A DECISÃO DO MODAL DE TRANSPORTE ATRAVÉS DA METODOLOGIA AHP NA APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA ENXUTA: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DECISÃO DO MODAL DE TRANSPORTE ATRAVÉS DA METODOLOGIA AHP NA APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA ENXUTA: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 A DECISÃO DO MODAL DE TRANSPORTE ATRAVÉS DA METODOLOGIA AHP NA APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA ENXUTA: UM ESTUDO DE CASO Emanuelli Araujo Pacheco (PUCPR) Everton Drohomeretski (PUCPR) Patrícia Alcântara Cardoso (PUCPR) Resumo Uma das formas para manter vantagem competitiva no ambiente empresarial é diminuir ao máximo os custos fixos e variáveis. Existem diversas atividades logísticas que incluem os custos dentro da cadeia de suprimentos. Uma delas é o serviço de transporte logístico. É de extrema importância tomar a decisão certa sobre a escolha do modal, de acordo com as características operacionais na qual cada modalidade apresenta. Baseado nesta premissa, o artigo presente tem por objetivo mostrar um estudo enfatizando a importância da escolha correta do modal de transporte, contribuindo desta forma para prestar serviços de qualidade, em um menor tempo, utilizando a melhor disponibilidade e freqüência no transporte, visando menores custos. Para isso, será apresentada a metodologia AHP (Analytic Hierarchy Process) que auxiliará na tomada de decisão. Atender o cliente, gastando o mínimo possível é o princípio do pensamento da logística enxuta. A organização deve realizar um gerenciamento, de maneira adequada, de toda a cadeia de suprimentos, mantendo uma logística integrada. Assim, ela ganhará vantagens no mercado competitivo e poderá aumentar seus lucros e beneficiar cada vez mais seus clientes. Abstract One of the ways on keeping advantage in the enterprise environment is reducing the most on fix and on changeable costs.there are a lot of logistics activities that includes the costs in to the supplement chain. One of these activities is loogistic transport service. It s extremeling important get the right choice about the modal choice, according to the operational caracteristicson wich modality presents. Based on this

2 premise, this article has the objective of showing a study emphasing the importance of the right choice on transport modal, contributing, by this way, on giving best quality services in a lesser time, using the best availability and frequency on transport, aiming the lesser costs. For this, the AHP (Analytic Hierarchy Process) methodology will be presented. That will assist the decision taking. Tend the client spending the less is the lean logistic s principle thought. The organization must take a management, in a ideal way, of all the supplement chain, keeping an integrated logistic. By this way it will get advantages on the competitive market and will be able to increase its profits and benefit a lot more its clients. Palavras-chaves: Modal de transporte, logística enxuta, redução de custos. IV CNEG 2

3 1. INTRODUÇÃO Uma das principais funções logísticas é o transporte. Ele representa grande parte dos custos dentro da cadeia de suprimento. É natural a organização buscar a minimização dos custos. Para isso, é importante analisar qual modalidade é mais viável em cada tipo de produto a ser aplicado à logística enxuta. A logística enxuta é a habilidade superior de projetar e administrar sistemas para controlar a movimentação e a localização geográfica de matériasprimas, trabalhos em processo e inventários de produtos acabados em menor custo total. (BOWERSOX, 2006). Além dos custos de transporte, os logísticos também são envolvidos pelas atividades de armazenagem, estoque e administração. Segundo Ballou (2001), a seleção de um modal de transporte ou de um serviço oferecido dentro de um modal de transporte depende de uma variedade de características do serviço, variando da velocidade à assistência na solução de problemas. Baseado em estudos numerosos, as características do serviço não são da mesma importância, e algumas são dominantes para os responsáveis pelas decisões. Tomar decisão do uso do modal é uma tarefa que pode ser medida através do estudo das características operacionais de cada modal, quanto à velocidade, disponibilidade, confiabilidade, capacidade e freqüência para alcançar objetivos, tais como serviços logísticos enxutos. Além disso, também é importante considerar os custos das atividades logísticas envolvendo as diferentes modalidades. O artigo presente tem o objetivo mostrar um estudo enfatizando a importância da escolha correta do modal de transporte, contribuindo para prestar serviços de qualidade, em um menor tempo, utilizando a melhor disponibilidade e freqüência nos serviços lgísticos visando menores custos. Para auxiliar na escolha do modal de transporte, este artigo tem como contribuição a apresentação do método AHP (Analytic Hierarchy Process), que é um modelo multicriterial de análise de decisão, na qual o indivíduo orienta-se por uma função de utilidade e procura maximizá-la escolhendo dentre várias alternativas possíveis aquela cujos atributos ou critérios lhe propiciam o maior nível relativo de satisfação. Ao longo desse artigo, será tratada a revisão da literatura apresentando a importância da escolha do modal de transporte; referências sobre os custos logísticos considerados em cada modalidade; a logística enxuta na cadeia de suprimentos e o pensamento do consumo enxuto. Em seguida, será mostrada a definição do problema; seguindo para metodologia de IV CNEG 3

4 pesquisa; estudo de caso com a empresa Martin-Brower McDonald s, com avaliação do problema e análise de resultados. Por último, as conclusões. 2. REVISÃO DE LITERATURA Esta seção tem por objetivo dar o embasamento da literatura referente à importância da escolha do modal de transporte contribuindo para a logística enxuta. Um estudo de custos no transporte logístico também é de suma importância, uma vez que este é o principal fator para maximizar os lucros da empresa. Para que seja compreendido de forma holística, também serão abordados fatores sobre a logística enxuta e o princípio do pensamento enxuto IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO MODAL DE TRANSPORTE O objetivo da logística é apoiar compras, produção e necessidades operacionais da distribuição ao mercado. Dentro de uma empresa, o desafio é de coordenar a competência funcional em uma operação integrada concentrada em servir ao consumidor. No contexto mais amplo da cadeia de suprimentos, a sincronização operacional é essencial em relação aos clientes, assim como fornecedores de materiais e serviços, que interligam operações internas e externas como um processo integrado. (BALLOU, 2001). Quando o serviço de transporte não costuma oferecer vantagem competitiva, a melhor escolha será aquela que compense o custo de utilizar um determinado serviço de transporte com o custo indireto de estoque associado ao desempenho do modal selecionado. Isto quer dizer que a velocidade e a confiabilidade afetam os níveis de estoque do embarcador e do comprador, assim como a quantidade de estoque que está em trânsito até a localidade de um e de outro. Quanto mais lento o serviço, maior será o estoque mantido no decorrer do canal de suprimento. Porém o pensamento enxuto é uma forma de especificar valor, alinhar na melhor seqüência as atividades a fim de oferecer aos clientes exatamente o que eles desejam. (WOMACK E JONES, 1998). Neste contexto surge a logística enxuta. Bowersox et al., (2006, p.44) define a logística enxuta como a habilidade superior de projetar e administrar sistemas para controlar a movimentação e a localização geográfica de matérias-primas, trabalhos em processos e inventários de produtos acabados ao menor custo total.. Uma vez que as atividades logísticas são bem planejadas, maior a chance de oferecer melhores serviços aos clientes. IV CNEG 4

5 Uma das opções para melhorar os serviços ao cliente é encontrar os trajetos mais eficientes que um veículo pode fazer através de malha rodoviária, linhas de ferrovias, linhas de navegação aquaviário ou rotas de navegação aérea, para os quais diminuirão o tempo ou a distância. Além do melhor trajeto, deve-se conhecer a capacidade, a disponibilidade, freqüência e custo das características operacionais de cada modal CUSTOS E CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MODALIDADE A economia e a precificação dos transportes dizem respeito aos fatores e às características que direcionam os custos. Para desenvolver uma estratégia de logística eficaz é necessário atender tais fatores e características. Segundo Bowersox (2006), os custos de transporte são calculados a partir de sete fatores. Apesar de não ser componente de tarifa direta, cada um deles influencia na tarifa de frete. Tais fatores são: distância, volume, densidade, capacidade de acondicionamento, manuseio, responsabilidade e aspectos de mercado. É importante ressaltar que cada fator varia de acordo com as características específicas dos produtos. A distância é o fator de maior influência nos custos de transporte, pois contribuem diretamente para despesas variáveis, como mão de obra, combustível e manutenção. Outro fator é o volume de carga. Em muitas atividades logísticas, existem economias de escala do transporte para a maioria das movimentações. Essa relação indica o custo de transporte por unidade de peso, que diminui à medida que o volume de carga aumenta. Isso acorre porque os custos fixos de coleta e de administração podem ser diluídos no incremento do volume. Outro fator é a densidade do produto, combinação de peso e volume. Eles são importantes, pois o custo de transporte para qualquer movimentação é cotado em valor por unidade de peso. A relação do custo de transporte normalmente são avaliados como baixos e decrescentes por unidade de peso à medida que aumenta a densidade. A capacidade de acondicionamento refere-se como as embalagens dos produtos podem acomodar-se nos equipamentos de transporte. Já o manuseio refere-se aos equipamentos utilizados para manusear a carga durante o processo de carregamento e descarga de caminhões, vagões ferroviários e navios, por exemplo. IV CNEG 5

6 A responsabilidade envolve características dos produtos que podem resultar em danos ou reclamações potenciais. E, aspecto de mercado, o último fator a ser considerado dentre os fatores econômicos, refere-se a ao volume de transporte em uma rota ou ao balanceamento. Ambos também influenciam os custos de transporte. Segundo Lima, 2006, no Brasil os custos de transporte logísticos equivalem em aproximadamente a 7,5 do PIB (Produto Interno Bruto). Dentre as atividades logísticas, o custo de transporte corresponde a 60%. Esta porcentagem é significativa devido ao frete praticado ser, na maioria das vezes, inferior ao custo total, principalmente no caso de autônomos, em que os preços sobre os custos variáveis não remuneram todos os custos fixos, como aqueles ligados a investimento, por exemplo, de depreciação e o financiamento. Com o aumento dos custos variáveis, a margem existente para negociação de preço de autônomo diminuiu, tornando o custo variável mais significativo. Baseado em uma pesquisa feita pela Coppead RJ em 2004, o custo de transporte, está associado ao tipo de modalidade a ser utilizado para os serviços logísticos. O modal rodoviário é responsável pela maior parcela de carga Brasil, abrangendo a maior parte de custos. O custo de transporte foi calculado com base no consumo de diesel e participação no valor de frete. O consumo de diesel em 2004 teve um aumento significativo, comparado ao ano de 1996, passou a ser de 31,8%. Hoje, 55% do diesel consumido é destinado a serviços de transporte rodoviário de carga. Para chegar a esse valor, a Coppead RJ considerou a distância da rota, o tipo de carga a ser transportada, a característica da carga (fechada ou fracionada), a utilização de autônomos e o frete. A partir do cálculo de custo baseado no consumo de diesel, pode-se dizer que em 2004, o custo foi cerca de R$ 93,6 bilhões para o transporte rodoviário. Os demais veículos que não fazem consumo de diesel, contabilizou um total de R$ 7,0 bilhões. Com isso, o custo de transporte rodoviário no Brasil, em 2004, foi de R$ 109,2 bilhões. No modal ferroviário, o custo de transporte, em 2004, chegou a R$ 7,5 bilhões, segundo dados da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). No modal aquaviário, considerando o transporte de carga de granel sólido, granel líquido, carga geral e transporte hidroviário, o custo chegou a R$ 7,3 bilhões para cargas domésticas e R$ 5,2 bilhões para custos portuários de importação e exportação. No modal dutoviário, o custo de transporte atingiu R$ 2,1 bilhões e o modal aéreo chegou a R$ 1,9 bilhão. O custo total foi de R$ 133,3 IV CNEG 6

7 bilhões para todo transporte logístico, o equivalente à 7,5% do PIB, como pode ser observado na figura 1. Fonte: (Lima, 2006) Figura 1 Custo de transporte de carga no Brasil em 2004 Além dos custos de transporte, outras atividades logísticas também devem ser consideradas, como: estoque; que incluindo custo financeiro, de depreciação, obsolência e seguro, atingiu em 2004 um valor de R$ 69,8 bilhões, correspondente a 3,9% do PIB. Os custos de armazenagem, baseados no percentual do valor do estoque imobilizado, chegaram a R$ 11,7 bilhões, equivalente a 0,7% do PIB. Por fim, considerando os custos administrativos, os logísticos representaram 0,5% do PIB em 2004, equivalente R$ 8,5 bilhões. Considerando todos os custos logísticos envolvidos, podemos observar na figura 2 a porcentagem significativa de cada atividade. Fonte: (Lima, 2006) Figura 2 Custos logísticos no Brasil em 2004 A segunda dimensão da economia e da formação de preços de transporte consiste nos critérios de alocação de custos. Podem eles ser variáveis ou fixos. A tabela 1 refere-se à estrutura de custos fixo-variáveis de cada modal, ilustrando a relação geral entre distancia e custo de transporte. Já a tabela 2 classifica as características operacionais. IV CNEG 7

8 Tabela 1 Estrutura de custos para cada modal Fonte: (Nazário et al., 2000) Tabela 2 Características operacionais relativas para modal de transporte (a menor pontuação indica uma melhor classificação) Fonte: (Nazário et al., 2000) Ainda na tabela 1, podemos observar que os custos são comparados com os modais. No modal ferroviário, são necessários altos investimentos para implementação com linhas férreas e equipamentos, enquanto no decorrer do funcionamento os custos variáveis são baixos, incluindo manutenção, combustível, etc. No modal rodoviário, as rodovias são construídas com verbas públicas, porém os custos variáveis são médios, pois variam de acordo com a quilometragem percorrida. É baseada na quilometragem que são feitos os cálculos de consumo de combustível, manutenção, depreciação do veículo, gastos com pneus, lubrificantes, pedágios, entre outras. No modal aquaviário, os investimentos são considerados médios, devido aos altos preços dos navios e equipamentos, porém os custos variáveis são baixos devido à alta capacidade de transportar cargas. IV CNEG 8

9 O modal dutoviário exige requisito de controle das estações, investimento com bombas para manter o fluxo, e direto de acesso para a instalação dos dutos; porém os custos com manutenção, variáveis, são baixos. Por último, o modal aéreo apresenta custos fixos altos, por exemplo, investimentos em aeronaves, implantação de carga, e altos custos variáveis com combustíveis, manutenção e mão-de-obra. O consumidor que necessitar dos serviços logísticos de transporte deve avaliar cada custo referente às modalidades e considerar também outras características operacionais, como as apresentadas na tabela 2. A velocidade refere-se ao tempo decorrido de movimentação em uma determinada rota. A disponibilidade é a capacidade que um modal tem de atender qualquer par origemdestino de localidades. A confiabilidade esta relacionada à variabilidade referencial das programações de entrega esperadas ou divulgadas. A capacidade refere-se à possibilidade de um modal de transporte lidar com qualquer requisito de transporte, como tamanho e tipo de carga, e a característica freqüência que significa a quantidade de movimentações programadas. A numeração apresentada na tabela 2 significa uma pontuação de classificação, variando de 1 a 5, sendo 1 ótimo, 2 bom, 3 normal, 4 regular e 5 ruim. Vejamos como os modais se classificam de acordo com seu serviço operacional. Quanto à velocidade, o modal aéreo é o mais rápido de todos, apresentando a pontuação de número 1, em seguida os modais rodoviário, ferroviário, aquaviário e o mais lento, o dutoviário. Quanto à disponibilidade, o modal rodoviário apresenta maior pontuação pois tem apresentar maior disponibilidade de se dirigir diretamente aos pontos de origem e destino, caracterizando um serviço porta-a-porta. Já, quanto à confiabilidade, a maior pontuação segue para os dutos, devido aos fluxos serem contínuos e a possibilidade restrita de interferência pelas condições de tempo e de congestionamento. Quanto à característica capacidade, o transporte realizado pela via marítima/ fluvial é o mais indicado. E por último, os dutos novamente apresentam pontuação alta na característica freqüência, devido ao seu contínuo serviço realizado entre dois pontos. IV CNEG 9

10 2.3. LOGÍSTICA ENXUTA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS A busca pelo aumento de valor e diminuição dos custos faz com que as empresas organizem suas cadeias de suprimento para alcançar os objetivos da logística enxuta. Contudo, somente com um gerenciamento efetivo, através da implantação do pensamento enxuto, os resultados esperados surgirão. Segundo Bovet (2001), toda empresa possui uma cadeia de suprimentos, mas poucas têm uma rede de valor. Os consumidores estão cada vez mais exigentes, tendo isso como forma de incentivo para o desenvolvimento tecnológico, partindo o fluxo de valor do cliente para a empresa. Womack e Jones (1998) definem uma produção enxuta como uma melhor forma de organizar e gerenciar os relacionamentos com a cadeia de suprimentos, pois significa fazer cada vez mais com cada vez menos. O pensamento enxuto possui entre seus princípios a determinação do valor do produto e a identificação da cadeia de valor. A logística enxuta, como já foi citada, visa diminuir os custos no decorrer da cadeia de suprimentos. Por isso, a escolha da modalidade de transporte é fundamental para alcançar resultados esperados. Para contribuir com estes objetivos, deve-se procurar realizar serviços de transportes de cargas com lotes pequenos e freqüentes, assim diminuindo os estoques no trajeto e melhorando o cumprimento dos prazos de entrega. Logo, é fundamental a análise do custo total pois o custo de transporte pode superar os custos de estoque e vice versa. A figura 3, construída por Drohomeretski e Mânica (2007) apresenta o conceito da logística enxuta, relacionando a gestão das informações logísticas, o ressuprimento enxuto, a simplificação da movimentação de materiais, a distribuição just in time e a programação de entrega, como técnicas para obtenção da logística enxuta. Elas devem ser, como mostra a figura, implementadas com análise de valor e incorporadas dentro de um sistema de melhoria contínua. Possibilitando a redução do custo logístico total e melhorando o nível de serviço logístico. IV CNEG 10

11 Fonte: (Drohomeretski e Mânica, 2007) Figura 3 Metodologia da Logística Enxuta Dentre as atividades logísticas apresentadas na figura 6, pode-se destacar a distribuição just-in-time. A aplicação da filosofia just-in-time no sistema de distribuição física possibilita que o tempo de emissão do pedido e entrega para os clientes sejam cumpridas. Isso pode demonstrar que a resposta rápida poderá gerar vantagem competitiva (BALLOU, 2001). Contudo, para a implantação com sucesso de um sistema de distribuição sincronizada entre os fornecedores, com grande freqüência e pequenos volumes, é necessário identificar se os custos de transportes não são significativamente superiores aos custos de estoque (WANKE e FLEURY, 1999). Pois, cada segmento tem as suas particularidades e a eliminação de desperdícios na distribuição deve ser feita de forma integral, ou seja, sempre verificando a redução do custo logístico total CONSUMO ENXUTO O termo enxuto, como tradução de lean, surgiu na literatura de negócios para adjetivar o Sistema Toyota de fabricação. Tal sistema era lean por uma série de razões: requeria menos esforço humano para projetar e produzir os veículos, trabalhava com menos fornecedores, operava com menos peças em estoque em cada etapa do processo produtivo, registrava um menor número de defeitos, o número de acidentes de trabalho era menor e demonstrava significativas reduções de tempo entre o conceito de produto e seu lançamento em escala comercial, entre o pedido feito pelo cliente e entrega; entre a identificação de problemas e a resolução dos mesmos. (KLEBER FIGUEREDO, 2006). IV CNEG 11

12 A fabricação enxuta passou a ser adotada por inúmeras empresas em todo o mundo. Este sistema de produção obedece a uma série de requisitos, onde podem ser mencionados a mudança de produção empurrada para a produção puxada, o desenvolvimento de parcerias com fornecedores e eliminação de atividades que não agregam valor. Womack e Jones (1998), ainda afirmam sobre o consumo enxuto : A idéia não é a de que os clientes compram menos e sim que tenham menos dificuldades, menos aborrecimento no momento de usar, de consumir os produtos e serviços que adquirem. Assim como as empresas adotaram práticas com o objetivo de eliminar ineficiências em seus processos de produção, seria o momento de pensar em iniciativas que proporcionem aos clientes uma experiência de compra mais eficiente e com menos sacrifício. Os princípios do consumo enxuto estão na figura 4: Fonte: (Womack e Jones, 2005) Figura 4 Os princípios do consumo enxuto Embora os princípios acima tenham sido enunciados pensando no consumidor final, eles são perfeitamente adaptáveis a todo tipo de cliente; mais ainda, se pensarmos que toda empresa pertence a uma cadeia de suprimentos, pode-se, em alguns princípios, incluir os fornecedores como alvo das iniciativas enxutas. Por exemplo, uma determinada empresa se analisasse seu processo de recepção de mercadorias, poderia encontrar maneiras de não desperdiçar o tempo de motoristas e veículos de fornecedores. 3. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA A maioria dos autores em logística trata da escolha modal em suas obras relacionando alguns atributos como fundamentais para guiar o processo de decisão. É importante seguir determinados critérios para que a organização se oriente quanto à decisão da escolha da IV CNEG 12

13 modalidade nos serviços de transporte logístico para alcançar metas tais como serviços logísticos enxutos. Os autores Coyle, Bardi, Langley, 1996; Novaes e Alvarenga, 1994; Ballou, 1993; Rushton e Oxley, 1989; Lambert, Stock e Vantine, 1998 tratam os critérios que definem a escolha do modal como custo da operação, tempo de trânsito, confiabilidade, capacidade, acessibilidade, segurança, perdas e danos. Muitos outros têm trabalhado na elaboração de modelos e ferramentas que possam dar ao tomador de decisão instrumentos para se fazer uma escolha racional da modalidade ou combinações de modais de transporte. Assim, podem-se citar os trabalhos de Massler e Strambi (1999); Schluter e Senna (1999); Kawamoto (1995); Novaes (1995); Alvim e Novaes (1995); Senna, Lindau e Azambuja (1995), entre outros. Todas essas pesquisas baseiam-se na teoria econômica do consumidor, que associa ao indivíduo ou tomador de decisão, um conjunto de necessidades básicas. O indivíduo orienta-se por uma função de utilidade e procura maximizá-la escolhendo dentre várias alternativas possíveis aquela cujos atributos ou critérios lhe propiciam o maior nível relativo de satisfação. Entretanto, alguns estudos têm sido feitos com intuito de contribuir para a eficiência da tomada de decisão no processo de seleção do modal de transporte onde consiste na escolha da alternativa com melhores resultados, tanto em termos de custos logísticos mínimos, quanto em termos de qualidade no atendimento aos clientes. 4. METODOLOGIA DE PESQUISA O tipo de pesquisa realizado na metodologia foi teórica. Buscou-se analisar a teoria do método AHP (Analytic Hierarchy Process) por meio de exemplificação, e também, através das informações disponíveis no exemplo é possível obter resultados satisfatórios. Logo, foi elaborado um estudo de caso para aplicação do método. A abordagem parte do princípio do consumo enxuto onde trabalha com a filosofia justin-time, visando manter sua produção em ótimo nível, eliminar desperdícios, obter a satisfação total dos clientes, e melhoramento contínuo. Com o intuito de contribuir com esse princípio e buscar objetivos onde fazem a organização enfatizar a logística enxuta, é importante tomar a decisão certa quanto à escolha do modal para realizar os serviços de transporte. Nesta seção será demonstrado um método IV CNEG 13

14 multicriterial de análise de decisão como metodologia alternativa para a resolução do problema. Este é o AHP. A descrição desta metodologia é baseada em Granemann e Gartner (1998). Caracterizado por ser um instrumento de apoio, a aplicação do AHP em problemas de decisão é feita em duas fases: a de construção da hierarquia e a de avaliação (Vargas, 1990). Na fase de construção, a estrutura hierárquica forma uma árvore invertida, que vai descendo da meta da decisão para os critérios, subcritérios e alternativas, em sucessivos níveis (Saaty, 1991). Como pode ser vista na figura 5: Fonte: (Saaty, 1991) Figura 5 Exemplo de estrutura hierárquica de problemas de decisão Após a hierarquização do problema, inicia-se a fase de avaliação com a comparação paritária entre os critérios. Por meio desta comparação serão determinadas as importâncias relativas de cada critério, também conhecidas como pesos. Os critérios são comparados segundo a escala de julgamentos descrita na tabela 3. Tabela 3 Escala de julgamento de importância do método AHP Intensidade Definição Explicação de Importância 1 Importância igual Duas atividades contribuem igualmente para o objetivo. 3 Importância fraca de uma sobre a outra A experiência e o julgamento favorecem levemente uma atividade em relação à outra. 5 Importância forte A experiência e o julgamento favorecem fortemente uma atividade em relação à outra. 7 Importância muito forte Uma atividade é fortemente favorecida em relação a outra e sua dominância é demonstrada na prática. 9 Importância absoluta A evidência, favorecendo uma atividade em relação à outra, é do mais alto grau de certeza. 2,4,6,8 Valores intermediários entre dois julgamentos adjacentes Quando é necessária uma condição de compromisso. IV CNEG 14

15 Recíprocos Se a atividade i tem uma das intensidades de importância ou de preferência de 1 a 9 quando comparada com a atividade j, então j tem o valor recíproco quando comparado com i. Fonte: (Saaty, 1991) Os resultados das comparações são apresentados na seguinte forma matricial: Devendo atender as seguintes condições: a) ij Em que: 1 1 a12 1 a 1n a a 1 a b) a c) a 1 ji 2n a comparaçãoparitária entreoscritérios ; valor daintensidade daimportância. A resolução da matriz A resulta no auto-vetor de prioridades, a qual expressa às importâncias relativas de cada critério, ou pesos (Saaty, 1991). A fase de avaliação do problema prossegue com a comparação paritária das alternativas em cada um dos critérios, para a determinação do nível de preferência, procedendo-se da mesma forma como foi descrito para a obtenção da importância relativa dos critérios. Com as importâncias relativas dos critérios e os níveis de preferência das alternativas parte-se para a valoração global de cada uma das alternativas, segundo o método da soma ponderada, assim calculado: j n V a p v a (1) i j j ii a a 1n 2n 1 Com n j 1 p j 1e 0 p j 1 j 1,, n, Em que V a : é o valor global da alternativa analisada; p j : é a importância relativa do critério j ; v j : é o nível de preferência da alternativa analisada no critério j. 5. ESTUDO DE CASO Foi feito um estudo científico baseado na pesquisa com a empresa Martin-Brower McDonald s que é a divisão da MB Brasil responsável exclusivamente pela ligação e IV CNEG 15

16 operação logística entre fornecedores da rede McDonald s e os mais de 500 estabelecimentos espalhados em todo o Brasil. (WOMACK; JONES, 2005). Com a intenção de obter a decisão da escolha da modalidade adequada com o objetivo de realizar seus serviços acordados com a logística enxuta, a empresa procurou entender desde o início os critérios competitivos de seus clientes. Com isso foram traçados critérios tais como custo, prazo, confiabilidade, segurança, disponibilidade e flexibilidade; considerados por muitos autores, importantes. Além dos critérios para a escolha do modal, também foram considerados aqueles que proporcionam qualidade aos serviços aos clientes: consistência (os produtos vendidos nas lojas são sempre iguais), rapidez (a empresa atua no setor de fast food) e preço (os produtos McDonald s não são os mais baratos do mercado, mas há uma preocupação em reduzir custos para que os preços não se distanciem dos praticados pelos concorrentes) AVALIAÇÃO DO PROBLEMA Enfatizando a problemática da escolha do modal, foi possível criar uma árvore de decisão quanto à escolha do modal de transporte para ser utilizado nos serviços logísticos, como pode ser vista na figura 6. Figura 6 Árvore de decisão da escolha do modal de transporte Seguindo a metodologia de pesquisa, foi feito uma comparação paritária entre os critérios de avaliação. Com base na revisão da literatura deste artigo e a metodologia de multicritérios, note-se que vários são os parâmetros levados em consideração no processo de escolha modal. A tabela 4, a seguir, auxilia para a preparação da matriz com parâmetros que, IV CNEG 16

17 segundo Lambert, et al. (1998), são importantes quando comparados entre os modais de transporte. Tabela 4 Critérios de comparação entre os modais Parâmetros Rodovia Ferrovia Aerovia Hidrovia Dutovia Custo Moderado Baixo Alto Baixo Alto Tempo em trânsito Moderado Lento Rápido Lento Lento Disponibilidade Alto Moderado Moderado Baixo Baixo Confiabilidade Alta Moderada Alta Moderada Baixa Perdas e danos Baixo Alto Baixa Moderado Baixo Flexibilidade Alto Moderado Moderado Baixo Baixo Fonte: (Lambert, et al, 1998) Por meio deste método, a matriz de comparação paritária entre os critérios, considerados importantes segundo a MB, foi elaborada tomando como modelo a tabela 5 apresentada abaixo. Tabela 5 Matriz de comparação paritária entre critérios Parâmetros Custo Prazo Confiabilidade Segurança Disponibilidade Flexibilidade Custo 1 Prazo 1 Confiabilidade 1 Segurança 1 Disponibilidade 1 Flexibilidade 1 Pela matriz acima é possível identificar qual dos parâmetros são de maior importância comparados entre si. De acordo com a escala de julgamento de importância, apresentado na tabela 3, do método AHP, são dados valores de acordo com o grau de importância entre os parâmetros, podendo a partir daí, tomar decisão sobre quais critérios serão necessários dar preferência e quais sofrem maiores influencias sobre a escolha do modal ANÁLISE DE RESULTADOS Através da pesquisa realizada abordando a matriz de critérios pôde-se obter solução de priorização destes, por meio de entrevista, e identificação dos parâmetros de maior importância dentro dos serviços logísticos enxutos, apresentaram peso maior os seguintes criérios: custo; disponibilidade e confiabilidade. IV CNEG 17

18 A minimização dos custos é importante para a organização adquirir maiores lucros, quando aumenta sua produtividade e matém custos baixos. Quanto à disponibilidade, a MB considerou importante devido a realização de seus serviços de transportes serem em diversas localidades do Brasil, é necessário utilizar uma modalidade na qual dê condições para atender inúmeras lojas distribuídas entre pequenas e grandes cidades. Quanto à confiabilidade, o peso se refere na confiança da entrega do produto, atendendo o cliente no tempo certo. Com o método AHP, comparando com as características operacionais de cada modal de transporte, a MB chegou à conclusão de praticar seus serviços de transporte pelo modal rodoviário e desenvolveu um projeto de serviços logísticos que cotidianamente persegue os critérios de qualidade dos serviços aos clientes buscando alcançar seus objetivos: - Junto com os principais fornecedores (carnes e pães), criou em São Paulo o condomínio Food Town, que reúne as instalações fabris daqueles fornecedores e o principal centro de distribuição da MB, onde são processados os pedidos vindos das lojas e dos outros centros de distribuição da empresa. O objetivo do projeto foi garantir a sincronia necessária para atender rapidamente aos pedidos recebidos. Cada loja fixa suas janelas de serviço e a periodicidade dessas entregas (duas a três por semana, dependendo da loja) é um dos importantes indicadores utilizados pelo McDonald s para medir o desempenho da MB. - Com o objetivo de sincronização a grande maioria dos caminhões da MB possui três compartimentos em temperaturas distintas para acomodar diferentes tipos de necessidades das lojas, tendendo minimizar o número de entregas e diminuir, também, a probabilidade de que alguns produtos cheguem e outros não. - Com o objetivo de evitar erros tanto na emissão como no recebimento de pedidos, a MB desenvolveu o formulário eletrônico para envio e recepção dos pedidos via internet. - A MB instalou um sistema ERP (Enterprise Resource Planning) com módulos de previsão de vendas, recebimento de pedidos, controle de estoques próprios e dos fornecedores, relatório de vendas por loja e acompanhamento diário dos indicadores de desempenho. - Para otimizar o número de caixas de produtos a serem transportadas por caminhão e por rota, a empresa adquiriu um programa roteirizador que determina, em função dos pedidos a serem entregues, a melhor rota para o veículo. Ainda mantém um Customer Service 24 horas, sete dias na semana, para atender a emergências das lojas e dos motoristas no caso de haver algum problema em rota. IV CNEG 18

19 Através de medidas como o giro do estoque, o número de funcionários MB por restaurante atendido, o percentual de pedidos sem erro sobre o total de pedidos, o número de caixas entregues por rota, dentre outros, o McDonald s garante que, através de uma logística enxuta, a MB possa solucionar totalmente o seu problema. Por atuar num mercado maduro, com intensa concorrência, o McDonald s está sempre pensando em promoções, novos produtos, etc. A MB não é apenas um operador que abastece as lojas, é um operador logístico integrado que administra a inteligência logística da cadeia, desenvolvendo soluções que dêem respostas aos desafios enfrentados pelo cliente, perseguindo o custo total mínimo para todos os integrantes da cadeia. O serviço logístico proporcionado pela MB McDonald s está alinhado com vários outros princípios do consumo enxuto. A MB McDonald fez a escolha do modal rodoviário para realizar os serviços de transporte devido a essa modalidade movimentar cargas com carregamentos de tamanhos médios, pelo serviço poder ser realizado de porta a porta, de modo que nenhum carregamento é exigido entre a origem e o destino, como freqüentemente acontece nos modais ferroviário e aéreo. O custo moderado, disponibilidade de serviço, a confiabilidade e a flexibilidade de serviço porta a porta são vantagens que contribuíram para a escolha ser o modal rodoviário. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Escolher o modal de transporte mais adequado para os serviços logísticos requer considerações com diversos fatores: integrantes da cadeia de suprimento, tamanhos dos lotes, tempo de entrega, custo total entre outros. Para contribuir com os serviços enxutos é necessário analisar os custos, a freqüência com que chega a mercadoria, o tempo de entrega, a capacidade de cada veículo e a disponibilidade de entrega porta a porta. Geralmente, as empresas visam a redução dos custos e consideraram importante o serviço de transporte. Caso estes não forem gerenciado corretamente, podem alterar os custos nos estoques e com desperdício de tempo com a utilização do modal e/ou veículo inadequado. A logística enxuta visa diminuir todo o custo possível, ela define o valor acordado com o nível de serviço exigido pelo cliente. Com base em seus princípios, sabemos como é possível realizar essa tarefa sem que o consumidor deixe de ser atendido aos seus desejos. IV CNEG 19

20 Pode-se concluir com este trabalho, a importância de escolher a modalidade certa para o momento certo. E através da aplicação do método AHP na empresa de serviços logísticos MB McDonald s, pôde ser visto como tomar a melhor decisão quanto a escolha do modal e o que foi preciso fazer para realizar serviços logísticos enxutos. Fica a idéia para futuros estudos uma realização de rateio de custos do serviço de transporte de um determinado produto, considerando suas características, entretanto, analisando qual modalidade mais adequada. 7. REFERÊNCIAS ALVIM, B. G. e NOVAES, A. G. Análise de preferência declarada com experimentos de escolha um estudo de caso para serviços de fretamento. Anais do IX Anpet, São Carlos, v. 2, p , BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Tradução Elias Pereira. 4.ed Porto Alegre: Bookman, BALLOU, R. Logística empresarial. São Paulo, Atlas, BOVET, David. Redes de valor: aumente os lucros pelo uso da tecnologia da informação na cadeia de valor. São Paulo: Negócios Editora, BOWERSOX, D.J; CLOSS, D.; COOPER, M.B. Gestão logística de cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, COYLE, J.; BARDI, E. e LANGLEY Jr., C. J. The management of business logistics. St. Paul, West Publishing Company, DROHOMERETSKI, Everton; MÂNICA, Ricardo. Logística enxuta: gerando diferenciais para a cadeia de suprimentos. Congresso Internacional de Administração Gestão Estratégica para o Desenvolvimeno Sustentável, Ponta Grossa, PR, Setembro FIGUEIREDO, Kleber. A logística enxuta. Centro de Estudo em Logística COPPEAD/ UFRJ, NAZÁRIO, Paulo; FLEURY, Paulo F.; WANKE, Peter. O papel do transporte na estratégia logística.centro de Logística Disponível em <http://www.centrodelogistica.org/new/fsbusca.htm?fr_art_transporte.htm>. Acesso em: 26/01/2008. FONSECA, Edson. Cadeias eletrônicas: O caso da Expresso Mercúrio. Tese de dissertação de mestrado ao programa de pós graduação em Administração da Universidade Federal do IV CNEG 20

A logística enxuta. Kleber Figueiredo. Introdução

A logística enxuta. Kleber Figueiredo. Introdução Kleber Figueiredo Introdução O termo enxuto, como tradução de lean, surgiu na literatura de negócios para adjetivar o Sistema Toyota de fabricação. Tal sistema era lean por uma série de razões: requeria

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Acarência de informações

Acarência de informações Custos logísticos na economia brasileira Maurício Pimenta Lima Introdução Acarência de informações sobre custos logísticos no Brasil torna freqüente a utilização de dados defasados. O grande problema é

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes

O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes Agosto/2013 Natureza do produto logístico Parte física Peso Volume Forma Desempenho Durabilidade Parte intangível

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS

CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS CARACTERÍSTICAS DE MODAIS DE TRANSPORTE E INFLUÊNCIAS NOS CUSTOS E NÍVEL DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS Alander Ornellas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO A VIABILIZAÇÃO DO TRANSPORTE INTERMODAL NO ESCOAMENTO DE ARROZ EM LONGOS

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Logística empresarial conceitos e definições

Logística empresarial conceitos e definições Logística empresarial conceitos e definições Por Leandro Callegari Coelho - Logística Descomplicada, em 01 de fevereiro 2010 Por Camila Avozani e Aline Regina Santos No início de 1991, a logística e a

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: FUNDAMENTOS DE LOGÍSTICA. Carga Horária:

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO

ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO 1 ADMINISTRAÇÃO DE TRANSPORTE: O GRANDE DIFERENCIAL LOGÍSTICO ADMINISTRATION OF TRANSPORT: THE LARGE DIFFERENTIAL LOGISTIC Luiz Augusto Ferreira Prado * Adalberto Brandalize ** RESUMO: Este artigo tem

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

9. Referencias Bibliográficas

9. Referencias Bibliográficas 96 9. Referencias Bibliográficas ADVFN Advanced Financial Network. Indicadores. Disponível em: . Acesso em: 15 Mar. 2012. Alvarenga, A. C.; Novaes, A. G. N. Logística Aplicada:

Leia mais

Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de Carga Rodoviário

Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de Carga Rodoviário FACULDADE DE TECNOLOGIA DE INDAIATUBA Curso de Superior de Tecnologia em Logística Aeroportuária Tiago Henrique Vieira Souza, RA 20101162 Análise e Avaliação de Desempenho dos Serviços de Transporte de

Leia mais

$ $ $ $ O TERMINAL INTERMODAL NA LOGISTICA DE TRANSPORTE Natália Martins Gonçalves Eduardo Berndt da Luz Maria Helena Souza dos Santos

$ $ $ $ O TERMINAL INTERMODAL NA LOGISTICA DE TRANSPORTE Natália Martins Gonçalves Eduardo Berndt da Luz Maria Helena Souza dos Santos XXVIENANGRAD O TERMINAL INTERMODAL NA LOGISTICA DE TRANSPORTE Natália Martins Gonçalves Eduardo Berndt da Luz Maria Helena Souza dos Santos FOZDOIGUAÇU,2015 ÁreaTemática:GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA Código:GOL

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

ANÁLISE DAS IMPLICAÇÕES LOGÍSTICAS, CONTÁBEIS E FINANCEIRAS DA ESCOLHA DO SERVIÇO DE TRANSPORTE

ANÁLISE DAS IMPLICAÇÕES LOGÍSTICAS, CONTÁBEIS E FINANCEIRAS DA ESCOLHA DO SERVIÇO DE TRANSPORTE ANÁLISE DAS IMPLICAÇÕES LOGÍSTICAS, CONTÁBEIS E FINANCEIRAS DA ESCOLHA DO SERVIÇO DE TRANSPORTE Daylyne Maerla Gomes Lima Sandoval Sergio Ronaldo Granemann ANÁLISE DAS IMPLICAÇÕES LOGÍSTICAS, CONTÁBEIS

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

Planejamento da Movimentação de Mercadorias

Planejamento da Movimentação de Mercadorias Planejamento da Movimentação de Mercadorias Engenharia Logística II Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar as maneiras pelas quais produção e demanda devem ser compatibilizadas

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@smail.ufsm.br Fernando Fachin Pacheco (FAMES) fernando_f_p@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE TRANSPORTES (PARTE I) Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes Agosto/2013 Introdução Estratégia de estoque Previsão Fundamentos de estocagem Decisões de estocagem Decisões na

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

UMA DECISÃO EM TRANSPORTE

UMA DECISÃO EM TRANSPORTE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UMA DECISÃO EM TRANSPORTE Débora Duarte de Campos Cruz Orientador: Celso Sanchez Abril 2005 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UMA DECISÃO EM TRANSPORTE Objetivos: Levantar informações

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS E SEU ESPAÇO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CADEIA DE SUPRIMENTOS E SEU ESPAÇO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CADEIA DE SUPRIMENTOS E SEU ESPAÇO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES BARBOSA, Camila 1 CASTRO, Sergio Francisco de Oliveira de 2 FRABETTI, João Luiz 3 OLIVEIRA, Gabriel Antonio Bom 4 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais