30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos"

Transcrição

1 Contraindicações da anticoagulação Ricardo de Amorim Corrêa Faculdade de Medicina/UFMG Tratamento da tromboembolia pulmonar aguda Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena Trombólise exógena trombolíticos Eliminação do trombo através de cateteres Cirurgia: tromboembolectomia Tromboprofilaxia secundária Extensão do tratamento Formulações terapêuticas Anticoagulantes pentassacarídicos mediados pela antitrombina Heparina não fracionada (anti-a e IIa) Heparinas de baixo peso molecular: anti-a (++) Fondaparinas: anti-a exclusivo Antagonistas da vitamina K Fatores II, VII, I e - predominantes Proteínas C, S e Z Trombolíticos Ativação do plasminogênio >>> plasmina 1

2 Complicações da anticoagulação A principal é o sangramento: Sangramento maior: Intracraniano ou retroperitoneal ou cavidade corporal Requer hospitalização Transfusão de pelo menos 2U de concentrado de hemácias Fatal Fatores: Anticoagulação em si Fatores orgânicos do paciente Contraindicações da anticoagulação Risco aumentado de sangramento: Hemorragia intracraniana grave Lesão espinhal crítica Cirurgia recente ou iminente Insuficiência renal Anemia História recente de hemorragia GI Úlcera péptica ativa Doença hepática Eliminaçãorenal dos anticoagulantes HNF HBPM Parenteral Inib. Dir. Trombina Inib. Fator Ia Inib. Fator a Oral Varfarin Argatroban Bivalirudin Hirudin F.Ia aptamer Fondaparinux Inib. Dir. Trombina Dabigatran Inib. Dir. Fator a Rivaroxaban Apixaban Não renal Renal parcial Predominante renal (>50%) Não renal Renal parcial Predominante renal (>50%) Contra-indicação da anticoagulação Hirsh J. Circulation.2007;116:552 2

3 HEPARINAS Contra-indicação da anticoagulação Mecanismode ação Heparinas Hirsh J. Circulation.2007;116:552 Indicações - Heparinas Heparina Não fracionada IV: Disfunção renal grave (cl creat ml/min); Alto risco de sangramento; Pacientes hipotensos, de alto risco; Obesos graves, desnutridos e idosos. HBPM ou fondaparinux SC Para os demais casos Contra-indicação da anticoagulação 3

4 Heparinas Complicações Sem heparina Complexo ternário Dissociação da heparina Sangramento Inibição dos fatores de coagulação Diminuição da função plaquetária Aumento da permeabilidade capilar Idade > 70a, ins. renal, cirurgia/trauma recente, uso de AAS/trombolíticos, HNF IV intermitente, medicações concomitantes Trombocitopenia Osteoporose Doses superiores a UI/dia/>30 dias Contra-indicação da anticoagulação Fatores de risco para sangramento com as heparinas Fatores PTTa prolongado Doença hepática Trombocitopenia grave Cirurgia recente Terapêutica antiplaquetária concomitante Contra-indicação da anticoagulação Contraindicações ao uso das heparinas Contraindicações Sangramento ativo significativo Hipersensibilidade documentada Antecedentes de plaquetopenia Trombose associada com heparina Anestesia lombar Procedimentos invasivos recentes Pericardites Endocardite bacteriana HAS grave Toque retal positivo para sangramento Avaliar no contexto clínico 4

5 Antagonistas da Vitamina K ANTAGONISTAS DA VITAMINA K Determinantes de risco de sangramento Intensidade: RNI muito elevado Duração do tratamento Medicações concomitantes: antiplaquetários Características do paciente Idade superior a 75 anos Câncer Alcoolismo Hipertensão arterial sistêmica Doença cardíaca grave Doença vascular cerebral Doença hepática Ins. renal Sangramento relacionado ao uso de anticoagulante oral x duração Linkins LA. Meta-analysis.Ann Intern Med 2003;139(11):893 5

6 Contraindicações ao uso dos coumarínicos Contraindicações Hepatopatias graves Endocardite bacteriana Gravidez Avaliar risco de hemorragias e benefícios Adesão do paciente aos controles História de doença cloridropéptica Hemorragia digestiva prévia Trombolíticos Contraindicações ao uso de trombolíticos Contraindicações absolutas* AVE hemorrágico em qualquer tempo Ave isquêmico nos últimos 6 meses Lesão ou neoplasia do SNC Trauma ou cirurgia recentes ou lesão do crânio (6 meses) Sangramento GI no último mês Sangramento ativo *Risco iminente de vida, individualizar! 6

7 Contraindicações ao uso de trombolíticos Contraindicações relativas Ave isquêmico transitório nos últimos 6 meses Tratamento com anticoagulante oral Gravidez ou uma semana pós-parto Punções não compressíveis Ressuscitação traumática HAS refratária (PAS> 180 mmhg) Hepatopatia avançada Endocardite infecciosa Úlcera péptica ativa Algumas situações especiais Gravidez 7

8 Complicaçõesassociadas com a terapia trombolítica nagravidez Individualizar a indicação: TEP maciça com instabilidade hemodinâmica 36 relatos, 172 grávidas com TEP grave Use of Thrombolytics for the Treatment of Thromboembolic Disease During Pregnancy. Turrentine, Mark,etal Obstetrical & Gynecological Survey. 1995;50(7):534 3 Idosos Epidemiologia da TEV em idosos Incidência idade-ajustada de TEV: 138/ habitantes A taxa dobra por 71/ para < 65 anos década de vida! 885/ em 85anos 5/ em < 15 anos MAS Idosos > 80a: Sangramento grave: 3,4% Incidência de TEV: 2,15% Incidência TEP fatal: 3,7% > 0,8% sangramento fatal López-Jimenez L. (RIETE). Haematologica 2006;91(8):1046 8

9 Anticoagulação oral em idosos Eficáciamantidaemtodasidadese nosmuitoidosos(> 85 a) Eficáciamantidamesmoem pacientesde baixorisco de trombose Eficáciaclínica observadaem>85a devidoaoseumaior risco de AVC Bomcontrole de RNI é alcançadoe independeda idade Efeitoda Aspirina nareduçãodo risco de AVC é atenuadocom a idade. Coumarinicosmantém-se superioresà combinaçãode agentes antiplaquetários. Anticoagulação em idosos Idosos, 75ª, FA Não valvular Elegíveis Anticoagulação oferecida a todos sem contraindicações Não elegíveis Escolha do paciente Alteração coagulação Quedas recorrentes HAS descontrolada Anticoagulação oral Reavaliação periódica Sem tratamento TRAUMA 9

10 RISK ASSESSMENT PROFILE 5: risco 3x Incidência de DVT/PE-Trauma sem profilaxia: 11,8 70,0% TEP: 2% trauma 37% dos TEV pósoperatórios Injury 2013;44: Profilaxia no trauma RAP SCORE ALTO RISCO RAP > 5 BAIO RISCO RAP< 5 Contra-indicação da anticoagulação RECOMENDAÇÕES Contra-indicação da anticoagulação 10

11 Insuficiência renal Insuficiência renal estudos, 15: enoxi 2: tinzaparina 1: dalteparina Níveis de pico De anti-a 4h Favorece redução do sangramento Favorece aumento do sangramento Petoodds ratio (OR) of major bleeding events in patients with severe renal insufficiency (creatinineclearance 30 ml/min). De 875 estudos---> 12 estudosincluídos Todas enoxiparinas 2006 Petoodds Conclusions: ratio (OR) of major bleeding Non dialysis-dependent Events with enoxaparin patients with a creatinineclearance of 30 ml/min in or patients less who with are severe treated renal with standard therapeutic doses of enoxaparin have Dose insufficiency elevated levels (creatinine of anti-aand an increased terapêuticarisk for major bleeding. clearance Empirical 30 dose ml/min). adjustment of enoxaparinmay reduce the risk for bleeding and merits additional evaluation. No conclusions can be made regarding other LMWHs Dose ajustada Favorece redução do sangramento Favorece aumento do sangramento 11

12 Obrigado! Contra-indicação da anticoagulação 12

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

NOVOS ANTICOAGULANTES NO

NOVOS ANTICOAGULANTES NO NOVOS ANTICOAGULANTES NO TEV Guilherme Parreiras Médico Pneumologista do HJK Coordenador do Ambulatório de Anticoagulação do HJK 05/2014 OBJETIVOS DA AULA Introdução Características dos novos Anticoagulantes

Leia mais

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Daniel Mendes Pinto Simpósio sobre Atualização em An

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Guia do prescritor rivaroxabano

Guia do prescritor rivaroxabano Guia do prescritor rivaroxabano Informação importante de segurança Bayer Portugal, S.A. Rua Quinta do Pinheiro, nº 5 2794-003 Carnaxide NIF: 500 043256 Versão 4, agosto 2014 Este medicamento está sujeito

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar ANESTESIA REGIONAL E ANTICOAGULAÇÃO BENEFÍCIOS DO BLOQUEIO DO NEUROEIXO Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) PROFILAXIA CONTRA TROMBOEMBOLISMO NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL HBPM,

Leia mais

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa.

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa. PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E DA EMBOLIA PULMONAR (EP), E PREVENÇÃO DA TVP E DA EP RECORRENTE EM ADULTOS (TVP/EP) PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO

Leia mais

Arixtra. fondaparinux sódico USO ADULTO

Arixtra. fondaparinux sódico USO ADULTO Arixtra I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Solução injetável para uso subcutâneo ou intravenoso. Apresentado em embalagens contendo

Leia mais

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção (ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajuste do ph, conforme necessário).

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção (ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajuste do ph, conforme necessário). LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Arixtra fondaparinux sódico APRESENTAÇÃO Solução injetável para uso subcutâneo (apresentação de 2,5 mg e 7,5 mg)

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU Salvador, 27 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: xxx Promotoria da Justiça de Brumado/Dispensação

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

Farmacologia aplicada às emergências

Farmacologia aplicada às emergências UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ASSISTÊNCIA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FARMACOLOGIA APLICADA ÀS EMERGÊNCIAS Farmacologia aplicada às emergências Nardeli Boufleur nardeli@unochapeco.edu.br

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Profilaxia do Trombo Embolismo Venoso em Ortopedia TEV, Trombose venosa profunda, embolia pulmonar, Cirurgia

Leia mais

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV)

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Vânia Maris Morelli Disciplina de Hematologia e Hemoterapia Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP TEV (TVP MI e EP) ~7 dias

Leia mais

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção (ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajuste do ph, conforme necessário).

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção (ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajuste do ph, conforme necessário). Modelo de texto de bula Profissionais de Saúde LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Arixtra fondaparinux sódico APRESENTAÇÃO Solução injetável para

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA ANTICOAGULAÇÃO ORAL PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL O controle do uso do anticoagulante oral nas clínicas especializadas garante um tratamento mais adequado e seguro. COMO FUNCIONA A Hematológica possui

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Fragmin dalteparina sódica. Fragmin solução injetável 25.000 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas preenchidas com 0,2 ml (5.000 UI).

Fragmin dalteparina sódica. Fragmin solução injetável 25.000 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas preenchidas com 0,2 ml (5.000 UI). Fragmin dalteparina sódica I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome comercial: Fragmin Nome genérico: dalteparina sódica APRESENTAÇÕES Fragmin solução injetável 12500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas

Leia mais

Fragmin dalteparina sódica. Fragmin solução injetável 12500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas pré-enchidas com 0,2 ml (2500 UI).

Fragmin dalteparina sódica. Fragmin solução injetável 12500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas pré-enchidas com 0,2 ml (2500 UI). Fragmin dalteparina sódica I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome comercial: Fragmin Nome genérico: dalteparina sódica APRESENTAÇÕES Fragmin solução injetável 12500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

Versa. Bula para paciente. Solução injetável. 100 mg/ml

Versa. Bula para paciente. Solução injetável. 100 mg/ml Versa Bula para paciente Solução injetável 100 mg/ml VERSA enoxaparina sódica Solução injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Versa (enoxaparina sódica) solução injetável: 20 mg/0,2 ml, 40 mg/0,4

Leia mais

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari Pacientes e clínicos devem receber diretrizes prá5cas sobre o uso dos novos an5coagulantes orais, e a facilidade de uso destes

Leia mais

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica 2 o Curso Nacional de Circulação Pulmonar SBPT 2009 Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica Eloara Vieira Machado Ferreira Doutoranda da Disciplina de Pneumologia UNIFESP/ EPM Setor de Função Pulmonar

Leia mais

25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral

25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral 2014 25 de Outubro 6ª feira Quem são os doentes em Fibrilhação Auricular com indicação para anticoagulação oral António Pedro Machado Carlos Rabaçal Score de risco isquémico CHA 2 DS 2 - VASc Sexo Fem.

Leia mais

Fármacos Anti-trombóticos. Penha Cristina Barradas

Fármacos Anti-trombóticos. Penha Cristina Barradas Fármacos Anti-trombóticos Penha Cristina Barradas Introdução Doenças tromboembólicas - Grande morbi-mortalidade, principalmente devido ao fato das doenças que dão origem a fenômenos tromboembólicos terem

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Reunião Científica Divisão de Cardiologia TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Wersley Araújo Silva São Lucas Clínica & Hospital Aracaju, 30 de abril de 2013 Brasil Papel das Plaquetas

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda Data: 08/03/2013 NTRR 12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito: MARCO ANTONIO MACEDO FERREIRA Número do processo: 0334.14.000024-4 Impetrato: Estado de Minas Gerais

Leia mais

magnésio, lactose monoidratada, dióxido de titânio, triacetina, óxido de ferro vermelho e óxido de ferro amarelo.

magnésio, lactose monoidratada, dióxido de titânio, triacetina, óxido de ferro vermelho e óxido de ferro amarelo. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO EFFIENT cloridrato de prasugrel D.C.B. 09669 APRESENTAÇÕES EFFIENT (cloridrato de prasugrel) é apresentado na forma de comprimidos revestidos para administração oral, nas seguintes

Leia mais

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança. Monitor: Fernando Pessuti

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança. Monitor: Fernando Pessuti Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti Niterói, 28 de abril de 2015 Antiagregantes plaquetários Anticoagulantes orais Heparinas Novos anticoagulantes orais Tríade de Virchow

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica S.A.

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica S.A. APRESENTAÇÕES ELIQUIS (apixabana) é apresentado na forma farmacêutica de comprimidos revestidos de 2,5 mg em embalagens contendo 10, 20 ou 60 comprimidos. ELIQUIS (apixabana) é também apresentado na forma

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

CDS22FEV08 EFFIENT cloridrato de prasugrel D.C.B. 09669 APRESENTAÇÕES EFFIENT (cloridrato de prasugrel) é apresentado na forma de comprimidos

CDS22FEV08 EFFIENT cloridrato de prasugrel D.C.B. 09669 APRESENTAÇÕES EFFIENT (cloridrato de prasugrel) é apresentado na forma de comprimidos CDS22FEV08 EFFIENT cloridrato de prasugrel D.C.B. 09669 APRESENTAÇÕES EFFIENT (cloridrato de prasugrel) é apresentado na forma de comprimidos revestidos para administração oral, nas seguintes concentrações:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

CLEXANE enoxaparina sódica

CLEXANE enoxaparina sódica MODELO DE BULA Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação à legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLEXANE

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR FOCO NA URGÊNCIA

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR FOCO NA URGÊNCIA TROMBOEMBOLISMO PULMONAR FOCO NA URGÊNCIA Sumário 1 Introdução... 1 2 Epidemiologia... 2 3 Fisiopatologia... 2 4 Manifestações clínicas... 3 5 Testes diagnósticos... 4 6 Algoritmo diagnóstico... 5 7 Orientações

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja,

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja, 1 Prezado paciente Se você está em tratamento com anticoagulante oral, saiba que essa substância é muito eficaz para prevenir a ocorrência de tromboses e embolias, que são complicações sérias resultantes

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

CLEXANE Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 20 mg/0.2 ml 40 mg/0.4 ml 60 mg/0.6 ml 80 mg/0.8 ml 100 mg/1.0 ml

CLEXANE Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 20 mg/0.2 ml 40 mg/0.4 ml 60 mg/0.6 ml 80 mg/0.8 ml 100 mg/1.0 ml CLEXANE Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 20 mg/0.2 ml 40 mg/0.4 ml 60 mg/0.6 ml 80 mg/0.8 ml 100 mg/1.0 ml Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação à legislação vigente da

Leia mais

Fragmin dalteparina sódica

Fragmin dalteparina sódica Fragmin dalteparina sódica I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome comercial: Fragmin Nome genérico: dalteparina sódica APRESENTAÇÕES Fragmin solução injetável 12.500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

Recomendações para a prevenção do tromboembolismo venoso

Recomendações para a prevenção do tromboembolismo venoso CIRCULAÇÃO PULMONAR Recomendações para a prevenção do tromboembolismo venoso Recomendações para a prevenção do tromboembolismo venoso COMISSÃO DE CIRCULAÇÃO PULMONAR DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Diretrizes Assistenciais Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores e revisores: João Fernando Lourenço de Almeida, Jorge David Aivazoglou

Leia mais

Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa

Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa Daniel Mendes Pinto Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Disponível em www.vascularbh.com.br Não tenho conflito

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLEXANE enoxaparina sódica

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLEXANE enoxaparina sódica MODELO DE TEXTO DE BULA SANOFI-AVENTIS Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLEXANE enoxaparina sódica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE)

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE) Novo estudo mostra que a profilaxia estendida com Clexane (enoxaparina sódica injetável) por cinco semanas é mais efetiva que o esquema-padrão de 10 dias para a redução do risco de Tromboembolismo Venoso

Leia mais

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD)

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD) Manuseio Peri-operatório dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos Guia de Consenso 2014 I. MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO EM DOENTES MEDICADOS COM ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS 1. Fatores a considerar

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

CLEXANE enoxaparina sódica

CLEXANE enoxaparina sódica MODELO DE BULA Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação à legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLEXANE

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas 75 mg, 110 mg e 150 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas 75 mg, 110 mg e 150 mg PRADAXA (etexilato de dabigatrana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas 75 mg, 110 mg e 150 mg APRESENTAÇÕES PRADAXA 75 mg: embalagens com 10 e 30 cápsulas PRADAXA 110 mg

Leia mais

Metalyse tenecteplase. Frasco-ampola contendo 8.000 U (40 mg) de tenecteplase, acompanhado de seringa pré-carregada com 8 ml de água para injeção.

Metalyse tenecteplase. Frasco-ampola contendo 8.000 U (40 mg) de tenecteplase, acompanhado de seringa pré-carregada com 8 ml de água para injeção. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Metalyse tenecteplase FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável + solução diluente. Frasco-ampola contendo 8.000 U (40 mg) de tenecteplase, acompanhado

Leia mais

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias CULTURA A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias 01/10/2014 Drª Monica Pinheiro Enfª Karina Tomassini HOSPITAL ESTADUAL DE SAPOPEMBA Liderança Superintendente Maria

Leia mais

ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Arixtra 1,5 mg/0,3 ml solução injetável, seringa pré-cheia. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa pré-cheia (0,3

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto RESPOSTA RÁPIDA 22/2014 Xarelto SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª. Juliana Mendes Pedrosa, Juíza de Direito 0327.13.003068-4 DATA 17/01/2014 SOLICITAÇÃO O requerente está acometido de cardiomiopatia dilatada

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao Anticoagulação no ciclo gravídico-puerperal Adolfo Liao Agenda Razão de mortalidade materna (óbitos maternos / 100.000 NV) Sistema de Informações sobre Mortalidade Mortalidade Materna OMS, 2014 embolia

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES. COMPOSIÇÃO: Cada comprimido revestido contém 15 mg ou 20 mg de rivaroxabana.

AO ANEXO I - INFORMAÇÕES. COMPOSIÇÃO: Cada comprimido revestido contém 15 mg ou 20 mg de rivaroxabana. Xarelto rivaroxabana APRESENTAÇÕES: Xarelto (rivaroxabana) é apresentado na forma de comprimidos revestidos em cartucho com blíster contendo 14 ou 28 comprimidos revestidos de 15 mg ou 20 mg. USO ORAL

Leia mais

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Aspectos Importantes da Coagulação São três os fatores importantes para coagulação: Parede do vaso Atividade plaquetária Fatores

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto )

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) SOLICITANTE Eduardo Soares de Araújo Juíz de Direito Comarca de Andradas MG NÚMERO DO PROCESSO 14.2723-1 DATA 03/06/2014 Proc. 14.2723-1 Autor: VALDECI

Leia mais

TEP incidental em neoplasias

TEP incidental em neoplasias Fabrício Martins Valois Teorema de Bayes 0% 100% TEP incidental TEP identificado sem suspeita clínica de embolia Prevalência de 2,5% Realização demasiada de exames... Dentali LR. Radiology, 243, 2005 1

Leia mais

Versa. Solução injetável

Versa. Solução injetável Versa enoxaparina sódica Solução injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Versa (enoxaparina sódica) solução injetável: - 20 mg/0,2 ml e 40 mg/0,4 ml - embalagens com 2 e 10 seringas pré-enchidas.

Leia mais