GESTÃO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE URBANO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE URBANO NO BRASIL"

Transcrição

1 GESTÃO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE URBANO NO BRASIL Elisa Mara Oliveira Schettino Departamento de Engenharia de Transporte Universidade Federal do Rio de Janeiro RESUMO O ambiente econômico apresenta-se em constantes modificações provocando a transformação dos negócios empresariais. Esta situação é bastante exigente em práticas de gestão e de análises de mercado na busca de manutenção das bases e vantagens competitivas e do aproveitamento das oportunidades emergentes. No setor de transporte não é diferente, estas empresas por sua vez possuem características próprias de organização interna e de inserção no mercado, além de maiores dificuldades na adoção das boas práticas mercadológicas e gerenciais. Este trabalho tem como objetivo contribuir para a discussão sobre a tomada de decisão destes agentes, e de que forma as teorias da administração estratégica empresarial contribuem na análise destes empreendimentos. Utilizou-se como metodologia o estudo exploratório em fontes de informações secundárias e análise de conteúdo. Verifica-se, num primeiro momento, que é possível estabelecer uma conciliação entre as necessidades da empresas operadoras de transporte e as abordagens teóricas sobre estratégias empresariais, a partir das especificidades de agir e pensar destas empresas. ABSTRACT The economical atmosphere comes in constant modifications provoking the transformation of the managerial businesses. This situation is quite demanding in administration practices and of market analyses in the search of maintenance of the bases and competitive advantages and of the use of the emergent opportunities. In the transport section it is not different, these companies for your time possess own characteristics of organization it interns and of insert in the market, besides larger difficulties in the adoption of the " good practices " merchandise and managerial. This work has as objective contributes for the discussion on the electric outlet of these agents' decision, and that forms the theories of the managerial strategic administration they contribute in the analysis of these enterprises. It was used as methodology the exploratory study in sources of secondary information and content analysis. It is verified, in a first moment, that is possible to establish a conciliation between the needs of the companies transport operators and the theoretical approaches on managerial strategies, starting from the kinds of to act and to think of these companies. 1. INTRODUÇÃO Durante as últimas décadas aconteceram inúmeras transformações no mercado mundial. No Brasil, estas transformações ocorreram aceleradamente após a abertura da economia. Com a globalização, as indústrias brasileiras viram-se obrigadas a investir mais em qualidade, padronização e controle. O perfil do consumidor, de modo geral, foi se firmando em direção a um elevadíssimo grau de exigência. Se no final da década de 1970 e início da de 1980 a exigência girava unicamente em torno da qualidade do produto, só na década de 1990 registra-se uma mudança significativa no comportamento de compra: passou-se a comprar menos, porém de forma mais qualitativa. O consumidor começou a atuar de forma menos passiva, aprendendo a analisar um produto mais durável, conveniente, confiável, de fácil manutenção e utilização. Passou a averiguar pessoalmente a qualidade antes de consumir. O mercado globalizado já não se satisfaz apenas com a diretriz da Gestão Empresarial Tradicional, na qual, o gestor à frente do negócio se coloca no topo da pirâmide hierárquica emanando decisões sem que se leve em consideração à cooperação e o conhecimento mutuo de

2 todos os envolvidos direta ou indiretamente no processo. O lema da era do Conhecimento é justamente a parceria e a cooperação, a gestão do conhecimento frente ao turbilhão de informações e ferramentas de controle destas. Entre as principais modificações encontra-se a estabilização econômica em muitos países, fusões de grandes empresas, desregulamentações dos mercados, forte evolução tecnológica e dos sistemas de informação. Estas mudanças surgem de forma rápida aumentando consideravelmente os riscos associados aos empreendimentos de qualquer natureza. O setor de transporte, ambiente analisado neste trabalho, também é afetado de forma muito direta. Muitos operadores para se manterem nas atividades tiveram que se adaptar à nova realidade, buscando inovações tecnológicas, praticas administrativas modernas, que levem em consideração recursos humanos, contabilidade e custos, conservação ambiental, entre outros. Diante deste quadro, o presente trabalho tem como objetivo contribuir para a discussão sobre a gestão a formulação estratégica e a tomada de decisão das empresas de transporte urbano no Brasil, e a sua interação com as novas tendências de gestão global. Fazer uma análise comparativa entre a gestão de empresas modernas e a gestão de empresas de transporte urbanos e de que forma as teorias modernas sobre gestão e administração estratégica podem contribuir na análise destes empreendimentos, considerando-se as suas características próprias. Este artigo, possibilita a oportunidade de discutir a conciliação de ferramentas gerenciais e aportes teóricos bastante utilizados no setor industrial, que possuem validade prática, que podem perfeitamente serem aproveitados em estudos de gestão e tomada de decisão para as empresas de transporte, desde que considerados os aspectos particulares deste setor. Utilizou-se como metodologia para o desenvolvimento deste trabalho o estudo exploratório em fontes de dados e informações secundárias e análise de conteúdo sobre as questões pertinentes ao assunto abordado. O artigo está estruturado em quatro partes. Uma que trata das tendências, definições e conceitos, sobre a forma de gerenciar das empresas tradicionais modernas logo após descreve-se a importância do transporte público urbano para a sociedade e por fim discute-se a contribuição dessas abordagens modernas para o crescimento e a otimização das empresas de transporte urbano no Brasil e realiza-se algumas considerações finais sobre as questões levantadas. 2. A TENDÊNCIA NA GESTÃO DAS EMPRESAS Dois principais níveis devem ser contemplados no cenário atual dos negócios, o Estratégico e o Operacional. Sobretudo, o primeiro ocupa papel principal no contexto atual, sendo o que irá proporcionar ao tomador de decisões visibilidade as suas ações, de maneira que ele possa estimular a apreensão das constantes informações podendo, deste modo, dimensionar os riscos das decisões a serem tomadas rearticulando o fluxograma operacional a partir desta ampla visualização. O foco no objetivo da empresa é primordial para eficácia deste raciocínio.

3 A terceirização dos processos que não fazem parte do foco da empresa tem sido a grande saída para efetivação desse novo ordenamento da Gestão. Os recursos humanos também ganharam autonomia nos mais variados níveis. O modelo tradicional de gestão que privilegiava uma rígida hierarquia, a qual, apenas deliberava sem considerar as demais instancias, enfrenta um reordenamento em sua estrutura visando viabilizar estratégias diante das mais diversas arquiteturas organizacionais, as quais devem projetar um espaço organizacional de modo a satisfazer necessidades e aspirações humanas, bem como, adaptar e capacitar a empresa para um desempenho eficaz diante das incertezas. Por cerca de anos, as empresas seguiram três pilares; a tradição, a cultura e a sucessão. O século XX alavancou este processo com o significativo aumento da oferta de produtos e a personalização destes. Desde então as pessoas passaram a querer coisas que as distingam das outras. Entram em cena as técnicas de entendimento do mercado, desencadeando a busca de uma apreensão também das leis baseadas em modelos antropossociais. (ZACHARIAS, 2005). É um reconhecimento do homem por si próprio integrado. O ser humano passa a ser considerado, portanto, como um todo de natureza física, intelectual, emocional e espiritual. Assumindo o lugar de gerador de recursos e não mais o de um mero recurso (recurso humano). Nesta concepção, a estrutura de uma organização é resultado de um processo através do qual a autoridade é distribuída, as atividades são especificadas desde os níveis mais baixos, até a alta administração. Inserindo, com isto, um sistema de comunicação delineado, permitindo que as pessoas realizem as atividades e exerçam a autoridade que lhes compete para o atendimento dos objetivos organizacionais. Vianna (1991, p. 11 e 12), lista alguns aspectos que proporcionaram este novo contexto estrutural organizacional, a saber: Efeitos secundários da disseminação da tecnologia; Surgimento de novos concorrentes; Boom do empreendedorismo como forma de resolver a crise do emprego ocorrida nos anos 90; Aparecimento de substitutos e novas tecnologias; rápidas mudanças nos hábitos do consumidor; esgotamento de oportunidades para crescimento e atomização da oferta como conseqüência da personalização. Todo esse turbilhão de acontecimentos iniciados a partir dos anos 80, trazidos através das mudanças socioeconômicas e políticas no contexto mundial estão sendo sentidas nas estruturas e alicerces das empresas e aportam a Era da Mudança que requer, sem dúvidas, um macromovimento estratégico de antecipação. Repensar os métodos operacionais, para permanecer competitivo. Vencer a barreira das formas tradicionais de gerir e redefinir a imagem e o papel que exercerão no ambiente global de negócios, são sem dúvidas atitudes flexíveis indispensáveis no contexto atual de mudanças.

4 A visualização prévia das necessidades do mercado, a agregação de valores aos seus produtos e serviços, garantia de qualidade e preço baixo, de acordo com a exigência de seus clientes, serão indispensáveis para manter-se competitivo. No caso da comunidade empresarial brasileira, no geral, essa muitas vezes encontra no ambiente de instabilidade, uma desculpa para a passividade e uma justificativa para o insucesso. Na verdade isto deve ser entendido como má administração da mudança e do desenvolvimento. A resistência às novas idéias estruturais é sentida, principalmente no cenário das pequenas e médias empresas. Este entrave persiste, na maioria das vezes, pela falta de planejamento e estratégias e em virtude da forma como nasceram e se colocaram no mercado Estratégias Empresariais O termo estratégia possui diversos significados, devido a ser usado em diferentes contextos por diferentes pessoas, tanto no meio acadêmico como no meio prático empresarial. Teve origem no ambiente militar, que no grego a palavra strategos, significa o cargo ocupado pelo general. Por um bom tempo, esta visão da estratégia, onde o oponente ou o concorrente precisa ser eliminado ou conquistado, predominou nas teorias e manuais sobre o assunto. Atualmente a palavra estratégia é utilizada abordando-se dimensões mais amplas, que envolvem as diferenças organizacionais e de ambientes, os consumidores, as diversidades, e a cooperação como forma de competir no mercado. Mintzberg (2000) coloca que é impossível atribuir somente uma definição para estratégia, porque o conceito acaba por exprimir uma diversidade de termos como políticas, táticas, metas, programas, etc. Propõe como definição de estratégia um enfoque amplo através da conceituação dos cinco Ps da estratégia. Estratégia como plano, uma direção, um curso de ação intencional para o futuro, ou um caminho para ir daqui até ali. Estratégia como padrão, ou de consistência de comportamento ao longo do tempo. Define a primeira como pretendida e a segunda como realizada, que ocorrem em momentos opostos. No intervalo entre estas duas ocorrem as estratégias não realizadas e as emergentes. Estratégia como posição, ou a localização de determinados produtos em determinados mercados, nichos selecionados. Estratégia como perspectiva, ou a maneira fundamental de fazer as coisas, através da cultura ou visão compartilhada da empresa. E como última definição, estratégia como ploy (truque), ou uma manobra específica para enganar um concorrente e obter vantagem. Todas estas definições formam a estratégia real da empresa, que são oriundas da sinergia e inter-relação das estratégias planejadas, realizadas, pretendidas e as emergentes ou adaptativas. Certo (1993), divide o processo de administração estratégica em cinco etapas: análise do ambiente interno e externo; estabelecimento de diretriz organizacional através da missão e dos objetivos; formulação da estratégia; implementação da estratégia e controle estratégico. O ambiente externo pode ser dividido em ambiente geral (político, legal, tecnológico, social e econômico) e ambiente operacional (concorrência, cliente, mão de obra, fornecedor e internacional). No ambiente interno, propõe analisar cinco aspectos: organizacionais, pessoal, marketing, produção e financeiro.

5 A análise dos fatores internos e externos é também conhecida como análise SWOT, como sendo a definição dos pontos fortes (strengths), pontos fracos (weaknesses), oportunidades (opportunities) e ameaças (threats) que são enfrentadas pela empresa. Kay (1996) define a análise SWOT como uma boa forma de olhar o quadro organizacional, sendo uma lista que ajuda a pensar a respeito das informações que a empresa possui. Abell (1991), afirma que são usados vários instrumentos formais de auxílio ao planejamento estratégico, por muitas grandes empresas, tais como as técnicas de análise de portfólio (matriz BCG), técnica de avaliação da atratividade do mercado e do posicionamento competitivo do negócio (matriz GE), e o projeto PIMS (Profit Impact of Market Strategies)... Propõe também uma nova forma de definição dos negócios em termos de área de atividade (e não recursos funcionais) em três dimensões, e não duas, como é usualmente descrita (produtos/mercados): grupos de clientes (quem está sendo satisfeito); funções de clientes (o que está sendo satisfeito); e tecnologias (como as necessidades dos clientes estão sendo satisfeitas). Porter (1986) define estratégia como sendo a criação de uma posição exclusiva e valiosa, envolvendo um diferente conjunto de atividades, e a criação de compatibilidade entre as atividades da empresa. Considera que para a formulação da estratégia, é preciso perfeito entendimento e fornecimento de diversas respostas as perguntas que surgem no momento de se elaborar a estratégia empresarial. Sugere que isto envolve uma análise mais detalhada da estrutura da indústria (ou setor) e uma análise da concorrência. Fornece, portanto, uma metodologia para a análise da estrutura da indústria, baseada em cinco forças fundamentais. Define as cinco forças competitivas para explicar o grau de concorrência em uma indústria: entrantes potenciais, ameaça de produtos substitutos, poder de negociação dos compradores, poder de negociação dos fornecedores e rivalidade entre os atuais concorrentes. Além do setor em que se encontra o empreendimento, é necessário também analisar o macroambiente que envolve o negócio em estudo. Utilizando e ampliando as idéias de Porter, Austin (1990) elabora um modelo de análise ambiental que relaciona os fatores externos e o nível de análise da indústria, onde nos países em desenvolvimento, seis principais categorias de atores interagem: o governo, as empresas estatais, os grupos econômicos, as cooperativas e firmas locais, as empresas do setor informal e as corporações multinacionais. Todos estas forças modelam o ambiente competitivo das empresas. Carneiro et alii (1997) coloca que durante a década de 80, o principal foco da análise estratégica foi a ligação entre o ambiente externo (estrutura da indústria), a estratégia e o conseqüente desempenho das empresas, sendo praticamente desprezada a relação entre os recursos e competências da empresa e sua escolha estratégica. Afirma também que o trabalho de Porter (1980,1985) constitui o principal exemplo da primeira visão. Hamel & Prahalad (1995) desenvolveram um amplo estudo sobre a importância dos recursos e competências internas das empresas na criação de vantagem competitiva, tentando explicar a teoria estratégica tradicional não estava correspondendo a realidade de muitas empresas. A competição pelo futuro não começa pela concorrência pela liderança de mercado, mas sim, através da concorrência da liderança intelectual (competências essenciais).

6 2.2. Planejamento Empresarial O processo de planejamento empresarial vem evoluindo ao longo dos anos e tem se aproveitado de novas técnicas de análise e também das facilidades proporcionadas pela crescente utilização dos recursos de informática pelas empresas. Com a intensificação da concorrência em nível mundial, produzida principalmente pela globalização das economias, a arte de planejar passou a ser valorizada pelas organizações, principalmente pelo fato de que a construção de estratégias vitoriosas de mercado dependem de planos bem estruturados e apoiados em informações de qualidade. A conceituação do que seja Planejamento de uma empresa depende da função deste planejamento, sua abrangência e sua amplitude. O planejamento é resultado de um processo contínuo de exercício mental realizado pelos dirigentes de uma empresa. Ele representa a necessidade de um processo decisório que ocorrerá antes, durante e depois de sua elaboração e implementação. Este processo de tomada de decisões deve conter, ao mesmo tempo, componentes individuais e organizacionais. Segundo Motta (1982) os princípios gerais de um planejamento para os quais um executivo deve estar atento são: - Contribuição aos objetivos, ou hierarquizar os objetivos; - Precedência ou determinação da maior ou menor importância dos eventos; - Penetração e abrangência desejada pela implantação das atividades previamente planejadas e; - Maior eficiência, eficácia e efetividade que são: - Eficiência corresponde a: fazer as coisas de maneira adequada, resolver problemas, salvaguardar os recursos aplicados, cumprir o seu dever e reduzir custos; - Eficácia corresponde a: fazer as coisas certas, produzir alternativas criativas, maximizar a utilização dos recursos, obter resultados e aumentar os lucros; - Efetividade corresponde a: manter-se no ambiente e apresentar resultados globais positivos ao longo do tempo (permanentemente). A efetividade representa a capacidade da empresa de coordenar constantemente esforços e energias na busca dos objetivos e resultados e na manutenção da empresa no ambiente. Portanto, para que a empresa seja efetiva, é necessário que ela seja eficiente e eficaz. A eficiência, a eficácia e a efetividade são as medidas usadas para se avaliar uma boa administração, pois normalmente os recursos a serem trabalhados são escassos e limitados. O planejamento, considerando-se os grandes níveis hierárquicos, pode-se distinguir em 3 (três) tipos: o planejamento estratégico, onde encontram-se as decisões estratégicas da empresa com

7 objetivos de longo prazo e com maneiras e ações para alcança-los que afetam toda a empresa; o planejamento tático com as decisões táticas relacionadas aos objetivos de curto prazo e com maneiras e ações que, geralmente, afetam somente parte da empresa; e o planejamento operacional com suas decisões dentro deste nível, que têm o objetivo de operacionalizar as diversas tarefas definidas nos planejamentos dos níveis superiores. No nosso trabalho analisando as empresas de transporte urbano trabalharemos somente com o planejamento estratégico visando atingir e construir o futuro dessas empresas. O planejamento estratégico pode ser conceituado como um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível de otimização na relação da empresa com seu ambiente. Este planejamento é, normalmente, de responsabilidade dos níveis mais altos da empresa e diz respeito tanto a formulação dos objetivos quanto a seleção dos cursos de ação a serem seguidos para a sua consecução, levando em conta as condições externas e internas à empresa e sua evolução estratégica.(oliveira, 1991) O planejamento estratégico ajuda a alta gestão a identificar ameaças, e a capacitam a maximizar os benefícios e minimizar as surpresas no macroambiente turbulento e imprevisível do início do século XXI. Planejamento estratégico, por definição, significa planejar o futuro perante as limitações psicológicas e físicas e os pontos fortes e fracos de uma organização, considerando as alterações do comportamento do macroambiente referentes aos segmentos econômicos, políticos, tecnológicos, sociais, ecológicos, legais, geográficos, demográficos e, principalmente, competitivos.( Rasmussen, 1990 ) O Planejamento estratégico se volta para o alcance de resultados, através de um processo contínuo e sistemático de antecipar mudanças futuras, tirando vantagens das oportunidades que surgem, examinando os pontos fortes e fracos da organização, estabelecendo e corrigindo cursos de ação a longo prazo. A adoção deste planejamento requer, normalmente uma mudança bastante significativa na filosofia e na prática gerencial da maioria das empresas públicas e privadas, o planejamento estratégico não é implantável por meio de simples modificações técnicas nos processos e instrumentos decisórios da organização. É, na realidade, uma conquista organizacional que se inicia a nível de mudanças conceituais na gerência, resultando em novas formas de comportamento administrativo, além de novas técnicas e práticas de planejamento, já que planejar não é tentar adivinhar o futuro, e sim se antecipar aos fatos. 3. A IMPORTÂNCIA DO TRANSPORTE O transporte público urbano é essencial para nação devido a inclusão social, o desenvolvimento sustentável e a geração de emprego e renda. Bem como promover a mobilidade sustentável, a qualidade ambiental e o desenvolvimento urbano. O transporte deve ser efetivamente considerado como serviço essencial e equiparado à educação e à saúde, tanto no que se refere à obrigatoriedade dos investimentos, quanto no que diz respeito à prestação dos serviços, de forma a atender as necessidades da sociedade.

8 Diante da realidade atual, que demonstra uma exclusão social cada vez maior nos serviços de transporte, existe a necessidade da redução das tarifas pagas pelos usuários, pela desoneração dos custos do setor, pela racionalização e integração dos sistemas e pela definição de fontes extratarifárias de financiamento da operação. Dados da ANTP mostram que o transporte funciona regularmente em 920 municípios com mais de 30 mil habitantes, onde moram 122 milhões de brasileiros. Todos os dias são realizadas no Brasil cerca de 60 milhões de viagens com utilização do transporte público. Um Transporte Público de qualidade é possível somente com um sistema regulamentado, racionalizado e integrado, que inclua todas as modalidades de deslocamento e tenha prioridade no uso da via e na gestão pública do trânsito. O transporte bem empregado viabiliza cidades com qualidade de vida por meio de uma mobilidade sustentável, que democratiza o uso da via pública, garante o acesso à moradia e aos serviços urbanos, reduz os congestionamentos e, conseqüentemente, a poluição sonora e atmosférica, com diminuição dos gastos ambientais e com saúde pública e faz cair o número de mortos e feridos no trânsito. As cidades brasileiras que hoje concentram mais de 80% da população do País, passaram a ter que conviver com a ineficiência dos sistemas de transporte público. Em alguns casos, a situação é extremamente crítica, com o crescimento expressivo do transporte individual, a explosão do transporte clandestino e o generalizado aumento dos congestionamentos, com a conseqüente elevação dos índices de poluição. É importante destacar que as cidades estão perdendo mobilidade, qualidade de vida e competitividade, ou seja, estão deixando de lado fatores que garantem o desenvolvimento econômico e a geração de empregos. Com a abertura das economias, a globalização e o acirramento da concorrência mundial, a ineficiência das cidades brasileiras é, cada vez mais, um entrave para a atração de novos investimentos. Com isso, ficamos em real desvantagem competitiva, valendo assinalar que o PIB brasileiro já é inferior ao de países como México e Coréia do Sul, que têm efetuado investimentos expressivos em Transporte Público. De acordo com os conceitos colocados por Bowen e Ford (Bowen e Ford, 2002), o serviço de transporte público por ônibus pode ser descrito como a produção de uma viagem por ônibus, atendendo às necessidades de deslocamentos das pessoas por motivos diversos (trabalho, saúde, lazer, etc.). Estes deslocamentos definem funções produtivas nos cenários das áreas urbanas, garantindo o desenvolvimento econômico e social das cidades. As características dos serviço de transporte são: Intangibilidade - o serviço de transporte, materializado através das viagens produzidas, caracteriza-se como um bem intocável, não existindo a posse do mesmo;

9 Não é estocável - a produção da viagem é realizada concomitantemente ao seu consumo; Analisar o serviço de transporte a partir de um conceito ampliado, onde seu valor está expresso na efetividade e satisfação ao atendimento dos clientes/usuários, revela-se como etapa preliminar à conjugação de práticas gerenciais que contribuam com a permanência das organizações produtoras destes serviços em um mercado complexo. A rentabilidade empresarial assim, atrelada à adaptação a este ambiente mutante, indica um estágio evolutivo indispensável para sua manutenção. 4. EMPRESAS TRADICIONAIS X EMPRESAS DE TRANSPORTE O transporte público urbano é um resultado da dinâmica dos tempos atuais, nos quais estão sucedendo modificações importantes. Os usuários se tornam cada vez mais exigentes e as empresas operadoras necessitam adaptar-se os novos modelos de gestão em busca da satisfação das novas demandas de transporte. (Malavé e Bodmer, 1998) Entretanto muito pouco é questionado sobre a adequação da forma de planejamento e gerência das empresas de transporte público, que parte de considerações basicamente quantitativas e pouco qualitativas das necessidades de transporte. Os estudos da estratégia empresarial, abrangem um amplo conjunto de autores que tornam o assunto polêmico. Pode-se verificar na literatura que cada pesquisador na busca por um melhor posicionamento das suas idéias, propõe novas visões que as empresas devem seguir para serem competitivas, buscando transformar os conhecimentos antes utilizados em obsoletos ou pouco complementares como abordagem teórica sobre estratégia. As empresas com suas ações e comportamentos são os laboratórios das novas abordagens teóricas que surgem à todo o momento, e como estão sempre na busca constante por vantagens competitivas que às mantenham neste mercado em crescente complexidade, procuram constantemente adotar estas idéias novas a todo o momento. Com relação ao que o presente trabalho objetivou realizar, que foi o de discutir a gestão estratégica, planejamento e a tomada de decisão das empresas de transporte, e de que forma as teorias sobre gestão empresarial e administração estratégica modernas, podem contribuir na análise destes empreendimentos, verificou-se grande possibilidade de integração e aproveitamento destes diversos aportes teóricos na análise dessas empresas. A Matriz Swot apresentada abaixo referente as empresas de transporte público urbano, mostra as informações do ambiente interno (pontos fortes e fracos) e ambiente externo (ameaças e oportunidades).

10 Tabela 1: Análise estratégica das empresas de transporte Ambiente interno Pontos fortes Pontos Fracos - tempo de atuação no mercado - falta de cultura competitiva - tendência à profissionalização - falta de visão de mercado - inovação tecnológica. - rigidez causada pela concentração de capital - regulamentação rígida Ambiente externo Ameaças Oportunidades - concorrência com modos formais e informais - ampliar a atuação para outras modalidades - recessão econômica - influir na distribuição do espaço viário - ampliar para outras atividades - atender mercado segmentado Fonte: (Esteves et al.,2000) As variáveis externas são incontroláveis, independem do negócio, mais integram o risco e os caminhos de crescimento da empresa. Porém as variáveis forças e fraquezas que são as internas são as que podem ser gerenciadas e modificadas sempre buscando a otimização e o crescimento do negócio. Verificamos na tabela acima que os pontos fracos das empresas de transporte público urbano refletem diretamente a falta de planejamento e estratégias empresariais para a tomada de decisão. Contudo, concluímos que a inércia do mercado de transporte com relação aos modelos tradicionais e modernos de gestão, representam um dos sintomas da crise do transporte público urbano, isso merece uma reflexão com a finalidade de propor alterações no modelo de gestão empresarial das empresas de transporte urbano no Brasil e no mundo. 5. CONCLUSÃO Os novos modelos organizacionais não obedecem a padrões, nem são predefinidos, focam as prerrogativas contextuais e as exigências do mercado. Tendo como foco o cliente, algo anteriormente relegado a segundo plano. Antes esses modelos convergiam para um alto nível de formalização, especialização elevada e utilização de formas tradicionais de departamentalização. A diversidade de produtos e serviços, e a personificação destes, determinaram que estratégias flexíveis fossem adotadas. Sendo necessária uma nova concepção de Gestão Empresarial. Transpondo, com isto, barreiras e hábitos tradicionais praticados há anos. O Operacional e o Estratégico foram otimizados ao invés de serem segmentados, ganharam neste novo cenário autonomias distintas e essenciais ao processo, disseminando a autoridade de outrora, valorizando o Ser Humano como um todo de natureza física, intelectual, emocional e espiritual.

11 A descentralização da gestão é uma tendência incontestável para atingir essas novas prerrogativas. Tendo em vista que todos envolvidos devem opinar, contribuindo de acordo com seu conhecimento especializado e vivêncial. O foco nos resultados apresenta-se como o diferencial face aos acontecimentos, oferecendo unidade ao processo e ganhando o comprometimento de todos os atores envolvidos. Embora este também necessite de constantes adequações. Mesmo com todas as especificidades do público aqui em discussão e de todas as inadequações de formulações e aplicações das ferramentas e abordagens de gestão estratégica empresarial, é possível estabelecer uma conexão entre as necessidades das empresas de transporte e as ferramentas convencionais com o propósito de beneficiar os operadores, a partir de sua lógica própria de agir e pensar. Muitas dessas ferramentas já são comumente utilizadas, porém de forma individual, o que em muitos casos não se mostram suficientes para a correta análise e diagnóstico. Ressalta-se que é notória e de conhecimento geral que as características e elementos associados aos diversos perfis das empresas de transporte dificultam as boas práticas mercadológicas relacionadas a investimentos e estrutura para absorção e processamento de informações tecnológicas, de mercado e gerenciais conforme as necessidades do ambiente em que está inserido. O planejamento estratégico bem como a adoção de estratégias empresariais formão um importante instrumento na administração das empresas tradicionais e consequentemente das empresas de transporte urbano. Se as empresas de transporte não estiverem preparadas para o futuro, serão ultrapassadas por outras organizações, ou até mesmo transportes clandestinos e informais, pois com a crescente demanda neste mundo globalizado, o usuário procurará quem atender suas necessidades, e esta instituição poderá ou não ser a empresa tradicional de transporte público urbano; isto dependerá dos esforços que fizermos hoje. Nesta realidade, os conceitos utilizados na administração modernas servirá como uma bússola, orientando os operadores em sua jornada para o futuro, para que eles continue sendo a principal forma de transporte público urbano. Referências bibliográficas ABELL, Derek F. Definição do Negócio Ponto de Partida do Planejamento Estratégico. São Paulo : Atlas, BODMER, Milena et alii. Perspectivas estratégicas para as empresas de transporte público no Brasil. Revista dos Transportes Públicos, nº 87, 2º trim de p CARNEIRO, J. M. T.; CAVALCANTI, M. A. F. D. & SILVA, J. F. da. Porter Revisitado : Análise crítica da tipologia estratégica do mestre. Rio de Janeiro : RAC, v.1, n.3, set./dez : CERTO, Samuel C. & PETER, J. Paul. Administração Estratégica Planejamento e Implantação da Estratégia. São Paulo : Makron Books, HAMEL, Gary & PRAHALAD. Competindo pelo futuro. São Paulo: Campus, KAY, John. Fundamentos do Sucesso Empresarial. Rio de Janeiro : Campus, Cap.21, : Uma Breve História da Estratégia de Negócios. MALAVÉ C., BODMER. M (1998) Mudança no foco gerencial das empresas de transporte. In: XII Anpet.

12 MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safari de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. (Trad. Nivaldo Montiguelli Jr.). Porto Alegre: Bookman, MOTTA, Paulo Roberto. Planejamento estratégico em organizações sem fins lucrativos: considerações sobre dificuldades gerenciais. In: VASCONCELLOS FILHO, Paulo et al. Planejamento empresarial: teoria e prática. Rio de Janeiro: LTC, P OLIVEIRA, Djalma de P. Rebouças de.planejamento estratégico: conceitos, metodologias e práticas. 5. Ed. São Paulo: Atlas, p. PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva Técnicas para Análise de Indústrias e da Concorrência. Rio de Janeiro : Campus RASMUSSEN, U.W. Manual de metodologia do planejamento estratégico. São Paulo: Aduaneiras, p. VIANNA, Marco Aurélio Ferreira. Revolução estratégica e gerencial. Rio de Janeiro: Mapa 8, ZACHARIAS, Oceano. O futuro da gestão de negócios, na opinião dos consultores. Banas Qualidade, São Paulo, n. 158, ano XIV, Jul. 2005, p Endereço dos Autores: Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Engenharia de Transporte Rua Santos Dumont, 35 Centro Juiz de Fora MG, Brasil Fone: (32)

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software

Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software Curso de Pós-Graduação em CC / SI Especialização em Engenharia de Software Disciplina: Modelagem de Processos Prof. Ricardo Villarroel Dávalos ricardo.davalos@unisul.br e rvdavalos@gmail.com Porto União,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Introdução Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Planejamento: processo desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 3 Estratégias e Mudanças Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais