Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C."

Transcrição

1 PROTOCOLO TERAPÊUTICO Crise de asma 1 Reconhecer a crise Aparecimento/agravamento da dificuldade respiratória Aumento da tosse, principalmente nocturna Intolerância ao exercício Limitação das actividades diárias Fraca resposta aos 2 agonistas (nas doses habituais) Alteração dos parâmetros vitais/função pulmonar 2 Avaliar gravidade da crise Gravidade Clínica ligeira moderada grave paragem resp. iminente Dispneia andar choro repso Fala frases frases curtas palavras Atitude bem agitado agitado Sonolento/confuso Pieira Ligeira/moderada Bem audível variável ausente Uso de musculos acessórios frequência resp. frequência card. não sim sim Mov. Toracoabdom. paradoxal + normal + normal Aumentada Aumentada Aumentada Aumentada Bradicardia DEMI > % <60% sat. O2 >95% 91-95% <90% 3 Regras gerais perante a crise Manter terapêutica de base Usar inalador sempre como primeira linha Saber a terapêutica de crise já efectuada Saber qual o dispositivo habitual da criança Usar preferencialmente o dispositivo da criança, mesmo no SU Usar nebulizador quando na ausência do dispositivo da criança, nas crises graves com necessidade de O2 na incapacidade de usar os dispositivos do doente 1

2 4 Escolha do dispositivo Inalador ideal consoante idade idade DPI pmdi Nebulizadores pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora 5 Tratamento da crise asmática Unidade local (SAP/C.Saúde) Fase I (1-2 horas) Salbutamol Terbutalina Inalador press.(pmdi) 5 puffs (500 μg) Pó (DPI) 5 doses (500 μg) Solução para nebulização 12 gotas (2,5 mg) (diluir em 2 ml SF. Usar 6L/O2 min.) Pó (DPI) 3 doses (1500μg) 20 em 20 min. Melhoria clínica Sat. O2 > 95 % NÃO SIM ALTA HOSPITAL.... Hospital 2

3 Fase II (3ª hora) (Fraca resposta na fase I) Salbutamol > 15 Kg 1 ml (25 gotas/5mg) < 15 Kg 0,5 ml (12 gotas/2,5mg) + Brometo de ipratrópio (250 g 1 ampola) Nebulização O2 a 6L/min..- 5 a 7 min. 20 em 20 min. 1 hora + Prednisolona oral 1 a 2 mg/kg (máx. 60 mg) Internamento Fraca resposta Boa resposta clínica Alta para domicílio Nota: boa resposta clínica melhoria clínica franca mesmo sem resolução total; Sat. O2 > 95% Nota: associar corticoide oral, o mais precocemente possível, sempre que: Ausência de resposta rápida aos 2 agonistas Crise iniciada aquando da toma de corticoterapia sistémica Crise arrastadas e/ graves Crises anteriores com necessidade de corticoterapia sistémica 6 - Indicações para referenciar ao hospital Crises graves iniciar medicação ( 2 + O2 + corticoide) e transferir Saturação de O2 < 92% Cianose Alteração da consciência, dificuldade em falar andar Ausência de resposta após 1 2 horas de 2- agonistas Agravamento da crise após 48 h de terapêutica com 2 agonistas, principalmente se com corticoterapia sistémica Problema social associado Criança < 2 A Dúvida no diagnóstico 3

4 7 - Terapêutica para o domicílio Salbutamol inalador/pó seco (100 g/puff/dose) Ou - 3 puffs cada horas - 3 doses até remissão clínica Terbutalina (pó seco) cada horas Corticoide oral, durante 3 a 5 dias (sempre que iniciado no SU): Prednisolona 1 a 2 mg/kg/dia Deflazacort - 1 a 2 gotas/kg/dia Nota pode-se recorrer ao broncodilatador oral numa primeira crise e na ausência de inalador apropriado e/ incapacidade para o usar: Procaterol (xarope): 0,5 ml/kg/dia (máx- 20 ml/dia) Salbutamol (xarope) 5 ml de 6/6 horas 8 Alta Orientações gerais: Instruções sobre reconhecimento da crise, factores precipitantes e forma de os evitar Plano escrito com esquema de crise/e terapêutica de base (se prescrita) Manter terapêutica broncodilatadora, pelomenos, durante 5-6 dias Explicar, rever e adequar técnica inalatória Marcação de consulta (primeira) dentro de 1-2 meses Reavaliação a curto prazo se uma primeira crise grave (48 horas) 4

5 PROTOCOLO TERAPÊUTICO Tratamento profilático da asma 1- Diagnóstico/suspeita clínica de asma História clínica Exame físico Rastreio da alergia (em qualquer idade) Testes cutâneos (se contra-indicados) Hemograma; IgE total; Phadiatop inalante/food-mix; IgE específica consoante suspeita clínica Estudo funcional respiratório (> 5 anos) Exames imagiológicos (se suspeita de diagnóstico alternativo) 2 - Determinar fenótipo asmático: * Podem ser atópicos ** -exposição a irritantes, alergia não identificada 5

6 3 - Avaliar gravidade/nível de controlo Níveis de controlo da asma Características Controlada (todos os seguintes) Parcialmente controlada (qualquer das seguintes) Não controlada Sintomas diurnos < 2 X /semana > 2 X /semana Limitação da actividade nenhuma qualquer Sintomas nocturnos nenhuma qualquer > 3 das anteriores presentes em qualquer semana Necessidade de medicação de alívio < 2 X /semana > 2 X /semana Função pulmonar normal <80% do previsto Gravidade = necessidade de medicação para obter controlo 4 Tratar consoante idade/nível de controlo Tratamento da asma 0 2 A Considerar asma se > 3 episódios de obstrução brônquica reversível nos últimos 6 meses pmdi com câmara expansora Anti-leucotrienos e/ Corticoides inalados baixa dose (Melhor se evidencia de atopia/asma pesistente) 6

7 Tratamento da asma > 2 A CI Baixa dose 200 ug de budesonido equivalente ALT dose dependente da idade Controlo insuficiente Step uo Step down Aumentar dose de CI (400 ug de Budesonido equivalente) CI + ALT Controlo insuficiente Aumentar dose de CI (800ug equivalente) CI + ALT CI + LABA ( > 5 A) Controlo insuficiente teofilina Cort.. orais Anti-IgE CI corticóide inalado; ALT anti-leucotrienos; LABA 2 de longa acção. 5 asma de esforço Asma induzida pelo esforço Asma de esforço (fenótipo específico) Associada a tros sintomas β 2 agonistas de acção répida min. antes do exercício CI e/ ALT CI + ALT + LABA 7

8 6 - Orientações gerais Traçar plano escrito da terapêutica instituída (de base e de alívio) Iniciar controlador na dose mínima eficaz Controlo dentro de 1-6 meses, dependendo da gravidade/controlo da asma Após um controlo > 3 meses baixar medicação para o nível inferior Após ajuste da medicação rever a criança dentro de 4 a 6 semanas Fazer estudo funcional resp., periodicamente, consoante controlo da asma Antes de ajustar medicação ter atenção a: o Cumprimento da terapêutica (se já instituída) o Adequação do dispositivo e técnica inalatória o Exposição/evicção a desencadeantes asmáticos Ponderar diagnóstico alternativo na ausência de resposta à terapêutica 7 - Normas de referenciação Toda a criança asmática deve, preferencialmente, ser referenciada à consulta da especialidade Excepcionalmente, as asmas intermitentes e/ persistentes ligeiras controladas com baixa dose de medicação, podem ser orientadas localmente. Referenciar : Na ausência de resposta ao tratamento/asma não controlada Na dúvida do diagnóstico Quando clínica sugestiva de diagnóstico alternativo Nas asmas que exijam doses médias/altas de medicação Se pedida/exigida pelos pais da criança Bibliografia principal GINA- Global Initiative for Asthma, 2009 Diagnosis and treatment of asthma in childhood : a PRACTALL consensus report 2008 British guideline on the management of asthma Diagnosis and treatment of asthma, Pediatric in Review, 2009 Asthma in infants and children Clinical Cronerstone, 2007 Princípios de inaloterapia na asma aguda infantil Revista da AMRIGS, 2007 Dispositivos para terapêutica inalatória na criança- Nascer e Crescer, 2004 Protocolos de urgência do Hospital Pediátrico de Coimbra 07/05/2010 8

MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica

MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica MANUAL para a abordagem da Sibilância em idade pediátrica José Rosado Pinto, Isabel Costa Silva Objetivo geral do manual: Fornecer aos profissionais de saúde, particularmente aos médicos Pediatras e aos

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 Núcleo de Pediatria Baseada em Evidências Departamento Materno Infantil

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Boas Práticas na Asma asma Programa Nacional de Controlo DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Comissão de Coordenação do Programa Nacional de Controlo da Asma Revisto em Novembro 2007 INTRODUÇÃO A Asma constitui

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente

Leia mais

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria

Leia mais

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina.

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Onsudil 0,05 mg comprimidos Onsudil 0,005 mg/ml xarope Onsudil 0,1 mg/ml solução para inalação por nebulização cloridrato de procaterol Leia atentamente

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Municipal de Saúde C Secretaria Municipal de Saúde AUTORES Márcia Alcântara de Holanda Médica pneumologista- coordenação da Comissão de Asma SCPT Gerardo Ribeiro Macêdo Alves Farmacêutico-Coordenador e Executor de ações

Leia mais

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Questão 80 Um escolar de 7 anos chega ao ambulatório, pois precisa

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma Asma Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy 2008 Global Initiative for Asthma 2010. www.ginasthma.org Mónica Oliva 4 Novembro 2010 CS Norton Matos, 11 Maio

Leia mais

1. O diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é feito cumulativamente na presença de (Nível de evidência A, grau de recomendação I):

1. O diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é feito cumulativamente na presença de (Nível de evidência A, grau de recomendação I): NÚMERO: 028/2011 DATA: 30/09/2011 ATUALIZAÇÃO: 10/09/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e Tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica Médicos

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Médicos do Sistema Nacional de Saúde. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Médicos do Sistema Nacional de Saúde. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Francisco Henrique Moura George Digitally signed by Francisco Henrique Moura George DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Date: 2012.12.06 12:23:42

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vibral dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto (3 mg/ml): frasco de 120 ml e 1 copo-medida. Xarope Pediátrico (1,5 mg/ml): frasco

Leia mais

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE)

OBJETIVO DA AULA RESUMO. BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação. Broncoespasmo Induzido pelo Exercício (BIE) PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA BRONCOESPASMO INDUZIDO PELO EXERCÍCIO BIE e Teste de Broncoprovocação PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE

Leia mais

PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS. DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro

PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS. DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA Asma alérgica Rinite alérgica Conjuntivite alérgica Eczema atópico Urticária e angioedema

Leia mais

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL

IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT. Discinesia de corda vocal. Diagnóstico diferencial da Asma DISCINESIA DE CORDA VOCAL IX Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT 18 a 20 de Abril - Rio de Janeiro Discinesia de corda vocal diferencial da Asma d Ávila Melo DISCINESIA DE CORDA VOCAL PASSAGEM DE AR FONAÇÃO PROTEÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias para as MANUAL PARA ABORDAGEM DA SIBILÂNCIA E ASMA EM IDADE PEDIÁTRICA 2/36 PROGRAMA NACIONAL PARA AS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS (PNDR) DIRETORA do PNDR Cristina Bárbara

Leia mais

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml.

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. PULMICORT budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PULMICORT budesonida APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. VIA INALATÓRIA

Leia mais

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança

SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE. A Saúde Respiratória da Criança SEMINÁRIO QUALIDADE DO AR E EFEITOS NA SAÚDE A Saúde Respiratória da Criança Hermano Albuquerque de Castro Médico Pneumologista Doutor em Saúde Pública Pesquisador FIOCRUZ castro@ensp.fiocruz.br Segundo

Leia mais

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Definição: Doença crônica e progressiva caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo não totalmente reversível, associada a uma resposta inflamatória anormal nos pulmões

Leia mais

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Data: 25/11/2013 Medicamento x Material x Procedimento Cobertura TEMA: Anlodipina, losartana,hidroclorotiazida,

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 010/2013 DATA: 02/08/2013 ATUALIZAÇÃO 18/12/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Utilização de Dispositivos Simples em Aerossolterapia Aerossolterapia; Dispositivos Simples; Câmaras Expansoras

Leia mais

USF Valongo GRESP - Grupo de doenças respiratórias, APMGF. SPAIC - Soc. Port de Alergologia e Imunologia Clínica

USF Valongo GRESP - Grupo de doenças respiratórias, APMGF. SPAIC - Soc. Port de Alergologia e Imunologia Clínica O QUE É A ASMA? Coordenação: Margarida Abreu Aguiar Jaime Correia de Sousa João Almeida Fonseca USF Valongo GRESP - Grupo de doenças respiratórias, APMGF SPAIC - Soc. Port de Alergologia e Imunologia

Leia mais

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.]

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.] Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática Melhorar o controlo da asma na comunidade.] PROFESSOR VAN DER MOLEN: Que importância tem para os seus doentes que a sua asma esteja controlada? DR RUSSELL: É muito

Leia mais

I.1. Regras técnicas de boa prática de prescrição de Cuidados Respiratórios Domiciliários

I.1. Regras técnicas de boa prática de prescrição de Cuidados Respiratórios Domiciliários Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Prescrição de Cuidados Respiratórios Domiciliários Nº: 06/DSPCS DATA: 07/06/06 Para: Contacto na DGS: Todos os Serviços dependentes

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético APRESENTAÇÃO O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético,

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA É inquestionável que a melhora na aptidão física, com os conseqüentes benefícios físicos e fisiológicos, permite as pessoas portadoras de reações alérgicas suportar com mais tranqüilidade os seus agravos

Leia mais

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA

PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROTOCOLO PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto de Saúde Fabiano Pimenta Júnior Belo Horizonte 2012 Sumário

Leia mais

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Nelson Gouveia Depto. de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo EVIDÊNCIAS DE EFEITOS DA POLUIÇÃO

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007 Asma na Infância 021 ESTAELECIDO EM 28/05/2007 ÚLTIMA REVISÃO EM 18/12/2009 NOME DO TEMA \\ Asma na Infância RESPONSÁVEIS UNIDADE \\ Dr. José Semionato Filho Dr. Luis Fernando A. Carvalho Dr. Wilson Rocha

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução a 0,025% para inalação, frasco com 20 ml USO INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 24 mg/ml Aminolex IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aminolex FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução injetável 24mg/ml. Ampola de vidro de 10 ml Solução

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromidrato de fenoterol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução Oral/Gotas 5mg/mL

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Morfina BASI pertence a um grupo de medicamentos denominados por analgésicos estupefacientes.

Morfina BASI pertence a um grupo de medicamentos denominados por analgésicos estupefacientes. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Morfina BASI 40 mg/ml Solução injectável Morfina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão Substância activa: Ioversol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina)

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina) TILUGEN (fendizoato de cloperastina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 3,54mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TILUGEN fendizoato de cloperastina APRESENTAÇÃO Xarope 3,54mg/mL

Leia mais

Flextoss. Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÃO Solução oral/gotas 30mg/mL Embalagem contendo 1 frasco com 10mL. USO ORAL USO ADULTO E

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente.

Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Oxolamina, 10 mg/ml, xarope Oxolamina, citrato Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. É necessário utilizar Oxolamina

Leia mais

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por dose liberada (puff): frasco de 4 ml (60 doses liberadas

Leia mais

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS

ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS ASMA BRÔNQUICA TRATAMENTO NOVAS TENDÊNCIAS Pediátrica Hospital Infantil Darcy Vargas Lúcia Maria Barbalho Guirau Doença inflamatória crônica VAI (mastócitos, eosinófilos, linf T, neutrófilos,etc) Hiperresponsividade

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Serviço de Imagem Médica Diretor de Serviço: Prof. Filipe Caseiro- Alves Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM Versão 2014 Recomendações sobre administração de contrastes em TC e RM

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A UTILIZAÇÃO SEGURA E ADEQUADA DE BRINAVESS

INFORMAÇÃO IMPORTANTE PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A UTILIZAÇÃO SEGURA E ADEQUADA DE BRINAVESS INFORMAÇÃO IMPORTANTE PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A UTILIZAÇÃO SEGURA E ADEQUADA DE BRINAVESS (vernacalant) concentrado para solução para perfusão BRINAVESS está indicado para rápida conversão da

Leia mais

SOLUÇÃO AEROSSOL 20 MCG

SOLUÇÃO AEROSSOL 20 MCG ATROVENT N (brometo de ipratrópio) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. SOLUÇÃO AEROSSOL 20 MCG ATROVENT N PACIENTE Atrovent N brometo de ipratrópio APRESENTAÇÃO Solução aerossol

Leia mais

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Ajuda para o Adulto asma Programa Nacional de Controlo Direcção-Geral da Saúde COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DA ASMA 2001 EDIÇÃO Direcção-Geral da Saúde Al. D. Afonso Henriques, 45 1049-005

Leia mais

Anafilaxia: Registo e Encaminhamento. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Anafilaxia: Registo e Encaminhamento. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 004/2012 DATA: 16/12/2012 ATUALIZAÇÃO 18/12/2014 ASSUNTO: Anafilaxia: Registo e Encaminhamento PALAVRAS-CHAVE: Anafilaxia, imunoalergologia PARA: Médicos do Sistema de Saúde CONTACTOS: Departamento

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

asma Programa Nacional de Controlo Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Fundos Estruturais

asma Programa Nacional de Controlo Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Fundos Estruturais asma Programa Nacional de Controlo Fundos Estruturais Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde asma Programa Nacional de Controlo Direcção-Geral da Saúde COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DA ASMA

Leia mais

ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas

ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas Eduardo Costa F. Silva Setor de Alergia e Imunologia HUPE/PPC Prof. Colaborador - DMI - UERJ alergiaimuno-uerj@hotmail.com UMA VIA AÉREA, UMA DOENÇA

Leia mais

Laringites Agudas na Infância

Laringites Agudas na Infância Laringites Agudas na Infância Hany Simon Junior Crupe Viral - definição O termo síndrome do crupe caracteriza um grupo de doenças que variam em envolvimento anatômico e etiologia, e se manifestam clinicamente

Leia mais

NEOTOSS (dropropizina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 1,5mg/mL e 3mg/mL

NEOTOSS (dropropizina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 1,5mg/mL e 3mg/mL NEOTOSS (dropropizina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 1,5mg/mL e 3mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEOTOSS (dropropizina) USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS Xarope 1,5mg/mL:

Leia mais

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro.

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro. Caso Clínico 1. KMA, feminina, 32 anos, casada, natural e procedente de Uberaba, MG, psicóloga. QD Lesões cutâneas e prurido há oito meses HMA Pápulas eritematosas disseminadas, de aparecimento diário,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Recomendações para controlo da infecção pela nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1)v na população de doentes Insuficientes Renais Crónicos (IRC) Profissionais de Saúde das Unidades de Diálise

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Covinan 100 mg/ml suspensão injetável para cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL Abcd BEROTEC Boehringer Ingelheim Solução 5mg/mL Berotec bromidrato de fenoterol APRESENTAÇÃO Solução (gotas) de 5 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ORAL OU INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

As ampolas de Nolotil também não deverão ser utilizadas em:

As ampolas de Nolotil também não deverão ser utilizadas em: Folheto informativo: Informação para o utilizador Nolotil 2000 mg/5 ml solução injetável Metamizol magnésico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS Capítulo 25 Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as emergências médicas mais frequentes; Listar e descrever os cuidados gerais

Leia mais

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose Aerodini Aerossol 100mcg/jato-dose MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Aerodini sulfato de salbutamol APRESENTAÇÃO Aerossol 100mcg/jato-dose Embalagem contendo 01 tubo de alumínio com 200 doses

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD)

Manuseio Peri-operatório dos. dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos (AOD) Manuseio Peri-operatório dos doentes medicados com Anticoagulantes Orais Diretos Guia de Consenso 2014 I. MANUSEIO PERI-OPERATÓRIO EM DOENTES MEDICADOS COM ANTICOAGULANTES ORAIS DIRETOS 1. Fatores a considerar

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional NORMA DE PROCEDIMENTO Nº3 COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO E SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Elaborado em Agosto de 2009 Revisão nº Próxima revisão Assunto: RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO

Leia mais

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Desafios Prática clínica:

Leia mais