Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação"

Transcrição

1 Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

2 Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações de pacientes atendidos em uma unidade hospitalar, com diagnóstico confirmado de câncer. A informação produzida em um Registro Hospitalar reflete o desempenho do corpo clínico na assistência prestada ao paciente.

3 Registro de Câncer de Base Populacional Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações de pessoas com diagnóstico de câncer em uma área geográfica delimitada. A informação produzida em um Registro Populacional busca conhecer a incidência do câncer em uma população específica em área geográfica e tempo definidos.

4 Registro Hospitalar de Câncer Finalidades q Contribuir para a melhoria da assistência prestada ao paciente q Planejamento intra-institucional q Auxiliar e contribuir na organização de um Sistema de Informações em Câncer q Educação profissional e continuada para os profissionais da área de saúde pública

5 Registro de Câncer de Base Populacional Finalidades q Promover a vigilância epidemiológica do câncer na população coberta pelo RCBP q Contribuir para o planejamento dos serviços de saúde na área de cobertura do registro q Contribuir para a organização de um Sistema de Informações em Câncer a nível nacional

6 Registro Hospitalar de Câncer - Planejamento - Estudo de viabilidade e dimensionamento operacional: - qual o número de casos novos por ano? - existe conhecimento da estrutura do SAME? Mecanismo de identificação de casos: - onde/como resgatar os casos? - qual o ano para o início do cadastro dos casos? Elenco de informações a serem cadastradas: - existe condição de gerar as informações necessárias? - quais os meios a serem usados para armazenar e divulgar as informações?

7 Registro Hospitalar de Câncer - Planejamento - Apoio institucional - a Direção do hospital sabe o que é RHC? - além disso, conhece o setor do RHC? - onde está localizado o RHC? Possui sala própria? - o RHC possui Coordenador, ou somente Registradores? - foi instituída a Comissão Assessora do RHC? Treinamento de pessoal - as pessoas do RHC estão capacitadas para desenvolver esta atividade? - quem coleta informações dos pacientes tem conhecimento sobre os critérios conceituais do RHC? Possui e utiliza o Manual de Rotinas e Procedimentos?

8 Metodologia para coleta de dados 1- os dados devem ser coletados e armazenados, de forma contínua e sistemática, a partir do prontuário hospitalar único. 2- para hospitais especializados a identificação dos casos a serem cadastrados poderá ser feita a partir da verificação de todos os prontuários abertos no hospital. Nesses hospitais, justifica-se a busca através das listagens de matricula, para que a cobertura seja excelente, ou seja, nenhum caso novo seja perdido. 3- para hospitais gerais, a busca direcionada diminui o trabalho de avaliar expressivo número de prontuários sem patologia tumoral maligna. Deve-se mapear o hospital pelos seus serviços de atendimento e diagnóstico. Aqueles serviços que atenderem pacientes com câncer + o serviço de anatomia patológica, poderão ser usados como fontes hospitalares para notificação de tumores.

9 COLETA DE DADOS E FLUXO DA INFORMAÇÃO - Hospital Especializado - Fluxo Externo ao RHC Clínicas de Atendimento (Oncologia Clínica, Ginecologia, RXT) Serviços para Diagnóstico e Apoio (Anatomia Patológica, Laboratório, Clínica da Dor) Serviço de Matrícula Arquivo Médico - Prontuário Médico - (ÚNICO) Serviço Social Registro Hospitalar de Câncer

10 Fluxo Interno do RHC Seleção de prontuários para análise Caso Notificável (maligno, analítico e não analítico, incerto) Arquivo Médico - Prontuário Médico - (ÚNICO) Caso não Notificável (benigno, matrícula cancelada, vazio) Situação Pendente (não localizado, sem diagnóstico, incompleto) Divulgação das Informações - Relatórios - (Usuários) Análise do banco dos dados (Equipe do RHC e Comissão Assessora) Dados Inconsistentes (Correção do banco de dados) Análise do Caso (Preenchiment o das Fichas) Processamento dos Dados (Digitação) Relatórios de Consistência (Crítica dos dados)

11 COLETA DE DADOS E FLUXO DA INFORMAÇÃO - Hospital Geral - Fluxo Externo ao RHC Clínicas de Atendimento (Oncologia Clínica, Pneumologia, Ginecologia, Pediatria) Serviço de Matrícula ou Triagem Registro Hospitalar de Câncer Serviços para Diagnóstico e Apoio (Anatomia Patológica, Laboratório, Radiologia) Serviço Social Arquivo Médico - Prontuário Médico - (ÚNICO)

12 Fluxo Interno do RHC Seleção de prontuários para análise Caso Notificável (maligno, analítico e não analítico, incerto) Arquivo Médico - Prontuário Médico - (ÚNICO) Caso não Notificável (benigno, matrícula cancelada, vazio) Situação Pendente (não localizado, sem diagnóstico, incompleto) Divulgação das Informações - Relatórios - (Usuários) Análise do banco dos dados (Equipe do RHC e Comissão Assessora) Dados Inconsistentes (Correção do banco de dados) Análise do Caso (Preenchiment o das Fichas) Processamento dos Dados (Digitação) Relatórios de Consistência (Crítica dos dados)

13 O RHC, como qualquer outro sistema de informações que se proponha a coletar, tabular, analisar e divulgar dados de modo contínuo e sistemático, deve cercar-se de todos os cuidados necessário à minimizar a possibilidade de erro em qualquer etapa do processo. UTILIZAÇÃO DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

14 Observação importante TODA MUDANÇA OPERACIONAL /CRITÉRIO OU PADRÃO - NA COLETA, ARMAZENAMENTO, ANÁLISE OU DIVULGAÇÃO DO DADO, DEVERÁ SER ANOTADA NO LIVRO DE OCORRÊNCIAS E POSTERIORMENTE, SE PERTINENTE INCLUIDA NO MANUAL DO REGISTRO

15 QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES A preocupação com a qualidade dos dados deve estar presente em todas as etapas de trabalho dos Registros: q q q Na elaboração das fichas, manuais e rotinas de trabalho; Na coleta e armazenamento da informação; Na divulgação das informações. PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE QUALIDADE q Validação dos dados (consistência dos dados; concordância diagnóstica; verificação histórica) q Cobertura dos dados (comparação com outras fontes de dados; comparação com dados de mortalidade; estudo de amostragem

16 Os dados coletados em cada registro podem apresentar pequenas variações, de acordo com as necessidades do hospital e com sua capacidade de obtenção das informações. No entanto, a nomenclatura e definições referentes a cada variável devem ser as mesmas em todos os registros, com base em classificações e padrões nacionais e internacionais. Os padrões utilizados em RHC são: q q q q Classificação Internacional de Doenças para Oncologia - a CID-O 2ª e 3ª edições, que permite padronizar os tumores para viabilizar as tabulações e os estudos comparativos. Classificação TNM - da União Internacional de Combate ao Câncer, 5ª e 6ª edições, para o agrupamento dos tumores segundo a extensão da doença. Classificação Brasileira de Ocupações - do Ministério do Trabalho. Classificação dos Municípios - disponibilizada pelo IBGE/DATASUS.

17 Critérios para inclusão de casos na base de dado do RHC Diagnóstico morfológico (segundo a CID-O/2 e CID-O/3) NEOPLASIA MALIGNAS PRIMÁRIAS - Assim entendidos os diagnósticos morfológicos com código de comportamento /3. NEOPLASIA in situ (Intraepitelial, não infiltrativo e não invasivo) - São aquelas com código de comportamento /2. COMPORTAMENTO INCERTO (Malignidade limítrofe - borderline - e de baixo potencial maligno) - As neoplasia de comportamento incerto ou desconhecido, são classificadas na CID-O com código de comportamento /1. CLINICAMENTE TUMOR MALIGNO (M9990/3) - Na ausência de evidência definitiva (exame microscópico), considera-se tumor maligno desde que o médico, com base no exame clínico, laboratorial ou por imagem, tenha considerado os dados existentes sobre o caso como suficientes para firmar o diagnóstico clínico de tumor maligno e iniciar o tratamento.

18 Os casos de câncer atendidos em um hospital são, em geral, classificados nas seguintes classes: 1) Caso diagnosticado e tratado no hospital; 2) Caso diagnosticado no hospital, porém com o início do tratamento realizado em outra instituição (segundo planejamento do hospital) e que retornam ao hospital para complementação terapêutica e acompanhamento; 3) Caso diagnosticado em outra instituição, mas com a primeira etapa terapêutica realizada (total ou parcialmente), no Hospital e que ficam em acompanhamento no Hospital; 4) Caso diagnosticado e com toda a primeira etapa terapêutica feita em outra instituição (esta classe inclui pacientes admitidos apenas para complementação de uma modalidade específica de tratamento e aqueles que recebem apenas tratamento de apoio); 5) Caso de câncer diagnosticado e tratado no hospital antes da data de inclusão (inicial) no registro hospitalar; 6) Caso diagnosticado apenas na necropsia.

19 q Os casos classificados nas categorias 1, 2 e 3 são considerados como de interesse para avaliação da qualidade da assistência prestada. q Os casos classificados nas categorias 4, 5 e 6, são considerados não aplicáveis para esta finalidade. ATENÇÃO: Deve-se observar que as categorias descritas, não cobrem integralmente o conjunto de pacientes atendidos no hospital, o que significa que os pacientes com patologia benigna e alguns pacientes com câncer não são incluídos no registro. Entre esses, estão os pacientes que recebem tratamento transitório para evitar interrupção no curso de terapias iniciadas em outra instituição, por exemplo, por problemas no equipamento do hospital de origem, e pacientes com uma história pregressa de câncer mas que, no momento, não apresentem sinais de neoplasia em atividade.

20 Casos Analíticos e Não Analíticos No Registro Hospitalar de Câncer os casos cadastrados são classificados em duas categorias distintas: q casos analíticos são os casos de neoplasia maligna cujo planejamento e realização do tratamento foi realizado no Hospital, assim como o acompanhamento da evolução da doença e qualidade de vida do paciente; são apropriados para análise da qualidade da assistência prestada aos pacientes. q casos não analíticos são os casos que são importantes para o planejamento intra institucional, porém, não avaliam a qualidade da assistência prestada naquela instituição.

21 Alguns exemplos para identificar casos não analíticos 1- Pacientes portadores de neoplasia benigna sem interesse científico para o hospital; 2- Pacientes que chegam ao Hospital apenas para confirmação de diagnóstico ou do planejamento terapêutico (que de fato não tratam), e que retornam ao hospital de origem; 3- Pacientes já tratados e que chegaram ao Hospital com a doença em remissão ou sem evidência da doença; 4- Pacientes que chegam ao hospital com doença avançada, e que não realizam tratamento antineoplásico específico, devido ao estado avançado da doença (FPT); 5- Pacientes que chegam ao hospital já com diagnóstico e que após a primeira consulta não comparecem mais ao hospital;

I DA INSCRIÇÃO Serão aceitas inscrição de médicos ou formandos de quaisquer escolas médicas reconhecidas.

I DA INSCRIÇÃO Serão aceitas inscrição de médicos ou formandos de quaisquer escolas médicas reconhecidas. São Paulo, 17 novembro de 2014. Hospital São Camilo - Pompeia - São Paulo / SP. Edital 01/14 O Hospital São Camilo Pompeia - São Paulo / SP, torna público que no período de 17/11 a 03/12 de 2014, através

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 Aprova o Regulamento Técnico para estabelecer as atribuições, deveres e indicadores de eficiência e do potencial de doação de órgãos e tecidos

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

REGISTROS DE CÂNCER O que são registros de câncer? Quais os principais tipos de registro de câncer? Registro Patológico de Câncer

REGISTROS DE CÂNCER O que são registros de câncer? Quais os principais tipos de registro de câncer? Registro Patológico de Câncer REGISTROS DE CÂNCER O que são registros de câncer? São serviços de coleta, armazenamento, processamento e análise de forma sistemática e contínua de informações (dados) sobre a ocorrência de casos de pessoas

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Simone Röhrig de Sousa Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar Hospital Dia Hospital de Clinica de Porto Alegre Porto Alegre

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Hospital de Câncer de Pernambuco CNPJ 10.894.988/0001-33 Avenida Cruz Cabugá nº 1597 Santo Amaro Recife. Telefone: (81) 3217 8147, 3217 8026 Diretor Geral: Dr. Hélio de Araújo

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

Apresentando o cenário e as possibilidades

Apresentando o cenário e as possibilidades Atuação do Bacharel em Saúde Coletiva em Cenário de Promoção, Vigilância e Educação em Saúde dentro de um Complexo Hospitalar Apresentando o cenário e as possibilidades Adriana Alves Novakowski Luciana

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

Relatório dados estatísticos: apoio gerencial no processo de melhoria contínua do Hospital das Clínicas

Relatório dados estatísticos: apoio gerencial no processo de melhoria contínua do Hospital das Clínicas Relatório dados estatísticos: apoio gerencial no processo de melhoria contínua do Hospital das Clínicas Ilza Garcia Geronimo, Érica Urias dos Reis Oliveira, Maria do Rosário de Paula, Sílvia Augusta Pinzan

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

Registros de Câncer de Base Populacional no Brasil

Registros de Câncer de Base Populacional no Brasil Rio de Janeiro 6 de agosto de 2013 Registros de Câncer de Base Populacional no Brasil Marceli de Oliveira Santos Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva INCA Coordenação Geral de Prevenção

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009

Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009 Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009 Rosa Helena Silva Souza Coordenadora do RHC Distribuição das neoplasias segundo a faixa etária, o sexo e o ano de primeira consulta no HC-UFPR,

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil 2 15 2. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil No ano de 2000

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Apoio: Núcleo de Economia da Saúde PB Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento/SE/MS -DESID/MS; Governo do Estado da Paraíba: DECRETO nº 33.766,

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial.

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. 1-Do Fato: Venho por meio deste solicitar um parecer do Coren/CE

Leia mais

2 DA CARGA HORÁRIA E DURAÇÃO DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO 3 LOCAIS/ ÁREA/ VAGAS/ PERÍODO/ REQUISITOS/ ATIVIDADES

2 DA CARGA HORÁRIA E DURAÇÃO DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO 3 LOCAIS/ ÁREA/ VAGAS/ PERÍODO/ REQUISITOS/ ATIVIDADES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL GERAL (HG), NO INSTITUTO DE MEDICINA DO ESPORTE (IME) E NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA (CLIFI) NA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO

Leia mais

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL 2006, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde

Leia mais

Principais mudanças PEC 2.0. Lisandra Santos de Souza

Principais mudanças PEC 2.0. Lisandra Santos de Souza Principais mudanças PEC 2.0 Lisandra Santos de Souza Principais novidades: - Acompanhamento da gestante durante o pré-natal; - Registros da saúde bucal com o odontograma eletrônico; - Ficha de marcadores

Leia mais

Tiragem 1000 exemplares

Tiragem 1000 exemplares 2000, Ministério da Saúde Proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer forma ou meio eletrônico e mecânico, fotográfico e gravação ou qualquer outro, sem permissão expressa do Instituto

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE 1ª CONSULTA EFECTUADOS NO ANO 2014, POR REFERENCIAÇÃO EXTERNA

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE 1ª CONSULTA EFECTUADOS NO ANO 2014, POR REFERENCIAÇÃO EXTERNA LEC - Ano 2014 18 de Março de 2014 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE 1ª CONSULTA EFECTUADOS NO ANO 2014, POR REFERENCIAÇÃO EXTERNA 18-03-2015 IPOLFG ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE 1ª CONSULTA EFECTUADOS

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 1 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel

Leia mais

Cartão Nacional de Saúde no âmbito da Saúde Suplementar

Cartão Nacional de Saúde no âmbito da Saúde Suplementar Cartão Nacional de Saúde no âmbito da Saúde Suplementar Coordenação de Beneficiários Gerência de Produção e Análise de Informações GEPIN Gerência-Geral de Informações e Sistemas - GGISS Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Organização Assistencial na Dengue

Organização Assistencial na Dengue Organização Assistencial na Dengue Alexandre S. Moura Gerência de Assistência Secretaria Municipal de Saúde - PBH Pontos principais Estabelecimento de protocolos clínicos. Adequação de protocolos clínicos

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM ITRUMENTO DE VLIÇÃO DO PROGRM DE RESIDÊNCI MÉDIC (PRM) RDIOLOGI E DIGNÓSTICO POR IMGEM Introdução Caro (a) médico residente O Programa de Residência Médica em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, do Hospital

Leia mais

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente GRUPO DE TRABALHO SOBRE PLANOS ACESSÍVEIS Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério da Saúde Instituído pela Portaria GM/MS nº 1.482, de 04 de agosto

Leia mais

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC

CLASSE 12: PLANOS DE SEGUROS DAS CONCESSIONÁRIAS DO STFC TÍTULO DO DOCUMENTO Nº DO DOCUMENTO METODOLOGIA PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DAS OBRIGAÇÕES DAS SRF.MT. 012 PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO VERSÃO VIGÊNCIA FIXO COMUTADO - STFC 1 17/04/2006 CLASSE

Leia mais

Gestão Estratégica Orientada para Resultados. Orientações para a Execução de Mensurações em Projetos

Gestão Estratégica Orientada para Resultados. Orientações para a Execução de Mensurações em Projetos Gestão Estratégica Orientada para Resultados Orientações para a Execução de Mensurações em Projetos Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Conselho Deliberativo Nacional Adelmir

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA LINHA DE CUIDADO EM DOENÇA FALCIFORME NO RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA LINHA DE CUIDADO EM DOENÇA FALCIFORME NO RIO GRANDE DO SUL PLANO DE AÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA LINHA DE CUIDADO EM DOENÇA FALCIFORME NO RIO GRANDE DO SUL COORDENAÇÃO ESTADUAL DA SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL EDITAL Nº 01/2016 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS PARA PRÉ-INCUBAÇÃO EM HOTEL DE PROJETOS A direção-geral do Campus Natal

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento Fundação Oncocentro de São Paulo Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento 2013 2º edição ÍNDICE APRESENTAÇÃO p. 03 1 ROTINAS E CONCEITOS p. 05 1.1 REGISTRO HOSPITALAR

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CAPÍTULO I DA CATEGORIA

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

EXPEDIENTE. REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL Centro Capixaba de Oncologia (Cecon) EQUIPE Lívia Fernandes Probst Coordenadora de Estudos Clínicos

EXPEDIENTE. REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL Centro Capixaba de Oncologia (Cecon) EQUIPE Lívia Fernandes Probst Coordenadora de Estudos Clínicos Pesquisa Clínica NO TRATAMENTO DO CÂNCER O PRIMEIRO REMÉDIO É A INFORMAÇÃO TIRE SUAS DÚVIDAS EM FONTES SEGURAS E NUNCA DEIXE DE CONSULTAR A SUA EQUIPE TRANSDISCIPLINAR 1 EXPEDIENTE REALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO

Leia mais

Resultados Instituto Porto Seguro

Resultados Instituto Porto Seguro Resultados 2015 Instituto Porto Seguro O Instituto Porto Seguro tem o objetivo de promover a educação para a comunidade de baixa renda, através do desenvolvimento de projetos socioambientais e culturais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ESTÁGIOS DES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ESTÁGIOS DES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ESTÁGIOS DES PROGRAMA DE ESTÁGIOS INTERNOS DA UFF PROGRAD - 2014 Edital de seleção de Estágios n 03 de 18 de novembro de 2013 1. DOS

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ACONSELHAMENTO GENÉTICO EM PREDISPOSIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para tornar obrigatória a cobertura de assistência

Leia mais

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Tumores primários SNC 2% das neoplasias; 1ª -infância e 2ª -adultos jovens masculino; Os gliomassão os tumores primários mais frequentes; Nos EUA diagnosticados

Leia mais

EDITAL Nº023/2013 PROGRAD/CIPEAD

EDITAL Nº023/2013 PROGRAD/CIPEAD EDITAL Nº023/2013 /CIPEAD EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/27 Avaliação: uma importante ferramenta para ações educativas. 2/27 O que é avaliação? 3/27 É um processo para se obter informações que essencialmente

Leia mais

PLANILHA PARA CONTROLE DAS DELIBERAÇÕES SOBRE AS PROPOSTAS DE MELHORIAS ENVIADAS ÀS ASSEMBLEIAS.

PLANILHA PARA CONTROLE DAS DELIBERAÇÕES SOBRE AS PROPOSTAS DE MELHORIAS ENVIADAS ÀS ASSEMBLEIAS. TEMAS PROPOSTA DOS TRABALHADORES (AS) MOLO GESTÃO 1. Retorno ao modelo de autogestão por RH PLANILHA PARA CONTROLE DAS LIBERAÇÕES SOBRE AS PROPOSTAS MELHORIAS PROPOSTA DA EMPRESA CONSENSO RESULTADO 1.

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento MASTOLOGIA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento MASTOLOGIA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

Treinamento Hospital

Treinamento Hospital Treinamento Hospital O que é o Projeto SGU? É o projeto de implantação do sistema de gestão de planos de saúde - SGU (Sistema de Gestão Unimed) que irá substituir o Top Saúde. O Módulo SGU-Card é um sistema

Leia mais

Nome Completo para Faturamento/Emissão de Nota Fiscal

Nome Completo para Faturamento/Emissão de Nota Fiscal Cadastro Financeiro Nome Completo para Faturamento/Emissão de Nota Fiscal CPF / CNPJ RG / Inscrição Estadual Endereço Bairro Município Estado CEP DDD / Telefone DDD / Celular E-mail Nome do Paciente CPF

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13.

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. PORTARIA Nº 2.458, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de criar mecanismos

Leia mais

Federal de Alagoas. Universidade PROVA PRÁTICA 12. TÉCNICO EM RADIOLOGIA. (Editais nº 31 e 81/2016) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Federal de Alagoas. Universidade PROVA PRÁTICA 12. TÉCNICO EM RADIOLOGIA. (Editais nº 31 e 81/2016) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO PROVA TIPO Cargo (Nível Médio NM): CADERNO DE QUESTÕES. TÉCNICO EM RADIOLOGIA PROVA PRÁTICA Universidade

Leia mais

PROJETOS NA ÁREA MÉDICA

PROJETOS NA ÁREA MÉDICA PROJETOS NA ÁREA MÉDICA O conteúdo de qualidade que chega aos PDVs agora também nos materiais médicos. Conteúdo para os PDVs e agora também para médicos! Há mais de 20 anos a Contento é especializada na

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

Introdução RESUMO. 154 N. 2/ Novembro de 2011

Introdução RESUMO. 154 N. 2/ Novembro de 2011 Reestruturação do processo de dispensação de medicamentos antineoplásicos de uso oral para pacientes oncológicos em tratamento ambulatorial Rodrigo Marangoni Fernandes 1, Fernanda dos Santos Fernandes

Leia mais

Sistema de gerenciamento de consultas e atividades do Projeto UFMA Saudável

Sistema de gerenciamento de consultas e atividades do Projeto UFMA Saudável Sistema de gerenciamento de consultas e atividades do Projeto UFMA Saudável 1 Resumo. Exercer alguma atividade física regularmente, realizar consultas de rotina e ter uma boa alimentação são práticas fundamentais

Leia mais

VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR

VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR 1 VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR 2 3 Dona Lurdes tem uma família muito unida, com alguns filhos, muitos netos e dois bisnetos. Eles estão ao seu lado sempre

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira 1. Por que acreditamos no Soja Plus? 2. Como produziremos grandes resultados? 3. O que já realizamos em 2011? 4. O que estamos realizando

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Projeto de melhoria da estrutura de equipamentos públicos e programas de saúde existentes A Cidade de Osasco constitui-se em importante polo de desenvolvimento da Região Oeste Metropolitana de São Paulo

Leia mais

Programa de Residência Médica MEDICINA INTENSIVA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Residência Médica MEDICINA INTENSIVA. Comissão de Residência Médica COREME Programa de Comissão de COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

Portal de Fornecedores Não-Revenda

Portal de Fornecedores Não-Revenda Portal de Fornecedores Não-Revenda Consultar e Acompanhar Pedidos de Compra do Walmart Consulte neste manual os procedimentos para consulta e acompanhamento dos pedidos de compra emitidos pelo Walmart

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER

A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER Débora V M A Duarte 1 ; Maine V A Confessor 2 1- Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande 2- DOCENTE/ ORIENTADOR

Leia mais

Acompanhamento Descentralizado do Hipotireoidismo Congênito

Acompanhamento Descentralizado do Hipotireoidismo Congênito Acompanhamento Descentralizado do Hipotireoidismo Congênito Ações desenvolvidas pelo Programa de Triagem Neonatal Triagem Diagnostico Tratamento/Acompanhamento Falhas podem ter consequências graves e irreversíveis.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 976, DE 4 DE JANEIRO DE 1991 "Dispõe sobre a criação de Funções Gratificadas da Secretaria de Estado de Saúde e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo

Leia mais

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO SEAMB MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES MÓVEIS DE POLUIÇÃO TRANSPORTE DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS PELA INTERNET Outubro 2008 MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ 1. INFORMAÇÕES GERAIS EDITAL APP-CAMPI 2014 A Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) e o

Leia mais

Ponto Certificado - integração

Ponto Certificado - integração Ponto Certificado - integração Número do Artigo: 2540 Classificação: Não classificado Última Atualização: Wed, Oct 4, 2017 9:47 AM Configurações Ponto Certificado O cadastro das configurações necessárias

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA EM SAÚDE - CQIS/DESID MARCELO SETTE GUTIERREZ Coordenador Economia

Leia mais

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Exame de diagnóstico II: Técnicas Cintilográficas Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Algumas datas marcantes na história da Medicina Nuclear 1896 - Descobrimento

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Organização Pan Americana de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde Associação Brasileira da Rede Unida

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Hospital Geral de São Mateus

Hospital Geral de São Mateus Hospital Geral de São Mateus Projeto Referência Hospital Amigo do Idoso Perfil Instituição Hospital Geral, de caráter público, subordinado a Secretaria de Estado da Saúde, da administração direta, com

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA: CLÍNICA CIRÚRGICA II CARGA HORÁRIA: 150 HORAS CRÉDITOS: 07 CÓDIGO: SCG0018 PROFESSOR: AGOSTINHO

Leia mais

Federação Portuguesa de Voleibol

Federação Portuguesa de Voleibol Federação Portuguesa de Voleibol Hospital de Santa Maria Porto Com o olhar no futuro, o Hospital de Santa Maria Porto tem um sólido passado, com mais de 125 anos de experiência na prestação de cuidados

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação, além de correr risco

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002 Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002 Ementa: criação de mecanismos para organizar, articular e integrar as ações voltadas à prevenção e ao controle

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE AUDITORIA Coordenação Geral de Registro Acadêmico 1. CRONOGRAMA Período da Auditoria 16/03/2015 a 30/04/2015 Horas a serem trabalhadas 2. OBJETO: Avaliar riscos e identificar se os controles

Leia mais

Destaques da Nota Técnica do Ministério da Saúde sobre a vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante)

Destaques da Nota Técnica do Ministério da Saúde sobre a vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) Destaques da Nota Técnica do Ministério da Saúde sobre a vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) Março de 2015 Isabella Ballalai Presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBim Nacional

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR Unidade Dias

Leia mais

Tecnologia e know-how líderes em performance. Manager

Tecnologia e know-how líderes em performance. Manager Sistema de gerenciamento da lubrificação Tecnologia e know-how líderes em performance. Manager OilXplorer, tecnologia a serviço da produtividade. Confira outros benefícios: OILXPLORER SUPPORT Suporte técnico

Leia mais

CONSIDERANDO a transparência e segurança que resultará da implementação do novo modelo gerencial para a definição da política tarifária;

CONSIDERANDO a transparência e segurança que resultará da implementação do novo modelo gerencial para a definição da política tarifária; DECRETO Nº 5.636/2006 João Pessoa (PB) 10 de Maio de 2006 INSTITUI OS SISTEMAS DE BILHETAGEM ELETRÔNICA E GESTÃO EM TRANSPORTES NOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS POR ÔNIBUS DE JOÃO PESSOA,

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E.

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS: Da Integração dos Cuidados à Intervenção Comunitária O Papel do Hospital na Comunidade Agenda 1 Enquadramento Hospital

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Unidade 1 - Análise Situacional Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama Questionário Nesta semana, você irá responder os blocos de perguntas sobre Controle do Câncer

Leia mais