Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios"

Transcrição

1 Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte das informações tecnológicas necessárias para o desenho de qualquer circuito elétrico de comando seguro e eficaz para o controle dos movimentos de atuadores pneumáticos. O método intuitivo, dentre outras, é uma destas técnicas. No método intuitivo utiliza-se o mecanismo do pensamento e do raciocínio humano na busca da solução de uma situação-problema apresentada. Dessa forma, se podem obter diferentes soluções para um mesmo problema em questão, que é característica principal do método intuitivo. Porém nada impede que o método intuitivo se apóie também em alguma forma de ferramenta. Tanto o método intuitivo (quando bem apoiado por uma ferramenta de raciocínio), quanto o método cascata (também chamado de seqüência mínima ou minimização de contatos) apresentam a característica de reduzir número de relés auxiliares utilizados no comando elétrico. Tal redução é muito desejável quando se projeta um comando que será implementado utilizando componentes físicos reais, pois significa considerável redução de custos. Entretanto o método intuitivo difere do método cascata pela forma de raciocínio e pelo tipo de ferramenta de apoio utilizada: o método intuitivo é apoiado pela ferramenta denominada Mapa de Acionamentos, utilizando como referência um diagrama Trajeto-Passo e / ou uma Seqüência Algébrica. Exemplo de mapa de acionamentos: RELÊS AUXILIARES SOLENOIDES DE VÁLVULAS MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA CHAVES FIM DE CURSO Sem tal ferramenta de apoio o método intuitivo é possível, mas se torna muito menos eficiente não garantindo uma minimização do uso de relês auxiliares e ficando ainda dependente de uma rotina de tentativa e erro. O método intuitivo considera ainda duas regras básicas: Utiliza relês auxiliares para funções de memorização do comando de válvulas direcionais que são acionadas por simples solenóide; 1

2 Utiliza relês auxiliares para resolver problemas de lógica seqüencial: com o recurso da combinação de sinais de modo a prover a habilitação ou desabilitação de um dado sinal de comando para os casos de sobreposição de sinais. A sobreposição de sinais ocorre de um modo que ela afeta o comando de um próximo movimento de uma dada seqüência, sempre após a ocorrência de dois movimentos consecutivos de sentidos opostos, de um mesmo atuador. A combinação de sinais é implementada associando-se em série ou paralelo no circuito os contatos relativos a estes sinais: Dois contatos NA em série se a função da combinação for ligar um relê auxiliar ou um solenóide de válvula (função lógica E ); Dois contatos NF em paralelo se a função da combinação for desligar um relê auxiliar ou um solenóide de válvula (função lógica Não-E ). Exercício: Dado o diagrama pneumático abaixo: A S1 S2 B S3 S4 Y1 Y2 Y3 Usando o método intuitivo, elaborar o diagrama de comando para as seguintes seqüências: 1- A+ B+ A- B- 2- A+ A- B+ B- 3- A+ B+ B- A- 4- A+ A- B+ A+ A- B- Considere ainda, para elaboração do circuito de comando de todas as 4 seqüências propostas, a necessidade de incluir um botão de partida, manualmente comandado, para dar início à execução da seqüência de acionamentos. 2

3 Exemplos de Soluções para os Exercícios Propostos: Situação Inicial da Planta (para todos os exercícios propostos) Situação de repouso do sistema com alimentação de ar ligada: A B 1- A+ B+ A- B- Comentário: Comece o mapa de acionamentos assinalando nele a seqüência de movimentos desejada: RELÊS AUXILIARES SOLENOIDES DE VÁLVULAS MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA A+ B+ A- B- CHAVES FIM DE CURSO Em acionamentos seqüenciais de atuadores eletropneumáticos, normalmente o primeiro movimento é comandado a partir do acionamento manual de um botão de partida (push-button) e cada um dos movimentos subseqüentes é comandado a partir do acionamento da respectiva chave de fim de curso do movimento anterior. A única exceção a essa regra são os casos de seqüências nas quais ocorre sobreposição de sinais, conforme a definição dada à ocorrência desses casos. B1 RELÊS AUXILIARES SOLENOIDES DE VÁLVULAS MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA A+ B+ A- B- CHAVES FIM DE CURSO S2 S4 S1 S3 3

4 Para se solucionar a lógica de comando para um acionamento seqüencial devemos começar com os seguintes questionamentos: Qual solenóide dever ser energizado para provocar um dado movimento? A válvula associada a esse solenóide é de duplo ou simples solenóide? No caso de válvula de duplo solenóide, além de acionar o solenóide relacionado ao movimento desejado, deve-se também tomar o cuidado de que o solenóide do movimento oposto não esteja simultaneamente acionado, caso contrário, a contrapressão impediria o movimento desejado. Já no caso de válvula de simples solenóide com retorno por mola, para retornar basta apenas cortar a energia do solenóide de avanço, mas, em contrapartida, é preciso se ter em mente a necessidade de manter a energização do solenóide de avanço por tanto tempo quanto se deseje que o avanço seja mantido e é justamente aqui que faz necessária a utilização de um relê auxiliar. Para que o relê auxiliar mantenha o solenóide de avanço ativado é necessário que o seu comando possua alguma forma de retenção. Esta retenção pode ser obtida por um esquema de ligação que utiliza um contato NA do próprio relê (K1) associado em paralelo com o contato NA do elemento acionador (B1) para manter o relê energizado. A este contato denominamos contato de selo, e o esquema de ligação é conforme mostrado na figura a seguir: Repare que sempre que utilizarmos este esquema de ligação, nós podemos antecipadamente prever a necessidade do uso de um contato NF em série (por exemplo, S4), para que tenhamos a possibilidade de, no devido momento, desenergizar o relê. Caso contrário o relê permaneceria selado, energizado por tempo indefinido. Podemos considerar o comando para esta seqüência (A+ B+ A- B-) relativamente simples de solucionar uma vez que nela não ocorre sobreposição de sinais, pois nesta seqüência não há ocorrência de dois movimentos consecutivos de sentidos opostos, de um mesmo atuador. Assim, usaremos apenas um relê auxiliar, que terá a finalidade de fazer a retenção da ativação da válvula simples solenóide associadas ao cilindro A. Mapa de Acionamentos: B1 RELÊS AUXILIARES K1 K1 SOLENOIDES DE VÁLVULAS Y1 Y2 Y1 Y3 MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA A+ B+ A- B- CHAVES FIM DE CURSO S2 S4 S1 S3 4

5 Diagrama de Comando: Versão 1 : Esta solução de comando atende perfeitamente a necessidade da seqüência especificada. No entanto algo ainda pode ser melhorado. Repare que o solenóide Y3 permanece energizado mesmo quando a planta esta em seu estado de repouso. Isso pode não ser conveniente, pois pode reduzir a vida útil do solenóide bem como significa um desperdício de energia elétrica. Podemos facilmente ser evitado com uma pequena modificação na linha de comando do solenóide Y3, conforme apresentado a seguir: 5

6 Versão 2 : Coluna Extra B1 RELÊS AUXILIARES K1 K1 SOLENOIDES DE VÁLVULAS Y1 Y2 Y1 Y3 Y3 MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA A+ B+ A- B- CHAVES FIM DE CURSO S2 S4 S1 S3 Associando um contato NF de S3 à linha de comando do solenóide Y3 evitamos que o mesmo permaneça energizado quando a planta se encontra no estado de repouso. Problema semelhante a este poderá ocorrer em outras seqüências dadas, assim, para que a solução do mesmo não fique como um aprimoramento a posteriori, podemos assumir como regra, adotarmos de antemão que o mapa de acionamentos tenha sempre uma coluna a mais que o número de movimentos previstos na seqüência. Algo ainda interessante de ser notado é que nós ativamos o solenóide Y3 sem nos preocuparmos em desativar o solenóide Y2, sendo que ambos estão associados à mesma válvula direcional duplo solenóide. Isto foi possível devido ao fato de que ao ativarmos Y3, Y2 já havia se desligado automaticamente no início do movimento A-. Mas fique atento, pois este desligamento automático nem sempre ocorre em outras seqüências, como é o caso das que veremos posteriormente. 6

7 2- A+ A- B+ B- Comentário: Nesta seqüência também usaremos um relê auxiliar com a finalidade de fazer a retenção da ativação da válvula simples solenóide associadas ao cilindro A. Entretanto um segundo relê auxiliar será também necessário, pois nesta seqüência certamente temos a ocorrência de sobreposição de sinais, uma vez que temos dois movimentos consecutivos de sentidos opostos de um mesmo atuador (A+ A-), afetando a ativação do próximo movimento da seqüência (B+); Temos ainda outros dois movimentos consecutivos e de sentidos opostos de um mesmo atuador (B+ B-), mas, neste caso, estes movimentos encerram a seqüência, não existindo assim, nenhum movimento posterior que venha a ter seu comando afetado. O modo como o comando do movimento B+ é afetado pela sobreposição de sinais é que tal movimento não poderá ser comandado simplesmente pela condição dada pelo sinal da chave de fim de curso do movimento imediatamente anterior (S1), mas sim, devemos criar uma outra condição apropriada para comandar este movimento. Isso porque devemos considerar e diferenciar duas situações: 1) A chave fim de curso S1 está acionada por que ainda não executamos o movimento A+, por exemplo, a planta está no estado de repouso, ou; 2) A chave fim de curso S1 está acionada por que já acabamos de realizar o movimento A-. Somente no segundo caso o movimento B+ deverá ser executado, mas no primeiro caso ele deve ser evitado! Deste modo, a condição adequada para ativar o movimento B+ é: A chave S1 deve estar acionada E O movimento A+ já deve ter sido previamente executado Assim devemos fazer uso de um relê auxiliar (K2) para memorizar que o evento A+ já foi executado. Mapa de Acionamentos: B1 RELÊS AUXILIARES K1 K2 K1 K2 SOLENOIDES DE VÁLVULAS Y1 Y1 Y2 Y2 Y3 MOVIMENTOS DA SEQÜÊNCIA A+ A- B+ B- CHAVES FIM DE CURSO S2 K2 S1 S4 S3 7

8 Repare que, ao final do movimento A-, o sinal da chave de fim de curso S1 se torna ativo mas o comando do próximo movimento (B+) não será feito diretamente por este sinal (S1), mas sim por uma combinação E deste sinal com o sinal do relê K2, ou seja: S1 K2 A função E é representada pelo símbolo. Em termos de circuito, podemos implementar tal função E por associar em série dois contatos Nados respectivos sinais, como mostrado a seguir: O solenóide Y2 somente será energizado se, e somente se, ambos os contatos K2 e S1 forem acionados, ou seja, somente se K2 E S1 forem simultaneamente acionados. Diagrama de Comando: Versão 1 : 8

9 Versão 2 : Repare que, diferentemente do exercício anterior não foi necessária a utilização da coluna extra do mapa de acionamentos, uma vez que o solenóide Y3 se desliga automaticamente ao iniciarmos o último movimento (B-). As duas soluções de comando mostradas acima satisfazem igualmente a seqüência do exercício 2, o único detalhe diferente é que: Na versão 2 usamos a seguinte estratégia: S2 K2 K1 Enquanto que na versão 1 usamos a estratégia: S2 K2 K1 Apesar da diferença, a funcionalidade é exatamente a mesma, no entanto, via de regra, a versão 2 é mais conveniente para a consistência do método intuitivo, ou seja, se precisamos ligar um relê auxiliar e, concomitantemente, desligar outro, primeiramente devemos ligar o relê que precisa ser ligado para em seguida, usamos um de seus próprios contatos, para desligar o outro relê que precisamos desligar. Essa conveniência é devida a alguns bons motivos, os quais não se aplicam agora neste exercício, com esta seqüência, mas que surgirão com certeza nos próximos exercícios, que têm seqüências em ordens diferentes e que possuem maior número de movimentos. Entre estes motivos podemos alistar: O relê auxiliar a ser ligado num determinado momento é sempre um único relê, ao passo que no mesmo momento relês a serem desligados podem vir a serem vários; Nos casos em que o comando para ligar um determinado relê resulta de uma combinação de sinais (combinação de contatos), uma vez que este relê seja efetivamente ligado, um único contato deste relê já carrega toda a condição da combinação de sinais; 9

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS

COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS 1. INTRODUÇÃO COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS Os circuitos pneumáticos e eletropneumáticos cujas ações são simples (avanço e retorno de um atuador com algumas poucas condições), são chamados de comandos intuitivos,

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do ES CEFET-ES Unidade Descentralizada da Serra - Eletro Hidro Pneumática - Prof. Fabricio Bertholi Dias

Centro Federal de Educação Tecnológica do ES CEFET-ES Unidade Descentralizada da Serra - Eletro Hidro Pneumática - Prof. Fabricio Bertholi Dias 1. Método Sistemático O caminho mais simples para a construção de qualquer comando e de forma segura, consiste em desconectar o sinal quando este não é mais necessário, o que significa a anulação após

Leia mais

Método Cascata Elétrica

Método Cascata Elétrica Método Cascata Elétrica - Teoria e Prática - ADEMIR BASSANESI ANTÔNIO CARLOS LOPES 1.0 APRESENTAÇÃO Dentro da automação industrial de sistemas discretos, o sequenciamento de movimentos de atuadores e o

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte IV 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte IV 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte IV 14/02/2015 1 14/02/2015 2 Os diagramas pneumáticos de funcionamento são utilizados para representar as sequências funcionais, de comandos mecânicos,

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3 UNIFEI EME60 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3 Circuito 5: avanço manual, retorno automático e controle de velocidade ula 0 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Circuito 6: avanço manual,

Leia mais

Campus Assis Chateaubriand. Professor: Darlan Roque Dapieve

Campus Assis Chateaubriand. Professor: Darlan Roque Dapieve Campus Assis Chateaubriand Professor: Darlan Roque Dapieve darlan.dapieve@ifpr.edu.br Métodos de Interpretação de Circuitos Pneumáticos Ainda não existe um método geral, porém, ainda predomina para pequenos

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

CADERNO DE. - Engenharia de Controle e Automação - Sistema Hidráulicos e Pneumáticos EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA

CADERNO DE. - Engenharia de Controle e Automação - Sistema Hidráulicos e Pneumáticos EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA -.. 4.. A B C D. 4..... 4..... 4. Faculdade Anhanguera Sorocaba Engenharia de Controle e Automação Prof. Nelsão Nome Série/Turma/Período Registro Acadêmico 0 -PROF.

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Circuitos Pneumáticos

Circuitos Pneumáticos www.iesa.com.br 1 Circuitos Pneumáticos Exemplos: 1) Comando de um cilindro de ação simples ) Comando de um cilindro de ação dupla 3) Comando indireto de um cilindro de ação simples 4) Comando indireto

Leia mais

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS VÁLVULAS Vimos que para os atuadores funcionarem é necessário que o ar comprimido chegue até eles. Ainda não explicamos como isso ocorre, porém não é difícil imaginar uma tubulação de aço, borracha ou

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP

METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP Na estrutura de um SFC, observa-se claramente a existência de três elementos básicos: as transições, as etapas e as ações. Assim, se cada um desses elementos for corretamente

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

COMPONENTES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações Elétricas e o Projeto de Arquitetura Roberto de Carvalho Júnior

COMPONENTES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações Elétricas e o Projeto de Arquitetura Roberto de Carvalho Júnior COMPONENTES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Instalações Elétricas e o Projeto de Arquitetura Roberto de Carvalho Júnior PONTOS DE ILUMINAÇÃO Prever pelo menos um ponto de luz no teto, comandado por um interruptor

Leia mais

Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04

Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04 UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04 EME-6 e EME60 ula 0 6--009 Prof. José Hamilton haves Gorgulho Júnior onsiste em cortar a alimentação de ar comprimido dos elementos de sinal que estiverem

Leia mais

Índice. tabela das versões do documento. GPOP - Gerenciador POP 1598510_05 01 11/01/2016 1/14. título: GPOP. assunto: Manual de utilização

Índice. tabela das versões do documento. GPOP - Gerenciador POP 1598510_05 01 11/01/2016 1/14. título: GPOP. assunto: Manual de utilização título: GPOP assunto: Manual de utilização número do documento: 1598510_05 índice: 01 pag.: 1/14 cliente: geral tabela das versões do documento índice data alteração 01 11/01/2016 versão inicial 02 03

Leia mais

Técnicas de Comandos Pneumáticos TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS

Técnicas de Comandos Pneumáticos TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS 1 Apostila de Técnicas de Comandos Pneumáticos. MICRO CAPACITAÇÃO - 2006 Coordenação: Cláudio Júlio Francisco José Eduardo May Revisão técnica: Cláudio Julio Francisco

Leia mais

Microrutores Precauções na Instalação

Microrutores Precauções na Instalação Terminologia Microrutor... interruptor elétrico de precisão com ação rápida dos contatos, mecanicamente operado e... características controladas; Mecanismo de Ação rápida... Mecanismo interno do microrutor

Leia mais

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE I EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE Ligar e desligar uma lâmpada através de uma única chave pulsante. Toda vez que a chave for pressionada a lâmpada deve mudar de estado, mantendo

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva Controladores Lógicos Programáveis Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva E-mail: jmauricio@cear.ufpb.br www.cear.ufpb.br/juan 1 Dispositivos de programação 1. Componentes de um CLP Fonte de Alimentação

Leia mais

Exercícios de Programação CLP

Exercícios de Programação CLP Exercícios de Programação CLP 1 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando uma chave liga/desliga (knob) de duas posições. 2 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando push-bottoms,

Leia mais

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs 1) Introdução Em problemas nos quais as ações de comando são seqüenciais ou então tempo dependentes, a modelagem lógica, representada unicamente com

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES PEA - Eletrotécnica Geral 1 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES OBJETIVO LIGAR/DESLIGAR EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS À DISTÂNCIA, DE UM OU MAIS LOCAIS; CONHECER A SITUAÇÃO OPERATIVA DO EQUIPAMENTO (LIG/DESLIG/

Leia mais

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA 1 SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA Neste item apresentaremos o resumo dos símbolos usuais empregados em diagramas pneumáticos e hidráulicos. A Tabela 1 apresenta alguns símbolos para os atuadores, conforme a norma

Leia mais

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1.

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1. Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM PROXSYS Versão 1.4 Setembro -2015 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

RT-1000 Manual de Instalação, Operação e Programação

RT-1000 Manual de Instalação, Operação e Programação Introdução O é um amplificador de 50W / 100W criado para comandar todas as funções acústicas e visuais de um veiculo adaptado com barra sinalizadora e sirene. Possui entradas e saídas digitais que permitem

Leia mais

Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI. Profª Danielle Casillo

Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Dispositivo de Selagem de Doce de Leite HI Profª Danielle Casillo Estudo de Caso: Dispositivo de Selagem de Doce

Leia mais

3. Portas Lógicas. Objetivos. Objetivos. Introdução. Circuitos Digitais 31/08/2014

3. Portas Lógicas. Objetivos. Objetivos. Introdução. Circuitos Digitais 31/08/2014 Objetivos 3. Portas Lógicas Descrever a operação do inversor, da porta AND e da porta OR Descrever a operação da porta NAND e da porta NOR Expressar a operação da função NOT e das portas AND, OR, NAND

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS 3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS Nas aplicações e circuitos desenvolvidos no capítulo anterior, a única forma de transmissão de sinais e de energia foi a pneumática. É possível, entretanto

Leia mais

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Eletricidade e Magnetismo II 2 o Semestre/ 2014 Experimento 1 Associação de Capacitores Nome: N o USP Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Informações Importantes! Antes de

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES 1- Introdução Em certos trabalhos efetuados por motores elétricos, há ocasiões em que o motor deixa de ser necessário e há energia de sobra a qual poderá, porventura ser aproveitada.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AQUECEDORES ELÉTRICOS Aquecedores de 30 kw, 36 kw e 48 kw Aquecedores em série: 2 x 30 (60 kw) e 2 x 36 (72 kw) REV. B: AGOSTO/2010 E-384832-3 ÍNDICE PÁGINA Descrição 3 GERAL 3 EQUIPAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES 1 INTRODUÇÃO A presente aula tem por objetivo principal

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES OBJETIVO LIGAR/DESLIGAR EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS À DISTÂNCIA, DE UM OU MAIS LOCAIS; CONHECER A SITUAÇÃO OPERATIVA DO EQUIPAMENTO (LIG/DESLIG/ SOBRECARGA), À DISTÂNCIA;

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão

4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão 15 4 Esquemas elétricos 4.1 Esquema de ligação para Baixa Tensão Os projetos elétricos em baixa tensão devem ser utilizados, conforme esquemas de ligação, onde as ligações são desenvolvidas através de

Leia mais

QUESTÃO 44 DA UFPE - 2008

QUESTÃO 44 DA UFPE - 2008 QUESTÃO 44 DA UFPE - 2008 Os pára-raios são dispositivos de proteção contra sobretensões provocadas por surtos atmosféricos e por manobras na rede elétrica. Com relação a esses equipamentos, assinale a

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 089 aprovado pela portaria Cetec nº 49 de 17/11/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município:

Leia mais

1 IFSul-Campus Pelotas. Circuitação Pneumática

1 IFSul-Campus Pelotas. Circuitação Pneumática 1 IFSul-Campus Pelotas Circuitação Pneumática Prof. Gladimir Pinto da Silva 03/2002 Circuitação Pneumática 2 1- Circuitos Pneumáticos Básicos 1.1- Comando direto de cilindro de Simples Ação A VCD 1.1,

Leia mais

Manual do Usuário BALANÇA DIGITAL & ANALISADOR CORPORAL W905

Manual do Usuário BALANÇA DIGITAL & ANALISADOR CORPORAL W905 Manual do Usuário BALANÇA DIGITAL & ANALISADOR CORPORAL W905 Obrigado por escolher esta balança eletrônica de medição de gordura corporal e porcentagem de água, dentre os nossos produtos. Para garantir

Leia mais

Circuito Hidráulico Básico:

Circuito Hidráulico Básico: Circuito Hidráulico ásico: O circuito hidráulico mais simples consiste no comando de avanço e recuo de um cilindro de dupla ação, utilizando uma bomba de vazão constante e uma válvula direcional de acionamento

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO, CONTROLE DE NÍVEL E SUPERVISÃO DE UM RESERVATÓRIO DE 1m 3 PARA UMA VAZÃO CONSTANTE DE ALIMENTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DESCRIÇÃO GERAL DO PROCESSO O sistema destina-se

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DO ACIONAMENTO

2 DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DO ACIONAMENTO 2 DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL DO ACIONAMENTO 2.1 Acionamento em Meio-passo No presente trabalho, o funcionamento do motor em meio-passo será implementado energizando as fases segundo o diagrama mostrado

Leia mais

Laboratório. Observações Importantes:

Laboratório. Observações Importantes: Instalações Observações Importantes: Laboratório a) Desde que contatados negligência ou uso indevido, toda e qualquer avaria ou falta de material implicará negativamente na avaliação por parte do professor.

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO)

SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO) SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO) SUMÁRIO Método do Movimento (Intuitivo) Circuitos Seqüenciais MÉTODO DE MOVIMENTO (INTUITIVO) REPRESENTAÇÃO DOS MOVIMENTOS Quando os procedimentos de comando são um pouco

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

6. Análise Lógica Combinacional

6. Análise Lógica Combinacional Objetivos 6. Análise Lógica Combinacional Analisar circuitos lógicos combinacionais básicos, tais como AND-OR, AND-OR-inversor, EX-OR e EX- NOR Usar circuitos AND-OR e AND-OR-inversor para implementar

Leia mais

Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato. Introdução

Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato. Introdução Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato Introdução O display de cristal líquido (LCD) inteligente é bastante usado como dispositivo de interface entre o usuário e

Leia mais

VIDROS ELÉTRICOS RETROVISORES TETO SOLAR KIT CONFORT

VIDROS ELÉTRICOS RETROVISORES TETO SOLAR KIT CONFORT VIDROS ELÉTRICOS RETROVISORES TETO SOLAR KIT CONFORT Índice Termo de Garantia de 2 Anos... pág. 3 Introdução... pág. 4 Características... pág. 5 Diagrama de Conexões... pág. 6 Proteção Antiesmagamento...

Leia mais

Eletrônica Digital. Funções e Portas Lógicas. Prof. Renato Moraes

Eletrônica Digital. Funções e Portas Lógicas. Prof. Renato Moraes Eletrônica Digital Funções e Portas Lógicas Prof. Renato Moraes Introdução Em 1854, o matemático inglês George Boole apresentou um sistema matemático de análise lógica conhecido como Álgebra de Boole.

Leia mais

SEGURANÇA DE LABORATÓRIOS ELETRICOS. Data Item Descrição Responsável 13/08/12 Elaboração Rômulo. Distribuição

SEGURANÇA DE LABORATÓRIOS ELETRICOS. Data Item Descrição Responsável 13/08/12 Elaboração Rômulo. Distribuição Aprovação: Histórico das revisões Pág.: 1 de 5 Data Item Descrição Responsável 13/08/12 Elaboração Rômulo Distribuição Laboratório Data Nome Assinatura Assinatura do responsável pela Distribuição Pág.:

Leia mais

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Pneumática Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivos: Objetivo e Considerações O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

Ativação da tomada de força EK. Função

Ativação da tomada de força EK. Função Ativação da tomada de força EK A função é usada para ativar a tomada de força a partir da área do motorista e do lado de fora da cabina. A tomada de força é controlada pela unidade de comando da BCI. A

Leia mais

Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim. Atuadores Peneumáticos. Módulo 1. Prof. Corradi -

Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim. Atuadores Peneumáticos. Módulo 1. Prof. Corradi - Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim Módulo 1 Atuadores Peneumáticos Prof. Corradi - www.corradi.junior.nom.br 1 Eletropneumática SOFTWARE FluidSim 3.6 FESTO Programa informático para

Leia mais

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Tem o objetivo de evitar que o trabalhador entre em contato com partes móveis da máquina. Definições Maquinas

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS USANDO CLP SIEMENS S7-212 Laboratório de Eletrotécnica TÓPICOS PRÁTICAS DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS DE MOTORES COM O USO DE CLP (Controlador Lógico Programável) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Biestáveis R S, J K e D

Biestáveis R S, J K e D Circuitos Lógicos Biestáveis R S, J K e D Prof.: Daniel D. Silveira Horário: 4a.f e 6a.f de 10h às 12h 1 Flip Flop Elemento de memória implementado a partir de portas lógicas A maioria das entradas precisa

Leia mais

Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação

Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação Prática 1: Dispositivos de Comando de Iluminação 1 Objetivo básico Conhecer os principais dispositivos de acionamento de iluminação. Fundamentos teóricos Uma instalação elétrica residencial deve disponibilizar

Leia mais

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 15/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 15/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Buzzer Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 15/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br http://www.automato.com.br

Leia mais

Universidade Federal do ABC

Universidade Federal do ABC Universidade Federal do ABC Eletrônica Digital Aula 3: Álgebra Booleana Prof. Rodrigo Reina Muñoz rodrigo.munoz@ufabc.edu.br RRM T3 2017 1 Teoremas Booleanos Auxiliam a simplificar expressões lógicas e

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 1 CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 2 SMCT01 Automação Pneumática Carga horária: 16 Horas (2 dias) Este treinamento tem o objetivo de treinar o participante quanto ao correto entendimento, dimensionamento

Leia mais

Válvulas Série P

Válvulas Série P Válvulas Série 19.000P Estas válvulas, disponíveis nas versões / e / vias, para montagens em bloco manifold, atendem as necessidades de fluxo intermediário, permitindo uma vazão de 100 litros por minuto

Leia mais

APOSTILA COMPLEMENTAR

APOSTILA COMPLEMENTAR APOSTILA COMPLEMENTAR Conteúdo A ÁLGEBRA DE BOOLE... 1 Os níveis lógicos... 2 Operações Lógicas... 3 Função Lógica NÃO ou Inversora... 4 Função Lógica E... 5 Função lógica OU... 6 Função NÃO E... 7 Função

Leia mais

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Pneumática Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivos e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

torna mais fácil a análise eléctrica do circuito

torna mais fácil a análise eléctrica do circuito Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais,

Leia mais

Manual Técnico Módulo de Relê 4 Canais

Manual Técnico Módulo de Relê 4 Canais Manual Técnico Módulo de Relê 4 Canais Introdução Módulo de relês de contato para acionamento de cargas através de microcontroladores Arduino/PIC/8051 com 4 saídas. Acionamento através de sinal lógico

Leia mais

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital CALCULADORA SIMPLES

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital CALCULADORA SIMPLES CALCULADORA SIMPLES E.T.M./2003 (revisão e adaptaçào) M.D.M. e E.T.M./2006 (revisão) E.T.M./2008 (revisão) E.T.M./20 (revisão) RESUMO Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados

Leia mais

Válvulas de Controle Direcional (Non-lub)

Válvulas de Controle Direcional (Non-lub) Válvulas de Controle Direcional (Non-lub) Válvulas de controle direcional Identificação das válvulas direcionais Número de posições O número de quadrados representados na simbologia é igual ao número de

Leia mais

PLANILHA DE NIVELAMENTO

PLANILHA DE NIVELAMENTO GUIA PRÁTICO DataGeosis Versão 2.3 PLANILHA DE NIVELAMENTO Paulo Augusto Ferreira Borges Engenheiro Agrimensor Treinamento e Suporte Técnico 1. CRIANDO PLANILHA DE NIVELAMENTO Para criar uma Planilha de

Leia mais

B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia. Manual do Usuário Versão 4.2

B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia. Manual do Usuário Versão 4.2 B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia Manual do Usuário Versão 4.2 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 2015

Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 2015 Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 015 Introdução Antes de apresentar a lista, introduzirei alguns problemas já vistos em sala de aula para orientar e facilitar a

Leia mais

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professor(a) Pós-Graduação Engenharia da Produção Custos Industriais Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Luizete Fabris

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2013 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA MODELO: EE0070 FINAME: 3251458 APRESENTAÇÃO Bancada didática construída em estrutura de perfil de alumínio 40x40mm, com 04 rodízios giratórios reforçados,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos EXPERIÊNCIA 4 PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos 2 o Semestre 2017 ELETRO PNEUMÁTICA O objetivo

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE 5406 - Sistemas Digitais - semestre 2011/2 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

Interrupção simples com lâmpada de incandescência

Interrupção simples com lâmpada de incandescência Interrupção simples com lâmpada de incandescência É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar um único circuito, com uma ou mais lâmpadas. http://www.prof2000.pt/users/lpa Esquema funcional

Leia mais

Relé. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 12/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Relé. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 12/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Relé Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 12/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br http://www.automato.com.br

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Instalações e Dispositivos Elétricos Dispositivos de Partida, Acionamento e Parada Dispositivos de Parada de Emergência Clarice I. Lorenzi Eng.

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 9 : Partida de MIT com chave estrela/triângulo através de dispositivos de comandos. 1 - Objetivo Executar a montagem da ligação indireta de motores trifásicos através da partida

Leia mais

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Warthog Robotics USP São Carlos www.warthog.sc.usp.br warthog@sc.usp.br Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Por Gustavo C. Oliveira, Membro da Divisão de Controle (2014) 1 Introdução Motores são máquinas

Leia mais

GPLUS IRRIGAÇÃO AUTOMATIZADA MANUAL DO USUÁRIO

GPLUS IRRIGAÇÃO AUTOMATIZADA MANUAL DO USUÁRIO GPLUS IRRIGAÇÃO AUTOMATIZADA MANUAL DO USUÁRIO O Controlador GPlus é um aparelho destinado para automatizar qualquer tipo de irrigação. Essa automação é feita através da programação no aparelho, da partida

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 9ª AULA - PROGRAMAÇÃO SOB A NORMA IEC 61131-3 (II): LINGUAGEM SFC Objetivos:

Leia mais

MANUAL MORMAII REF.SO8039. Cronógrafo Unidade de medida: 1/100 de segundos Capacidade máxima de medição: 23 horas, 59 minutos e 59 segundos.

MANUAL MORMAII REF.SO8039. Cronógrafo Unidade de medida: 1/100 de segundos Capacidade máxima de medição: 23 horas, 59 minutos e 59 segundos. MANUAL MORMAII REF.SO8039 CARACTERÍSTICAS Os modelos Mormaii referência: S08039 é um relógio digital, com caixa plástica, duplo horário (apresentação de 2 horários distintos, com acionamento), calendário,

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Isométrico

Trabalho GA - Editor de Cenário Isométrico Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão isométrica. O editor deve permitir que o usuário possa criar, abrir e editar mapas (tilemaps) com tileset de visão

Leia mais

Ativação da tomada de força EG. Função

Ativação da tomada de força EG. Função Função Ativação da tomada de força EG A função é usada para ativar a tomada de força a partir da área do motorista e do lado de fora da cabina. A tomada de força é controlada pela unidade de comando da

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I. Nome do Aluno :

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I. Nome do Aluno : SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d) Posição

Leia mais

Manual de Operação e Instalação. Balança Contadora/Pesadora/Verificadora. Modelo: 520

Manual de Operação e Instalação. Balança Contadora/Pesadora/Verificadora. Modelo: 520 Manual de Operação e Instalação Balança Contadora/Pesadora/Verificadora Modelo: 520 ÍNDICE Seção 1: Instruções de uso:... 3 1.1. Instruções antes de colocar o equipamento em uso:... 3 1.2. Instruções para

Leia mais

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO Chave de transferência automatizada - série MQ5 Um Tipo e significado MQ5 o tipo de controle (I; 0; II) o número de

Leia mais