Rio de Janeiro, RJ - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rio de Janeiro, RJ - Brasil"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE AUTOMAÇÃO DE DEP Ó SITOS: UM ESTUDO DE CASOS por Pedro Leonardo de Lacerda Alves Orientador: Professor Paulo Fernando Fleury Rio de Janeiro, RJ - Brasil 2000

2 1\ TÍTULO: Implantação de Tecnologias de Automação de Depósitos: Um Estudo de Casos Pedro Leonardo de Lacerda Alves Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre. Aprovada por Prof. Paulo Fernando Fleury, Ph.D. - Orientador! oares de Andrade, Ph.D. Rio de Janeiro, RJ - Brasil 2000

3 III AGRADECIMENTOS Agradeço ao meu orientador Paulo Fernando Fleury pela paciência e atenção. À Regina e Renata, do CEL, por garantirem esta atenção e pelo bom humor constante. À Cida, Elza e todos os funcionários do Coppead que dão exemplo de eficiência em administração. Agradeço aos meus pais, Pedro José e Lúcia, que consistentemente me incentivaram a terminar o trabalho e principalmente à minha esposa Ana Cristina que além de incentivar, pacientemente ouviu, leu e criticou vários trechos deste trabalho.

4 IV ALVES, Pedro Leonardo de Lacerda. Implantação de Tecnologias de Automação de Depósitos: um Estudo de Casos / Pedro Leonardo de Lacerda Alves. Rio de Janeiro: UFRJ / COPPEAD, xi, 173 p.; il. Dissertação - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Automação de Depósitos. 2. WMS. 3. Logística. 4. Tese (Mestr. - UFRJ/COPPEAD). I. Título.

5 v RESUMO ALVES, Pedro Leonardo de Lacerda. Implantação de tecnologias de automação de depósitos: um estudo de casos. Orientador: Paulo Fernando Fleury. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Diss. O trabalho teve como objetivo estudar o processo de implementação de tecnologias de automação de depósitos em empresas brasileiras, comparando os resultados observados com o recomendado pela literatura especializada. Para tanto foram estudados 3 casos recentes de implementação de automação de armazéns no Brasil, envolvendo tanto sistemas de movimentação e armazenagem, quanto sistemas WMS. Os resultados indicam que embora os projetos estudados sigam de uma fornla geral as etapas previstas, vários dos procedimentos previstos na literatura não são adotados, principalmente no que diz respeito à mensuração de desempenho que permite comparar os resultados previstos com os resultados alcançados após a automação. Os resultados também indicam que em alguns casos, as mais avançadas tecnologias de automação estão sendo adotadas pelas empresas brasileiras.

6 VI ABSTRACT ALVES, Pedro Leonardo de Lacerda. Implantação de tecnologias de automação de depósitos: um estudo de casos. Orientador: Paulo Fernando Fleury. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Diss. This work was undertaken with the aim of studying the process of implementation of automation technologies for warehouses in Brazilian companies, comparing the observed results to what has been recommended by the specialized literature. For this purpose, three recent cases of implementation of automation in warehouses in Brazil were studied, which involved not only material handling and storage systems but also integrated warehouse management systems. The obtained results show that in spite of the studied projects following in general the predictable stages, many procedures foreseen in literature have not been adopted, mainly those concerning the evaluation of performance that allows us to compare the surmised results to those achieved afier the automation. The results also indicate that in some cases the most advanced automation technologies are being adopted by Brazilian companies.

7 VIJ LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ADC - Automatic Data Collection ou Coleta Automática de Dados. AGVS - Automatic Guided Vehicle System, sistema de controle de veículos automáticos. AS/RS - Automatic Storage and Retrieval System, sistemas de armazenagem e movimentação de mercadorias de forma automática, incluindo o uso de transelevadores. ASN - Advanced Shipping NoNce ou Notificação Prévia de Embarque, é uma mensagem eletrônica, enviada pelo embarcador ao recebedor, comunicando os dados básicos do embarque e que ele foi feito. CD - Centro de Distribuição. CID - Central Integrada de Distribuição. CLM - Council of Logistics Management, órgão de classe dos Estados Unidos da América, que congrega profissionais da área de logística. COD - Central Operacional de Distribuição. ECR - Efficient Consumer Response ou Resposta Eficiente ao Cliente. EDI - Electronic Data lnterchange ou Intercâmbio Eletrônico de Dados, é a troca eletrônica de dados entre computadores, sem a interferência manual. GOL - Gerente de Operações Logísticas. IP A -Inspeção de Produto Acabado. LAN - Local Area Network, rede local. LDR - Área de Reserva, de onde as mercadorias alimentam as áreas de separação.. LDS - Área de Separação, de onde as mercadorias são separadas para despacho. MI-IS - Material Handling System, sistemas de movimentação de mercadorias. Picking - Separação, geralmente incluindo a retirada de itens de um tipo de embalagem para outra. Shuttle - caminhão dedicado a uma rota fixa e curta. Sistema pick-to-light - prateleira com produtos, onde, associado a cada um existe um display que acende uma luz mostrando ao operador o produto a ser pego.

8 V111 SKU - Slock Keeping Unir, menor nível de controle do estoque sobre um item. SPD - Serviço de Processamento de Dados. STM - Sistema de Transporte Móvel. Stock Order - Pedido ao Estoque. WMS - Warehouse Management System ou Sistema de Gerenciamento de Depósitos. LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Fonte: Scan Tech NewslModern Materiais Handling, novembro Gráfico 2 - Fonte: Pesquisa Scan Tech News Gráfico 3 - Fonte: Revista Retaif Distribution and Logistics LISTA DE FIGURAS Figura 1 - O Interior do Depósito

9 IX LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Tendências em Estoque e Distribuição Tabela 2 - Timing do Projeto da Chocolates Garoto Tabela 3 - Áreas Funcionais Controladas pelo WMS Tabela 4 - Beneficios Alcançados... Tabela 5 - Timing do Projeto da Souza Cruz... Tabela 6 - Áreas Funcionais Controladas pejo WMS... Tabela 7 -Timing do Projeto das Lojas Arnericanas... Tabela 8 - Áreas Funcionais Controladas pejo WMS... Tabela 9 - Quadro Resumo I: Fatores que Motivaram os Projetos de Automação Tabela 10 - Quadro Resumo 2: Formação da Equipe de Projeto Tabela Quadro Resumo 3: Beneficios Esperados com o Projeto Tabela 12 - Quadro Resumo 4: Definição do Projeto e Escolha dos Fornecedores... I 17 Tabela 13 - Quadro Resumo 5: Esquema Resumido do Cronograma dos Projetos Tabela 14 - Quadro Resumo 6: Características dos WMS Utilizados nos Projetos e Tabela 15 - Principais Tecnologias Controladas pelo Sistema Quadro Resumo 7: Beneficios Alcançados com os Projetos de Automação Tabela 16 - Comparação entre os Casos com Base nas Recomendações da Revisão Bibliográfica Tabela 17 - Quadro Comparativo Centro de Distribuição X Depósito

10 x CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO OBJETIVOS DA PESQUISA... SUMÁRIO RELEVÂNCIA DA PESQUISA RELEVÂNCIA TEÓRICA RELEVÂNCIA PRÁ TICA CAPÍTULO 2: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A IMPORTÂNCIA CRESCENTE DA LOGísTICA A IMPORTÂNCIA DA MODERNIZAÇÃO DOS DEPÓSITOS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO MANUSEIO DE MATERIAIS TECNOLOGIAS DE RELACIONAMENTO WMS - SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE DEPÓSITOS IMPORTÂNCIA HISTÓRICO DEFINIÇÃO CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS INTRODUÇÃO POR QUE AUTOMAÇÃO EM TEMPO REAL? CRIAÇÃO DE ESTOQUE ACOMPANHAMENTO DO ESTOQUE ETAPAS DO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO FASEI: PREPARAÇÃO FASE 2: DEFINIÇÃO FASE 3: IMPLEMENTAÇÃO ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS E JUSTIFICATIVA DO PROJETO CAPÍTULO 3: METODOLOGIA QUESTÕES DA PESQUISA CAPÍTULO 4: DESCRIÇÃO DOS CASOS CHOCOLATES GAROTO S.A COMPANHIA SOUZA CRUZ S.A LOJAS AMERICANAS S.A. CAPÍTULO 5: ANÁLISE DOS CASOS E CONCLUSÃO

11 Xl 5.1 ANÁLISE DOS CASOS CAPÍTULO 6: CONCLUSÕES. 6.1 CONCLUSÕES DO ESTUDO SUGESTÕES PARA NOVOS ESTUDOS. BIBLIOGRAFIA ""..." ANEXO I - QUESTÃO CONCEITUAL: DIFERENÇA ENTRE DEPÓSITO E CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO " ANEXO II - DETALHAMENTO DA FASE DE DEFINIÇÃO DO SISTEMA. ANEXO III - CONSIDERAÇÕES TECNOLÓGICAS... ANEXO IV - TIPOS DE TRANSPORTADORES. ANEXO V - CARACTER Í STICAS LÓ GICAS DO WMS. ANEXO VI - SIMULAÇÃO. ANEXO VII - FOTOS "..."...,,"""""" " "..."" " '"''''"

12 Capítulo 1: 111 trod ução Não restam dúvidas que as empresas brasileiras têm problemas de distribuição e estoque. Embora apresentem um dos menores índices de estoque de produtos acabados ', graças ao elevadíssimo custo de capital e às incertezas do ambiente econômico, elas mantêm uma quantidade de produtos em processo e de matéria prima que deixa transparecer suas deficiências '. Os problemas de distribuição são, em parte, culpa da má conservação das estradas, de um sistema ferroviário ineficiente e abandonado e de um sistema hidroviário praticamente inexistente. Mas são, também, fruto da falta de investimento e do descaso com as funções de logística. Mas esta atitude não é um privilégio brasileiro, ainda hoje, estudos americanos mostram que menos da metade dos depósitos ] dos Estados Unidos adotaram tecnologias já consagradas como i ndispensáveis para o aumento da competitividade e ganhos de produtividade, como: automação dos meios mecânicos, rádio freqüência, EDI, e sistemas de gerenciamento de depósitos - WMS '. Mas o que significa este descaso em tem10s financeiros? Dados americanos mostram que os custos com depósitos representam 2% das vendas, mas se adicionaid1os os custos de manutenção de estoque, o total representa mais da metade do custo de distribuição, de 7,5%. Caso se acrescente os custos de estoque de matéria-prima, produtos em processo e da logística de recebimento, o total pode chegar a até 30% das vendas '. No Brasil, dados da ABML ó afirmam que os gastos com as operações de logística no país representam de 20 a 25% do PIB. I ver estudo neste sentido para indústrias do setor metal-mecânico, in Flcury, P. Fernando & Arkader, Rebecca. Ameaç'lS. Oportunidades e Mudanças nas Trajetórias de Modernização Industrial do Brasil - Relatório COPPEA D no Abril, Rio de Janeiro, p ver dados em Fleur)', P. Fernando & Arkader, Rebecca. Organização e Desempenho em Manufatura nas Empresas Brasileiras - Um Estudo Comparativo Internacional na Indústrial Metal-Mecânica. Relatório COPPEAD no Março, Rio de Janeiro, p Neste trabalho, pelos motivos discorridos no Anexo 1, usaremos os termos 'depósitos ' e 'centros de distribuição', indistilllamclltc. 4 Dawe, Richard L.. Reengincer Warehousing, lntegrated Warehollsing & Distribution - T&D, Janeiro 1995, p Dawe, Richard L, op. cil. 6 Hesse l, Rosan<1, Negócios de Logística Atraem Grupos Estrangeiros. Gazeta Mercantil. 25 de novembro de 199X. pg. C-5.

13 2 Nos últimos anos, porém, o Brasil tem passado por mudanças drásticas em alguns fatores macroeconômicos, que têm alterado a percepção do país quanto à logística: Tecnologia: o fim da reserva de mercado de informática, reduzindo o custo da tecnologia da informação; Custo do Capital: com a estabilização econômica, em 1994, os juros reais aumentaram, cr.iando incentivos para a redução de investimentos em estoque; Cresci mcnto dos Grandes Varejistas: as redes internacionais começam a vir para o 13msil, adquirindo ou se associando às principais redes locais '. Isto aumenta as exigências do varejo - ele é o principal cliente do fabricante ou distribuidor e niío está interessado apenas no produto, mas também, e cada vez mais, no serviço - e acirra a competição, transformando logística em vantagem competitiva; Crescimento Demográfico: aumenta proporcionalmente o problema logístico - mais pontos de venda, mais gente, maior número de transações e movimentações de mercadorias; Novos Produtos: competição mais acirrada com a abertura de mercado, obrigando as empresas a competir cada vez mais em nichos de mercado. Isto significa novos produtos, ou seja, maior variedade de SKU' s, atendendo especificamente as necessidades individuais do consumidor. A estes fatores, soma-se a crescente discussão em torno do conceito de cadeia de suprimento e sua integração: as deficiências de distribuição se refletem no serviço ao cliente. Como forma de responder a estas transformações, diversos projetos de automação ou modernização dos depósitos têm sido implementados. Estes projetos têm desencadeado uma forte demanda por novas tecnologias de informação e movimentação de materiais. D i versas pesq uisas publicadas nos últimos anos, ressaltam a importância da implantação de novas tecnologias como instrumentos de redução de custos e como 7 O grupo francês Carrefour comprou os supermercados Eldorado. A Lojas Americanas, que rompeu uma parceria com a americana Wal-Mart, vendeu 23 lojas para os franceses da Comptojrs Modernes. O grupo português Sanae adquiriu a Mercadorarna, a Cândia e a eia. Real de Distribuição. Outro grupo português, o Jerônimo Martins, adquiriu o controle da rede Sé, de São Paulo. Os holandeses da Royal Ahold asssociararn-sc aos pernambucanos do Bompreço e compraram o Supermar, na Bahia.

14 3 forma de atingir novos níveis de desempenho. Um relatório de Richard Kochersperger: 1995 Warehouse ProdUClivily Analysis: A Benchmark Study of Distribution Centers, citado na revista T &D ', refere-se especificamente aos sistemas de rádio freqüência e mecanizados. Outro estudo, da SI. Joseph 's University Center for Food Marketing, ressalta que diversas empresas estudadas vivenciaram melhorias de 30% em seus índices relativos a recebimento e reposição ao adotarem computadores portáteis com scanners de código de barra integrados á operação. Os projetos de automação de depósitos dependem, ainda, da escolha das pessoas certas para implantá-lo, não apenas da tecnologia. Isto exige gasto em treinamento e recrutamento. Além disto, sua implantação envolve um esforço conjunto requerendo um comprometimento de toda a organização e, por vezes, dos próprios fornecedores. A opção pela terccirização, em alguns casos, é uma forma de reduzir esta necessidade de envolvimento interno. Estas alterações no ambiente dos depósitos, tem sido usada para dar início à integração entre os sistemas de informação gerencial e de movimentação de materiais, um passo indispensável para a maior integração entre empresas. Jim Tompkins, um consultor em técnicas de armazenagem, afirma que "um bom sistema de gerenciamento de depósitos é pré-requisito para uma cadeia de suprimento saudável", dada suas características de uniíicação dos sistemas de informação internos e a solidificação do papel da distribuição nas relações comerciais ". Este estudo descreverá três casos de modernização de armazéns no Brasil e discorrerá sobre o que n literatura internacional recomenda para estes processos. Desta forma, será possível verificar as semelhanças e as adaptações nos processos feitos no Brasil e os recomendados pela literatura internacional. 8 Andei, Tom. Tcchnology's Challenge. lntegrated Warehousing & Distribution - T& D, Janeiro 1996, p citado em AndeI. Tom. Forge a New Role in Supply Chain. T&D, fevereiro 96, vol.37 issue 2, p

15 4 1.1 Objetivos da Pesquisa Esse trabalho pretende identificar as práticas mais recomendadas para a implementação de projetos de automação de depósitos ou centros de distribuição através da revisão crítica da bibliografia existente acerca do tema e da análise de casos de empresas brasileiras. Uma vez determinados os fatores que contribuem para o sucesso da implementação. será focado o contexto brasileiro, visando a identificação das práticas nacionais e sua comparação com as recomendações da literatura especializada. Dada a limitada bibliografia nacional, a análise dos casos brasileiros deverá servir como orientação para verificar qual o nível de aderência das empresas nacionais a procedimentos semelhantes aos recomendados pela literatura estrangeira. O estudo de casos buscará levantar dados que permitam uma comparação com os resultados da revisão bibliográfica, não apenas acerca dos passos adotados para a definição, escolh;\ e tomada de decisão envolvidas no projeto, mas também, a respeito das novas tecnologias de armazenagem e distribuição utilizadas. A pergunta de pesquisa mais geral foi "Como procedem as empresas que decidem implantar proj etos de automação de depósitos e centros de distribuição?". A partir daí, o estudo buscou respostas a perguntas mais específicas, incluindo as justificativas e benefícios busc;,dos com estes projetos, o processo de escolha do fornecedor, treinamento e comprometimento interno. Portanto, a intenção foi identificar os seguintes aspectos envolvendo cada caso analisado: I. Razões da decisão de automação; 2. Beneflcios esperados; 3. Processo de definição do projeto; 4. Definição do fornecedor e das tecnologias utilizadas; 5. Processo de implantação; G. Rcsultados alcançados com o projeto;

16 5 Foram escolhidos três casos para análise: Cia. Souza Cruz, Chocolates Garoto S.A. e Lojas Americanas. Todas as empresas estão entre as 15 maiores em seus setores, segundo ranking e segmentação da Revista Exame Maiores e Melhores de 1997, e iniciaram a implantação de projetos de automação de depósitos ou centros de distribuição após As empresas são, também, reconhecidas por sua capacidade inovadora e sua disposição de melhorar continuamentelo. 1.2 Relevância da Pesquisa Relevância TclÍl"ica A relevância teórica do problema apresentado está baseada em dois pontos principais. Em pri llleiro plano está a importância estratégica do assunto, uma vez que os custos de estocagclll e movimentação são significativos e sua otimização pode ser um diferencial competitivo. Em segundo lugar está sua atualidade. À medida qne novos conceitos, como os que envolvem a idéia de cadeia de suprimento são aceitos, formas de conduta que permilam a redução do ciclo de pedido e um melhor atendimento, ganham relevância Relevância Prática A relevância prática está calcada na já mencionada importância dos custos e do serviço de distribuição e armazenagem como diferencial competitivo. Além disso. as transformações macroeconômicas por que o país passou nos últimos anos têlll ai terado a percepção das empresas com relação à logística. Esse fato vem ao encontro de tendências mundiais de valorização das funções logísticas, com a crescente integraç50 do processo logístico tanto dentro da empresa quanto externamente, com seus clientes e fornecedores ". 10 Para referências sobre a reputação e a política pública das empresa veja: Fonseca, Ubiracy da, Logística com Começo. Meio c Fim. Revista Tecnologística, março / 96, p. 8 a 10; Tiffany, Susan. Dedication to people and quality combine lo make Chocolates Garoto South America's largcst chocolate maker. Candy Industry, February 1997, )1. 20; Benzi, Liliam D., Souza Cruz aposta na centralização da distribuição, Revista Tecnologística, janeiro/98, p " Ver La Londe, Bcrnard.l. Evolution of the Integrated Logistics Concept. The Logistics Handbook. The Free Press: Ncw York, Capo I, p. 3-12; e Lambert, D.M. & Stock, l.r. Strategic Logistics Management. HOlllcwood: Irwin, Capo I, p

17 6 Apesar di S50. a I i leratura internacional aponta para o fato de que, em 1996, apenas 40% das empresas al11ericanas utilizavam códigos de barra ou outras tecnologias de Coleta Automática de Dados - ADC 12 Estas tecnologias são fundamentais para automatização de depósitos. Portanto, espera-se um alto crescimento nos números relativos à sua adoção nos próximos anos. A pesquisa da Scan Tech News (1996), sobre código de barra, estil11a um crescimento anual de 62% para o setor até o ano O estudo, ao elescrever casos ele automação de depósitos e as tecnologias adotadas, poderá servir COIllO indicador elas tendências de adoção de tecnologia e tipos de processo por parte das empresas brasileiras. 12 Pesquisa Scan Tech Ne",s. Modem Materiais Handling, novembro 1996.

18 7 Capítulo 2: Hevisào Bibliográfica 2.1 A Importância Crescente da Logística Em 1991, o CLM - Council of Logistics Management, definiu o termo logística como "o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e a estocagem de mercadorias, serviços e de toda informação relacionada; desde o ponto de origem até o ponto de consumo, de forma a atender às necessidades do cliente" ". Bowersox (1996) afirma que o serviço de logística pode ser medido em termos de (1 ) disponibilidade, (2) performance operacional e (3) confiabilidade do serviço. A disponibilidade exige que a empresa tenha estoque suficiente para atender, constantemente, as necessidades do cliente. o desempenho operacional envolve velocidade e consistência. Uma terceira variável que afeta a performance é a flexibilidade. Pode ser necessário medir o quão eficiente a empresa é quando requisitada a atender demandas inesperadas por parte dos clientes. Bowersox acrescenta, ainda, que há outro aspecto fundamental envolvendo a performance operacional: o tempo gasto para se recuperar ou "consertar" um mal atendimento. A qualidade do serviço é resultado da medição da disponibilidade e do desempenho operacional e pode ser um instrumento de vantagem competitiva para a empresa. Esta idéia é compartilhada por Lambert e Stock (1993) 14 : "a empresa pode ser capaz de melhorar significativamente sua participação no mercado e sua lucratividade se gastar mais que seus competidores em serviço ao cliente (logística." Bowersox (J 996) apontou cinco fatores chave para o que chamou de "a maior transformação da logística desde a Revolução Industrial" e que, segundo ele, ocorreu durante a década de 80 e início da década de 90. Estes cinco fatores, segundo ele, explicam quais suo, hoje, as melhores práticas de logística: (I) mudanças nas leis e lj In: Bowersox, D..I. & Closs, D.J. McGraw-Hill, Capo I, p Logistics Management: lhe Integraled Suppl)' Chain Processo 14 Lamber!, D.M. & Stock. J.R. Slralegic Logislics Management. Homewood: Irwin, Capo I, p

19 8 regulamentos americanos - principalmente referentes aos modais de transporte; (2) a ampla comercialização do microprocessador; (3) o revolução da informação; (4) a adoção de medições de qualidade; (5) o crescimento de alianças e parcerias estratégicas. No Brasil, estas novas práticas logísticas não ocorreram no mesmo passo. No entanto, algumas transformações internas atuais acabaram por estabelecer no país, em meados da década de 90, condições muito semelhantes às citadas por Bowersox. Uma série de mudanças ljas leis brasileiras, incluindo a privatização de vários setores da economia; a concessão de várias atividades ligadas aos diversos modais de transporte e sua abertura para o capital privado internacional, acirrando a competição e flexibilizando antigos monopólios estatais. O fim das restrições impostas pela lei da infonnática, permitindo, finalmente, acesso das empresas brasileiras a equipamentos modernos de processamento e softwares de tratamento e transmissão de infonnação. A abertura comercial iniciada em 1990, que provocou um desgaste crescente na balança comercial brasileira e mostrou a necessidade de modernização das empresas nacionais para aumentar sua competitividade externa e, consequentemente, as exportações. A corrida em busca de certificações ISO 9000 que se verificou entre as empresas nacionais em meados da década de 90. O crescimento de alianças estratégicas parece ser incipiente no país. mas faltam dados e pesquisas específicas sobre esta tendência. Além disso, a estabilidade de preços a partir de 1994, tem levado as empresas a dependerem mais de seus resultados operacionais em detrimento dos financeiros. Desta forma, a logística no Brasil começa a ser vista e tratada como uma área que integra funções desde a compra de suprimentos até a distribuição ao cliente final; passando pelo apoio à manufatura, o transporte e a armazenagem dos produtos em processo. Esta visão integrada se reflete não apenas em uma maior importância dada à área na hierarquia das empresas, mas também, em termos de investimentos. Neste contexto é que veremos, nos casos estudados, que as companhias envolvidas na modernização de scu processo de estocagem e distribuição, têm em comum, também, uma visão estratégica da logística e dão alto status organizacional à área.

20 9 2.2 A Importâncin da Modernização dos Depósitos o final da década de 90 está se caracterizando por dramáticas modificações na forma como as companhias encaram as funções envolvidas com estocagem e distribuição. Estas transformações estão sendo traduzidas na forma de diferentes requisitos e desafios tanto para fabricantes quanto distribuidores. Tabela 1 - Tendências em Estoque e Distribuição J' Tendências Alterações Demngl'áticas Demanda dos Consumidores Novas Demandas de Órgãos ReguladnJ'cs Acirramento da Competição Necessidades do Fornecedor Maior variedade produtos/ SKU's. Necessidades do Depósito de Gerenciamento de inventário e localização; Flexibilidade na seleção de layout e modo de estocagem; Gerência da rotatividade do Menor número de produtos maduros. Menor tamanho dos lotes. estoque/o bso 1 escênci a; fabricação sob encomenda. Maior giro de estoque; Acompanhamento do pedido; Maior controle de Acompanhamento do qualidade número de série e lote; Monitoramento do tempo de vida na prateleira; Melhoria do serviço ao Gerenciamento do consumidor. Reposição contínua Redução de preços estoque consignado; EDllECRI interfaces possibilitando respostas rápidas ao cliente; "Crossdocking"; Entregas diretamente nas lojas; Redução de custos; Aumento da produtividade de pessoal, espaço e equipamento; Consolidação da indústria Aumento de volume; " Hitt, John M. WMS: Thc Competi tive Tool for the 90s par! one. Modem Materiais Handling. Setembro p. W3-WI6.

21 10 Para enfrentar estes desafios, respondendo às novas tendências, os gerentes dispõem de novas ferramentas, algumas específicas para os centros de distribuição: Centrali zação - uma tendência de se ter depósitos e centros de distribuição maiores e mais eficientes, embora em menor número; Desenhos de centros de distribuição direcionados para canais específicos; Reempacotall1ento, etiquetamento e apreçamento no próprio depósito, não no ponto de venda, nas lojas de varejo; Etiquelull1enlo e apreçamento feito pelos fabricantes, especialmente para determinado cliente; O uso de simbologias de código de barra para produto, embalagem e identificação de embarque, para facilitar o gerenciamento do depósito e o monitoramento das transações no ponto de venda; Comunicação entre parceiros de negócios através de EDI; A uti I ização de ferramentas de modelagem, simulação e suporte à tomada de decisão para o desenvolvimento dos sistemas do depósito, planejamento e localização do estoque; Empower/11el1l; Pode-se dizer que o grande negócio da movimentação de materiais é fazer com que cada produto escoe através da produção e distribuição como líquidos em dutos. Este fluxo de materiais deve estar integrado a um fluxo de informação que é, justamente, o respons vel por esta fluidez. O cliente não está mais interessado apenas em saber o quanto o produto é bom e a entrega regular. Hoje, a idéia de cadeia de suprimento tem levantado outras preocupações: o custo do produto é função dos processos de produção e distribuição; a qualidade final do produto também é função dos processos de produção e distribuição: é preciso que a informação seja entregue de forma tão eficiente quanto o produto, usando, por exemplo, notificações prévias de embarque - ASN - que avisam quando o cliente irá receber o produto.

22 11 Para que isto seja alcançado é preciso que a "informação do chão de fábrica e do depósito seja integrada à informação que o pessoal de vendas e marketing fornece ao cliente" ". Na atividade produtiva isto pode ser feito instalando um sistema de acompanhamento da produção de forma a tomar a informação acessível em tempo real. Nos depósitos isto pode ser feito através do sistema de gerenciamento - WMS - desde que ele inclua funçôes de recolhimento de pedidos, picking, contagem periódica de estoque, geração de llotificaçôes de embarque, etc. Outros especialistas no setor, como Tony Venutti, do The Consulting Group, Inc. 17, consideram que para a próxima década, a implantação de sistemas de gerenciamento de depósito será uma necessidade face as tendências previstas para o ano 2000: Empresas de vendas diretas (catálogos, telefone, internet) exigindo que os fabricantes embarquem diretamente aos consumidores, ao invés de passar pelos centros de distribuição destas empresas; Grandes cadeias de lojas requerendo que os fabricantes embarquem os produtos diretamente para suas lojas individuais, novamente eliminando os centros de distribuição ou depósitos convencionais; Empresas de comestíveis exigindo maior giro na entrega para melhorar a qualidade do produto e minimizar seu estoque; No entanto, o mesmo Venutti 18 recomenda que qualquer modificação seja feita com cautela e planejamento: "Faça a reengenharia em suas operações de distribuição; não as automatize simplesmente, sem pensar; Estabeleça um plano funcional do que sc espera da distribuição; Especifique as funções de sen WMS, suas interfaces com os operadores e equipamentos de movimentação de material, os controles de rádio freqüência, lo in Knill, Bemie, SvstCllls Buying: Ali Business, Material l iandling Engineering, novembro J 996, p.4s. 17 citado em Trunk, Christopher, Putting WMS Together Material Handling Engineering, fevereiro 1996, p citado em Trunl<, Chrislopher, Putting WMS Together. Material Iiandling Engineering, fevereiro 1996, p

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@em.pucrs.br Resumo Este trabalho visa mostrar a importância da integração entre sistemas de ERP 1 e

Leia mais

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS Sistemas de Order Fulfillment Real Time Solutions Atualmente, a operação de order fulfillment desempenha um papel primordial na cadeia de abastecimento

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

viastore: Experiência e confiança mundiais

viastore: Experiência e confiança mundiais T H E P O W E R O F D E L I V E R Y viastore: Experiência e confiança mundiais 03 Uma empresa que oferece um bom serviço de logística, fecha o negócio. E é isso o que oferecemos: The Power of Delivery.

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@pucrs.br Tiago Leonardo Broilo (PUCRS) broilo@pucrs.br Isaac Newton Lima da Silva (PUCRS) isaac@pucrs.br

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM O QUE É A ATIVIDADE DE PICKING E QUAL SUA IMPORTÂNCIA? Por Alex Medeiros, 1999 Para entendermos a atividade de picking (separação e preparação de pedidos) é importante

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

4 Sistema de Informações

4 Sistema de Informações 4 Sistema de Informações 4.1 O conceito de informação O desenvolvimento das operações logísticas de uma determinada empresa ou organização está visceralmente ligado ao fluxo e intercâmbio de informações

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Sistemas de abastecimento de pedidos

Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Intelligrated Densidade de separação A Intelligrated usa suas décadas de experiência e centenas de instalações para oferecer as

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Armazenagem Estratégica Automação na Armazenagem 2 Armazenagem Área tradicional

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição Whitepaper Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição ÍNDICE A Tecnologia RFID simplifica os Processos de Negócio 2 O que é RFID? 2 Como funciona a Tecnologia RFID 2 Vantagens

Leia mais

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE Definição Intercâmbio eletrônico de mensagens de negócio através de computadores, entre parceiros comerciais. As informações são, normalmente, organizadas dentro de arquivos

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 Como gerar seu Código de Barras Produtos e Soluções GS1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 GS1 Brasil A GS1 Brasil Associação Brasileira

Leia mais

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este trabalho pretende abordar

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Sistemas de Processamento de Transações Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Evolução dos sistemas de informação Os dispositivos de computação passaram dos tubos a vácuo, nos anos 50

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Distribution Solutions, Inc.

Distribution Solutions, Inc. Distribution Solutions, Inc. DSI cria Centro de distribuição organizado para líder de cadeia de lojas de departamentos automação que traz resultados DSI cria Centro de distribuição organizado para líder

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais