Engenharia de Software II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Software II"

Transcrição

1 Engenharia de Software II Aula 26 Aula 26-21/07/2006 1

2 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap. 22 Seções 22.1 e 22.2) Estimativas (Cap. 23 Seções 23.1 a 23.7) Cronogramação (Cap. 24) Gestão de risco (Cap. 25) Gestão de qualidade (Cap. 26 Seções 26.1 a 26.7) Gestão de modificações (Cap. 27 Seções 27.1 a 27.3) Reengenharia e engenharia reversa Aula 26-21/07/2006 2

3 Gestão de Modificações Modificações são inevitáveis quando software é construído. Modificações podem gerar confusão se: Elas não são analisadas antes de serem feitas. Elas não são registradas antes de serem implementadas. Elas não são comunicadas àqueles que têm necessidade de saber delas. Elas não são controladas para melhorar a qualidade e reduzir os erros. Aula 26-21/07/2006 3

4 Gestão de Modificações Gestão de Modificações = Gestão de Configuração de Software = Software Configuration Management (SCM) É uma atividade guarda-chuva que cuida de: Identificar modificações. Controlar modificações. Garantir que as modificações sejam adequadamente implementadas. Relatar as modificações a outros que possam ter interesse. Aula 26-21/07/2006 4

5 Itens da Configuração de Software (SCIs) Uma configuração de software é formada por: Programas de computador Código-fonte e executável. Produtos de trabalho que descrevem programas de computador Tanto para profissionais como para usuários. Dados Contidos em um programa ou externos a ele. Se cada um dos itens levasse somente à criação de outros itens, pouca confusão resultaria. Porém, cada um desses itens pode (e vai!) ser modificado durante o processo de software. Aula 26-21/07/2006 5

6 Fontes de Modificação Há quatro fontes fundamentais de modificação: Novas condições de negócio ou de mercado levam a modificações nos requisitos ou nas regras de negócio. Novas necessidades do cliente exigem modificação dos dados, funcionalidade ou serviços. Reorganização do negócio causa modificações nas prioridades do projeto ou na estrutura da equipe. Restrição de orçamento ou cronograma causam redefinição do sistema ou produto. Além disso, desenvolvedores podem querer modificar a abordagem técnica. Aula 26-21/07/2006 6

7 Elementos de um Sistema de Gestão de Configuração Elementos de componente Conjunto de ferramentas acoplado a um sistema de arquivos que controla o acesso a cada item da configuração. Elementos de processo Coleção de procedimentos que definem uma abordagem efetiva para a gestão de modificação. Elementos de construção Conjunto de ferramentas que automatizam a construção de software para garantir que a versão correta foi construída. Elementos humanos A equipe deve usar o conjunto de ferramentas e processos efetivamente. Aula 26-21/07/2006 7

8 Referenciais Referencial = baseline Um item que foi formalmente revisto e aprovado e entregue. É um marco no desenvolvimento. Pode ser modificado apenas por meio de procedimentos formais. Antes que o item se torne referencial ele pode ser modificado rápida e informalmente. Aula 26-21/07/2006 8

9 Caminho de Modificação de um SCI Tarefas de engenharia de software Modificados SCIs SCIs Revisões técnicas formais Aprovados SCIs Base de dados do projeto = Repositório do software Armazenados Controles de SCM Extraídos SCIs SCIs Aula 26-21/07/2006 9

10 Exemplos de Itens de Configuração Especificação do sistema Requisitos do software Especificações do projeto Código-fonte Planos de teste/procedimento/dados Ferramentas que foram utilizadas para produzir documentação, código-fonte, código executável e dados. Aula 26-21/07/

11 Organização de SCIs SCIs são organizados para formar objetos de configuração que possam ser catalogados no banco de dados do projeto. Um objeto de configuração tem nome, atributos e é conectado a outros objetos. As conexões indicam determinar que outros objetos são afetados quando um objeto é modificado. Ex.: A especificação de projeto é conectada à especificacão de teste. Aula 26-21/07/

12 O Repositório SCM SCIs são mantidos em um banco de dados ou repositório. O repositório tem as seguintes funções: Integridade de dados Compartilhamento de informação Integração de ferramenta Integração de dados Imposição de metodologia Padronização Aula 26-21/07/

13 Integridade de Dados Valida entradas no repositório. Garante consistência entre objetos relacionados. Executa modificações em cascata quando uma modificação em um objeto exige modificações em outros. Aula 26-21/07/

14 Compartilhamento de Informação Gerencia e controla o acesso de diferentes usuários aos dados, programas e documentos. Bloqueia ou desbloqueia objetos de modo que as modificações não sejam sobrepostas. Aula 26-21/07/

15 Integração de Ferramenta Estabelece um modelo de dados ao qual podem ter acesso várias ferramentas de engenharia de software. Controla o acesso ao modelo de dados. Aula 26-21/07/

16 Integração de Dados Fornece funções de banco de dados que permitem que várias tarefas de SCM sejam executadas em um ou mais SCIs. Aula 26-21/07/

17 Imposição de Metodologia Define o conjunto de passos que precisam ser realizados para construir o conteúdo do repositório. Aula 26-21/07/

18 Padronização de Documentação Define objetos no banco de dados que levem diretamente a uma abordagem normalizada para a criação de documentos de engenharia de software. Templates Aula 26-21/07/

19 Conteúdo do Repositório Regras de negócio Funções de negócio Estrutura da organização Arquitetura da informação Conteúdo do negócio Casos de uso Modelos de análise Diagramas de cenário Diagramas de fluxo Diagramas de classe Modelo de projeto Diagramas arquiteturais Diagramas de interface Diagramas de componente Métricas técnicas Conteúdo do modelo Código-fonte Código-objeto Instruções de construção do sistema Conteúdo da construção Conteúdo de V&V Casos de teste Scripts de teste Resultados de teste Métricas de qualidade Conteúdo de gestão de projeto Estimativas de projeto Cronograma de projeto Requisitos de SCM Solicitações de modificações Relatórios de modificação Requisitos de SQA Plano de projeto Plano SCM/SQA Especificação do sistema Documentos Especificação de requisitos Documento de projeto Plano e procedimento de teste Documentos de apoio Aula 26-21/07/2006 Manual de Usuário 19

20 Características do Repositório Determinação de versão Controla modificações dos produtos de trabalho antes e depois da entrega ao cliente. Deve permitir aos desenvolvedores voltar a versões anteriores. Acompanhamento de dependência e gestão de modificação. Acompanha os relacionamentos entre as múltiplas versões dos produtos de trabalho para proporcionar modificações eficientes. Acompanhamento dos requisitos. Acompanha todos os produtos de trabalho que resultam de uma especificação de requisitos (acompanhamento avante). Identifica qual requisito gerou um produto de trabalho (retroacompanamento). Gestão de configuração Acompanha uma série de configurações representando marcos de projeto ou versões de produto específicos. Pistas de auditoria Estabelece informação adicional sobre quando, por que e por quem modificações foram feitas. Aula 26-21/07/

21 Objetivos do Processo de SCM 1. Identificar todos os itens que definem coletivamente a configuração de software. 2. Gerir modificações em um ou mais desses itens. 3. Facilitar a construção de diferentes versões de uma aplicação. 4. Garantir que a qualidade do software seja mantida à medida que a configuração evolui ao longo do tempo. Aula 26-21/07/

22 Tarefas de SCM Identificação Controle de versão Controle de modificação Auditoria de configuração Preparação de relatórios Aula 26-21/07/

23 Identificação de Objetos Cada item da configuração deve receber um nome e ser gerenciado usando uma abordagem orientada a objetos. Há dois tipos de objetos: Objetos básicos Criados durante a análise, projeto, codificação ou teste. Objetos agregados Coleção de objetos básicos e outros objetos agregados. Cada objeto tem um conjunto de atributos que o identificam unicamente. Nome, descrição, lista de recursos e uma realização (um ponteiro para o produto de trabalho). Diagramas de classes podem ser usados para representar o inter-relacionamento entre os objetos. Aula 26-21/07/

24 Controle de Versão Combina procedimentos e ferramentas para gerir diferentes versões de objetos de configuração. Possui quatro capacidades principais: Repositório que guarda todos os objetos de configuração relevantes. Capacidade de gestão de versão que guarda todas as versões de um objeto de configuração. Ou permite que qualquer versão seja construída a partir de diferenças. Facilidade de construir que permite ao engenheiro de software coletar todos os objetos de configuração relevantes e gerar uma versão específica do software. Acompanhamento de tópicos que permite à equipe registrar e acompanhar o estado de todos os tópicos importantes relacionados a cada objeto. Aula 26-21/07/

25 CVS Sistema de Versões Concorrentes CVS é uma ferramenta amplamente usada para controle de versão. Código aberto, disponível para a maioria das plataformas. Arquitetura cliente/servidor permite o acesso remoto aos arquivos. Foi projetada para código-fonte mas é útil para qualquer arquivo baseado em texto. O sistema CVS: Estabelece um repositório simples. Mantém todas as versões de um arquivo em um único arquivo, armazenando somente as diferenças. Protege contra modificações simultâneas de um arquivo, estabelecendo diretórios diferentes para cada desenvolvedor. O CVS combina modificações quando cada desenvolvedor completa seu trabalho. Outras ferramentas (ex: Makefile) precisam ser integradas para construir versões. Não implementa controle de modificação. Aula 26-21/07/

26 Controle de Modificações A necessidade de modificação é reconhecida Pedido de modificação Em projetos grandes, deve existir um processo formal para controlar modificações de objetos que tenham se tornado referenciais. Avaliação do pedido Relatório de modificação é gerado A autoridade de controle de modificação decide A solicitação é colocada em fila Pedido é negado Objetos de configuração relevantes são retirados A modificação é feita e revisada Objetos de configuração modificados são reintroduzidos Atividades de garantia de qualidade e testes são realizadas Modificações são incluídas na próxima versão que é construída Nova versão é distribuída Aula 26-21/07/

27 Auditoria de Configuração Como podemos garantir que a modificação foi adequadamente implementada? Revisão técnica formal Auditoria de configuração de software A modificação foi feita sem mudanças adicionais? Uma revisão técnica formal foi conduzida para avaliar a correção técnica? A modificação foi especificada e refletida no SCI? Os procedimentos SCM foram seguidos? Todos os SCIs relacionados foram adequadamente atualizados? Aula 26-21/07/

28 Preparação de Relatórios de Estado Um relatório de estado deve responder às seguintes questões: O que aconteceu? Quem fez? Quando aconteceu? O que mais será afetado? O relatório é gerado regularmente e se destima a manter a gerência e os profissionais informados de modificações importantes. Aula 26-21/07/

Gerenciamento de Configuração de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015

Gerenciamento de Configuração de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Gerenciamento de Configuração de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Contextualizando 2 ISO 12207: Estrutura Processos Fundamentais Aquisição Processos

Leia mais

PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process

PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process PSP- Personal Software Process Maria Cláudia F. P. Emer PSP: Personal Software Process z Já foram vistas ISO/IEC 9126 foco no produto ISO 9001 e CMM foco no processo de desenvolvimento z Critica a essas

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Configuração

Plano de Gerenciamento de Configuração Plano de Gerenciamento de Configuração Controle de Versões Versão Data Autor Notas da Revisão 0.1 29/11/2016 Deborah Araujo Denis Ferreira Ezio Mendonça - Plano de gerenciamento de Configuração Página

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Processo de Desenvolvimento de Software

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Processo de Desenvolvimento de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa Atividades da Engenharia de DEFINIÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO Análise de Sistema

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 6-10/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Paradigmas e Processo de Software Engenharia de Software: Abrangência Engenharia de Software possui

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Visão Geral Profa.Paulo C. Masiero masiero@icmc.usp.br ICMC/USP Algumas Dúvidas... Como são desenvolvidos os softwares? Estamos sendo bem sucedidos nos softwares que construímos?

Leia mais

CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software

CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software CVS Controle de Versões e Desenvolvimento Colaborativo de Software Cristiano Caetano Novatec Editora Capítulo 1 Introdução ao CVS Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 7 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 7-12/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 Plano de Ensino e Aprendizagem 2 3 Objetivos CONTEÚDO Se preparar para o inicio de um projeto Acompanhamento projeto Controles Métricas

Leia mais

ISO/IEC 12207: Manutenção

ISO/IEC 12207: Manutenção ISO/IEC 12207: Manutenção O desenvolvimento de um sistema termina quando o produto é liberado para o cliente e o software é instalado para uso operacional Daí em diante, deve-se garantir que esse sistema

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 12 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 12-31/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software (Caps. 2, 3 e 4 do Pressman) Estratégias e técnicas de teste

Leia mais

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 O Processo Unificado: Workflow de Análise Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 Workflow de Análise Objetivos da análise: manter uma especificação precisa dos requisitos

Leia mais

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F.

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F. Diagramas UML Classe, Seqüência e Atividades Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 15 de maio

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio Requisitos de Software e UML Básico Janaína Horácio janaina@les.inf.puc-rio.br Agenda Requisitos O que é? Objetivos? Atividades?... UML O que é? Modelos... Casos de Uso O que é? Componentes 2 Requisitos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1 CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade Versão 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 04/05/2013 1.0 Verificação do documento Emerson José Porfírio 21/04/2013 1.0 Elaboração do documento

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Agenda Visão Geral de Qualidade Qualidade Aplicada ao Software

Leia mais

Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados. Introdução

Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados. Introdução Conceitos relativos a Banco de Dados & Modelos de Informação de Banco de Dados Prof. Anderson Henriques Introdução A quantidade de informação relevante para a tomada de decisões nas organizações é muito

Leia mais

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CONCEITOS BÁSICOS - TESTES O que é Teste de Software? Teste é o processo de executar um programa com o objetivo

Leia mais

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD ADMINISTRADOR DA BASE DE DADOS Em qualquer organização onde muitas pessoas compartilham muitos recursos, existe a necessidade de um administrador

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

PCS LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA

PCS LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais PCS - LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA EXERCÍCIO PROGRAMA

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 1.1 - O teste nas fases de vida e de desenvolvimento de um software. 1.2 - O teste na engenharia de sistemas e na engenharia de

Leia mais

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU Aula 2 BD Introdução Profa. Elaine Faria UFU - 2017 Motivação A quantidade de informação disponível está crescendo exponencialmente Os dados e as informações tem um papel importante para as organizações

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES Paradigmas da Engenharia de Software AULA 03-04 PROF. ABRAHAO LOPES Introdução O processo de software é visto por uma sequência de atividades que produzem uma variedade de documentos, resultando em um

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa Qualidade de : Visão Geral SSC 121-Engenharia de 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Qualidade de Qualidade é um termo que pode ter diferentes interpretações Existem muitas definições

Leia mais

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa Gestão de Modificações Fabrício de Sousa Introdução Inevitáveis quando o software é construído Confusão As modificações não são analisadas antes de serem feitas Não são registradas antes de serem feitas

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE. Aula 03 Processos de Software

ENGENHARIA DE SOFTWARE. Aula 03 Processos de Software ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processos de Software AGENDA Modelos de processo de software Atividades do processo Lidando com mudanças Rational Unified Process (RUP) 14/03/2017 IFPR QUEDAS DO IGUAÇU -

Leia mais

Arquitetura de software

Arquitetura de software Arquitetura de software Problema: vamos implementar um clone do compraentrega.com.br Mantém preços atualizados Recebe encomendas e pagamento Recomenda itens a usuários Por onde começamos? Arquitetura =

Leia mais

Diagrama de Componentes e Implantação

Diagrama de Componentes e Implantação Diagrama de Componentes e Implantação Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User

Leia mais

Gerência da Configuração de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Gerência da Configuração de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Gerência da Configuração de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Propósito Garantir a integridade dos itens que compõem uma versão do produtos de software, através do controle de versões e mudanças dos

Leia mais

Falta Erro Falha. Motivação. Teste de Software. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro 6/6/11

Falta Erro Falha. Motivação. Teste de Software. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro. Falha, Falta e Erro 6/6/11 Motivação Teste de Software Ocorrência de falhas humanas no processo de desenvolvimento de software é considerável Processo de testes é indispensável na garantia de qualidade de software Custos associados

Leia mais

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds TS04 Teste de Software PLANOS DE TESTE COTI Informática Escola de Nerds 1. PLANOS DE TESTE. Tipos de Testes de Software Teste Funcional Uma especificação funcional é uma descrição do comportamento esperado

Leia mais

Análise de Ponto de Função APF. Aula 02

Análise de Ponto de Função APF. Aula 02 Análise de Ponto de Função APF Aula 02 Agenda Parte 01 Introdução a Métricas de Software Parte 02 A Técnica de APF O que é APF? Objetivos Benefícios Conceitos Básicos Visão Geral dos Procedimentos de Contagem

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Gerenciamento do Escopo Projeto - Ciclo de Vida Fases 3 EXECUÇÃO / CONTROLE 4 FECHAMENTO NÍVEL DE ATIVIDADE 1 CONCEPÇÃO / INICIAÇÃO 2 PLANEJAMENTO TEMPO Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e

Leia mais

Class Responsibilities and Collaborators

Class Responsibilities and Collaborators Class Responsibilities and Collaborators Cartões que representam as responsabilidades e as interações das classes Utilizados para estimular o aprendizado do paradigma da orientação a objetos Dimensões

Leia mais

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software O Modelo CMM/SEI Francisco Rapchan Engenheiro de Computação Prof. do Depto de Informática - UFES / UNESC Mestrando em Informática Área de estudo: Engenharia de Software www.inf.ufes.br/~.br/~rapchanrapchan

Leia mais

Documentação de Software. Simone Vasconcelos

Documentação de Software. Simone Vasconcelos Documentação de Software Simone Vasconcelos 1 Contexto Qualquer software deve ter uma quantidade razoável de documentação.! Documentos de trabalho.! Manuais de usuário produzidos profissionalmente. Em

Leia mais

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaprocessoteste.odt Número de páginas: 11 Versão Data Mudanças Autor 1.0 26/12/07 Criação.

Leia mais

CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3)

CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3) CellBus Plano de Gerenciamento de Qualidade Versão (1.3) HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Data Versão Descrição Autor 24/09/2016 1.0 Criação do Documento Cibellie Adrianne 27/09/2016 1.1 Modificações e Alterações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

- Prototipação Iterativa - Observação Direta

- Prototipação Iterativa - Observação Direta - Prototipação Iterativa - Observação Direta Júnia Coutinho Anacleto Silva Maio/2004 Prototipação Iterativa A interface com o usuário é a porta de entrada da aplicação, e desempenha um papel fundamental

Leia mais

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 2 Definição de atividades Sequenciamento das atividades 1 6.1 Definir as atividades 1 Lista das atividades A lista das atividades é uma lista abrangente que inclui todas as atividades necessárias

Leia mais

Padrão para Especificação de Requisitos de Produto de Multimídia

Padrão para Especificação de Requisitos de Produto de Multimídia Padrão para Especificação de Requisitos de Produto de Multimídia 1 Introdução 1.1 Escopo do documento Sugere-se aqui uma estrutura para a Especificação de Requisitos de Produto de Multimídia (ERPM). Esta

Leia mais

Rational Unified Process (RUP)

Rational Unified Process (RUP) Rational Unified Process (RUP) A Rational é bem conhecida pelo seu investimento em orientação em objetos. A empresa foi à criadora da Unified Modeling Language (UML), assim como de várias ferramentas que

Leia mais

1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DGTI) - Universidade Federal de Lavras

1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DGTI) - Universidade Federal de Lavras Descrição do processo de desenvolvimento de software com empresa contratada pela UFLA Bruno da Silva Gonçalves 1, Fernando Elias de Oliveira 1, Ramon Abílio 1 1 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO ALUNO: LEONARDO DE S. BRASIL MATRICULA: 04132513 ORIENTADOR: RICARDO PEREIRA E SILVA PROFESSOR:

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Introdução INTRODUÇÃO AO SWEBOK. Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Introdução a Computação e Engenharia de Software

Introdução INTRODUÇÃO AO SWEBOK. Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Introdução a Computação e Engenharia de Software INTRODUÇÃO AO SWEBOK Introdução a Computação e Engenharia de Software Profa. Cynthia Pinheiro Introdução Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Engenharia da Computação Ciência da

Leia mais

www.smap3d Plant Design.com

www.smap3d Plant Design.com www.smap3d Plant Design.com Smap3D Plant Design Planta em 2D/3D Inteligente e Projeto de Tubulação Do diagrama de P&ID para projeto em 3D e para os Isométricos Smap3D Plant Design é o software de CAD 3D

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 3-12/09/2007 1 Objetivo da disciplina O objetivo dessa disciplina é dar ao aluno noções básicas de computação. Serão apresentados

Leia mais

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2)

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Professor: José Ronaldo Leles Júnior Turma: 2º ano do curso de Sistemas de Informação UEG Universidade Estadual de Goiás Campus Posse POO Paradigma Orientado

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda Rodrigo Reis Cleidson de Souza! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados!

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

Versão: 1.0 Doc Manager

Versão: 1.0 Doc Manager Plano de Gerenciamento de Configuração versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza 1 Data: 10/04/2016

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento

Prof. Luiz A. Nascimento Prof. Luiz A. Nascimento Qual a importância da Engenharia de Software? O desenvolvimento de um software envolve processos muitos complexos. A engenharia de software estabelece um modelo para se construir

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE III Banco de Dados Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceito de Banco de Dados. Problemas com Banco de Dados. Modelos de Relacionamento de um Banco de Dados. SGDB

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Aula 5

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Aula 5 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 5 1 AGENDA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Tecnicas e conhecimentos (PMI) Processo Praxis 3.0 (Baseado em PMI) Visão Geral Atividades Bibliografia 2 Questões

Leia mais

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E 1 2 3 4 5 6 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO ENGENHARIA DE SOFTWARE 8ª EDIÇÃO/2007 IAN SOMMERVILLE CAPÍTULO ESTIMATIVAS DE CUSTO DE SOFTWARE 7 CONCEITOS DE LUCROS E DESPESAS Lucro = Receita Despesa Procura

Leia mais

O que é um sistema distribuído?

O que é um sistema distribuído? Disciplina: Engenharia de Software 4 Bimestre Aula 1: ENGENHARIA DE SOFTWARE DISTRIBUÍDO O que é um sistema distribuído? Segundo Tanenbaum e Steen (2007) um sistema distribuído é uma coleção de computadores

Leia mais

Prof. Esp. Fabiano Taguchi

Prof. Esp. Fabiano Taguchi UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com UML COMPETÊNCIA: Conhecer e desenvolver estudos de caso usando modelagem orientada a objeto. HABILIDADE: Conhecer

Leia mais

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 3- Modelo de Entidades e Relacionamentos. Prof. Daniela Barreiro Claro

MATA60 BANCO DE DADOS Aula 3- Modelo de Entidades e Relacionamentos. Prof. Daniela Barreiro Claro MATA60 BANCO DE DADOS Aula 3- Modelo de Entidades e Relacionamentos Prof. Daniela Barreiro Claro Agenda Modelo de Dados MER 2 de X; X=37 Modelo de Dados O Modelo de Dados é a principal ferramenta que fornece

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER)

Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER) Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER) slide 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. Publishing as Pearson Addison-Wesley Tópicos Usando modelo de dados conceituais de alto nível

Leia mais

Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria. Leonardo Gresta Paulino Murta

Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria. Leonardo Gresta Paulino Murta Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Exercício motivacional Leonardo Murta Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria 2 Qualidade depende da perspectiva...

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 29 de Outubro de 2013. Revisão aula passada Modelagem de sistemas Perspectiva externa Perspectiva de iteração

Leia mais

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 6

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 6 Engenharia de Software Ficha T. Prática nº 6 Fonte: Eng. De Software, Colecção Schaum Objectivo: Garantia da qualidade do software 1. Introdução Existem muitas maneiras de definir a qualidade. Nenhuma

Leia mais

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sumário PREFÁCIO...3 MODELO DA DOCUMENTAÇÃO...3 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO...3 1.1. Tema...3 2. DESCRIÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Sobre a Metodologia de Desenvolvimento de Software Extreme Programming (XP), explique e cite os benefícios

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Estilos Arquiteturais

Universidade Federal de Goiás Estilos Arquiteturais Universidade Federal de Goiás Estilos Arquiteturais Prof. Helder Brito Nascimento Instituto de Informática helderbn@gmail.com O que é um estilo de arquitetura Como você diferencia uma construção da outra?

Leia mais

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2

Modelos em Sistemas de Informação. Aula 2 Modelos em Sistemas de Informação Aula 2 Referências básicas da aula Paulo Cougo - Modelagem conceitual e Projeto de Banco de Dados. Craig Larman - Utilizando UML e padrões. Roger Pressman - Engenharia

Leia mais

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães.

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães. Data Warehouse ETL Rodrigo Leite Durães rodrigo_l_d@yahoo.com.br Introdução Um dos desafios da implantação de um DW é a integração dos dados de fontes heterogêneas e complexas, padronizando informações,

Leia mais

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1 Capítulo 6 Projeto de arquitetura slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Os tópicos abordados Decisões de projeto de arquitetura Visões de arquitetura Padrões de arquitetura

Leia mais