1 Circuitos Pneumáticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Circuitos Pneumáticos"

Transcrição

1 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados conforme suas funções dentro dos sistemas pneumáticos. As múltiplas funções quando devidamente posicionadas dentro de uma hierarquia, formam uma cadeia de comandos. Temos a representação das conexões através de números Neste esquema fica caracterizado que válvulas direcionais podem ser tanto elementos de comando como elementos de sinais. Isto posto, fica estabelecido que as válvulas sejam tratadas pela sua característica construtiva e não pela sua função no circuito. 1.1 Válvulas direcionais Válvulas direcionais são válvulas que interferem na trajetória do fluxo de ar, desviando-o para onde for determinado por ação de um acionamento externo. Para representação das válvulas direcionais nos circuitos pneumáticos, são utilizados simbologia normalizadas conforme norma DIN ISO Esta norma nos dá a função da válvula e não considera a construção da mesma.

2 Desenvolvimento dos símbolos Identificação das posições Posição de repouso ou posição normal é aquela em que a válvula se encontra quando não esta acionada. No caso das válvulas de 2 posições, a posição de repouso é aquela situada a direita da válvula e para as válvulas de 3 posições a posição de repouso é a posição central. Identificação das conexões Conforme norma DIN ISO 5599 temos a representação das conexões através de números e segundo a norma DIN ISO 1219 a representação e por letras.

3

4 Tipos de acionamentos As comutações das Válvulas direcionais dependem de acionamentos externos. Esses acionamentos podem ser MECÃNICOS; MANUAIS; ELÉTRICO; PNEUMÁTICOS e/ou combinados. O acionamento deve ser sempre compatível com o momento do acionamento. Por exemplo, para um sinal de inicio de ciclo, normalmente se usa um acionamento muscular ( botão, pedal, alavanca. Se o acionamento for executado no meio do ciclo, um acionamento mecânico é mais indicado (rolete; gatilho; came). MUSCULAR MECÂNICO PNEUMÁTICO ELÉTRICO

5 1.2 Válvulas de Bloqueio Válvulas de bloqueio são elementos que bloqueiam a passagem de ar em um sentido, permitindo a passagem livre no sentido oposto. Normalmente o bloqueio em um dos sentidos e executado pela pressão no lado bloqueado atuando sobre o elemento vedante. Válvula de Retenção Válvulas que impedem a passagem do ar em uma das direções. Válvula alternadora ( elemento OU) Esta válvula possui duas entradas X e Y e uma saída A. Quando o ar comprimido entra em X, a esfera bloqueia a entrada Y e o ar circula de X para A. Estas válvulas selecionam os sinais emitidos pelas válvulas de sinais e impede a saída de ar para outra válvula. Isto acontece sempre que um elemento de comando, cilindro, por exemplo, precise ser acionado de dois ou mais lugares.

6 Exemplo de aplicação: Válvula de Simultaneidade (elemento E ) Esta válvula possui duas entradas X e Y e uma saída A. O ar comprimido pode passar somente quando houver pressão em ambas as entradas. Quando existe uma diferença de tempo nas pressões, a última é a que chega na saída A e no caso dos sinais de entrada forem de pressões diferentes, a maior bloqueia um lado da válvula e a menor chega atém a saída A.

7 1.3 Válvulas de Fluxo Estas válvulas influenciam a quantidade de ar que passa ao atuador pneumático, que tem por objetivo o controle da velocidade de atuação dos cilindros ou a rotação dos motores. Válvulas Reguladoras de Fluxo Bidirecional Válvulas Reguladoras de Fluxo Unidirecional Regulagem na entrada de ar: nesse caso as válvulas são montadas de modo que o estrangulamento seja feito na entrada do ar para o cilindro. O ar de retorno flui livremente para atmosfera. Ligeiras variações de carga na haste do pistão, provocadas, por exemplo, ao passar pela chave fim de curso, resultam em grandes diferenças na velocidade de avanço. Poe esta razão, a regulagem na entrada é utilizada para cilindros de simples ação ou de pequeno volume.

8 Regulagem da entrada de ar: Regulagem na saída de ar: Nesse caso o ar de alimentação entra livremente no cilindro, sendo estrangulado o ar na saída. Com isso o êmbolo fica submetido a duas pressões de ar. Esta montagem da válvula reguladora de fluxo melhora muito a conduta do avanço, razão pela qual a regulagem em cilindros de dupla ação deve ser feita na saída do ar da câmara do cilindro.

9 1.4 Combinações de Válvulas Válvulas Temporizadas Válvulas temporizadas são utilizadas para promover um retardo na emissão de um sinal. Normalmente, as válvulas temporizadas são compostas de uma válvula direcional 3/2 vias e acionada por piloto, uma válvula reguladora de fluxo unidirecional e um reservatório de ar. Válvula temporizadora normal fechada: Válvula temporizadora normal Aberta:

10 Em ambos os temporizadores, o tempo de retardo normal e de 0 a 30 segundos. Este tempo pode ser prolongado com um depósito adicional. Se o ar é limpo e a pressão constante, pode-se obter temporizações exatas. Exemplo de aplicação: 1.5 Confecção de Circuitos Pneumáticos Cadeia de Comandos: A disposição gráfica dos diferentes elementos é análoga a representação esquemática da cadeia de comando, ou seja, o fluxo dos sinais é de baixo para cima.

11 O quadro mostrado predetermina que o esquema seja desenhado sem considerar a disposição física real dos elementos, recomendando-se ainda representar todos os cilindros e válvulas direcionais, horizontalmente. Como exemplo, podemos considerar a seguinte disposição: No esquema acima se pode observar que o elemento fim de curso V1 é, na realidade, instalado no final do curso do cilindro. Entretanto, por se tratar de um elemento de sinal, a mesmo está representado na parte inferior do esquema. 1.6 Designação dos Elementos Pneumáticos. Dois tipos de designação são mais utilizados: - Por algarismos; - Por letras. Identificação por algarismos: Cada elemento dentro de um circuito pneumático tem sua função e, para sua identificação é utilizada a seguinte regra: A identificação é composta de um número de grupo e a numeração seguinte indica a função do elemento. Classificação dos grupos: Grupo 0: Elementos que constituem a alimentação de energia. Grupo 1,2,3... Designação das diversas cadeias de comando. O sistema de numeração esta orientado segundo as funções dos elementos e tem a vantagem, na prática, de se conhecer a atuação do sinal de cada elemento por intermédio da numeração.

12 Numeração contínua:.0 Elemento de Trabalho, ex.: 1.0 ; Elemento de Comando, ex.: 1.1; ;.4 Elemento de sinais Avanço, ex.: 2.2; (números pares).3;.5 Elementos de sinais Retorno, ex.: 1.3; (números ímpares).01;.02 Elementos auxiliares Avanço par e retorno ímpar Identificação por letras: Este método é muito importante no estudo de esquemas para comandos programados em função da trajetória. Os elementos de trabalho são identificados por letras maiúsculas e os fins de curso com letras minúsculas, identificados em função da sua posição e dos cilindros que os acionam. A, B, C... Elementos de trabalho ao, bo, co,... Elementos de sinais (fim de curso) no retorno da haste. a1, b1, c1,... Elementos de sinais ( fim de curso) no avanço da haste Neste sistema, fica fácil a identificação de imediato que o elemento de sinal fica acionado, quando o elemento de trabalho passa a uma determinada posição.

13 Representação Simbólica:

14 2 Representação dos Movimentos Pneumáticos A seqüência de movimentos e estados de comutação de elementos de trabalho e de comando de forma que a seqüência de operação fique facilmente visível na elaboração do projeto pneumático nos obriga a determinar formas apropriadas de representação dos movimentos. A partir de um problema que envolve uma determinada seqüência de operação, as normas de representação são as seguintes: Como exemplo da figura: Pacotes que chegam por um transportador são elevados por um cilindro pneumático A e empurrados para outro transportador por um cilindro B. Existe uma condição em que o cilindro B somente retorne quando o cilindro A tiver alcançado sua posição inicial. 2.1 Representação por Ordem Cronológica. A ordem cronológica, como mostrado na tabela acima, indica a seqüência operacional ou os passos de cada fase do sistema e o movimento ou trajeto executado por cada cilindro. Essa representação forma os diagramas de funcionamento utilizados para representação das seqüências funcionais de comandos.

15 Esses diagramas de funcionamento são a base para elaboração dos esquemas funcionais de cada projeto. Na representação dos comandos seqüenciais destacam-se dois principais tipos de diagramas: Diagrama de Movimentos; Diagrama de Comandos. O diagrama de movimentos tem como função representar o estado dos elementos de trabalho. O diagrama de comando fornece as informações dos elementos de comando, individualmente. 2.2 Diagrama de Movimentos 1. DIAGRAMA TRAJETO-PASSO Esse diagrama representa a seqüência de operação dos elementos de trabalho. Indica o movimento desse elemento em relação a cada passo ( variação do estado inicial deste elemento). Construção do diagrama: - Os passos devem ser desenhados horizontalmente com as mesmas distancias. - O trajeto não se desenha em escala, mas deve ser igual para cada unidade. - No caso de existirem diversos elementos de trabalho, a representação deve ser da mesma maneira, fazendo a correspondência de cada passo ( uns sobre os outros). - Os passos sempre colocados horizontalmente e com as mesmas distancias. - O trajeto não precisa ser em escala e deve ser igual para cada unidade (cilindro).

16 - A distancia vertical entre os trajetos não deve ser muito pequena ( de 1/2 a 1 passo). - Pode ser introduzidos passos intermediários caso, durante o movimento, uma chave fim de curso for colocada na posição central do cilindro, ou pela modificação da velocidade do avanço. - A indicação da unidade em questão sempre colocada do lado esquerdo. 2. DIAGRAMA TRAJETO TEMPO No diagrama trajeto passo são representados os elementos de trabalho de percurso planificado ( comandos e seqüência guiados pelo processo). No diagrama trajeto tempo, a dependência cronológica da seqüência é representada fundamentalmente ( comandos guiados por tempo). Quando da necessidade de elaborar os diagramas envolvendo elementos rotativos de trabalho ( motores pneumáticos ou cilindros rotativos), a modificação da condição, não passa ao longo de todo um passou, mas diretamente na linha de tempo. 3. DIAGRAMA DE COMANDO Nesse diagrama colocam-se os estados de comutação dos elementos de sinais e dos elementos de processamento de sinais, sobre cada passo, não considerando os tempos de comutação. Como exemplo, o elemento abaixo é acionado no passo 2 e retorna a posição de repouso no passo 5:

17 O diagrama de comando sempre deve estar acompanhado do diagrama de movimento indicado (trajeto-passo ou trajeto-tempo), se apresentando da seguinte maneira: 3. Desenvolvimento de Esquema de Comandos Voltando ao exemplo dos pacotes que cehgam sobre uma esteira, são elevados por um cilindro pneumatico e empurrados para uma segunda esteira. O cilindro B so pode retornar quando o cilindro A tiver alcancado a posicao final da esteira. O sinal de partida deve ser dado por um botao manual que iniciará cada ciclo de trabalho.

18 3.1 SEQUENCIA DE PROJETO 1ᵒ Passo: Determinar o diagrama de movimentos 2ᵒ Passo: Colocar no diagrama de movimentos os elementos de sinais 3ᵒ Passo: Destacar os elementos de trabalho 4ᵒ Passo: Destacar os elementos de comando

19 5ᵒ Passo: Destacar os elementos de sinais, porem, sem os símbolos de acionamento 6ᵒ Passo: 7ᵒ Passo: 8ᵒ Passo: 9ᵒ Passo: Destacar os elementos de Prod.; Trat.; e Distrib. de ar; Traçar as linhas dos condutores de sinais e comando; Numerar os elementos; Colocar no esquema a posição correta dos elementos fim de curso, conforme o diagrama trajeto passo. 10ᵒ Passo: 11ᵒ Passo: Verificar se é necessário modificar a posição de alguma válvula em função de sinais permanentes ou alguma anulação; Determinar os tipos de acionamento dos elementos de sinais.

20 Via de regra, no diagrama de comando deve-se observar os sinais que influenciam o mesmo cilindro e estão desenhados na mesma cadeia de comandos. Caso eles tenham efeitos contrários, como por exemplo, 1.2 e 1.3, uma contra pressão parece quando comandados simultaneamente. Por essa razão, no diagrama de comandos, deve-se representar os elementos um abaixo do outro. Pelo diagrama podemos observar que não existe a necessidade de desligamento ou a indicação de alguma contra pressão no circuito pneumático. O elemento de sinal 1.2 não tem sinal 1 antes do passo 3. Como se trata de acionamento por botão manual, caso o botão 1.2 permanecer acionado, o sinal em 1.3 ficara bloqueado e o movimento ficara parado no passo 3 ate que o sinal seja liberado. No exemplo apresentado, resta considerar que a válvula 2.3 esta acionada na posição de partida (aberta). Cabe observar que, quando o cilindro A avançar 2.3 ficara livre, não havendo contra pressão em 2.1. O circuito final se apresenta:

21 4. Representação dos Elementos TRANSFORMACAO DE ENERGIA

22

23 COMANDO E REGULAGEM DE ENERGIA VALVULAS DIRECIONAIS

24 VALVULAS DE BLOQUEIO

25 VALVULAS DE PRESSAO VALVULAS DE FLUXO

26 VALVULAS DE FECHAMENTO VALVULA REGULADORA DE FLUXO COM VALVULA DE RETENCAO EM LIGACAO PARALELA TRANMISSAO DE ENERGIA

27 ACIONAMENTO PECAS MECANICAS

28 MEIOS DE ACIONAMENTO ACIONAMENTO MUSCULAR (MUSCULAR) ACIONAMENTO MECANICO

29 ACIONAMENTO ELETRICO ACIONAMENTO POR PRESSAO

30 ACIONAMENTO COMBINADO

31 APARELHOS DIVERSOS

32 SIMBOLOS ESPECIAIS NÃO NORMALIZADOS AMPLIFICADORES

33 CONVERSORES DE SINAIS NÃO NORMALIZADOS CONTADORES NÃO NORMALIZADOS

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA 1 SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA Neste item apresentaremos o resumo dos símbolos usuais empregados em diagramas pneumáticos e hidráulicos. A Tabela 1 apresenta alguns símbolos para os atuadores, conforme a norma

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte IV 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte IV 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte IV 14/02/2015 1 14/02/2015 2 Os diagramas pneumáticos de funcionamento são utilizados para representar as sequências funcionais, de comandos mecânicos,

Leia mais

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS VÁLVULAS Vimos que para os atuadores funcionarem é necessário que o ar comprimido chegue até eles. Ainda não explicamos como isso ocorre, porém não é difícil imaginar uma tubulação de aço, borracha ou

Leia mais

Circuitos Pneumáticos

Circuitos Pneumáticos www.iesa.com.br 1 Circuitos Pneumáticos Exemplos: 1) Comando de um cilindro de ação simples ) Comando de um cilindro de ação dupla 3) Comando indireto de um cilindro de ação simples 4) Comando indireto

Leia mais

SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO)

SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO) SISTEMAS PNEUMÁTICOS (CONTINUAÇÃO) SUMÁRIO Método do Movimento (Intuitivo) Circuitos Seqüenciais MÉTODO DE MOVIMENTO (INTUITIVO) REPRESENTAÇÃO DOS MOVIMENTOS Quando os procedimentos de comando são um pouco

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3 UNIFEI EME60 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 3 Circuito 5: avanço manual, retorno automático e controle de velocidade ula 0 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Circuito 6: avanço manual,

Leia mais

Atuadores Pneumáticos Rotativos

Atuadores Pneumáticos Rotativos UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 2 Atuadores Pneumáticos Rotativos Aula 9 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior https://www.youtube.com/watch?v=-65-t7st6tw Atuadores oscilantes

Leia mais

VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS. 1 Introdução. 2 Válvulas de controle direcional

VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS. 1 Introdução. 2 Válvulas de controle direcional VÁLVULAS HIDRÁULICAS E PNEUMÁTICAS 1 Introdução Os cilindros pneumáticos, componentes para máquinas de produção, para desenvolverem suas ações produtivas, devem ser alimentados ou descarregados convenientemente,

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

Válvulas de Controle Direcional (Non-lub)

Válvulas de Controle Direcional (Non-lub) Válvulas de Controle Direcional (Non-lub) Válvulas de controle direcional Identificação das válvulas direcionais Número de posições O número de quadrados representados na simbologia é igual ao número de

Leia mais

Simbologia dos componentes

Simbologia dos componentes Simbologia dos componentes 1. Símbolos básicos 2. Símbolos funcionais 3. Linhas de escoamento e conexões 4. Tipos de acionamento 2 L1 5. Unidades de conversão e armazenamento de energia L1 6. Distribuição

Leia mais

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Pneumática Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivos e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS

COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS 1. INTRODUÇÃO COMANDOS INTUITIVOS BÁSICOS Os circuitos pneumáticos e eletropneumáticos cujas ações são simples (avanço e retorno de um atuador com algumas poucas condições), são chamados de comandos intuitivos,

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA MODELO: EE0070 FINAME: 3251458 APRESENTAÇÃO Bancada didática construída em estrutura de perfil de alumínio 40x40mm, com 04 rodízios giratórios reforçados,

Leia mais

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Pneumática. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Pneumática Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivos: Objetivo e Considerações O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do ES CEFET-ES Unidade Descentralizada da Serra - Eletro Hidro Pneumática - Prof. Fabricio Bertholi Dias

Centro Federal de Educação Tecnológica do ES CEFET-ES Unidade Descentralizada da Serra - Eletro Hidro Pneumática - Prof. Fabricio Bertholi Dias 1. Método Sistemático O caminho mais simples para a construção de qualquer comando e de forma segura, consiste em desconectar o sinal quando este não é mais necessário, o que significa a anulação após

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS 3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS Nas aplicações e circuitos desenvolvidos no capítulo anterior, a única forma de transmissão de sinais e de energia foi a pneumática. É possível, entretanto

Leia mais

Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04

Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04 UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 04 EME-6 e EME60 ula 0 6--009 Prof. José Hamilton haves Gorgulho Júnior onsiste em cortar a alimentação de ar comprimido dos elementos de sinal que estiverem

Leia mais

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo Aplicação 1: aperto em máquinaferramenta Queremos apertar

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

Técnicas de Comandos Pneumáticos TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS

Técnicas de Comandos Pneumáticos TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS TÉCNICAS DE COMANDOS PNEUMÁTICOS 1 Apostila de Técnicas de Comandos Pneumáticos. MICRO CAPACITAÇÃO - 2006 Coordenação: Cláudio Júlio Francisco José Eduardo May Revisão técnica: Cláudio Julio Francisco

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa B30.15.0-P VÁLVULAS DE REGULAÇÃO ULTIJATO Regulação da vazão e pressão Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa A Válvula Regulação ultijato, foi desenvolvida

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Tecnologia Eletropneumática Industrial

Tecnologia Eletropneumática Industrial Tecnologia Tecnologia Eletropneumática Industrial Industrial Componentes dos Circuitos Elétricos Os componentes elétricos utilizados nos circuitos são distribuídos em três categorias: os elementos de entrada

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES

CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 1 CATÁLOGO DE CURSOS PARA CLIENTES 2 SMCT01 Automação Pneumática Carga horária: 16 Horas (2 dias) Este treinamento tem o objetivo de treinar o participante quanto ao correto entendimento, dimensionamento

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact ELETROPNEUMÁTICA Juliano Matias Phoenix Contact Na área de Automação Industrial, um dos segmentos mais utilizados até hoje é sem dúvida o da Pneumática, pois esta possui características de velocidade e

Leia mais

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática Componentes dos Eletropneumática Fabricio Bertholi Dias Componentes dos Elementos de Entrada de Sinais Emitem informações ao circuito por meio de uma ação muscular, mecânica, elétrica, eletrônica ou combinação

Leia mais

Campus Assis Chateaubriand. Professor: Darlan Roque Dapieve

Campus Assis Chateaubriand. Professor: Darlan Roque Dapieve Campus Assis Chateaubriand Professor: Darlan Roque Dapieve darlan.dapieve@ifpr.edu.br Métodos de Interpretação de Circuitos Pneumáticos Ainda não existe um método geral, porém, ainda predomina para pequenos

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

1 IFSul-Campus Pelotas. Circuitação Pneumática

1 IFSul-Campus Pelotas. Circuitação Pneumática 1 IFSul-Campus Pelotas Circuitação Pneumática Prof. Gladimir Pinto da Silva 03/2002 Circuitação Pneumática 2 1- Circuitos Pneumáticos Básicos 1.1- Comando direto de cilindro de Simples Ação A VCD 1.1,

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

Circuitos pneumáticos básicos e fundamentos da física

Circuitos pneumáticos básicos e fundamentos da física _ _ [ 2 ] ADILSON LIMA PEREIRA CIRCUITOS PNEUMÁTICOS BÁSICOS E FUNDAMENTOS DA FÍSICA 1ª Edição EDITORA São Paulo 2015 [ 3 ] Ficha catalográfica P436c Pereira, Adilson Lima Circuitos pneumáticos básicos

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção Damper tipo Borboleta ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era

Leia mais

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos 1 - INTRODUÇÃO Os atuadores pneumáticos são componentes que transformam a energia do ar comprimido em energia mecânica, isto é, são elementos

Leia mais

Considere um carro que se pode movimentar entre as posições A e B.

Considere um carro que se pode movimentar entre as posições A e B. Lista de Exercícios Adicionais Assunto: Minicurso Conceitos básicos da linguagem Grafcet Professor: Cleiton Rodrigues Mendes¹ Questão 1: (Fonte: e-grafcet) Considere um carro que se pode movimentar entre

Leia mais

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS ELETRICIDADE ENSINO MÉDIO Aluno: Série: 3 a Professor: EDUARDO Disciplina: FÍSICA Data: ELETROSTÁTICA 1) (Unicamp-SP) Duas cargas elétricas Q 1 e Q 2 atraem-se quando colocadas próximas

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP

METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP METODOLOGIA PARA PROGRAMAR SFC NO CLP Na estrutura de um SFC, observa-se claramente a existência de três elementos básicos: as transições, as etapas e as ações. Assim, se cada um desses elementos for corretamente

Leia mais

8ª Aula Válvulas Auxiliares. Conforme comentado, as válvulas pertencem a um dos seguintes grupos:

8ª Aula Válvulas Auxiliares. Conforme comentado, as válvulas pertencem a um dos seguintes grupos: 8ª Aula Válvulas Auxiliares Conforme comentado, as válvulas pertencem a um dos seguintes grupos: Direcionais; Bloqueio; Pressão; Vazão; Fechamento. O objeto de estudo nesta aula são as válvulas chamadas

Leia mais

Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim. Atuadores Peneumáticos. Módulo 1. Prof. Corradi -

Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim. Atuadores Peneumáticos. Módulo 1. Prof. Corradi - Automação e o uso de Computadores - Software Fluidsim Módulo 1 Atuadores Peneumáticos Prof. Corradi - www.corradi.junior.nom.br 1 Eletropneumática SOFTWARE FluidSim 3.6 FESTO Programa informático para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS Código da Disciplina: EMC233 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta

Leia mais

Válvulas de Controle 25/11/20122

Válvulas de Controle 25/11/20122 25/11/2012 1 2012 25/11/20122 2 Tipos de Válvulas Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas deve-se subentender

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

Circuitos Pneumáticos Básicos

Circuitos Pneumáticos Básicos UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 03 Circuitos Pneumáticos Básicos EME-26/EME610 Aula 09 09-11-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Circuito 1: comando direto de cilindro de simples

Leia mais

Cilindros Hidráulicos

Cilindros Hidráulicos Cilindros Hidráulicos Cilindros hidráulicos transformam trabalho hidráulico em energia mecânica linear, a qual é aplicada a um objeto resistivo para realizar trabalho. Um cilindro consiste de uma camisa

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Engenharia Elétrica Disciplina: SEL 0430 Laboratório de Automação Profs. Dennis Brandão 1º Semestre/2017

Escola de Engenharia de São Carlos - Engenharia Elétrica Disciplina: SEL 0430 Laboratório de Automação Profs. Dennis Brandão 1º Semestre/2017 Escola de Engenharia de São Carlos - Engenharia Elétrica Disciplina: SEL 0430 Laboratório de Automação Profs. Dennis Brandão 1º Semestre/2017 Roteiro do 1º Experimento: Pneumática Aula 1 1. Desenhe no

Leia mais

Identificações e marcações de válvulas

Identificações e marcações de válvulas Tabela 16: Comprimento equivalente de tubulação Máximos valores previstos para válvulas de bronze (m) DN Esfera Retenção Gaveta Macho Globo Pass. plena Pass. reduzida Portinhola Horizontal Vertical e poço

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Instalações e Dispositivos Elétricos Dispositivos de Partida, Acionamento e Parada Dispositivos de Parada de Emergência Clarice I. Lorenzi Eng.

Leia mais

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Introdução PÁTICA - PATIDA ETELA-TIÂNGULO DO MOTO DE INDUÇÃO TIFÁICO A chave estrela-triângulo é um dispositivo auxiliar de partida de motores

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

Aula 08 Noções de Pneumática e Hidráulica

Aula 08 Noções de Pneumática e Hidráulica PROJETO MECÂNICO (SEM 0347) Notas de Aulas v.2016 Aula 08 Noções de Pneumática e Hidráulica Professores: Carlos Alberto Fortulan Benedito de Moraes Purquerio ? Transformação de fluídos pressurizados em

Leia mais

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs

O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs O Grafcet e a programação de lógica seqüencial em CLPs 1) Introdução Em problemas nos quais as ações de comando são seqüenciais ou então tempo dependentes, a modelagem lógica, representada unicamente com

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Resistores ajustáveis 6 Resistores ajustáveis de fio 7 Trimpot 8 Características dos resistores ajustáveis 10 Simbologia 12 Potenciômetros 13 Funcionamento 13 Simbologia 14 Tipos de

Leia mais

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE

EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE I EXPERIÊNCIA N O 1 ACINAMENTO DE UMA LÂMPADA POR UMA CHAVE Ligar e desligar uma lâmpada através de uma única chave pulsante. Toda vez que a chave for pressionada a lâmpada deve mudar de estado, mantendo

Leia mais

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO DINÂMICO Ø 40 a 100 mm - duplo efeito ISO AFNOR-DIN

DISPOSITIVO DE BLOQUEIO DINÂMICO Ø 40 a 100 mm - duplo efeito ISO AFNOR-DIN APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO DE LOQUEIO DINÂMICO 40 a 100 mm - duplo efeito ISO 15552-AFNOR-DIN Destinado a assegurar a paragem e a manutenção da haste do cilindro sob carga durante o corte elétrico ou ar

Leia mais

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25 Laboratório de Sistemas Hidráulicos Aula prática S25 Relação entre áreas Vazão X Velocidade 1ª Verificação Aeração e Cavitação Cavitação Entende-se por cavitação a formação temporária de espaços vazios

Leia mais

Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial.

Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial. Agenda - conteúdo Princípios físicos que envolvem a hidráulica industrial. Símbolos normalizados (DIN/ISSO 1219 e 5599). Especificações técnicas, formas construtivas e funções das bombas hidráulicas, atuadores,

Leia mais

1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas estranguladoras com livre retorno DVP/ da HYDAC, são

1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas estranguladoras com livre retorno DVP/ da HYDAC, são Válvulas estranguladoras e Válvulas estranguladoras com livre retorno DVP, DVP até 350 bar até 300 l/min 1 1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas

Leia mais

Atuadores Pneumáticos Lineares

Atuadores Pneumáticos Lineares UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 02 Atuadores Pneumáticos Lineares EME-26/EME610 Aula 08 03-11-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Introdução Atuadores pneumáticos incluem cilindros

Leia mais

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Hidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica

Fundamentos de Automação. Hidráulica Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Hidráulica

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções

Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções Aula 9 Desenho de instalações elétricas: simbologias e convenções 1. INTRODUÇÃO Quando vamos executar uma instalação elétrica qualquer, necessitamos de vários dados como: localização dos elementos, percursos

Leia mais

home page : Ø

home page :  Ø Motor standard 0110 0000-00 Entrada / adaptador exaustor secundário 1 2 " gás (Desnecessário no caso do uso de válvulas) 269 Detalhes de instalação do motor 110 Respiro Ø200 67 202 8 4 135 Ø188 Ø1 35 68

Leia mais

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO Chave de transferência automatizada - série MQ5 Um Tipo e significado MQ5 o tipo de controle (I; 0; II) o número de

Leia mais

Válvulas Direcionais Musculares

Válvulas Direcionais Musculares Conteúdo.1.1.2.1.3.1.4.1.5.1.6.1..1.8.1.9.1.10.1.11.1.12.1.13.1.14.1.15.1 Série M5 Manual Série VN18 G 1/8" Botão Painel Série VP18 G 1/8" Muscular Série VN18 G 1/8" Manual Alavanca Série VN14 G 1/4" Muscular

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

TEQ Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS

TEQ Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS Questões TEQ00141- Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS 1- Especifique a ação segura de falha (se é falha-abre ou falha-fecha) apropriada para as válvulas

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Heitor Medeiros Florencio Comandos Elétricos na Automação Industrial Conhecimentos de

Leia mais

DESVIADORAS MOTORIZADAS DE 2 VIAS IMPORTADORA & DISTRIBUIDORA

DESVIADORAS MOTORIZADAS DE 2 VIAS IMPORTADORA & DISTRIBUIDORA . DESVIDORS MOTORIZDS DE 2 VIS IMPORTDOR & DISTRIUIDOR s642 VÁLVULS DESVIDORS MOTORIZDS DE 2 VIS s642 FUNÇÃO s válvulas desviadoras permitem a interceptação automática dos circuitos hidráulicos nas instalações

Leia mais

4 - VÁLVULA 04 CIRCUITOS

4 - VÁLVULA 04 CIRCUITOS Pág.: 19 4 - VÁLVULA 04 CIRCUITOS INSTRUÇÕES DE TESTE Pág.: 20 ESQUEMA PNEUMÁTICO SEQUÊNCIA DE TESTE PREPARAÇÃO *Fazer as ligações da válvula, conforme esquema acima. *Conectar SR.8 na ligação 1 (entrada

Leia mais

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução.

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução. ROTEIRO Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos CAPÍTULO 4 Válvulas de Controle Direcional 1. Introdução 2. Características Importantes: 3. Circuitos Pneumáticos Aula4 Prof. Cícero

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva Controladores Lógicos Programáveis Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva E-mail: jmauricio@cear.ufpb.br www.cear.ufpb.br/juan 1 Dispositivos de programação 1. Componentes de um CLP Fonte de Alimentação

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de Acionamentos Elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de Acionamentos Elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Introdução Vamos observar a tacada na bola A com o objetivo de atingir a bola B. A bola B será tocada pela bola A com um certo retardo de tempo, que dependerá da força colocada sobre a bola A. O retardo

Leia mais

CFM MECATRÔNICA. Página 1

CFM MECATRÔNICA.  Página 1 Unidade de conservação aumenta consideravelmente a segurança de funcionamento dos equipamentos pneumáticos, ela tem a finalidade de purificar o ar comprimido, ajustar a uma pressão constante do ar e acrescentar

Leia mais

CADERNO DE. - Engenharia de Controle e Automação - Sistema Hidráulicos e Pneumáticos EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA

CADERNO DE. - Engenharia de Controle e Automação - Sistema Hidráulicos e Pneumáticos EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS - ELETROPNEUMÁTICA -.. 4.. A B C D. 4..... 4..... 4. Faculdade Anhanguera Sorocaba Engenharia de Controle e Automação Prof. Nelsão Nome Série/Turma/Período Registro Acadêmico 0 -PROF.

Leia mais

Atuadores em Robótica

Atuadores em Robótica Atuadores em Robótica Profa. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Atuadores Indicadores Em robótica muitas vezes é necessário sinalizar um acontecimento ou situação importante. Essa sinalização

Leia mais

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO:

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO: DEFINIÇÃO: PNEUMÁTICA Pneumática: (do grego pneumos com o significado de respiração) pode ser entendida como sendo o conjunto de todas as aplicações que utilizam a energia armazenada e transmitida pelo

Leia mais

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle Cadeia de comando Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais Motores, cilindros, atuadores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Válvulas, contatores

Leia mais

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO MQ5 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA AUTOMATIZADA (ABERTURA SEM CARGA) MANUAL DE FUNCIONAMENTO Chave de transferência automatizada - série MQ5 Um Tipo e significado MQ5 o tipo de controle (I; 0; II) o número de

Leia mais

Tecnologia aliada à força. LANÇAMENTOS 2015/16

Tecnologia aliada à força. LANÇAMENTOS 2015/16 LANÇAMENTOS 2015/16 VÁLVULAS DIRECIONAIS 2 posições e 3 vias - NF Configuração 2 posições e 3 vias - NF Ar comprimido Roscas dos Pórticos G 1/8" Faixa de 0 a 10 bar Faixa de Temperatura de Trabalho -5

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

ATUADORES ELÉTRICOS APLICAÇÃO:

ATUADORES ELÉTRICOS APLICAÇÃO: Rev. 25/08/2015 ATUADORES ELÉTRICOS APLICAÇÃO: Os atuadores Elétricos MGA São equipamentos utilizados na automação de válvulas operadas por ¼ de volta, em locais onde não se dispõe de ar comprimido. Disponíveis

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL MONTAGEM DE MÁQUINAS ALINHAMENTO DE EIXOS DE MÁQUINAS COM RELÓGIO COMPARADOR

CONTROLE DIMENSIONAL MONTAGEM DE MÁQUINAS ALINHAMENTO DE EIXOS DE MÁQUINAS COM RELÓGIO COMPARADOR Página: 1 de 11 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer o procedimento a ser empregado no nivelamento de bases e alinhamento de eixos de máquinas. Este procedimento é aplicável na execução

Leia mais

As imagens contidas neste manual são meramente ilustrativas.

As imagens contidas neste manual são meramente ilustrativas. 1 2 As imagens contidas neste manual são meramente ilustrativas. ÍNDICE Introdução... 4 Principais Componentes... 6 Informações Gerais... 7 Montagem do Reservatório do Caminhão... 10 Montagem da Bomba...

Leia mais

QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I

QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I INFORMAÇÕES TÉCNICAS E MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUMÁRIO Descrição 1 - Notas importantes 1 2 - Sobre o produto 2 3 Tabela de capacidades 3 4 Especificações técnicas 4

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 08 Desenho de Conjunto, desenho de componentes, detalhe Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO MODELO: EE0576A A Bancada Didática para Treinamento de Teste e Manutenção de Bombas (EE0576A) é confeccionada em perfil de alumínio (40x40mm), contendo

Leia mais

Válvulas L-O-X para o Isolamento da Energia Pneumática ROSS South America Ltda

Válvulas L-O-X para o Isolamento da Energia Pneumática ROSS South America Ltda Válvulas L-O-X para o Isolamento da Energia Pneumática Válvulas L-O-X para o Isolamento da Energia Pneumática Válvulas para o fechamento e exaustão do ar comprimido para intervenções de manutenção, inspeção,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2016-2017 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MECATRÓNICA AUTOMÓVEL DISCIPLINA: TECNOLOGIAS E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Aula 06 - Linguagem Ladder 2 Foi a primeira que surgiu para programação dos Controladores Lógicos

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais