Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento"

Transcrição

1 Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Prof. Luciel Henrique de Oliveira - UNIFAE - São João da Boa Vista

2 Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento A viabilização de qualquer projeto sempre deve ter início em uma análise econômica criteriosa dos investimentos, gastos e lucros envolvidos. É preciso se certificar de que a opção buscada é a melhor existente para a empresa e que ela trará mais lucros que dividendos. A análise do investimento usa um conjunto de técnicas que tornam possível a comparação entre as alternativas, trazendo resultados científicos para auxiliar a tomada de decisão.

3 Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento É o modo de antecipar, por meio de estimativas, os resultados oferecidos pelos projetos. Envolve os seguintes aspectos: 1. dimensionamento dos fluxos de caixa das propostas, 2. avaliação econômica desses fluxos de caixa por meio de técnicas de análise específicas, 3. definição do retorno exigido pelos acionistas para aplicá-lo como critério de aceitação do projeto e consideração do risco.

4 Fluxo de caixa de um projeto A saída e entrada de recursos financeiros no projeto é chamada de fluxo de caixa. Durante o projeto o fluxo de caixa é negativo. Isto é, há somente saída de recursos financeiros. Ao fim do projeto, quando o produto ou serviço está pronto e é comercializado, em tese, o fluxo de caixa é positivo. Há entrada de dinheiro. Durante o ciclo de vida do projeto, há despesa/investimento; e durante o ciclo de vida do produto/serviço há receita ou recuperação do investimento feito no projeto.

5 Fluxo de caixa de um projeto Ano Zero: desenvolvimento do projeto. Só há INVESTIMENTOS (Total = Invest. Líquido) Ano 1: início da operação do empreendimento (novo negócio ou melhoria do negócio existente) Começa a ter Receitas, Despesas e Entrada de Caixa Estimar o fluxo de caixa do projeto para os primeiros cinco anos. Explicar a lógica usada nas estimativas.

6 Prof. Luciel Henrique de Oliveira - UNIFAE - São João da Boa Vista Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Vamos supor que o projeto de uma empresa esteja sujeito a três cenários de investimentos diferentes: CENÁRIO 1 PESSIMISTA Projeto A CENÁRIO 2 REALISTA Projeto B CENÁRIO 3 OTIMISTA Projeto C INVESTIMENTO INICIAL Só alterar os valores lançados em verde. Investimento Líquido - no ano zero - preparação, instalação Inicio das atividades no ano 1 ' Custo inicial do investimento SIMULAÇÃO - altere valores só aqui Investimento Líquido Projeto A ,00 Taxa de desconto anual k Projeto B ,00 ou Custo de capital ==> 10,00% Projeto C ,00 (*) (*) Custo Médio Ponderado de Capital (CMPC) ou WACC (Weighted Average Cost of Capital) CENÁRIO PESSIMISTA CENÁRIO REALISTA CENÁRIO OTIMISTA PROJETO A PROJETO B PROJETO C Final do Entrada Entrada Entrada ano Receitas Despesas de caixa Receitas Despesas de caixa Receitas Despesas de caixa , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 MÉDIA , , , , , , , , ,00

7 Técnicas não-soficticadas - não consideram o valor do dinheiro no tempo TAXA MÉDIA DE RETORNO (TMR) TMR = (LAIR médio / Investimento Líquido) LAIR = Lucro após o Imposto de Renda se não puder estimar o LAIR, considerar as entradas de caixa anuais médias Hipóteses: quando se usa a técnica da TMR, temos as seguintes hipóteses: * Aceitar ou rejeitar o investimento, desde que haja uma taxa mínima exigida. * Classificar as alternativas de investimentos e aquela que tiver uma TMR maior, deverá ser a escolhida. * Preferir o projeto com maior TMR. PROJETO A Pessimista TMR = 0, ,00% PROJETO B Realista TMR = 0, ,00% PROJETO C Otimista TMR = 0, ,00% PERÍODO DE PAY-BACK Tempo necessário para se recuperar o investimento líquido feito. Pay-Back = Investimento Líquido / Entradas médias anuais de caixa Anos Anos Meses Dias PROJETO A Pessimista Pay-Back = 4,00 =====> PROJETO B Realista Pay-Back = 2,50 =====> PROJETO C Otimista Pay-Back = 1,39 =====>

8 Taxa Mínima de Atratividade (TMA) É uma taxa de juros que representa o mínimo que um investidor se propõe a ganhar quando faz um investimento, ou o máximo que uma pessoa se propõe a pagar quando faz um financiamento. Esta taxa é formada a partir de 3 componentes básicas: 1.Custo de oportunidade: remuneração obtida em alternativas que não as analisadas, ou seja, é o valor de outras oportunidades não escolhidas. Exemplo: caderneta de poupança, fundo de investimento, etc. 2. Risco do negócio: o ganho tem que remunerar o risco inerente de uma nova ação. Quanto maior o risco, maior a remuneração esperada. 3. Liquidez: capacidade ou velocidade em que se pode sair de uma posição no mercado para assumir outra.

9 Taxa Mínima de Atratividade (TMA) Ao se utilizar uma TMA como taxa de juros de referência, é entendida como a "taxa de desconto ao qual aplicam-se métodos em comparação em relação a um período de tempo, como o Valor Presente Líquido ou o Custo Anual Uniforme para se determinar a viabilidade financeira de um investimento ou empréstimo. Caso o resultado seja positivo, a TIR (Taxa Interna de Retorno) supera a TMA e o investimento é interessante. O contrário ocorre caso o resultado seja negativo.

10 CENÁRIOS CONSIDERANDO O VALOR ATUAL DAS ENTRADAS DE CAIXA CENÁRIO PESSIMISTA CENÁRIO REALISTA PROJETO A Valor atual PROJETO B Valor atual Final do Entrada das entradas Entrada das entradas ano Receitas Despesas de caixa de caixa Receitas Despesas de caixa de caixa , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ 6.830, , , ,00 R$ , , , ,00 R$ 3.104, , , ,00 R$ ,10 MÉDIA , , , , , ,00 TOTAL R$ ,78 TOTAL R$ ,99 CENÁRIO OTIMISTA PROJETO C Valor atual Entrada das entradas Receitas Despesas de caixa de caixa , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 R$ , , , ,00 TOTAL R$ ,13

11 Não alterar estes valores. Obs: considerando os mesmos dados lançados em verde. O contrário ocorre caso o resultado Custo inicial do investimento Taxa de Juros de Referência = TMA Custo de capital da empresa ou WACC Investimento Líquido Projeto A ,00 ou Taxa de desconto anual: 10,00% Projeto B ,00 Projeto C ,00 Weighted Average Cost of Capital (WACC) O custo médio ponderado de capital (WACC) é a taxa que a empresa deverá pagar, em média, a todos os seus Sócios (ou detentores de títulos) para financiar seus ativos. O WACC é o retorno mínimo que uma empresa deve ganhar em uma base de ativos existente para satisfazer os seus credores, proprietários e outros fornecedores de capital, ou eles vão investir em outro lugar.

12 Técnicas Sofisticadas - consideram o valor do dinheiro no tempo VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL); Valor Atual Líquido (VAL) ou Net Present Value (NPV) VPL = [ VALOR ATUAL DAS ENTRADAS DE CAIXA ] - [ INVESTIMENTO LÍQUIDO ] Hipóteses: Se o VPL for maior ou igual a 0, aceita-se o investimento. Caso contrário, rejeita-se. Se o VPL for maior ou igual a 0, a empresa obterá um retorno igual ou maior do que seu retorno exigido ou seu custo de capital. Aceita-se os projetos com VPL maior ou igual a 0 Considerar o custo do capital ou custo de oportunidade ( k ) e calcular o valor das entradas de caixa atualizadas - trazidas para o ano zero. PROJETO A Pessimista VPL = (R$ 298,38) PROJETO B Realista VPL = R$ ,63 PROJETO C Otimista VPL = R$ ,00 O VPL, também conhecido como método do valor atual, é a fórmula capaz de determinar o valor presente de pagamentos futuros descontados a uma taxa de juros apropriada, menos o custo do investimento inicial. É o calculo de quanto os futuros pagamentos somados a um custo inicial estariam valendo atualmente. Temos que considerar o conceito de valor do dinheiro no tempo, pois, exemplificando, R$ 1 milhão hoje não valeriam R$ 1 milhão daqui a um ano, devido ao custo de oportunidade se colocar, por exemplo, tal montante de dinheiro na poupança para render juros.

13 ÍNDICE DE LUCRATIVIDADE ( IL ) Profitability index (PI), Profit Investment Ratio (PIR), Value Investment Ratio (VIR) Mede o retorno relativo ao Valor Atual por R$ investido. IL = Valor atual das entradas de caixa / Investimento Líquido Hipótese: Se IL for maior ou igual a 0, aceita-se o investimento. Caso contrário, rejeita-se. Quando o IL for maior ou igual a 1, o VPL será maior ou igual a zero; por isso, a hipótese de aceitação para as duas técnicas é semelhante. PROJETO A Pessimista IL = R$ 0,99 PROJETO B Realista IL = R$ 1,42 PROJETO C Otimista IL = R$ 2,67 O índice de lucratividade é um método que considera a razão entre o valor atual líquido do investimento e o Valor Inicial do Investimento (I ), para uma dada taxa de desconto. Apenas projetos com índice de lucratividade maiores ou iguais a 1 são aceitos. O mesmo resultado é encontrado através da abordagem do valor presente líquido e do IL, devendo ser tomadas as mesmas precauções quanto à taxa de desconto utilizada para o cálculo do valor presente dos fluxos de caixa.

14 Taxa Interna de Retorno (TIR) Internal Return Rate (IRR) Fórmula matemática-financeira utilizada para calcular a taxa de desconto que teria um determinado fluxo de caixa para igualar a zero seu Valor Presente Líquido. É uma taxa de desconto hipotética que, quando aplicada a um fluxo de caixa, faz com que os valores das despesas, trazidos ao valor presente, seja igual aos valores dos retornos dos investimentos, também trazidos ao valor presente. O conceito foi proposto por John Maynard Keynes, de forma a classificar diversos projetos de investimento: os projetos cujos fluxos de caixa tivessem uma taxa interna de retorno maior do que a taxa mínima de atratividade deveriam ser escolhidos. O valor presente de oportunidade deve ser calculado com plano de comunicação, vendas, marketing e potencial de mercado. Sendo assim, efetuamos o potencial de vendas. A TIR é a taxa necessária para igualar o valor de um investimento (valor presente) com os seus respectivos retornos futuros ou saldos de caixa gerados em cada período. Significa a taxa de retorno de um projeto.

15 TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) ou IRR (Internal Rate of Return) TIR é a taxa de desconto que leva o VPL de uma alternativa de investimento a igualar-se a zero, já que o valor atual das entradas de caixa é igual investimento líquido. A TIR é a taxa de desconto que lava o valor atual das entradas de caixa a se igualar ao investimento líquido em uma alternativa de investimento. Hipótese: Se TIR for maior ou igual ao Custo de Capital, aceita-se o investimento. Com isso, a empresa estará obtendo um retorno maior do que o seu custo de capital. OBS: não alterar estes valores aqui - para mudar altere no inicio da simulação (valores em verde) WAAC, TMA ou Custo de capital considerado ==> 10,00% Comparar com a TIR Pessimista Realista Otimista AN0 PROJETO A PROJETO B PROJETO C , , , , , ,00 O uso do Custo de Capital ou WACC da empresa para avaliar flu , , ,00 futuros só é apropriado se o investimento proposto tem riscos s , , ,00 aos das atividades existentes na empresa , , ,00 Para projetos com o mesmo risco da empresa: , , ,00 Se TIR Projeto > WACC Empresa (TMA) ==> PROJETO VIÁVEL TIR 9,74% 22,31% 59,18% Para encontrar o valor da Taxa Interna de Retorno, O uso do Custo de Capital ou WACC da empresa para avaliar fluxos de caixa calcula-se a taxa que satisfaz a equação: futuros só é apropriado se o investimento proposto tem riscos semelhantes TIR - Custo de capital -0,26% 12,31% 49,18% aos das atividades existentes na empresa. Para projetos com o mesmo risco da empresa: VIABILIDADE INVIÁVEL VIÁVEL VIÁVEL Se TIR Projeto > WACC Empresa (TMA) ==> PROJETO VIÁVEL Para encontrar o valor da Taxa Interna de Retorno, calcula-se a taxa que satisfaz a equação:

16 Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento Ver planilha completa no site:

PLANEJAMENTO E TÉCNICAS DE ANÁLISE PARA PROJETOS

PLANEJAMENTO E TÉCNICAS DE ANÁLISE PARA PROJETOS PLANEJAMENTO E TÉCNICAS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARA PROJETOS PLANEJAMENTO Embora existam diferentes definições, planejamento (ou planificação) é, antes de mais nada, a formulação sistemática de um

Leia mais

GST0071- Administração Financeira

GST0071- Administração Financeira GST0071- Administração Financeira Objetivos üentender o valor do dinheiro no tempo; üsaber como decidir sobre um projeto; üidentificar a Taxa interna de retorno do investimento. 4 October 2016 CCE0370

Leia mais

Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR

Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR Executamos projetos por diversos motivos: pessoais e organizacionais. Do ponto de vista

Leia mais

COM A HP 12 C. 8º encontro

COM A HP 12 C. 8º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 8º encontro 09/09/2016 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework 09/09/2016 2 3 O VPL e a TIR permitem

Leia mais

Tópicos Especiais Contábeis: EVA

Tópicos Especiais Contábeis: EVA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTÁBEIS Curso de Ciências Contábeis Tópicos Especiais Contábeis: EVA Prof. Mestre. João Rafael Alberton Casca - 2015 Organizadores Auster

Leia mais

Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira

Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira Gestão do Pipeline Projeção de Vendas MBA GESTÃO COMERCIAL Estratégia e Inteligência Universo Competitiva Geração Suspects e Qualificação de Leads Prospects Argumentação

Leia mais

VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Semana Acadêmica de Administração da UFSC

VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Semana Acadêmica de Administração da UFSC VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Semana Acadêmica de Administração da UFSC Francisco A. Moredo Outubro de 2013 Experiência de Mercado Consultor Empreendedor Pesquisador Marble House Trader Tranquilo

Leia mais

Módulo 2 Finanças e Economias Aplicadas a Compras

Módulo 2 Finanças e Economias Aplicadas a Compras Módulo 2 Finanças e Economias Aplicadas a Compras Framework Valor Strategic Sourcing Gestão de Fornecedores Gestão por Categorias Planejamento, Estrutura e Gestão de Compras Finanças e Economias aplicadas

Leia mais

25/09/2018. Financiamento e viabilidade do projeto. Viabilidade. A análise econômico-financeira

25/09/2018. Financiamento e viabilidade do projeto. Viabilidade. A análise econômico-financeira Financiamento e viabilidade do projeto Viabilidade econômico-financeira do projeto Cálculo de payback VPL Valor presente líquido TIR Taxa interna de retorno Principais indicadores financeiros de um projeto

Leia mais

Prof. Marcelo Delsoto

Prof. Marcelo Delsoto Orçamento de Capital Sem Riscos Orçamento de capital refere-se aos métodos para avaliar, comparar e selecionar projetos que obtenham o máximo retorno (lucro) ou, a máxima riqueza (valor das ações no mercado)

Leia mais

Reunião 10. Análise Financeira

Reunião 10. Análise Financeira Reunião 10 Análise Financeira Pauta Respostas às perguntas sobre o plano financeiro, ou seja, análise do negócio: É um bom negócio? É um bom investimento? A Análise Intuitiva Investimento Inicial R$ 47.500,00

Leia mais

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos FEA RP - USP Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Séries uniformes - Juros Compostos Series uniformes são

Leia mais

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba Avaliação de Investimentos Prof. Adriano Paranaiba 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova

Leia mais

Matemática Financeira e Análise de Investimentos

Matemática Financeira e Análise de Investimentos e Análise de Investimentos 1 Matemática Financeira e Análise de Investimentos Objetivos 1. Conceitos fundamentais em capitalização simples e compostos 2. Cálculo de juros e descontos 3. Atualização de

Leia mais

AULA 9 SUMÁRIO. Critérios de avaliação de investimentos reais. Comparação de critérios

AULA 9 SUMÁRIO. Critérios de avaliação de investimentos reais. Comparação de critérios AULA 9 SUMÁRIO Critérios de avaliação de investimentos reais O Valor Actual Líquido (VAL) [ou Net Present Value (NPV)] A Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) [ou Internal Rate of Return (IRR)] O Índice

Leia mais

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa FEA - USP Graduação Ciências Contábeis EAC0511 Profa. Joanília Cia Tema 07 Decisões de Investimento e Orçamento de Capital 7. Decisões Estratégicas de Investimentos:Orçamento de Capital 1. Introdução II.

Leia mais

Capítulo 15 Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos

Capítulo 15 Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos ANÁLISE Financeira Capítulo 15 Métodos de Avaliação Econômica de Investimentos Introdução Os métodos de análise de investimentos dividem-se em dois grandes segmentos: 1 Modelos quantitativos de análise

Leia mais

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Decisão de Investimento Questões a serem respondidas Ativo Circulante / Realizável de Longo Prazo / Ativo Permanente Onde estão aplicados

Leia mais

Matemática Financeira Moderna ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM ATIVOS REAIS

Matemática Financeira Moderna ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM ATIVOS REAIS Matemática Financeira Moderna ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM ATIVOS REAIS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Os bens podem ser classificados em bens de consumo corrente e durável e ativos. Os bens de consumo corrente

Leia mais

Engenharia Econômica. Prof. Fernando Deschamps

Engenharia Econômica. Prof. Fernando Deschamps Engenharia Econômica Prof. Fernando Deschamps fernando.deschamps@ufpr.br Pergunta #1 Você tem R$100.000,00 aplicados em uma caderneta de poupança que tem uma expectativa de render, mensalmente, em torno

Leia mais

Avaliação de Investimentos e financiamentos

Avaliação de Investimentos e financiamentos Avaliação de Investimentos e financiamentos 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova fábrica

Leia mais

Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS IV) Método da Taxa Interna de Retorno (TIR) Por definição, a taxa interna de retorno de um projeto é a taxa de juros para a qual o valor presente das

Leia mais

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos FEA RP - USP Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Séries uniformes - Juros Compostos Series uniformes são

Leia mais

05/06/2017. Representar graficamente uma análise econômica de investimentos;

05/06/2017. Representar graficamente uma análise econômica de investimentos; As decisões de investimento em alternativas e projetos de economia e uso eficiente da energia passam, necessariamente, por uma análise de viabilidade econômica. Estas análises, em geral, utilizam-se de

Leia mais

T8.1 Esboço do Capítulo. Capítulo 8

T8.1 Esboço do Capítulo. Capítulo 8 T8.1 Esboço do Capítulo Capítulo 8 Valor Presente Líquido e Outros Critérios de Investimentos Organização do Capítulo 8.1 8.2 8.3 8.4 8.5 8.6 Valor Presente Líquido A Regra do Payback O Retorno Contábil

Leia mais

Matemática Financeira e Análise de Investimentos

Matemática Financeira e Análise de Investimentos e Análise de Investimentos 1 Parte 2 (Continuação) 7. Técnicas de Investimento de Capital. 2 Métodos para seleção de alternativas Valor Presente Líquido (VPL ou NPV Net Present Value) Pay-Back descontado

Leia mais

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Copyright@ Abelardo Puccini. 2009. Editora Saraiva. Taxa Mínima de Atratividade - 1 Taxa Mínima de Atratividade (i Min ) é o custo de oportunidadedo investidor.

Leia mais

SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS

SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS MBA Estácio 18/04/2017 Prof. Lucas S. Macoris PLANO DE AULA Seleção e Viabilidade de Projetos Avaliação de Projetos Avaliação de Empresas Qual o valor justo? Introdução

Leia mais

Análise de Empreendimentos

Análise de Empreendimentos Análise de Empreendimentos - Instrumentos auxiliares para o processo de tomada de decisões. - Avalia, antecipadamente, o desempenho econômico - financeiro de determinado empreendimento e, por conseqüência,

Leia mais

1 Pay Back 2 Pay Back O período de recuperação é um critério de avaliação de projecto que atende apenas ao período de tempo que o projecto leva a recuperar o capital investido. Qualquer projecto de investimento

Leia mais

Tema: Análise de Investimentos

Tema: Análise de Investimentos Tema: Análise de Investimentos Aula - Métodos e dinâmica de avaliação de investimentos Agosto de 2016 Conteúdo Conteúdo Decisões de investimentos na empresa Origem das propostas Tipos de investimento Fluxos

Leia mais

15/07/2014. Empreendedorismo ASPECTOS LEGAIS: ESTRUTURA DE CAPITALIZAÇÃO PLANO FINANCEIRO PARTE II. Objetivos de Aprendizagem. Atuação Empreendedora

15/07/2014. Empreendedorismo ASPECTOS LEGAIS: ESTRUTURA DE CAPITALIZAÇÃO PLANO FINANCEIRO PARTE II. Objetivos de Aprendizagem. Atuação Empreendedora Empreendedorismo Atuação Empreendedora Professor Mestre Humberto Fernandes Villela ASPECTOS LEGAIS: ESTRUTURA DE CAPITALIZAÇÃO PLANO FINANCEIRO PARTE II Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo

Leia mais

Métodos de Payback. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia. Fonte: Projetos de Invest. Na Empresa, J.C.

Métodos de Payback. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia. Fonte: Projetos de Invest. Na Empresa, J.C. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Métodos de Payback Fonte: Projetos de Invest. Na Empresa, J.C. Lapponi, 2000 Elaborado por: Prof. Ricardo Rezende, D.S. Adaptado por

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova fábrica Lançamento de

Leia mais

Fonte: Adaptado de Avaliação de Projetos de Invest., J.C. Lapponi, ENG 1920 Análise Econômica de Investimentos

Fonte: Adaptado de Avaliação de Projetos de Invest., J.C. Lapponi, ENG 1920 Análise Econômica de Investimentos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engª de Produção Métodos de Payback Fonte: Adaptado de Avaliação de Projetos de Invest., J.C. Lapponi, 2000 ENG

Leia mais

Análise econômica de projetos

Análise econômica de projetos Análise econômica de projetos (Analista dos correios, economista, correios, Cespe, 2011) Com relação aos fundamentos de análise de projetos, julgue os itens subsequentes. Entre dois projetos mutuamente

Leia mais

Matemática Financeira Aulas 3 e 4. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira

Matemática Financeira Aulas 3 e 4. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Matemática Financeira Aulas 3 e 4 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Matemática Financeira Objetivos de aprendizagem: Depois de ler e discutir este tópico você será capaz entender Utilizar a calculadora HP12c

Leia mais

PERPETUIDADES: É UMA ANUIDADE QUE NÃO TEM PRAZO PARA ACABAR. Lembrando da nossa MONOFORMULA: VF = VP ( 1 + i ) n

PERPETUIDADES: É UMA ANUIDADE QUE NÃO TEM PRAZO PARA ACABAR. Lembrando da nossa MONOFORMULA: VF = VP ( 1 + i ) n PERPETUIDADES: É UMA ANUIDADE QUE NÃO TEM PRAZO PARA ACABAR. Lembrando da nossa MONOFORMULA: VF = VP ( 1 + i ) n Podemos calcular o Valor Presente: VP = FCn / ( 1 + i ) n 1 FC VP = Σt=1t=n FC s/(1+i) n

Leia mais

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado.

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado. 1 ª. Questão Com base na Administração Financeira, é incorreto afirmar que: A [ ] Os administradores devem gerir ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de empresa, exceto se a empresa for

Leia mais

AFLP Análise Financeira de Longo Prazo. Assunto: Valor Presente Líquido (VPL)

AFLP Análise Financeira de Longo Prazo. Assunto: Valor Presente Líquido (VPL) AFLP Análise Financeira de Longo Prazo Assunto: Valor Presente Líquido (VPL) Fonte: Prof. Chiesa Economia Empresa : Prof. Volney CURTO E LONGO PRAZO Investimentos Operacionais. Curto Prazo: capital de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Professor: Renê Coppe Pimentel Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS (ORÇAMENTO DE CAPITAL) Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 2 O QUE É ORÇAMENTO DE CAPITAL? Análise

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Análise econômica: alternativas de investimento e tomada de decisão. Prof. Paulo Sant Ana - UFABC

Análise econômica: alternativas de investimento e tomada de decisão. Prof. Paulo Sant Ana - UFABC Análise econômica: alternativas de investimento e tomada de decisão Prof. Paulo Sant Ana - UFABC Método do Valor Presente Líquido VPL: é o fluxo de receitas e despesas futuras em termos de valor presente,

Leia mais

Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Prof. Regis A. Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Regis A. Ely Matemática

Leia mais

Administração Financeira II 2016/2

Administração Financeira II 2016/2 Administração Financeira II 2016/2 Professor Me. Gleison de Abreu Pontes Bacharel em Administração de Empresas (Faculdade Politécnica de Uberlândia, 2007) Especialista em Finanças (Universidade Federal

Leia mais

O método do VPL é, seguramente, um bom método de avaliação econômica de investimentos:

O método do VPL é, seguramente, um bom método de avaliação econômica de investimentos: Administração Financeira Orçamentária Pág.: 41 CAPÍTULO IV Métodos de Avaliação Econômica de Investimento 20 Introdução. Como vimos anteriormente, existem vários métodos de avaliação econômica de investimento,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Conceitos básicos da Matemática Financeira... 3 1.2.1) Valor do dinheiro no tempo... 3 1.2.2) Capital inicial, montante e prazo... 4 1.2.3) Operação

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UM PROJETO DE INVESTIMENTO EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UM PROJETO DE INVESTIMENTO EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL DE UM PROJETO DE INVESTIMENTO EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Ana Letícia Bilhar 1 Resumo: O presente trabalho traz como proposta analisar a viabilidade econômica

Leia mais

ECONOMIA. Microeconomia. Taxa Interna de Retorno. Prof. Alex Mendes

ECONOMIA. Microeconomia. Taxa Interna de Retorno. Prof. Alex Mendes ECONOMIA Microeconomia Prof. Alex Mendes Conceitos e princípios da análise de investimento: A primeira questão que surge ao se analisar um investimento é quanto ao próprio objetivo da análise. Visão Ultrapassada

Leia mais

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD 1 Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD Michele Nascimento Jucá José Savoia 2 Agenda 5 Método do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) 5.1 Introdução 5.2 Princípios Gerais 5.3 Metodologia de Cálculo 5.4

Leia mais

Métodos de Valor Equivalente

Métodos de Valor Equivalente 1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engª de Produção Métodos de Valor Equivalente Fonte: Adaptado de Avaliação de Projetos de Invest., J.C. Lapponi, 2000

Leia mais

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE CONTEÚDO DA AULA DE HOJE DECISÕES FINANCEIRAS DE LONGO PRAZO: VISÃO GERAL DO CUSTO DE CAPITAL CUSTO DO CAPITAL DE TERCEIROS CUSTO DAS AÇÕES PREFERENCIAIS CUSTO DAS AÇÕES ORDINÁRIAS CUSTO MÉDIO PONDERADO

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica Critérios para Análise: Pay - Back CUI DA DO Valor Presente Líquido (VPL) Valor Anual (VA) Taxa Interna de Retorno (TIR) E X A T O S 2 1 02/11/97 Túnel

Leia mais

REVISÃO DO CAPÍTULO 05

REVISÃO DO CAPÍTULO 05 Revisão do Capítulo #05 1 REVISÃO DO CAPÍTULO 05 MÉTODOS DE ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CONCEITOS PARA REVISÃO Este capítulo inicia a nossa discussão das técnicas de avaliação de ativos não

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Análise de Viabilidade Econômica de Empreendimentos Análise de Alternativas de Investimentos Análise de Alternativas de Investimentos Critérios para Análise: Pay - Back

Leia mais

Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários

Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários Curso de Especialização em Gerenciamento da Construção Civil Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários Prof. MSC Miguel Adriano Gonçalves 1- Funções da administração financeira Setor

Leia mais

Matemática Financeira Aulas 2. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira

Matemática Financeira Aulas 2. 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Matemática Financeira Aulas 2 1 Profa. Msc. Érica Siqueira Mini Currículo Professora: Érica Siqueira Formação: Doutoranda em Administração pela FGV. Mestre em Administração pela FEA USP (2014), Especialista

Leia mais

GST0071- Administração Financeira

GST0071- Administração Financeira 5 GST0071- Administração Financeira Objetivos üentender como medir o custo médio ponderado de capital; üconhecer o custo marginal ponderado de capital; ücompreender o custo do capital. 1 November 2016

Leia mais

Analisando oportunidades tecnológicas sob a ótica do retorno financeiro

Analisando oportunidades tecnológicas sob a ótica do retorno financeiro Ponto de vista: Analisando oportunidades tecnológicas sob a ótica do retorno financeiro Celso Foelkel Falamos em artigo anterior sobre a análise dos investimentos com base no valor presente líquido (VPL).

Leia mais

FLUXO DE CAIXA UNIFORME & FLUXO DE CAIXA IRREGULAR ANDRÉ LUIZ AULA: 14/04

FLUXO DE CAIXA UNIFORME & FLUXO DE CAIXA IRREGULAR ANDRÉ LUIZ AULA: 14/04 FLUXO DE CAIXA UNIFORME & FLUXO DE CAIXA IRREGULAR ANDRÉ LUIZ AULA: 14/04 FLUXO DE CAIXA UNIFORME Fluxo de caixa:representa o controle financeiro. Controlar a entrada e a saída de dinheiro para um período

Leia mais

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II Professor Cristóvão Pereira Cristóvão Pereira Mestre em Gestão Empresarial FGV Engenheiro Eletricista PUC/RJ MBA New York University MBA Ibmec/RJ CEO Takeover Ltda. Contato

Leia mais

22/02/2017. Prof. Elisson de Andrade

22/02/2017. Prof. Elisson de Andrade Prof. Elisson de Andrade eapandra@uol.com.br A partir DESSE MOMENTO, você (ou sua dupla), já precisa ir pensando: Qual investimento real irei avaliar? Compra de uma máquina para a empresa? Ampliação do

Leia mais

Resposta da Lista de exercícios com data de entrega para 27/04/2017

Resposta da Lista de exercícios com data de entrega para 27/04/2017 Resposta da Lista de exercícios com data de entrega para 27/04/2017 1. Considere um custo de capital de 10% e admita que lhe sejam oferecidos os seguintes projetos: a) Considerando que os dois projetos

Leia mais

Aula 3. Planejamento de Custos em Projetos

Aula 3. Planejamento de Custos em Projetos Aula 3 Planejamento de Custos em Projetos Objetivos Detalhes sobre Juros Simples e Compostos. Equivalência de taxas. Detalhes sobre Valor Presente Líquido, Taxa Interna de Retorno e Payback. O Valor do

Leia mais

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN:

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN: ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA COMPRA DE UM CAIXÃO ALIMENTADOR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO CERAMISTA Vânia Maciel Costa Medeiros (UFERSA) vaniamaciel@live.com Déborah Grazielle

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DO ÍNDICE DE MÁXIMA EXPOSIÇÃO DO FLUXO DE CAIXA NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES ECONÔMICO-FINANCEIRAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DO ÍNDICE DE MÁXIMA EXPOSIÇÃO DO FLUXO DE CAIXA NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES ECONÔMICO-FINANCEIRAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DO ÍNDICE DE MÁXIMA EXPOSIÇÃO DO FLUXO DE CAIXA NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES ECONÔMICO-FINANCEIRAS Rafael Fontoura Andriotti Pós-Graduando do Programa de Pós Graduação em Engenharia

Leia mais

Economia básica para os cursos de graduação em Zootecnia, Engenharia de Alimentos e Engenharia de Biossistemas.

Economia básica para os cursos de graduação em Zootecnia, Engenharia de Alimentos e Engenharia de Biossistemas. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Departamento de Zootecnia Economia básica para os cursos de graduação em Zootecnia, Engenharia de Alimentos e Engenharia de Biossistemas.

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE COMPRAS

MBA EM GESTÃO DE COMPRAS Módulo: Finanças e Economia Aplicadas a Compras Aulas: Fluxo de Caixa e Viabilidade Financeira 2016 by Inbrasc. This work is licensed under the Creative Commons. If you want to use or share, you must give

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E PREÇOS Aula 3: Modelos Financeiros e Avaliação de Projetos Apresentação. Prof. Rodolfo Leandro de Faria Olivo

GESTÃO DE CUSTOS E PREÇOS Aula 3: Modelos Financeiros e Avaliação de Projetos Apresentação. Prof. Rodolfo Leandro de Faria Olivo GESTÃO DE CUSTOS E PREÇOS Aula 3: Modelos Financeiros e Avaliação de Projetos Apresentação Prof. Rodolfo Leandro de Faria Olivo OBJETIVO DA AULA O objetivo da aula 1 é introduzir os conceitos básicos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Walter Sousa

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Prof. Walter Sousa MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Walter Sousa O que é Fluxo de Caixa? Um fluxo de caixa (PMT) representa o movimento de entradas (recebimentos) e saídas (desembolsos) de capitais ao longo de um universo temporal.

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE A TIR DA OPERAÇÃO E A TIR DO ACIONISTA?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE A TIR DA OPERAÇÃO E A TIR DO ACIONISTA? QUAL A DIFERENÇA ENTRE A TIR DA OPERAÇÃO E A TIR O cálculo da TIR do acionista O cálculo da TIR da operação A diferença entre a TIR da operação e a TIR do acionista Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Técnicas de Orçamento de Capital

Técnicas de Orçamento de Capital MBA em Gestão de Negócios Universidade Federal Fluminense Gestão Financeira de Empresas Aula 4 Prof. Dr. Osiris Marques Agosto/2016 Técnicas de Orçamento de Capital Objetivos de aprendizagem 1. Compreender

Leia mais

Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Capítulo II. ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS Professor:

Leia mais

Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital. Custo de Capital

Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital. Custo de Capital Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital Custo de Capital Objetivos 1. Compreender as hipóteses básicas subjacentes ao custo de capital, seu conceito fundamental e as fontes específicas de capital

Leia mais

Indicadores essenciais de avaliação econômico financeira

Indicadores essenciais de avaliação econômico financeira Nesse artigo falaremos sobre: O que saber durante a compra e venda de empresas Indicadores essenciais de avaliação econômico financeira Planilhas para usar durante a compra e venda de empresas O que saber

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL. Visão geral do custo de capital 12/03/2015. Prof. Dr. Osiris Marques

CUSTO DE CAPITAL. Visão geral do custo de capital 12/03/2015. Prof. Dr. Osiris Marques MBA em Controladoria e Finanças Universidade Federal Fluminense Gestão Financeira de Empresas Aula 7 Prof. Dr. Osiris Marques Março/2015 CUSTO DE CAPITAL Visão geral do custo de capital O custo de capital

Leia mais

PARTE 1 - JUROS SIMPLES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Definições e nomenclatura 2. Conceito de capitalização simples 3. Fórmulas 4. Exercícios resolvidos

PARTE 1 - JUROS SIMPLES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Definições e nomenclatura 2. Conceito de capitalização simples 3. Fórmulas 4. Exercícios resolvidos PARTE 1 - JUROS SIMPLES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Definições e nomenclatura 2. Conceito de capitalização simples 3. Fórmulas 4. Exercícios resolvidos 1. Definições e nomenclatura A Matemática Financeira

Leia mais

Aula 7. Fluxo de caixa. Professor: Cleber Almeida de Oliveira. slide 1

Aula 7. Fluxo de caixa. Professor: Cleber Almeida de Oliveira. slide 1 Aula 7 Fluxo de caixa Professor: Cleber Almeida de Oliveira slide 1 slide 2 Figura 1 - Fluxos de caixa Elaboração da demonstração dos fluxos de caixa A demonstração dos fluxos de caixa resume o fluxo de

Leia mais

O Que é Orçamento de Capital? Conceitos Básicos de Orçamento de Capital

O Que é Orçamento de Capital? Conceitos Básicos de Orçamento de Capital O Que é Orçamento de Capital? Conceitos Básicos de Orçamento de Capital Prof. Antonio Lopo Martinez Análise das adições potenciais de ativos fixos. Decisões de Longo Prazo; envolvem grandes dispêndios.

Leia mais

24/02/2017. Prof. Elisson de Andrade

24/02/2017. Prof. Elisson de Andrade Prof. Elisson de Andrade eapandra@uol.com.br 1 Quero comprar um imóvel para investir. Espero receber aluguéis desse imóvel ao longo de 5 anos e vendê-lo valorizado, fazendo assim um bom lucro Problema

Leia mais

Aula 04. Bibliografia: RWJ, cap. 6 e BE, caps, 8 e 13. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Aula 04

Aula 04. Bibliografia: RWJ, cap. 6 e BE, caps, 8 e 13. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Aula 04 Bibliografia: RWJ, cap. 6 e BE, caps, 8 e 13 Objetivos da Aula 1 Retornos Semestrais e Outros Períodos de Capitalização Objetivos da Aula 1 Retornos Semestrais e Outros Períodos de Capitalização 2 O VPL

Leia mais

[Ano] Análise de Longo Prazo. Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Análise de Longo Prazo. Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Análise de Longo Prazo Unidade - Análise de Longo Prazo MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Andressa Guimarães Rego 2 Fluxo de Caixa de Projetos O orçamento de capital envolve avaliar,

Leia mais

Análise de Projetos. Conceitos Básicos de

Análise de Projetos. Conceitos Básicos de Análise de Projetos Conceitos Básicos de Análise de Projetos Prof. Antonio Lopo Martinez PONTO 1.1 Análise das adições potenciais de ativos fixos. Decisões de Longo Prazo; envolvem grandes dispêndios.

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica Critérios para Análise: Pay - Back CUI DA DO Valor Presente Líquido (VPL) Valor Anual (VA) Taxa Interna de Retorno (TIR) E X A T O S 19/02/2013 Prof.

Leia mais

ESCOLA DE NEGÓCIOS E GESTÃO

ESCOLA DE NEGÓCIOS E GESTÃO MBA EM GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL A decisão de oferecer um curso de Gestão Financeira Empresarial se deve a demanda estimada na região, buscando atender às expectativas de formação profissional. Atualmente,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

VALOR PRESENTE C C * (1 + 0,025)

VALOR PRESENTE C C * (1 + 0,025) VALOR PRESENTE Um televisor está sendo ofertado a $800 para pagamento daqui a um mês por cheque pré-datado. A melhor aplicação financeira que você poderia fazer está rendendo 2,5% ao mês. Você considera

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE INVESTIMENTO EM UMA EMPRESA RURAL DEDICADA A PRODUÇÃO LEITEIRA 1

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE INVESTIMENTO EM UMA EMPRESA RURAL DEDICADA A PRODUÇÃO LEITEIRA 1 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE INVESTIMENTO EM UMA EMPRESA RURAL DEDICADA A PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Caroline Keidann Soschinski 2, Maria Margarete Baccin Brizolla 3. 1 Projeto de pesquisa realizado no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª: Magda Aparecida Nogueira PROJETOS 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª: Magda Aparecida Nogueira PROJETOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRIO SANO CENRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª: Magda Aparecida Nogueira CRIÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJEOS 1 1. PROJEOS DE INVESIMENO DE CURO PRAZO a) Margem Bruta otal (MB) É o

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 13 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Contabilidade. Fluxo de Caixa. Professor Jacó Braatz.

Contabilidade. Fluxo de Caixa. Professor Jacó Braatz. Contabilidade Fluxo de Caixa Professor Jacó Braatz www.acasadoconcurseiro.com.br Contabilidade FLUXO DE CAIXA Taxa interna de retorno / Valor futuro e valor presente Fluxo de Caixa O que é um fluxo de

Leia mais

VALUATION PARA COMPRA OU VENDA DE EMPRESAS: DESCONTAR FLUXOS DE CAIXA OU FLUXOS DE LUCRO?

VALUATION PARA COMPRA OU VENDA DE EMPRESAS: DESCONTAR FLUXOS DE CAIXA OU FLUXOS DE LUCRO? VALUATION PARA COMPRA OU VENDA DE EMPRESAS: DESCONTAR FLUXOS DE CAIXA OU FLUXOS DE LUCRO?! Qual destes dois procedimentos é mais correto?! Valor de uma Empresa Descontando Fluxos de Lucro.! Valor de uma

Leia mais

UNISALESIANO APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II. 6º Semestres de ADM

UNISALESIANO APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II. 6º Semestres de ADM UNISALESIANO APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II 6º Semestres de ADM Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame LINS / 2018 ANÁLISE DE INVESTIMENTO 1. INTRODUÇÃO O administrador tem como

Leia mais

Finanças Corporativas. Prof.: André Carvalhal

Finanças Corporativas. Prof.: André Carvalhal Finanças Corporativas Prof.: André Carvalhal Objetivo do Curso Apresentar e discutir os conceitos básicos de finanças corporativas, em especial avaliação de investimentos e estrutura de capital da firma

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Balanço Patrimonial. Situação Líquida e VPL. Prof. Cláudio Alves

CONTABILIDADE GERAL. Balanço Patrimonial. Situação Líquida e VPL. Prof. Cláudio Alves CONTABILIDADE GERAL Balanço Patrimonial Situação Líquida e VPL Prof. Cláudio Alves Equação Patrimonial ATIVO PASSIVO = SITUAÇÃO LÍQUIDA (Bens + Direito) - (Obrigações) = ( Capital Próprio ) O item 4.4

Leia mais

ANALISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA VERTICALIZAÇÃO DENTRO DA INDÚSTRIA METALURGICA

ANALISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA VERTICALIZAÇÃO DENTRO DA INDÚSTRIA METALURGICA ANALISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA VERTICALIZAÇÃO DENTRO DA INDÚSTRIA METALURGICA Yohan Erik Bergoce D Azeredo 1,Fernanda Cristina Pierre 2,Paulo Andre de Oliveira 3 1 Graduando em Tecnologia da Produção

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESAS Prof. Anderson Valverde Setembro de 2014 AGENDA 1. Avaliação de Projetos de Investimento 1.1 Risco e Retorno 1.2 Técnicas de Avaliação de Investimentos 1.2.1 Payback simples

Leia mais