Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP"

Transcrição

1 São Paulo, 13 de julho de Ilmo Sr. Jorge Alves de Almeida Venâncio Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP O grupo participante do Fórum Permanente de Comitês de Ética e Profissionais em Pesquisa - FOCEP realizou duas reuniões (maio e julho/2015) na Câmara Municipal de São Paulo com o objetivo de divulgar, esclarecer e discutir a Minuta de Acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa apresentada pela CONEP em 07 de maio de A nova Resolução dispõe sobre os critérios para a acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa promovendo uma maior descentralização do sistema. Nas duas reuniões realizadas pelo FOCEP foram levantados vários questionamentos, que seguem abaixo: 1- A Resolução estabelece os critérios para o processo de acreditação de CEPs baseado na tramitação dos protocolos, na gradação e na tipificação dos riscos. Entretanto, a minuta informa que a tipificação e a gradação de riscos serão definidas em norma própria, com critérios estabelecidos pela CONEP. Uma vez que toda a tramitação nesta nova norma está vinculada à tipificação e gradação de riscos, não parece razoável a publicação de uma sem a apresentação e discussão da outra. A norma sobre tipificação e gradação de riscos será de suma importância para o sistema CEP CONEP e deve ser apresentada e discutida com o CEPs antes da aprovação da resolução de Acreditação. 2- O Art.3º define: Cabe à CONEP avaliar, deliberar e outorgar a acreditação aos CEPs. 1

2 Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços ou produtos. Tem um caráter eminentemente educativo, voltado para a melhoria contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial/governamental. Nesse sentido, o texto proposto para essa norma fica um pouco confuso. Sugere-se que os termos cerificação e Acreditação sejam melhor definidos. Note que no Cap.II, art. 4º (termos e definições) aparece o termo: Comitê de Ética em Pesquisa Certificado e não acreditado. De acordo com a ONA (Organização Nacional de Acreditação), quando se faz uma certificação, a instituição relata como faz uma tarefa e prova que faz sempre igual. Fazer sempre igual não significa necessariamente ter bom resultado. Na lógica da certificação, é possível fabricar sempre pneus furados de maneira igual por um erro de desenho de processo, mas com execução fiel. Já na acreditação, uma empresa especializada, terceirizada, estabelece padrões de qualidade e a instituição de saúde mostra como ela faz para alcançar sempre esse padrão e como busca a melhoria contínua dos seus processos. Precisa estar claro, portanto, os dois termos: CEP certificado e CEP acreditado. 3- Em relação a esta proposta do GT constituído pela CONEP, quais seriam os profissionais/empresas responsáveis por esse processo e quais tem sido as ações da CONEP para preparar/selecionar tais profissionais/empresa? 4- O CAPITULO III descreve as etapas para a acreditação, que compreendem: seleção de propostas, período de pré acreditação e acreditação. 1- Não fica claro o que significa especificidades regionais, conforme descreve o art. 5º do Capítulo III. As normas hoje existentes para credenciamento de Comitês de Ética não divergem de acordo com a região onde o CEP se encontra. Além disso, a Resolução 370/07 CNS/MS, que dispõe sobre a criação e registro dos Comitês de Ética em Pesquisa, não faz qualquer distinção entre os CEPs do sistema. 2- Em relação ao período de pré acreditação estabelece-se que o número de CEPs a serem selecionados estará definido em chamada pública. É importante esclarecer como será o critério de escolha das propostas, levando-se em consideração que, se tivermos um número de candidatos superior ao que está disposto na Chamada Pública, critérios de desempate devem estar absolutamente claros para que se evite potenciais conflitos de interesse no momento da escolha. Salienta-se que se uma Instituição cumprir com todos 2

3 os requisitos dispostos na Chamada Pública, passa a ter direito a participar do processo de acreditação. 3- Em relação ao período de pré acreditação, estabelece-se que o CEP que tiver a sua proposta selecionada passará por um período de pré-acreditação com duração mínima de 12 meses, sendo que nesta etapa o CEP terá suas atividades monitoradas e avaliadas pela CONEP. O CEP não será certificado se não preencher os pré-requisitos estabelecidos na Resolução e na Chamada Pública. Questiona-se: por que essa avaliação não foi feita de forma retrospectiva? Por que os CEPs que não atendem os requisitos estabelecidos na Resolução 466/12 CNS/MS, e anteriormente na Resolução 196/96 CNS/MS, mesmo assim tiveram seus registros renovados? Levando-se em consideração que todos os CEPS encaminham para a CONEP todos os projetos da área Temática Especial, podemos supor a existência de um banco de dados que permite a avaliação dos CEPs através da comparação de seus pareceres com os pareceres da CONEP, não havendo necessidade de mais 12 meses de acompanhamento. 4- O trecho O CEP não será certificado se não preencher os pré-requisitos estabelecidos na Resolução e na chamada publica leva ao seguinte questionamento: Esse CEP não receberá certificação e não poderá avaliar sozinho os projetos da área temática especial, mas continuará credenciado e portanto podendo deliberar sobre projetos institucionais fora da área temática? Ressalta-se que muitos projetos que tramitam pelo sistema e não se encaixam na área temática possuem conflitos éticos imensos, com potencial de risco ao participante da pesquisa claramente identificado. Parece-nos inadequado considerar um CEP não habilitado para analisar de forma independente os projetos da área temática especial, mas, ao mesmo tempo, estar habilitado para avaliar qualquer outro tipo de protocolo, independente do risco inerente. 5- Capítulo IV - Dos Critérios de Seleção de propostas para a acreditação O Art. 7º descreve que a proposta de acreditação deverá ser será acompanhada por declaração emitida pelo responsável institucional que assegure o compromisso de analisar protocolos de risco elevado de outras instituições não vinculadas àquela que abriga o CEP. 3

4 Nota-se, entretanto, que o artigo não esclarece se o CEP certificado poderá ou não avaliar os protocolos de pesquisa da sua instituição vinculada. Essa questão levantou polêmica durante o ENCEP e pareceu ser determinante para a decisão dos CEPs de se candidatarem ou não à certificação. É de grande relevância, portanto, que essa questão seja claramente definida no texto da Norma. 6- Os artigos 8º e 9º descrevem a documentação que deverá ser entregue pelo responsável institucional e pelo coordenador do CEP, respectivamente, junto à proposta de acreditação. Nota-se que grande parte da documentação exigida já está em poder da CONEP, pois é obrigatória quando do credenciamento ou da renovação do registro dos CEPs. Por exemplo: regimento interno, lista de membros relatores, relatório de atividades, etc. Não é compreensível a obrigatoriedade de reenviar toda a documentação, uma vez que CEPs que não tenham atendido a esses quesitos quando de sua solicitação de credenciamento ou renovação, não deveriam fazer parte do sistema. Vale ressaltar que a Norma prevê que apenas CEPs que já tenham tido pelo menos uma renovação poderiam se candidatar. Sendo assim, conclui-se que esses Comitês estejam com sua documentação absolutamente adequada, sem o que não teriam tido seu registro renovado. 7- CAPITULO VI Art.15º - determina que Na vigência da acreditação a preparação de notas técnicas será realizada pela assessoria da CONEP. Somente após o primeiro ano da certificação o CEP poderá requerer a responsabilidade de elaboração de notas técnicas por assessoria própria. Mais uma vez, consideramos não compreensível o entendimento de que CEPS credenciados junto ao Sistema desde a sua criação em 1996, tendo seu registro renovado a cada 3 anos sem apontamentos de não conformidade, passem a depender totalmente do parecer da assessoria técnica da CONEP. 8- O CAPITULO VII - Art.16º determina que os protocolos de risco elevado serão distribuídos pela CONEP aos CEPs certificados. É preciso esclarecer quais são exatamente os critérios de escolha dos CEPS para avaliação dos projetos. O texto deixa claro que todo o fluxo de tramitação será modificado sendo que os projetos de risco elevado, independente da instituição serão encaminhados para a CONEP. Há dois pontos a se considerar frente a esse capítulo: 4

5 1. A mudança completa do fluxo de tramitação na Plataforma Brasil, visto que todo protocolo de risco elevado seria encaminhado diretamente à CONEP. 2. A complexa tarefa de escolha de um determinado CEP para avaliar projetos de outra instituição, por vezes instituições que mantém grupos de pesquisa concorrentes. Diante desses pontos, qual será o papel do centro coordenador na tramitação dos projetos e de documentos pós-aprovação? 9- O CAPITULO VIII - Das Disposições finais determina que os aspectos relacionados às modificações necessárias na Plataforma Brasil entrarão em vigor quando da atualização da mesma. Essa simples informação já torna frágil o processo de implantação da Norma. Está claro que a Plataforma Brasil não conseguiu cumprir com os objetivos estabelecidos quando de seu lançamento, quer seja a transparência e a eficiência do Sistema CEP/CONEP. Alguns exemplos: módulo público, atas e pautas, relatórios, tramitação de eventos adversos... Enfim, com base no exposto acima o FOCEP, apesar de favorável ao processo de descentralização, entende ser prematura a aprovação dessa Resolução na forma como apresentada. Acreditamos haver ações prévias, mandatórias, que precisam ser implementadas para dar sustentação ao processo de descentralização do sistema e, posteriormente, permitir a acreditação dos CEPs. Essa é a nossa contribuição. Comissão Executiva FOCEP 5

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE Dispõe sobre os critérios para a acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa.

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE Dispõe sobre os critérios para a acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA EM PESQUISA MINUTA DE RESOLUÇÃO PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DOS COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA QUE COMPÕEM O SISTEMA CEP/CONEP RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2015

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO M A T E R N I D A D E - E S C O L A COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES ARTIGO 1 0 O COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA MATERNIDADE ESCOLA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC O objetivo principal da pesquisa médica em seres humanos é melhorar os

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014. RESOLUÇÃO CAS Nº 04/2014 DISPÕE A CRIAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS VINCULADO AO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700, Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DE MONITORIA. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DE MONITORIA Dispõe sobre a regulamentação da Monitoria Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1 O presente regulamento estabelece normas para o processo seletivo de monitoria da Faculdade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECOLÓGICA DA BAHIA COORDENAÇÃO TÉCNICA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NORMAS COMPLEMENTARES PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-BA Normas adicionais

Leia mais

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU APRESENTAÇÃO A disputa por uma vaga no mercado de trabalho está cada vez mais intensa, tornando os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu indispensáveis. Fazê-los em uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (Aprovado pelo Parecer do CONSEPE/USC n. 02A/14, em 13 de março de 2014) BAURU 2014 SUMÁRIO Capítulo I - Das Finalidades...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente regulamento fixa diretrizes e normas básicas para o funcionamento dos estágios

Leia mais

Gerência de Projetos da Área de Educação Artística CONCURSO NACIONAL DE CARTÕES DE NATAL REGULAMENTO GERAL

Gerência de Projetos da Área de Educação Artística CONCURSO NACIONAL DE CARTÕES DE NATAL REGULAMENTO GERAL Gerência de Projetos da Área de Educação Artística CONCURSO NACIONAL DE CARTÕES DE NATAL REGULAMENTO GERAL Capítulo I Da Finalidade Art. 1º - O Concurso Nacional de Cartões de Natal tem por finalidade

Leia mais

Hospital de Clínicas de Porto Alegre Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa

Hospital de Clínicas de Porto Alegre Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa Hospital de Clínicas de Porto Alegre Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (CEP/HCPA) criado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE Dispõe sobre os critérios para a acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa.

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE Dispõe sobre os critérios para a acreditação dos Comitês de Ética em Pesquisa. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA EM PESQUISA MINUTA DE RESOLUÇÃO PROCESSO DE ACREDITAÇÃO DOS COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA QUE COMPÕEM O SISTEMA CEP/CONEP RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2014

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor EDITAL Nº 007/UFFS/2014 - APOIO A PROJETOS DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO BRASIL MÉXICO - BRAMEX2/2016 CHAMADA 005-2016

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO BRASIL MÉXICO - BRAMEX2/2016 CHAMADA 005-2016 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO BRASIL MÉXICO - BRAMEX2/2016 CHAMADA 005-2016 O Diretor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, Professor Fábio Alves da Silva Júnior, no uso de

Leia mais

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 (Republicação aprovada pela Del. CONSEP Nº 098/2008, de 14/8/2008) Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 REGULAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC TÍTULO DO DOCUMENTO Nº DO DOCUMENTO METODOLOGIA PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DAS OBRIGAÇÕES DAS SRF.MT. 012 PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO VERSÃO VIGÊNCIA FIXO COMUTADO - STFC 1 17/04/2006 CLASSE

Leia mais

CONCURSO DE CARTÕES DE NATAL

CONCURSO DE CARTÕES DE NATAL CONCURSO DE CARTÕES DE NATAL REGULAMENTO GERAL E FICHA DE INSCRIÇÃO 2016 REGULAMENTO GERAL CONCURSO DE CARTÕES DE NATAL - 2016 Capítulo I Da Finalidade Art. 1º - O Concurso Nacional de Cartões de Natal

Leia mais

EDITAL nº 17/2016 PRÊMIO CAPES DE TESE - EDIÇÃO 2016 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

EDITAL nº 17/2016 PRÊMIO CAPES DE TESE - EDIÇÃO 2016 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EDITAL nº 17/2016 PRÊMIO CAPES DE TESE - EDIÇÃO 2016 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes, instituída como Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO Normas NR: NO 1 Pág: 1/8 DIRETRIZES DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO 1. Objetivo Determinar as diretrizes do Sistema Brasileiro de Acreditação desenvolvido sob a égide e orientação da Organização Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/Ação Transversal - NOVOS CAMPI - 05/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE PESQUISA NOS NOVOS CAMPI DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA Titulo I Da Finalidade Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa da FADISMA (CEP), previsto no Código de Ética da Instituição, é uma instância

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 DOU de 5.10.2006 Dispõe sobre a auditoria de sistemas informatizados de controle aduaneiro, estabelecidos para os recintos alfandegados e para os

Leia mais

Numero do Documento: 1037522

Numero do Documento: 1037522 Numero do Documento: 1037522 EDITAL N.º 19/2011 A Escola de Saúde Pública do Ceará, Autarquia vinculada à Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, criada pela Lei Estadual nº 12.140, de 22 de julho de 1993,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 115/2013

RESOLUÇÃO Nº 115/2013 RESOLUÇÃO Nº 115/2013 Cria o Programa de Treinamento Administrativo. O Conselho de Setorial de Graduação da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que foi deliberado

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLOGIAS DCHT CAMPUS XIX CAMAÇARI NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Camaçari BA CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular.

Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório do simulador de direção veicular. DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN/PB Portaria nº 496/2014-DS João Pessoa, 15 de setembro de 2014. (Publicada no Diário Oficial de 19 de setembro de 2014) Dispõe sobre a regulamentação do uso obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento disciplina o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC dos Cursos das Faculdades Integradas Hélio Alonso,

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA APRENDIZ DE ATENDIMENTO E SERVIÇOS - CAPITAL

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA APRENDIZ DE ATENDIMENTO E SERVIÇOS - CAPITAL DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA APRENDIZ DE ATENDIMENTO E SERVIÇOS - CAPITAL O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO TÍTULO I DO COMITÊ Art. 1º O Comitê de Ética em Pesquisa da Fundação Universidade Federal de Ciências da

Leia mais

Escola Superior de Teologia Faculdades EST

Escola Superior de Teologia Faculdades EST Escola Superior de Teologia Faculdades EST REGULAMENTO DAS NORMAS DE PROJETOS DE EXTENSÃO São Leopoldo, 2012. Regulamento das Normas de Projetos de Extensão Pró-Reitoria de Ensino e Extensão CAPÍTULO I

Leia mais

Campanha de Incentivo Garra Campeã Iberia

Campanha de Incentivo Garra Campeã Iberia 1 Campanha de Incentivo Garra Campeã Iberia 1. DA CAMPANHA 1.1 A Campanha de Incentivo Garra Campeã Iberia ( Campanha ) é instituída, neste ato, pela empresa Iberia Lineas Aéreas de Espana Sociedad Anonima

Leia mais

GT COREP CRP-02 REGULAMENTO DO CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA VI CNP

GT COREP CRP-02 REGULAMENTO DO CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA VI CNP GT COREP CRP-02 REGULAMENTO DO CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA VI CNP REGULAMENTO DO CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos do Congresso Regional da Psicologia:

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 PROCEDIMENTO PR 6.01 Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 CÓPIA CONTROLADA 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 29/07/2014 01 03/12/2015 02 Adequações

Leia mais

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP Universidade de São Paulo Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A

Leia mais

CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇAO E ARTES CLCA CAMPI CORNÉLIO PROCÓPIO E JACAREZINHO

CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇAO E ARTES CLCA CAMPI CORNÉLIO PROCÓPIO E JACAREZINHO Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇAO E ARTES CLCA CAMPI CORNÉLIO PROCÓPIO E JACAREZINHO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS EM REDE NACIONAL PROFLETRAS

Leia mais

EDITAL Nº.146/VRG/2015 Programa Docência na Educação Básica/ UNIVALI

EDITAL Nº.146/VRG/2015 Programa Docência na Educação Básica/ UNIVALI EDITAL Nº.146/VRG/2015 Programa Docência na Educação Básica/ UNIVALI PIBID/CAPES A Vice-Reitora de Graduação da Universidade do Vale do Itajaí, no uso de suas atribuições regimentais, torna públicos os

Leia mais

Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional

Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional Instrução Normativa do Programa de Pós-Graduação em Administração: Mestrado Profissional Instrução Normativa PPGA nº 05 de 05/04/2016 Aprova as Normas para Apresentação da Dissertação do Programa de Pós-graduação

Leia mais

Capítulo IV Da Entrega da Versão Final

Capítulo IV Da Entrega da Versão Final UNIVERSIDADEFEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP DEPARTAMENTO DE ARTES, LETRAS E COMUNICAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA REGIMENTO DE TCC DO CURSO CAPÍTULO I Do Trabalho Art. 1. O Trabalho de conclusão

Leia mais

Regulamento Institucional

Regulamento Institucional FACULDADES INTEGRADAS DE CACOAL Regulamento Institucional COMITÊ EDITORIAL O Comitê Editorial da UNESC te como finalidade coordenar, orientar e avaliar a produção de artigos e similares para a publicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL Capítulo I Da Revista e sua Sede Art. 1º - A Revista Diálogo Educacional, criada em 2000, é uma publicação periódica do da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Gestão de Pessoas - Organização, premia os cases ou projetos implantados em organizações, relativos à gestão ou desenvolvimento dos seres

Leia mais

EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016.

EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016. EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO da, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital para abertura das inscrições, visando à seleção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 004/2011 CONSUNI/CGRAD Institui o Programa de Monitorias no âmbito da UFFS e dá outras providências. A Câmara de Graduação do Conselho Universitário CGRAD/CONSUNI, da Universidade Federal

Leia mais

PROCESSO N. 667/2011 PROTOCOLO N.º 10.945.069-3 PARECER CEE/CEB N. 649/11 APROVADO EM 01/08/11 INTERESSADO: NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA

PROCESSO N. 667/2011 PROTOCOLO N.º 10.945.069-3 PARECER CEE/CEB N. 649/11 APROVADO EM 01/08/11 INTERESSADO: NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA PROTOCOLO N.º 10.945.069-3 PARECER CEE/CEB N. 649/11 APROVADO EM 01/08/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Consulta sobre a normatização

Leia mais

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a

I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a I IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, excetuados os recolhimentos vinculados às operações de comércio exterior, a parcelamentos ordinários ou especiais e a tributos exigidos em lançamentos de ofício; ou II Contribuição

Leia mais

CAPÍTULO II - DA REALIZAÇÃO

CAPÍTULO II - DA REALIZAÇÃO REGIMENTO 3ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres Regimento CAPÍTULO I - DO OBJETIVO Art. 1º - A 3ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres, convocada pelo Decreto do Governo Estadual,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/CT-INFRA 03/2003

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/CT-INFRA 03/2003 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS INSTITUCIONAIS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA FÍSICA DE PESQUISA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral.

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral. Publicada no DJE/TSE nº 142, de 27/7/2012, p. 9/11 RESOLUÇÃO Nº 23.380 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 19.823 (29839-23.2007.6.00.0000) CLASSE 19 BRASÍLIA DF Relatora: Ministra Cármen Lúcia Interessado: Tribunal

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA 11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE Curitiba / 2011 APROVADO NA 5ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO MEDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

NORMA DE PROGRAMA DE BOLSA DE EXTENSÃO PARA ALUNOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ -PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO-

NORMA DE PROGRAMA DE BOLSA DE EXTENSÃO PARA ALUNOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ -PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO- NORMA DE PROGRAMA DE BOLSA DE EXTENSÃO PARA ALUNOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ -PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO- CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma fixa os procedimentos para

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO NAS PRISÕES EDITAL DE CREDENCIAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE AULAS SEGUNDO SEMESTRE DO ANO LETIVO DE 2017

PROGRAMA EDUCAÇÃO NAS PRISÕES EDITAL DE CREDENCIAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE AULAS SEGUNDO SEMESTRE DO ANO LETIVO DE 2017 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO VOTORANTIM Rua Sete de Setembro, 311 Parque Bela Vista VOTORANTIM CEP 18110-420 - Fone/Fax (015) 3353-7800 E-mail:

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Resolução Normativa nº 5, de 12 de março de 2008. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 5, DE 12 DE MARÇO DE 2008 Com as alterações da Resolução Normativa

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

EDITAL Nº 002/2012/PIBID-UFOPA

EDITAL Nº 002/2012/PIBID-UFOPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO/PROGRAMA DE LETRAS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA O Governo do Estado do Maranhão e a Agência Executiva Metropolitana comunicam a realização dos Seminários Preparatórios para a I Conferência da Região

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO 3 - CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO E RENOVAÇÃO

ORDEM DE SERVIÇO 3 - CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO E RENOVAÇÃO OS-05/SR-1/04 01/05 1 - FINALIDADE A presente Ordem de Serviço tem como finalidade modificar a OS-01- /SR-1/95 e regulamentar a operacionalização do Programa de Estágio Interno Complementar. 2 - OBJETIVO

Leia mais

SUBGERÊNCIA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

SUBGERÊNCIA DE GESTÃO DE DESEMPENHO GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS GDP SUBGERÊNCIA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REITOR Prof. Lourisvaldo Valentim da Silva VICE-REITORA Profa. Adriana dos Santos Marmori Lima PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores TERMO DE REFERÊNCIA Instituição Projeto Origem dos recursos Objetivo Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil CACB Empreender Convencional Desenvolvimento do curso de formação de

Leia mais

Jornal O País Concurso Repórter por 1 dia. Regulamento

Jornal O País Concurso Repórter por 1 dia. Regulamento Jornal O País Concurso Repórter por 1 dia Regulamento 1. Promoção 1.1 O Repórter por um Dia é promovido pelo Jornal OPAÍS como parte integrante do Projeto de promoção e lançamento d OPAÍS diário. Os principais

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DO PROCESSO ELEITORAL PARA COORDENAÇÃO DO PPGCiSau - DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG MANDATO 2015/2016. TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - A Comissão Eleitoral torna público

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 7.028, de 2013 (Apensado: PL nº 7.568, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 7.028, de 2013 (Apensado: PL nº 7.568, de 2014) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 7.028, de 2013 (Apensado: PL nº 7.568, de 2014) Inclui a disciplina Educação para o Trânsito como conteúdo do Ensino Fundamental e cria mecanismos para coibir a

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII

EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII Outubro/ 2015 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO... 3 3. OBJETO... 3 4. FONECIMENTOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012 Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. O Presidente do Conselho Universitário do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí - UNIDAVI, no

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO O presente regulamento normatiza a atividade de Estágio, componente dos Projetos Pedagógicos dos cursos oferecidos pela Faculdades Gammon, mantida pela Fundação Gammon de Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE REGULAMENTO DE ESTÁGIO - CEPEAGE REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CENTRO DE PRÁTICA EM ENGENHARIA, ARQUITETURA E GESTÃO - CEPEAGE DAS FACULDADES INTEGRADAS PITÁGORAS / FIPMoc I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1.

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E UNIPROFISSIONAL EM SAÚDE

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E UNIPROFISSIONAL EM SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E UNIPROFISSIONAL EM SAÚDE VITÓRIA/ES 2015 Homologado pela Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/2013. EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras.

RESOLUÇÃO Nº 003/2013. EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras. RESOLUÇÃO Nº 003/2013 EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE Estabelece normas para a constituição e funcionamento dos Comitês Central e Setoriais de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO

Leia mais

4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A metrologia como insumo para a gestão da qualidade desenvolve um papel essencial no ciclo de vida de produtos. Faz-se presente em todas as fases, concepção, especificação

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO Regulamento aprovado pelo Conselho de Pós- Graduação e Pesquisa da UNIFESP (24 de junho de 2015) e pela Congregação da EFLCH (06 de agosto de 2015). CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF

REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF 1 REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa (COMEP) do Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF), instituído pela Resolução n 0 01 de treze de setembro

Leia mais

EDITAL PRP N o 05/2015

EDITAL PRP N o 05/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA EDITAL PRP N o 05/2015 EDITAL PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DO CNPq PIBITI/CNPq

Leia mais

Faculdade Monteiro Lobato

Faculdade Monteiro Lobato REGULAMENTO N º 04/2015 Dispõe sobre a forma e o prazo de integralização das atividades complementares e seminários na Faculdade Monteiro Lobato. Art. 1º - A integralização das atividades complementares/seminários,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL RESOLUÇÃO Nº 55/2008-CONSUNI/UFAL, de 10 de novembro de 2008. APROVA NORMAS QUE DISCIPLINAM O PROGRAMA DE MONITORIA

Leia mais