Legislação referente à matéria. Doenças transmissíveis por alimentos (DTA) Prof. Dra. Prhiscylla Sadanã Pires

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legislação referente à matéria. Doenças transmissíveis por alimentos (DTA) Prof. Dra. Prhiscylla Sadanã Pires"

Transcrição

1 Doenças transmissíveis por alimentos (DTA) Prof. Dra. Prhiscylla Sadanã Pires Fonte: 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Fonte: 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus 4. Questões de concursos Fonte: Legislação referente à matéria 1. Portaria SVS/MS n , de 25 de janeiro de 2011: Define as terminologias adotadas em legislação nacional (disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005); a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. 1

2 Bibliografia adicional 1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual integrado de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília : Editora do Ministério da Saúde, p. : il. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Fonte: Conceito de DTA Conceito de DTA Doença de origem alimentar possuem natureza infecciosa ou tóxica, causadas pela ingestão de água ou alimentos contaminados com algum tipo de agente patológico OMS, 2010 Madeira Vidro Plástico Ossos Caroço de fruta Alergênico Aditivos alimentares Substâncias proibidas Resíduos veterinários Resíduos químicos Conceito de DTA Salmonella spp., Escherichia coli, Shigella spp., Yersinia spp., Campylobacter spp., Vibrio spp., Staphylococcus spp., Listeria spp., Bacillus cereus, Clostridium perfringens, Clostridium botulinum, Rotavírus e Norovírus. Conceito de DTA Doenças provocadas pelo consumo de água ou alimentos contaminados por agentes patogênicos ou substâncias tóxicas. Doenças veiculadas por alimentos Toxinfecções DTA Enfermidades transmitidas por alimentos Doenças de veiculação hídrica e alimentar MS,2010 2

3 Conceito de DTA Doenças provocadas pelo consumo de água ou alimentos contaminados por agentes patogênicos ou substâncias tóxicas. Conceito de DTA Doenças provocadas pelo consumo de água ou alimentos contaminados por agentes patogênicos ou substâncias tóxicas. Lembre-se!!! A presença de um agente patogênico/ substância tóxica no alimento, nem sempre determinará a ocorrência de DTA. Ministério da Saúde, 2010 Ministério da Saúde, Um surto de DTA tem, dentre suas causas: a) as condições ambientais desfavoráveis ao crescimento de agentes causadores seletos e inibidores de micro-organismos competidores. b) a ocorrência de perigos de natureza química, física ou biológica. c) a localização dos serviços de alimentação no andar térreo. d) os alimentos perecíveis mantidos abaixo de 4ºC ou acima de 65ºC. e) o descongelamento dos alimentos abaixo de 4ºC, antes do tratamento térmico. 1. Um surto de DTA tem, dentre suas causas: a) as condições ambientais desfavoráveis ao crescimento de agentes causadores seletos e inibidores de micro-organismos competidores. b) a ocorrência de perigos de natureza química, física ou biológica. c) a localização dos serviços de alimentação no andar térreo. d) os alimentos perecíveis mantidos abaixo de 4ºC ou acima de 65ºC. e) o descongelamento dos alimentos abaixo de 4ºC, antes do tratamento térmico. 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Classificação Intoxicação Infecção Toxinfecção Fonte: 3

4 Intoxicação (toxinose ( toxinose) Ocorre pelo consumo de alimentos que contêm toxinas bacterianas (exotoxinas) produzidas durante o crescimento desses microrganismos nos alimentos. Clostridium botulinum Staphylococcus aureus Bacillus cereus (emética) Infecção alimentar Ocorre pelo consumo de alimentos e/ou água contaminados com microrganismos patogênicos vivos passíveis de crescerem no trato gastrointestinal, irritarem a mucosa intestinal e invadir, por vezes, outros tecidos, causando problemas adicionais. European Centre for Disease Control, 2011 European Centre for Disease Control, 2011 Infecção alimentar Mecanismos Resumo Classificação das DTAs Infecção não mediada por toxinas Infecção mediada por toxinas (Toxinfecção) Intoxicação Infecção Listeria monocytogenes, Salmonella Typhi., Campylobacter jejuni e Shigella. Clostridium perfringens, Bacillus cereus (diarréica), E.coli, Vibrio cholerea Ingestão de toxina pré-formada Não mediada por toxinas Mediada por toxinas (toxinfecção) European Centre for Disease Control, 2011 European Centre for Disease Control, As doenças de origem alimentar (DOAs) ocorrem, quando uma pessoa contrai uma enfermidade, devido à ingestão de alimentos contaminados com bactérias patogênicas e/ou suas toxinas. A doença que envolve a ingestão de células viáveis do microrganismo patogênico, colonização e/ou invasão, é denominada (FUCERN, IFRN) a) toxinfecção alimentar. b) infestação alimentar. c) infecção alimentar. d) intoxicação alimentar 1. As doenças de origem alimentar (DOAs) ocorrem, quando uma pessoa contrai uma enfermidade, devido à ingestão de alimentos contaminados com bactérias patogênicas e/ou suas toxinas. A doença que envolve a ingestão de células viáveis do microrganismo patogênico, colonização e/ou invasão, é denominada (FUCERN, IFRN) a) toxinfecção alimentar. b) infestação alimentar. c) infecção alimentar. d) intoxicação alimentar. 4

5 1. As doenças de origem alimentar (DOAs) ocorrem, quando uma pessoa contrai uma enfermidade, devido à ingestão de alimentos contaminados com bactérias patogênicas e/ou suas toxinas. A doença que envolve a ingestão de células viáveis do microrganismo patogênico, colonização e/ou invasão, é denominada (FUCERN, IFRN) a) toxinfecção alimentar. b) infestação alimentar. c) infecção alimentar. d) intoxicação alimentar 1. As doenças de origem alimentar (DOAs) ocorrem, quando uma pessoa contrai uma enfermidade, devido à ingestão de alimentos contaminados com bactérias patogênicas e/ou suas toxinas. A doença que envolve a ingestão de células viáveis do microrganismo patogênico, colonização e/ou invasão, é denominada (FUCERN, IFRN) a) toxinfecção alimentar. b) infestação alimentar. c) infecção alimentar. d) intoxicação alimentar 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico conseqüente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico conseqüente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico conseqüente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico conseqüente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 5

6 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico conseqüente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 2. Dentre as doenças transmitidas por alimentos temos, toxinfecção (COSEAC, 2008): a) O quadro clínico decorrente da ingestão de substâncias químicas nos alimentos, como agrotóxicos, pesticidas. b) O quadro clínico decorrente da ingestão de microrganismos patogênicos, que se multiplicam no trato gastrointestinal, produzindo toxinas ou agredindo o epitélio. c) O quadro clínico consequente à ingestão de toxinas bacterianas pré-formadas nos alimentos. d) O quadro clínico decorrente da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias, na forma vegetativa, que liberarão toxinas no trato gastrointestinal ao esporular, sem porém colonizar. e) O quadro clínico decorrente da ingestão de alimentos, que produzem reação alérgica ao consumidor. 3. Avalie as assertivas abaixo em relação ao contexto de contaminação de alimentos e a disseminação de doenças transmitidas por estes alimentos, indicando a opção CORRETA: (NUBES, 2015) a) A toxinfecção decorre da ingestão de quantidade aumentada de bactéria na forma vegetativa que liberam toxinas no trato gastrointestinal sem colonizar. b) A intoxicação decorre da ingestão de toxina pré formada produzida pelo microrganismo patogênico devido à sua multiplicação no alimento. c) A infecção decorre da ingestão de alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos que se reproduzem no organismo. d) Todas as opções anteriores estão corretas. 3. Avalie as assertivas abaixo em relação ao contexto de contaminação de alimentos e a disseminação de doenças transmitidas por estes alimentos, indicando a opção CORRETA: (NUBES, 2015) a) A toxinfecção decorre da ingestão de quantidade aumentada de bactéria na forma vegetativa que liberam toxinas no trato gastrointestinal sem colonizar. b) A intoxicação decorre da ingestão de toxina pré formada produzida pelo microrganismo patogênico devido à sua multiplicação no alimento. c) A infecção decorre da ingestão de alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos que se reproduzem no organismo. d) Todas as opções anteriores estão corretas. 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Fonte: Manipulador/ utensílios Mãos Fluidos corporais Flora autóctone Fonte de água Qualidade microbiológica Potabilidade Fontes de contaminação Armazenamento Matéria prima Origem duvidosa Fora da validade Insetos e roedores Fonte: 6

7 Fontes de contaminação Contaminação cruzada Direta Indireta Direta Indireta Quando o microrganismos é transferido para o alimento de uma fonte. Quando o microrganismos é transferido para o alimento através de um vetor/instrumento. Quando o microrganismos é transferido de um alimento para o outro por contato. Quando o microrganismos é transferido de uma alimento para outro através de um vetor/instrumento. Como ocorre a contaminação? Quando ocorre a contaminação? Através da forma inapropriada de obtenção, preparação, armazenamento ou manipulação dos alimentos e no próprio ambiente onde são produzidos. A maioria dos microrganismos pode ser destruída através das boas práticas de higiene e fabricação e práticas adequadas de manipulação e armazenamento Qualquer momentos antes do consumo Fonte: Ministério da Saúde, 2016 Quando o alimento se torna um risco? Dose infectante Condição propícia para o crescimento bacteriano e produção de toxinas Inoculação de microrganismos esporulados 1. Um surto de infecção alimentar por Salmonella sp. foi detectado em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Após análise dos alimentos ingeridos, do ambiente e dos manipuladores de alimentos, foi constatado que a transmissão do microrganismo ocorreu através da mão contaminada de um manipulador. Essa via de transmissão de microrganismo é denominada (CESGRANRIO, 2014) a) Direta b) Indireta c) Ambiental d) Cruzada e) superficial 7

8 1. Um surto de infecção alimentar por Salmonella sp. foi detectado em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Após análise dos alimentos ingeridos, do ambiente e dos manipuladores de alimentos, foi constatado que a transmissão do microrganismo ocorreu através da mão contaminada de um manipulador. Essa via de transmissão de microrganismo é denominada (CESGRANRIO, 2014) a) Direta b) Indireta c) Ambiental d) Cruzada e) superficial 1. Um surto de infecção alimentar por Salmonella sp. foi detectado em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Após análise dos alimentos ingeridos, do ambiente e dos manipuladores de alimentos, foi constatado que a transmissão do microrganismo ocorreu através da mão contaminada de um manipulador. Essa via de transmissão de microrganismo é denominada (CESGRANRIO, 2014) a) Direta b) Indireta c) Ambiental d) Cruzada e) superficial 2. Para prevenir a contaminação cruzada dos alimentos, deve-se (IMA, 2015): a) Proporcionar e manipular alimentos em locais ou horários predeterminados. b) Higienizar mãos, bancadas de trabalho e utensílios entre uma atividade e outra. c) Separar os utensílios sujos dos limpos. d) Armazenar os alimentos em recipientes devidamente tampados e identificados. e) Todas as alternativas anteriores estão corretas. 2. Para prevenir a contaminação cruzada dos alimentos, deve-se (IMA, 2015): a) Proporcionar e manipular alimentos em locais ou horários predeterminados. b) Higienizar mãos, bancadas de trabalho e utensílios entre uma atividade e outra. c) Separar os utensílios sujos dos limpos. d) Armazenar os alimentos em recipientes devidamente tampados e identificados. e) Todas as alternativas anteriores estão corretas. Quadro clínico 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Fonte: Depende do agente etiológico envolvido e da quantidade ingerida. Sintomas variam desde leve desconforto intestinal até quadros extremamente sérios. Duração variável (também relacionado ao infectado). Fonte: Ministério da Saúde,

9 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Definição Episódio em que duas ou mais pessoas apresentam os mesmos sinais/sintomas após ingerir alimentos e/ou água da mesma origem. Surtos de DTA constituem eventos de saúde pública de notificação compulsória imediata e devem ser registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Fonte: Portaria nº 204 de 17 de fevereiro de 2016 Notificação 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Fonte: Ministério da Saúde, 2016 Fonte: Notificações no Brasil Número de surtos de DTA, notificados ao SINAN de 2007 a 2016* Distribuição dos surtos Distribuição dos surtos de DTA no Brasil de 2007 a 2016* * Dados parciais do primeiro trimestre 9

10 Sinais e sintomas descritos Sinais e sintomas apresentados durante o surto de DTA no Brasil de 2007 a 2016* Local de ocorrência Locais de ocorrência de surtos de DTA no Brasil entre 2007 e 2016* Alimentos incriminados Agentes envolvidos Agentes envolvidos na ocorrência de surtos de DTA no Brasil de 2007 a 2016* Alimentos incriminados nas ocorrências de surtos de DTA no Brasil de 2007 a 2016* 1. DTA a) Conceito b) Classificação c) Contaminação do alimento d) Sintomas e) Surtos f) Perfil epidemiológico g) Prejuízos gerados Fonte: Grande risco econômico no mundo globalizado Segurança Alimentar foi tema do dia Mundial da Saúde (2015). Prioridade em Saúde Pública Fonte: Organização Pan-Americana de Saúde 2015 Prejuízo econômico 420 mil mortes/ano Diminui produtividade Turismo/ comércio Barreiras comerciais Acomete 1/10 habitantes 10

11 Morfologia bacteriana 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Morfologia bacteriana- DTA Coloração de Gram Bacilos Cocos Vibrião Salmonella spp. Escherichia coli spp. Shigella spp. Yersinia enterocolitica Campylobacter jejuni Listeria monocytogenes Bacillus cereus Clostridium perfringens Clostridium botulinum Staphylococcus aureus Vibrio cholereae Coloração de Gram Coloração de Gram Parede Celular 11

12 Coloração de Gram Coloração de Gram Gram negativa Salmonella spp; Escherichia coli Shigella spp. Yersinia enterocolitica Campylobacter jejuni Vibrio cholereae Gram positivo Staphylococcus aureus Listeria monocytogenes Bacillus cereus Clostridium perfringens Clostridium botulinum um Todos com S menos UM! Condições para o crescimento bacteriano Curva de crescimento bacteriano Nutrientes Temperatura Atividade de água Condições atmosféricas ph Classificação conforme exigência atmosférica Exigência atmosférica Anaeróbio facultativo Anaeróbio Microaerófilo Aeróbio estrito Anaeróbio facultativo Requer oxigênio para crescer Cresce na presença/ausência de oxigênio Salmonella spp; Escherichia coli Shigella spp. Clostridium perfringens Anaeróbio obrigatório Cresce na ausência de oxigênio Anaeróbio aerotolerante Tolera a presença de oxigênio Microaerófilo Cresce em baixas concentrações de O 2 Yersinia enterocolitica Staphylococcus aureus Listeria monocytogenes Bacillus cereus Clostridium botulinum Campylobacter jejuni 12

13 Temperatura ideal de crescimento Resistência bacteriana à temperaturas diversas Temperatura ótima: 15 o C Temperatura ótima: o C Temperatura ótima: o C Psicrotróficos Resistem a temperaturas de congelamento Termodúricas Resistem 30 minutos a 63ºC ou 15 segundos a 72ºC Bacillus cereus, Clostridium botulinum e Listeria monocytogenes Classificação das bactérias Atividade de água- definção A atividade aquosa é a relação que existe entre a pressão de vapor de um alimento dado em relação com a pressão do vapor de água pura à mesma temperatura e varia de 0 a 1. Denomina-se pela regra geral como Aw (do inglês: Activity of Water) Aw=P/Po P- Pressão de vapor de água no alimento P0- Pressão de vapor de água na mesma temperatura Atividade de água Nos alimentos a água existe em três estados: "Bulk" - líquido, grosso: relativa à água água livre, (embora não totalmente), que vai servir como solvente e permitir reações Atividade de água As bactérias precisam de uma certa quantidade de água livre para sobreviverem e multiplicarem. Água ligada às macromoléculas (por exemplo: incorporada à proteína fazendo assim, parte dela) de forma que não estando livre, mantém a estrutura e não deixa. Água multicamada que fica ligada de forma mais fraca aos constituintes não aquosos do alimento, mas que possui uma intensidade de ligação com os solutos que não lhe permite comportase como água pura 13

14 Atividade de água Atividade de água Acidez (ph) Escala de ph Acidófila 0,1-5,4 Acidófila 0,1-5,4 Neutrófila 5,4-8,5 Eucalinófila 8,5-14 Neutrófila 5,4-8,5 Eucalinófila 8,5-14 Faixa de ph para crescimento dos microrganismos Ampla faixa de crescimento Maioria neutrófila 1. O ciclo de crescimento microbiano é composto por quantas fases? (FCPC / UFC, 2015) a) Duas. b) Quatro. c) Seis. d) Oito. 14

15 1. O ciclo de crescimento microbiano é composto por quantas fases? (FCPC / UFC, 2015) a) Duas. b) Quatro. c) Seis. d) Oito. 1. O ciclo de crescimento microbiano é composto por quantas fases? (FCPC / UFC, 2015) a) Duas. b) Quatro. c) Seis. d) Oito. 1. Quais são as medidas profilácticas para as Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAS)? (NUBES, 2015) a) Utilizar somente os alimentos de marca, utilizar a água da torneira e realizar a distribuição somente na cadeia fria. b) Estar com as vacinas em dia; tomar antibióticos pelo menos a cada três meses e treinamento correto dos manipuladores de alimentos. c) Boas práticas de higiene, armazenamento e manipulação correta dos alimentos, cocção correta e controle de temperatura. d) Cozinhar todos os alimentos em temperaturas elevadas, principalmente frutas e hortaliças, conhecer a procedência dos alimentos e boas práticas de fabricação. 1. Quais são as medidas profilácticas para as Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAS)? (NUBES, 2015) a) Utilizar somente os alimentos de marca, utilizar a água da torneira e realizar a distribuição somente na cadeia fria. b) Estar com as vacinas em dia; tomar antibióticos pelo menos a cada três meses e treinamento correto dos manipuladores de alimentos. c) Boas práticas de higiene, armazenamento e manipulação correta dos alimentos, cocção correta e controle de temperatura. d) Cozinhar todos os alimentos em temperaturas elevadas, principalmente frutas e hortaliças, conhecer a procedência dos alimentos e boas práticas de fabricação. 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Taxonomia Salmonella enterica subesp. enterica Adaptados Tiphy- Humanos Parathiphy A- Humanos Dublin- Bovinos Choleraesuis- Suínos Abortusovi- Ovelhas Abortusequi-Equinos Pullorum- Aves Gallinarum- Aves Não adaptados Parathiphy B e C Typhimurium Enteritidis Newport Anatum 15

16 Sorotipos de importância Salmonella entérica subs. enterica Tifóide Typhi Paratyphi A Não-tifóide Tiphymurium Enteritidis Infecção por Salmonella spp. Sorotipos Salmonelle enterica subesp. enterica Tiphymurium Salmonella enterica subesp. enterica Enteritidis Salmonella enterica subesp. enterica Tiphy Salmonella enterica subesp. enterica Paratiphy Salmonelose Febre tifóide Fonte de contaminação Fontes alimentares Frango, carne e leite Multiplicação intestinal Salmonelose TGI de vertebrados Trato reprodutivo das aves Fonte de contaminação Período de incubação 6-72h Principais sintomas (4-7 7 dias) Diarreia Cólica abdominal Febre Dores de cabeça, náusea e vômito Complicações da Salmonelose Artrite reativa ou Síndrome de Reiter Resposta auto-imune Ocorre três a quatro semanas após o período de incubação e quadro de diarreia Quadro clínico dura mais de um mês Cursa com bacteremia e septicemia Poliartite periférica que pode cursar com acometimento mucocutâneo, ungueal e ocular Diagnóstico Isolamento (diagnóstico definitivo) Resumo Salmonelose Alimento Fezes Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Diferenciar comensal/patogênico 16

17 1. Como prevenção à salmonelose, consideram-se como cuidados específicos para ovos: (Idecan, 2013) I. Usar somente os limpos, inteiros e não trincados. II. Utilizar sempre os que estão guardados por mais tempo. III. Não utilizar gemas cruas. IV. Evitar misturar o conteúdo do ovo com sua casca. V. Pratos frios que levem ovos devem ficar sobre o gelo ou em qualquer outro tipo de refrigeração. Está INCORRETA apenas a alternativa: A) I B) II C) III D) IV E) N.R.A 1. Como prevenção à salmonelose, consideram-se como cuidados específicos para ovos: (Idecan, 2013) I. Usar somente os limpos, inteiros e não trincados. II. Utilizar sempre os que estão guardados por mais tempo. III. Não utilizar gemas cruas. IV. Evitar misturar o conteúdo do ovo com sua casca. V. Pratos frios que levem ovos devem ficar sobre o gelo ou em qualquer outro tipo de refrigeração. Está INCORRETA apenas a alternativa: A) I B) II C) III D) IV E) N.R.A Infecção por Salmonella spp. Febre tifóide Sorotipos Salmonelle enterica subesp. enterica Tiphymurium Salmonella enterica subesp. enterica Enteritidis Salmonella enterica subesp. enterica Tiphy Salmonella enterica subesp. enterica Paratiphy A Salmonelose Febre tifóide Higiene deficiente Muito manipulados Principal Período de incubação 1-3 semanas Fonte de contaminação Portadores Contato direto Fezes urina Principais sintomas (2 a 4 semanas) Febre alta (40ºC) Forte diarreia Dores de cabeça, náusea e vômito Diagnóstico Resumo Febre Tifóide Isolamento (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Sangue, fezes e urina Evidenciar esses sorotipos no sangue fecha o diagnóstico 17

18 1. As toxinfecções são doenças transmitidas por alimentos decorrentes da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias na forma vegetativa, que liberam toxina no trato gastrointestinal ao esporular, porém sem colonizar. A respeito das toxinfecções alimentares, é correto afirmar (UFPR, 2013): a) São exemplos de agentes causadores de toxinfecções alimentares: Clostridium botulinum, Bacilus cereus clássico, Salmonella sp. e Vibrios patogênicos. b) O Clostridium perfringens produz endoenterotoxina no intestino, quando ocorre esporulação, após a ingestão de grande quantidade de formas vegetativas, sendo um dos exemplos clássicos de agente causador de toxinfecção alimentar.. c) O Bacilus cereus emético causa um quadro de infecção intestinal, e o Bacilus cereus clássico causa intoxicação alimentar típica, ambos formadores de esporos, sendo destruídos pela cocção e pelo reaquecimento dos alimentos, pois morrem em 5 minutos a 100 ºC. d) Giardia lamblia e Trichinella spiralis são exemplos de agentes causadores de toxinfecções alimentares. e) O Staphylococcus aureus causa um quadro típico de toxinfecção alimentar, caracterizado por um período de incubação de 1 a 6 horas, predominando diarreia e febre e, raramente, vômitos e náuseas 2. Qual microrganismo abaixo citado é um anaeróbio esporulante, produz várias exotoxinas e, de acordo com a capacidade de produzir quatro delas, foi classificado em cinco tipos A, B, C, D e E sendo o tipo A o mais frequentemente associado a doenças transmitidas por alimentos (DTAs). A bactéria encontra-se largamente disseminada no ambiente, sendo encontrada no solo, poeira, água, esgoto, trato intestinal humano e de animais. Por formar esporos, consegue sobreviver em condições ambientais hostis. Marque a afirmativa correta (COPEMA, 2014): a) Clostridium botulinum b) Salmonella enterica c) Salmonella spp. d) Clostridium perfringens e) Bacillus cereus 3. O Botulismo é uma das doenças de origem alimentar mais severas quanto aos sintomas e evolução dos casos. No entanto, existem várias formas de ocorrência do Botulismo. Leia as afirmativas a seguir. I. Intoxicação causada pela ingestão de alimentos contendo neurotoxinas. II. Infecção causada pela proliferação e consequente liberação de toxinas na área infectada por C. butulinum. III. Infecção causada pela ingestão de esporos e subsequente germinação, multiplicação e toxigênese no intestino. É correto afirmar que (COPEMA, 2014): a) O Botulismo clássico e descrito na afirmativa II; b) O Botulismo de lesão e descrito na alternativa I; c) O Botulismo infantil e descrito na alternativa III; d) Tanto o Botulismo clássico como o Botulismo infantil podem ser descritos pela afirmativa I; e) Tanto o Botulismo de lesão quanto o Botulismo infantil podem ser descritos pela afirmativa II. 4. As afirmativas abaixo são medidas de controle para evitar a ocorrência de uma doença de origem alimentar causada por um microrganismo patogênico. I. Impedir a germinação dos seus esporos e proliferação de suas células, para que a toxina não seja formada; II. Empregar uma microbiota competitiva (bactérias láticas) para produção de ácidos em quantidades suficientes para impedir a sua multiplicação, e outras substâncias inibidoras como bacteriocinas, água oxigenada e antibióticos; III. Os nitritos e nitratos são conservadores químicos utilizados para preparação de produtos cárneos visando o seu controle; 18

19 IV. Sua inibição depende da acidez e atividade de água (Aa) da carne, podendo ser aumentada pela adição de ascorbato e isoascorbato; V. O tratamento térmico elevado pode destruir suas células vegetativas e seus esporos; VI. Suas neurotoxinas são termolábeis, sendo destruídas pelo aquecimento a 80ºC durante 30 minutos ou a 100ºC em poucos minutos. Qual microrganismo exige tais medidas de controle? (COPEMA, 2014) a) Salmonella b) Bacillus cereus c) Clostridium perfringens d) Clostridium botulinum e) Staphylococcus aureus 5. A toxinose alimentar é uma doença transmitida por alimentos decorrente da ingestão de toxina pré-formada nos alimentos. O Clostridium botulinum é um microrganismo causador de toxinose alimentar e tem como característica (CESGRANRIO, 2014) a) ser eliminado pelo processo de cocção. b) ser capaz de multiplicar-se tanto em aerobiose como em anaerobiose. c) ser um microrganismo de origem fecal. d) produzir uma toxina que pode ser inativada em 10 minutos a 100 ºC. e) apresentar período de incubação de 5 dias. 5. A toxinose alimentar é uma doença transmitida por alimentos decorrente da ingestão de toxina pré-formada nos alimentos. O Clostridium botulinum é um microrganismo causador de toxinose alimentar e tem como característica (CESGRANRIO, 2014) a) ser eliminado pelo processo de cocção. b) ser capaz de multiplicar-se tanto em aerobiose como em anaerobiose. c) ser um microrganismo de origem fecal. d) produzir uma toxina que pode ser inativada em 10 minutos a 100 ºC. e) apresentar período de incubação de 5 dias. 6. O Staphylococcus aureus é o segundo agente mais frequente relacionado a surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil, sendo que o seu reservatório é o(a) (CESGRANRIO, 2014) a) solo b) Homem c) roedor d) esgoto e) água do mar 6. O Staphylococcus aureus é o segundo agente mais frequente relacionado a surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil, sendo que o seu reservatório é o(a) (CESGRANRIO, 2014) a) solo b) Homem c) roedor d) esgoto e) água do mar 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 19

20 Patotipos de importância Não patogênica Maioria das estirpes Escherichia coli Patogênica Enterohemorrágica (EHEC) Enteropatogênica (EPEC) Enterotoxigênica (ETEC) Enteroinvasivas (EIEC) Enteroagrativas (EaggEC) Escherichia coli enterohemorrágica Características do patotipo Produtor de toxina tipo Shiga (STEC) também chamada de verotoxina (VTEC) Ilha de patogenicidade chamada locus of enterocyte effacement (LEE), causando a lesão intestinal A/E (attaching and effacing)- lesão do tipo pedestais Toxinfecção Escherichia coli- Gastroenterite enterohemorrágica Multiplicação bacteriana/ Produção de toxinas Portadores Contato direto Fezes urina Período de incubação 3-5 dias Principais sintomas (2 a 4 semanas) Colite hemorrágica Síndrome hemolítica urêmica (SHU) Púrpura trombocitopênica trombótica (PTT) CDC, 2016 Diagnóstico Isolamento (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Fezes Isolar a bactéria e identificar o patotipo fecha o diagnóstico Resumo 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 20

21 Infeção por Shigella Patogenese Espécies: Sorogroupo A: Shigella dysenteriae (15 sorotipos) Sorogroupo B: Shigella a flexneri (6 i sorot pos) Sorogroupo C: Shigella boydii (20 sorotipos) Sorogroupo D: Shigella sonnei (1 sorotipos) Intestino grossoenterócitos (intracelular) Células de defesa- Mo céls M e dendríticas Produção de toxina- destrói ribossomos Disenteria bacilar Fontes de contaminação do alimento Humanos e primatas Água e conteúdo fecal Contato direto com o doente Principais alimentos incriminados Mariscos, atum, camarão e aves Leites e derivados Mariscos Período de incubação- 1 a 4 dias Sinais clínicos (5-7 7 dias)- diarreia (sangue, muco ou pus) e febre Diagnóstico Isolamento (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Sangue, fezes e urina Não fecha o diagnóstico Resumo 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 21

22 Infecção poryersinia spp. O gênero tem 11 espécies Yersinia enterocolitica Yersinia pseudotuberculosis Yersinia pestis Yersinia spp. O gênero tem 11 espécies Yersinia enterocolitica Yersinia pseudotuberculosis Yersinia pestis Principal reservatório Yersiniose Roedores, bovinos, cachorros e gatos Carne de porco Leite e água Multiplicação intestinal Principais sintomas (1-3 3 semanas) Dores abdominais, Febre Diarreia (crianças) Período de incubação 1 a 11 dias Complicações Síndrome de Reiter Eritema nodoso Diagnóstico Isolamento (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Sangue, fezes e urina Não fecha o diagnóstico Resumo 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 22

23 Infecção por Campylobacter Gênero Campylobacter 18 espécies Campylobacter jejuni Campylobacter coli Campylobacter lari Microaerófilo e termófilo Campilobacteriose- patogênese Flagelo e LPS (adesinas não fimbriais) responsáveis pela adesão (ausência de fímbrias). Invasão dos enterócitos e crescimento intracelular, causando lise e inflamação. Young, 2007 Principal reservatório Campilobacteriose- ciclo Animais doméstico (filhote de cães e gatos). Carne crua/mal passada Leite, água e vegetais Multiplicação intestinal Complicações Síndrome Neurológicas (Guillain-Barré) Síndrome paralítica chinesa Abortos Período de incubação 2 a 5 dias Principais sintomas (2-10 dias) Diarreia Dores no estômago Diagnóstico Microscopia direta do material clínico (diagnóstico definitivo) Isolamento (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Fezes De grande importância para o diagnóstico Resumo 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 23

24 Toxinfecção- Vibrio cholerae Espécies (12) Vibrio parahaemolyticus Vibrio vulnificus Vibrio cholerae Importância em saúde pública Sorogrupos 01- El thor e Clássico (mais severo) 0139 Principal fonte Cólera- ciclo da doença Humanos, portadores assintomáticos Frutos do mar e peixes Multiplicação intestinal/ toxina Complicações Insuficiência renal aguda Aborto Hipoglicemia Principais sintomas (7 dias) Diarreia aquosa- água de arrozsúbita sem dor / Vômitos adicionais Período de incubação 1 a 3 dias Toxina com subunidades Cólera- patogênese Diagnóstico Isolamento (diagnóstico definitivo) Subunidade B- ligante Subunidade A- atividade tóxica Desequilíbrio hidroeletrolítico Principais sintomas (7 dias) Diarreia aquosa- água de arrozsúbita sem dor Vômitos adicionais Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Fezes Diagnóstico definitivo Resumo 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 24

25 Mucosa de seres humanos e animais Intoxicação por S. aureus Higiene precária Carne, ovos e leite Ingestão das toxinas Período de incubação 2 a 6 horas Complicações Meningoencefalite (adultos e recém nascidos) Aborto (transplacentária) Principais sintomas (2 dias) Náusea severa cólica, vômito e diarreia. Diagnóstico Detecção da toxina pré-formada (diagnóstico definitivo) Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Fezes Diagnóstico definitivo Isolamento da estirpe toxigênica Resumo 1. O Staphylococcus aureus é o segundo agente mais frequente relacionado a surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil, sendo o seu principal reservatório: a) O homem. b) O solo. c) A água. d) Os crustáceos. 1. O Staphylococcus aureus é o segundo agente mais frequente relacionado a surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil, sendo o seu principal reservatório: a) O homem. b) O solo. c) A água. d) Os crustáceos. 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum 25

26 Infecção por Listeria Listeriose Espécies: Listeria monocytogenes* Listeria innocua Listeria welshimeri Listeria seeligeri Listeria ivanovii* (Ruminantes) Listeria grayi* Invasão celular Enterócitos Macrófagos Sistêmico Vasos sanguíneos Fígado e baço Destruiçã o celular Homem e animais Formadoras de biofilme Ciclo da Listeriose Multiplicação da bactéria Produtos lácteos Carne e vegetais Período de incubação 2 a 3 dias Principais sintomas (7-10 dias) Febre, fadiga, mal estar (sintomas de gripe) Isolamento bacteriológico Alimento Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Diagnóstico Fezes, LCR, sangue Extremamente difícil Resumo 1. O micro-organismo que pode ser letal para indivíduos com câncer, AIDS, transplantados, e tem como característica se multiplicar em temperatura entre 0 e 44 e em ph entre 4,5 e 8, presente em 64% dos alimentos refrigerados e comum em produtos lácteos e cárneos mal cozidos, é (UFF, 2009): a) Salmonella sp; b) Clostridium Botulinun; c) Listeria Monocitogenes; d) Campylobacter Jejuni; e) Bacillus cereus; 26

27 1. O micro-organismo que pode ser letal para indivíduos com câncer, AIDS, transplantados, e tem como característica se multiplicar em temperatura entre 0 e 44 e em ph entre 4,5 e 8, presente em 64% dos alimentos refrigerados e comum em produtos lácteos e cárneos mal cozidos, é (UFF, 2009): a) Salmonella sp; b) Clostridium Botulinun; c) Listeria Monocitogenes; d) Campylobacter Jejuni; e) Bacillus cereus; 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Intoxicação por Bacillus Ciclo da Gastroenterite Espécies: Bacillus anthracis Bacillus cereus Bacillus coagulans Bacillus natto Bacillus subtilis Bacillus thuringiensis Bacillus megaterium Emética (termo-estável) Diarréica (termo-lábil) Gastroenterite Fontes de contaminação do alimento Humanos e primatas Água e conteúdo fecal Principais alimentos incriminados Produtos a base de arroz Leites e derivados Isolamento bacteriológico Alimento Diagnóstico Fezes Período de incubação- 8 a 20 horas Sinais clínicos - diarreia e dor intestinal - êmese e náuseas (duração 24-36h) Preferencial Tem que saber qual o alimento envolvido Extremamente difícil Intoxicação 27

28 Resumo 1. O Bacillus cereus é uma bactéria gram negativa e aeróbia facultativa, pertence ao filo Firmicutes e é responsável pela maior parte das doenças de histórico alimentar. Possui notável capacidade para sobreviver em condições ambientais estressantes. Desta forma, sua presença em instalações industriais e comerciais de alimentos é preocupante, pois favorece a contaminação cruzada no ambiente de trabalho. A síndrome diarreica, causada pela toxinfecção alimentar desse microrganismo está relacionada CORRETAMENTE em: (UPGEO, 2015) a) Pescados b) Verduras e leguminosas c) Maionese e preparações com ovos d) Produtos amiláceos e cereais, em especial o arroz 1. O Bacillus cereus é uma bactéria gram positivo e aeróbia facultativa, pertence ao filo Firmicutes e é responsável pela maior parte das doenças de histórico alimentar. Possui notável capacidade para sobreviver em condições ambientais estressantes. Desta forma, sua presença em instalações industriais e comerciais de alimentos é preocupante, pois favorece a contaminação cruzada no ambiente de trabalho. A síndrome diarreica, causada pela toxinfecção alimentar desse microrganismo está relacionada CORRETAMENTE em: (UPGEO, 2015) a) Pescados b) Verduras e leguminosas c) Maionese e preparações com ovos d) Produtos amiláceos e cereais, em especial o arroz 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Clostridium perfringens Clostridium perfringens Toxina Classificação A B C D E Alfa Beta + + Épsilon + + Iota + Enterotoxina Toxina Classificação A B C D E Alfa Beta + + Épsilon + + Iota + Enterotoxina

29 Higiene precária Carne, ovos e leite Toxinfecção por C. perfringens Multiplicação Esporula no intestino delgado Produção de enterotoxina Complicações Enterite necrosante- Doença de Pigbel Ingestão de cepas tipo C Dor abdominal aguda, dirreia sanguinolenta, vômitos, choque e peritonite Período de incubação 8 a 12 horas Destruição celular Alteração da permeabilidade intestinal Principais sintomas (24h) Cólica abdominal e diarreia 40% de letalidade Detecção de toxinas Diagnóstico Resumo Alimento Detectar a estirpe toxigênica Fezes Deteção da toxina ou da estirpe toxigênica 1. As toxinfecções são doenças transmitidas por alimentos decorrentes da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias na forma vegetativa, que liberam toxina no trato gastrointestinal ao esporular, porém sem colonizar. A respeito das toxinfecções alimentares, é correto afirmar (UFPR, 2013): a) São exemplos de agentes causadores de toxinfecções alimentares: Clostridium botulinum, Bacilus cereus clássico, Salmonella sp. e Vibrios patogênicos. b) O Clostridium perfringens produz endoenterotoxina no intestino, quando ocorre esporulação, após a ingestão de grande quantidade de formas vegetativas, sendo um dos exemplos clássicos de agente causador de toxinfecção alimentar. c) O Bacilus cereus emético causa um quadro de infecção intestinal, e o Bacilus cereus clássico causa intoxicação alimentar típica, ambos formadores de esporos, sendo destruídos pela cocção e pelo reaquecimento dos alimentos, pois morrem em 5 minutos a 100 ºC. d) O Staphylococcus aureus causa um quadro típico de toxinfecção alimentar, caracterizado por um período de incubação de 1 a 6 horas, predominando diarreia e febre e, raramente, vômitos e náuseas. 29

30 1. As toxinfecções são doenças transmitidas por alimentos decorrentes da ingestão de quantidades aumentadas de bactérias na forma vegetativa, que liberam toxina no trato gastrointestinal ao esporular, porém sem colonizar. A respeito das toxinfecções alimentares, é correto afirmar (UFPR, 2013): a) São exemplos de agentes causadores de toxinfecções alimentares: Clostridium botulinum, Bacilus cereus clássico, Salmonella sp. e Vibrios patogênicos. b) O Clostridium perfringens produz endoenterotoxina no intestino, quando ocorre esporulação, após a ingestão de grande quantidade de formas vegetativas, sendo um dos exemplos clássicos de agente causador de toxinfecção alimentar. c) O Bacilus cereus emético causa um quadro de infecção intestinal, e o Bacilus cereus clássico causa intoxicação alimentar típica, ambos formadores de esporos, sendo destruídos pela cocção e pelo reaquecimento dos alimentos, pois morrem em 5 minutos a 100 ºC. d) O Staphylococcus aureus causa um quadro típico de toxinfecção alimentar, caracterizado por um período de incubação de 1 a 6 horas, predominando diarreia e febre e, raramente, vômitos e náuseas. 2. Bactérias envolvidas nas DTAs a) Revisão de microbiologia b) Salmonella spp. c) Escherichia coli d) Shigella spp. e) Yersinia spp. f) Campylobacter spp g) Vibrio spp. h) Staphylococcus spp i) Listeria spp. j) Bacillus cereus k) Clostridium perfringens e Clostridium botulinum Humanos Clostridium botulinum A, B, E, F e G Animais C e D Toxinas termolábeis a 80ºC 10 minutos Intoxicação por toxina botulínica Mecanismo de ação da toxina botulínica Contaminada com toxina botulínica Período de incubação 18 a 36 horas Absorvida no trato intestinal Terminações nervosas Via hematógena Principais sintomas (vários dias a meses) Paralisia flácida motora descendente 30

31 Diagnóstico Soroneutralização Diagnóstico definitivo Sangue, conteúdo intestinal e alimento Isolamento Demorado e pouco preciso. Por incorrer erros de interpretação 1. A toxinose alimentar é uma doença transmitida por alimentos decorrente da ingestão de toxina pré-formada nos alimentos. O Clostridium botulinum é um microrganismo causador de toxinose alimentar e tem como característica (CESGRANRIO, 2014) a) ser eliminado pelo processo de cocção. b) ser capaz de multiplicar-se tanto em aerobiose como em anaerobiose. c) ser um microrganismo de origem fecal. d) produzir uma toxina que pode ser inativada em 10 minutos a 100ºC. e) apresentar período de incubação de 5 dias. 1. A toxinose alimentar é uma doença transmitida por alimentos decorrente da ingestão de toxina pré-formada nos alimentos. O Clostridium botulinum é um microrganismo causador de toxinose alimentar e tem como característica (CESGRANRIO, 2014) a) ser eliminado pelo processo de cocção. b) ser capaz de multiplicar-se tanto em aerobiose como em anaerobiose. c) ser um microrganismo de origem fecal. d) produzir uma toxina que pode ser inativada em 10 minutos a 100ºC ºC. e) apresentar período de incubação de 5 dias. 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus c) Vírus da hepatite A 4. Questões de concursos Fonte: Revisão de virologia Os vírus são Parasitas intracelulares obrigatórios Parasitas que possuem estrutura organizacional simples Estrutura básica de um vírus Material genético DNA ou RNA Linear (RNA/DNA) ou circular (DNA) Envoltórios Capsídio Envelope 31

32 Estrutura básica de um vírus Estrutura básica de um vírus Envoltórios Formato do capsídio Icosaédrico Helicoidal Envelopado Não envelopado Classificação dos vírus quanto o genoma Isolamento viral Sistemas biológicos Animais susceptíveis Cultivo celular Ovos embrionados de galinha 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus c) Vírus da hepatite A 4. Questões de concursos Fonte: Família Reoviridae Genoma RNA fita dupla Não envelopados Capsídio icosaédrico Rotavírus Extremamente resistentes no ambiente Principal causa de diarreia grave em lactentes e crianças jovens em todo o mundo 32

33 Ciclo da rotavirose Resumo Água Contato direto com doentes Fômites Multiplicação Infecção do intestino delgado Período de incubação Menos de 48h Destruição celular Diminuição da absorção (vilosidades) e aumento de secreção (criptas) Principais sintomas (3 a 7 dias) Diarreia, vômito, dor abdominal e náusea. Norovirose 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus c) Vírus da hepatite A Família Caliciviridae Não envelopados Capsídio icosaédrico 4. Questões de concursos Fonte: Genona RNA fita simples (+) Vírus ambientais Microrganismo emergentesurtos em navios Água/ Moluscos Contato direto com doentes Fômites Ciclo da norovirose Multiplicação Infecção do intestino delgado Diagnóstico Diagnóstico clínico: Sintomas Falta de identificação de um patógeno bacteriano na cultura de fezes na cultura de fezes Período de incubação 24-48h Destruição celular Diminuição da absorção (vilosidades) e aumento de secreção (criptas) Principais sintomas (1 a 3 dias) Vômito, diarreia sem sangue, dor abdominal e náusea. Diagnóstico laboratorial: Materiais Soro Fezes Vômito 33

34 Resumo 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus c) Vírus da hepatite A 4. Questões de concursos Fonte: Família Picornaviridae Vírus de RNA fita simples Capsídio icosaédrico Não envelopados Vírus da hepatite A Ciclo da Hepatite A Ingestão (água/ alimento) Replicação Orofaringe/TGI Fígado (sítio de replicação) Eliminado pela bile Hepatite A Sorológico Diagnóstico Fontes de contaminação do alimento Humanos e primatas Água e conteúdo fecal Principais alimentos incriminados Mariscos Frutas, vegetais e saladas Período de incubação- 2 a 6 semanas Sinais clínicos (3 semanas) maioria assintomático, icterícia, tontura, enjôo vômitos e dores abdominais 34

35 Resumo 3. Vírus envolvidos em DTAs a) Rotavírus b) Norovírus c) Vírus da hepatite A 4. Questões de concursos Fonte: 1. As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA's), podem ser caracterizadas por intoxicações alimentares e infecções alimentares. Como podemos caracterizar cada uma delas? (UPGEO, 2015) a) As intoxicações e infecções alimentares são ocasionadas pelo consumo de alimentos crus ou mal cozidos. Diferenciam-se apenas pelos sintomas que provocam. b) Diferenciam-se pela forma de contágio e principalmente pelo tratamento. Em casos de infecções, o tratamento exige o uso de antibióticos. 1. As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA's), podem ser caracterizadas por intoxicações alimentares e infecções alimentares. Como podemos caracterizar cada uma delas? (UPGEO, 2015) c) As infecções alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contaminados por toxinas microbianas pré-formadas. Já as intoxicações alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos. d) As intoxicações alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contaminados por toxinas microbianas pré-formadas. Já as infecções alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos. 1. As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA's), podem ser caracterizadas por intoxicações alimentares e infecções alimentares. Como podemos caracterizar cada uma delas? (UPGEO, 2015) a) As intoxicações e infecções alimentares são ocasionadas pelo consumo de alimentos crus ou mal cozidos. Diferenciam-se apenas pelos sintomas que provocam. b) Diferenciam-se pela forma de contágio e principalmente pelo tratamento. Em casos de infecções, o tratamento exige o uso de antibióticos. 1. As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA's), podem ser caracterizadas por intoxicações alimentares e infecções alimentares. Como podemos caracterizar cada uma delas? (UPGEO, 2015) c) As infecções alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contaminados por toxinas microbianas pré-formadas formadas. Já as intoxicações alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos. d) As intoxicações alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contaminados por toxinas microbianas pré-formadas formadas. Já as infecções alimentares ocorrem quando são ingeridos alimentos contendo células viáveis de microrganismos patogênicos. 35

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Vigilância Sanitária de Alimentos Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Clostridium perfringens Intestino Microbiota normal Solo Água Produto cárneo Clostridium perfringens

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA)

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Disciplina de Saúde Pública DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Francielle Liz Monteiro

Leia mais

Doenças de origem alimentar. alimentar

Doenças de origem alimentar. alimentar Doenças de origem alimentar Definições Intoxicação alimentar Ingestão de alimento contendo toxina produzida pelo microrganismo. Exemplo: Botulismo, estafilococose. Definições Infecção alimentar Ingestão

Leia mais

Infecção Intestinal/ Coprocultura

Infecção Intestinal/ Coprocultura Microbiologia Clínica Infecção Intestinal/ Coprocultura Carlos Cardoso Biomédico Salvador, 2012 Infecção do Trato Urinário Patogenia Aderência Invasão Toxinas Reação inflamatória Colonização Infecção

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR. DENISE FIGUEIREDO Medica-Veterinária

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR. DENISE FIGUEIREDO Medica-Veterinária VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR DENISE FIGUEIREDO Medica-Veterinária SistemaVE-DTHA/RS HISTÓRICO 1972 :Início das primeiras notificações e investigações Ve +VISA

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos

Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Profa. Vânia Lúcia da Silva Microrganismos patogênicos causadores de doenças Principais patógenos bacterianos veiculados por alimentos: Clostridium

Leia mais

03/11/2011. Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos. Microrganismos patogênicos causadores de doenças. Profa. Vânia Lúcia da Silva

03/11/2011. Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos. Microrganismos patogênicos causadores de doenças. Profa. Vânia Lúcia da Silva Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Profa. Vânia Lúcia da Silva Microrganismos patogênicos causadores de doenças Principais patógenos bacterianos veiculados por alimentos: Clostridium

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil

Leia mais

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Prof. Cláudio Galuppo Diniz GN oportunistas: Infecções endógenas Contaminantes secundários em lesões GN patógenos obrigatórios: Doenças do

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Leite como veiculador de Doenças

Leite como veiculador de Doenças 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados Leite como veiculador de Doenças 20 de Setembro de 2016 Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao

Leia mais

Doenças transmitidas por pescado no Brasil: Análise preliminar dos dados disponíveis

Doenças transmitidas por pescado no Brasil: Análise preliminar dos dados disponíveis Doenças transmitidas por pescado no Brasil: Análise preliminar dos dados disponíveis Carlos A M Lima dos Santos dossantoscarlos@globo.com 16ª Reunião da RED PESCA e IV SIMCOPE Santos, SP - Setembro de

Leia mais

Epidemiologia e microbiologia básica: Clostridium botulinum

Epidemiologia e microbiologia básica: Clostridium botulinum Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Epidemiologia e microbiologia básica: Clostridium botulinum Greice Madeleine

Leia mais

Salmonella spp. epidemiologia e diagnóstico laboratorial

Salmonella spp. epidemiologia e diagnóstico laboratorial Salmonella spp. epidemiologia e diagnóstico laboratorial Dalia dos Prazeres Rodrigues, Ph.D Laboratório de Referência Nacional de Cólera e Enteroinfecções Bacterianas Lab. Enterobacterias IOC/FIOCRUZ dalia@ioc.fiocruz.br

Leia mais

em sorvetes Introdução

em sorvetes Introdução MICROBIOLOGIA em sorvetes 44 O controle microbiológico de sorvetes é de fundamental importância e por não sofrer qualquer processo de cocção ou esterilização após seu preparo final, como acontece com outros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

Anemia Infecciosa das Galinhas

Anemia Infecciosa das Galinhas Anemia Infecciosa das Galinhas Leonardo Bozzi Miglino Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2010 Histórico: Isolado e descrito no Japão (1979), chamado de agente da anemia das

Leia mais

Não infecciosas: alérgicas, causadas por erro alimentar, envenenamento

Não infecciosas: alérgicas, causadas por erro alimentar, envenenamento INTRODUÇÃO Diarréias: problema de saúde humana INFECÇÕES DO TRATO GASTROINTESTINAL MMC_2014 Profa. Dra. Flávia Gehrke 1 Ocorrência de 1 bilhão de episódios diarréicos em crianças menores de 5 anos de idade

Leia mais

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose Zoonoses Salmonelose Leptospirose Tuberculose SALMONELOSE EDINAIDY SUIANNY ROCHA DE MOURA MENEZES É uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Evitar contaminação e DTAs Qualidade do Alimento Proteção da Saúde Contaminação Física

Leia mais

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos QUESTÕES PARA AS PROVAS; CONTEÚDO DAS AULAS; HORÁRIO DE ATENDIMENTO ON-LINE; blog do professor: http://chicoteixeira.wordpress.com As Enterobacteriaceae

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

Microbiologia das águas de alimentação

Microbiologia das águas de alimentação Microbiologia das águas de alimentação Características ecológicas dos meios aquáticos naturais Processos comuns a todas as águas Processos específicos águas superficiais águas marinhas águas subterrâneas

Leia mais

IMTSP. Doenças Transmitidas por Alimentos e Água. Profa. Dra.Luciana R. Meireles J. Ekman Laboratório de Protozoologia

IMTSP. Doenças Transmitidas por Alimentos e Água. Profa. Dra.Luciana R. Meireles J. Ekman Laboratório de Protozoologia IMTSP Doenças Transmitidas por Alimentos e Água Profa. Dra.Luciana R. Meireles J. Ekman Laboratório de Protozoologia lrmeirel@usp.br Gastroenterites Ingestão de água e alimentos microorganismos patogênicos

Leia mais

SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ÁGUA E ALIMENTOS (DTA)

SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ÁGUA E ALIMENTOS (DTA) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde - SMS Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA Gerência do Centro de Prevenção e Controle de Doenças - CCD Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo Prof. Msc. Cleysyvan Macedo PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS: Não possui estruturas celulares (membrana plasmática, citoplasma, etc.). São formado basicamente por uma cápsula protéica denominada capsômero

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária SEGURANÇA ALIMENTAR Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Princípios da segurança alimentar A política de segurança dos alimentos deve basear-se numa

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Advance technique for hamburger quality control

Advance technique for hamburger quality control Técnica avançada para controlar qualidade do hambúrguer Advance technique for hamburger quality control Sumário O maior risco para o consumidor, consequente da ingestão de hambúrguer mal conservado, é

Leia mais

Bacterioses. Prof. Wbio

Bacterioses. Prof. Wbio Bacterioses Prof. Wbio Toxinas produzidas por cinaobactérias Microcistinas hepatotóxicas ( encontradas em várias espécies em todo o planeta); Nodularin - primeira toxina descoberta de cianobactéria causou

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR A higiene é um conjunto de regras que promove a limpeza e o asseio. Conjunto de regras que combate á sujidade e os factores nocivos, possibilitando assim a todo o indivíduo

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015 NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 01/2015 LACEN/DIVS/DIVE Assunto: Orienta sobre a investigação, coleta e encaminhamento de amostras biológicas, alimentos e água para diagnóstico laboratorial de surtos de Doenças

Leia mais

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Diarréia Epidêmica Suína PED é causada por um coronavírus (PEDV) PEDV causa diarréia e vômito em suínos de todas as idades Mortalidade

Leia mais

Curso de Introdução ás Boas Práticas de Higiene e Fabrico

Curso de Introdução ás Boas Práticas de Higiene e Fabrico Curso de Introdução ás Boas Práticas de Higiene e Fabrico O que são Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA)? São doenças provocadas pelo consumo de alimentos que ocorrem quando micróbios prejudiciais

Leia mais

Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN. Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN

Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN. Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN Liliana Oliveira 7 de Abril de 2010 OERN 1 Conteúdos Novos processos de conservação de alimentos Detecção de alergéneos - PCR Controlos laboratoriais na pecuária

Leia mais

Rejane Alves. A importância da Vigilância das Doenças. Diarreicas Agudas. Seminário Estadual sobre o Impacto da Seca nas Doenças.

Rejane Alves. A importância da Vigilância das Doenças. Diarreicas Agudas. Seminário Estadual sobre o Impacto da Seca nas Doenças. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Seminário Estadual sobre o Impacto

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa Crescimento Microbiano CRESCIMENTO MICROBIANO: Em microbiologia, o termo crescimento refere-se a um aumento do número de células e não ao aumento das

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

CRYPTOSPORIDIUM PARVUM/CRIPTOSPORIDIOSE

CRYPTOSPORIDIUM PARVUM/CRIPTOSPORIDIOSE INFORME-NET DTA Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa - CIP Centro de Vigilância Epidemiológica - CVE MANUAL DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS CRYPTOSPORIDIUM

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país:

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país: LAUDO TÉCNICO SEXTA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES MAIS UMA

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. FEBRE TIFOIDE CID 10: A 01.0 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO É

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3 Bactérias CARACTERÍSTICAS: Bactérias existem há mais do que 3,5 bilhões anos; Pertencem ao Reino Monera; São unicelulares e procarióticas.

Leia mais

Tracy Longo Carstens RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Tracy Longo Carstens RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR Tracy Longo Carstens RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR Relatório de Estágio Curricular, apresentado ao Curso de Medicina veterinária, da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, da Universidade Tuiuti

Leia mais

Dannubia Bastos. Acadêmica de Medicina / UECE

Dannubia Bastos. Acadêmica de Medicina / UECE Reino Monera Dannubia Bastos Acadêmica de Medicina / UECE Reino Monera Estrutura celular simples Procariontes Unicelulares Ex: Bactérias e cianobactérias (algas azuis) Variedade de ambientes Não possuem

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Relação entre as doenças transmitidas por alimentos e as boas práticas de fabricação Alice Juliana de Moura 1 Péricles Macedo

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Doenças causadas por bactérias do gênero Clostridium spp. Clostridium botulinum Botulismo; Clostridium perfringens Enterite necrótica; Clostridium

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA. Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS. Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes

LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA. Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS. Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes LAUDO TÉCNICO TERCEIRA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES Para

Leia mais

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Fernando Bandeira 2016 Introdução Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Leia mais

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores.

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores. 1 DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR Ana Flávia Machado Teixeira Resumo As doenças microbianas de origem alimentar são transmitidas por ingestão de alimentos e água contaminados por microrganismos

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires : Aula Programada Biologia Prof. : Chico Pires Difteria (crupe) Agente Etiológico: Corynebacterium diphtheriae Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva Sintomas: Inflamação das tonsilas

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água.

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DISCIPLINA: HIGIENE ANIMAL DOCENTE: JEAN BERG ALVES DA SILVA CLOSTRIDIOSES PRELECIONISTA: MANUELLA DE OLIVEIRA CABRAL ROCHA Etiologia Clostridium ssp. Mais de 150

Leia mais

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos

Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos Sugestões de atividades Unidade 2 Vírus, moneras, protoctistas e fungos 7 CIÊNCIAS 1 Vírus e bactérias 1. A imagem a seguir mostra células infectadas por um dos subtipos do vírus HPV (a sigla em inglês

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Médio Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Propriedades dos gases do ar atmosférico H7 2 Reconhecer que o ar atmosférico é uma mistura

Leia mais

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos Toxoplasma gondii Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos INTRODUÇÃO O Toxoplasma gondii é um protozoário intracelular obrigatório, para que seu ciclo de vida esteja completo, precisa

Leia mais

Vírus - Caracterização Geral

Vírus - Caracterização Geral Noções de Vírus By Profª. Cynthia Vírus - Caracterização Geral Vírus = veneno ou fluído venenoso (Latim) Acelulares/ Partículas Infecciosas Composição química de nucleoproteínas (DNA ou RNA+Proteínas)

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

Clostridioses em Bovinos

Clostridioses em Bovinos Clostridioses em Bovinos Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite Várzea Grande, 4 de outubro de 2011 Pedro Paulo Pires pedropaulo@cnpgc.embrapa.br O grupo de infecções e intoxicações

Leia mais

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Vírus Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Virologia Virologia. Ramo da Biologia que estuda os vírus e suas propriedades. Vírus é totalmente inerte fora da sua célula hospedeira; Dependem totalmente da

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA?

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? O corpo humano contém normalmente bilhões de microorganismos, quer na pele, debaixo das unhas, na boca, nariz, intestino e em outras cavidades

Leia mais

Bacilos Gram positivos

Bacilos Gram positivos Bacilos Gram positivos Bacilo Gram positivos formadores de esporos Bacillus- aeróbios Clostridia- anaeróbios Género Bacillus Género Bacillus Bacilos gram positivos grandes, em cadeias Possuem endosporos

Leia mais

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Biologia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 (Fuvest 2002) Os vírus A. ( ) possuem genes para os três tipos de RNA (ribossômico, mensageiro e transportador), pois utilizam apenas aminoácidos

Leia mais

Diarreia de leitões na maternidade

Diarreia de leitões na maternidade Diarreia de leitões na maternidade Autor: Professor Carlos Alexandre Oelke Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui É muito comum observar em granjas produtoras de suínos que cerca de 70% dos casos

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA Prevenir ainda é o melhor remédio! A falta de higienização periódica das caixas d água pode acarretar na ocorrência de muitas doenças. Conheça

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose 1 2 3 Tuberculose Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose ETIOLOGIA Família: Mycobacteriaceae Ordem: Actinomycetalis

Leia mais

Ana Regina de Freitas Alves. Doenças alimentares de origem bacteriana

Ana Regina de Freitas Alves. Doenças alimentares de origem bacteriana Ana Regina de Freitas Alves Doenças alimentares de origem bacteriana Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da Saúde Setembro de 2012 Ana Regina de Freitas Alves Doenças alimentares de origem

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

Procariotos. Thiago Lins do Nascimento

Procariotos. Thiago Lins do Nascimento Procariotos 1 Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com Monera (Procariontes) Desde 1970 a existência do táxon Monera vem sendo contestada. Os organismos antes classificados como monera passam

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3.1 Bactérias CLASSIFICAÇÃO: Bactérias Quanto a respiração: Aeróbicas: crescem apenas na presença de O 2. Anaeróbicas: crescem em ausência

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes Biologia 1ª série Profª Reisila Mendes Conceito e estrutura Os vírus são fragmentos não vivos de genoma, que evoluíram tanto a partir de bactérias como de eucariontes. Os vírus são os únicos organismos

Leia mais

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas,

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, O que é? O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, com sintomatologia e epidemiologia totalmente diferentes: as cisticercoses correspondem, no estádio adulto, aos cestódios

Leia mais

Sistema Imunitário. Prof. Ana Rita Rainho. 1

Sistema Imunitário. Prof. Ana Rita Rainho.  1 Prof. Ana Rita Rainho www.biogeolearning.com 1 www.biogeolearning.com 2 Cocos. Streptococcus sobrinus a crescer na superfície de um dente Vibriões. Vibrio cholerae Espirilos. Campylobacter jejuni Bacilos.

Leia mais

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010.

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010. AMEBÍASE e Entamoeba histolytica Satie Katagiri São Paulo, março de 2010. Amebas parasitas do homem Gênero Entamoeba Classificadas conforme número de núcleos da forma cística. Com 8 núcleos: Entamoeba

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS PARVOVIROSE

Leia mais

Palestrante: Arno E. Henn Administrador e Gestor Ambiental

Palestrante: Arno E. Henn Administrador e Gestor Ambiental Palestrante: Arno E. Henn Administrador e Gestor Ambiental Missão Promover qualidade de vida ao ser humano e preservação da biodiversidade através de soluções em saneamento ambiental Linha Cristal, s/nº

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS GELADOS COMESTÍVEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais