COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE?"

Transcrição

1 35a CONVENÇÃO ANUAL DO ATACADISTA DISTRIBUIDOR ABAD 2015 COMITÊ DE PRESIDENTES REDE PAEX 2015 COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? PROF. LEONARDO TEIXEIRA

2 2 TEMA E OBJETIVO TEMA: COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? OBJETIVO DA REUNIÃO DO COMITÊ:! DISCUTIR O PROCESSO DE CRESCIMENTO DAS EMPRESAS NO ATUAL CENÁRIO DE CRISE, COM O FOCO PRINCIPAL NA PREPARAÇÃO DAS EMPRESAS E OTIMIZAÇÃO DA ESTRUTURA DE CAPITAL.! BUSCAR CRIAÇÃO DE VALOR DENTRO DE CASA (PERSPECTIVA INTERNA)

3 O PALESTRANTE 3 LEONARDO TEIXEIRA MOREIRA " Graduado em Relações Internacionais pela UnB, com MBA em Finanças, MBA Executivo pela FDC e pós-graduação em Gestão Avançada pela Wharton Business School. Formação de Conselheiro de Administração pelo IBGC. " 15 anos de experiência executiva como CFO e CEO de empresas familiares em diversos setores e mercado financeiro, incluindo 4 empresas da Rede PAEX e é sócio da Boutique de Negócios Araújo Fontes. " Liderou grandes processos de crescimento organizacional, fusões, aquisições, estruturação de dívidas e reestruturações financeiras e organizacionais em transações que superam R$ 3 Bilhões. " Coordenador do MBA de Finanças e Controladoria e Professor de Finanças e Fusões e Aquisições da Pósgraduação da Universidade Fumec - MG

4 AGENDA 4 ALINHAMENTO DOS CONCEITOS DE CRESCIMENTO E DE CRIAÇÃO DE VALOR VISÃO INTERNA E MEDIDAS DE CURTO PRAZO PLANO DE CRESCIMENTO COM ESTRUTURA DE CAPITAL OTIMIZADA: - CAPTAÇÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS - FUSÕES E AQUISIÇÕES

5 ALINHAMENTO DOS CONCEITOS DE CRESCIMENTO E DE CRIAÇÃO DE VALOR 5

6 BRAINSTORM "TORÓ DE PARPITES 6 O QUE VOCÊS ESTENDEM COMO CRESCIMENTO?

7 BRAINSTORM TORÓ DE PARPITES 7 CRESCIMENTO SERIA AUMENTO DE MARKET SHARE? RECEITA BRUTA? RECEITA LÍQUIDA? EBITDA? LUCRO LÍQUIDO? FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA?

8 REFLEXÃO DESAFIO COMUM: ONDE ESTÁ O SEU LUCRO? 8 # UMA EMPRESA POSSUI RECEITA LÍQ. R$ 300MM/ANO # LUCRO LÍQUIDO DE R$45 MM?" ONDE PODEMOS ENXERGAR ESTE LUCRO? ESTE VALOR DO LUCRO COINCIDE COM O VALOR DO SALDO DE CAIXA?

9 VISÃO INTEGRADA DO FLUXO DE CAIXA UMA VISÃO DO CAIXA DO INÍCIO AO FIM RECEITA OPERACIONAL BRUTA (-) IMPOSTOS DIRETOS (-) CUSTOS E DESPESAS (=) LUCRO OPERACIONAL (+) DEPRECIAÇÃO (=) EBITDA (-) IR (+/-) NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO (=) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL ( ) INVESTIMENTOS (CAPEX) (=) FLUXO DE CAIXA LIVRE (+/-) ENTRADA E SAIDA DE DIVIDAS (-)DESPESA E RECEITA FINANCEIRA (=) FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (-) DIVIDENDOS / JSCP (+) APORTE DE CAPITAL (=) FLUXO DE CAIXA LIQUIDO! RISCO DA DITADURA DO EBITDA. IMPORTÂNCIA DA VISÃO DOS FLUXOS OPERACIONAL, INVESTIMENTOS E FINANCEIRO "CAIXA É REI! 9

10 VISÃO INTEGRADA DO FLUXO DE CAIXA IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA E RISCOS DO PARADIGMA DO FATURAMENTO" Fluxo&de&Caixa&do&Supermercado&Zé&Bolinha&(Em&R$) 2014 Saldo&Inicial&de&Caixa &&&&&&&&&&&&&&&&&&&& Receita&Líquida &&&&&&&&&&&&&& %"Crescimento"da"ROL"entre"2014"e" ,00% (=)&Lucro&Operacional&antes&de&impostos&e&Res.&financeiro &&&&&&&&&&&&&&&&&&&& %"Lucro"Operacional"s/"RL 0,31% (+)$Deprec$$Amort. $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (=)&EBITDA &&&&&&&&&&&&&&&&&& %"Margem"Ebitda 1,27% (4)$IR$e$CSSL $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ 4 (S)&Δ&NCG &&&&&&&&&&&&&&&&&& Ciclo$Financeiro$ 21$dias (=)&Fluxo&de&Caixa&Operacional&(FCO) &&&&&&&&&&&&&&&&&&&& (+/4)$Receitas$(Despesas)$não$Operacionais $ (4)$Investimento $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (=)&Fluxo&de&Caixa&Livre S & (4)$Atividades$de$Financiamento $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (+/4)$Amortização/Captação $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (4)$Juros$(desp$e$rec.$financeira) $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (=)&Fluxo&de&Caixa&do&Acionista &&&&&&&&&&&&&&&&&& (S)&JSCP/Dividendos $$$$$$$$$$$$$$$$$$ (=)&Fluxo&de&Caixa&Líquido&do&Período &&&&&&&&&&&&&&&&&&&& (=)&Saldo&Final&Caixa &&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

11 VISÃO INTEGRADA DO REFLEXÃO FLUXO DE CAIXA O QUE PENSAM OS CFOs PESQUISA REALIZADA COM MAIS DE 500 CFOs E LÍDERES BRASILEIROS APONTA QUE A PREOCUPAÇÃO PARA 2015 É COM A LIQUIDEZ PERGUNTA: QUAL O FOCO NOS PRÓXIMOS 12 MESES? % de respostas 64,7" 58,3" 57,8" 28,9" 25,7" 25,1" Gestão"de" Liquidez" O:mização"de" Custos" O:miz."de" Processos" Gestão"de" Riscos"Fin." Fusões"e" Aquisições" Implemen."de" Gestão" FONTE: VALOR ECONÔMICO 05/01/ (MICHAEL PAGE) 11

12 CRESCIMENTO COM CRIAÇÃO DE VALOR O QUE CRIA VALOR PARA EMPRESA? 12 HÁ VARIAS FORMAS DE CRESCER, PORÉM O MAIS IMPORTANTE É CRESCER O NEGÓCIO CRIANDO MAIS VALOR PARA EMPRESA. ISTO DEMANDA UMA MUDANÇA NA NOSSA VISÃO DE CRESCIMENTO E AFINAL, O QUE CRIA VALOR PARA EMPRESA?

13 13 VISÃO TANGÍVEL DE CRIAÇÃO DE VALOR DIRECIONADORES DA VISÃO FINANCEIRA DE CRIAÇÃO DE VALOR NECESSIDADE DE INTEGRAR OS DIRECIONADORES DE CRIAÇÃO DE VALOR : 1) AUMENTO DA RECEITA; 2) AUMENTO DO LUCRO OPERACIONAL DEPOIS DE IMPOSTOS; 3) REDUÇÃO DO CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL DE TERCEIROS E EQUILÍBRIO DA ESTRUTURA DE CAPITAL; 4) AUMENTO DO RETORNO SOBRE CAPITAL INVESTIDO, OU SEJA, RETORNO DO LUCRO OPERACIONAL DEPOIS DE IMPOSTOS SOBRE O VALOR DA DÍVIDA MAIS PATRIMÔNIO LÍQUIDO FOCO NA GERAÇÃO DE VALOR!

14 14 VISÃO INTANGÍVEL DE CRIAÇÃO DE VALOR DIRECIONADORES DA VISÃO QUALITATIVA DE CRIAÇÃO DE VALOR MODELO"DA"CONGRUÊNCIA"AJUSTADO:"CONGRUÊNCIA"DOS"DIRECIONADORES" MODELO"DE" NEGÓCIO" CULTURA" ORGANIZACIONAL" LACUNAS" ESTRATÉGIA" PROCESSOS" CRÍTICOS" ESTRUTURA" ORGANIZACIONAL" PERFORMANCE" LIDERANÇA" EXECUTIVA" PESSOAS"

15 REFLEXÃO NECESSIDADE DE REVER CONTINUAMENTE O MODELO DE NEGÓCIO REFLEXÃO 15 ESPRESSO"DE"ALTO"NÍVEL" E"QUALIDADE"DE" RESTAURANTE"EM"CASA" NECESSIDADE"DO" CLIENTE " COMMODITY" PRODUTO" SERVIÇO" CAFÉ"COMO"UMA" EXPERIÊNCIA,"UM"STATUS"

16 CRIAÇÃO DE VALOR CRESCIMENTO FOCADO NA CRIAÇÃO DE VALOR CRESCIMENTO DO NEGÓCIO DIRECIONADORES"TANGÍVEIS" DIRECIONADORES"INTANGÍVEIS" CRIAÇÃO DE VALOR SEJA QUAL FOR A VARIÁVEL DE CRESCIMENTO, O FOCO DEVE SER A CRIAÇÃO DE VALOR 16

17 VISÃO INTERNA E MEDIDAS DE CURTO PRAZO 17

18 AMEAÇA OU OPORTUNIDADE? OPORTUNIDADES E AMEAÇAS EXISTEM PARA TODOS. MERCADO BRASILEIRO É GIGANTE E CONTINUARÁ EXISTINDO. BRASIL TEM RESERVA CAMBIAL MUITO FORTE, NÍVEIS SUSTENTÁVEIS DE DÍVIDA E UM FUTURO PROMISSOR DEVIDO À DIMENSÃO GEOGRÁFICA SIGNIFICATIVA, GRANDE POPULAÇÃO E PERFIL DEMOGRÁFICO. E AGORA, É HORA DE CRESCER? ANTES DE SABER COMO CRESCER, PRECISA-SE CONHECER A SI MESMO. QUAL O SEU NÍVEL DE MATURIDADE E QUANTO A EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA EXPANDIR? 18

19 VISÃO INTERNA "AUTOCONHECIMENTO CORPORATIVO 19 $ QUAL O SEU DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO PARA CRESCER? $ COMO DECIDIR ENTRE AS ALTERNATIVAS DE CAPTAÇÕES DE RECURSOS? $ QUANTO CRESCER? EM QUE RITMO? O QUE PRIORIZAR? $ QUAIS SÃO SEUS PROCESSOS CRÍTICOS? $ POSSUI MODELOS DE GESTÃO E GOVERNANÇA ADEQUADOS? $ DE QUANTAS E QUAIS PESSOAS VOCÊ VAI PRECISAR? AUTO"CONHECIMENTO" CORPORATIVO" MELHOR"" PREPARACAO" MELHORES"CAMINHOS" PARA"CRESCIMENTO"

20 20 A IMPORTÂNCIA AS 4 BASES DA PREPARAÇÃO DA PREPARAÇÃO AS BASES QUE SUSTENTARÃO UM PLANO DE CRESCIMENTO AS 4 BASES DO PROCESSO DE PREPARAÇÃO LEVAM A UMA EMPRESA MELHOR ESTRUTURADA, MAIS VALORIZADA E PRONTA PARA QUALQUER OPERAÇÃO FINANCEIRA E/OU ESTRATÉGICA QUE OTIMIZE A ESTRUTURA DE CAPITAL.!!!GOVERNANÇA"!!!!"!Organização!Societária!!!!!!!"!Conselho!Consul<vo!/!Comitês!!!!!!!!!"!Melhores!Prá<cas!!!!!!!!!!!!!ESTRATÉGIA"!!!!!!!!!!!!!!!"!Modelo!de!Negócio!!!!!!!!!!!!!!!!!!"!Planejamento!Estratégico!e!Gestão!de!Risco!!!!!!!FINANCEIRA"!!!!!!!!"!Análise!Financeira!e!Fluxo!de!Caixa!!!!!!!!!!!!"!Perfil!do!Endividamento!e!Gestão!Financeira!/!Orçamento!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! O!!!!!!GESTÃO""!!!!!!!"!Controles!Internos!!!!!!!!!!"!Relatórios!Gerenciais!!!!!!!!!!!!"!Indicadores!de!Gestão!

21 VISÃO INTERNA E DE LONGO PRAZO O PRIMEIRO PASSO PARA ENTENDER A PRÓPRIA EMPRESA É SABER SEU NÍVEL DE MATURIDADE, O ESTÁGIO DO SEU CICLO DE VIDA E DO SEU CICLO ECONÔMICO. RECESSÃO"" ECONOMICA" Alongamento"de" Dívida" Saída"para"um" compe:dor" estratégico/ipo" k"risco" Criação"de"Valor" Estruturação" de"dívida" bancária" Melhoria"da" Gestão"e" Governança" Aquisição"de"" empresas" Venda"para"" inves:dores" financeiros" EXPANSÃO"ECONOMICA" Risco"Associado" Empresa"Familiar" Empresa" Profissionalizada" Empresa" Consolidada" +"RISCO" 21

22 MEDIDAS DE CURTO PRAZO O QUE FAZER NO CURTO PRAZO PARA ENFRENTAR A ATUAL CRISE FINANÇAS - CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA - REDUÇÃO DE CUSTOS E DESPESAS, ALÉM DE AVALIAR CUSTOS VARIÁVEIS E CUSTOS FIXOS DE FORMA SEPARADA - PAPEL ESTRATÉGICO DO GERENTE FINANCEIRO, CONTÁBIL E CFO - ALONGUE PERFIL DA DÍVIDA E REDUZA CUSTO FINANCEIRO VENDAS INVESTIMENTOS - PREPARE-SE PARA REDUÇÃO DE VENDAS E PEDIDOS - FOCO NAS VENDAS COM MAIOR MARGEM (REVISÃO MIX DE PRODUTOS E SERVIÇOS) E NÃO DEIXAR DE INVESTIR EM MKT - BUSQUE REDUÇÃO DO PRAZO MÉDIO DE VENDAS E ESTOQUE - TENHA GESTÃO COMERCIAL ATIVA COM FOCO EM MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E CONTRIBUIÇÃO MARGINAL (IDEAL PARA REMUNERAR COMISSÕES) - REVISAR MODELO DE NEGÓCIO (CLIENTE, CANAL, PROPOSTA DE VALOR) - RACIONALIDADE NAS PREMISSAS QUE AVALIAM O RETORNO DO INVESTIMENTO - ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA E DA ALAVANCAGEM AO AUTORIZAR UM INVESTIMENTO 22

23 MEDIDAS DE CURTO PRAZO MEDIDAS A CURTO PRAZO O QUE FAZER NO CURTO PRAZO PARA ENFRENTAR A ATUAL CRISE ORGANIZAÇÃO - REVISE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E OTIMIZE PROCESSOS PRODUTIVOS E ROTINAS ADMINISTRATIVAS - FOCO NA PRODUTIVIDADE. CONTEXTOS DE CRISE SÃO MOMENTOS PROPÍCIOS PARA QUEBRAR PARADIGMAS RECURSOS HUMANOS - AVALIE REDUZIR O QUADRO, TRAZENDO MAIOR PRODUTIVIDADE E MENOR COMPROMETIMENTO COM ALTOS CUSTOS E DESPESAS FIXAS. REALIZAR COM DISCERNIMENTO. - O PRIMEIRO NEGÓCIO DE QUALQUER NEGÓCIO É PERMANECER NO NEGÓCIO - PRIORIZE MONTAR E RETER EQUIPES COMPETENTES E COMPROMETIDAS!!! 23

24 PLANO DE CRESCIMENTO COM ESTRUTURA DE CAPITAL OTIMIZADA: - CAPTAÇÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS - FUSÕES E AQUISIÇÕES 24

25 ESTRUTURA DE CAPITAL OTIMIZADA ESTRUTURA OTIMIZADA PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DE ACORDO COM CICLO DE VIDA DA EMPRESA 25 CRESCIMENTO"ORGÂNICO" CAPITAL"DE"TERCEIROS"k"Bancos!comerciais,!mercado! (debêntures,!bonds),!subsidiado!(bndes),!etc.! CAPITAL"PRÓPRIO"E"/"OU"AUTO"FINANCIAMENTO" VENDA"DE"ATIVOS"(DESIMOBILIZAÇÃO)" ""CRESCIMENTO"INORGÂNICO" FUSÕES"E"AQUISIÇÕES"com! inves<dores!financeiros!e/ou! estratégicos! EMPREENDEDOR" DONO"E"/"OU"" EMPRESÁRIO" SÓCIO"

26 POR QUE CAPTAR RECURSOS? 6 PRINCIPAIS MOTIVADORES PARA CAPTAR RECURSOS DE TERCEIROS REDUÇÃO"DE"RISCOS"FINANCEIROS"" (MERCADO,"CRÉDITO"E"LIQUIDEZ)"" FINANCIAMENTO"PARA"PROJETOS"DE"CURTO"E"LONGO"PRAZO" MELHORAR"A"ESTRUTURA"DE"CAPITAL"DA"EMPRESA" REDUÇÃO"DO"CUSTO"FINANCEIRO"EFETIVO"" NECESSIDADE"DE"CAPITAL"DE"GIRO"PARA"CRESCIMENTO" " ALONGAMENTO"DE"PRAZO"E"MELHORES"" CONDIÇÕES"DE"FINANCIAMENTO" "

27 POR TRANSPARÊNCIA QUE CAPTAR RECURSOS? NAS INFORMAÇÕES AGREGANDO VALOR À INFORMAÇÃO FINANCEIRA E M P R E S A QUALIDADE NAS INFORMAÇÕES MELHOR PRECIFICAÇÃO DO RISCO MELHOR NEGOCIAÇÃO. PRESSÃO" B A N C O HISTÓRICO DA EMPRESA E SÓCIOS CAPACIDADE DE PAGAMENTO QUALIDADE E LIQUIDEZ DAS GARANTIAS 27

28 POR QUE CAPTAR DESAFIOS RECURSOS? COM BANCOS EM MOMENTOS DE CRISE, BANCOS REDUZEM O CRÉDITO E AUMENTAM TAXAS 28 DURANTE A CRISE, INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS COSTUMAM SER MAIS CRITERIOSAS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO E, USUALMENTE, HÁ ELEVAÇÃO DAS TAXAS. PORTANTO, UM PROCESSO DE CAPTAÇÃO ESTRUTURADO É VITAL NESSE PERÍODO. ALONGAR A DÍVIDA, DIMINUINDO SEU CUSTO FINANCEIRO, DEVE SER UM OBJETIVO CONSTANTE, PRINCIPALMENTE EM MOMENTOS DE CRISE.

29 POR CRIANDO QUE CAPTAR UM RECURSOS? PROCESSO COMPETITIVO UMA DAS TÁTICAS DE DIMUNUIÇÃO DO CUSTO DA DÍVIDA É CRIAR PROCESSOS COMPETITIVOS OBJETIVANDO COLOCAR AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM IGUALDADE E COM ISSO BUSCAR UMA OPERAÇÃO QUE OTIMIZE TAXAS, SERVIÇOS, PRAZOS E RELACIONAMENTO. FASE 1 ENTENDER A EMPRESA FASE 2 ELABORAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS RELEVANTES E DE QUALIDADE FASE 5 NEGOCIAÇÃO E FINALIZAÇÃO DO PROCESSO FASE 3 ELABORAÇÃO DE BOOK FASE 4 ROADSHOW COM OS BANCOS CAMINHO"TORTUOSO" 29

30 10 PRINCIPAIS MOTIVADORES DE M&A POR QUE REALIZAR UMA OPERAÇÃO DE FUSÃO OU AQUISIÇÃO? SUCESSÃO, DIVERGÊNCIAS SOCIETÁRIAS OU NECESSIDADE DE CAPITAL ECONOMIAS DE ESCALA (REDUÇÃO DE CAPACIDADE OCIOSA), DE ESCOPO E DE CUSTOS DE TRANSAÇÃO (AUMENTO DE COMPETITIVIDADE) AUMENTO DO PODER DE MERCADO: DIFERENCIAÇÃO DOS PRODUTOS, BARREIRAS DE ENTRADA E MARKET SHARE INTERNACIONALIZAÇÃO E / OU ALAVANCAGEM DE CAPITAL HUMANO RENOVAÇÃO, REGENERAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 30

31 10 PRINCIPAIS MOTIVADORES DE M&A POR QUE REALIZAR UMA OPERAÇÃO DE FUSÃO OU AQUISIÇÃO? CONSOLIDAÇÃO DO SETOR DIVERSIFICAÇÃO COMBINAÇÃO DE ELOS DA CADEIA PRODUTIVA ( VERTICALIZAÇÃO ) EMPRESAS EM DIFICULDADE, ATIVOS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL OU SUBSTITUIÇÃO DE GESTÃO INEFICIENTE LIMITAÇÃO DA ENTRADA DE NOVOS CONCORRENTES OU EXPANSÃO DA CONCORRÊNCIA 31

32 ETAPAS DO PROCESSO PROCESSO COM MUITAS ETAPAS E CRITERIOSO VENDA"INTEGRAL"OU" PARCIAL" AQUISIÇÕES" FUSÃO/JOINTkVENTURE" FUSÕES"E"AQUISIÇÕES"" # DEFINIÇÃO!ESTRATÉGICA!DO!PROCESSO! # VALUATION!E!PREPARAÇÃO!DA!EMPRESA! # IDENTIFICAÇÃO!DE!ALVOS!E!ESTRATÉGIA!DE!ABORDAGEM! # MATERIAIS!DE!MARKETING! # ABORDAGEM!DOS!ALVOS!SELECIONADOS! # ESTRUTURAÇÃO!DO!NEGÓCIO! # PROCESSO!DE!DUE+DILLIGENCE! # NEGOCIAÇÃO!DOS!CONTRATOS!FINAIS! O"PROCESSO"DE"FUSÕES"E"AQUISIÇÕES"ABRANGE"VÁRIAS"ETAPAS"QUE"RESPALDAM"O"SUCESSO"DA" TRANSAÇÃO"NO"CURTO"E"LONGO"PRAZO."PORTANTO,"AS"VISÕES"ESTRATÉGICA,"FINANCEIRA"E" MERCADOLÓGICA"SÃO"FUNDAMENTAIS."""" 32

33 33 NESSE CAMINHO, A SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA DAR UM PASSO ADIANTE? As empresas que se perpetuam são aquelas capazes de se fortalecerem em ambientes desafiadores. Nos períodos de seca, os erros das épocas de abundância são expostos. Se corrigidos, não apenas a sobrevivência, mas o sucesso das empresas a longo prazo será garantido.!ricardo!amorim

34 FUSÕES E AQUISIÇÕES ALÉM DO PREÇO 34

35 CONTATO: LEONARDO TEIXEIRA SÓCIO Tel: +55 (31) MUITO OBRIGADO!!!! Belo Horizonte, MG Brasil Tel: +55 (31)

36 DESAFIOS PARA OS ATACADISTAS O!que!sua!empresa!entende!como!crescimento?! Sua!empresa!já!implementou!a!gestão!estratégica!da!necessidade!de!capital! de!giro?!seu!ciclo!financeiro!está!alinhado!aos!desafios!do!mercado?! Como!aperfeiçoar!o!modelo!de!negócio!visando!a<ngir!a!geração!de!caixa! (Lucro!não!basta!!!)!numa!cadeia!em!que!a!eficiência!dos!serviços!é!crucial,! com!produtos!sensíveis!a!preços!e!margens?!! Como!interagir!estrategicamente!com!os!bancos!num!momento!em!que!o! crédito!está!muito!escasso!e!o!custo!financeiro!cada!vez!maior?! A!tendência!de!consolidação!do!setor!de!atacadistas!e!distribuição!e!a!busca! pela! economia! de! escala! irão! mudar! o! futuro! deste! setor?! Como! sua! empresa!pretende!se!manter!compe<<va!sem!ter!escala?!!

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Apresentação a Investidores. 4 de Dezembro de 2009

Apresentação a Investidores. 4 de Dezembro de 2009 Associação com Casa Bahia Apresentação a Investidores 4 de Dezembro de 2009 1 Considerações Iniciais Esta apresentação foi preparada para permitir uma melhor compreensão dos detalhes da operação pelo mercado.

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T11

Teleconferência de Resultados 1T11 Teleconferência de Resultados 1T11 13 de Maio de 2011 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A Empresa Atuamos como Gestores da Mudança Organizacional, introduzindo urgência e foco nas empresasde nossosclientes, lidandoprioritariamentecom a áreafinanceira, mas entendendo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Clique para editar o estilo do título mestre Seminário Governança Corporativa Pequena e Média Empresa (ACRJ/IBGC) Diversos Aspectos de Governança Corporativa na Média Empresa Aspectos gerais: a empresa,

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010 Apresentação Corporativa Novembro de 2010 Estácio: Breve Histórico Crescimento orgânico Consolidação para liderança nacional IPO Companhia listada Turn around e preparação para o crescimento futuro # de

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence DueDiligence MARCO A MILITELLI Engenheiro Agrônomo Administração de empresas especializada em Administração Financeira Master

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Investidores Institucionais e Governança Corporativa Aula 11 Participação Acionária de Investidores Institucionais No Reino Unido: Tipo de Investidor 1963 % 2006 % Indivíduos 54

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Agenda Apresentação Planejamento Estratégico Stratec Perguntas Agenda David Azevedo davidazevedo@hotmail.com (019) 99764-4664 Clientes dos Segmentos Eletrodomésticos Home Appliances

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 Existem argumentos pró e contra empresas familiares particularmente no Brasil os argumentos contra

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA Resultados 3T15 GMV Receita Líquida Crescimento SSS GMV alcançou R$ 4,9 bilhões Crescimento de 11,2% na Receita Líquida Receita Líquida mesmas lojas de 9% no Trimestre Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado

Leia mais

Fabiano Coelho. www.precificacao.com.br

Fabiano Coelho. www.precificacao.com.br Fabiano Simões Coelho Gestão de Lucro versus Gestão de Caixa www.fabianocoelho.com.br www.precificacao.com.br Norte de nossas vidas Quando finalmente descobrimos todas as respostas... aparece a vida e

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

2.378 1.469 61,8% 144 6,1% 311 13,1% 344 14,5% 110 4,6% Até 1.000 Alunos. De 2.001 a 5.000 Alunos. De 1.001 a 2.000 Alunos. 10.

2.378 1.469 61,8% 144 6,1% 311 13,1% 344 14,5% 110 4,6% Até 1.000 Alunos. De 2.001 a 5.000 Alunos. De 1.001 a 2.000 Alunos. 10. 3 2.378 Até 1.000 Alunos De 1.001 a 2.000 Alunos De 2.001 a 5.000 Alunos 10.000 Alunos Acima de 10.000 Alunos 1.469 61,8% 344 14,5% 311 13,1% 110 4,6% 144 6,1% 4 572 Até 1.000 Alunos De 1.001 a 2.000 Alunos

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Pessoas Jurídicas também adoecem

Pessoas Jurídicas também adoecem Pessoas Jurídicas também adoecem a importância da prevenção CICLO DE VIDA DE UMA EMPRESA Acompanhamento médico Internação UTI SINTOMAS DE PROBLEMAS PARA EMPRESAS GERENCIAIS OPERACIONAIS FINANCEIROS (REFLEXOS)

Leia mais

PESQUISA FNQ NOVO CAPITALISMO

PESQUISA FNQ NOVO CAPITALISMO PESQUISA FNQ NOVO CAPITALISMO Pensando em quebrar os paradigmas do modelo econômico atual, a Fundação Nacional da Qualidade propôs uma reflexão do que seria uma organização direcionada para o Novo Capitalismo,

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES

APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES Dezembro, 2010 ESTÁCIO: BREVE HISTÓRICO Crescimento orgânico N de estudantes (mil) Crescimento anual Consolidação para a liderança nacional 2005 2007: transformação

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012 Apresentação de Resultados 2T12 10 de agosto de 2012 Aviso Legal Esta apresentação contém certas declarações futuras e informações relacionadas à Companhia que refletem as visões atuais e/ou expectativas

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial Empresa de Locação Apresentação de avaliação financeira São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial A IGC Partners Sobre a empresa Líder em operações de Estrutura local e internacional Fusões e Aquisições

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006 TIM Participações S.A. Resultados do 5 de Maio de 2006 1 Principais realizações Desempenho do Mercado Desempenho Financeiro 2 Status da Reestruturação Corporativa Principais realizações Melhorando a Estrutura

Leia mais

Aquisição da Microlins. Agosto 2008

Aquisição da Microlins. Agosto 2008 Aquisição da Microlins Agosto 2008 Overview da Transação A Anhanguera adquiriu uma participação de 30% na Microlins, a maior rede de cursos profissionalizantes do país Overview 657 franquias em todo Brasil

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006 7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa 21 e 22 de agosto de 2006 1 Considerações Futuras Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados

Leia mais

Aquisição LFG. Outubro 2008

Aquisição LFG. Outubro 2008 Aquisição LFG Outubro 2008 Descrição da Empresa A mais bem sucedida empresa de ensino à distância do Brasil; 70,0 mil alunos; 322 Pólos em 292 cidades número de Pólos cresceu 65% ao ano. Produtos 62 pós-graduação

Leia mais

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014 Resultados do T4 09 de Maio de 204 Destaques do T4 x T3 FINANCEIROS Receita Bruta: R$ 287,6 milhões 7,6% Lucro Líquido Ajustado (cash earnings): R$ 33,3 milhões 4,7% Unidade de Títulos e Valores Mobiliários:

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Rio de Janeiro, 10 de março de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (Bovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de intermediação

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração 2º Encontro para Conselheiros Painel 02 Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração Neste painel, os convidados destacaram os desafios de inserir esse tema de forma

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Investimentos Sustentáveis - O que é material para a análise e decisão de investimentos? Dos princípios aos indicadores chaves de performance

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Março de 205 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4 2 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010 Ressalvas Este Documento é destinado aos acionistas da ALL América Latina Logística S.A. e tem por objetivo apresentar os mesmos fatos e eventos descritos no Fato Relevante divulgado no dia 20 de dezembro

Leia mais

QUEM SOMOS Brasil Brokers

QUEM SOMOS Brasil Brokers QUEM SOMOS Um dos maiores e mais completos grupos de venda de imóveis do país. Assim é a Brasil Brokers. Formado por 25 imobiliárias líderes em 12 estados, o grupo conta com mais de 14 mil corretores associados

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Fevereiro de 2013. Aquisição da Wise Up

Fevereiro de 2013. Aquisição da Wise Up Fevereiro de 2013 Aquisição da Wise Up Agenda SEÇÃO 1 Sumário da Transação SEÇÃO 2 Visão Geral da Wise Up 2 Seção 1: Sumário da Transação Sumário da Transação A Transação Aquisição de 100% do Grupo Ometz

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T10

Apresentação de Resultados 3T10 Apresentação de Resultados 3T10 09 de Novembro de 2010 Agenda 1. Desempenho do Período 2. Evolução das Receitas e Custos Hardware Software Serviços 3. Despesas e Margens 4. Investimentos e Caixa 5. Estratégia

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias,

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Material Institucional accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de gestão

Leia mais

Resultados 3T10. Novembro, 2010 FLRY3

Resultados 3T10. Novembro, 2010 FLRY3 Resultados 3T10 FLRY3 A marca mais valiosa no setor de saúde Brasileiro A 6ª marca mais valiosa entre as empresas de serviços A 25ª marca mais valiosa no Brasil Millward Brand / BrandAnalytics A Empresa

Leia mais