2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?"

Transcrição

1 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010

2 Rastreabilidade É definida como a habilidade de descrever a história, aplicação, processos ou eventos e a localização de um produto, em uma determinada organização, por meios de registros e identificação. É manter os registros necessários para identificar e informar os dados relativos à origem e ao destino de um produto. ISO 8402:1994

3 Rastreamento de Carga ou Recall: É a identificação e recolhimento dos artigos processados, a partir de lotes considerados suspeitos com relação a falhas no processo de esterilização. Recomendações Práticas para Processos de Esterilização em Estabelecimentos de Saúde

4 Esterilização a vapor úmido Monitoramento: Físico Químico Biológico

5 Monitoramento Mecânico/Físico Deve ser utilizado para checar verificar tempo, temperatura e pressão durante todo o ciclo de esterilização. Estes parâmetros poderão ser registrados de forma manual, impressora ou dispositivo eletrônico. Estes indicadores são o primeiro sinal de falha do esterilizador, ou de um possível erro do operador. Práticas Recomendadas SOBECC, 2009

6 Indicadores Químicos Dispositivos usados para monitorar a presença ou o alcance de um ou mais parâmetros requeridos para um processo de esterilização satisfatório ou para uso em testes específicos de equipamentos de esterilização. ANSI/AAMI ST 79:2006/A1:2008/A2:2009

7 I. Q. - Frequência de uso De acordo com a AAMI, cada pacote, bandeja ou container devem ser monitorados internamente com um indicador químico.

8 I. Q. - Frequência de uso Qual a justificativa para esta recomendação, considerando que eu monitoro todas as minhas cargas com um pacote teste desafio? Porque existe a possibilidade de um problema isolado, em apenas um ou mais pacotes de uma mesma carga

9 Indicadores Biológicos Definição: É um dispositivo utilizado em unidades de cuidado à saúde e deverão acompanhar produtos que estão sendo esterilizados para monitorar a adequação da esterilização. O dispositivo consiste de um número conhecido de microorganismos que possuem resistência conhecida ao processo de esterilização, acondicionados em uma embalagem apropriada. A incapacidade dos microorganismos de crescerem em condições adequadas indica a eficácia no processo de esterilização. FDA, 21 CFR

10 I.B. - Frequência de uso: Realizar o teste biológico no mínimo semanalmente, preferencialmente diário e em toda carga contendo materiais implantáveis. APECIH, 2010 Preferencialmente diário, mínimo semanal, todas as cargas com implantes e ciclos flash. Guia elaborado por Enfermeiros Brasileiros, 2000 Diariamente, em pacote teste desafio e em cada carga contendo artigos implantáveis. ANVISA, Consulta Pública n 34 de 03 de Junho de 2009

11 Nem os Indicadores Biológicos, nem os Indicadores Químicos podem, isoladamente, desempenhar um papel satisfatório no controle da esterilização, portanto, recomendase a associação de ambos. APECIH 2010 As práticas recomendadas da AAMI descrevem a maneira de se usar os monitores físicos, químicos e biológicos de forma rotineira, a fim de determinar a eficácia no processo de esterilização. APECIH 2010

12 Manutenção dos registros Conforme política da instituição Para efeitos legais: 20 anos

13 Registros Informações essenciais na identificação dos pacotes: Informações essenciais para registro da carga: Data, Hora e Operador Conteúdo da carga Manutenções e Calibrações Resultados Parâmetros Físicos Resultados I. Químicos Resultados I. Biológicos

14 Qualidade Assegurada em Esterilização

15 Tipo de Controle Frequência Material Controle da carga Diariamente e em todas as cargas com implantes Indicadores biológicos Controle do pacote Controle do equipo Em cada pacote Diariamente, no primeiro ciclo do dia, após a instalação, mudanças de local e grandes reparos no esterilizador Indicadores químicos internos Teste de Bowie & Dick Controle exposição Em cada pacote Fita de autoclave Controle registro Cada pacote e carga Fichas, etiquetas, cadernos de registro

16 Rastreamento de Carga ou Recall: Uma instituição médico-hospitalar é responsável por assegurar que dispositivos médicos não processados corretamente sejam devolvidos antes que entrem em contato com um paciente. Práticas Recomendadas SOBECC

17 Quando fazer um Recolhimento Quando uma carga é liberada antes de se obter os resultados do Indicador Biológico, e a seguir este indicador indicar falha no processo de esterilização, ou seja, um resultado positivo. Em caso de Indicador Biológico positivo, recolher todas as cargas processadas desde o último resultado negativo do Indicador Biológico.

18 Como fazer um recolhimento O processo de recall deve ser estabelecido com base em práticas recomendadas de forma a agilizar a recuperação dos itens processados que estejam sob suspeita de não serem estéreis e assegurar que ações adequadas sejam tomadas.

19 Como fazer um recolhimento? O supervisor deve ser notificado e deve apresentar uma documentação escrita da situação. A documentação deverá incluir: Identificação do esterilizador Data e hora do ciclo de esterilização Data e hora da notificação dos resultados positivos do BI Outros resultados de monitoramento Toda informação que possa ser utilizada para se determinar se o relatório é válido ou questionável devido a erro humano AAMI ST 79:2006/A1:2008/A2:2009

20 Como fazer um recolhimento É ideal, que qualquer dispositivo médico, especialmente implante, seja totalmente rastreável para o paciente em quem é usado ou em quem foi implantado; tal rastreabilidade pode ser atingida através do registro do identificador de carga do esterilizador na ficha do paciente ou colocando o nome do paciente no registro da carga. AAMI ST 79:2006/A1:2008/A2:2009

21 Como evitar um recolhimento Segundo Edwin Ross (Surgical Services Management), a quarentena e a monitorização biológica de cada carga são os processos operacionais mais práticos e menos caros, que também podem satisfazer nossa responsabilidade ética para com os pacientes. Práticas Recomendadas SOBECC-2009 Manter a carga em quarentena até que os resultados dos I. B. estejam disponíveis

22 A carga deve ser colocada em quarentena até que os resultados do teste de BI estejam disponíveis. CDC, 2003a A segurança do paciente pode ser prejudicada pelo implante de um dispositivo não esterilizado. A esterilização de implantáveis deve ser rigidamente monitorada e toda carga contendo implantes deve ser colocada em quarentena até que se comprove que o teste do I. B. apresente resultados negativos. AAMI ST 79, 2006/A1:2008/A2:2009

23 Monitorar de forma mais frequente com Indicadores Biológicos e obter os resultados dentro de um tempo de incubação mínimo (ou seja, de 1 a 3 horas) permite identificar falhas no processo de esterilização com maior rapidez, diminuir os custos associados ao gerenciamento do inventário e do recall e melhorar os resultados dos pacientes. APECIH-2010

24

25

26 O que fazer em situações de emergência?

27 Segundo a AAMI, um integrador químico classe 5 deverá ser incluído no PCD com o IB para que um implante possa ser liberado em situações de emergência, onde informações adicionais sobre os parâmetros críticos do processo de esterilização estarão disponíveis e documentados. A liberação de implantes antes de serem conhecidos os resultados do IB é tida como inaceitável, e deve ser exceção e não regra. Situações de emergência devem ser definidas por escrito em comum acordo com as áreas de prevenção e controle da infecção, o cirurgião e a gestão de risco.

28 Justificativa para uma liberação emergencial prematura Profissional responsável Implante liberado prematuramente Paciente Cirurgião Motivo da liberação prematura O que poderia ter evitado a liberação prematura do implante

29

30 DATA: TURNO: HORA: PESSOA QUE PREENCHE ESTE RELATÓRIO NO SERVIÇO CENTRAL: Os seguintes dispositivos implantáveis/bandejas foram liberados prematuramente para a Sala de Cirurgia NOME DO REQUISITANTE DA LIBERAÇÃO PREMATURA DOS EQUIPAMENTOS: RELATÓRIO DA SALA DE CIRURGIA: NOME DO PACIENTE: NOME DO CIRURGIÃO: HORA DO PROCEDIMENTO: DATA: RAZÃO DA NECESSIDADE DE LIBERAÇÃO PREMATURA: O QUE PODERIA TER PREVENIDO A LIBERAÇÃO PREMATURA DO APARELHO /BANDEJA? NOME DA PESSOA QUE PREENCHEU ESTE RELATÓRIO: DATA DE COMPLEMENTO DO RELATÓRIO: FORMULÁRIO ENVIADO AO SERVIÇO CENTRAL EM:

31 Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? Sim

32 Aguardar a quarentena até a obtenção dos resultados do Indicador Biológico. Aumento do inventário (se viável) Monitorar o esterilizador com Indicadores biológicos frequentemente Utilizar I. B. com a resposta mais rápida possível Trabalhar com procedimentos escritos, com base em referencial científico atualizado A rotina realizada fora de práticas baseadas em evidências poderá trazer uma falsa sensação de segurança

33 Obrigado por sua atenção! O conhecimento André Cabral não é suficiente, temos que aplicá-lo. Estar disposto não é suficiente, temos que agir. Mercado Hospitalar Esterilização Goethe

Enfª. Heloísa Alves Enfª. Jacqueline Petrikoski. Unimed Blumenau

Enfª. Heloísa Alves Enfª. Jacqueline Petrikoski. Unimed Blumenau Enfª. Heloísa Alves Enfª. Jacqueline Petrikoski Unimed Blumenau A Central de Materiais Esterilizados (CME) é uma das unidades mais importantes do hospital,tanto do ponto de vista econômico, quanto técnicoadministrativo

Leia mais

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES QUÍMICOS PARA ESTERILIZAÇÃO O QUE É UM INDICADOR QUÍMICO Indicador Químico e a combinação do agente indicador e o seu substrato que revela alteração de uma

Leia mais

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DO PROCESSO

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DO PROCESSO ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DO PROCESSO TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA Fortaleza- Ceará- Brasil A Enfermagem é uma profissão comprometida

Leia mais

O Desafio Correto para seu Processo de Esterilização

O Desafio Correto para seu Processo de Esterilização O Desafio Correto para seu Processo de Esterilização Por que desafiar corretamente o seu processo de Esterilizacão? 2 3M 2014 All Rights Reserved. BASEADOS EM EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS Art. 24 Cada etapa

Leia mais

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs)

Monitores físicos. Tempo, temperatura e registros de pressão, displays, painéis digitais e calibradores Indicadores Químicos (IQs) Tabela 8 Monitores físicos AAMI ST 79 -Tipos e aplicações para uso de dispositivos de monitoramento de esterilização Monitor Freqüência de uso Aplicação (liberação de equipamentos de esterilização, pacotes

Leia mais

Responsável: Equipe de Enfermagem do Centro de Material e Esterilização (CME).

Responsável: Equipe de Enfermagem do Centro de Material e Esterilização (CME). Unidade: Centro de Material e Esterilização Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Tarefa: Etiquetagem dos pacotes para esterilização

Leia mais

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES BIOLÓGICOS

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES BIOLÓGICOS SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DE INDICADORES BIOLÓGICOS O QUE É UM INDICADOR BIOLÓGICO Indicador Biológico é um sistema de teste contendo microorganismos viáveis, garantindo uma resistência definida

Leia mais

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DO TESTE TIPO BOWIE & DICK

SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DO TESTE TIPO BOWIE & DICK SEGMENTO: HOSPITALAR USO CORRETO DO TESTE TIPO BOWIE & DICK HISTÓRIA DO TESTE BOWIE & DICK O pacote original do Teste Bowie & Dick foi desenvolvido desde 1961 pelo Dr. J.Bowie e o Sr. J.Dick e a conclusão

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

2 Encontro de Esterilização Wolf Comercial Monitoramento do Processo de Esterilização a Vapor

2 Encontro de Esterilização Wolf Comercial Monitoramento do Processo de Esterilização a Vapor 2 Encontro de Esterilização Wolf Comercial Monitoramento do Processo de Esterilização a Vapor Ligia Garrido Calicchio Enfermeira Líder do CME Hospital Samaritano Local: Centro de Convenções Bolsa do Rio

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE 1 Ácido Peracético 0,2%. Galão de 5 litros. Validade maior ou igual a 12 (doze) meses a contar GALÃO 800 Caneta marcadora atóxica, ideal

Leia mais

SEGMENTO: HOSPITALAR UTILIZAÇÃO CORRETA DO SISTEMA DE BARREIRA ESTÉRIL (EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO)

SEGMENTO: HOSPITALAR UTILIZAÇÃO CORRETA DO SISTEMA DE BARREIRA ESTÉRIL (EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO) SEGMENTO: HOSPITALAR UTILIZAÇÃO CORRETA DO SISTEMA DE BARREIRA ESTÉRIL (EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO) O QUE É UM SISTEMA DE BARREIRA ESTÉRIL SISTEMA DE EMBALAGEM SISTEMA DE BARREIRA ESTÉRIL EMBALAGEM

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS 2010 SISTEMA DE CONSIGNAÇÃO E A INTERFACE COM A CADEIA DE ABASTECIMENTO EM SAÚDE

CICLO DE PALESTRAS 2010 SISTEMA DE CONSIGNAÇÃO E A INTERFACE COM A CADEIA DE ABASTECIMENTO EM SAÚDE CICLO DE PALESTRAS 2010 SISTEMA DE CONSIGNAÇÃO E A INTERFACE COM A CADEIA DE ABASTECIMENTO EM SAÚDE Realização: SISTEMA DE CONSIGNAÇÃO E A INTERFACE COM A CADEIA DE ABASTECIMENTO EM SAÚDE Ana Maria F.

Leia mais

Esterilização a vapor de uso imediato

Esterilização a vapor de uso imediato Esterilização a vapor de uso imediato Andréa Alfaya Acuna Coord. CME e Suprimentos Esterilização de Uso imediato Conhecida como esterilização flash no passado é tradicionalmente definida como esterilização

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Qualificação de Desempenho de Autoclaves A visão da Enfermagem

Qualificação de Desempenho de Autoclaves A visão da Enfermagem Qualificação de Desempenho de Autoclaves A visão da Enfermagem Rosa Mª Pelegrini Fonseca Enfermeira supervisora do Centro Cirúrgico e Centro de Material e Esterilização do Hospital Paulistano. Mestre em

Leia mais

Enfermeira Teresinha Neide de Oliveira

Enfermeira Teresinha Neide de Oliveira PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS Hospital Monte Klinikum CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO Hospital Geral de Fortaleza ILUSTRAÇÕES: www.google.com.br/imagens Fotos dos cenários

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA CCIH NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA CCIH NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECCÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA CCIH NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO Bernardo França Enfermeiro da CCIH

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO)

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO) Enfª Débora Cabral Nunes Hospital Unimed de Sorocaba Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar 2011 Cirurgia Segura-TIME

Leia mais

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional

INDICADOR BIOLÓGICO. Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional INDICADOR BIOLÓGICO Para o código 1262 adotaremos, neste documento, a nomenclatura de Convencional Para os códigos 1292 e 1291 adotaremos, neste documento, a nomenclatura RRBI (Indicador Biológico de Leitura

Leia mais

Guia do Programa de empréstimo

Guia do Programa de empréstimo Guia do Programa de empréstimo Este documento só é válido na data impressa. Caso não tenha certeza da data impressa, imprima novamente para garantir o uso da revisão mais recente deste documento (disponível

Leia mais

MONITORAÇÃO BIOLÓGICA

MONITORAÇÃO BIOLÓGICA CATÁLOGO DE PRODUTOS CLEAN UP / SOINVIE WWW.CLEANUPBRAZIL.COM.BR MONITORAÇÃO BIOLÓGICA Indicadores Biológicos Os indicadores biológicos - CLEAN TEST - são compostos por: uma ampola plástica e uma tira

Leia mais

INCIDENTE NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO (CME)

INCIDENTE NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO (CME) INCIDENTE NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO (CME) 31º ENCONTRO PRESENCIAL DO FÓRUM ACIDENTES DO TRABALHO: ANÁLISE, PREVENÇÃO E ASPECTOS ASSOCIADOS Enfa. Mestre SUZIMAR BENATO FUSCO 06/11/2012 FLUXOGRAMA

Leia mais

MONITORAMENTO DE PROCESSOS

MONITORAMENTO DE PROCESSOS MONITORAMENTO DE PROCESSOS ÍNDICE Limpeza...03 Selagem...03 Esterilização - Vapor...04 Esterilização - Baixa Temperatura...05 Esterilização - Óxido de Etileno (ETO) Esterilização - Baixa Temperatura...06

Leia mais

Sistemas de monitoramento de pacientes

Sistemas de monitoramento de pacientes Sistemas de monitoramento de pacientes Eliza Cristiane de Carvalho Natália de Souza Leite Biomedicina Tópicos de Pesquisa em Informática CI242 Orientadora: Profª Dra. Carmem Hara O que é monitoramento

Leia mais

V Seminário TSPV Trabalhador Saudável Paciente Vivo. Realidade Atual. Luiz Carlos da Fonseca e Silva

V Seminário TSPV Trabalhador Saudável Paciente Vivo. Realidade Atual. Luiz Carlos da Fonseca e Silva V Seminário TSPV Trabalhador Saudável Paciente Vivo Realidade Atual Próximos passos Luiz Carlos da Fonseca e Silva A N V I S A - Missão Promover e proteger a saúde da população e intervir nos riscos decorrentes

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO

PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO Data de 1. Definição Prevenção de Infecção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica Tornar de conhecimento da assistência um conjunto de orientações para a prevenção de pneumonia relacionada à assistência.

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

Liliana J.P. Donatelli Março 2014 RDC 15. Implicações comerciais para produtos e equipamentos Cristófoli

Liliana J.P. Donatelli Março 2014 RDC 15. Implicações comerciais para produtos e equipamentos Cristófoli Liliana J.P. Donatelli Março 2014 RDC 15 Implicações comerciais para produtos e equipamentos Cristófoli Título! RESOLUÇÃO - RDC No- 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012! Dispõe sobre requisitos de boas práticas

Leia mais

Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares. Maria Águida Cassola

Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares. Maria Águida Cassola Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares Maria Águida Cassola with compliments of BHT and Belimed ESTERILIZAÇÃO LIMPEZA Validação EMBALAGEM washing disinf. packaging sterilization

Leia mais

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER EXTRATOR DE CÁLCULOS MANUAL DO USUÁRIO CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER Registro ANVISA nº 80475510046 e-mail: contato@e-med.net.br Resp. Técnica: Juliana Maria

Leia mais

Guia do Programa de Empréstimo

Guia do Programa de Empréstimo Guia do Programa de Empréstimo Este documento é válido apenas na data de impressão. Se não tiver a certeza de qual é a data de impressão, volte a imprimir o documento para assegurar que é utilizada a última

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Qualificar e atestar a eficaz esterilização de instrumentais pelas autoclaves em conformidade com à RDC Nº 15, de 15 de Março de 2012, da ANVISA.

Qualificar e atestar a eficaz esterilização de instrumentais pelas autoclaves em conformidade com à RDC Nº 15, de 15 de Março de 2012, da ANVISA. Unidade Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo IT/FOUFBA/CME/03 1 de 5 Glossário de Siglas e Termos Autoclaves

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

InovaçõesTecnológicasna Monitoraçãodo Processode

InovaçõesTecnológicasna Monitoraçãodo Processode InovaçõesTecnológicasna Monitoraçãodo Processode Esterilizaçãoa Vapor Richard Bancroft, B.Sc(Hons) Diretor de Desenvolvimento e Assistência Técnica Albert Browne Ltd A subsidiary of STERIS Corporation

Leia mais

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida.

1. Descrever as variáveis críticas da qualidade do vapor para uma esterilização bemsucedida. S E L F - S T U D Y S E R I E S HEALTHCARE PURCHASING NEWS Dezembro de 2010 Patrocinado por Este estudo autodirigido com um tópico relacionado ao serviço central foi desenvolvido pela 3M Health Care. As

Leia mais

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno

Monitoramento da Limpeza. Enfª. Cristiane Uyeno Monitoramento da Limpeza Enfª. Cristiane Uyeno Responsabilidade O Enfermeiro é responsável legal, por assegurar ao cliente uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes a imperícia, imprudência

Leia mais

Tecnologias de Desinfecção e Esterilização

Tecnologias de Desinfecção e Esterilização Tecnologias de Desinfecção e Esterilização Andréa Alfaya Acuna Coord.Central de Material e Esterilização e Suprimentos O que vamos conversar nestes 20 minutos? Novidades do Sistema de Controle de Esterilização

Leia mais

HOSPITAL DA PRÓTESE DENTÁRIA

HOSPITAL DA PRÓTESE DENTÁRIA ESTERILIZAÇÃO O compromisso de cuidar da saúde dos pacientes começa com o processo de controle de risco biológico na prática odontológica diária. Para isso, em nossa clínica, mantemos um rigoroso controle

Leia mais

INDICADORES DE ESTERILIZAÇÃO

INDICADORES DE ESTERILIZAÇÃO Como verificar a eficácia de um processo de esterilização? INICAORES E ESTERILIZAÇÃO Uso de indicadores que monitorem o processo de esterilização. Profa. ra. Marina Ishii FBT 5736 Métodos Gerais de Esterilização

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade)

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade) Procedimento do SGI PSG-17 (Rastreabilidade) Índice 1. Objectivo 4 2. Campo de Aplicação 4 3. Actividades 4 3.1 1ª Actividade: Identificação e Rastreabilidade 4 3.1.1 Responsabilidades 5 3.2 2ª Actividade:

Leia mais

D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009

D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre normas de tecnovigilância aplicáveis aos detentores de registro de produtos para

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Containers em Geral (Caixas, s, Cubas, etc) NOME COMERCIAL: s em TRAUMEC PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções antes da

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Containers em Geral (Caixas, Bandejas, Cubas, etc) NOME COMERCIAL: BANDEJAS EM PPSU TRAUMEC PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR

ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br POR VAPOR FERNANDO BUSTAMANTE 2010 HISTÓRIA DA DENYS PAPIN - 1680 (MARMITA DE

Leia mais

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Programa de Normalização Setorial - PNS 2017

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Programa de Normalização Setorial - PNS 2017 ABNT/CB 26 ODONTO-MÉDICO-HOSPITALAR ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Programa de Normalização Setorial - PNS 2017 SCB 26:090 CE 26:090.01 Esterilização de produtos para saúde NÚMERO DO PROJETO

Leia mais

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru Roney Caetano Gerente de Produtos QSD 17 de Outubro de 2012 Qualidade - Definições Totalidade das características que um produto ou serviço

Leia mais

Demonstrativo de Pagamento Padrão ANS

Demonstrativo de Pagamento Padrão ANS Demonstrativo de Pagamento Padrão ANS Legenda do Demonstrativo de Pagamento Dados da Operadora 1 Registro ANS Registro da operadora na ANS 2 Nome da operadora Nome da operadora 3 CNPJ operadora Número

Leia mais

PMBOK Processo Planejamento

PMBOK Processo Planejamento PMBOK Processo Planejamento Profª Andrea Padovan Jubileu PMBOK Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero

INSTRUÇÕES DE USO. NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Instrumentos Cirúrgicos NOME COMERCIAL: Instrumental Não Articulado Não Cortante em Polímero Fabricante: ENGIMPLAN ENGENHARIA DE IMPLANTE IND. E COM. LTDA. Rod. Washington

Leia mais

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização Gláucya Dau Enfermeira Objetivo: Revisar e reforçar por meio de evidências da literatura conceitos sobre esterilização e RDCs Quebrando a cadeia de

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental

PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental Página 1 de 6 I ÂMBITO Abrange o ciclo de vida dos documentos desde a sua entrada/criação na ESEP, até ao fim do seu ciclo de vida na ESEP, incluindo o controlo dos documentos e os registos da qualidade

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Estojos para Acondicionamento de Implantes e Instrumentais Cirúrgicos PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP:

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP: INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Lâminas Descartáveis NOME COMERCIAL: Lâminas Cirúrgicas Engimplan Fabricante: ENGIMPLAN ENGENHARIA DE IMPLANTE IND. E COM. LTDA. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção NVES-INFEC scies-dvs@saude.rs.gov.br

Leia mais

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 PROCEDIMENTO PR 6.01 Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 CÓPIA CONTROLADA 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 29/07/2014 01 03/12/2015 02 Adequações

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Plano de Controlo Oficial do Leite na RAM (PCOL) Maria Celeste da Costa Bento Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar São Vicente, 19

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NO BRASIL O Brasil está implantando o seu sistema de rastreabilidade de medicamentos, para garantir o acompanhamento do caminho percorrido por

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

MANIPULAÇÃO DE INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT MANIPULAÇÃO DE INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-1 Português (pt) Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: Para idiomas adicionais, visite o nosso

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SETOR: CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO PROCEDIMENTO TAREFA: ESTERILIZAÇÃO Á VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO (PROGRAMA DE AQUECIMENTO TERMODESINFECÇÃO DE ARTIGOS NÃO CRÍTICOS) LOCAL DE EXECUÇÃO: ÁREA DA

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE ROTINA DE IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO PACIENTE META INTERNACIONAL DE SEGURANÇA 1 ( MIS-01) 1 OBJETIVO PROCEDIMENTO OPERACIONAL

Leia mais

Stericontrol - LISTA DE PRODUTOS

Stericontrol - LISTA DE PRODUTOS CÓD. BI-TEST - IND. BIOLÓGICOS QTD. EMB. IPI BI-100/6 BI-Test -Peroxido Hidrogenio - IB- autocontido - 24 horas 10/6 50 CX ISENTO BI-124/5 BI-Test - Vapor - IB- autocontido -24 horas 10/5 50 CX ISENTO

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE EM PPSU Instrumental para Implante Ortopédico

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE EM PPSU Instrumental para Implante Ortopédico MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE EM Instrumental para Implante Ortopédico PRODUTO NÃO ESTÉRIL. ESTERILIZAR ANTES DO USO. REPROCESSÁVEL. Descrição Os instrumentais cirúrgicos

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Whatsapp: Facebook:

Eng. Paulo Roberto Laranjeira   Whatsapp: Facebook: Eng. Paulo Roberto Laranjeira e-mail: prlaranjeira@usp.br Whatsapp: 11-98473-3020 Facebook: prlaranjeira@gmail.com RDC -15 Art. 29 Os profissionais da CME e da empresa processadora devem receber capacitação

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial DISSERTAÇÃO apresentada ao CEFET-PR para obtenção do título de MESTRE EM CIÊNCIAS

Leia mais

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Empresa: Data Atual: oteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Assinatura do esponsável Pág 1 à 6 Data da Ultima Visita: 1º Vez º Vez Participante: Cargos: 1.Aspecto Legais: a) Profissional responsável

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA ELABORAÇÃO DE COSMÉTICOS

BOAS PRÁTICAS NA ELABORAÇÃO DE COSMÉTICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA INDUSTRIAL FARMACÊUTICA BOAS PRÁTICAS NA ELABORAÇÃO DE COSMÉTICOS FLÁVIA ALMADA DO CARMO DEFINIÇÃO Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos

Leia mais

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores ESCOPO Este questionário de auto-avaliação tem como objetivo proporcionar um conhecimento geral do fornecedor,

Leia mais

Plano de recolhimento recall / /

Plano de recolhimento recall / / Objetivo Responsável elaboração Campo de aplicação Nome da empresa Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o plano de recolhimento que deverá assegurar que sejam adotados

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS SOBRE PROCESSAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE"

IV JORNADA DE ESTUDOS SOBRE PROCESSAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE IV JORNADA DE ESTUDOS SOBRE PROCESSAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE" Perfil da CME Mundial X CME Brasil Márcia Cristina Oliveira Pereira Diretora Assistência Gestão 2014-2015 Em que contexto está a saúde

Leia mais

Higienização de Ambiente Aplicada ao Controle de Infecção Hospitalar Enf.ª Simone Moreira Esp. Controle de Infecção Hospitalar Me.

Higienização de Ambiente Aplicada ao Controle de Infecção Hospitalar Enf.ª Simone Moreira Esp. Controle de Infecção Hospitalar Me. 3º Encontro de Esterilização: práticas seguras em respeito à vida Higienização de Ambiente Aplicada ao Controle de Infecção Hospitalar Enf.ª Simone Moreira Esp. Controle de Infecção Hospitalar Me. Avaliação

Leia mais

A Linguagem Global dos Negócios. Setor dos Cárnicos. Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira

A Linguagem Global dos Negócios. Setor dos Cárnicos. Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira A Linguagem Global dos Negócios Setor dos Cárnicos Rastreabilidade das carnes de suíno, caprino, ovino e aves de capoeira Guia de Implementação Regulamento de Execução (UE) nº 1337/2013 Setor dos Cárnicos

Leia mais

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136 s/n, Quadra F44, Lotes 22 a 24,

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento do escopo Prof. Robson Almeida Gerenciamento do Escopo Sendo o primeiro passo do Planejamento do Projeto, esta fase identifica e documenta o trabalho que produzirá

Leia mais

Resposta Coordenada de Monitoramento da Dengue MT Informe técnico n 12 Atualizado em 11/05/2010 ás 11:00 h.

Resposta Coordenada de Monitoramento da Dengue MT Informe técnico n 12 Atualizado em 11/05/2010 ás 11:00 h. Governo Federal Ministério da Saúde Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Saúde Distribuição restrita aos gestores e técnicos das secretarias de saúde, com o objetivo de monitorar a

Leia mais

CENTRO DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO Sumário NORMAS OPERACIONAIS Introdução Regimento Interno da Central de Materiais e Esterilização Estrutura Organizacional Estrutura Física Higiene e Limpeza Limpeza

Leia mais

Pergunte ao Especialista: Rastreabilidade para Segurança do Alimento RDC-24 da ANVISA

Pergunte ao Especialista: Rastreabilidade para Segurança do Alimento RDC-24 da ANVISA Pergunte ao Especialista: Rastreabilidade para Segurança do Alimento RDC-24 da ANVISA Nilson Gasconi 14 de Julho de 2016 Objetivos Resolução da ANVISA RDC-24 Conceituar rastreabilidade. Proporcionar conhecimento

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento do escopo Prof. Robson Almeida Gerenciamento do Escopo Sendo o primeiro passo do Planejamento do Projeto, esta fase identifica e documenta o trabalho que produzirá

Leia mais

Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido

Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido 1 Validação e Controlo de Rotina da Esterilização a Calor Húmido ACES Alentejo Central e ACES Arco Ribeirinho Évora 10 Maio 2013 Amália Espada Carmen Venturinha Conceição Cortes Pedro Bento Sumário 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal Ri Segatto

Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal Ri Segatto 0 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO RASTREABILIDADE Páginas: 1 a 8 Código: 04 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado por: Homologado por: Jacimar

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) Página 1 MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O, referência 7209350, de uso único

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução incorpora ao ordenamento jurídico nacional a Resolução GMC MERCOSUL n. 46/15.

Art. 2º Esta Resolução incorpora ao ordenamento jurídico nacional a Resolução GMC MERCOSUL n. 46/15. RESOLUÇÃO - RDC Nº 108, DE 6 DE SETEMBRO DE 2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem o art. 15, III e IV aliado ao art. 7º, III, e IV,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues QUAL A FINALIDADE DA IDENTIFICAÇÃO? É assegurar que o cuidado seja prestado à pessoa, prevenindo

Leia mais

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor Como monitorar seu processo de esterilização Nome do autor com segurança e qualidade Richard Bancroft Engenheiro Albert Browne (Inglaterra) Gessilene Barbosa Enfermeira Mack Medical (Brasil) Agenda Mapeamento

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO CORTANTE Instrumental para Implante Ortopédico

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO CORTANTE Instrumental para Implante Ortopédico MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO CORTANTE Instrumental para Implante Ortopédico PRODUTO NÃO ESTÉRIL. ESTERILIZAR ANTES DO USO. REPROCESSÁVEL. Descrição Os instrumentais cirúrgicos

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais