Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma"

Transcrição

1 Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Marcia Margaret M Pizzichini Professora Associado de Medicina Universidade Federal de Santa Catarina Núcleo de Pesquisa em Asma e Inflamação das Vias Aéreas - NUPAIVA SBPT- Abril de 2015 If it were not for the great variability among individuals medicine might have well been a science and not an art. Sir Willian Osler Tratamento da asma: objetivos Minimizar ou eliminar os sintomas. Atingir e manter a melhor função pulmonar possível Prevenir exacerbações. Atingir os objetivos acima com a menor quantidade de medicação que for possível. Minimizar efeitos adversos (curto e longo prazo). Prevenir o declínio acelerado da função pulmonar. SBPT2012, GINA

2 Asma é uma doença heterogênea Heterogeneidade da asma Asma é uma condição variável cujo tratamento requer ajustes periódicos para manter os controle e minimizar riscos. Existe heterogeneidade significativa na resposta individual ao tratamento da asma. Diferentes estratégias de tratamento tem efeitos distintos nos desfechos (ex exacerbações, efeitos colaterais). A variabilidade da resposta, pelo menos em parte, pode se dever às características da inflamação. Sintomass/hiperresponsivudade das vias aéreas SINTOMAS A medida da DISCORDANTE inflamação S INICIO NA INFÂNCIA permite diminuir não eosinofílica Supertratamento BMI normal a dose do CI altamente sintomática MULHER OBESA não eosinofílica altamente sintomática ASMA BENIGNA Adultos Pouco sintomática Sem inflamação das vias aéreas e poucas alterações funcionais Fenótipos da asma INFLAMAÇÃO DISCORDANTE DOENÇA CONCORDANTE Tratamento baseado no controle pode ser apropriado ASMA LEVE ASMA REFRATÁRIA Subtratamento A medida da inflamação evita exacerbações PREDOMINA INFLAMAÇÃO EOS INÍCIO TARDIO > PROPORÇÃO DE HOMENS POUCOS SINTOMAS Inflamação eosinofílica/exacerbações Haldar et al AJRCCM 2008;178:

3 Heterogeneidade na resposta ao tratamento da asma Resposta para a Droga 1 Resposta, média Droga 1 Droga 2 Resposta para a Droga 2 Pior Igual Melhor Melhor Igual Pior Current Opinion in Pharmacol 2010, 10: Estudo duplo cego randomizado, placebo controlado 83 adultos asmáticos sem uso de CI. Intervenção: BDP 160 µg 2x/d ou PLAC durante 16 semanas. Martin RJ et al JACI 2007;119: Resposta ao tratamento com BDP (PRICE Trial) Número de pacientes NR Mudança no VEF 1 2 Martin RJ et al JACI 2007;119:

4 Stepping up Tratamento da asma baseado em controle e minimização de riscos Diagnóstico Controle dos sintomas incluindo função pulmonar Técnica de inalação & Aderência Preferência do paciente Sintomas Exacerbações Função pulmonar Efeitos colaterais Satisfação do paciente Tratamento farmacológico Estratégias não farmacológicas Tratamento de fatores de risco modificáveis GINA 2014 Step up quando o controle não for obtido Antes de decidir fazer o step- up: Confirmar o diagnóstico da asma. Checar o técnica inalatória e aderência ao tratamento. Checar e remover fatores de exposição que possam piorar a asma. Identificar e tratar comorbidades que possam piorar o controle. Considerar step-up o tratamento farmacológico 4

5 Step up para obter o controle Stepwise management - pharmacotherapy GINA 2014 Step up: quando o controle não for obtido Pode ser feito de três formas: I. Subir uma etapa no tratamento da asma e revisar em 1-3 meses o efeito na mudança do tratamento. II. Aumentar a dose do tratamento por um período curto (1-2 semanas) após exposição a alérgenos ou em presença de infecção viral. III. Ajustar o tratamento da asma conforme as necessidades diárias se o paciente estiver em uso de BUD+FORM. GINA 2014 Com que frequência o controle da asma deve ser avaliado? Depende da gravidade da doença No início do tratamento a cada 1-3 meses Durante a titulação do tratamento a cada 1-3 meses Nas exacerbações em uma semana Gestantes em 4-6 semanas. GINA

6 Stepping down Stepping down: o que se sabe? Todas as diretrizes para o manejo da asma indicam com clareza porque é necessário step-down o tratamento da asma. Poucos estudos fornecem evidências de como fazer o step down. Apenas uma minoria de asmáticos (4%) preenchem os critérios clínicos dos RCTs. Travers J et al.thorax 2007;62: A quase totalidade dos estudos baseia-se em doses fixas, desconsiderando as diferenças individuais. Steping down - objetivos Determinar a dose mínima de tratamento necessária para manter o controle da asma. Minimizar efeitos colaterais do tratamento. Incentivar o paciente a persistir com o tratamento. Diminuir os custos do tratamento. SBPT2012, GINA

7 Steping down: o que não se sabe? Após quanto tempo de controle da asma Controle deve-se mantido por 3 iniciar o step-down? meses Como iniciar o step-down? Retirar LABA ou CI? Como CI? Reduzir 50% ou 25% da dose? Intervalo de tempo?? O que fazer quando chegar perto de retirar completamente o CI? Asma controlada Manter o tratamento atual Riscos Benefícios Limitações Alternativas Efeitos colaterais Custos Pode evitar exacerbações Preferência do paciente Tratamento pode não ser necessário. Step down e monitorar Hagan JB et al Curr Allergy Asthma Rep (2015) Asma controlada parar o tratamento Riscos Benefícios Limitações Alternativas Perda do controle, exacerbação, atendimentos de emergência ou não agendados, hospitalizações, morte. Perda da função pulmonar Preferência do paciente Pode excluir asma Não é recomendado Manter ou step down e monitorar Hagan JB et al Curr Allergy Asthma Rep (2015) 7

8 Step down: quando começar? Bateman, AJRCCM 2004 Exacerbações da asma: contagem das células do escarro ou desfechos clínicos? # exacerbações Asmáticos cujo mínimo tratamento não havia sido estabelecido R Estratégia Clínica Visitas mensais Estratégia do escarro MT Visitas a cada 3 meses # exacerbações PC 20 M AQoLQ PC 20 M AQoLQ PC 20 M AQoLQ PC 20 M AQoLQ PC 20 M AQoLQ Jayaram et al, ERJ 2006 % of patients na dose de FTC (µg) equivalente da entrada ao tratamento mínimo CS SS 0 None Increased Decreased Jayaram et at, ERJ

9 Eosinofilia no sangue vs. eos no escarro: asma controlada eos no escarro 3.0% SIM NÃO eos no sangue 350/mm 3 SIM NÃO Kappa: 0,509 Acurácia: 84,6% Sensibilidade: 75,0%, Especificidade: 86,4% VPP: 50,0%, VPN: 95,0% Steping down dose alta de CI+LABA: retirar LABA ou CI? 82 asmáticos usando FTC 500µg + SALM 2x/d Asma bem controlada (ACQ 0.9) 50% da dose a cada 4 semanas Duração do estudo 52 semanas Grupo FTC+SALM CI >80% em 41% dos pacientes Grupo FTC CI >80% em 15% dos pacientes. Não houveram diferenças nos outros parâmetros incluindo eosinófilos no escarro Stepping down dose alta de CI+LABA 30 % of patients FTC FTC+SALM Dose mínima efetiva de FTC µg Reddel et al, Respir Med 2010; 104:

10 Stepping down dose moderada de CI+LABA: retirar LABA ou CI? % of well controlled subjects Open-Label Period SALM/FP 50/250 4 weeks Well Controlled Run-in Weeks n 541 Uncontrolled on SABA Double-Blind Period 68% Well controlled in 68% Over 4 weeks Bateman et al, JACI 2006; 117: 563 Maintenance of asthma control during step down % of well controlled subjects Run-in Open-Label Period SALM+FP 50/250 4 weeks Well Controlled Weeks Double-Blind Period SALM/FP 50/100 bid Fluticasone 250 bid Bateman et al, JACI 2006; 117: 563 Obrigado! 10

11 Stepping down dose baixa de CI retirar LABA ou CI? n=500 Asma controlada N Engl J Med 2007;356: crianças - 6 a 16 anos de idade duração de 8 sem/período do estudo. Randomizados Período 1 Período 2 Sequência 1 n=73 LTRA LTRA Sequência 2 n=71 FTC FTC Szelfler S et al JACI 2005;115: Step-down: quando começar? Escore AQLQ** * FTC/SALM FTC * B/L SEMANAS *p < Bateman, AJRCCM 2004 **escore máximo=7 11

12 N Engl J Med 2007;356: Variabilidade na resposta aos CIs Mudança no FEV 1 pós MTK MTK AMBAS 5% 17% % 23% FTC Mudança no FEV 1 pós FTC n = 129 crianças Resposta = FEV1 7.5 Szelfler S et al JACI 2010;125: Asma é caracterizada por variabilidade Controle Desfechos Sintomas Função Pulmonar Qualidade de vida TEMPO 12

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos?

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Marcia MM Pizzichini Professora de Medicina da UFSC NUPAIVA Asthma Research Center Florianópolis - Brasil Componentes das doenças das vias

Leia mais

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria

Leia mais

Metas do Manejo da Asma

Metas do Manejo da Asma Questionários para Avaliar o Controle e Qualidade de Vida: Qual o Melhor? Emilio Pizzichini Professor Associado de Medicina Universidade Meu Interesse Federal é de Santa Catarina Núcleo de Pesquisa em

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA CENTRO DE PESQUISAS EM ALERGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA EM PEDIATRIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFPE MUCOSA RINOSSINUSAL..... 1 MUCOSA

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren

Caso Clínico 16/04/2015. Declaração de conflito de interesse. Fernando Lundgren Síndrome / Fernando Lundgren Declaração de conflito de interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência de Vigilância Sanitária declaro que:

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

27/04/2016. Eosinofilia sanguínea como marcador de conduta no tratamento: utopia acadêmica ou aplicável na prática clínica?

27/04/2016. Eosinofilia sanguínea como marcador de conduta no tratamento: utopia acadêmica ou aplicável na prática clínica? 27/4/216 Eosinofilia sanguínea como marcador de conduta no tratamento: utopia acadêmica ou aplicável na prática clínica? Marcia Margaret M Pizzichini Professora de Medicina Universidade Federal de Santa

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI. Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063

Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI. Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Novas perspectivas de manejo da DPOC no século XXI Prof. Dr. Emilio Pizzichini CRM-SC 3063 Universidade Federal

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

Recomendações para Acessar Tratar e Manter o CONTROLE DA ASMA. IV Diretrizes Asma & GINA 2006

Recomendações para Acessar Tratar e Manter o CONTROLE DA ASMA. IV Diretrizes Asma & GINA 2006 Influência da ansiedade e depressão no manejo da asma IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA 18 A 20 DE ABRIL DE 2008 - RIO OTHON PLACE HOTEL RIO DE JANEIRO Dra. Ana Luisa Godoy Fernandes Profa

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTOS, CIËNCIA E CONSENTIMENTO INFORMADO.

TERMO DE ESCLARECIMENTOS, CIËNCIA E CONSENTIMENTO INFORMADO. TERMO DE ESCLARECIMENTOS, CIËNCIA E CONSENTIMENTO INFORMADO. Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável,c.i. n.,declara(m), para todos os fins legais, que: 1) Fui informado(a)

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

ANO EM REVISÃO ASMA GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS

ANO EM REVISÃO ASMA GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS ASMA 2014 ANO EM REVISÃO GUILHERME FREIRE GARCIA AMBULATÓRIO DE ASMA GRAVE DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE FHEMIG- PROTOCOLOS CLÍNICOS Conflitos de interesse Participação em Clinical Trials dos laboratórios

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA, QUALIDADE DO SONO E FENÓTIPOS ASMÁTICOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

Leia mais

não controlada em pacientes a partir de 6 anos de idade

não controlada em pacientes a partir de 6 anos de idade Diretriz de uso de omalizumabe (XOLAIR ) no tratamento da asma alérgica grave não controlada em pacientes a partir de 6 anos de idade São Paulo 2015 CONTEÚDO 1. Descrição da doença relacionada à utilização

Leia mais

bosentana Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos 125 mg: embalagem com 60 comprimidos revestidos.

bosentana Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos 125 mg: embalagem com 60 comprimidos revestidos. bosentana Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos 125 mg: embalagem com 60 comprimidos revestidos. USO ORAL. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS COMPOSIÇÃO bosentana

Leia mais

Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas

Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC-Campinas Curso de Atualização SBPT 13 de abril de 2013 Bronquectasias não fibrocísticas, por fibrose cística,

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Paulo Roberto Goldenfun Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre CASO CLÍNICO História

Leia mais

Manejo do TDAH na escola Esta vivência de fracasso pode ser um forte desencadeante para transtornos de comportamento, de humor e de ansiedade que associam-sese como comorbidades nos indivíduos com TDAH.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1280-8 DATA 18/06/2014 SOLICITAÇÃO Solicito

Leia mais

Novo consenso brasileiro para o manejo da DPOC

Novo consenso brasileiro para o manejo da DPOC Novo consenso brasileiro para o manejo da DPOC Roberto Stirbulov F.C.M. Da Santa Casa de são Paulo Coordenador da comissão de DPOC da SBPT Diretor da Comissão de DPOC da ALAT Declaração de conflito de

Leia mais

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008)

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Leusink P, De Boer LJ, Vliet Vlieland CW, Rambharose VR, Sprengers AM, Mogendorff SW, Van Rijn-Van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês

Leia mais

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Data: 25/11/2013 Medicamento x Material x Procedimento Cobertura TEMA: Anlodipina, losartana,hidroclorotiazida,

Leia mais

Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que:

Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que: TERMO DE ESCLARECIMENTOS, CIÊNCIA E CONSENTIMENTO INFORMADO Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que: 1) Fui

Leia mais

Corticóide inalatório na DPOC: Qual paciente que deve utilizar?

Corticóide inalatório na DPOC: Qual paciente que deve utilizar? Corticóide inalatório na DPOC: Qual paciente que deve utilizar? Global strategy for the diagnosis, management, and prevention of copd (revisão 2015). Tratamento por risco E S P I R O M E T R I A G O L

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C. PROTOCOLO TERAPÊUTICO Crise de asma 1 Reconhecer a crise Aparecimento/agravamento da dificuldade respiratória Aumento da tosse, principalmente nocturna Intolerância ao exercício Limitação das actividades

Leia mais

DPOC - Manejo das exacerbações infecciosas

DPOC - Manejo das exacerbações infecciosas DPOC - Manejo das exacerbações infecciosas XI CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA Marcelo Fouad Rabahi Prof. Adjunto da FM UFG Comissão de DPOC SBPT DPOC - Manejo da exacerbações

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 28 - Área de atuação em Infectologia Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PARA O MANEJO DA ASMA

DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PARA O MANEJO DA ASMA DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PARA O MANEJO DA ASMA 1 2 DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PARA O MANEJO DA ASMA EDITORES Álvaro A. Cruz Ana

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV. Perspectivas clínicas

Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV. Perspectivas clínicas Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV Perspectivas clínicas Fábio Russomano 30 de agosto de 2008 É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte: Russomano F, 2008

Leia mais

1º Ten Al RAQUEL GONÇALVES MOREIRA ROCHA. PREVENÇÃO EM ASMA: Com o controle evitando as crises e os programas existentes

1º Ten Al RAQUEL GONÇALVES MOREIRA ROCHA. PREVENÇÃO EM ASMA: Com o controle evitando as crises e os programas existentes 1º Ten Al RAQUEL GONÇALVES MOREIRA ROCHA PREVENÇÃO EM ASMA: Com o controle evitando as crises e os programas existentes RIO DE JANEIRO 2008 1 Ten RAQUEL GONÇALVES MOREIRA ROCHA PREVENÇÃO EM ASMA: Com o

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004)

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) ENXAQUECAS Enxaqueca sem aura De acordo com a IHS, a enxaqueca sem aura é uma síndroma clínica caracterizada por cefaleia com características específicas e sintomas

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia Mara Figueiredo Conflitos de Interesse CFM nº 1.59/00 de 18/5/2000 e ANVISA nº 120/2000 de 30/11/2000 Nos últimos doze meses recebi apoio

Leia mais

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA NTRR 253/2013 Solicitante: Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 1.0702.13.078195-9/001 TEMA: FINGOLIMODE

Leia mais

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Dra. Fabíola Villac Adde Unidade de Pneumologia Instituto da Criança Hospital das Clínicas FMUSP APAM 23/06/12 Fibrose Cística Situação no Brasil

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo Produtos para saúde A visão de quem utiliza Wanderley Marques Bernardo Nós não vemos as coisas como elas são, nós vemos como nós somos Anaïs Nin VISÃO PACIENTES CONFLITOS DE MÉDICO INTERESSE SISTEMA DE

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma

IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma 06/29-05/222 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2006 by ASBAI DIRETRIZES IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma EDITORES Roberto Stirbulov (SBPT) Professor Adjunto da FCM da Santa Casa de

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

1 ALPHA-1. O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? FOUNDATION

1 ALPHA-1. O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? FOUNDATION O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? O que você precisa saber sobre Alfa-1 Antitripsina 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é alfa-1? Alfa-1 Antitripsina(Alfa-1) é uma

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO Portuguese FAQs PROGRAMA CLÍNICO PRÓLOGO Clementia Pharmaceuticals está iniciando o programa clínico de fase 2 para palovarotene em pacientes com fibrodisplasia ossificante progressiva (FOP). O Estudo

Leia mais

Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento.

Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento. Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento. Cristina Gonçalves Alvim Cláudia Ribeiro de Andrade Grupo de Pneumologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da FM/UFMG. Sumário

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS- UFBA - HUPES

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS- UFBA - HUPES DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: IMPACTO DE EXERCÍCIOS BASEADOS NO PILATES SOLO VERSUS EXERCÍCIO AERÓBICO NA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA,

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

04/06/2012. Ache Eurofarma Genetech Boehringer AstraZeneca GSK Novartis Chiesi MSD TIOTRÓPIO NA ASMA UMA NOVA OPÇÃO?

04/06/2012. Ache Eurofarma Genetech Boehringer AstraZeneca GSK Novartis Chiesi MSD TIOTRÓPIO NA ASMA UMA NOVA OPÇÃO? TIOTRÓPIO NA ASMA UMA NOVA OPÇÃO? Dr Adalberto Sperb Rubin Pavilhão Pereira Filho Santa Casa de Porto Alegre UFCSPA Declaração de conflito de interesse Adalberto Sperb Rubin CREMERS 15842 De acordo com

Leia mais