INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS Prof a CEL RR Cicero R Garcez Aluna: Cap BM QOS/Méd Andréia Pereira Escudeiro Protótipo de sistema de reestruturação do serviço de atendimento a situações de emergência médica no Município do Rio de Janeiro 2016

2 Sumário I - INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Descrição do Problema Delimitação do Estudo Objetivo Objetivo Geral Objetivos específicos REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Atendimento Pré Hospitalar de Emergência Viaturas de Socorro Área Programática Central de Regulação Médica Engenharia de Sistemas Modelagem Simulação Diagramas Unified Modeling Language (UML) Sistema de Controle e Comando Método Desenvolvimento do trabalho Program Evaluation and Review Technique Diagrama de Ishikawa Diagrama de Classes Diagrama de Objetos Diagrama de Implantação Diagrama de Contexto CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 24

3 I - INTRODUÇÃO 1.1 Considerações Iniciais De acordo com dados obtidos no site do Ministério da Saúde, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) tem como objetivo chegar rapidamente ao local onde exista alguém com um agravo clínico ou traumático a saúde e, que ofereça risco de morte ou sequelas. A frase de domínio popular francês Traiter le bon patient, au bon endroit, au bon monent, pode ser considerada como o objetivo final do SAMU. Durante muitos anos, nos fóruns médicos, foi utilizada a expressão the golden hour, definida como a primeira hora após o trauma e de importância vital para o politraumatizado. Posteriormente essa expressão foi substituída por golden moment ou momento de ouro PHTLS (2012), pois o espaço temporal deve ser visto de forma individualizada, em função do trauma e do traumatizado. O tempo resposta tem início no momento do pedido de socorro e termina na hora em que este socorro chega até a vítima. Para a National Association of Emergency Medical Technicians o período entre o incidente e a chegad - referência seja de 8 a 10 minutos adicionais. Desta forma, a vítima deveria estar no ambiente intra hospitalar entre 14 a 18 minutos após a solicitação do socorro especializado. (PHTLS 2012). Este tempo irá variar em função de fatores como condições de tráfego, número de veículos disponíveis, número de vítimas e suas localizações, especificidade técnica da equipe de atendimento/socorro entre outros. Pelo exposto fica clara a necessidade da adoção de estratégias que possam otimizar o tempo resposta. Como primeira opção podemos pensar na distribuição e alocação estratégica das unidades móveis de socorro, porém vários outros fatores podem interferir dificultando a chegada do socorro em tempo ótimo. Neste contexto, o estudo aqui realizado objetiva, através da engenharia de sistemas, conhecer as principais causas no atrasado do socorro e propor melhorias no serviço prestado. Como estratégia pretende-se propor a criação de modelos de simulações computacionais e projetos de experimentos e otimização que possam identificar as possíveis falhas no sistema e propor melhorias.

4 1.2 Descrição do Problema A vivência de anos trabalhando como clínica médica no setor de emergência de um hospital estadual de grande porte fez com que a autora percebesse que grande parte da demanda de pacientes que procuravam a emergência eram pacientes portadores de doenças crônicas ou crônicas agudizadas e que, em sua maioria, deveriam procurar os postos de saúde ou programas de saúde da família. Muitos pacientes chegavam a simular doenças exclusivamente para fazerem exames laboratoriais ou de imagens previamente solicitados por colegas que atuavam nas unidades básicas de saúde, o que apontava para uma grande carência de atendimento na rede básica além da falta de compromisso com a verdade por parte dos pacientes. Posteriormente, trabalhando como médica civil em viaturas do SAMU a autora pode percebeu que esta realidade se repetia. Pessoas solicitando socorro de urgência sem necessidade real. Tal fato se evidenciava principalmente com doentes crônicos e com as gestantes. Em relação aos primeiros, era comum a família ligar para Central de R l çã f f l e, no momento da chegada a guarnição percebia que o quadro era crônico e que a ideia principal era que a ambulância fosse um fator facilitador para entrada do paciente em um hospital no qual o mesmo aguardava, em uma fila de espera, para um procedimento eletivo. No caso das gestantes era ainda pior, com a cessaria previamente agendada, a gestante esperava a l h em uma das mãos e o agendamento na outra. Como médica militar a autora pode perceber que a forma errônea de admissão nos hospitais da rede pública, a solicitação indevida de viaturas de socorro por parte do usuário, associadas ao momento político nacional estavam colocando em risco o bom atendimento a situações de urgência. 1.3 Delimitação do Estudo O Estudo foi realizado no Estado do Rio de Janeiro, e envolveu 10 áreas programáticas. Para fins didáticos, foi feito um recorte temporal de 12 meses. Atualmente a referida frota conta com 140 viaturas, porém apenas 73 viaturas são de interesse desse estudo. As referidas viaturas são classificadas em 16 viaturas de suporte avançado e, 57 viaturas de suporte básico as quais são divididas em intermediárias e básicas.

5 1.4 Objetivo Objetivo Geral Conhecer o fluxo de despacho de viaturas de socorros no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Objetivos específicos Conhecer o funcionamento do sistema de despacho de viaturas de socorro utilizado em um município do Estado do Rio de Janeiro Analisar as atividades desenvolvidas em uma central de regulação médica Identificar os fatores responsáveis pelo alargamento do tempo resposta Propor mudanças no sistema de despacho de viaturas

6 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Atendimento Pré Hospitalar de Emergência O atendimento pré hospitalar (APH) móvel de emergência é o primeiro socorro a chegar a vítima após ter ocorrido um agravo a saúde. Este atendimento é feito por profissionais da área de saúde em função da gravidade e complexidade. Não há precisão histórica sobre o inicio do APH, porém na Bíblia já podemos ver uma passagem que nos dá indícios de se tratar de um APH. Em Lucas, capítulo 10, versículos 30 a 37, pode-se ler a parábola do bom samaritano, Certo samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando viu, teve piedade dele. Aproximou-se, enfaixou lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou- h l. Efetivamente, durante os períodos de guerra vários são os relatos de atendimento a pessoas feridas nos campos de batalha. Acontece que esses eram retirados do local e atendidos em zonas frias. No ano de 1792 Dominique Larrey deu início ao atendimento pré hospitalar no próprio campo de batalha, ficando esse ano como o marco histórico do inicio desta prática médica. A partir de então vários estudos foram feitos, a historia da medicina evoluiu muito, mas a certeza da importância de um primeiro atendimento rápido e preciso permaneceu. Para gerir esse sistema foram criadas as centrais de atendimento médico de urgência. Classicamente existem dois sistemas de atendimento pré hospitalar, o modelo Frances e o modelo americano. No Brasil, por força da portaria MS de 2048 de 05 de novembro de 2002, foi adotado o modelo francês de atendimento pré hospitalar. O referido modelo é pautado na Centralização do Atendimento em redes de comunicação, onde todas as chamadas são reguladas por Técnicos Auxiliares de Regulação Médica (TARMs) e posteriormente pelos médicos reguladores (MR). Que irão maximizar os recursos disponíveis. De acordo com o DATASUS, um APH bem empregado pode ser verificado pelo aumento de 30% no índice de Anos Potenciais de Vida Perdidos (APVP) devido a acidentes e violências nos últimos anos.

7 2.1.1 Viaturas de Socorro Veículos de atendimento pré-hospitalar móvel: Todo veículo destinado exclusivamente ao transporte de enfermos é chamado de ambulância. As ambulâncias são normatizadas pela NBR 14561/2000, de julho de De acordo com a portaria MS /11/2002 essas viaturas são classificadas b lâ A F. D l çã l z pela rede móvel do referido serviço. A b lâ T B Ambulância de Suporte Básico: veículo destinado ao transporte inter hospitalar de pacientes com risco de morte conhecido e ao atendimento pré-hospitalar de pacientes com risco de morte desconhecido ou ausente. Não tendo sido reconhecido previamente a necessidade de intervenção médica no local e/ou durante o transporte até o hospital de referencia (HR). Sua tripulação deve ser composta por 02 profissionais, sendo um o motorista e o outro um técnico ou auxiliar de enfermagem. A b lâ T D Ambulância de Suporte Avançado: Veículos equipados para atender vítimas de agravos a saúde com alto risco de morte em emergências préhospitalares e/ou transportes inter hospitalares que necessitem de cuidados médicos intensivos. Sua tripulação deve ser composta por 03 profissionais sendo um motorista, um enfermeiro e um médico. A titulação da equipe esta em acordo com o código de ética médica e a lei do exercício de enfermagem Área Programática São cinco grandes áreas programáticas, algumas delas subdivididas, totalizando 10 áreas programáticas totais Central de Regulação Médica A central de regulação é composta por profissionais oriundos ou não da área de saúde. Os atores aqui mencionados são os que tem contato direto com o evento.

8 Quer seja fazendo a triagem, quer seja empenhando viaturas. Esses atores foram os selecionados pois interferem de forma direta no tempo resposta Médico Regulador O médico regulador é um profissional oriundo da área de saúde. É o responsável pelo gerenciamento, definição e operacionalização dos meios disponíveis e necessários para responder as solicitações dos usuários. Os médicos reguladores devem exercer a função utilizando-se de protocolos técnicos e da faculdade de arbitrar sobre as equipes e os equipamentos de saúde necessários ao adequado atendimento do paciente Técnico Auxiliar de Regulação Médica Os Telefonistas Auxiliares de Regulação Médica, são profissionais não oriundos da área de saúde: Devem ser supervisionados pelo MR de forma direta e contínua. O TARM deve possuir habilitação específica e estar apto a atender as chamadas telefônicas de urgência, anotando dados gerais sobre o chamado como: localização do evento com dois pontos de referência, a identificação do solicitante e número de contato, a natureza da ocorrência com detalhes relacionados à avaliação da cena, entre outros. O TARM deve ainda estar apto a prestar informações gerais para o solicitante e para o médico regulador Operador de frota ou rádio operador O rádio operador é também conhecido como operador de frota. Deve estar habilitado a operar sistemas de radiocomunicação e realizar o controle operacional de uma frota de veículos de emergência. O operador de frota deve conhecer a região geográfica e os tipos e quantidades de viaturas que dispõe com suas respectivas equipes. O operador de frota deve enviar viaturas com base no nível de gravidade da ocorrência e da localização da viatura em função do sinistro. 2.2 Engenharia de Sistemas Na engenharia de sof h b l processo de modelagem. Essas alternativas são conhecidas como top-down, bottom-up e middle-out. A construção de modelos dinâmicos é denominada estratégia top-down. Os modelos dinâmicos são construídos através de um refinamento sucessivo, em que

9 cada refinamento acrescenta novos detalhes ao modelo que era, inicialmente abstrato. Na maioria das vezes este processo resulta em um modelo hierarquizado, em que cada nível ou camada, no sentido do t f h lh, e portanto, menos abstrato. Em relação a estratégia bottom-up pode-se dizer que é a çã l â çã çã acrescenta maior b çã l. Desta forma esconde detalhes que eram considerados na agregação anterior. De forma simplificada podemos dizer que se parte do comportamento dos objetos para, depois, passar a colaboração entre eles. A terceira e ultima l a middle-out. Esta estratégia consiste em na identificação l dos elementos do modelo. Este l construído por extensão e não por hierarquização. Esta pesquisa teve início com base na estratégia middle-out e com o evoluir passou a ter características top-down. Cada vez mais e mais detalhamentos são acrescidos no referido estudo dando a este um caráter de refinamento crescente e dinâmico Modelagem O modelo é a abstração de algo com o intuito de entende-lo e adequá-lo antes de construí-lo. Um bom modelo é aquele que captura os aspectos cruciais de um problema e omite outros menos importantes para o momento, pois estes podem tirar a atenção do foco central. A modelagem de software pode ser traduzida como sendo a atividade que objetiva construir modelos que expliquem as características ou o comportamento de um sistema de software. Por sua vez, os modelos podem ser usados na identificação das características e funcionalidade que o software deverá prover e, no planejamento de sua construção. A Unified Modeling Language (UML) é uma linguagem unificada que é utilizada para especificação, documentação, visualização e desenvolvimento de sistemas orientados a objetos. São três os modelos que compõe a modelagem, três pontos de vista diferentes, mas que estão relacionados. Apesar de capturarem pontos diferentes do sistema os três são necessários para uma descrição completa do evento. A UML utiliza diagramas para representar sistemas de software sob as mais diversas perspectivas de visualização.

10 O modelo de classes representa os aspectos estáticos, estruturais de um determinado sistema. Já os aspectos temporais, comportamentais são melhor representados pelos modelos de estado e por fim os modelos de interação que representam a contribuição do individual do objeto no todo. Um modelo típico de software utiliza os três modelos de forma interligada. O modelo de classes, representado pela estrutura dos dados, o modelo de estados o qual ira colocar as operações em ordem cronológica e finalmente o modelo de interações que fará o controle e passara os dados entre os objetos. É importante salientar que os diferentes modelos possuem interconexões limitadas e explicitas Simulação A simulação é uma ferramenta utilizada para analisar o desempenho de um sistema tendo como base a modelagem. De forma técnica a simulação pode ser classificada como computacional ou não computacional. A simulação é o processo de elaboração de um modelo de um sistema que pode ser real ou hipotético que busca o entendimento do comportamento de um determinado sistema e/ou a avaliação de uma operação. A simulação de um sistema é realizada por meio de eventos, regras e funções matemáticas. A simulação, não prevê o que irá acontecer mas pode prever o comportamento de um determinado sistema. É uma ferramenta para tomada de decisões, um processo de experimentação com um modelo detalhado de um sistema real para determinar como o sistema responderá a uma determinada mudança. Cada combinação de elementos compreende um subsistema de um sistema maior. Para Bateman (1993) o modelador enfrenta dois grandes problemas que são, saber qual deve ser o escopo do modelo e qual o nível de detalhe deve ser conhecido e incluído. Esses fatores são aqueles que apresentam impacto significativo no comportamento do modelo e, devem estar em consonância com os propósitos da pesquisa. Outro fator importante e que não pode ser negligenciado é o fato de que a simulação não é uma ferramenta de imitação do real com a qual o modelador se esforça em criar uma replica exata do lh l l í modelar a mosca do chão f b.

11 Para Chwif (1999) a simulação computacional pode ser classificada em três categorias básicas: Simulação de Monte Carlo, Simulação Continua e Simulação de eventos discretos. Ao contrario da simulação de Monte Carlo, as outras duas consideram o fator tempo como um dos dados A simulação continua é melhor utilizada quando temos uma variação constante no valor tempo. É usada para simulações onde o fator tempo interfere de forma continua. Como exemplo clássico temos a temperatura da xicara de chá colocada em temperatura ambiente. Ela sofrerá mudança constante de temperatura. Já a simulação de eventos discretos é utilizada para modelar sistemas que mudam o seu estado em momentos discretos no tempo, a partir da ocorrência de eventos Ferramentas da Simulação De forma cronológica, a historia das simulações em computadores nos apresenta várias ferramentas. As primeiras ferramentas de simulação foram escritas em linguagens de programação de proposito geral. Dentre as várias ferramentas temos a FORTRAN, a mais utilizada e mais comum delas. Essas ferramentas tinham contra elas o tempo alargado para uso e a necessidade de grande habilidade em programação. Em 1960 foram introduzidas as linguagens de computação, essas linguagens oferecem sentenças de programação que podem projetar, entre outras coisas, o gerenciamento de lógicas de filas. Como linguagens pioneiras temos o SIMSCRIPT e o GPSS, linguagens criadas especificamente para simulação. A evolução dessas linguagens culminou com o desenvolvimento dos modeladores SIMAN e SLAM. O SIMMAN é hoje o simulador mais utilizado na medicina, ele é utilizado para simular as respostas humanas frente a determinados tratamentos e condutas médicas. Com a percepção do poder da simulação deu-se início a um esforço, por parte dos especialistas em engenharia de sistemas, em integrar em um único pacote de simulação ou simuladores projetados, os dados que iriam favorecer a modelagem rápida em um ambiente especifico. Desta forma, com o passar dos anos o número e a complexidade de sistemas passiveis de modelagem aumentou de tal forma que hoje f b l f j. N linha de raciocínio podemos mencionar o ProModel, o AutoMod e o WITNESS. Evolutivamente

12 surgiram os simuladores projetados para aproveitar as vantagens do ambiente operacional do Windows. Dentre os simuladores de quarta geração podemos mencionar o ProModel for Windows, o MedModel e o ServiceModel. Graças a evolução das ferramentas de simulação, pessoas com menor habilidade em programação de computadores podem se aventurar por esse ramo da ciência Diagramas Unified Modeling Language (UML) A linguagem UML 2 é composta por treze diagramas. Esses diagramas são classificados em dois grandes grupos, os diagramas estruturais e os diagramas de comportamento Figura 1. <<abstrat>> Diagrama <<abstract>> Diagrama Estrutural << abstract>> Diagrama de comportamento Figura 1 Organização Geral dos diagramas de UML-2 adaptado de a historia de UML e seus diagramas Thania Clair de Souza Vargas. Fazem parte do grupo de diagramas estruturais Figura 2, os diagramas de classes, de pacotes, de componentes, de objetos, de estrutura composta e de utilização. O grupo de diagramas de comportamento Figura 3, por sua vez é composto pelos diagramas de casos de uso, de interação, de estados e de atividades. << abstract>> Diagrama Estrutural Diagrama de classes Diagrama de pacotes diagrama de componentes Diagrama de objetos Diagrama de estrutura composta Diagrama de utilização Figura 2 - Diagramas Estruturais

13 Enquanto os diagramas estruturais têm por finalidade tratar os aspectos estruturais tanto do sistema quanto das classes, os diagramas de comportamento objetivam descrever o sistema computacional modelado quando em execução. Desta forma podemos dizer que o primeiro grupo se destina a visualizar, especificar, construir e documentar os aspectos estáticos de um sistema enquanto o segundo grupo de diagramas é voltado ao sistema computacional quando em execução, ou seja, faz a modelagem dinâmica do sistema visualizando, especificando, construindo e documentando os aspectos dinâmicos de um sistema. <<abstract>> Diagrama de Comportamento Diagramas de casos de uso << abstract>> Diagrama de Interação Diagrama de Estados Diagrama de Estados Figura 3 - Diagramas comportamentais 2.3 Sistema de Controle e Comando A evolução na área de Comando de Controle trouxe para o exército algumas características e servidões. Assim, podemos destacar alguns pontos fundamentais, nos quais fundamentamos a necessidade de reavaliação do sistema de atendimento móvel de emergência. Neste contexto saímos da simplicidade da realocação das ambulâncias para a complexidade da criação de um sistema de sistemas que deve, como o próprio nome diz, conhecer e orientar as decisões a serem tomadas. De acordo com a doutrina de comando e controle alguns pontos devem ser salientados, entre eles destacamos a importância da fluidez das informações e ordens atinentes aos conflitos e às operações, atingindo o destino o mais próximo possível do tempo real. Nesta sequência de pensamentos temos uma gama bem maior de informações. Se de um lado essas informações são fatores facilitadores na tomada de decisões, por outro, se tornam um fator desfavorável pois tornam o processo decisório exaustivo e complexo.

14 A facilidade de acesso as informações, através da internet, também surge como fator complicador. As informações sobre o desenvolvimento das ações, que anteriormente eram restritas ao meio militar, hoje, com o advento da internet, chegam quase que simultaneamente a toda sociedade. Como pode ser visto na PORTARIA NORMATIVA N2.328/MD, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 Comando e Controle ciência e arte que trata do funcionamento de uma cadeia de comando e envolve três componentes imprescindíveis e interdependent a autoridade, o processo decisório e a estrutura. 3 Método O método adotado nesse trabalho foi a indução, onde a cadeia de raciocínio estabelece conexão ascendente do particular para o geral. Assim a observação pontual do fato leva às teorias e mudanças gerais. De forma contrária a habitual, este tipo de raciocínio parte do efeito para as causas, o que exige do pesquisador que se aprofunde na observação do todo a fim de encontrar o cerne da pesquisa. O método indutivo tem sua origem no empirismo, onde o conhecimento é fundamentado na experiência, sem que se de maior valor ao conhecimento e aos princípios estabelecidos. Associado ao método de indução, foi também utilizado o método de hipóteses que tem como objetivo o levantar, reunir e avaliar e sintetizar os resultados de diversos estudos primários. Este método foi associado ao primeiro por ser considerado um facilitador na tomada de decisão na prática clínica ou na gestão pública.

15 4 Desenvolvimento do trabalho A primeira e mais longa etapa deste estudo foi a preparação do plano de trabalho. As etapas subsequentes foram a compreensão e análise do problema, preparação dos diagramas, a apresentação do plano de trabalho ao orientador/consulto, a apresentação para partes interessadas, a saber CBMERJ e FGV, a proposta de adaptação de modelos e a entrega do protótipo ao professor da Disciplina, Cel RR Cicero Garcez. Estas etapas estão representadas de forma gráfica através dos diagramas de Gantt Figura 4 e de PERT Figura 5. Figura 4 Diagrama de Gantt representação gráfica do plano de trabalho Figura 5 Diagrama de PERT, representação gráfica do plano de trabalho Após análise das atividades desenvolvidas em uma central de regulação, foi realizada uma analise das etapas com base no Program Evaluation and Review Technique (PERT) envolvendo cada uma dessas etapas. Já no primeiro momento foi verificado que um dos maiores problemas para o pronto atendimento era a falta de viatura de socorro e, não necessariamente, a distância entre o local do evento o local de parqueamento da viatura. A partir dessa observação várias mudanças foram feitas no foco da pesquisa.

16 4.1 - Program Evaluation and Review Technique O diagrama de rede ou de precedências, também conhecido como diagrama de PERT é utilizado quando se pretende evidenciar as interdependências entre as várias tarefas. O diagrama de Pert faz a representação gráfica da sequência dos fatos e interdependência entre as tarefas. Este diagrama utiliza três medições distintas de tempo com a finalidade encontrar a estimativa de tempo de uma determinada atividade, assim temos (a) tempo mais otimista; (b) o tempo mais provável de uma atividade acontecer (c) o tempo mais pessimista, que quando empregados na formula abaixo nos permite conhecer o tempo esperado (TE) assim, TE = (a+4b+c)/6. Inicialmente foi feito o fluxograma 1 de atendimento na Central de Regulação Médica (CRM) Figura 6 e, logo depois foram determinados os tempos mínimo, médio e máximo de cada uma das etapas. De posse desses dados foi criado o primeiro diagrama do trabalho, o diagrama que fez com que o foco inicial, realocação das viaturas de socorro, fosse substituído pelo atual, reestruturação do serviço de atendimento a situações de emergência médica Figura 6 Fluxograma operacional do SAMU Fonte Ministério da Saúde

17 Detectar a emergência Há necessidade de pedir atendimento móvel de urgência? SIM NÃO LIGAR PARA 192 É Trote? SIM NÃO Encerrar a ligação Transferir a ligação para o Médico Regulador É trote? Não é trote Encerrar a Ligação Definir o grau de risco de morte Precisa de atendimento especializado de urgência? Definir o risco e encaminhar para operador de frota. Não precisa de atendimento especializado de urgência? Encerrar a ligação Tem ambulância disponível? Não tem ambulância disponível? Encaminhar ambulância Aguardar liberação de ambulância fluxograma 1- Sistematização de acionamento de viatura de socorro pela Central de Regulação Médica. O fluxograma abaixo representa a forma sequencial de atendimento as chamadas telefônicas de urgência realizadas através do numero 192. As chamadas são gratuitas tanto de telefone fixo quanto de telefone móvel e são atendidas em uma Central de Regulação Médica. O número 192 é único e de abrangência Nacional e responde a determinação legal, descrita na portaria Ministerial da Saúde 2048 de 05 de novembro de De acordo com a referida portaria o SAMU deve funcionar ininterruptamente e como se segue. As ligações são atendidas pelo TARM e após serem feitas as anotações básicas como nome, endereço e confirmação do número do telefone

18 do solicitante o TARM a identifica como trote, engano, pedido de informação ou como necessidade de socorro de urgência. Sendo identificada como pedido de socorro de urgência o TARM transfere a ligação para o médico regulador. O médico regulador irá verificar a necessidade de encaminhamento de viatura de socorro e classificar o tipo de viatura em função da gravidade. As viaturas avançadas, compostas por médico, enfermeiro e condutor devem ser utilizadas para atendimentos graves, classificados como vermelhos. As viaturas básicas devem fazer atendimentos de gravidade menor, classificados como amarelos ou verdes. Para que possamos analisar os dados referentes a melhora no tempo resposta a chamadas de urgência é necessário conhecer, além do seu fluxo operacional, a demanda, a frota, as intercorrências entre outros vários dados. Figura 7- Sequência de acionamento de viatura de socorro pela Central de Regulação Médica. A partir da observação do fluxograma a autora pode perceber que a demora para chegada da viatura de socorro não estava restrita a demora no atendimento na Central de Regulação, nem tão pouco há problemas de alocação das ambulâncias. Com

19 base nessa premissa foi feita uma revisão científica do tipo sistemática. Esse tipo de revisão compreende o estudo observacional retrospectivo ou ainda, os estudos experimentais de recuperação e análise crítica da literatura. Dentre os vários itens a serem executados em um atendimento ao solicitante, em uma central de regulação médica, alguns foram destacados pela autora Tabela 1. Não se pretende aqui esgotar o assunto mas deixar espaço para novas pesquisas e aprofundamento desta, assim, os eventos principais foram avaliados e percebeu-se que o tempo de espera tem como fator agravante a disponibilidade de viatura. Em uma análise simplificada das atividades, sem que levássemos em conta as atividades predecessoras, foi possível identificar que o tempo mínimo esta dentro dos padrões internacionais de excelência e que o tempo esperado é aceitável quando comparado aos padrões preestabelecidos porem o tempo máximo fica distante de qualquer número conhecido pelos especialistas em atendimento de urgência. Atividades mínimas para liberação de viatura de socorro médico Tempo mínimo Tempo esperado Tempo máximo 1 Detectar urgência Ligar Atender chamada Identificar trote Identificar urgência Encaminhar ligação para médico regulador MR Atender chamada MR Identificar trote MR Identificar urgência MR Classificar o grau de urgência MR encaminhar para operador de frota (OF) Operador de frota encaminhar ambulância Tempo total em segundos Tabela 1- Tabela simplificada tempo resposta Diagrama de Ishikawa A partir da observação direta das atividades desenvolvidas na central de regulação foi construído o diagrama de Ishikawa aplicado ao referido setor. De acordo com Escudeiro (2002), f representação de vários elementos de um sistema e tem como base a identificação de possíveis causas de um determinado problema. A utilização do diagrama tem um êxito f após a definição do problema, permitindo que se tenha uma

20 ideia concreta dos fatores que devem entrar no diagrama. Este recurso não fornece a resposta a uma pergunta, porém viabiliza a analise dos d. Figura 8 - Diagrama de Ishikawa 4.3 Diagrama de Classes O diagrama de classes Figura 9 é um diagrama estrutural que atua como modelo fundamental de uma especificação orientada a objetos. Ele oferece uma notação gráfica para modelar classes e seus relacionamentos, descrevendo desta forma possíveis objetos. Produz a descrição mais próxima da estrutura do código de um programa, ou seja, mostra o conjunto de classes com seus atributos e métodos e os relacionamentos entre classes. Tem valor especial na modelagem abstrata e também para o projeto de programas reais. Estes diagramas são fáceis de entender e tem uma excelente funcionalidade na prática. Para SILVA, (2007) classes e relacionamentos constituem os elementos sintáticos básicos do diagrama de classes. Figura 9 Diagrama de Classes mostrando a dinâmica de uma Central de Regulação Médica

21 4.4 - Diagrama de Objetos O diagrama de objetos mostra objetos individuais e seus relacionamentos. Tem valor especial na arte de documentar casos de testes e discutir exemplos. Um diagrama de classes corresponde a um numero infinito de diagramas de objetos. De forma mais detalhada pode-se dizer que o diagrama de objetos consiste em uma variação do diagrama de classes em que, em vez de classes, são representadas instâncias e ligações entre instâncias. A finalidade é descrever um conjunto de objetos e seus relacionamentos em um ponto no tempo Diagrama de Implantação Após o entendimento dos sistemas utilizados na central de regulação do SAMU, fica claro que o diagrama de utilização, é uma das ferramentas que será utilizada ao longo deste trabalho. Fica clara a necessidade de se trabalhar com o diagrama de utilização, o mesmo consiste na organização do conjunto de elementos de um sistema para a sua execução. O diagrama de implantação é útil em projetos onde há muita interdependência entre pedaços de hardware e software Diagrama de Contexto O diagrama de contexto tem como proposito mostrar as relações estabelecidas entre o sistema e o meio ambiente, apresentando o sistema com um único processo. Ele pode ser considerado um caso especial dos diagramas de fluxo de dados, correspondente ao nível superior. Apresenta uma visão mais geral das principais funções do sistema, assim como das principais interfaces entre o sistema e o meio ambiente.

22 Figura 10 Diagrama de Contexto representando a dinâmica de atendimento de uma Central de Regulação Médica.

23 5 CONCLUSÃO Ao analisarmos as atividades críticas do sistema nos deparamos com o fator material preso como o principal responsável pela demora no atendimento. No período do referido estudo tivemos um evento com 73 horas de maca presa, além de vários outros com mais de 50 horas de viatura inoperante por falta de material. O segundo fator responsável pela demora no atendimento é o trote. No período de um ano foram trotes computados no sistema. Esse número é incompatível com o bom andamento de qualquer serviço quer seja público ou particular. O terceiro lugar em déficit na assistência prestada está relacionado ao tipo de ambulância empenhada em função do evento. Na falta de ambulância básica o operador de frota manda ambulâncias altamente especializadas para os eventos básicos fazendo com que não tenha ambulância avançada para eventos de maior complexidade. Em quarto lugar esta a indicação indevida de viatura por parte do médico regulador. Este atributo tem corresponsabilidade com o usuário que passou a entender que o Serviço é um taxi de luxo e gratuito e não um serviço de utilidade publica, que pode fazer a diferença entre a vida e a morte. C (2007) l FAPERJ P R o projeto Melhoria dos Serviços Prestados pelo SAMU: Desenvolvimento e implantação de soluções baseadas em tecnologia de informação. Desde então vários projetos já foram desenvolvidos com o intuito de melhorar a assistência prestada pelo SAMU. A integralidade dos projetos e pesquisas que tivemos acesso abordam o problema de forma fragmentada. A uma visão parcial do problema. Ora os pesquisadores buscam a solução para os problemas encontrados na central de regulação, ora tentam solucionar o problema através da realocação das viaturas de socorro. Na nossa visão o problema deve ser avaliado como um todo, desde o acionamento ate o retorno da viatura a base. A autora propõe a continuidade da pesquisa e o desenvolvimento de modelos dinâmicos de simuladores que possam apontar as falhas e propor soluções para o serviço.

24 A 6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS h acesso em 12 jun ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Informação e documentação BRASIL. Ministério da Saúde. SAMU. Disponível em: 20 de julho 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 824/GM de 24 de julho de 1999: Normatiza o atendimento pré-hospitalar e o transporte inter-hospitalar no Brasil. Brasília, Diário da República Federativa do Brasil 2m 25 jun Disponível em: Acesso em: 12 de julho BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 814/GM de 01 de junho de 2001: Estabelece o conceito geral, os princípios e as diretrizes da Regulação Médica das Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 12 de julho BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n /GM de 05 de novembro de 2002: Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília, Disponível em: htm Acesso em 10 de julho 2015 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.1863/gm de 29 de setembro de 2003: Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 15 de julho de 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.1863/gm de 29 de setembro de 2003: Institui o componente pré-hospitalar móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 05 de julho de CFM. Resolução do CFM n 1.529/98: dispõe sobre a normatização da atividade médica na área de urgência, emergência na sua fase pré-hospitalar. Disponível em: Acesso em: 22 de junho 2016 COMITÊ DO PHTLS DA NATIONAL ASSOCIATION OF EMERGENCY MEDICAL TECHNICIANS. Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado: básico e avançado. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p ISBN C h A.. S z G. Q. (200 ). C l P N G R S I f çã I : III SBSI - Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, Curitiba. Harrell, Charles R., Robert E. Bateman, Thomas J. Gogg, Jack R.A. Mott System Improvement Using Simulation. JMI Consulting Group and PROMODEL Corporation

25 . Ch f R çã l S l çã D C çã : Ab C l Sã P l, MALVESTIO, Marisa Aparecida Amaro. Predeterminantes de sobrevivência em vítimas de acidentes de trânsito submetidas a atendimento pré-hospitalar de suporte avançado à vida. São Paulo, f. Tese (Doutorado) Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, MARTINEZ-ALMOYNA, M. & NITSCHKE, C.A.S. (Org.). Regulação médica dos serviços de atendimento médico de urgência. SAMU. Brasil. 199 O que é o SAMU 192, <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/951-sas-raiz/dahu-raiz/forca-nacional-do-sus/l2-forcanacional-do-sus/13407-servico-de-atendimento-movel-de-urgencia-samu-192> acesso em 17 agos 2016 SAMU de France. France: Paramedical personal. Disponível em: Acesso em: 22 de junho de UML - Unified Modeling Language e Visual Modeler - acesso em 15 de agosto de 2016 SA PAI. C.. [s.n.], SI A R. P.. 2 l bj. Fl l : Visual Books, 2007.

Rational Unified Process (RUP)

Rational Unified Process (RUP) Rational Unified Process (RUP) A Rational é bem conhecida pelo seu investimento em orientação em objetos. A empresa foi à criadora da Unified Modeling Language (UML), assim como de várias ferramentas que

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

Análise e projeto de sistemas

Análise e projeto de sistemas Análise e projeto de sistemas Conteúdo: UML O processo de desenvolvimento de software Prof. Patrícia Lucas A linguagem de modelagem unificada (UML) A UML teve origem em uma tentativa de se unificar os

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SENHOR DO BONFIM, ESTADO DA BAHIA, usando das atribuições conferidas pela Portaria GM nº 2.

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SENHOR DO BONFIM, ESTADO DA BAHIA, usando das atribuições conferidas pela Portaria GM nº 2. PORTARIA N.º 001/2012 Dispõe sobre a normatização para contratação de servidores para composição do quadro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU da Secretaria Municipal de Saúde. O SECRETÁRIO

Leia mais

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo Ciência da Computação Análise e Projeto Orientado a Objetos UML Anderson Belgamo 1 Evolução do Software O rápido crescimento da capacidade computacional das máquinas resultou na demanda por sistemas de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA UML UNIFIED MODELING LANGUAGE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA UML UNIFIED MODELING LANGUAGE 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA UML UNIFIED MODELING LANGUAGE Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br O que é?? 2 A UML

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

Prof. Esp. Fabiano Taguchi

Prof. Esp. Fabiano Taguchi UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com UML COMPETÊNCIA: Conhecer e desenvolver estudos de caso usando modelagem orientada a objeto. HABILIDADE: Conhecer

Leia mais

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE Departamento de Informática PUC-Rio Ivan Mathias Filho ivan@inf.puc-rio.br Programa Capítulo 1 O Paradigma Orientado a Objetos A Linguagem UML Descrição da Arquitetura 1 Programa

Leia mais

Gerência de Projetos de Software: Cronograma

Gerência de Projetos de Software: Cronograma Gerência de Projetos de Software: Cronograma SSC-121 Engenharia de Software I Simone Senger de Souza ICMC/USP Plano de Projeto Cronograma A precisão nos cronogramas é mais importante que a precisão nos

Leia mais

Introdução a UML (Unified Modeling Language)

Introdução a UML (Unified Modeling Language) Introdução a UML (Unified Modeling Language) O que é a UML? Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário

Leia mais

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Objetivos da aula: Introduzir os conceitos da Orientação à Objetos (O.O) Introduzir os conceitos da UML Relacionar os processos às ferramentas

Leia mais

27) Em relação aos Projetos de Sistemas de Software, assinale a sequência correta de desenvolvimento de um sistema:

27) Em relação aos Projetos de Sistemas de Software, assinale a sequência correta de desenvolvimento de um sistema: Modelos de Ciclo de Vida e Metodologias de Software 33) No SCRUM, uma iteração que segue um ciclo (PDCA) e entrega incremento de software pronto é denominada: A) Backlog. B) Sprint. C) Daily scrum. D)

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objetos

Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos Introdução Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação Introdução Os sistemas computacionais adquiriram extrema importância para as organizações públicas

Leia mais

Política Nacional de Atenção às Urgências. Enfª Senir Amorim

Política Nacional de Atenção às Urgências. Enfª Senir Amorim Política Nacional de Atenção às Urgências Enfª Senir Amorim Como está a atenção às urgências no cenário da sua região? A Atenção às Urgências Deve fluir em todos os níveis do SUS; Organizando a assistência

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO ERP

SISTEMA DE GESTÃO ERP SISTEMA DE GESTÃO ERP DEFINIÇÃO, CONCEITUAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BPM E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE PROCESSOS Walison de Paula Silva Agenda BPM MODELAGEM DE PROCESSOS Sistemas de Gestão ERP BPM - Business

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Requisitos de Sistemas Unidade II - Processos de Negócio Identificação Conceitos Modelagem - BPM - UML Processos x Requisitos 1 Processo de negócio CONCEITO Um processo de negócio, processo organizacional

Leia mais

UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Gilberto Porto e-mail: porto@gilbertoporto.com.br A linguagem UML n UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I AULA 3. Análise e diagramação. professor Luciano Roberto Rocha.

ENGENHARIA DE SOFTWARE I AULA 3. Análise e diagramação. professor Luciano Roberto Rocha. ENGENHARIA DE SOFTWARE I AULA 3 Análise e diagramação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com.br POR QUE DIAGRAMAR A maioria dos problemas encontrados em sistemas tem sua origem na construção do

Leia mais

Tópicos da Aula. A Linguagem UML. A Linguagem UML. De onde surgiu? Fundadores da UML. Introdução à UML e Diagrama de Casos de Uso.

Tópicos da Aula. A Linguagem UML. A Linguagem UML. De onde surgiu? Fundadores da UML. Introdução à UML e Diagrama de Casos de Uso. Engenharia de Software Aula 07 Tópicos da Aula Introdução à UML e Introdução a UML Visão geral de alguns diagramas Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 28 Março 2012 A

Leia mais

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos joao.queiroz@ifrn.edu.br Roteiro A importância da UML para projetar sistemas. Principais características do diagrama de classes e de sequência.

Leia mais

Introdução à Análise e Projeto de Sistemas

Introdução à Análise e Projeto de Sistemas Introdução à I. O Que vamos fazer na Disciplina? Saber uma linguagem de programação orientada a objeto (OO) não é suficiente para criar sistemas OO Tem que saber Análise e Projeto OO (APOO) Isto é, Análise

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARA A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARA A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA PARA A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A Programação de Computadores é uma das disciplinas obrigatórias do ciclo básico do curso de graduação em Engenharia de Produção na UFMG. Os

Leia mais

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão Sumário Introdução à UML BSI Bacharelado em Sistemas de Informação LOO Linguagens Orientadas a Objetos Humberto Mossri de Almeida hmossri_cursos@yahoo.com.br Marcelo Nassau Malta nassau_cursos@yahoo.com.br

Leia mais

Programa Amigos do Samu nas escolas: uma experiência de sucesso

Programa Amigos do Samu nas escolas: uma experiência de sucesso Programa Amigos do Samu nas escolas: uma experiência de sucesso Em novembro de 2002, o Ministério da Saúde, por meio da Portaria GM nº 2048, estabeleceu e regulamentou os princípios e as diretrizes do

Leia mais

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc ASSISTÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR A VÍTIMAS DE TRAUMAS Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc PRIMEIROS SOCORROS = SOCORROS DE URGÊNCIA = PRONTO SOCORRISMO= ATENDIMENTO PRÉ- HOSPITALAR (APH) TERMINOLOGIA MAIS ADEQUADA

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Design Principles Representando SW em UML OO em C Pattens úteis para embedded Rodrigo M A Almeida Design Principles Design Principles são guias para decompor as funcionalidades e

Leia mais

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Tempo de Projetos Parte 05 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação);

as fases contemplam todas as etapas do ciclo de desenvolvimento (requisitos, análise, projeto, implementação, teste e validação); Título : B2 Processo de desenvolvimento de Sistemas Conteúdo : A UML estabelece uma abordagem para a construção, o desenvolvimento e a manutenção de software. Atualmente, metodologias utilizadas no desenvolvimento

Leia mais

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sumário PREFÁCIO...3 MODELO DA DOCUMENTAÇÃO...3 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO...3 1.1. Tema...3 2. DESCRIÇÃO

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS:

ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS: CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO NOROESTE DO PARANÁ CIUENP SAMU 192 NOROESTE DO PARANÁ. Anexo II. INTEGRANTE DO CONCURSO PÚBLICO DE Nº 001/2016. ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS: 01

Leia mais

Simulação e Modelagem

Simulação e Modelagem Simulação e Modelagem Prof. Afonso C Medina Prof. Leonardo Chwif Versão. 6//6 Introdução Definição A Simulação como ferramenta de suporte à decisão Quando utilizar a Teoria das Filas ou a Simulação? O

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 31/03/2015 GESTÃO DO TEMPO CRONOGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 31/03/2015 GESTÃO DO TEMPO CRONOGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. : Heloisa Campos GESTÃO DO TEMPO GESTÃO DO ESCOPO DEFINIDA Definir as atividade; Sequenciar

Leia mais

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC.

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC dovicchi@inf.ufsc.br http://www.inf.ufsc.br/~dovicchi Programa Projetos e Metodologias Tipos e abordagens Organização Estimativas de Esforço e Gerência de Riscos

Leia mais

Instituto Nacional de Emergência Médica

Instituto Nacional de Emergência Médica Instituto Nacional de Emergência Médica 2016 INEM, I. P. - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Criado em 1981 Coordena, em Portugal Continental, um conjunto de entidades que prestam assistência

Leia mais

Q d( ) P. a( ) c( ) e( ) c( ) S. c( ) d( )

Q d( ) P. a( ) c( ) e( ) c( ) S. c( ) d( ) ELEMENTOS BÁSICOS DA LINGUAGEM JAVA Patricia Della Méa Plentz INE-CTC-UFSC E-Mail: plentz@inf.ufsc.br URL: http://moodle.ufsc.br INE5605-Turma 0238B Sumário 2.1 Classes e Objetos na POO 2.2 2 Revisão da

Leia mais

INE 5101 Simulação Discreta. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE

INE 5101 Simulação Discreta. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE INE 5101 Simulação Discreta 1 Objetivos do curso Ao final deste curso você deverá saber: O que é modelagem e simulação de sistemas; Como funcionam programas de simulação; Como utilizar corretamente uma

Leia mais

Parte. Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais

Parte. Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais Parte I Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais Protocolo para Acesso aos Serviços do Sistema Único de Saúde 1 José Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA De acordo com os princípios organizativos

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Agenda Modelagem de Sistemas Modelos de contexto Diagramas de Atividades Modelos

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda Rodrigo Reis Cleidson de Souza! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados!

Leia mais

Diógenes Trevizan Professor Enfermeiro

Diógenes Trevizan Professor Enfermeiro Diógenes Trevizan Professor Enfermeiro Contato: diogenestrevizan@hotmail.com Princípios Básicos do Atendimento em Urgência e Emergência Prestando Assistência de Enfermagem ao Cliente na Atenção às Urgências

Leia mais

PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo. Desenvolvimento de Aplicações para Cliente Servidor

PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo. Desenvolvimento de Aplicações para Cliente Servidor PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo INTRODUÇÃO Seja bem vindo ao módulo de EAD da disciplina DACC(Desenvolvimento de Aplicações Para Cliente Servidor). A Modelagem com UML foi o assunto estabelecido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 08 de Novembro de 2013. Contextualização Nas próximas aula iremos começar a modelar e projetar sistemas

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 09/11 (Aprovado em Sessão da 2º Câmara de 03/06/2011) Assunto: Tempo de resposta em atendimento pré-hospitalar

PARECER CREMEB Nº 09/11 (Aprovado em Sessão da 2º Câmara de 03/06/2011) Assunto: Tempo de resposta em atendimento pré-hospitalar PARECER CREMEB Nº 09/11 (Aprovado em Sessão da 2º Câmara de 03/06/2011) Expediente consulta nº. 181.526/10 Assunto: Tempo de resposta em atendimento pré-hospitalar Relator: Cons. Augusto Manoel de Carvalho

Leia mais

Processos de software

Processos de software Processos de software 1 Processos de software Conjunto coerente de atividades para especificação, projeto, implementação e teste de sistemas de software. 2 Objetivos Introduzir modelos de processos de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Teoria dos Sistemas 23/4/2010

1 Introdução. 1.1 Teoria dos Sistemas 23/4/2010 1 1 Introdução 1.1 Teoria dos Sistemas 1.2 Constituição dos sistemas 1.3 Natureza dos sistemas 1.4 Parâmetros do sistema 1.5 Descrição de sistemas 1.6 Desafios enfrentados no desenvolvimento 1.7 Perfil

Leia mais

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois Apresentado por: Carmem Hara Sumário 1) Registro eletrônico de pacientes 2) Impacto da Internet nos tratamentos

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A2 DATA 09/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: A principal diferença

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Prof. André Luiz Ribeiro Prof. Jorge Luis Pirolla Introdução à Computação Engenharia de Software Tópicos O que é Engenharia de Software? Engenharia de Software em camadas Processo

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

Definições (II) Page 3

Definições (II) Page 3 Casos de Uso Prof. Esp. MBA. Heuber Lima Definições Um caso de uso especifica o comportamento de um sistema ou um subsistema e corresponde a uma descrição de uma série de seqüências de ação, e suas respectivas

Leia mais

Definições. Definições (III) Definições (II)

Definições. Definições (III) Definições (II) Definições Casos de Uso Um caso de uso especifica o comportamento de um sistema ou um subsistema e corresponde a uma descrição de uma série de seqüências de ação, e suas respectivas variações, de forma

Leia mais

Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 Filiado ao Conselho Internacional de Enfermagem Genebra

Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 Filiado ao Conselho Internacional de Enfermagem Genebra Parecer Técnico Coren-RR nº 04 /2016 PAD Coren-RR nº 040/2016 Assunto: Remoção de Paciente, de quem é a responsabilidade. I - Do Fato Solicitação de Parecer por Técnico de Enfermagem que solicita Legislação

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Código: ENF - 212 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Inteligência Artificial. Aula 2

Inteligência Artificial. Aula 2 Inteligência Artificial Aula 2 Retomada da aula passada O que é Inteligência Artificial Inteligência Artificial é o estudo de como fazer os computadores realizarem coisas que, no momento, as pessoas fazem

Leia mais

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2 Modelos em Sistemas de Informação Aula 2 Referências básicas da aula Paulo Cougo - Modelagem conceitual e Projeto de Banco de Dados. Craig Larman - Utilizando UML e padrões. Roger Pressman - Engenharia

Leia mais

APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS NA IDENTIFICAÇÃO DE ESCOPO DE SISTEMA

APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS NA IDENTIFICAÇÃO DE ESCOPO DE SISTEMA APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS NA IDENTIFICAÇÃO DE ESCOPO DE SISTEMA Guilherme de Souza Ferreira Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

UML. Adriano J. Holanda 21/3/

UML. Adriano J. Holanda 21/3/ UML Adriano J. Holanda 21/3/2016 UML Introdução UML - Unified Modeling Language Linguagem Unificada de Modelagem. Adquiriu maturidade na segunda década de 1990 pela fusão dos métodos e diagramas de Grady

Leia mais

Tópicos da Aula. Conceitos de programação orientada a objetos. Projeto orientado a objetos com UML

Tópicos da Aula. Conceitos de programação orientada a objetos. Projeto orientado a objetos com UML Projeto OO com UML Tópicos da Aula Conceitos de programação orientada a objetos Projeto orientado a objetos com UML Orientação a objetos A orientação a objetos, também conhecida como Programação Orientada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 09/2014 DATA DA ENTRADA: 10 de outubro de 2013 INTERESSADO: E. F. da S.- Secretário de Saúde de Nova Xavantina CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete

Leia mais

Instituto Militar de Engenharia - IME Engenharia de Sistemas

Instituto Militar de Engenharia - IME Engenharia de Sistemas Instituto Militar de Engenharia - IME Engenharia de Sistemas Engenharias do Século XXI 2017 4 Ano Pantanal e Amazônia do Brasil Prof Cicero R Garcez (Cel QEM Ref) garcez@ime.eb.br Engenharia de Sistemas

Leia mais

Política Nacional de Atenção às Urgências

Política Nacional de Atenção às Urgências Política Nacional de Atenção às Urgências POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS Em setembro de 2003, o Ministério da Saúde instituiu a Política Nacional de Atenção às Urgências, uma das prioridades

Leia mais

Unidade 4 Projeto de Banco de Dados

Unidade 4 Projeto de Banco de Dados Unidade 4 Projeto de Banco de Dados Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Trabalho apresentado para a disciplina: SCC5911 Procedência de Dados de Data Warehousing

Trabalho apresentado para a disciplina: SCC5911 Procedência de Dados de Data Warehousing Trabalho apresentado para a disciplina: SCC5911 Procedência de Dados de Data Warehousing Aluno: Vinicius Tohoru Yoshiura Orientador: Prof. Dr. Domingos Alves Co Orientadora: Profa. Dra. Cristina Marta

Leia mais

Modelagem de Sistemas. Análise de Requisitos. Modelagem

Modelagem de Sistemas. Análise de Requisitos. Modelagem Modelagem de Sistemas Teoria Geral de Sistemas TADS 2. Semestre Prof. André Luís Para abordarmos de forma mais profunda os conceitos de Modelagem de Sistemas de Informação, precisamos também falar na Engenharia

Leia mais

Sistema de Informação e Coordenação - SIC

Sistema de Informação e Coordenação - SIC Sistema de Informação e Coordenação - SIC Tópicos 1- Sistema de Informação e Coordenação - SIC 2- Modelo 3- Tecnologias Usadas 4- Projeto Estrutura 5- Fluxo de Atividades 1- Sistema de Informação e Coordenação

Leia mais

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09 Fluxogramas Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br ago-09 Introdução Planejar, modelar e projetar primeiro, depois fazer (programar). Maiores chances de sucesso na programação Facilita a resolução, pois

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

Verificação e Validação (V & V)

Verificação e Validação (V & V) Verificação e Validação (V & V) Objetivo: assegurar que o software que o software cumpra as suas especificações e atenda às necessidades dos usuários e clientes. Verificação: Estamos construindo certo

Leia mais

OPERAÇÕES AEROMÉDICAS ARCABOUÇO LEGAL/ REGULATÓRIO

OPERAÇÕES AEROMÉDICAS ARCABOUÇO LEGAL/ REGULATÓRIO OPERAÇÕES AEROMÉDICAS ARCABOUÇO LEGAL/ REGULATÓRIO Ricardo Galesso Cardoso Médico do GRAU Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências SES/SP Médico do 4º Esquadrão de Transporte Aéreo FAB DISCLOSURE

Leia mais

ENGENHARIA DOS REQUISITOS

ENGENHARIA DOS REQUISITOS Apostila Estácio: Engenharia de Software de Roger S. Pressman. 6º Edição/2006 1 2 A engenharia de requisitos é um processo que engloba todas as atividades que contribuem para a produção de um documento

Leia mais

Engenharia de Software. UML Unified Modeling Language

Engenharia de Software. UML Unified Modeling Language Engenharia de Software UML Unified Modeling Language UML - INTRODUÇÃO UML é um acrônimo para a expressão Linguagem de Modelagem Unificada. Pela definição de seu nome, vemos que a UML é uma linguagem que

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE

PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE Cronograma no MS-Project (continuação) Profª Andrea Padovan Jubileu Desenvolvimento do Cronograma O cronograma é a disposição gráfica do tempo que será gasto na realização

Leia mais

Engenharia de Software. Aula 2.4 Modelos de Casos de Uso. Prof. Bruno Moreno

Engenharia de Software. Aula 2.4 Modelos de Casos de Uso. Prof. Bruno Moreno Engenharia de Software Aula 2.4 Modelos de Casos de Uso Prof. Bruno Moreno bruno.moreno@ifrn.edu.br Comportamento do Sistema Refere-se às funcionalidades do sistema Requisitos funcionais; O comportamento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS Unidade 4 Gerenciamento de Tempo. Luiz Leão

GESTÃO DE PROJETOS Unidade 4 Gerenciamento de Tempo. Luiz Leão Unidade 4 Gerenciamento de Tempo Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Identificação das atividades Sequenciamento de atividades Estimativa de Recursos Estimativas

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

Visão Geral da UML. SSC Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012

Visão Geral da UML. SSC Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Visão Geral da UML SSC 121 - Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Conteúdo Introdução Ferramentas de Apoio Diagramas da UML Elementos Genéricos Material sobre UML

Leia mais

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Parte 1 -Aula 2 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp

RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br 1. Introdução É um processo proprietário de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation,

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto Orientados a Objetos com UML

Princípios de Análise e Projeto Orientados a Objetos com UML Princípios de Análise e Projeto Orientados a Objetos com UML Eduardo Bezerra Editora CAMPUS Copyright 2002, 2003 Eduardo Bezerra 1 Capítulo 1 Visão Geral Um modelo é uma simplificação da realidade que

Leia mais

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h Ciência da Computação CÂMPUS LAGES Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 39, DE 13 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO CONSUP/IFSC

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software ENG SOFT - TESTES TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software A atividade de teste de software sempre foi considerada como um gasto de tempo desnecessário, uma atividade de segunda classe,

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SOFTWARE A PARTIR DA ANÁLISE DE REQUISITOS UTILIZANDO A UML

IDENTIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SOFTWARE A PARTIR DA ANÁLISE DE REQUISITOS UTILIZANDO A UML IDENTIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SOFTWARE A PARTIR DA ANÁLISE DE REQUISITOS UTILIZANDO A UML Anderson Fernando dos Santos Graduando em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA

APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA Daniel Neves Schmitz Gonçalves Luiz Antonio Silveira Lopes Marcelino Aurelio Vieira da Silva APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS

Leia mais

Engenharia de Software.

Engenharia de Software. Engenharia de Software Prof. Raquel Silveira O que é (Rational Unified Process)? É um modelo de processo moderno derivado do trabalho sobre a UML e do Processo Unificado de Desenvolvimento de Software

Leia mais

Introdução a UML e seus diagramas

Introdução a UML e seus diagramas Introdução a UML e seus diagramas A Unified Modelling Language (UML) é uma linguagem ou notação de diagramas para especificar, visualizar e documentar modelos de software orientados por objetos. O UML

Leia mais

QUESTÕES TESTES. Questão 1. O modelo de ciclo de vida em cascata:

QUESTÕES TESTES. Questão 1. O modelo de ciclo de vida em cascata: QUESTÕES 1. 0 que é domínio da aplicação (ou do problema)? 2. Qual a importância da engenharia de software e como se justificam os custos a ela associados? 3. O que é processo de desenvolvimento de software

Leia mais

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio Requisitos de Software e UML Básico Janaína Horácio janaina@les.inf.puc-rio.br Agenda Requisitos O que é? Objetivos? Atividades?... UML O que é? Modelos... Casos de Uso O que é? Componentes 2 Requisitos

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte II: Modelagem de Sistemas Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Modelos Modelo é uma abstração de um sistema real Apenas as características

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte II: Modelagem de Sistemas Modelo é uma abstração de um sistema real Apenas as características importantes para a avaliação devem ser consideradas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

INF1012 MODELAGEM DE DADOS. Departamento de Informática PUC-Rio. Ivan Mathias Filho A Abordagem Entidade-Relacionamento

INF1012 MODELAGEM DE DADOS. Departamento de Informática PUC-Rio. Ivan Mathias Filho A Abordagem Entidade-Relacionamento INF1012 MODELAGEM DE DADOS Departamento de Informática PUC-Rio Ivan Mathias Filho ivan@inf.puc-rio.br Programa Capítulo 1 Modelagem Conceitual de Dados A Abordagem Entidade-Relacionamento 1 Programa Capítulo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software 1 Engenharia de Software CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º PROFESSOR(A): Francisco Ildisvan de Araújo Introdução METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Uma metodologia

Leia mais

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral

Submódulo 6.1. Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Submódulo 6.1 Planejamento e programação da operação elétrica: visão geral Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Organização para Realização de Teste de Software

Organização para Realização de Teste de Software Organização para Realização de Teste de Software Quando o teste se inicia há um conflito de interesses: Desenvolvedores: interesse em demonstrar que o programa é isento de erros. Responsáveis pelos testes:

Leia mais