OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE)"

Transcrição

1 PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA - Definir Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE); - Descrever os métodos diagnóstico; - Interpretar os resultados dos testes; - Identificar classificação da gravidade de BIE; - Tratamento do BIE e cuidados; - Realizar o Teste de Broncoprovocação Induzida pelo Exercício. Prof. Clóvis Sousa 1 Prof. Clóvis Sousa 2 RESUMO Broncoespasmo Induzido pelo Exercício BIE - Definição, Fisiopatologia, Mecanismos - Epidemiologia - BIE em atletas - Métodos diagnósticos - Avaliação e programas de treinamento -Tratamento - Teste de Broncoprovocação Induzida pelo Exercício. Prof. Clóvis Sousa 3 Prof. Clóvis Sousa 4 Hiperresponsividade Brônquica Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE) Indivíduo Normal Não responde ao estímulo Obstrução das vias aéreas Resposta ao esforço físico Indivíduo Hipersensível Hiperresponsivo Responde ao estímulo (Inflamação, Edema, Muco e Secreção) Hiperresponsividade brônquica Especialmente asmáticos Prof. Clóvis Sousa 5 (McFadden & Gilbert, 1994) 1

2 Broncoconstrição BIE Transitória 5 a 20 Regressão espontânea Etiopatogenia Dispnéia Aperto no peito Tosse Dificuldade de inspirar profundamente Sibilos O exato mecanismo não está ainda totalmente esclarecido. Estudos indicam alteração no controle dos vasos da parede brônquica (mucosa) associada a alteração no controle da resposta a adrenalina. Esta resposta será modulada pelas alterações de umidade relativa do ar (vapor d água) e temperatura, afetando a intensidade. Quando o exercício é realizado em baixas temperaturas, sob baixa umidade relativa do ar, aumenta a incidência de broncoespasmo. (McFadden, 1984) Prof. Clóvis Sousa 7 Prof. Clóvis Sousa 8 BIE Vias Desencadeantes - Principais teorias que concorrem para explicar o desencadeamento do BIE: Teoria da variação térmica e a Teoria da perda de água pela mucosa Variação Térmica: a hiperventilação principalmente sob baixas temperaturas, ocasionaria perda de calor pela mucosa respiratória para o ar exalado. Posteriormente, o re-aquecimento da mucosa ocasionaria um mecanismo vascular (dilatação dos vasos bronquiolares, hiperemia e edema), determinando a indução do broncoespasmo. Alteração de Osmolaridade: a alteração de calor e "dessecamento" na superfície da mucosa brônquica, ocasionada pelo exercício, desencadearia uma alteração osmolar. Prof. Clóvis Sousa 9 Prof. Clóvis Sousa 10 Hiperatividade brônquica por resfriamento e ressecamento das VA Fatores que determinam a severidade da BIE Exercício Físico Duração do exercício Resfriamento das VA Estímulo dos receptores das VA Liberação de mediadores Crise de broncoconstrição Ressecamento das VA Intensidade do exercício Fatores ambientais Temperatura = frio > calor Umidade = seco > úmido Nível de poluentes Prof. Clóvis Sousa 11 Prof. Clóvis Sousa 12 2

3 BIE - Prevalência BIE - Prevalência Nixon et. al., Prof. Clóvis Sousa 13 Prof. Clóvis Sousa 14 Prevalência de BIE em Atletas Voy, ,2% Storms, 1999 Helenius et al., ,7% 10 % 22,8% 50% Questionários Weiler, % 60% Thole et al., % - Baseados em sintomas Corrigan et al., % - Baixa sensibilidade atletas: baixa percepção Rundell & Spiering, % - Medidas objetivas Dickinson et al., % 50% Sallaoui et al., % (Parsons & Mastronarde, 2005)) Prof. Clóvis Sousa 16 Reversibilidade broncodilatadora Agentes farmacológicos Reversibilidade broncodilatadora - Não são indicados para avaliação de atletas - Baixa especificidade - Resposta ao uso de broncodilatador (BD); - Inicia-se com uma prova espirométrica seguida de medicação broncodilatadora; - Após min refaz espirometria; - Resposta positiva: (Holzer et al.,2002) Prof. Clóvis Sousa 17 Prof. Clóvis Sousa 18 3

4 Interpretação dos resultados Reversibilidade broncodilatadora Aumento VEF 1 12% ou 200 ml Aumento PFE 20% ou 60 L/min (Global Initiative for Asthma, 2007) Provocação pelo exercício (ATS, 2000) Aumento PFE 15% (15 a 20 minutos após a inalação de um β2 agonista de ação rápida) Aumento PFE 20% nos adultos 30% nas crianças (15 minutos após β2 de curta duração) (Global Initiative for Asthma, 2003) (Gibson et al., 1995; III Cons. Bras. Man. Asma, 2002.) - Campo ou Laboratório - Bicicleta ou esteira - 6 a 8 minutos - 80 a 90% da FC max. + BIE Queda 10% no VEF1 + BIE Queda 15% no PFE VE - BIE - Atletas -? (Sterk et al., 1993; Kumar et al., 1995; GINA, 2003; Milgron, 2004) Prof. Clóvis Sousa 19 Prof. Clóvis Sousa 20 - Espirometria: BIE Equipamento Sensor Medics Vmax 229, CA, EUA Provocação pelo exercício (ATS,2000) Antes Teste de Após broncoprovocação Duração 6 a 8 American Toracic Society (ATS, 2000) Valores Preditos (Pereira,1996) 10% Queda do VEF 1 BIE + 80 a 90% (FC máxima) Até 2 - Intensidade Atingir intensidade o mais rapidamente possível Prof. Clóvis Sousa 21 Prof. Clóvis Sousa 22 Provocação pelo exercício (ATS,2000) Padrão ouro para avaliar BIE em atletas Manutenção de ventilações durante todo o teste Teste de Broncoespasmo Induzido por Hiperpnéia (BIH) Capaz de desencadear BIE em atletas? Maior controle das condições do ar inalado Sintomas semelhantes ao teste de exercício (Milgron, 2004) Prof. Clóvis Sousa 23 (Anderson et al., 2001; Rundell et al., 2005) 4

5 - Espirometria: BIH - Teste de BIH Equipamento Sensor Medics Vmax 229, CA, EUA Equipamento Sensor Medics Vmax 229, CA, EUA Antes Ergoespirométrico Após BIH 5% CO 2 American Toracic Society (ATS, 2000) Valores Preditos (Pereira,1996) 21% O 2 74% N 2 10% Queda do VEF 1 BIE + (Adaptado de Anderson et al., 2001) Prof. Clóvis Sousa 25 Prof. Clóvis Sousa 26 Teste de BIH - Procedimentos BIE - Variável mais utilizada Queda 10 % no VEF1 Espirometria VEF 1 x 30 VE = teste Teste de BIH Duração 6 Contínuo Submáximo Espirometria - logo após 5 /10 /15 /20 Queda VEF 1 10% BIE + Volume Expiratório Forçado no 1º segundo (Anderson et al., 2001) Prof. Clóvis Sousa 27 Prof. Clóvis Sousa 28 Gravidade do BIE - Classificação Broncodilatação - Hipótese. 10 a 25% -- Média. 25 a 35% -- Moderada. 35 a 50% -- Moderada a Severa. >50% -- Severa Progressivo da VE Adaptação das vias aéreas Aquecidas e Umidificadas Evitando BIE (McFadden, 1995; Anderson & Daviskas, 2000) Prof. Clóvis Sousa 29 Prof. Clóvis Sousa 30 5

6 BIE - Tratamento (Prescrição Médica) Testes Provocação - β2 agonistas curta duração Exercício Hiperpnéia Ergoespirométrico - β2 agonistas longa duração Estímulo imediato Aplicabilidade prática Estímulo progressivo Em atletas doping (WADA e COI) Autorização Medicações Alívio Controle/preventivo Prof. Clóvis Sousa 31 Prof. Clóvis Sousa 32 Prescrição - Cuidados **Umidade do ar - OMS Tratamento medicamentoso (Preventivo) - β2 agonistas de curta duração Entre 20 e 30% - Estado de atenção Entre 12 e 20% - Estado de alerta <12% - Estado emergência Tratamento não medicamentoso - Aquecimento adequado - Respiração nasal - Condições climáticas e ambientais** Recomendações - Evitar exercícios ao ar livre - Ambientes umidificados com vaporizadores - Interromper atividades físicas ao ar livre das 11h às 15h (ar seco + poluentes ) Prof. Clóvis Sousa 33 Prof. Clóvis Sousa 34 Broncoprovocação Induzida por Exercício Interpretação dos resultados Broncoprovocação Induzida por Exercício - Resposta à hiperventilação (ar frio e seco); - Inicia-se com uma prova PFE seguida de uma corrida (6-8 min); - Logo após, 5, 10, 20, e 30 min refaz PFE; - Resposta positiva: - Queda PFE > 15% - Queda VEF 1 > 10% Prof. Clóvis Sousa 35 Prof. Clóvis Sousa 36 6

7 Resposta ao exercício de uma criança asmática e uma não asmática BIE em 4 diferentes atividades Prof. Clóvis Sousa 37 Prof. Clóvis Sousa 38 MUITO OBRIGADO!!! Parte Prática Teste de Broncoprovocação pelo Exercício Prof. Clóvis Sousa 39 Prof. Clóvis Sousa 40 7

8 8

9 MUITO OBRIGADO!!! Prof. Clóvis Sousa 51 9

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA É inquestionável que a melhora na aptidão física, com os conseqüentes benefícios físicos e fisiológicos, permite as pessoas portadoras de reações alérgicas suportar com mais tranqüilidade os seus agravos

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE A Saúde Respiratória da Criança Hermano Albuquerque de Castro Médico Pneumologista Doutor em Saúde Pública Pesquisador FIOCRUZ castro@ensp.fiocruz.br Segundo

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos?

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Marcia MM Pizzichini Professora de Medicina da UFSC NUPAIVA Asthma Research Center Florianópolis - Brasil Componentes das doenças das vias

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Propedêutica no Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Profª Daniele Domingues Zimon Profª Adriana Cecel Guedes DPOC DPOC é um estado patológico caracterizado pela limitação

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE

ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE Rev Asma Bras e Exercício. Crescimento Desenvolv Hum. 2008;18(2):209-213 Rev Bras Crescimento Desenvolv ARTIGO Hum. 2008;18(2):209-213 DE OPINIÃO OPINION ARTICLE ASMA E EXERCÍCIO ASTHMA AND EXERCISE Iara

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C. PROTOCOLO TERAPÊUTICO Crise de asma 1 Reconhecer a crise Aparecimento/agravamento da dificuldade respiratória Aumento da tosse, principalmente nocturna Intolerância ao exercício Limitação das actividades

Leia mais

ASMA. Dr. Ivan Paredes

ASMA. Dr. Ivan Paredes 1 ASMA Dr. Ivan Paredes Objetivos 1.Saber o que é asma. 2.Identificar os principais sintomas e sinais 3.Saber como diagnosticar 4.Diferenciar outras doenças com manifestações semelhantes geralmente se

Leia mais

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA : ESPIROMETRIA Dra. Adriana Vidal Schmidt Laboratório de Função Pulmonar Hospital Cardiológico Costantini Fundação Francisco Costantini VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES CPT: quantidade ar nos pulmões após

Leia mais

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS Pediátrica Hospital Infantil Darcy Vargas Lúcia Maria Barbalho Guirau Doença inflamatória crônica VAI (mastócitos, eosinófilos, linf T, neutrófilos,etc) Hiperresponsividade

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF.

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. LEÔNIDAS ALBANO LISTA DE EXERCICIOS 1) Explique as relações entre perdas/ganhos

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT 18 a 20 de Abril - Rio de Janeiro Discinesia de corda vocal diferencial da Asma d Ávila Melo DISCINESIA DE CORDA VOCAL PASSAGEM DE AR FONAÇÃO PROTEÇÃO

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Hiperresponsividade brônquica

Hiperresponsividade brônquica Hiperresponsividade brônquica ADALBERTO SPERB RUBIN, CARLOS ALBERTO DE CASTRO PEREIRA, JOSÉ ALBERTO NEDER, JUSSARA FITERMAN, MÁRCIA MARGARETH MENEZES PIZZICHINI 1. INTRODUÇÃO A medida da responsividade

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA CENTRO DE PESQUISAS EM ALERGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA EM PEDIATRIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFPE MUCOSA RINOSSINUSAL..... 1 MUCOSA

Leia mais

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromidrato de fenoterol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução Oral/Gotas 5mg/mL

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

SPIRARE +METRUM = MEDIDA DA RESPIRAÇÃO

SPIRARE +METRUM = MEDIDA DA RESPIRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA FUNÇÃO PULMONAR ESPIROMETRIA e PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO (PFE) - Definir espirometria e Peak Flow ; - Identificar suas aplicações; -

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Manejo de ambiência para melhor produção avícola Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Homeotermia Energia utilizada pelos homeotermos 20 % Manter a homeotermia 80% Produção ZONA DE SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 32/2015

Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 32/2015 - Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 32/2015 Município de Tangará da Serra/MT 01 - Monitoramento da qualidade do ar, de 09/06/2015 a 11/06/2015. TANGARA DA SERRA Data Monóxido de Carbono

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health O que é Tabagismo Passivo? Fumaça

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE CRIANÇAS ASMÁTICAS 1

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE CRIANÇAS ASMÁTICAS 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE CRIANÇAS ASMÁTICAS 1 Steidl, E.M.S. 2 ; Gerzson, L. 3 ; Ziegler, J.R. 3 ; Friedrich, F.F. 3 ; Ferreira, F.V. 4 ; Antunes, V.P. 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Bolsista de

Leia mais

Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 076/2015

Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 076/2015 Boletim Informativo de Vigilância da Qualidade do Ar nº 076/2015 SMS Canarana /MT 01 - Monitoramento da qualidade do ar, período de 01/10/2015 a 05/10/2015. Município Data Monóxido de Carbono (CO) (ppm)

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto de Saúde Fabiano Pimenta Júnior Belo Horizonte 2012 Sumário

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 Núcleo de Pediatria Baseada em Evidências Departamento Materno Infantil

Leia mais

Fostair dipropionato de beclometasona fumarato de formoterol APRESENTAÇÕES. USO INALATÓRIO (Oral) USO ADULTO

Fostair dipropionato de beclometasona fumarato de formoterol APRESENTAÇÕES. USO INALATÓRIO (Oral) USO ADULTO Fostair dipropionato de beclometasona fumarato de formoterol APRESENTAÇÕES USO INALATÓRIO (Oral) USO ADULTO Forma Farmacêutica: Solução pressurizada para inalação (aerossol). Apresentações: Fostair Spray

Leia mais

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Mecanismos de Defesa Respiratória Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Sistema Respiratório Vias Aéreas Superiores Nariz e Boca Faringe Nasofaringe; Orofaringe; Laringofaringe. Laringe

Leia mais

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora.

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. Dizeres de Bula BAMBAIR* cloridrato de bambuterol FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele 2 Temperatura Central ( core ) T retal > 1ºC > T oral Estável em condições Basais ( ± 0,6 ºC ) Variabilidade moderada: exercício intenso ( 38,5-40,0 ºC ) temperaturas extremas 2 Temperatura Pele Grande

Leia mais

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Definição: Doença crônica e progressiva caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo não totalmente reversível, associada a uma resposta inflamatória anormal nos pulmões

Leia mais

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5

APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5 Índice APRESENTAÇÃO... 4 OBJETIVOS DE APRENDIZADO... 5 CAPÍTULO 1 - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO TRATO RESPIRATÓRIO... 6 1. O trato respiratório superior... 7 2. Trato respiratório inferior... 7 2.1. Sistema

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução a 0,025% para inalação, frasco com 20 ml USO INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP

INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP O dispositivo Threshold PEP foi concebido para proporcionar terapia por pressão expiratória positiva (PEP). Quando utilizada com a técnica de tosse huff, a terapia PEP ajuda

Leia mais

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por dose liberada (puff): frasco de 4 ml (60 doses liberadas

Leia mais

Compreender a Doença Pulmonar

Compreender a Doença Pulmonar Compreender a Doença Pulmonar INTRODUÇÃO Para compreendermos o funcionamento do organismo, muitas vezes descrevemo-lo como sendo formado por várias partes ou sistemas. Assim, por exemplo, temos o sistema

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose Aerodini Aerossol 100mcg/jato-dose MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Aerodini sulfato de salbutamol APRESENTAÇÃO Aerossol 100mcg/jato-dose Embalagem contendo 01 tubo de alumínio com 200 doses

Leia mais

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina)

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina) TILUGEN (fendizoato de cloperastina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 3,54mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TILUGEN fendizoato de cloperastina APRESENTAÇÃO Xarope 3,54mg/mL

Leia mais

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.]

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.] Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática Melhorar o controlo da asma na comunidade.] PROFESSOR VAN DER MOLEN: Que importância tem para os seus doentes que a sua asma esteja controlada? DR RUSSELL: É muito

Leia mais

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 20 de agosto de 2011 PÁGINA: 1 de 5 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno de Identificação do Produto: PA - Nome da Empresa: DORIGON INDÚSTRIA DE TENSOATIVOS LTDA. Endereço:

Leia mais

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro.

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro. Caso Clínico 1. KMA, feminina, 32 anos, casada, natural e procedente de Uberaba, MG, psicóloga. QD Lesões cutâneas e prurido há oito meses HMA Pápulas eritematosas disseminadas, de aparecimento diário,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano Rinofluimucil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rinofluimucil acetilcisteína sulfato de tuaminoeptano APRESENTAÇÕES

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

INALOTERAPIA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem

INALOTERAPIA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem INALOTERAPIA As inaloterapias (terapias por inalação) visam melhorar a ventilação e são empregados na prevenção e no tratamento das disfunções pulmonares. 1 É o método que visa a corrigir e/ou atenuar

Leia mais

ANEXO A PLANILHA DE TREINAMENTO BÁSICO - I DESAFIO 6K & 10K DO CBMERJ 1. PROVA DE 6KM

ANEXO A PLANILHA DE TREINAMENTO BÁSICO - I DESAFIO 6K & 10K DO CBMERJ 1. PROVA DE 6KM ANEXO A PLANILHA DE TREINAMENTO BÁSICO - I DESAFIO 6K & 10K DO CBMERJ 1. PROVA DE 6KM SEMANA 1-07 a 13 de outubro 2013 CORRIDA LEVE (3,0 Km) CORRIDA LEVE (20 min.) CORRIDA LEVE (4,0 Km) CORRIDA LEVE (25

Leia mais

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO E FORÇA DE MEMBROS INFERIORES NA VARIÁVEL PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO EM ADULTOS ACIMA DE 50 ANOS

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO E FORÇA DE MEMBROS INFERIORES NA VARIÁVEL PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO EM ADULTOS ACIMA DE 50 ANOS EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO E FORÇA DE MEMBROS INFERIORES NA VARIÁVEL PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO EM ADULTOS ACIMA DE 50 ANOS MAURÍCIO AMATTO Pós graduação em Educação Física Adaptada e

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA IRA (definição) São infecções de etiologia viral ou bacteriana que podem acometer qualquer segmento do aparelho respiratório, com duração aproximada de 7 dias. Correspondem a diversas síndromes clínicas

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR SINGULAIR 4 mg Granulado montelucaste Leia com atenção todo este folheto antes da sua criança tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter

Leia mais

Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed

Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed Máscara Nasal para Uso Hospitalar da ResMed A MÁSCARA NASAL PARA USO HOSPITALAR DA RESMED é destinada a ser utilizada por um só paciente adulto (>30 kg) ao qual foi prescrito o tratamento por pressão contínua

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina.

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Onsudil 0,05 mg comprimidos Onsudil 0,005 mg/ml xarope Onsudil 0,1 mg/ml solução para inalação por nebulização cloridrato de procaterol Leia atentamente

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA - Definir DPOC; DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO Érico Anderson de Oliveira 1 CEFET-MG ericoliv@dcsa.cefetmg.br Ruibran Januário dos Reis 2 PUCMINAS ruibrandosreis@gmail.com

Leia mais

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO RESPOSTAS CARDIOVASCULARES FC VS DC RVP PAS PAM PAD DP TIPO DE EXERCÍCIO Dinâmico ou Isotônico Estático ou Isométrico Contração muscular e movimento

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso Fabio B. Jatene Prof. Titular do Departamento de Cardiopneumologia -HC HC-FMUSP TEP Agudo 1cm TEP - Evolução Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre trombólise espontânea ou farmacológica

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL 20 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO RILAN NASAL 2% SPRAY cromoglicato dissódico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO RILAN NASAL 2% SPRAY: cartucho com

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético APRESENTAÇÃO O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético,

Leia mais

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Uol - SP 28/04/2015-12:43 Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Da Redação Tosse pode ser transmitida de pessoa para pessoa. VERDADE: porém, isso só é possível se a tosse for causada por um agente

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Fluibron A cloridrato de ambroxol

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Fluibron A cloridrato de ambroxol IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Fluibron A cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Solução para nebulização Cada flaconete contém 7,5 mg/ml de cloridrato de ambroxol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2 ml

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7 Competências a serem trabalhadas em HO Analisar as condições de saúde e organização do ambiente de trabalho, avaliando-as

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 RESUMO

EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 RESUMO EFEITOS DE EXERCÍCIO AERÓBICO SOBRE OS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM UMA CRIANÇA PORTADORA DA SÍNDROME DO RESPIRADOR ORAL 1 Andréa Pereira e Silva Ferreira 2 Dayane Montemezzo 3 RESUMO A respiração oral é

Leia mais

Informação médica para apoio das decisões da CAUT ASMA. Asma

Informação médica para apoio das decisões da CAUT ASMA. Asma Asma 1. Condição Médica Introdução A asma é uma síndrome das vias aéreas respiratórias, tipifi cada por episódios sintomáticos recorrentes, associada a obstrução difusa de vias aéreas que é reversível

Leia mais