Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV)"

Transcrição

1 Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Vânia Maris Morelli Disciplina de Hematologia e Hemoterapia Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

2 TEV (TVP MI e EP) ~7 dias Prevenção da extensão e da recorrência da trombose Parenteral Droga AVK Droga AVK RNI = 2-3 van Es. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265. Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

3 TEV (TVP MI e EP) Duração ideal do Tratamento a longo prazo? ~7 dias Prevenção da extensão e da recorrência da trombose Parenteral Droga AVK Droga AVK RNI = 2-3 van Es. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265 Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

4 Risco Recorrência Preferência Paciente Risco Sangramento TEV (TVP MI e EP) Duração ideal do Tratamento a longo prazo? ~7 dias Prevenção da extensão e da recorrência da trombose Parenteral Droga AVK Droga AVK RNI = 2-3 van Es. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265 Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

5 Risco Recorrência Preferência Paciente Risco Sangramento TEV (TVP MI e EP) Duração ideal do Tratamento a longo prazo? ~7 dias Prevenção da extensão e da recorrência da trombose Parenteral Droga AVK Droga AVK RNI = 2-3 van Es. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265 Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

6 TEV Provocado TEV Não Provocado Fator de Risco Adquirido Transitório Cirurgia Trauma Imobilização (hospitalização) Fratura Exposição hormonal Contraceptivo oral Terapia de reposição hormonal Gestação Puerpério Fator de Risco Adquirido Persistente Câncer Doenças mieloproliferativas Hemoglobinúria Paroxística Noturna Doenças de natureza auto-imune Inflamatória intestinal Lúpus eritematoso sistêmico Behçet Síndrome Nefrótica Síndrome antifosfolípide van ES. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265 Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

7 7, ,6 29,1 39,9 Coorte prospectiva 1626 pacientes Primeiro evento TEV, sem câncer Suspensão da anticoagulação Recorrência: 373 casos Prandoni P. Haematologica 2007; 92:199.

8 7, ,6 29,1 39,9 Coorte prospectiva 1626 pacientes Primeiro evento TEV, sem câncer Suspensão da anticoagulação Recorrência: 373 casos Prandoni P. Haematologica 2007; 92:199.

9 Câncer Estudo Risco recorrência (IC 95%) Prandoni et al, ,72 (1,31-2,25) Hansson et al, ,97 (1,20-3,23) Heit et al, ,56 (1,86-3,51) TEV prévio Estudo Risco recorrência (IC 95%) Hansson et al, ,71 (1,16-2,52) Schulman et al, ,73 (1,00-2,99) TVP proximal versus distal Estudo Baglin et al, 2010 Risco recorrência (IC 95%) EP vs. TVP proximal 0,85 (0,66-1,10) TVP proximal vs. TVP distal 4,76 (2,06-10,98) Prandoni P et al. Ann Intern Med 1996; 125: 1. Hansson PO. Arch Intern Med 2000; 160: 769. Baglin T. J Thromb Haemost 2010; 8: Heit JA. Arch Intern Med 2000; 160: 761. Schulman S. N Engl J Med 2003;349: 1713.

10 TEV provocado ou não TEV prévio Risco Recorrência Preferência Paciente Risco Sangramento TEV (TVP MI e EP) Duração do Tratamento a longo prazo ~7 dias Prevenção da extensão e recorrência da trombose Parenteral Droga AVK Droga AVK RNI = 2-3 van Es. J Thromb Haemost 2011; 9 (Suppl. 1): 265 Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

11 n = 737 n = 1046 n = 776 n = 348 HR = 1,52 (IC 95%: 1,14-2,02) P = 0,004 7 estudos 2907 pacientes com primeiro evento de TEV Sem câncer Anticoagulação: RNI 2,0-3,0 Seguimento: 24 meses após suspensão da anticoagulação Boutitie F. BMJ 2011; 342: d3036

12 n = 737 n = 1046 n = 776 n = estudos 3 meses versus 6 meses HR = 1,19 (IC 95%: 0,86-1,65) P = 0, pacientes com primeiro evento de TEV Sem câncer Anticoagulação: RNI 2,0-3,0 Seguimento: 24 meses após suspensão da anticoagulação Boutitie F. BMJ 2011; 342: d3036

13 Fator adquirido transitório TEV ~7 dias 3 meses (Grau 1B) Início Anticoagulação Fator adquirido persistente (câncer em atividade) TEV ~7 dias 3 meses Prolongar Risco baixo/moderado de sg: 1B Risco alto de sangramento de sg: 2B Início Anticoagulação Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

14 1º evento de TEV Não provocado Prolongar (Grau 2B) Risco baixo/moderado de sangramento ~7 dias 3 meses Início Anticoagulação Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

15 4 estudos randomizados: 1184 pacientes com TEV e sem câncer Maior risco de recorrência: TEV não provocado, TEV segundo evento Anticoagulação por 3 ou 6 meses comparada com período prolongado (seguimento de 10 a 36 meses) Evento Risco relativo (IC 95%) Recorrência 0,12 (0,09-0,38) Sangramento maior 2,63 (1,02-6,76) Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

16 1º evento de TEV Não provocado Prolongar (Grau 2B) Risco baixo/moderado de sangramento ~7 dias 3 meses Início Anticoagulação Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

17 Dosagem d-dímero Trombofilia TEV não provocado Anticoagulação Prolongada Preferência paciente Risco de sangramento

18 Dosagem d-dímero Trombofilia TEV não provocado Anticoagulação Prolongada Preferência paciente Risco de sangramento

19 1888 casos 1º evento TEV não provocado (7 estudos) Anticoagulação: pelo menos 3 meses Dosagem de D-dímero: 3 semanas a 2 meses após suspensão anticoagulação Seguimento ~2 anos 981 D-dímero negativo 74 recorrências (7,5%) Risco anual: 3,5 (IC 95%: 2,7% - 4,3%) 907 D-dímero positivo 165 recorrências (18,2%) Risco anual: 8,9% (IC 95%: 5,8% - 11,9%) Verhovsek M. Ann Intern Med. 2008;149:481. Eichinger S. Circulation. 2010;121:1630.

20 1888 casos 1º evento TEV não provocado (7 estudos) Anticoagulação: pelo menos 3 meses Dosagem de D-dímero: 3 semanas a 2 meses após suspensão anticoagulação Seguimento ~2 anos 981 D-dímero negativo 74 recorrências (7,5%) Risco anual: 3,5 (IC 95%; 2,7% - 4,3%) 907 D-dímero positivo 165 recorrências (18,2%) Risco anual: 8,9% (IC 95%: 5,8% - 11,9%) Vários testes disponíveis Ausência de padrão internacional Ausência de valor de corte único D-dímero em modelo de avaliação de risco que englobe fatores clínicos Verhovsek M. Ann Intern Med. 2008;149:481. Eichinger S. Circulation. 2010;121:1630.

21 929 casos 1º evento TEV não provocado Dosagem de D-dímero após suspensão anticoagulação Seguimento médio de 43 meses Recorrências: 176 (18,9%) Eichinger S. Circulation. 2010;121:1630.

22 Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso Existem alternativas para o cumarínicos?

23 Em pacientes com TEV e câncer, sugere-se o uso da HBPM em relação à droga AVK (Grau 2B) Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

24 Novos anticoagulantes orais Tratamento TEV Terapia prolongada Evento Dabigatran vs Rivaroxaban vs Rivaroxaban vs placebo Terapia convencional Recorrência 1274 (2,4%) vs 1265 (2,1%) terapia convencional 1731 (2,1%) vs 1718 (3,0%) 602 (1,3%) vs 594 (7,1%) HR 1,10 (IC 95% 0,65-1,84) Sangramento maior 1274 (1,6%) vs 1265 (1,9%) HR 0,68 (IC 95% 0,44-1,04) 1731 (8,1%) vs 1718 (8,1%) HR 0,18 (IC 95% 0,09-0,39) 602 (0,7%) vs 594 (0%), P = 0,11 HR 0,82 (IC 95% 0,45-1,48) HR 0,97 (IC 95% 0,76-1,22) Schulman S. N Engl J Med 2009;361:2342. Bauersachs R. N Engl J Med 2010;363:2499. Recomendação Preferir droga AVK e HBPM ao dabigatran e rivaroxaban no manejo a longo prazo do TEV (Grau 2C) Kearon C. Chest 2012; 141(2)(Suppl): e419s.

25 Obrigada

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari Pacientes e clínicos devem receber diretrizes prá5cas sobre o uso dos novos an5coagulantes orais, e a facilidade de uso destes

Leia mais

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210)

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210) Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM * Kenneth. Chest 2002;2:877 905. PIOPED (n=7) ICOPER (n=2.20) RIETE (n=3.39) Dispneia 73% 82% 83% Taquicardia 70% ND ND

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE)

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE) Novo estudo mostra que a profilaxia estendida com Clexane (enoxaparina sódica injetável) por cinco semanas é mais efetiva que o esquema-padrão de 10 dias para a redução do risco de Tromboembolismo Venoso

Leia mais

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria Dayse M Lourenço Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica Do coagulograma convencional a tromboelastometria Consultoria científica: Bayer Glaxo Smith Kline UNIFESP Escola

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Profilaxia do Trombo Embolismo Venoso em Ortopedia TEV, Trombose venosa profunda, embolia pulmonar, Cirurgia

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU Salvador, 27 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: xxx Promotoria da Justiça de Brumado/Dispensação

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ARMANDO MANSILHA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO IMPORTÂNCIA DA DOENÇA < 5 casos / 100.000 / ano < 15 anos 500 casos / 100.000 / ano 80 anos Maior incidência nas

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Daniel Mendes Pinto Simpósio sobre Atualização em An

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que:

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: Sou conferencista eventual para Aché, Bayer, GSK, Libbs,

Leia mais

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008)

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Oudega R, Van Weert H, Stoffers HEJH, Sival PPE, Schure RI, Delemarre J, Eizenga WH traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto )

RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) RESPOSTA RÁPIDA 305/2014 Rivaroxabana (Xarelto ) SOLICITANTE Eduardo Soares de Araújo Juíz de Direito Comarca de Andradas MG NÚMERO DO PROCESSO 14.2723-1 DATA 03/06/2014 Proc. 14.2723-1 Autor: VALDECI

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

NOVOS ANTICOAGULANTES ORAIS: POR QUE EU ESCOLHO MARCO TULIO ARAUJO PEDATELLA

NOVOS ANTICOAGULANTES ORAIS: POR QUE EU ESCOLHO MARCO TULIO ARAUJO PEDATELLA NOVOS ANTICOAGULANTES ORAIS: POR QUE EU ESCOLHO MARCO TULIO ARAUJO PEDATELLA DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Declaro ter recebido honorários referente palestras: Boehringer Ingelheim, Pfizer. Declaro

Leia mais

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica 2 o Curso Nacional de Circulação Pulmonar SBPT 2009 Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica Eloara Vieira Machado Ferreira Doutoranda da Disciplina de Pneumologia UNIFESP/ EPM Setor de Função Pulmonar

Leia mais

Tratamento anticoagulante inicial da trombose venosa profunda: Quais as opções na terapia anticoagulante? Quando usar cada uma? Por quanto tempo?

Tratamento anticoagulante inicial da trombose venosa profunda: Quais as opções na terapia anticoagulante? Quando usar cada uma? Por quanto tempo? Tratamento anticoagulante inicial da trombose venosa profunda: Quais as opções na terapia anticoagulante? Quando usar cada uma? Por quanto tempo? Rogério Abdo Neser Tratamento ideal para TVP Evitar embolização

Leia mais

An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário. Dra. Daniela Calderaro

An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário. Dra. Daniela Calderaro An#coagulantes e an#plaquetários no perioperatório, inclusive de cirurgia de catarata e implante dentário Dra. Daniela Calderaro Efeito rebote da suspensão AAS Sangramento AAS aumenta sangramento em 50%,

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Tratamento domiciliar da TEP. Renato Maciel

Tratamento domiciliar da TEP. Renato Maciel Tratamento domiciliar da TEP Renato Maciel Conflito de interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência de Vigilância Sanitária declaro: Não

Leia mais

INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA.

INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA. INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA. ASSIS, Thaís Rocha¹; SILVA, Mara Nunes da²; SANDOVAL,

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto RESPOSTA RÁPIDA 22/2014 Xarelto SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª. Juliana Mendes Pedrosa, Juíza de Direito 0327.13.003068-4 DATA 17/01/2014 SOLICITAÇÃO O requerente está acometido de cardiomiopatia dilatada

Leia mais

Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista. Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista

Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista. Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista Avaliação Pré-Operatória: Visão do Pneumologista Luciana Tamiê Kato Morinaga Pneumologista Prevalência e impacto Identificação do paciente de risco Modificação do risco Situações específicas Tabagismo

Leia mais

Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa

Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa Quais as novas opções para tratamento da doença tromboembólica venosa Daniel Mendes Pinto Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Disponível em www.vascularbh.com.br Não tenho conflito

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

NOVOS ANTICOAGULANTES NO

NOVOS ANTICOAGULANTES NO NOVOS ANTICOAGULANTES NO TEV Guilherme Parreiras Médico Pneumologista do HJK Coordenador do Ambulatório de Anticoagulação do HJK 05/2014 OBJETIVOS DA AULA Introdução Características dos novos Anticoagulantes

Leia mais

TEP incidental em neoplasias

TEP incidental em neoplasias Fabrício Martins Valois Teorema de Bayes 0% 100% TEP incidental TEP identificado sem suspeita clínica de embolia Prevalência de 2,5% Realização demasiada de exames... Dentali LR. Radiology, 243, 2005 1

Leia mais

DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS

DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS Aspectos laboratoriais em coagulação DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS Dr. João Carlos de Campos Guerra Departamento de Patologia Clínica - HIAE Centro de Hematologia de São Paulo - CHSP SISTEMAS ENVOLVIDOS NA HEMOSTASIA

Leia mais

Tratamento da Trombose Venosa Profunda. Dr. Adilson Ferraz Paschôa CRM-SP 42.525. Dra. Dayse Maria Lourenço CRM-SP 40.670.

Tratamento da Trombose Venosa Profunda. Dr. Adilson Ferraz Paschôa CRM-SP 42.525. Dra. Dayse Maria Lourenço CRM-SP 40.670. 3 Tratamento da Trombose Venosa Profunda Dr. Adilson Ferraz Paschôa CRM-SP 42.525 Dra. Dayse Maria Lourenço CRM-SP 40.670 Apoio Realização O Programa de Educação Continuada Excellence TEV é um evento de

Leia mais

trombótica: tica: epidemiologia, prevenção e tratamento clínico

trombótica: tica: epidemiologia, prevenção e tratamento clínico VI SIMPÓSIO SIO DE TROMBOSE E HEMOSTASIA VI SYMPOSIUM ON THROMBOSIS AND HAEMOSTASIS EPIDEMIOLOGIA E CONDUTA NAS TROMBOSES VENOSAS E SUAS COMPLICAÇÕES EPIDEMIOLOGY AND TREATMENT OF VENOUS THROMBOSIS AND

Leia mais

Em 2013, como escolher?

Em 2013, como escolher? Novos anticoagulantes, o início da fase IV Em 2013, como escolher? 04 de fevereiro de 2013 Marcelo Jamus Rodrigues Novos anticoagulantes Em 2013, como escolher? Dabigatrana Rivaroxabana Apixabana Novos

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS COMPRESSOR PNEUMÁTICO INTERMITENTE (CPI) 03/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS COMPRESSOR PNEUMÁTICO INTERMITENTE (CPI) 03/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS COMPRESSOR PNEUMÁTICO INTERMITENTE (CPI) 03/2008 Belo Horizonte Fevereiro 2008 Autoras: Dra. Lélia Maria

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos

30/07/2013. Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise endógena. Trombólise exógena trombolíticos Contraindicações da anticoagulação Ricardo de Amorim Corrêa Faculdade de Medicina/UFMG Tratamento da tromboembolia pulmonar aguda Uso de anticoagulantes suspensão da atividade trombótica e auxílio à trombólise

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

Evidências para utilização dos novos anticoagulantes

Evidências para utilização dos novos anticoagulantes Evidências para utilização dos novos anticoagulantes Celso Arrais Rodrigues Professor Adjunto Disciplina de Hematologia - UNIFESP Hospital Sírio-Libanês Centro de Oncologia TROMBOEMBOLISMO VENOSO Complicação

Leia mais

Guia do prescritor rivaroxabano

Guia do prescritor rivaroxabano Guia do prescritor rivaroxabano Informação importante de segurança Bayer Portugal, S.A. Rua Quinta do Pinheiro, nº 5 2794-003 Carnaxide NIF: 500 043256 Versão 4, agosto 2014 Este medicamento está sujeito

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CT de Medicina de Urgência e Emergência CT de Medicina Intensiva - CREMEC/CFM 05/09/2012 I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Diretrizes Assistenciais Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores e revisores: João Fernando Lourenço de Almeida, Jorge David Aivazoglou

Leia mais

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa.

Este Guia de Prescrição não substitui o Resumo das Características do Medicamento (RCM) do Pradaxa. PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E DA EMBOLIA PULMONAR (EP), E PREVENÇÃO DA TVP E DA EP RECORRENTE EM ADULTOS (TVP/EP) PRADAXA GUIA DE PRESCRIÇÃO PARA O TRATAMENTO

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso

Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Anexo A Diretriz clínica para prevenção de tromboembolismo venoso Isabela Ribeiro Simões de Castro e Maria Celia Andrade A trombose venosa profunda e a embolia pulmonar são os agravos mais comuns de tromboembolismo

Leia mais

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD)

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD) Manuseio Peri-operatório dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos Guia de Consenso 2014 I. MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO EM DOENTES MEDICADOS COM ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS 1. Fatores a considerar

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar

Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar SUSPEITA CLÍNICA DE TEP: Aplicar critérios de Wells para TEP (ANEXO 1) com finalidade de determinar probalidade clínica pré-testes ALTA PROBABILIDADE PROBABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2 ste guia foi desenvolvido especialmente para melhor orientá-lo durante sua permanência no hospital. Aqui serão encontradas informações sobre o nosso funcionamento. A leitura deste material é muito importante.

Leia mais

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP PODE A RADIOQUIMIOTERAPIA SUBSTITUIR A DISSECÇÃO LINFONODAL ESTENDIDA NO CÂNCER GÁSTRICO? André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP http://www.cancerresearchuk.org/home/

Leia mais

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA

PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL COMO FUNCIONA ANTICOAGULAÇÃO ORAL PROGRAMA DE ANTICOAGULA- ÇÃO ORAL O controle do uso do anticoagulante oral nas clínicas especializadas garante um tratamento mais adequado e seguro. COMO FUNCIONA A Hematológica possui

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 12-2012

Boletim Científico SBCCV 12-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 12-2012 Análise de desfechos após 5 anos do implante transcateter de válvula aórtica balãoexpansível, no Canadá. 5-Year Outcome After Transcatheter Aortic Valve Implantation.

Leia mais

TEMPO DE PROTROMBINA TP CBHPM 4.03.04.59-0 AMB 28.04.073-2

TEMPO DE PROTROMBINA TP CBHPM 4.03.04.59-0 AMB 28.04.073-2 TEMPO DE PROTROMIN TP CHPM 4.03.04.59-0 M 28.04.073-2 Sinonímia: Fator II. TP. TP. Tempo e atividade de protrombina. Tempo de Quick. PT. Prothrombin Time. INR. International Normalized Ratio. RNI. Relação

Leia mais

Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP

Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP SEM CONFLITO DE INTERESSE EPIDEMIOLOGIA: EUA: > 125000 casos/ano (1:1950)

Leia mais

Estudo EINSTEIN e Manejo Perioperatório da Anticoagulação. Dr. Francisco Humberto de Abreu Maffei CRM-SP 10.715

Estudo EINSTEIN e Manejo Perioperatório da Anticoagulação. Dr. Francisco Humberto de Abreu Maffei CRM-SP 10.715 5 Estudo EINSTEIN e Manejo Perioperatório da Anticoagulação Dr. Francisco Humberto de Abreu Maffei CRM-SP 10.715 Dr. Cyrillo Cavalheiro Filho CRM-SP 50.550 Apoio Realização O Programa de Educação Continuada

Leia mais

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET NOTA TÉCNICA 69-2014 TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET Data: 04/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíz de Direito Dr. Rafael Murad Brumana Número do processo: 0377.14.000764-4

Leia mais

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda Data: 08/03/2013 NTRR 12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito: MARCO ANTONIO MACEDO FERREIRA Número do processo: 0334.14.000024-4 Impetrato: Estado de Minas Gerais

Leia mais

Reijâne Alves de Assis Abril de 2012

Reijâne Alves de Assis Abril de 2012 Quando e como reverter pacientes em uso de antiagregantes e anticoagulantes. Qual a melhor conduta frente a situações de risco hemorrágico? Agentes hemostáticos x transfusão de hemoderivados Reijâne Alves

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac. Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.com 1 POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE De acordo com a RDC nº

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012

Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012 Novos Agentes Anticoagulantes- Como Usar? VI Board Review Reijâne Alves de Assis 23 de junho de 2012 Conflitos de interesse: Nada a declarar Novos anticoagulantes Relevância do tema Profilaxia nos procedimentos

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

Profilaxia de tromboembolismo venoso em pacientes clínicos: como e quando?

Profilaxia de tromboembolismo venoso em pacientes clínicos: como e quando? Rev Bras Clin Med, 2009;7:331-338 ARTIGO DE REVISÃO Profilaxia de tromboembolismo venoso em pacientes clínicos: como e quando? Venous thromboembolism prophylaxis in clinical patients: how and when? Salete

Leia mais

ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DE CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Arixtra 1,5 mg/0,3 ml solução injetável, seringa pré-cheia. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa pré-cheia (0,3

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

O rastreamento do câncer de colo uterino

O rastreamento do câncer de colo uterino PROFAM O rastreamento do câncer de colo uterino Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud Objetivos Discutir o uso de métodos contraceptivos

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Dr. André Deeke Sasse 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das evidências 4. Integração da

Leia mais

Fragmin dalteparina sódica

Fragmin dalteparina sódica Fragmin dalteparina sódica I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome comercial: Fragmin Nome genérico: dalteparina sódica APRESENTAÇÕES Fragmin solução injetável 12.500 UI/mL (anti-xa) em embalagem contendo 10 seringas

Leia mais

Profilaxia de Tromboembolismo Venoso em Pacientes Internados

Profilaxia de Tromboembolismo Venoso em Pacientes Internados Protocolo Institucional Profilaxia de Tromboembolismo Venoso em Pacientes Internados Gerente do protocolo: Dr. Luiz Francisco Cardoso Versão atualizada em 29 de junho de 2011 PROT-INST-006 PROTOCOLO DE

Leia mais

Tromboembolismo venoso em crianças e adolescentes

Tromboembolismo venoso em crianças e adolescentes J Vasc Br 2002, Vol. 1, Nº2 121 ARTIGO DE REVISÃO Tromboembolismo venoso em crianças e adolescentes Venous thromboembolism in children and adolescents Francisco H. de A. Maffei¹, Winston B. Yoshida², Sidnei

Leia mais