AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC"

Transcrição

1 XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria da UFRJ e UFF Serviço de Pneumologia do IPPMG/UFRJ AGENDA ASMA NA CRIANÇA BETA 2 DE CURTA DURAÇÃO INDICAÇÕES FORMA DE ADMINISTRAÇÃO EFEITOS COLATERAIS? BETA 2 DE AÇÃO PROLONGADA(LABA) INDICAÇÕES USO ESTABELECIDO TB EM CRIANÇAS? Prevalência da Asma ISAAC (55 Paises) 32 Brasil 8 lugar 20% Indonésia Rússia China Argentina Nova Zelândia Grã Bretanha Lancet 1998;351:1225 1

2 Vias Aéreas Normais e Asmáticas Jeffery PK. Am J Respir Crit Care Med Evolução do Tratamento da Asma Uso β 2 agonistas de curta ação Corticóides inalatórios salbutamol Aumento do uso de corticóides inalatórios Combinações (CI + β 2 agonistas ) Broncoespasmo Inflamação Remodelamento β 2 agonistas de longa ação Tratamento da Asma na Criança- Unidades Vendidas EM BRASIL Associação Corticóide + Beta agonista Inalatório 4% Corticóides Inalatórios 5% Antileucotrieno 3% Anticolinérgico + Beta agonista Inalatório 1% Beta agonista de longa ação Inalatório 1% Outros AINEs 6% Anticolinérgico Inalatório 7% Unidades 2005 Beta agonista de curta ação Inalatório 23% Beta agonista Sistêmico 50% IMS/PMB MAT Jan/06; IMS/INTE MAT Jun/05 2

3 BETA 2 CURTA AÇÃO Seqüência de tratamento da crise de asma tratamento leve moderada ß 2 agonista inalatório brometo de ipratrópio mdi + espaçador 1x não mdi + espaçador 3x não corticosteróides talvez por via oral via oral ß 2 agonistas IV não não aminofilina não não Seqüência de tratamento da crise de asma tratamento grave risco de vida ß2 agonista inalatório (salbutamol) brometo de ipratrópio mdi/nebulização 3x na 1ª hora mdi/nebulização 3x na 1ª hora nebulização contínua neb (250µg) 3x na 1ª hora esteróides IV sim sim ß2 agonistas IV aminofilina não não se baixa resposta ao inalatório se baixa resposta ao salbutamol EV 3

4 Via inalatória Início de ação mais rápido Menos efeitos colaterais Espaçadores Reduzem a velocidade das partículas Aumentam a distância percorrida pelo jato Aumentam a relação partículas pequenas vs. grandes inspirada Diminuem a deposição oral e nas grandes vias aéreas 4

5 ASMA NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: CONHECIMENTO MÉDICO,PERCEPÇÃO DA DISPNÉIA E UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTO INALATÓRIO Orientadores: Antônio José Ledo Alves da Cunha Maria de Fátima Bazhuni Pombo March ANA ALICE AMARAL IBIAPINA PARENTE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA OBJETIVO Específico : Comparar a resposta broncodilatadora do fenoterol administrado por meio de um inalador dosimetrado acoplado a um espaçador artesanal e por meio de um nebulizador a jato, em crianças e adolescentes com crise de asma leve e moderada. FENOTEROL ADMINISTRADO POR INALADOR DOSIMETRADO ACOPLADO A ESPAÇADOR ARTESANAL E POR NEBULIZADOR NA CRISE DE ASMA PEDIÁTRICA Metodologia : ESP Fenoterol na dose de 400 µg; pmdi acoplado a espaçador artesanal ; NEB Fenoterol na dose de 0.15mg/kg ; 5

6 FENOTEROL ADMINISTRADO POR INALADOR DOSIMETRADO ACOPLADO A ESPAÇADOR ARTESANAL E POR NEBULIZADOR NA CRISE DE ASMA PEDIÁTRICA Resultados : 181 pacientes, 94 ESP (52% masc) e 87 NEB (53% masc); Idade, peso, altura, SatO 2, FC, FR e PFE - p > 0.05; Delta e incremento similares após broncodilatador; Admissão hospitalar p = FENOTEROL ADMINISTRADO POR INALADOR DOSIMETRADO ACOPLADO A ESPAÇADOR ARTESANAL E POR NEBULIZADOR NA CRISE DE ASMA PEDIÁTRICA FENOTEROL ADMINISTRADO POR INALADOR DOSIMETRADO ACOPLADO A ESPAÇADOR ARTESANAL E POR NEBULIZADOR NA CRISE DE ASMA PEDIÁTRICA 6

7 FENOTEROL ADMINISTRADO POR INALADOR DOSIMETRADO ACOPLADO A ESPAÇADOR ARTESANAL E POR NEBULIZADOR NA CRISE DE ASMA PEDIÁTRICA CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclusões e Considerações Finais: Promoção de treinamento em serviço periódicos de asma, visando à atualização de novos conceitos adquiridos; Programação de educação de pacientes asmáticos e familiares no reconhecimento precoce de sinais e sintomas e crise de asma; Utilização de aerossóis acoplados a espaçadores nas crises de asma leve e moderada. EFICÁCIA Spray versus Nebulização Spray+ espaçador Nebulização Valor de p Evolução do VEF 1 nos dois grupos Basal 0,79+0,7 0,74+0,5 0,83 Após 1ª dose 1,18+0,99 1,17+0,99 0,83 Após 2ª dose 1,40+0,80 1,46+1,01 0,36 Após 3ª dose 1,47+0,79 1,54+0,79 0,48 N=50 pacientes com broncoespasmo, dos quais 43 eram asmáticos e 7 portadores de DPOC Mandelberg A, Chen E, Noviski N, Priel IE. Nebulized wet aerosol treatment in emergency department is it essential? Comparison with large spacer device for metered-dose inhaler. Chest 1997;112:

8 EFICÁCIA EM CRIANÇAS Spray versus Nebulização Evolução das crianças com crise de asma tratadas com nebulização ou nebulímetro mais espaçador Permanência no PS (min) Internação, n(%) Retorno para atendimento, n(%) Coorte de 2001 Nebulização (1,6%) N= (7,5%) Coorte de 2002 Nebulímetro+e spaçador (1,5%) 15 (5,8%) p Ns Ns Ns Benito-Fernandez J, Balenciaga MG, Zache SC et al. Salbutamol via metered-dose inhaler with spacer versus nebulization for acute treatment of pediatric asthma in the emergency department. Pediat Emerg Care 2004;20: SEGURANÇA Spray versus Nebulização Para cada 1mg de salbutamol via spray são necessários 2,5mg de salbutamol via nebulização para se conseguir o mesmo efeito terapêutico Rodrigo C, Rodrigo G. Salmbutamol treatment of acute severe asthma in the ED: MDI versus hand-held nebulizer. Am J Emerg Med 1998;16: A via inalatória é a preferida para o tratamento da asma. O efeito direto sobre as mucosas possibilita o uso de doses baixas e redução efeitos adversos Pacientes e médicos deveriam conhecer todos dispositivos. Qual o melhor dispositivo inalatório? Depende: eficácia, adesão, custo, risco, benefício e da opinião paciente. Todos dispositivos são eficazes quando usados corretamente 8

9 Recomendações no Tratamento da Asma em Crianças Step up Grave persistente: CI alta dose + beta agonista de ação longa + teofilina de liberação lenta ou LTRA ou corticosteróide oral Moderada persistente: CI baixa a média dose + beta agonista de ação longa Leve persistente: CI baixa dose Opção: antileucotrienos Step down Intermitente: Beta agonista inalado de ação rápida Global Initiative for Asthma (GINA) NIH, Associação LABA / CI Persistente grave Persistente moderada Persistente leve Intermitente FDA Artigo: 23 abril 2004 FDA aprova salmeterol + fluticasona (50/100- diskus) para crianças de 4 a 11 anos de idade que estão sintomáticos com ctc inalado isolado Até então, desde 2001, a associação era aprovada apenas para adolescentes > 12 anos 9

10 LABA + CI em crianças? Melhora rápida no controle de sintomas (dados adultos) Poupa aumento de dose de CI isolado (dados adultos) Selecionar adequadamente o grupo que pode se beneficiar da associação* Poucos estudos adequados em crianças* *BISGAARD H, SZEFLER S. Lancet 2006 Balancing the benefits and risks of inhaled long-acting beta-agonists- The influence of values Kramer JM NEJM 360;16,2009 Salmeterol= 1º LABA em 1994 aprovado FDA; estudo mostrou aumentar risco de morte por asma; em 2005, LABA não deve ser monoterapia LABA deve ser associado apenas qdo o ctc isolado não controla a asma LABA pode não acrescentar benefício ao ctc inalado de 4 a 11 anos (1 estudo) Mais estudos são necessários em crianças Risco de efeitos colaterais como morte por asma, entubação ou hospitalização aumenta a medida que diminui a idade (60954 pctes, 11% 11 a 17 anos e 6% 4 a 11 anos) The FDA and safe use of long-acting beta-agonists in the treatment of asthma Chowdhury BA, Dal Pan G NEJM 362;13, 2010 LABA: uso isolado SEM corticóide(ctc) inalado é contra-indicado em pacientes de todas as idades LABA deve ser suspenso quando o controle da asma for alcançado e a terapia deve ser mantida com ctc inalado LABA não deve ser usado se o controle é obtido com doses baixas ou médias do ctc inalado Crianças e adolescentes: combinação LABA +ctc inalado quando for necessária a associação (e não LABA isolado) 10

11 CONCLUSÕES: (FDA Artigo: 18 fevereiro 2010) LABA não deve ser terapia isolada LABA deve ser usado se o ctc isolado não resolve LABA deve ser usado por tempo limitado até o controle ser obtido Crianças e adolescentes devem ser medicados apenas com combinação de LABA + ctc qdo necessário LABA não é medicação de resgate 11

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C. PROTOCOLO TERAPÊUTICO Crise de asma 1 Reconhecer a crise Aparecimento/agravamento da dificuldade respiratória Aumento da tosse, principalmente nocturna Intolerância ao exercício Limitação das actividades

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 Núcleo de Pediatria Baseada em Evidências Departamento Materno Infantil

Leia mais

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007 Asma na Infância 021 ESTAELECIDO EM 28/05/2007 ÚLTIMA REVISÃO EM 18/12/2009 NOME DO TEMA \\ Asma na Infância RESPONSÁVEIS UNIDADE \\ Dr. José Semionato Filho Dr. Luis Fernando A. Carvalho Dr. Wilson Rocha

Leia mais

Josélia Frade. joseliafrade@hotmail.com (022)33890291

Josélia Frade. joseliafrade@hotmail.com (022)33890291 Josélia Frade Mestre em Ciências da Saúde, CPqRR (Fiocruz) Especialista em Saúde Coletiva, UFMG Máster em Atención Farmacêutica, Universidad de Granada (Espanha) Atualización en Farmácia Clinica, Universidad

Leia mais

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Marcia Margaret M Pizzichini Professora Associado de Medicina Universidade Federal de Santa Catarina Núcleo de Pesquisa em Asma e Inflamação das

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

A importância da orientação farmacêutica ao paciente asmático

A importância da orientação farmacêutica ao paciente asmático A importância da orientação farmacêutica ao paciente asmático RESUMO Gislaine de Godoy Peres Mattos-gislainegperes@yahoo.com.br Atenção Farmacêutica e Farmacoterapia Clinica Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma

IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma 06/29-05/222 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2006 by ASBAI DIRETRIZES IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma EDITORES Roberto Stirbulov (SBPT) Professor Adjunto da FCM da Santa Casa de

Leia mais

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE A Saúde Respiratória da Criança Hermano Albuquerque de Castro Médico Pneumologista Doutor em Saúde Pública Pesquisador FIOCRUZ castro@ensp.fiocruz.br Segundo

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente

Leia mais

Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI. Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063

Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI. Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Universidade Federal

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento.

Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento. Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento. Cristina Gonçalves Alvim Cláudia Ribeiro de Andrade Grupo de Pneumologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da FM/UFMG. Sumário

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos?

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Marcia MM Pizzichini Professora de Medicina da UFSC NUPAIVA Asthma Research Center Florianópolis - Brasil Componentes das doenças das vias

Leia mais

Vitor Daniel Nasciben

Vitor Daniel Nasciben CUSTO-EFETIVIDADE DE BROMETO DE TIOTRÓPIO VERSUS SALMETEROL PARA O TRATAMENTO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA NA PERSPECTIVA DO SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICO: PAPEL DO TRATAMENTO DE MANUTENÇÃO NA PREVENÇÃO

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA Uso de inaladores dosimetrados na população de adolescentes e adultos, com

Leia mais

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Data: 25/11/2013 Medicamento x Material x Procedimento Cobertura TEMA: Anlodipina, losartana,hidroclorotiazida,

Leia mais

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT 18 a 20 de Abril - Rio de Janeiro Discinesia de corda vocal diferencial da Asma d Ávila Melo DISCINESIA DE CORDA VOCAL PASSAGEM DE AR FONAÇÃO PROTEÇÃO

Leia mais

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA MONOGRAFIA Asma: prevalência, imunologia e tratamento Gabriela Dourado Maranhão 2014 PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Paulo Roberto Goldenfun Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre CASO CLÍNICO História

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Municipal de Saúde C Secretaria Municipal de Saúde AUTORES Márcia Alcântara de Holanda Médica pneumologista- coordenação da Comissão de Asma SCPT Gerardo Ribeiro Macêdo Alves Farmacêutico-Coordenador e Executor de ações

Leia mais

Mesa DPOC I DISPOSITIVOS NA DPOC GRAVE. Dispositivos inalatórios Uma questão de conhecer, saber escolher, ensinar e checar a técnica!

Mesa DPOC I DISPOSITIVOS NA DPOC GRAVE. Dispositivos inalatórios Uma questão de conhecer, saber escolher, ensinar e checar a técnica! XI Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT/2010 Rio de Janeiro Mesa DPOC I DISPOSITIVOS NA DPOC GRAVE Dr Luiz Fernando Ferreira Pereira luizffpereira@uol.com.br H. Clínicas da UFMG H. Biocor

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento da Asma Brônquica

Diagnóstico e Tratamento da Asma Brônquica Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia Sociedade Brasileira de Pediatria Elaboração Final: 28 de Agosto de 2001 Coordenador: Fritscher CC Editores:

Leia mais

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por dose liberada (puff): frasco de 4 ml (60 doses liberadas

Leia mais

Atenção à Saúde da Criança e Adolescente com Asma

Atenção à Saúde da Criança e Adolescente com Asma MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE SAÚDE COMUNITÁRIA Atenção à Saúde da Criança e Adolescente com Asma Maria Lucia Medeiros Lenz Rui Flores Organizadores Porto Alegre - RS Março

Leia mais

O paciente de asma morre de que? Asfixia: fecha tudo e não há como ventilar.

O paciente de asma morre de que? Asfixia: fecha tudo e não há como ventilar. Asma brônquica Lesão obstrutiva reversível. Sob estímulo alérgico, infecções, entre outros, o cidadão faz um broncoespasmo (fecha o pulmão). Asma é uma doença inflamatória crônica; o indivíduo com asma

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE)

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE) PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE

Leia mais

MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica

MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica José Rosado Pinto, Isabel Costa Silva Objetivo geral do manual: Fornecer aos profissionais de saúde, particularmente aos médicos Pediatras e aos

Leia mais

ASMA PEDIÁTRICA. Corticoterapia na asma infantil Mitos e fatos

ASMA PEDIÁTRICA. Corticoterapia na asma infantil Mitos e fatos ASMA PEDIÁTRICA Corticoterapia na asma infantil Mitos e fatos 222222222222 Sociedade Brasileira de Pediatria Núcleo Gerencial do Departamento Científico de Pneumologia da SBP Maria de Fátima B. Pombo March

Leia mais

Anexo. Metodologia utilizada nos artigos de revisão* Critérios para seleção de artigos. Limite de tempo. Idiomas. Termos livres.

Anexo. Metodologia utilizada nos artigos de revisão* Critérios para seleção de artigos. Limite de tempo. Idiomas. Termos livres. Anexo Metodologia utilizada nos artigos de revisão* No Brasil, as pesquisas em DPOC são incipientes, não havendo um inquérito nacional que tenha avaliado a magnitude dessa doença até o momento. Um estudo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS Pediátrica Hospital Infantil Darcy Vargas Lúcia Maria Barbalho Guirau Doença inflamatória crônica VAI (mastócitos, eosinófilos, linf T, neutrófilos,etc) Hiperresponsividade

Leia mais

ANO EM REVISÃO ASMA GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS

ANO EM REVISÃO ASMA GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS ASMA 2014 ANO EM REVISÃO GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS Conflitos de interesse Participação em Clinical Trials dos laboratórios

Leia mais

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren Síndrome / Fernando Lundgren Declaração de conflito de interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência de Vigilância Sanitária declaro que:

Leia mais

USO PEDIÁTRICO (somente a apresentação de 50 e 100 mcg) E ADULTO

USO PEDIÁTRICO (somente a apresentação de 50 e 100 mcg) E ADULTO Clenil HFA dipropionato de beclometasona Uso Inalatório (Oral) Forma Farmacêutica: Solução pressurizada para inalação (spray). Apresentações: Clenil HFA Spray 50, 100, 200 e 250 mcg: aerossol dosimetrado

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias para as MANUAL PARA ABORDAGEM DA SIBILÂNCIA E ASMA EM IDADE PEDIÁTRICA 2/36 PROGRAMA NACIONAL PARA AS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS (PNDR) DIRETORA do PNDR Cristina Bárbara

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 010/2013 DATA: 02/08/2013 ATUALIZAÇÃO 18/12/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Utilização de Dispositivos Simples em Aerossolterapia Aerossolterapia; Dispositivos Simples; Câmaras Expansoras

Leia mais

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml.

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. PULMICORT budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PULMICORT budesonida APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. VIA INALATÓRIA

Leia mais

GUIA DE BOLSO PARA O CONTROLE E A PREVENÇÃO DA ASMA. (para Adultos e Crianças com Mais de 5 Anos)

GUIA DE BOLSO PARA O CONTROLE E A PREVENÇÃO DA ASMA. (para Adultos e Crianças com Mais de 5 Anos) GUIA DE BOLSO PARA O CONTROLE E A PREVENÇÃO DA ASMA (para Adultos e Crianças com Mais de 5 Anos) Um Guia de Bolso para Médicos e Enfermeiros Atualizado em 2010 BASEADO NA ESTRATÉGIA GLOBAL PARA O CONTROLE

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução a 0,025% para inalação, frasco com 20 ml USO INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

Broncodilatadores Bronchodilators

Broncodilatadores Bronchodilators Artigo original Broncodilatadores Bronchodilators Hisbello S. Campos 1, Paulo A. M. Camargos 2 RESUMO Broncodilatadores agem através de seu efeito direto relaxante sobre a célula muscular lisa. Eles pertencem

Leia mais

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO brometo de ipratrópio

Leia mais

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Definição: Doença crônica e progressiva caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo não totalmente reversível, associada a uma resposta inflamatória anormal nos pulmões

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011.

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011. PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Portaria Nº 163 /2011. Regulamenta o Protocolo para tratamento medicamentoso da

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Boas Práticas na Asma asma Programa Nacional de Controlo DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Comissão de Coordenação do Programa Nacional de Controlo da Asma Revisto em Novembro 2007 INTRODUÇÃO A Asma constitui

Leia mais

BAMBEC cloridrato de bambuterol. Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + copo medida.

BAMBEC cloridrato de bambuterol. Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + copo medida. BAMBEC cloridrato de bambuterol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BAMBEC cloridrato de bambuterol APRESENTAÇÃO Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

ASMA. Protocolo de DIAGNÓSTICO E MANEJO

ASMA. Protocolo de DIAGNÓSTICO E MANEJO ASMA Protocolo de DIAGNÓSTICO E MANEJO ASMA Protocolo de DIAGNÓSTICO E MANEJO Elaboração Alessandra Gazire Alves Affonso Ana Cristina de Carvalho Fernández Fonseca Corina Toscano Sad Geralda Magela Costa

Leia mais

Elaboração Final: 31 de janeiro de 2011 Participantes: Borges W, Burns D, Sarinho E, Guedes H, Pitchon R, Anderson MIP, Vieira SE

Elaboração Final: 31 de janeiro de 2011 Participantes: Borges W, Burns D, Sarinho E, Guedes H, Pitchon R, Anderson MIP, Vieira SE Autoria: Sociedade Brasileira de Pediatria Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade Elaboração

Leia mais

ASMA. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 1.317, de 25 de novembro de 2013.

ASMA. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 1.317, de 25 de novembro de 2013. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Portaria SAS/MS nº 1.317, de 25 de novembro de 2013. 1 metodologia De busca e avaliação Da literatura Foram realizadas buscas por artigos nas bases de dados

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

Revista H C P A. Acadêmico da Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2

Revista H C P A. Acadêmico da Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2 Revista H C P A R E V I S T A D O H O S P I T A L D E C L Í N I C A S D E P O R T O A L E G R E F ACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DE CUSTOS COMPARANDO DOIS MÉTODOS

Leia mais

Protocolo Clínico. Asma grave em adultos

Protocolo Clínico. Asma grave em adultos Protocolo Clínico Asma grave em adultos SOCIEDADE MINEIRA DE PNEUMOLOGIA E CIRURGIA TORÁCICA2015 Protocolo Clínico Asma grave em adultos SOCIEDADE MINEIRA DE PNEUMOLOGIA E CIRURGIA TORÁCICA2015 Responsáveis

Leia mais

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida APRESENTAÇÕES SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida Pó inalante de 6/100

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA

FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA Prof. Hélder Mauad ASMA Clinicamente caracteriza-se por: Episódios recorrentes de tosse Dispnéia Sensação de constrição no tórax Sibilos 1 ASMA LEVE Os sintomas

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por dose liberada (puff): frasco de 4 ml (60 doses liberadas

Leia mais

CURRICULUM DADOS PESSOAIS NOME LILIAN SERRASQUEIRO BALLINI CAETANO. PROFISSÃO Médica FORMAÇÃO SUPERIOR

CURRICULUM DADOS PESSOAIS NOME LILIAN SERRASQUEIRO BALLINI CAETANO. PROFISSÃO Médica FORMAÇÃO SUPERIOR CURRICULUM DADOS PESSOAIS NOME LILIAN SERRASQUEIRO BALLINI CAETANO PROFISSÃO Médica FORMAÇÃO SUPERIOR GRADUAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE SANTOS (FCMS) início 1981 - término 1986 INTERNATO HOSPITAL

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

TEMAS EM REVISÃO BASES PARA A ESCOLHA ADEQUADA DOS DISPOSITIVOS INALATÓRIOS

TEMAS EM REVISÃO BASES PARA A ESCOLHA ADEQUADA DOS DISPOSITIVOS INALATÓRIOS TEMAS EM REVISÃO BASES PARA A ESCOLHA ADEQUADA DOS DISPOSITIVOS INALATÓRIOS Há mais de quatro mil anos já se inalava a fumaça da combustão de raízes e folhas de anticolinérgicos naturais com fins medicinais.

Leia mais

COMPOSIÇÃO: Cada dose (jato) de Clenil HFA 50 mcg contém: Dipropionato de beclometasona... 50 mcg Excipientes q.s.p... 1 dose

COMPOSIÇÃO: Cada dose (jato) de Clenil HFA 50 mcg contém: Dipropionato de beclometasona... 50 mcg Excipientes q.s.p... 1 dose IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Clenil HFA dipropionato de beclometasona APRESENTAÇÃO Solução pressurizada para inalação (aerossol). Clenil HFA Spray 50 e 250 mcg: aerossol dosimetrado contendo 200 doses

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO DE. Asma SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE LONDRINA - 2006 1ª EDIÇÃO

PROTOCOLO CLÍNICO DE. Asma SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE LONDRINA - 2006 1ª EDIÇÃO PROTOCOLO-ASMA/ correcao 21/02/07 12:17 Page 1 PROTOCOLO CLÍNICO DE Asma SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE LONDRINA - 2006 1ª EDIÇÃO PROTOCOLO-ASMA/ correcao 21/02/07 12:17 Page 2 PROTOCOLO-ASMA/ correcao

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Circular 239/2013 São Paulo, 07 de Junho de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Diário Oficial da União Nº 108, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Pulmozyme. (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml

Pulmozyme. (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml Pulmozyme (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml PULMOZYME alfadornase (rhdnase) Roche Outros produtos para o aparelho respiratório APRESENTAÇÃO Pulmozyme

Leia mais

PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO DO TRATAMENTO DA CRISE DE ASMA AUTOR: MÁRIO SÉRGIO MONTEIRO FONSECA

PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO DO TRATAMENTO DA CRISE DE ASMA AUTOR: MÁRIO SÉRGIO MONTEIRO FONSECA PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO DO TRATAMENTO DA CRISE DE ASMA AUTOR: MÁRIO SÉRGIO MONTEIRO FONSECA 1 INTRODUÇÃO A exacerbação da asma é uma causa freqüente de procura a serviços de urgência

Leia mais

Publicação Indexada em: Latindex, LILACS e SciELO Brasil

Publicação Indexada em: Latindex, LILACS e SciELO Brasil ISSN 1806-3713 J Bras Pneumol v. 32; suplemento 7, p. S 447-S 474 Novembro, 2006 Editor-Chefe José Antonio Baddini Martinez Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP Editores Associados Afrânio Lineu

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

Caderno Temático PROJETO ASMA ATENÇÃO INTEGRAL A PESSOA PORTADORA DE ASMA

Caderno Temático PROJETO ASMA ATENÇÃO INTEGRAL A PESSOA PORTADORA DE ASMA 1 Caderno Temático PROJETO ASMA ATENÇÃO INTEGRAL A PESSOA PORTADORA DE ASMA 2 Logotipo Governo Democrático Prefeitura Municipal de Campinas Hélio de Oliveira Santos Secretaria Municipal de Saúde Gilberto

Leia mais

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto de Saúde Fabiano Pimenta Júnior Belo Horizonte 2012 Sumário

Leia mais

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose Aerodini Aerossol 100mcg/jato-dose MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Aerodini sulfato de salbutamol APRESENTAÇÃO Aerossol 100mcg/jato-dose Embalagem contendo 01 tubo de alumínio com 200 doses

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM PARA AS MELHORES PRÁTICAS NO USO DE BRONCODILATADORES EM PACIENTES MECANICAMENTE VENTILADOS

CAPACITAÇÃO DOS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM PARA AS MELHORES PRÁTICAS NO USO DE BRONCODILATADORES EM PACIENTES MECANICAMENTE VENTILADOS Artigo Original - 505 - CAPACITAÇÃO DOS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM PARA AS MELHORES PRÁTICAS NO USO DE BRONCODILATADORES EM PACIENTES MECANICAMENTE VENTILADOS Mara Ambrosina de Oliveira Vargas 1, Cassiano

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA CENTRO DE PESQUISAS EM ALERGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA EM PEDIATRIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFPE MUCOSA RINOSSINUSAL..... 1 MUCOSA

Leia mais

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL Abcd BEROTEC Boehringer Ingelheim Solução 5mg/mL Berotec bromidrato de fenoterol APRESENTAÇÃO Solução (gotas) de 5 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ORAL OU INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais