Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN"

Transcrição

1 Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

2 Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH anos Menopausa LH Estradiol Climatério Perimenopausa

3 Conseqüências do hipoestrogenismo Ondas de calor Insônia Sintomas vasomotores Risco cardiovascular Osteoporose Atrofia genital Alterações de humor

4 Terapia de reposição hormonal BENEFÍCIOS Sintomas vasomotores Trofismo genital Proteção contra osteoporose Melhora da memória?? Proteção cardiovascular??

5 Inconvenientes Edema, cefaléia Náuseas Irritação da pele Riscos Câncer de mama Câncer de endométrio Trombose venosa Mastalgia Sangramento menstrual uso regular: < 30 % abandono de tratamento: 59% em 2 anos 80% em 3 anos Ettinger et al; Menopause 3:185, 1996

6 TRH Benefícios comprovados Atrofia genital, sintomas vasomotores, osteoporose Benefícios Prováveis Sistema cognitivo, doenças cardiovasculares, câncer de colon Riscos comprovados Câncer de endométrio, tromboses Riscos prováveis Câncer de mama, cálculos biliares, câncer ovário

7 Contra-indicações - TRH Sangramento genital não-diagnosticado Neoplasias estrogênio-dependentes Disfunções hepáticas Antecedentes de tromboembolismo Antecedente de infarto agudo do miocárdio Lesões mamárias atípicas

8 TRH e Climatério Aderência ao Tratamento Desconhecimento dos Benefícios Cancerofobia Situações clínicas especiais Efeitos Colaterais Sangramento Vaginal Ganho de Peso Cefaléia Desconforto mamário

9 TRH Relação risco-benefício Contraindicações Benefícios Riscos Inconvenientes

10 Dose da TRH?? Individualização das pacientes

11 Perfil da droga ideal -Boa tolerabilidade adesão -Melhora dos sintomas -Melhora do trofismo genital -Melhora da massa óssea -Proteção cardiovascular -Ausência de efeitos sobre mama e útero

12 Definição TRH de baixa dose Estrogênios eqüinos conjugados: doses menores que 0,625 mg / dia (0,45 ou 0,3 mg/dia) Estradiol: dose igual ou menor que 1 mg / dia (0,5 ou 0,25 mg/dia) Estradiol transdérmico: doses menores que 50 µg de liberação/dia Estradiol gel ou loção:? Leon Speroff: Contemporary Ob/Gyn, julho 2001

13 TRH de baixa dose Objetivos para sua prescrição Eficácia terapêutica com menos efeitos colaterais Maior aceitação pelas mulheres Maior adesão Benefícios a longo prazo

14 Women s HOPE Study (Health, Osteoporosis, Progestin, Estrogen) Prospectivo, randomizado, duplo cego, controlado com placebo, multicêntrico n = mulheres na pósmenopausa Idade: anos Seguimento: 2 anos

15 Sintomas vasomotores

16 Sintomas Estudos comparativos vasomotores randomizados Avaliação fogachos n= 333 E2 0,25 mg E2 0,5 mg E2 1,0 mg E2 2,0 mg Placebo Após 12 sem: 0,5, 1 e 2mg reduziram mais fogachos que o placebo Notelovitz, 2000

17 Estudos comparativos randomizados Avaliação fogachos n= 92 E2 1,0 mg + NETA 0,5 mg Placebo A adição de NETA teve um efeito potencializador sobre a redução dos fogachos Notelovitz, 2000

18 Índice Kupperman após 12 meses E2 2mg + NETA 0,5 E2 1mg + NETA 0,5 McClung, 1998

19 Efeitos sobre o epitélio vaginal Índice de maturação vaginal: proporção de céls. superficiais / céls.intermediárias e parabasais

20 Hiperplasia endometrial

21 Hiperplasia endometrial Lembrar que a TRH com estrogênio sem adição de progestagênio a longo prazo, mesmo em doses baixas, mantém o risco aumentado para hiperplasia endometrial

22 Estudos comparativos randomizados Avaliação hiperplasia endometrial n= 1176, controlado, 12 m seguimento E 2 1 mg isolado E 2 1 mg + NETA 0,1-0,25-0,50 mg Hiperplasia endometrial 14,6 % - E isolado 0,8% - E+ 0,1 mg 0,4% - E+ 0,25 ou 0,50 mg Kurman et al, 2000

23 Incidência de amenorréia com TRH de baixa dose

24 Efeitos da TRH de baixa dose sobre o perfil lipídico

25 Efeitos da TRH de baixa dose sobre o perfil lipídico

26 Efeitos da TRH de baixa dose sobre o perfil lipídico

27 Efeitos da TRH de baixa dose sobre o perfil lipídico

28 Efeitos sobre o perfil lipídico Baixas doses de estrogênios eqüinos conjugados isoladamente ou combinados com AMP melhoraram as taxas de HDL e LDL-colesterol O resultado na dose de 0,45 mg EEC + 1,5 mg AMP foi similar aquele observado para a dose de 0,625 / 2,5 mg

29 Estudos comparativos randomizados Avaliação lipídica 0,1 0 % -0,1-0,2-0,3-0,4-0,5-0,6 COL LDL HDL VLDL TRI N= m seguimento Placebo E2 1mg+NETA 0,25 E2 1mg+NETA 0,50 Samsioe et al, 2003

30 Efeitos da TRH de baixa dose sobre o sistema hemostático Alterações benéficas no fibrinogênio e PAI- 1 (inibidor do ativador do plasminogênio) Resultados desfavoráveis ( ) sobre os anticoagulantes naturais (proteína S e antitrombina)

31 Estudo comparativo randomizado Avaliação da coagulação n= 152 te 2 50µg E 2 oral 1mg E 2 oral 1mg + gestodene 25 µg Placebo 13 ciclos Baixas doses de E2 oral foram associadas a aumento da fibrinólise e redução em variáveis pró-coagulação Post, 2003

32 Estudo comparativo Avaliação da hemocisteína n= 44 17ßE 2 1mg + NETA 0,5 tibolona 12 semanas de seguimento Baixas doses de 17ßE2 + NETA reduziram os níveis de hemocisteína de jejum em mulheres saudáveis na menopausa Kaleli, 2003

33 Efeitos da TRH de baixa dose sobre a sensibilidade à insulina 10 % Variação após 12 meses Placebo -20 AUC Glicose AUC Insulina E2 1mg+NETA 0,25 E2 1mg+NETA 0,50 Samsioe et al, 2003

34 TRH de baixa dose Benefícios comprovados atrofia genital, sintomas vasomotores, osteoporose Benefícios Prováveis? Padrão metabólico favorável Efeitos colaterais menos incidentes Sangramento vaginal Dolorimento mamário Riscos menores??? Câncer mama Câncer endométrio

35 Indicação de TRH de baixa dose Perimenopausa Sintomatologia climatérica leve ou moderada Mastalgia com esquemas convencionais Risco de osteoporose Risco de tromboembolismo Antecedente familiar de câncer mama Associada a outras drogas Desmame da TRH?

36

37 III CONGRESSO NORDESTINO DE CLIMATÉRIO E GINECOLOGIA ENDÓCRINA NATAL / RN 12 a 14 de maio 2005 Promoção SOBRAC SOBRAGE Pirâmide Palace Hotel Apoio FEBRASGO

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com. TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.br Estrogênios? O que existe por trás desta linda mulher? T R

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS XXIII JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA V CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS Prof. Dr. José Maria

Leia mais

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona.

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle estradiol, trimegestona APRESENTAÇÃO TEXTO DE BULA DE TOTELLE Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg

Leia mais

TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO

TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle Ciclo estradiol, trimegestona APRESENTAÇÃO TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas: 14 drágeas (rosa claro)

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS

DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS O climatério pode ser dividido em três fases distintas: Dos 35 aos 45 anos período em que surgem

Leia mais

Guideline sobre Climatério da SBRH

Guideline sobre Climatério da SBRH Guideline sobre Climatério da SBRH César Eduardo Fernandes Fernando Monteiro de Freitas Marta C.F. Finotti Jaime Kulak Jr O climatério representa a transição da vida reprodutiva para a não reprodutiva.

Leia mais

ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO

ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO PROFA.DRA. MARTA EDNA HOLANDA DIÓGENES YAZLLE Responsável pelo Setor de Anticoncepção do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Diretoria TRIÊNIO 2003-2006

Diretoria TRIÊNIO 2003-2006 Diretoria TRIÊNIO 2003-2006 Presidente: Alberto Soares Pereira Filho Vice Presidente: João Sabino de Lima Pinho Neto Secretário Geral: Rogério Bonassi Machado 1º Secretário: Juan Cabrera Fiat 1º tesoureiro:

Leia mais

TOTELLE. Drágeas. 1 mg + 0,125 mg

TOTELLE. Drágeas. 1 mg + 0,125 mg TOTELLE Drágeas 1 mg + 0,125 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle estradiol, trimegestona APRESENTAÇÃO TEXTO DE BULA DE TOTELLE Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas. USO

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA NA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL NA MENOPAUSA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA NA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL NA MENOPAUSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA NA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL NA MENOPAUSA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal no Climatério 1942 - Estrogênios eqüinos conjugados 1950 - Uso difundido nos Estados Unidos 1970 -

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA NATIFA PRO estradiol + acetato de noretisterona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 1 mg de estradiol e 0,5 mg de acetato de noretisterona.

Leia mais

TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA

TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Drágea 1,0 mg / 1,0 mg + 0,250 mg TOTELLE CICLO estradiol, trimegestona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Totelle Ciclo Nome genérico: estradiol,

Leia mais

TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL

TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Lucas Vianna Machado Prof. Titular de Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas de MG Titular da Academia Mineira de Medicina. Terapêutica de reposição hormonal, significa

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona Folheto informativo: Informação para o utilizador Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona Leia com atenção todo este folheto antes começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para si.

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014.

ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014. ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014. Maria, 49 anos, branca, dona-de-casa, vem à consulta de revisão com seu médico de

Leia mais

TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO

TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO TEXTO DE BULA DE TOTELLE CICLO I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle Ciclo estradiol, trimegestona DRÁGEAS USO ORAL APRESENTAÇÃO Cartucho com 1 blister com 28 drágeas: 14 drágeas (rosa claro) contendo

Leia mais

Resumo Foi realizada uma pesquisa abrangente acerca de revisões sistemáticas, trabalhos

Resumo Foi realizada uma pesquisa abrangente acerca de revisões sistemáticas, trabalhos REVISÃO SISTEMATIZADA Terapia estrogênica no climatério: qual a melhor via? Uma resposta baseada nas melhores evidências Estrogen therapy in climacteric: what is the best route? An answer based on the

Leia mais

SELECTA estrogênios conjugados + acetato de medroxiprogesterona Comprimidos revestidos 0,45 mg + 1,5 mg

SELECTA estrogênios conjugados + acetato de medroxiprogesterona Comprimidos revestidos 0,45 mg + 1,5 mg SELECTA estrogênios conjugados + acetato de medroxiprogesterona Comprimidos revestidos 0,45 mg + 1,5 mg USO ORAL USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 0,45 mg de estrogênios

Leia mais

TEXTO DE BULA DE PREMARIN DRÁGEAS RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Premarin estrogênios conjugados naturais APRESENTAÇÕES

TEXTO DE BULA DE PREMARIN DRÁGEAS RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Premarin estrogênios conjugados naturais APRESENTAÇÕES TEXTO DE BULA DE PREMARIN DRÁGEAS RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Premarin estrogênios conjugados naturais APRESENTAÇÕES Premarin 0,3 mg cartucho com 28 drágeas. Premarin 0,625 mg cartucho

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

Aspectos Demográficos

Aspectos Demográficos Climatério Fernando M. Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina Ambulatório de Endocrinologia Ginecológica, HC Setor de Reprodução Humana, HC 1 Aspectos Demográficos Fonte:

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada um g do gel contém 17-β estradiol... 0,6 mg; excipientes q.s.p...1 g. (carbômero 980, trolamina, álcool etílico 96% e água)

COMPOSIÇÃO Cada um g do gel contém 17-β estradiol... 0,6 mg; excipientes q.s.p...1 g. (carbômero 980, trolamina, álcool etílico 96% e água) Oestrogel estradiol FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Gel - Embalagem contendo 80 g + uma régua dosadora. USO ADULTO VIA TRANSDÉRMICA COMPOSIÇÃO Cada um g do gel contém 17-β estradiol... 0,6 mg; excipientes

Leia mais

Ceci Mendes Carvalho Lopes Professora assistente-doutora da Clínica Ginecológica do HCFMUSP Diretora da Sobrafito (Associação Médica Brasileira de

Ceci Mendes Carvalho Lopes Professora assistente-doutora da Clínica Ginecológica do HCFMUSP Diretora da Sobrafito (Associação Médica Brasileira de Ceci Mendes Carvalho Lopes Professora assistente-doutora da Clínica Ginecológica do HCFMUSP Diretora da Sobrafito (Associação Médica Brasileira de fitomedicina) Fitoterapia em Ginecologia Uma das opções

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Premarin drágeas estrogênios conjugados

Premarin drágeas estrogênios conjugados Premarin drágeas estrogênios conjugados I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Premarin Nome genérico: estrogênios conjugados APRESENTAÇÕES Premarin 0,3 mg ou 0,625 mg em embalagem contendo 28

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

Farlutal acetato de medroxiprogesterona

Farlutal acetato de medroxiprogesterona Farlutal acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Farlutal Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Farlutal 10 mg em embalagens contendo 10 ou

Leia mais

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS!

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! A expectativa de vida de homens e mulheres está aumentando por diversos fatores, principalmente aos avanços da

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina)

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina APRESENTAÇÃO Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha Depot de 3,6

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA

EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA SANDRA HELENA FERNANDES MENDES EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA Rio de Janeiro 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Reposição Hormonal: vantagens e desvantagens. Hormonal Replacement: advantages and disdvantagens

Reposição Hormonal: vantagens e desvantagens. Hormonal Replacement: advantages and disdvantagens Reposição Hormonal: Vantagens e Desvantagens Reposição Hormonal: vantagens e desvantagens Hormonal Replacement: advantages and disdvantagens Danieli Ribeiro Giacomini 1 ; Eliane Aparecida Campesatto Mella

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Creme de progesterona 2% Veículo

Creme de progesterona 2% Veículo Creme de Progesterona 2% Aumento da Elasticidade e da Firmeza da Pele de Mulheres na Peri e na Pós-Menopausa, Sem Promover Efeitos Colaterais Sérios (1) O objetivo deste Informe Científico é apresentar

Leia mais

TEXTO DE BULA DE PREMARIN CREME VAGINAL RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Premarin estrogênios conjugados naturais.

TEXTO DE BULA DE PREMARIN CREME VAGINAL RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Premarin estrogênios conjugados naturais. TEXTO DE BULA DE PREMARIN CREME VAGINAL RESOLUÇÃO 47/09 I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Premarin estrogênios conjugados naturais Creme Vaginal APRESENTAÇÃO Cartucho com bisnaga contendo 26 g de creme e

Leia mais

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção:

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - FEMOSTON FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - FEMOSTON INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE - FEMOSTON

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - FEMOSTON FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - FEMOSTON INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE - FEMOSTON FEMOSTON - Bula do Profissional de Saúde - Princípio Ativo Estradiol e Didrogesterona Femoston (Solvay Farma) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - FEMOSTON Solvay Farma Ltda. e estradiol / didrogesterona FORMAS

Leia mais

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE: VALÉRIA COUTINHO FONTE: SINTOMAS (precoces) ACHADOS FÍSICOS (Intermediárias) DOENÇAS (Tardias) Fogacho Insônia Irritabilidade Distúrbio do humor Atrofia vaginal Incontinência urinária Atrofia da pele Osteoporose

Leia mais

Grupo que elaborou a proposta: Dr. José Furtado Dr.ª Angelina Tavares Dr.ª Cecília Lomba Enf.ª Teresa Moreno

Grupo que elaborou a proposta: Dr. José Furtado Dr.ª Angelina Tavares Dr.ª Cecília Lomba Enf.ª Teresa Moreno CIRCULAR INFORMATIVA Nº 01/ 2011 Comissão Regional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente da Região Norte (CRSMCA) Menopausa - Conceitos e Estratégias Documento orientador baseado nos consensos

Leia mais

Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia

Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia Maria das Dores Muniz Trindade Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Heloísa Antonia Tocci Docente do Curso de Graduação

Leia mais

NATIFA PRO estradiol + acetato de noretisterona Comprimidos revestidos 1,0 mg + 0,5 mg

NATIFA PRO estradiol + acetato de noretisterona Comprimidos revestidos 1,0 mg + 0,5 mg NATIFA PRO estradiol + acetato de noretisterona Comprimidos revestidos 1,0 mg + 0,5 mg USO ORAL USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 1 mg de estradiol e 0,5 mg de

Leia mais

Este texto corr esponde ao Anexo. saúde da Resoluçã o ANVISA - RDC 47/ 09

Este texto corr esponde ao Anexo. saúde da Resoluçã o ANVISA - RDC 47/ 09 s técnica s aos profissionais d a Primogyna 2 mg valerato de estradiol Informação importante! Leia com atenção! Es te tex to correspond e ao Anex o APRESENTAÇÃO: Cartucho contendo 1 blíster com 28 drágeas

Leia mais

Cartucho com bisnaga contendo 26 g e aplicador. Cada grama contém 0,625 mg de estrogênios conjugados naturais, USP (exclusivamente naturais).

Cartucho com bisnaga contendo 26 g e aplicador. Cada grama contém 0,625 mg de estrogênios conjugados naturais, USP (exclusivamente naturais). TEXTO DE BULA DE PREMARIN CREME VAGINAL I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Premarin estrogênios conjugados naturais Creme Vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO Cartucho com bisnaga contendo 26 g e aplicador.

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 1 mg de estradiol e 0,5 mg de acetato de noretisterona. Embalagem com 28 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 1 mg de estradiol e 0,5 mg de acetato de noretisterona. Embalagem com 28 comprimidos revestidos. NATIFA PRO estradiol + acetato de noretisterona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 1 mg de estradiol e 0,5 mg de acetato de noretisterona.

Leia mais

Avaliação dos sintomas climatéricos na mulher em menopausa e pós-menopausa em uso de proteína isolada de soja

Avaliação dos sintomas climatéricos na mulher em menopausa e pós-menopausa em uso de proteína isolada de soja Nutrição / Nutrition Avaliação dos sintomas climatéricos na mulher em menopausa e pós-menopausa em uso de proteína isolada de soja Evaluation of the climateric symptoms in postmenopausal women after menopause

Leia mais

Cefaléia e Terapia de Reposição Hormonal Carla Schultze 1 Renata Maria Lima de Carvalho 2 Deusvenir de Souza Carvalho 3

Cefaléia e Terapia de Reposição Hormonal Carla Schultze 1 Renata Maria Lima de Carvalho 2 Deusvenir de Souza Carvalho 3 9 ARTIGO Carla Schultze 1 Renata Maria Lima de Carvalho 2 Deusvenir de Souza Carvalho 3 RESUMO Nos países ocidentais, mais de 30% da população feminina está na pós-menopausa. Aproximadamente 30% dessas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: GINECOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Premarin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 0,625 mg

Premarin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 0,625 mg Premarin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 0,625 mg Premarin creme vaginal estrogênios conjugados I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Premarin Nome genérico: estrogênios conjugados

Leia mais

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel PRO MATRE Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel Isabel L.A.Corrêa FARMACOLOGIA CLÍNICA Derivados da 19 Nortestosterona 1ª geração - NORENTINODREL 2ª geração NORETISTERONA e metabólitos

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

Terapia de substituição hormonal

Terapia de substituição hormonal Terapia de substituição hormonal Elizabeth Barrett-Connor SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BARRETO, ML., et al., orgs. Epidemiologia, serviços e tecnologias em saúde [online]. Rio de Janeiro:

Leia mais

Premarin drágeas estrogênios conjugados

Premarin drágeas estrogênios conjugados Premarin drágeas estrogênios conjugados I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Premarin Nome genérico: estrogênios conjugados APRESENTAÇÕES Premarin 0,3 mg ou 0,625 mg em embalagem contendo 28

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

CITRATO DE TAMOXIFENO ANTIESTROGÊNICO/ ANTINEOPLÁSICO

CITRATO DE TAMOXIFENO ANTIESTROGÊNICO/ ANTINEOPLÁSICO CITRATO DE TAMOXIFENO ANTIESTROGÊNICO/ ANTINEOPLÁSICO Nome químico: Base: (Z)-2-[4-(1,2-Difenil-1- butenil)fenoxi]-n,ndimetiletanamina Fórmula química: C 26 H 29 NO.C 6 H 8 O 7 Peso molecular: 563,64 Fator

Leia mais

Glycine max (L.) Merril Soja

Glycine max (L.) Merril Soja Glycine max (L.) Merril Soja Família = Fabaceae ( Papilonáceas ). Profª Drª Ana Maria Soares Pereira Histórico A soja é usada como alimento por mais de 5000 anos na Ásia,especialmente na China e Japão,

Leia mais

Tenag. Vitex agnus-castus

Tenag. Vitex agnus-castus Tenag Vitex agnus-castus MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nome científico: Vitex agnus-castus Família: Verbenaceae Parte da planta utilizada: fruto Nomenclatura popular: Chaste tree APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos

Leia mais