PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões"

Transcrição

1 PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral 1 ; Thiago Soares Carvalho 1 ; Tiago Pereira Guimarães 1 ; Karen Martins Leão 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano Campus Rio Verde. Resumo O objetivo do presente estudo foi comparar o desempenho zootécnico de leitões ao desmame. Foi avaliado o desempenho de leitões de duas granjas localizadas na região de Rio Verde GO, sendo uma granja escola e uma granja tecnificada. Foram analisados cinco registros da granja escola e 233 registros de parição de uma granja tecnificada. Os leitões das granjas analisadas eram provenientes do cruzamento de reprodutores e matrizes comerciais. Os leitões tinham acesso ao escamoteador com fonte de aquecimento. A água era fornecida à vontade desde o nascimento. O arraçoamento dos leitões iniciava-se no sétimo dia de idade. Os animais foram vermifugados e vacinados contra peste suína, aftosa e paratifo. Observou-se o peso dos leitões ao desmame e o número de leitões desmamados. Os resultados foram apresentados em gráficos obtidos através do assistente de gráfico do Excel A granja escola apresentou maior peso dos leitões ao desmame, enquanto a granja tecnificada resultou em maior número de leitões

2 desmamados, sendo necessários maiores estudos a fim de avaliar o desempenho de leitões ao desmame. Palavras-chave: Desmame precoce; Leitegada; Maternidade. Evaluation of early weaning on the performance of piglets Abstract The aim of this study was to compare the growth performance of piglets at weaning. We evaluated the performance of pigs from two farms located in the region of Rio Verde - being a farm school and an industrial farm. We analyzed five school records in the barn and 233 calving records of an industrial farm. The piglets of farms analyzed were from the cross-breeding commercial dams and sires. The piglets had access to creep with the heating source. Water was provided ad libitum since birth. The feeding of the piglets was initiated on the seventh day of age. The animals were wormed and vaccinated against swine fever, paratyphoid and mouth disease. We observed the weight of piglets at weaning and number of piglets weaned. The results were presented in graphics obtained through the chart wizard in Excel The farm school had a higher piglet weight at weaning, while the industrial farm resulted in larger number of weaned piglets, necessitating further studies to evaluate the performance of piglets at weaning. Keywords: Early weaning; Litter piglets; Maternity INTRODUÇÃO Na suinocultura praticada nos últimos anos, passou-se de um período de aleitamento de 40 a 50 dias, para desmames aos 35, 28 e 21 dias de idade e, atualmente, até menos de 21 dias. A redução do período de aleitamento visa elevar o número de partos/porca/ano, com considerável redução no custo de produção. Para efetuá-lo com eficiência é necessário o estabelecimento da combinação perfeita de ingredientes, bem como o conhecimento da

3 biodisponibilidade dos nutrientes, de modo a reduzir ou evitar problemas pósdesmame (TRINDADE NETO et al., 1994). Tendo em vista que o sistema digestivo do leitão recém-nascido está naturalmente adaptado ao leite da porca, e a troca deste alimento por outro alimento ou outro sistema de alimentação (desmame precoce) pode resultar em distúrbios gastrointestinais e depressão no crescimento (FERREIRA et al., 1988). O desempenho dos leitões nas primeiras semanas após o desmame, em razão de diferentes fontes de alimentos ou diferentes níveis protéicos nas dietas experimentais, tem sido avaliado isoladamente em várias pesquisas. Os resultados do desempenho apresentado pelos leitões nesta fase têm reflexo no desempenho total do animal, influenciando o peso e idade ao abate. Nesse contexto o objetivo do estudo foi comparar o desempenho zootécnico de leitões ao desmame. MATERIAL E MÉTODOS Foi comparado o desempenho zootécnico de leitões de duas granjas localizadas na região de Rio Verde GO, sendo uma granja escola e uma granja tecnificada. Os dados foram obtidos de leitegadas após o desmame. Foram analisados cinco registros da granja escola (G1) do Instituto Federal Goiano Campus Rio Verde e 233 registros de parição de uma granja tecnificada (G2). Os leitões das granjas analisadas eram provenientes do cruzamento de reprodutores e matrizes comerciais. Na granja escola era realizada monta natural controlada e durante a gestação as porcas eram mantidas em baias coletivas, sendo que na maternidade as matrizes permaneciam em gaiolas. No setor de gestação as matrizes eram mantidas em baias e piquetes coletivos. Na granja tecnificada as porcas eram inseminadas, e mantidas em gaiolas individuais após o início da vida reprodutiva. Em todos os casos a maternidade dispunha de exaustores e cortinas para o controle da temperatura interna. Os leitões tinham acesso a escamoteador com fonte de

4 aquecimento. A água era fornecida à vontade desde o nascimento. Os animais recebiam ração do tipo comercial, atendendo às exigências nutricionais de todas as fases da criação, sendo que o arraçoamento dos leitões iniciava-se no sétimo dia de idade. Os animais eram vermifugados e vacinados contra peste suína, aftosa e paratifo. Observou-se o peso dos leitões ao desmame e o número de leitões desmamados. Os resultados foram apresentados em gráficos obtidos através do assistente de gráfico do Excel RESULTADO E DISCUSSÃO Na Figura 1 pode ser visto o resultado do peso ao desmame dos leitões da granja escola e granja tecnificada. 5,50 5,45 Peso ao desmame (kg) 5,40 5,30 5,20 5,10 5,00 4,90 5,02 4,80 G1 (Granja Escola) G2 (Granja Tecnificada) Figura 1 Peso médio ao desmame de leitões mantidos em Granja Escola e Granja Tecnificada. Os resultados obtidos demonstraram que o peso ao desmame foi maior na granja escola (5,45 kg) do que na granja tecnificada (5,02 kg). Segundo Holanda et al., (2005) ao avaliar o peso médio aos 21 dias de idade, apenas o número de leitões nascidos vivos deve ser considerado na avaliação, pois o maior número de nascidos vivos induz ao maior peso médio da leitegada, com

5 redução no peso médio de cada leitão. Esses pesquisadores relataram ainda um peso médio aos 21 dias de 5,11 kg. Na Figura 2 são apresentados os resultados médios do número de leitões desmamados por porca. 14,00 Leitões desmamados (nº) 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 6,80 G1 (Granja Escola) 11,47 G2 (Granja Tecnificada) Figura 2 Média de leitões ao desmame mantidos em Granja Escola e Granja Tecnificada. Pode ser observado que a granja escola desmamou uma média de 6,8 leitões/parto e na granja tecnificada foram desmamados 11,47 leitões/parto. Pinto et al., (2009) relataram uma média de leitões desmamados variando de 7,85 a 8,4 leitões/porca. Vale ressaltar que na granja escola os leitões foram desmamados aos 21 dias e na granja tecnificada o desmame foi realizado aos 21,7 dias. A presença constante de alunos e visitantes na granja escola pode ocasionar stress ao plantel e veicular enfermidades, prejudicando o desempenho produtivo dos suínos (PINTO et al., 2009). Em granjas tecnificadas o trânsito de pessoas é menor, portanto, resulta em índices zootécnicos melhores como foi o caso do número de leitões desmamados (11,47). Foi possível observar no presente estudo que o menor número de leitões ao desmame poderá resultar em leitegadas mais pesadas. Silva et al., (2007) evidenciaram que animais mestiços apresentaram maior tamanho de leitegada ao nascer. Sendo que ao desmame essas leitegadas poderão resultar em animais mais pesados. Entretanto, para animais Large White as

6 características peso médio ao nascer e aos 21 dias e ganho médio diário encontram-se em regressão na população, sendo recomendada a elaboração de um programa de melhoramento genético para essas características, especialmente com a utilização de mães com condições melhoradoras (LOURENÇO et al., 2008). CONCLUSÃO O maior número de leitões nascidos por parto resultou em menor peso dos leitões ao desmame. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FERREIRA, A. S., COSTA, P. M. A., GOMES, J. C. et al. Desaparecimento da ingesta, ph estomacal e duodenal e formação de coágulos de leites de porca e de vaca e de extrato de soja no estômago e intestino delgado de leitões. R. Soc. Bras. Zootec., v. 17, n. 3, p , HOLANDA, M. C. R.; BARBOSA, S. B. P.; SAMPAIO, I. B. M.; SANTOS, E. S.; SANTORO, K. R. Tamanho da leitegada e pesos médios, ao nascer e aos 21 dias de idade, de leitões da raça large White. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 57, n. 4, p , LOURENCO, F. F. et al. Estudos genéticos sobre a leitegada de suínos da raça large white criados no Rio Grande do Sul. R. Bras. Zootec., v. 37, n. 11, p , PINTO, L. C. F. et al. Avaliação dos índices de produção de leitões de uma granja com fins educacionais. PUBVET, Londrina, v. 3, n. 28, ed. 89, art. 642, SILVA, L. P. G. et al. Influência de fatores ambientais sobre o tamanho da leitegada ao nascer e taxa de mortalidade à desmama de leitões no brejo paraibano. Ciência Animal Brasileira, v. 8, n. 1, p. 1 6, TRINDADE NETO, M.A.T., LIMA, J.A.F., BERTECHINI, A.G Dietas e níveis protéicos para leitões desmamados aos 28 dias de idade fase inicial. R. Soc. Bras. Zootec., v. 23, n. 1, p , 1994.

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO Daniel Henrique Sousa Tavares 1; Gerson Fausto da Silva 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Durante as ultimas duas décadas os avanços genéticos na espécie suína culminaram com o desenvolvimento de matrizes chamadas hiperprolíficas,

Leia mais

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS PRINCIPAIS ATIVIDADES FISIOLÓGICAS DO SUÍNO Sistema respiratório: Frequência Respiratória variando entre 20 a 30 movimentos por minuto. Sistema

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante Data: Agosto/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II Nutrição da matriz gestante O princípio geral para um programa nutricional de matrizes suínas bem sucedido, basea-se na premissa

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 3. 1 Graduanda (o) em Medicina Veterinária pelo Centro de Ciências

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE UM SUPLEMENTO ALIMENTAR A BASE DE FERRO QUELATADO EM SUBSTITUIÇÃO AO FERRO DEXTRANO NA FASE PRÉ INICIAL DE VIDA DOS LEITÕES

UTILIZAÇÃO DE UM SUPLEMENTO ALIMENTAR A BASE DE FERRO QUELATADO EM SUBSTITUIÇÃO AO FERRO DEXTRANO NA FASE PRÉ INICIAL DE VIDA DOS LEITÕES DANIEL PIGATTO MONTEIRO UTILIZAÇÃO DE UM SUPLEMENTO ALIMENTAR A BASE DE FERRO QUELATADO EM SUBSTITUIÇÃO AO FERRO DEXTRANO NA FASE PRÉ INICIAL DE VIDA DOS LEITÕES Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Hauptli, Lucélia; Lovatto, Paulo Alberto; Souza da Silva, José Henrique; Guarez Garcia, Gerson; de Souza

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária CÂMPUS DE JABOTIBAL RELATÓRIO TÉCNICO I IDENTIFIÇÃO DO PROJETO A Título: Avaliação do desempenho de suínos suplementados com DBI Probiótico, fabricado por IMEVE Indústria de Medicamentos Veterinários Ltda,

Leia mais

4º Encontro de Energia no Meio Rural

4º Encontro de Energia no Meio Rural 4º Encontro de Energia no Meio Rural - Eficientização Energética da Fazenda Exp. PUC-Minas - Climatização da granja de suínos da Fazenda Experimental da PUC-Minas Fernanda Araújo de Almeida Ricardo José

Leia mais

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE MARIN, T; MORAES, A.C.S. Resumo:O aleitamento materno consiste na prática alimentar ideal para

Leia mais

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira Disciplina AZ044 - Suinocultura Suinocultura Brasileira Sistemas de produção em suinocultura Prof. Marson Bruck Warpechowski Suinocultura Brasileira Fatores de produção Produtor / mão-de-obra Animais (genótipo)

Leia mais

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho Gustavo J. M. M. de Lima Suíno jovem tem potencial para apresentar um rápido crescimento; Dificuldades de expressar

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

Programa Especial de Desenvolvimiento de la Suino cultura Programa Especial para el Desarrollo del cerdo

Programa Especial de Desenvolvimiento de la Suino cultura Programa Especial para el Desarrollo del cerdo Programa Especial de Desenvolvimiento de la Suino cultura Programa Especial para el Desarrollo del cerdo Qualificação Profissional em Suinocultura Calificación profesional en la creación de los cerdos

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU)

ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM SUS SCROFA SCROFA (JAVALI EUROPEU) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JULHO DE 2005 ISSN 1679-7353 ANÁLISE CITOGENÉTICA E COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DA CARCAÇA E DA CARNE EM

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO

ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Nº 183 ÁGUA O ALIMENTO ESQUECIDO Todos os autores reconhecidos que já escreveram sobre o tema de alimentação em suínos começam pelo alimento. ÁGUA! Todos sabemos da importância da água na nossa sobrevivência

Leia mais

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1

DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 DESEMPENHO DE CORDEIROS DE TRÊS GRUPOS GENÉTICOS TERMINADOS EM CONFINAMENTO 1 PINTO*, G. S. 2 ; VARGAS JR., F. M. 3 ; MARTINS, C. F. 4 ; OLIVEIRA, M. V. M. 5 ; SANTIAGO FILHO A. 6 ; NOGUEIRA, L. M. L.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 CENSO DOS ANIMAIS DA REGIÃO DO PORTO GRANDE, ARAQUARI - SC ERIANE DE LIMA CAMINOTTO 1, MARLISE POMPEU CLAUS 1, ALINE BRODA COIROLO 2, DESIREE BICALHO 2. 1 Docentes do Instituto Federal Catarinense Campus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos. Verde.

Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos. Verde. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Correlação entre os parâmetros de peso vivo, idade e espessura de toucinho em suínos Frederico Aparecido Duarte Sousa 1 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 3, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 4. 1 Graduanda (o) em Medicina

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS Autor(es) Andreia Malucelli Email: malu@ppgia.pucpr.br Vínculo: Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR Endereço: Rua Imaculada Conceição, 1155

Leia mais

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS

CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS CONCEITOS DE ALIMENTAÇÃO AO LONGO DA VIDA DE CÃES E GATOS Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO GRUPO GENÉTICO E DO MÊS DE NASCIMENTO DO BEZERRO NO DESEMPENHO REPRODUTIVO DE VACAS NELORE

INTERFERÊNCIA DO GRUPO GENÉTICO E DO MÊS DE NASCIMENTO DO BEZERRO NO DESEMPENHO REPRODUTIVO DE VACAS NELORE INTERFERÊNCIA DO GRUPO GENÉTICO E DO MÊS DE NASCIMENTO DO BEZERRO NO DESEMPENHO REPRODUTIVO DE VACAS NELORE 1 FERREIRA M. V. B.; 2 GORDIN C.;L.; 3 LEMPP B.; 4 FERREIRA N. M. B. RESUMO O presente trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS)

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Ricardo Felix Lana Curriculum Vitae

Ricardo Felix Lana Curriculum Vitae Ricardo Felix Lana Curriculum Vitae Março/2015 Ricardo Felix Lana Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Ricardo Felix Lana Nome em citações bibliográficas LANA, R F Nascimento 27/09/1989 - Viçosa/MG - Brasil

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Criação de Porco Caipira

Criação de Porco Caipira Criação de Porco Caipira CRIAÇÃO DE PORCO CAIPIRA 1 - INTRODUÇÃO A criação de porco caipira, também chamada criação extensiva de suínos, criação tradicional de porcos ou criação de porco-banha, está presente

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ TEMPERATURE-HUMID INDEX EFFECTS OF WATER BUFFALOES RAISED IN THE SILVOPASTORAL SYSTEM,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

Calf Notes.com. Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque

Calf Notes.com. Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque Calf Notes.com Calf Note #154 Fatores que influenciam a mortalidade de bezerros em uma fazenda em Nova Iorque Introdução Muitos fatores podem influenciar a mortalidade de bezerros. Sabemos que a mortalidade

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate Considerações no pré-parto: Limpeza e desinfecção da maternidade Verificar condições do escamoteador suinesp@gmail.com Ao nascimento Secar o leitão Principalmente boca e narinas Evitar perda de T C corporal

Leia mais

Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações. Tópico 8 Resumo e recensão

Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações. Tópico 8 Resumo e recensão Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações Tópico 8 Resumo e recensão O que você deverá saber Ao final do Tópico 8 você deverá: - saber os requisitos para apresentação dos resumos e

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

Efeito do benzoato de estradiol sobre a taxa de mortalidade e sobre o desenvolvimento de leitões nascidos com peso inferior a 1.

Efeito do benzoato de estradiol sobre a taxa de mortalidade e sobre o desenvolvimento de leitões nascidos com peso inferior a 1. Acta Scientiarum 20(3):401-405, 1998. ISSN 1415-6814. Efeito do benzoato de estradiol sobre a taxa de mortalidade e sobre o desenvolvimento de leitões nascidos com peso inferior a 1.200g Caio Abércio da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE Aruan Alexander de Araújo 1 ; Juliana da Costa Cidral 1 ; Elizabeth Silvano 1 ; Nilberto Afonso RESUMO Lafin 2 ; Erica Perez Marson 3

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

Rodrigo Felix Lana Curriculum Vitae

Rodrigo Felix Lana Curriculum Vitae Rodrigo Felix Lana Curriculum Vitae Fevereiro/2015 Rodrigo Felix Lana Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Rodrigo Felix Lana Nome em citações bibliográficas LANA, R F Nascimento 27/09/1989 - Viçosa/MG

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Soro de leite integral na alimentação dos suínos Teresinha Marisa Bertol 1 Jonas Irineu dos Santos

Leia mais

Mycoplasma hyopneumoniae: LEITOAS, SÃO ELAS O PROBLEMA?

Mycoplasma hyopneumoniae: LEITOAS, SÃO ELAS O PROBLEMA? Mycoplasma hyopneumoniae: LEITOAS, SÃO ELAS O PROBLEMA? James F. Lowe, DVM,MS Lowe Consulting Ltd. Albers, Illinois Department of Veterinary Clinical Medicine, College of Veterinary Medicine, University

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais