INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE DEFESA ENGENHARIA DE SISTEMAS Prof a CEL RR Cicero R Garcez Aluna: Cap BM QOS/Méd Andréia Pereira Escudeiro Protótipo de sistema de reestruturação do serviço de atendimento a situações de emergência médica no Município do Rio de Janeiro 2016

2 Sumário I - INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Descrição do Problema Delimitação do Estudo Objetivo Objetivo Geral Objetivos específicos REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Atendimento Pré Hospitalar de Emergência Viaturas de Socorro Área Programática Central de Regulação Médica Engenharia de Sistemas Modelagem Simulação Diagramas Unified Modeling Language (UML) Sistema de Controle e Comando Método Desenvolvimento do trabalho Program Evaluation and Review Technique Diagrama de Ishikawa Diagrama de Classes Diagrama de Objetos Diagrama de Implantação Diagrama de Contexto CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 24

3 I - INTRODUÇÃO 1.1 Considerações Iniciais De acordo com dados obtidos no site do Ministério da Saúde, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) tem como objetivo chegar rapidamente ao local onde exista alguém com um agravo clínico ou traumático a saúde e, que ofereça risco de morte ou sequelas. A frase de domínio popular francês Traiter le bon patient, au bon endroit, au bon monent, pode ser considerada como o objetivo final do SAMU. Durante muitos anos, nos fóruns médicos, foi utilizada a expressão the golden hour, definida como a primeira hora após o trauma e de importância vital para o politraumatizado. Posteriormente essa expressão foi substituída por golden moment ou momento de ouro PHTLS (2012), pois o espaço temporal deve ser visto de forma individualizada, em função do trauma e do traumatizado. O tempo resposta tem início no momento do pedido de socorro e termina na hora em que este socorro chega até a vítima. Para a National Association of Emergency Medical Technicians o período entre o incidente e a chegad - referência seja de 8 a 10 minutos adicionais. Desta forma, a vítima deveria estar no ambiente intra hospitalar entre 14 a 18 minutos após a solicitação do socorro especializado. (PHTLS 2012). Este tempo irá variar em função de fatores como condições de tráfego, número de veículos disponíveis, número de vítimas e suas localizações, especificidade técnica da equipe de atendimento/socorro entre outros. Pelo exposto fica clara a necessidade da adoção de estratégias que possam otimizar o tempo resposta. Como primeira opção podemos pensar na distribuição e alocação estratégica das unidades móveis de socorro, porém vários outros fatores podem interferir dificultando a chegada do socorro em tempo ótimo. Neste contexto, o estudo aqui realizado objetiva, através da engenharia de sistemas, conhecer as principais causas no atrasado do socorro e propor melhorias no serviço prestado. Como estratégia pretende-se propor a criação de modelos de simulações computacionais e projetos de experimentos e otimização que possam identificar as possíveis falhas no sistema e propor melhorias.

4 1.2 Descrição do Problema A vivência de anos trabalhando como clínica médica no setor de emergência de um hospital estadual de grande porte fez com que a autora percebesse que grande parte da demanda de pacientes que procuravam a emergência eram pacientes portadores de doenças crônicas ou crônicas agudizadas e que, em sua maioria, deveriam procurar os postos de saúde ou programas de saúde da família. Muitos pacientes chegavam a simular doenças exclusivamente para fazerem exames laboratoriais ou de imagens previamente solicitados por colegas que atuavam nas unidades básicas de saúde, o que apontava para uma grande carência de atendimento na rede básica além da falta de compromisso com a verdade por parte dos pacientes. Posteriormente, trabalhando como médica civil em viaturas do SAMU a autora pode percebeu que esta realidade se repetia. Pessoas solicitando socorro de urgência sem necessidade real. Tal fato se evidenciava principalmente com doentes crônicos e com as gestantes. Em relação aos primeiros, era comum a família ligar para Central de R l çã f f l e, no momento da chegada a guarnição percebia que o quadro era crônico e que a ideia principal era que a ambulância fosse um fator facilitador para entrada do paciente em um hospital no qual o mesmo aguardava, em uma fila de espera, para um procedimento eletivo. No caso das gestantes era ainda pior, com a cessaria previamente agendada, a gestante esperava a l h em uma das mãos e o agendamento na outra. Como médica militar a autora pode perceber que a forma errônea de admissão nos hospitais da rede pública, a solicitação indevida de viaturas de socorro por parte do usuário, associadas ao momento político nacional estavam colocando em risco o bom atendimento a situações de urgência. 1.3 Delimitação do Estudo O Estudo foi realizado no Estado do Rio de Janeiro, e envolveu 10 áreas programáticas. Para fins didáticos, foi feito um recorte temporal de 12 meses. Atualmente a referida frota conta com 140 viaturas, porém apenas 73 viaturas são de interesse desse estudo. As referidas viaturas são classificadas em 16 viaturas de suporte avançado e, 57 viaturas de suporte básico as quais são divididas em intermediárias e básicas.

5 1.4 Objetivo Objetivo Geral Conhecer o fluxo de despacho de viaturas de socorros no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Objetivos específicos Conhecer o funcionamento do sistema de despacho de viaturas de socorro utilizado em um município do Estado do Rio de Janeiro Analisar as atividades desenvolvidas em uma central de regulação médica Identificar os fatores responsáveis pelo alargamento do tempo resposta Propor mudanças no sistema de despacho de viaturas

6 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Atendimento Pré Hospitalar de Emergência O atendimento pré hospitalar (APH) móvel de emergência é o primeiro socorro a chegar a vítima após ter ocorrido um agravo a saúde. Este atendimento é feito por profissionais da área de saúde em função da gravidade e complexidade. Não há precisão histórica sobre o inicio do APH, porém na Bíblia já podemos ver uma passagem que nos dá indícios de se tratar de um APH. Em Lucas, capítulo 10, versículos 30 a 37, pode-se ler a parábola do bom samaritano, Certo samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando viu, teve piedade dele. Aproximou-se, enfaixou lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou- h l. Efetivamente, durante os períodos de guerra vários são os relatos de atendimento a pessoas feridas nos campos de batalha. Acontece que esses eram retirados do local e atendidos em zonas frias. No ano de 1792 Dominique Larrey deu início ao atendimento pré hospitalar no próprio campo de batalha, ficando esse ano como o marco histórico do inicio desta prática médica. A partir de então vários estudos foram feitos, a historia da medicina evoluiu muito, mas a certeza da importância de um primeiro atendimento rápido e preciso permaneceu. Para gerir esse sistema foram criadas as centrais de atendimento médico de urgência. Classicamente existem dois sistemas de atendimento pré hospitalar, o modelo Frances e o modelo americano. No Brasil, por força da portaria MS de 2048 de 05 de novembro de 2002, foi adotado o modelo francês de atendimento pré hospitalar. O referido modelo é pautado na Centralização do Atendimento em redes de comunicação, onde todas as chamadas são reguladas por Técnicos Auxiliares de Regulação Médica (TARMs) e posteriormente pelos médicos reguladores (MR). Que irão maximizar os recursos disponíveis. De acordo com o DATASUS, um APH bem empregado pode ser verificado pelo aumento de 30% no índice de Anos Potenciais de Vida Perdidos (APVP) devido a acidentes e violências nos últimos anos.

7 2.1.1 Viaturas de Socorro Veículos de atendimento pré-hospitalar móvel: Todo veículo destinado exclusivamente ao transporte de enfermos é chamado de ambulância. As ambulâncias são normatizadas pela NBR 14561/2000, de julho de De acordo com a portaria MS /11/2002 essas viaturas são classificadas b lâ A F. D l çã l z pela rede móvel do referido serviço. A b lâ T B Ambulância de Suporte Básico: veículo destinado ao transporte inter hospitalar de pacientes com risco de morte conhecido e ao atendimento pré-hospitalar de pacientes com risco de morte desconhecido ou ausente. Não tendo sido reconhecido previamente a necessidade de intervenção médica no local e/ou durante o transporte até o hospital de referencia (HR). Sua tripulação deve ser composta por 02 profissionais, sendo um o motorista e o outro um técnico ou auxiliar de enfermagem. A b lâ T D Ambulância de Suporte Avançado: Veículos equipados para atender vítimas de agravos a saúde com alto risco de morte em emergências préhospitalares e/ou transportes inter hospitalares que necessitem de cuidados médicos intensivos. Sua tripulação deve ser composta por 03 profissionais sendo um motorista, um enfermeiro e um médico. A titulação da equipe esta em acordo com o código de ética médica e a lei do exercício de enfermagem Área Programática São cinco grandes áreas programáticas, algumas delas subdivididas, totalizando 10 áreas programáticas totais Central de Regulação Médica A central de regulação é composta por profissionais oriundos ou não da área de saúde. Os atores aqui mencionados são os que tem contato direto com o evento.

8 Quer seja fazendo a triagem, quer seja empenhando viaturas. Esses atores foram os selecionados pois interferem de forma direta no tempo resposta Médico Regulador O médico regulador é um profissional oriundo da área de saúde. É o responsável pelo gerenciamento, definição e operacionalização dos meios disponíveis e necessários para responder as solicitações dos usuários. Os médicos reguladores devem exercer a função utilizando-se de protocolos técnicos e da faculdade de arbitrar sobre as equipes e os equipamentos de saúde necessários ao adequado atendimento do paciente Técnico Auxiliar de Regulação Médica Os Telefonistas Auxiliares de Regulação Médica, são profissionais não oriundos da área de saúde: Devem ser supervisionados pelo MR de forma direta e contínua. O TARM deve possuir habilitação específica e estar apto a atender as chamadas telefônicas de urgência, anotando dados gerais sobre o chamado como: localização do evento com dois pontos de referência, a identificação do solicitante e número de contato, a natureza da ocorrência com detalhes relacionados à avaliação da cena, entre outros. O TARM deve ainda estar apto a prestar informações gerais para o solicitante e para o médico regulador Operador de frota ou rádio operador O rádio operador é também conhecido como operador de frota. Deve estar habilitado a operar sistemas de radiocomunicação e realizar o controle operacional de uma frota de veículos de emergência. O operador de frota deve conhecer a região geográfica e os tipos e quantidades de viaturas que dispõe com suas respectivas equipes. O operador de frota deve enviar viaturas com base no nível de gravidade da ocorrência e da localização da viatura em função do sinistro. 2.2 Engenharia de Sistemas Na engenharia de sof h b l processo de modelagem. Essas alternativas são conhecidas como top-down, bottom-up e middle-out. A construção de modelos dinâmicos é denominada estratégia top-down. Os modelos dinâmicos são construídos através de um refinamento sucessivo, em que

9 cada refinamento acrescenta novos detalhes ao modelo que era, inicialmente abstrato. Na maioria das vezes este processo resulta em um modelo hierarquizado, em que cada nível ou camada, no sentido do t f h lh, e portanto, menos abstrato. Em relação a estratégia bottom-up pode-se dizer que é a çã l â çã çã acrescenta maior b çã l. Desta forma esconde detalhes que eram considerados na agregação anterior. De forma simplificada podemos dizer que se parte do comportamento dos objetos para, depois, passar a colaboração entre eles. A terceira e ultima l a middle-out. Esta estratégia consiste em na identificação l dos elementos do modelo. Este l construído por extensão e não por hierarquização. Esta pesquisa teve início com base na estratégia middle-out e com o evoluir passou a ter características top-down. Cada vez mais e mais detalhamentos são acrescidos no referido estudo dando a este um caráter de refinamento crescente e dinâmico Modelagem O modelo é a abstração de algo com o intuito de entende-lo e adequá-lo antes de construí-lo. Um bom modelo é aquele que captura os aspectos cruciais de um problema e omite outros menos importantes para o momento, pois estes podem tirar a atenção do foco central. A modelagem de software pode ser traduzida como sendo a atividade que objetiva construir modelos que expliquem as características ou o comportamento de um sistema de software. Por sua vez, os modelos podem ser usados na identificação das características e funcionalidade que o software deverá prover e, no planejamento de sua construção. A Unified Modeling Language (UML) é uma linguagem unificada que é utilizada para especificação, documentação, visualização e desenvolvimento de sistemas orientados a objetos. São três os modelos que compõe a modelagem, três pontos de vista diferentes, mas que estão relacionados. Apesar de capturarem pontos diferentes do sistema os três são necessários para uma descrição completa do evento. A UML utiliza diagramas para representar sistemas de software sob as mais diversas perspectivas de visualização.

10 O modelo de classes representa os aspectos estáticos, estruturais de um determinado sistema. Já os aspectos temporais, comportamentais são melhor representados pelos modelos de estado e por fim os modelos de interação que representam a contribuição do individual do objeto no todo. Um modelo típico de software utiliza os três modelos de forma interligada. O modelo de classes, representado pela estrutura dos dados, o modelo de estados o qual ira colocar as operações em ordem cronológica e finalmente o modelo de interações que fará o controle e passara os dados entre os objetos. É importante salientar que os diferentes modelos possuem interconexões limitadas e explicitas Simulação A simulação é uma ferramenta utilizada para analisar o desempenho de um sistema tendo como base a modelagem. De forma técnica a simulação pode ser classificada como computacional ou não computacional. A simulação é o processo de elaboração de um modelo de um sistema que pode ser real ou hipotético que busca o entendimento do comportamento de um determinado sistema e/ou a avaliação de uma operação. A simulação de um sistema é realizada por meio de eventos, regras e funções matemáticas. A simulação, não prevê o que irá acontecer mas pode prever o comportamento de um determinado sistema. É uma ferramenta para tomada de decisões, um processo de experimentação com um modelo detalhado de um sistema real para determinar como o sistema responderá a uma determinada mudança. Cada combinação de elementos compreende um subsistema de um sistema maior. Para Bateman (1993) o modelador enfrenta dois grandes problemas que são, saber qual deve ser o escopo do modelo e qual o nível de detalhe deve ser conhecido e incluído. Esses fatores são aqueles que apresentam impacto significativo no comportamento do modelo e, devem estar em consonância com os propósitos da pesquisa. Outro fator importante e que não pode ser negligenciado é o fato de que a simulação não é uma ferramenta de imitação do real com a qual o modelador se esforça em criar uma replica exata do lh l l í modelar a mosca do chão f b.

11 Para Chwif (1999) a simulação computacional pode ser classificada em três categorias básicas: Simulação de Monte Carlo, Simulação Continua e Simulação de eventos discretos. Ao contrario da simulação de Monte Carlo, as outras duas consideram o fator tempo como um dos dados A simulação continua é melhor utilizada quando temos uma variação constante no valor tempo. É usada para simulações onde o fator tempo interfere de forma continua. Como exemplo clássico temos a temperatura da xicara de chá colocada em temperatura ambiente. Ela sofrerá mudança constante de temperatura. Já a simulação de eventos discretos é utilizada para modelar sistemas que mudam o seu estado em momentos discretos no tempo, a partir da ocorrência de eventos Ferramentas da Simulação De forma cronológica, a historia das simulações em computadores nos apresenta várias ferramentas. As primeiras ferramentas de simulação foram escritas em linguagens de programação de proposito geral. Dentre as várias ferramentas temos a FORTRAN, a mais utilizada e mais comum delas. Essas ferramentas tinham contra elas o tempo alargado para uso e a necessidade de grande habilidade em programação. Em 1960 foram introduzidas as linguagens de computação, essas linguagens oferecem sentenças de programação que podem projetar, entre outras coisas, o gerenciamento de lógicas de filas. Como linguagens pioneiras temos o SIMSCRIPT e o GPSS, linguagens criadas especificamente para simulação. A evolução dessas linguagens culminou com o desenvolvimento dos modeladores SIMAN e SLAM. O SIMMAN é hoje o simulador mais utilizado na medicina, ele é utilizado para simular as respostas humanas frente a determinados tratamentos e condutas médicas. Com a percepção do poder da simulação deu-se início a um esforço, por parte dos especialistas em engenharia de sistemas, em integrar em um único pacote de simulação ou simuladores projetados, os dados que iriam favorecer a modelagem rápida em um ambiente especifico. Desta forma, com o passar dos anos o número e a complexidade de sistemas passiveis de modelagem aumentou de tal forma que hoje f b l f j. N linha de raciocínio podemos mencionar o ProModel, o AutoMod e o WITNESS. Evolutivamente

12 surgiram os simuladores projetados para aproveitar as vantagens do ambiente operacional do Windows. Dentre os simuladores de quarta geração podemos mencionar o ProModel for Windows, o MedModel e o ServiceModel. Graças a evolução das ferramentas de simulação, pessoas com menor habilidade em programação de computadores podem se aventurar por esse ramo da ciência Diagramas Unified Modeling Language (UML) A linguagem UML 2 é composta por treze diagramas. Esses diagramas são classificados em dois grandes grupos, os diagramas estruturais e os diagramas de comportamento Figura 1. <<abstrat>> Diagrama <<abstract>> Diagrama Estrutural << abstract>> Diagrama de comportamento Figura 1 Organização Geral dos diagramas de UML-2 adaptado de a historia de UML e seus diagramas Thania Clair de Souza Vargas. Fazem parte do grupo de diagramas estruturais Figura 2, os diagramas de classes, de pacotes, de componentes, de objetos, de estrutura composta e de utilização. O grupo de diagramas de comportamento Figura 3, por sua vez é composto pelos diagramas de casos de uso, de interação, de estados e de atividades. << abstract>> Diagrama Estrutural Diagrama de classes Diagrama de pacotes diagrama de componentes Diagrama de objetos Diagrama de estrutura composta Diagrama de utilização Figura 2 - Diagramas Estruturais

13 Enquanto os diagramas estruturais têm por finalidade tratar os aspectos estruturais tanto do sistema quanto das classes, os diagramas de comportamento objetivam descrever o sistema computacional modelado quando em execução. Desta forma podemos dizer que o primeiro grupo se destina a visualizar, especificar, construir e documentar os aspectos estáticos de um sistema enquanto o segundo grupo de diagramas é voltado ao sistema computacional quando em execução, ou seja, faz a modelagem dinâmica do sistema visualizando, especificando, construindo e documentando os aspectos dinâmicos de um sistema. <<abstract>> Diagrama de Comportamento Diagramas de casos de uso << abstract>> Diagrama de Interação Diagrama de Estados Diagrama de Estados Figura 3 - Diagramas comportamentais 2.3 Sistema de Controle e Comando A evolução na área de Comando de Controle trouxe para o exército algumas características e servidões. Assim, podemos destacar alguns pontos fundamentais, nos quais fundamentamos a necessidade de reavaliação do sistema de atendimento móvel de emergência. Neste contexto saímos da simplicidade da realocação das ambulâncias para a complexidade da criação de um sistema de sistemas que deve, como o próprio nome diz, conhecer e orientar as decisões a serem tomadas. De acordo com a doutrina de comando e controle alguns pontos devem ser salientados, entre eles destacamos a importância da fluidez das informações e ordens atinentes aos conflitos e às operações, atingindo o destino o mais próximo possível do tempo real. Nesta sequência de pensamentos temos uma gama bem maior de informações. Se de um lado essas informações são fatores facilitadores na tomada de decisões, por outro, se tornam um fator desfavorável pois tornam o processo decisório exaustivo e complexo.

14 A facilidade de acesso as informações, através da internet, também surge como fator complicador. As informações sobre o desenvolvimento das ações, que anteriormente eram restritas ao meio militar, hoje, com o advento da internet, chegam quase que simultaneamente a toda sociedade. Como pode ser visto na PORTARIA NORMATIVA N2.328/MD, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 Comando e Controle ciência e arte que trata do funcionamento de uma cadeia de comando e envolve três componentes imprescindíveis e interdependent a autoridade, o processo decisório e a estrutura. 3 Método O método adotado nesse trabalho foi a indução, onde a cadeia de raciocínio estabelece conexão ascendente do particular para o geral. Assim a observação pontual do fato leva às teorias e mudanças gerais. De forma contrária a habitual, este tipo de raciocínio parte do efeito para as causas, o que exige do pesquisador que se aprofunde na observação do todo a fim de encontrar o cerne da pesquisa. O método indutivo tem sua origem no empirismo, onde o conhecimento é fundamentado na experiência, sem que se de maior valor ao conhecimento e aos princípios estabelecidos. Associado ao método de indução, foi também utilizado o método de hipóteses que tem como objetivo o levantar, reunir e avaliar e sintetizar os resultados de diversos estudos primários. Este método foi associado ao primeiro por ser considerado um facilitador na tomada de decisão na prática clínica ou na gestão pública.

15 4 Desenvolvimento do trabalho A primeira e mais longa etapa deste estudo foi a preparação do plano de trabalho. As etapas subsequentes foram a compreensão e análise do problema, preparação dos diagramas, a apresentação do plano de trabalho ao orientador/consulto, a apresentação para partes interessadas, a saber CBMERJ e FGV, a proposta de adaptação de modelos e a entrega do protótipo ao professor da Disciplina, Cel RR Cicero Garcez. Estas etapas estão representadas de forma gráfica através dos diagramas de Gantt Figura 4 e de PERT Figura 5. Figura 4 Diagrama de Gantt representação gráfica do plano de trabalho Figura 5 Diagrama de PERT, representação gráfica do plano de trabalho Após análise das atividades desenvolvidas em uma central de regulação, foi realizada uma analise das etapas com base no Program Evaluation and Review Technique (PERT) envolvendo cada uma dessas etapas. Já no primeiro momento foi verificado que um dos maiores problemas para o pronto atendimento era a falta de viatura de socorro e, não necessariamente, a distância entre o local do evento o local de parqueamento da viatura. A partir dessa observação várias mudanças foram feitas no foco da pesquisa.

16 4.1 - Program Evaluation and Review Technique O diagrama de rede ou de precedências, também conhecido como diagrama de PERT é utilizado quando se pretende evidenciar as interdependências entre as várias tarefas. O diagrama de Pert faz a representação gráfica da sequência dos fatos e interdependência entre as tarefas. Este diagrama utiliza três medições distintas de tempo com a finalidade encontrar a estimativa de tempo de uma determinada atividade, assim temos (a) tempo mais otimista; (b) o tempo mais provável de uma atividade acontecer (c) o tempo mais pessimista, que quando empregados na formula abaixo nos permite conhecer o tempo esperado (TE) assim, TE = (a+4b+c)/6. Inicialmente foi feito o fluxograma 1 de atendimento na Central de Regulação Médica (CRM) Figura 6 e, logo depois foram determinados os tempos mínimo, médio e máximo de cada uma das etapas. De posse desses dados foi criado o primeiro diagrama do trabalho, o diagrama que fez com que o foco inicial, realocação das viaturas de socorro, fosse substituído pelo atual, reestruturação do serviço de atendimento a situações de emergência médica Figura 6 Fluxograma operacional do SAMU Fonte Ministério da Saúde

17 Detectar a emergência Há necessidade de pedir atendimento móvel de urgência? SIM NÃO LIGAR PARA 192 É Trote? SIM NÃO Encerrar a ligação Transferir a ligação para o Médico Regulador É trote? Não é trote Encerrar a Ligação Definir o grau de risco de morte Precisa de atendimento especializado de urgência? Definir o risco e encaminhar para operador de frota. Não precisa de atendimento especializado de urgência? Encerrar a ligação Tem ambulância disponível? Não tem ambulância disponível? Encaminhar ambulância Aguardar liberação de ambulância fluxograma 1- Sistematização de acionamento de viatura de socorro pela Central de Regulação Médica. O fluxograma abaixo representa a forma sequencial de atendimento as chamadas telefônicas de urgência realizadas através do numero 192. As chamadas são gratuitas tanto de telefone fixo quanto de telefone móvel e são atendidas em uma Central de Regulação Médica. O número 192 é único e de abrangência Nacional e responde a determinação legal, descrita na portaria Ministerial da Saúde 2048 de 05 de novembro de De acordo com a referida portaria o SAMU deve funcionar ininterruptamente e como se segue. As ligações são atendidas pelo TARM e após serem feitas as anotações básicas como nome, endereço e confirmação do número do telefone

18 do solicitante o TARM a identifica como trote, engano, pedido de informação ou como necessidade de socorro de urgência. Sendo identificada como pedido de socorro de urgência o TARM transfere a ligação para o médico regulador. O médico regulador irá verificar a necessidade de encaminhamento de viatura de socorro e classificar o tipo de viatura em função da gravidade. As viaturas avançadas, compostas por médico, enfermeiro e condutor devem ser utilizadas para atendimentos graves, classificados como vermelhos. As viaturas básicas devem fazer atendimentos de gravidade menor, classificados como amarelos ou verdes. Para que possamos analisar os dados referentes a melhora no tempo resposta a chamadas de urgência é necessário conhecer, além do seu fluxo operacional, a demanda, a frota, as intercorrências entre outros vários dados. Figura 7- Sequência de acionamento de viatura de socorro pela Central de Regulação Médica. A partir da observação do fluxograma a autora pode perceber que a demora para chegada da viatura de socorro não estava restrita a demora no atendimento na Central de Regulação, nem tão pouco há problemas de alocação das ambulâncias. Com

19 base nessa premissa foi feita uma revisão científica do tipo sistemática. Esse tipo de revisão compreende o estudo observacional retrospectivo ou ainda, os estudos experimentais de recuperação e análise crítica da literatura. Dentre os vários itens a serem executados em um atendimento ao solicitante, em uma central de regulação médica, alguns foram destacados pela autora Tabela 1. Não se pretende aqui esgotar o assunto mas deixar espaço para novas pesquisas e aprofundamento desta, assim, os eventos principais foram avaliados e percebeu-se que o tempo de espera tem como fator agravante a disponibilidade de viatura. Em uma análise simplificada das atividades, sem que levássemos em conta as atividades predecessoras, foi possível identificar que o tempo mínimo esta dentro dos padrões internacionais de excelência e que o tempo esperado é aceitável quando comparado aos padrões preestabelecidos porem o tempo máximo fica distante de qualquer número conhecido pelos especialistas em atendimento de urgência. Atividades mínimas para liberação de viatura de socorro médico Tempo mínimo Tempo esperado Tempo máximo 1 Detectar urgência Ligar Atender chamada Identificar trote Identificar urgência Encaminhar ligação para médico regulador MR Atender chamada MR Identificar trote MR Identificar urgência MR Classificar o grau de urgência MR encaminhar para operador de frota (OF) Operador de frota encaminhar ambulância Tempo total em segundos Tabela 1- Tabela simplificada tempo resposta Diagrama de Ishikawa A partir da observação direta das atividades desenvolvidas na central de regulação foi construído o diagrama de Ishikawa aplicado ao referido setor. De acordo com Escudeiro (2002), f representação de vários elementos de um sistema e tem como base a identificação de possíveis causas de um determinado problema. A utilização do diagrama tem um êxito f após a definição do problema, permitindo que se tenha uma

20 ideia concreta dos fatores que devem entrar no diagrama. Este recurso não fornece a resposta a uma pergunta, porém viabiliza a analise dos d. Figura 8 - Diagrama de Ishikawa 4.3 Diagrama de Classes O diagrama de classes Figura 9 é um diagrama estrutural que atua como modelo fundamental de uma especificação orientada a objetos. Ele oferece uma notação gráfica para modelar classes e seus relacionamentos, descrevendo desta forma possíveis objetos. Produz a descrição mais próxima da estrutura do código de um programa, ou seja, mostra o conjunto de classes com seus atributos e métodos e os relacionamentos entre classes. Tem valor especial na modelagem abstrata e também para o projeto de programas reais. Estes diagramas são fáceis de entender e tem uma excelente funcionalidade na prática. Para SILVA, (2007) classes e relacionamentos constituem os elementos sintáticos básicos do diagrama de classes. Figura 9 Diagrama de Classes mostrando a dinâmica de uma Central de Regulação Médica

21 4.4 - Diagrama de Objetos O diagrama de objetos mostra objetos individuais e seus relacionamentos. Tem valor especial na arte de documentar casos de testes e discutir exemplos. Um diagrama de classes corresponde a um numero infinito de diagramas de objetos. De forma mais detalhada pode-se dizer que o diagrama de objetos consiste em uma variação do diagrama de classes em que, em vez de classes, são representadas instâncias e ligações entre instâncias. A finalidade é descrever um conjunto de objetos e seus relacionamentos em um ponto no tempo Diagrama de Implantação Após o entendimento dos sistemas utilizados na central de regulação do SAMU, fica claro que o diagrama de utilização, é uma das ferramentas que será utilizada ao longo deste trabalho. Fica clara a necessidade de se trabalhar com o diagrama de utilização, o mesmo consiste na organização do conjunto de elementos de um sistema para a sua execução. O diagrama de implantação é útil em projetos onde há muita interdependência entre pedaços de hardware e software Diagrama de Contexto O diagrama de contexto tem como proposito mostrar as relações estabelecidas entre o sistema e o meio ambiente, apresentando o sistema com um único processo. Ele pode ser considerado um caso especial dos diagramas de fluxo de dados, correspondente ao nível superior. Apresenta uma visão mais geral das principais funções do sistema, assim como das principais interfaces entre o sistema e o meio ambiente.

22 Figura 10 Diagrama de Contexto representando a dinâmica de atendimento de uma Central de Regulação Médica.

23 5 CONCLUSÃO Ao analisarmos as atividades críticas do sistema nos deparamos com o fator material preso como o principal responsável pela demora no atendimento. No período do referido estudo tivemos um evento com 73 horas de maca presa, além de vários outros com mais de 50 horas de viatura inoperante por falta de material. O segundo fator responsável pela demora no atendimento é o trote. No período de um ano foram trotes computados no sistema. Esse número é incompatível com o bom andamento de qualquer serviço quer seja público ou particular. O terceiro lugar em déficit na assistência prestada está relacionado ao tipo de ambulância empenhada em função do evento. Na falta de ambulância básica o operador de frota manda ambulâncias altamente especializadas para os eventos básicos fazendo com que não tenha ambulância avançada para eventos de maior complexidade. Em quarto lugar esta a indicação indevida de viatura por parte do médico regulador. Este atributo tem corresponsabilidade com o usuário que passou a entender que o Serviço é um taxi de luxo e gratuito e não um serviço de utilidade publica, que pode fazer a diferença entre a vida e a morte. C (2007) l FAPERJ P R o projeto Melhoria dos Serviços Prestados pelo SAMU: Desenvolvimento e implantação de soluções baseadas em tecnologia de informação. Desde então vários projetos já foram desenvolvidos com o intuito de melhorar a assistência prestada pelo SAMU. A integralidade dos projetos e pesquisas que tivemos acesso abordam o problema de forma fragmentada. A uma visão parcial do problema. Ora os pesquisadores buscam a solução para os problemas encontrados na central de regulação, ora tentam solucionar o problema através da realocação das viaturas de socorro. Na nossa visão o problema deve ser avaliado como um todo, desde o acionamento ate o retorno da viatura a base. A autora propõe a continuidade da pesquisa e o desenvolvimento de modelos dinâmicos de simuladores que possam apontar as falhas e propor soluções para o serviço.

24 A 6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS h acesso em 12 jun ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Informação e documentação BRASIL. Ministério da Saúde. SAMU. Disponível em: 20 de julho 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 824/GM de 24 de julho de 1999: Normatiza o atendimento pré-hospitalar e o transporte inter-hospitalar no Brasil. Brasília, Diário da República Federativa do Brasil 2m 25 jun Disponível em: Acesso em: 12 de julho BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 814/GM de 01 de junho de 2001: Estabelece o conceito geral, os princípios e as diretrizes da Regulação Médica das Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 12 de julho BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n /GM de 05 de novembro de 2002: Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília, Disponível em: htm Acesso em 10 de julho 2015 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.1863/gm de 29 de setembro de 2003: Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 15 de julho de 2016 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.1863/gm de 29 de setembro de 2003: Institui o componente pré-hospitalar móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, Disponível em: Acesso em 05 de julho de CFM. Resolução do CFM n 1.529/98: dispõe sobre a normatização da atividade médica na área de urgência, emergência na sua fase pré-hospitalar. Disponível em: Acesso em: 22 de junho 2016 COMITÊ DO PHTLS DA NATIONAL ASSOCIATION OF EMERGENCY MEDICAL TECHNICIANS. Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado: básico e avançado. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p ISBN C h A.. S z G. Q. (200 ). C l P N G R S I f çã I : III SBSI - Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, Curitiba. Harrell, Charles R., Robert E. Bateman, Thomas J. Gogg, Jack R.A. Mott System Improvement Using Simulation. JMI Consulting Group and PROMODEL Corporation

25 . Ch f R çã l S l çã D C çã : Ab C l Sã P l, MALVESTIO, Marisa Aparecida Amaro. Predeterminantes de sobrevivência em vítimas de acidentes de trânsito submetidas a atendimento pré-hospitalar de suporte avançado à vida. São Paulo, f. Tese (Doutorado) Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, MARTINEZ-ALMOYNA, M. & NITSCHKE, C.A.S. (Org.). Regulação médica dos serviços de atendimento médico de urgência. SAMU. Brasil. 199 O que é o SAMU 192, <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/951-sas-raiz/dahu-raiz/forca-nacional-do-sus/l2-forcanacional-do-sus/13407-servico-de-atendimento-movel-de-urgencia-samu-192> acesso em 17 agos 2016 SAMU de France. France: Paramedical personal. Disponível em: Acesso em: 22 de junho de UML - Unified Modeling Language e Visual Modeler - acesso em 15 de agosto de 2016 SA PAI. C.. [s.n.], SI A R. P.. 2 l bj. Fl l : Visual Books, 2007.

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ESPECIAL Engenharia de Software DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE por Paulo Borba DECISÕES IMPORTANTES A SEREM TOMADAS NOS PROJETOS E NA CARREIRA DE UM PESQUISADOR EM ENGENHARIA DE SOFTWARE.

Leia mais

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt Deswik.Sched Sequenciamento por Gráfico de Gantt SOLUÇÕES EM SEQUENCIAMENTO DE LAVRA QUE NOS DIFERENCIAM Uma abordagem dinâmica e moderna para o sequenciamento de lavra Desde gráficos de Gantt interativos

Leia mais

Métricas de Software

Métricas de Software Métricas de Software Plácido Antônio de Souza Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2)

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Professor: José Ronaldo Leles Júnior Turma: 2º ano do curso de Sistemas de Informação UEG Universidade Estadual de Goiás Campus Posse POO Paradigma Orientado

Leia mais

Análise de Requisitos

Análise de Requisitos Análise de Requisitos Análise de Requisitos O tratamento da informação é um requisito que fundamenta o processo de desenvolvimento de software antes da solução de tecnologia a ser aplicada. Cada projeto

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária.

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. - Planejar, programar, executar, avaliar, capacitar, orientar e fiscalizar as atividades relacionadas à análise, avaliação e aprovação

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002).

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002). ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIXO: Uma análise do nível de conhecimento dos enfermeiros de PSF, à luz da Portaria 2048/GM (2002). Considerando que a área de urgência e emergência constitui um importante

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 2 Definição de atividades Sequenciamento das atividades 1 6.1 Definir as atividades 1 Lista das atividades A lista das atividades é uma lista abrangente que inclui todas as atividades necessárias

Leia mais

Diagrama de Componentes e Implantação

Diagrama de Componentes e Implantação Diagrama de Componentes e Implantação Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI SIMULADORES VIRTUAIS ALIADOS AO ENSINO DE FÍSICA GOIOERÊ

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2 Modelos em Sistemas de Informação Aula 2 Referências básicas da aula Paulo Cougo - Modelagem conceitual e Projeto de Banco de Dados. Craig Larman - Utilizando UML e padrões. Roger Pressman - Engenharia

Leia mais

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS DO LABORATÓRIO AS DECISÕES SOBRE O LABORATÓRIO COMEÇAM COM A INTELIGÊNCIA

Leia mais

Análise Orientada a Objetos (AOO)

Análise Orientada a Objetos (AOO) "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Análise Orientada a s () Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases)

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) MDS II Aula 04 Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) 55 DIAGRAMA DE CASOS DE USO BENEFÍCIOS DOS CASOS DE USO ILUSTRAR POR QUE O SISTEMA É NECESSÁRIO OS REQUISITOS DO SISTEMA SÃO COLOCADOS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS *

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * Estela Regina Garlet 1 José Luís Guedes dos Santos 2 Maria Alice Dias da Silva

Leia mais

CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016

CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016 CICLO DE MELHORIA NACIONAL DA QUALIDADE DA PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) 2015/2016 PROGRAMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Programa de Gestão da Qualidade (GQ) é o

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 006/2012 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: MAPEAMENTO O Projeto O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos Fundamentos de Programação Diagrama de blocos Prof. M.Sc.: João Paulo Q. dos Santos E-mail: joao.queiroz@ifrn.edu.br Página: http://docente.ifrn.edu.br/joaoqueiroz/ O processo de desenvolvimento (programação),

Leia mais

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS Criação de Tabelas no Access Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Criação de um Banco de Dados... 4 3. Criação de Tabelas... 6 4. Vinculação de tabelas...

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Software PHC com MapPoint 2007

Software PHC com MapPoint 2007 Software PHC com MapPoint 2007 Descritivo completo A integração entre o Software PHC e o Microsoft MapPoint permite a análise de informação geográfica (mapas, rotas e análise de dispersão), baseada em

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS PELO ITA

CURSOS OFERECIDOS PELO ITA CURSOS OFERECIDOS PELO ITA Formação, Atribuições da Profissão, Áreas de Atuação Engenharia Aeronáutica É a área da engenharia que se ocupa do projeto, fabricação e manutenção de aeronaves e do gerenciamento

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Parecer Coren/SC Nº 007/CT/2015 Assunto: realização da retirada ou o tracionamento dos drenos portovack e penrose. I Do fato A Gerência do Serviço de Enfermagem de uma instituição hospitalar solicita parecer

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2013 - OFICINAS E PALESTRAS PARA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SERVIÇOS DE ACESSIBILIDADE O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS Júlio César Neis 1 ; Rosangela Aguiar Adam 2 ; Tiago Lopes Gonçalves 3 ; Vera Regina Mazureck

Leia mais

A Orientação Educacional no novo milênio

A Orientação Educacional no novo milênio 15 1 A Orientação Educacional no novo milênio O presente estudo consiste na descrição e análise da experiência do Curso de Especialização em Orientação Educacional e Supervisão Escolar, realizado na Faculdade

Leia mais

Como utilizar a tecnologia a favor da sua central de atendimento

Como utilizar a tecnologia a favor da sua central de atendimento Como utilizar a tecnologia a favor da sua central de atendimento Conheça algumas tecnologias que podem melhorar a sua central de atendimento. URA: Como utilizar a tecnologia a favor da sua central de atendimento

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO Palavras-chave: Identidade do Pedagogo. Formação de Professores. Licenciatura em Pedagogia. LDB 9394/96. Introdução Este trabalho

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização Art. 1º Estágio curricular obrigatório é aquele definido como tal no projeto

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE PARTICIPANTES Belo Horizonte - 1

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Introdução ao gerenciamento de projeto O que é um Projeto? Um projeto é um complexo e não rotineiro esforço único limitado por tempo, orçamento, recursos

Leia mais

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 ANEXO III Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 1. Apresentação Geral: 1. Nome do projeto 2. Linha(s) Temática(s) 2. Localidade e município 3. Instituição Proponente

Leia mais

Tipologia dos Escritórios de Projeto

Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Negócio Todos sabemos que conduzir projetos é muito mais do que uma arte e que ao Gerente de Projetos cabe a responsabilidade de gerenciar

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP São Paulo, 13 de julho de 2015. Ilmo Sr. Jorge Alves de Almeida Venâncio Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001.

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. CRIA CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO NO PLANO DE CARREIRA DA SECRETARIA DE SAÚDE, LEI N 1811 DE 18 DE OUTUBRO DE 1994, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. GLAUCO SCHERER, PREFEITO

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO DOUTORADO - TURMA 2011 VERSÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Programação Orientada a Objetos Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Processo de Desenvolvimento de Software O desenvolvimento de software é uma

Leia mais

Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos

Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos Page 1 of 16 145806 Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos PDA 145806: Aumento do Campo "Telefone". SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Aumentar o campo "Telefone" nas telas de agendamento, para

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS! Criando cenários a partir do Solver! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Como alterar rapidamente

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mintzberg Define planejamento estratégico como sendo processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de Planos de saúde: Sete perguntas para fazer antes de contratar Antes de aderir a um plano de saúde, o consumidor precisa se informar sobre todas as condições do contrato, para não correr o risco de ser

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Em reunião de 05 de setembro de 2014, o Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC), autorizado pelo disposto no inciso

Leia mais

1. Súmula. 2. Objetivos. 3. Método

1. Súmula. 2. Objetivos. 3. Método 1. Súmula Realização de estágio curricular supervisionado, atuando na área da Engenharia de Produção. Eperiência prática junto ao meio profissional e entrega de relatório final de estágio. Orientação por

Leia mais

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório.

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório. 1 Introdução A escolha racional dos sistemas estruturais em projetos de galpões industriais é um fator de grande importância para o desenvolvimento de soluções padronizadas e competitivas. No mercado brasileiro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril 2016 2016 367 Prova 11º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CONCEITOS BÁSICOS - TESTES O que é Teste de Software? Teste é o processo de executar um programa com o objetivo

Leia mais

Princípios e Conceitos de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro

Princípios e Conceitos de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro Princípios e Conceitos de Desenho de Software Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro Revisando... Processo Unificado PRAXIS Processo unificado: Dividido em fases e fluxos Fases Concepção,

Leia mais

Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada

Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - Campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 Proposta e desenvolvimento de um sistema de controle de baixo custo para irrigação automatizada

Leia mais

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Orientações de Utilização do Sefaz Virtual Ambiente Nacional para as Empresas Versão 1.0 Fevereiro 2008 1 Sumário: 1. Introdução... 3 2. O que é o Sefaz Virtual... 4 3. Benefícios

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB PRODUTO IX METODOLOGIA PARA CRIAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA AUXÍLIO À TOMADA DE DECISÃO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB PRODUTO IX METODOLOGIA PARA CRIAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA AUXÍLIO À TOMADA DE DECISÃO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB PRODUTO IX METODOLOGIA PARA CRIAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA AUXÍLIO À TOMADA DE DECISÃO Terra Estudos e Projetos Ambientais 11ª Avenida, nº 686 Setor Universitário

Leia mais

Treinamento sobre Progress Report.

Treinamento sobre Progress Report. Treinamento sobre Progress Report. Objetivo O foco aqui é trabalhar o desenvolvimento pessoal de cada aluno. O instrutor irá analisar cada um e pensar em suas dificuldades e barreiras de aprendizado e,

Leia mais