problema Estratégia operacional: A estratégia operacional será definida juntamente com o implementador do processo econômico. Pretende-se que cada processo organize um grupo mínimo para estruturar as ações da gestão dentro do modelo escolhido e gerar as informações para os demais componentes do processo. Este grupo, com apoio do processo gestão, define a metodologia a ser usada, as ferramentas de apoio, o número de 13

14 produtores a serem monitorados, os eventos a serem realizados, os resultados a serem obtidos, enfim, toda a estratégia a ser adotada. 8- ETAPAS DO PROCESSO GESTÃO AGROPECUÁRIA: As etapas do processo gestão passarão pelas funções administrativas de planejamento, organização, direção (liderança) e controle Etapas do processo gestão a nível de empresa/ propriedade: - Diagnóstico do processo administrativo da empresa/propriedade, direção e liderança dos negócios, processo interno de tomada de decisão e administração das unidades de negócio (processos produtivos); - Diagnóstico técnico, econômico, financeiro e ambiental do negócio agropecuário; - Seleção de alternativas para solução dos pontos críticos diagnosticados; - Estudo de mercado; - Planejamento das ações (objetivos, metas, orçamento, cronograma); - Implementação do plano conforme cronograma; - Organização de um sistema de controle e de informações; - Monitoramento do processo produtivo pela medição e correção das atividades críticas na sua execução e dos fluxos financeiros e de materiais. (gestão dos resultados em tempo real); - Avaliação dos resultados financeiros, econômicos, técnicos e ambientais frente aos objetivos propostos; - Adoção da melhoria e da aprendizagem contínua Etapas internas do processo gestão (EMATER- PR): - Identificar as demandas dos processos finalísticos; - Selecionar o modelo de gestão a ser implementado e a equipe de trabalho; - Capacitar a equipe de trabalho; - Elaborar o plano de trabalho, implementar e avaliar resultados. O processo gestão poderá ser implementado com maior ou menor rapidez, dependendo do interesse e envolvimento da equipe, do processo finalístico e da necessidade e demanda do cliente. 14

15 9- MODELOS/PRODUTOS DE GESTÃO PROPOSTOS: Em função da abrangência do conteúdo e de sua complexidade, estão sendo propostos cinco modelos/produtos de gestão, que utilizarão diversas ferramentas, para que os implementadores escolham qual o modelo a ser adotado, em função dos objetivos do processo finalístico. Todos os modelos apresentados, a seguir, passam por etapas seqüenciais de maior ou menor complexidade, seguindo uma escala crescente de um a cinco, dependendo dos objetivos de cada negócio ou processo econômico Modelo 1: gestão dos custos e do fluxo financeiro do produto: Este modelo compreende a elaboração de custos de produção, fluxo de caixa, orçamentos parciais e totais de um determinado produto ou processo. As atividades propostas são: - Analisar o capital envolvido no processo produtivo; - Analisar as receitas geradas, suas principais fontes e os principais gargalos; - Analisar o custo de produção do produto em seus diversos níveis de análise (no curto e no longo prazo), identificando seus pontos críticos; - Organizar os indicadores técnicos, econômicos e financeiros da atividade; - Orientar a elaboração de orçamentos parciais e totais; - Organizar um sistema de registro e de informações para monitorar a atividade; 9.2- Modelo 2: gestão do produto: Este modelo compreende a análise interna e externa do sistema de produção de um produto e de sua cadeia produtiva. As atividades propostas são: Diagnóstico: - Elaborar o diagnóstico técnico, econômico, financeiro e ambiental do negócio agropecuário; - Selecionar as alternativas para solução dos pontos diagnosticados; 15

16 Estudo de mercado (verificar o item 9.4.6): Planejamento: - Planejar as ações (objetivos, metas, orçamento, estratégia e cronograma de execução); - Implementar o plano; - Organizar um sistema de controle e de informações em apoio às decisões; - Gerenciar e monitorar o processo produtivo pela medição e correção das atividades críticas na sua execução e dos fluxos financeiros e de materiais (gestão dos resultados em tempo real); - Avaliar os resultados econômicos, financeiros, técnicos e ambientais frente aos objetivos propostos; - Capacitar os executores; - Praticar a aprendizagem e a melhoria contínua Modelo 3: gestão da propriedade/empresa rural: Este modelo compreende a análise interna e externa da propriedade como um todo, envolvendo todos os componentes produtivos e da cadeia produtiva, dentro de uma visão holística. Analisa seus recursos produtivos, seus produtos (negócios) e seus resultados técnicos, econômicos e financeiros de cada negócio e no agregado. As atividades propostas são: Diagnóstico: - Analisar o processo administrativo da empresa/ propriedade, direção e liderança dos negócios, processo interno de tomada de decisão e administração das unidades de negócio (processos produtivos); - Elaborar o diagnóstico técnico, econômico, financeiro e ambiental do negócio agropecuário (interno e externo); - Selecionar as alternativas para solução dos pontos diagnosticados; Estudo de mercado (verificar o item 9.4.6): 16

17 Planejamento: (observar o item 9.2.3) 9.4- Modelo 4: gestão de um novo negócio Este modelo pretende analisar novas atividades ou alternativas econômicas para o sistema de produção, a mudança total do sistema, ou ainda criar uma nova empresa, quando for o caso. O Plano de Negócio é uma poderosa ferramenta de gestão para avaliar as variáveis e a viabilidade de um novo empreendimento e de uma nova idéia. Evite, portanto, dar tiros no escuro ao iniciar um negócio sem o plano e suas respectivas análises. O plano de negócio consiste em organizar e estruturar as principais idéias e alternativas que o empreendedor deverá avaliar para tomar a decisão quanto à viabilidade do negócio ou da empresa a ser criada Funções principais do plano de negócio: - Avaliar o novo empreendimento na visão mercadológica, técnica, ambiental econômica, financeira, política, social, jurídica e organizacional. Com esta análise, o empreendedor terá uma noção prévia do funcionamento de seu negócio em cada um desses aspectos; - Orientar o empreendedor em relação às decisões antes de iniciar o negócio; - Avaliar o comportamento da evolução do empreendimento ao longo de sua implantação, dentro dos aspectos definidos no plano de negócio, comparando o previsto com o realizado; - Atrair clientes e fornecedores para a sua implementação, facilitando o estabelecimento de relações de negócio, proporcionada pela avaliação do planejamento feito; - Ajudar a reduzir o risco de fracasso; - Servir de instrumento facilitador na negociação de financiamento e parcerias Objetivo do plano de negócio: O plano de negócio tem como principal objetivo identificar e informar ao empreendedor as ações estratégicas do negócio, suas implicações e decisões a serem tomadas antes de iniciar o seu empreendimento. Possibilita avaliar a viabilidade de suas idéias na empresa, passando a ser um instrumento de análise permanente do seu negócio. 17

18 Identificação da oportunidade de negócio: Muitos negócios surgem da criatividade das pessoas, porém quando se está atento à busca de uma alternativa, a oportunidade poderá surgir através da: - Identificação de necessidades não supridas; - Observação de deficiências; - Análise de tendências; - Exploração de hobbies; - Lançamento de moda; - Imitação do sucesso alheio; - Criação de novos produtos ou serviços; - Exploração de um nicho de mercado, - Identificação de um novo mercado; - Desenvolvimento de um novo processo de produção mais competitivo Escolha da melhor alternativa de negócio. Tendo sido selecionado um conjunto de alternativas de negócio, há necessidade de se fazer a escolha da melhor alternativa a ser empreendida, a qual deverá, de preferência, atender os seguintes fatores: - Afinidade do empreendedor com o negócio; - Tenha um mercado em expansão; - Atenda o senso de oportunidade do negócio; - Conhecimento do ramo pelo empreendedor Diagnóstico: O diagnóstico é resultado de um sistema de informações internas da situação atual do negócio, que envolve a coleta ou levantamento, registros, ordenação, análise ou interpretação e síntese de dados, fatos e informações, comparados a uma situação desejada. A qualidade do dado obtido e da informação garantem confiabilidade aos resultados da análise. Ao elaborar o diagnóstico dos capitais produtivos disponíveis deve-se observar: - Capital natural fazer uma análise do estoque de recursos naturais existentes: solo e sua capacidade de uso, água, florestal, mineral, climático, paisagístico e turístico; 18

19 - Capital físico analisar o capital físico compreendendo: infra-estrutura, benfeitorias, máquinas, equipamentos, instalações, animais e culturas permanentes; - Capital financeiro dimensionar o capital financeiro existente: estoque de produtos e insumos, poupança, dinheiro em caixa, ações, títulos e dívidas; - Capital humano analisar o capital humano incluindo: conhecimento e nível educacional, experiência, iniciativa, vontade, motivação e condições de saúde; - Capital social dimensionar o capital social, sua credibilidade e potencialidade: organizações (sindicatos, cooperativas, associações), entidades, grupos, etc. ; - Organizar um resumo dos pontos fortes, pontos fracos e restrições de cada item do diagnóstico Estudo de mercado fatores e produtos: As fontes de informações devem ser confiáveis para evitar erros e frustrações no processo de comercialização. Procura-se com isto garantir a comercialização da produção e a aquisição de insumos, antes mesmo de iniciar a produzir. - Mercado consumidor são as pessoas e empresas que consomem o produto ou serviço. Sobre o mercado consumidor é preciso saber: características, exigências preferências e gostos dos consumidores e do mercado alvo; quem são os clientes? Quantos são? Qual o preço que pagam atualmente pelo produto ou serviços semelhantes? Qual a quantidade que os clientes consomem? Em que periodicidade? Qual a sua opinião sobre a qualidade do produto ou serviço dos concorrentes? Quais os canais de distribuição existentes para produtos e serviços? Tendência esperada dos preços, preços médios dos produtos e dos insumos, ciclos de preços e estacionalidade? Os compradores têm tradição no mercado e cumprem o prometido? Que tipo de produto os compradores (consumidores) pagam mais e com quais características (classificação, padronização, embalagem, apresentação, etc.)? Como produzir o produto com as características que o mercado paga mais? Em que elo da cadeia produtiva estão situados os meus compradores? - Mercado concorrente são as pessoas e empresas que competem pela preferência dos consumidores de um produto ou serviço. Sobre o mercado concorrente é preciso saber: existem concorrentes atuando neste mercado? Quantos são? Onde estão localizados? Qual a qualidade do produto ou serviço 19

20 oferecido? Que preços e prazos praticam? Quais são os pontos fortes dos concorrentes? Quais são os seus pontos fracos? Compare seu produto com o dos concorrentes: é melhor ou pior? Existem condições de competir neste mercado com lucratividade? - Mercado fornecedor são as pessoas e empresas que fornecem insumos, matérias-primas, máquinas e equipamentos que serão utilizados para produção, fabricação ou revenda do produto. Referente ao mercado fornecedor é preciso saber: quem são os meus fornecedores? Que matérias-primas, insumos e mercadorias vou precisar? Onde estão localizados? Que preços e condições de pagamento praticam? Estão preparados para atender a demanda? - Relacionar as oportunidades e ameaças do negócio observadas na análise do mercado Estratégia de produção: Esta estratégia envolve os setores voltados à produção. Pode ser entendida como sendo um processo empresarial que administra o fluxo de recursos produtivos e de informações, dentro de um sistema pré definido no qual os recursos são reunidos e transformados de uma forma controlada, a fim de agregar valor, conforme os objetivos do empreendedor Localização do empreendimento: Sempre que possível o empreendimento deve ser localizado onde a carreira produtiva já está estruturada, próximo ao mercado fornecedor e ao mercado consumidor e contar com a infra-estrutura necessária de transportes, comunicação, canais de comercialização. Quando isso não ocorrer, deve-se analisar as implicações de custos e de outros fatores que irão influir na competitividade do produto ao chegar no mercado Objetivos e metas do empreendimento: O empreendedor deve definir claramente os objetivos e metas de curto, médio e longo prazo e a forma como irá alcançá-los, em função do foco principal de seu negócio (onde se concentra o negócio). 20

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIO FAMILIAR E SUAS INTERFACES

GESTÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIO FAMILIAR E SUAS INTERFACES GESTÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIO FAMILIAR E SUAS INTERFACES CURITIBA, MARÇO DE 2004 2 SUMÁRIO A GESTÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIO FAMILIAR E SUAS INTERFACES.. 3 INTRODUÇÃO... 3 1. O

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO

A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO 1. ADMINISTRAÇÃO RURAL Odilio Sepulcri 1 Milton Satoshi Matsushita 2 A Administração Rural, em sua origem, no início do século XX, na Inglaterra e nos Estados

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)*

SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)* 2 SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)* Odílio Sepulcri 1 Milton Satoshi Matsushita 2 RESUMO O Sistema Renda Rural é organizado em um conjunto

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL

ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL Tendências do mundo atual. A) Globalização - Processo de transição, mudanças profundas, novas identidades culturais, novas formas de organização

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho Município: Jales Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004.

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004. RESOLUÇÃO CONSEAcc CPS 3 /2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE CAMPINAS, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de Campinas,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS RURAIS RESUMO

GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS RURAIS RESUMO GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS RURAIS CLAYTON CARVALHO DE ARAÚJO Graduando em Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Dentro do contexto do processo administrativo, a Gestão Financeira do negócio é uma das ferramentas

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais