UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI AMANDA MULLER DOS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI AMANDA MULLER DOS SANTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI AMANDA MULLER DOS SANTOS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO PARA A QUALIDADE VISANDO A IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001:2000 NO HOTEL TORRESOL Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Centro de Ciências Sociais Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Campus Balneário Camboriú Balneário Camboriú 2008

2 1 AMANDA MULLER DOS SANTOS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO PARA A QUALIDADE VISANDO A IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001:2000 NO HOTEL TORRESOL Produção Técnica-Científica apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Turismo e Hotelaria, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Sociais Aplicadas: Comunicação, Turismo e Lazer Campus Balneário Camboriú. Orientador: Profª.Jamille de Freitas Machado, MSc. Balneário Camboriú 2008

3 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Curso de Turismo e Hotelaria José Roberto Provesi Reitor Mário César dos Santos Vice-Reitor Valdir Cechinel Filho Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Amândia Maria de Borba Pró-Reitora de Ensino Nilson Scheidt Secretário Executivo Carlos Alberto Tomelin Diretor do Centro de Ciências Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Silvia Regina Cabral Coordenadora do Curso de Turismo e Hotelaria Arno Minella Responsável de Estágio Curso de Turismo e Hotelaria Balneário Camboriú 2008

4 3 AMANDA MULLER DOS SANTOS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO PARA A QUALIDADE VISANDO A IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001:2000 NO HOTEL TORRESOL Esta Produção Técnica-Científica foi julgada adequada para obtenção do título de Bacharel em Turismo e Hotelaria e aprovada pelo Curso de Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Sociais Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer, Campus de Balneário Camboriú. Área de Concentração: Ciências Sociais Aplicadas Sub-Área: Turismo e Hotelaria Balneário Camboriú, Profª. Jamille de Freitas Machado, MSc UNIVALI CE de Balneário Camboriú Orientadora Prof o. Arno Minella, MSc. UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro Profª. Sílvia Regina Cabral, MSc. UNIVALI CE de Balneário Camboriú Membro

5 4 O Turismo é uma Universidade em que o aluno nunca se gradua, é um Templo onde o suplicante cultua, mas nunca vislumbra a imagem de sua veneração, é uma Viagem com destino sempre à frente, mas jamais atingido. Haverá sempre discípulos, sempre contempladores, sempre errantes aventureiros. Lord Curzon ( ) Governador-geral da Índia

6 5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus primeiramente, a minha mãe e meu irmão que sempre me incentivaram e me apoiaram em todos os momentos da minha vida e principalmente ao meu Pai que sempre foi o meu grande incentivador. A Isabela Lopes, Gabriela Murara e Kelly Piske, amigas queridas, que me ajudaram e me apoiaram nessa etapa sempre estando à disposição para tirar minhas dúvidas. Às minhas amigas e amigos de Curitiba que entenderam a minha ausência durante o período da faculdade e que sempre estiveram ao meu lado. A minha Professora e orientadora Jamille de Freitas Machado, MSc que me ajudou a tornar possível mais essa conquista e sempre me incentivou a alçar vôos maiores. E a todos que de alguma forma contribuíram para que essa conquista se tornasse realidade.

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Modelo Conceitual da Qualidade de serviços Modelo de Gap Figura 2: Fluxograma Reservas Grupos Nacionais Figura 3: Fluxograma Reservas Buenos Aires Figura 4: Fluxograma Reservas Figura 5: Fluxograma Recepção Figura 6: Fluxograma Governança Figura 7: Fluxograma Restaurante / Jantar Figura 8: Organograma do Hotel TorreSol... 71

8 7 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Requisitos da Iso 9001/2000 adaptado para a Hotelaria Quadro 2: Descrição das normas da série ISO Quadro 3: Curso de Liderança Quadro 4: Cronograma das atividades Quadro 5: Quadro do número de funcionários por setor... 72

9 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Orçamento Tabela 2: Orçamento Manual do Colaborador Tabela 3: Orçamento Treinamentos anual Tabela 4: Orçamentos Uniformes Tabela 5: Orçamento Software Tabela 6: Total dos orçamentos... 48

10 9 RESUMO O Trabalho apresentado desenvolveu de um sistema de gestão da qualidade visando a implantação da ISO 9001:2000 no Hotel Torresol, buscando subsídios teóricos em bibliografias sobre qualidade no atendimento e serviços prestados, além de identificar, analisar e detectar esses serviços prestados pelo empreendimento, e apresentando assim indicadores que demonstram a viabilidade econômica e financeira para a implantação do projeto. A análise foi realizada através da metodologia de gaps desenvolvido por Zeithaml onde o principal objetivo é comparar a as expectativas e percepções dos clientes. Com a análise da situação atual concluída foi possível desenvolver ações a curto, médio e longo prazo que estarão ajudando o empreendimento a desenvolver seus serviços com mais qualidade. Palavras-chave: Qualidade Hotel TorreSol - Serviços

11 10 SUMÁRIO PARTE I: PRODUÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA DE ESTÁGIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A atividade Turística e os Meios de Hospedagem Setor Hoteleiro: Evolução Histórica Contexto atual Qualidade na Hotelaria Família ISSO Análise de Gaps ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL Metodologia Análise da situação atual Ambiente interno Reservas Recepção Governança Restaurante Jantar PROPOSTA DE AÇÃO Finalidade da proposta Ações Reconhecimento do funcionário Manual do colaborador Treinamentos Padronização Troca do sistema de automação hoteleira Operacionalização Reconhecimento dos funcionários Manual do Colaborador... 42

12 Treinamentos Padronização Troca do sistema de informatização Orçamento Reconhecimento dos funcionários Manual do Colaborador Treinamentos Padronização Troca do sistema de informatização VIABILIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A: Matriz de classificação hoteleira PARTE II: RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E DO ALUNO Dados da Empresa Dados do Aluno JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos CONTEXTUALIZAÇÃO DA EMPRESA Evolução histórica da organização até sua organização atual Infra-estrutura física atual Infra-estrutura administrativa Quadro de Recursos Humanos Serviços prestados ao cliente DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS POR SETOR Setor de Reservas Funções do setor... 73

13 Infra-estrutura do setor Atividades desenvolvidas pelo acadêmico Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas Setor de Governança Funções do setor Infra-estrutura do setor Atividades desenvolvidas pelo acadêmico Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas Setor Recepção Funções do setor Infra-estrutura do setor Atividades desenvolvidas pelo acadêmico Conhecimentos técnicos adquiridos Aspectos positivos, limitantes e sugestões administrativas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A: Termo de Convênio ANEXO B: Programa de Estágio ANEXO C: Avaliação de estágio supervisionado ANEXO D: Autorização de estágio ANEXO E: Controle de carga horária em estágio ANEXO F: Declaração... 99

14 PARTE I AMANDA MULLER DOS SANTOS

15 14 1 INTRODUÇÃO Balneário Camboriú, começou a constituir seu parque hoteleiro na década de 30, mas o grande marco aconteceu na década de 60 com a implantação do Marambaia Cassino Hotel. A base da administração hoteleira na cidade era toda familiar até alguns anos, porém isso vem mudando com o crescimento das redes que já existiam e a implantação de hotéis pertencentes a grandes cadeias, acirrando assim a concorrência saudável entre os hotéis (SECRETARIA DE TURISMO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ, 2008). A cidade é destaque no estado de Santa Catarina quando o assunto é turismo, possui infraestrutura turística com bares, restaurantes, e cerca de 110 empreendimentos hoteleiros com cerca de leitos. Chega a receber um milhão de turistas por temporada, segundo dados da Secretaria de Turismo de Balneário Camboriú. As mudanças que ocorreram no mercado hoteleiro brasileiro na última década, também atingiram Balneário Camboriú, pois trouxeram avanços no sentido de mudar o foco principal que antes estava na infra-estrutura física do hotel e que agora está focado nos serviços prestados. O físico do hotel ainda é importante, mas ter funcionários capacitados, e que prestem serviços de qualidade, acaba agregando muito mais valor ao empreendimento. Para satisfazer a necessidades dos turistas é preciso que haja qualidade nos serviços prestados e Balneário Camboriú ainda precisa melhorar sua mão de obra e também a infra - estrutura de seu parque hoteleiro. Serviço com qualidade envolve variáveis como padronização de procedimentos, colaboradores bem preparados e boas instalações. A implantação de normas e certificações de qualidade vem se tornando um diferencial entre as empresas e cada vez mais empreendimentos aderem à padronização. Normalmente essas normas vêm associadas à técnicas, softwares e equipamentos que podem melhorar os serviços e produtos que são disponibilizados aos hóspedes. A implantação da ISO 9001 é baseada em princípios da gestão da qualidade em que as organizações conduzem e operam suas atividades visando sempre o foco no cliente. Na

16 15 hotelaria essa norma encaixa-se perfeitamente tendo em vista que a principal preocupação é o bem estar do hóspede. (MARANHÃO, 2002). No Brasil, existem poucas redes hoteleiras que possuem essa qualificação e a realidade do mercado, juntamente com hóspedes cada vez mais exigentes, leva a crer que a implantação de uma norma que busca a qualidade dos serviços em todos os sentidos só vem a fortalecer o empreendimento. A proposta da implantação de um sistema de gestão para a qualidade no Hotel TorreSol é de extrema importância, tendo em vista que a Flechabus é uma das poucas empresas do setor turístico argentino que possui uma certificação ISO. Buscando dar continuidade ao trabalho realizado na Argentina um dos primeiros passos é melhorar a gestão da qualidade em seu empreendimento brasileiro, tornando-o assim mais competitivo e atraente. 1.1 Objetivos 1.1.1Objetivo geral Desenvolver um sistema de gestão da qualidade direcionando as ações da empresa para uma futura certificação pela norma ISO 9001:2000 e assim aumentando a satisfação do cliente/ hóspede Objetivos específicos Buscar subsídios teóricos em bibliografias sobre qualidade no atendimento e serviços prestados; Identificar, analisar e detectar os serviços prestados pelo Hotel TorreSol, referente a qualidade dos serviços para auxiliar na futura implantação da ISO 9001:2000. Apresentar indicadores que demonstram a viabilidade econômica e financeira para a implantação do projeto.

17 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 A atividade Turística e os Meios de Hospedagem A atividade turística é um fenômeno complexo que se manifesta e se expande devido a modificações históricas e interfere nos mais diversos aspectos que compõe as relações sociais. O turismo relacionado a viagens para fins de lazer é um fenômeno relativamente recente. Historicamente, sua organização e seu desenvolvimento estão ligados a importantes fenômenos socioculturais, decorrentes da própria evolução do capitalismo moderno (BENI, 2002). Na atualidade, o turismo, apresenta-se sob as mais variadas formas. Uma viagem pode estender-se de alguns quilômetros até milhares deles, incluindo um ou vários tipos de transporte e estadas de alguns dias, semanas ou meses nos mais diversos tipos de alojamento, em uma ou mais localidades. Desde que se formaram as primeiras sociedades, o homem sempre viajou, por motivos econômicos, sociais, políticos, culturais e esportivos. Nas primeiras sociedades humanas, os deslocamentos destinavam-se à busca de alimentos, por meio da caça e da coleta de frutos e sementes. Até recentemente, a participação no turismo estava restrita a uma elite que dispunha de tempo e de dinheiro para realizar suas viagens. Atualmente, a maioria das pessoas dos países desenvolvidos, e um número significativo daquelas dos países em desenvolvimento, tem realizado viagens turísticas uma ou várias vezes ao ano. Assim, o turismo já não é mais uma prerrogativa de alguns cidadãos privilegiados; sua existência é aceita e constitui parte integrante do estilo de vida para um número crescente de pessoas em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT, 2008), o turismo está entre os setores de maior crescimento no mundo, tendo triplicado seu impacto econômico nos últimos 50 anos. Isso se deve ao fato de que as viagens, sejam elas por qualquer motivo, estão se tornando constantes na vida das pessoas.

18 17 Engloba um conglomerado de prestadores de serviços que vão desde hotéis, bares e restaurantes, aeroportos e rodoviárias, comércio, locadoras de veículos e até mesmo a própria destinação, onde toda a comunidade acaba envolvida no turismo, fazendo com que muitos locais aumentem expressivamente suas condições econômicas, sendo, em alguns locais, o principal alicerce da economia e do crescimento. A oferta turística está em desenvolvimento, com a inauguração de meios de hospedagem, restaurantes e bares, locadoras de veículos, espaços para eventos, entre outros no Brasil inteiro. A hotelaria cresce de forma significativa, até 2009, segundo o Ministério do Turismo (2007), há uma previsão de entrada de 140 novos meios de hospedagem em um total de 3,6 bilhões em investimentos. A demanda turística também está em crescimento, as famílias estão viajando mais, o turismo de negócios e eventos está em franca expansão, basta verificar os números da OMT que mostram o crescimento de 6,1% em desembarques internacionais. 2.2 Setor Hoteleiro: Evolução Histórica Contexto atual Na atividade turística, os meios de hospedagem são destaques e muitas vezes são eles que determinam o destino do turista. A hotelaria é o meio mais tradicional dentre as diversas formas de hospedagem. Albergues, flats, motéis, pousadas, camping e até casas de parentes também são considerados e utilizados pelos turistas (BENI, 2000). No contexto turístico atual levam-se em conta o tempo para o deslocamento, o preço, o conforto e a disponibilidade para a escolha. A Hotelaria iniciou, em diversos lugares do mundo, com pequenos locais onde viajantes pudessem repousar de sua viagem. Em 1930, na Suíça, foram construídos os primeiros hotéis exclusivos para hóspedes (GONÇALVEZ, 2004). Segundo Andrade (1999, p.33), qualquer que seja seu nível de classificação, o hotel é o edifício onde se exerce o comércio da recepção e da hospedagem de pessoas em viagem ou não, bem como os serviços de alimentação, lazer e entretenimento.

19 18 No Brasil o grande marco da hotelaria aconteceu por volta dos anos 20, quando surgiram os primeiros grandes hotéis no Rio de Janeiro e São Paulo. A partir dos anos 30 muitos hotéis surgiram em cidades grandes e localidades com potencial turístico, principalmente ligados aos cassinos, que na época era uma atividade legal (DUARTE, 1996). A hotelaria nacional está voltando a crescer depois de uma redução causada pelos atentados terroristas e a crise financeira da Argentina. A segmentação do mercado é um fato consumado no setor, principalmente a hotelaria econômica que segundo Cruz (2005, p.78) tem a cara da população brasileira, tendo em vista que dos turistas que viajam no Brasil apenas 16% deles ficam hospedados em hotéis. A atividade hoteleira é um setor bastante promissor e com excelentes possibilidades de expansão no Brasil, visto que, a estruturação da atividade viabilizou o aumento considerável do fluxo turístico. Com tantas cadeias internacionais instaladas aqui, a hotelaria nacional se viu obrigada a melhorar seus serviços e capacitar profissionais brasileiros para essa atividade. Já no estado de Santa Catarina, o turismo ganhou força por ser geograficamente privilegiado sendo ponto de destaque no mercado turístico nacional. O estado possui uma boa infraestrutura com portos bem equipados, rodovias asfaltadas, aeroportos com capacidades de receber grandes aeronaves e uma gestão dividida por regiões que ajuda a destacar o que de melhor cada uma oferece aos turistas. Com cerca de empreendimentos hoteleiros no estado, segundo a Associação Brasileira de Indústria de Hotéis (ABIH, 2008), a oferta não pára de crescer. Redes internacionais estão instaladas e continuam chegando, bem como as redes brasileiras que vêm crescendo. Dentre as principais regiões turísticas de Santa Catarina, destaca-se Balneário Camboriú que iniciou suas atividades no setor por volta do ano de 1928, com a construção do seu primeiro hotel, porém foi na década de 50 com a inauguração do Hotel Fischer e na década de 60 com a construção do Marambaia Cassino Hotel que a hotelaria começou a ganhar forma (SANTUR, 2008). O crescimento se deu de forma espontânea que segundo Minella (1999, p.12),

20 19 Aconteceu com o grande número de argentinos que visitaram a cidade entra as décadas de 80 e 90. Esse movimento gerou certo desgaste no parque hoteleiro que mesmo com novos hotéis deixou de atender a classe média e alta para atender o público em massa e com baixo custo, mudando assim o perfil dos clientes. Atualmente, o parque hoteleiro de Santa Catarina continua em crescimento com entrada de novas cadeias hoteleiras e resorts de luxo na costa litorânea. Em Balneário Camboriú, especificamente, a entrada de hotéis de redes na cidade está fazendo com que hotéis mais antigos comecem a se preocupar com sua estrutura física e qualidade de atendimento. Os eventos que vem se tornando constantes na cidade, também, estão contribuindo para diminuir a sazonalidade tão acentuada. 2.3 Qualidade na Hotelaria A importância da qualidade nas organizações atuais está sendo cada vez mais discutida, pois muitos autores acreditam que é nesta palavra que está a verdadeira fórmula para o sucesso. Muitos empreendimentos, porém, não sabem como utilizar essa ferramenta de vital importância e acabam prestando um serviço ou oferecendo um produto sem qualidade. Segundo Albrech (1995, p.23), qualidade significa uma medida da extensão até a qual uma coisa ou experiência satisfaz uma necessidade, resolve um problema ou adiciona valor para alguém. Sem esquecer que quem presta o serviço com qualidade deve ter comprometimento com o papel que exerce para que o desempenho dos serviços seja percebido pelo cliente. As pessoas possuem padrões diferentes do que é qualidade, portanto é preciso que a organização defina o que é qualidade para ela e como será feita de forma que todos percebam a implantação de serviços e produtos com maior qualidade. Segundo Kaplan (1996, p.45), para que uma prestadora de serviços atinja seu máximo em qualidade é preciso que todos os colaboradores falem a mesma língua e usem exatamente os mesmos termos em todo o sistema fazendo com que trabalhem em prol do mesmo objetivo.

21 20 Na hotelaria, onde a prestação de serviço é o principal produto, é fundamental que se tenha um total entendimento das necessidades que os hóspedes venham a ter, fazendo com que as expectativas sejam supridas. O segmento é intensivo em mão-de-obra, tendo em vista que a maior parte das atividades refere-se ao atendimento aos hóspedes. Por essa razão, a qualificação da mão-de-obra é considerada fundamental para a qualidade dos serviços. Porém, com um histórico de hotelaria familiar no Brasil, é costumeiro que o primeiro passo que um gestor dá em relação a melhorar a qualidade do atendimento, é verificar se seu concorrente está fazendo o mesmo para então copiar e não ficar para trás. O problema é que nenhum hotel é igual ao outro, mesmo sendo de mesma categoria, cada um tem suas características e é por isso que cada sistema de gestão de qualidade deve ser desenvolvido exclusivamente para aquele empreendimento (SANTOS, 2004). A hotelaria possui características próprias como a venda de um produto intangível, em que é preciso vender o serviço/ produto ao cliente antes dele consumir ou experimentar, e ainda perecível, pois não podem ser estocados. A sazonalidade que atinge o setor também é outra característica, sabe-se que em muitas localidades os hotéis estão lotados na alta temporada, porém em outros meses a taxa de ocupação é mínima (KOTLER, 1993). Segundo Lovelock (2001, p.67), os clientes podem julgar a qualidade dos serviços prestados levando em consideração seis premissas que são a confiabilidade, sensibilidade, tangibilidade, responsabilidade, segurança e empatia. Com auxílio de uma avaliação, é possível verificar se os clientes estão satisfeitos e quais os principais problemas e sugestões que poderão ser melhoradas trazendo um serviço com mais qualidade, principalmente quando o produto em questão é intangível como no caso da hotelaria (GIANESI, 1994). Uma pesquisa afirmou que, o crescimento médio das empresas com sistemas de gestão da qualidade total é de cerca de 10%. Mesmo não sendo o caminho mais fácil e mais barato, as empresas têm mostrado resultados surpreendentes que a fidelização do cliente é

22 21 conseqüência e que serviços prestados com qualidade está ligado à lucratividade (VIEIRA, 2004) O mercado hoteleiro mundial está colocando cada vez mais os seus bens e serviços de forma altamente competitiva, portanto a hotelaria nacional precisa, segundo Castelli (2001, p.08) tentar recuperar seu desempenho, incorporando uma cultura inovadora no processo de implantação de gestão da qualidade. Implantar um sistema de gestão da qualidade em um empreendimento hoteleiro não significa implantar a norma ISO 9001:2000 e sim verificar quais as reais necessidades que o empreendimento exige e então desenvolver um sistema. É importante que independente do sistema a ser implantado, o foco seja sempre no hóspede. A Matriz de Classificação para Meios de Hospedagem criado pela EMBRATUR em convênio com o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO) que credencia empresas especializadas para fazer o trabalho de classificação e certificação, é um exemplo de certificação da qualidade (EMBRATUR, 2008). A nova Matriz de Classificação da EMBRATUR não é obrigatória e a hotelaria nacional vem relutando em aderir a ela passando a se auto classificar, isso vem acontecendo por falta de conhecimento dos hoteleiros. A Matriz conta com 26 itens que podem caracterizá-los através da infra - estrutura e da qualidade dos serviços oferecidos (ANEXO A). A partir do momento que um empreendimento hoteleiro adere à matriz de classificação o processo para uma certificação ISO se torna mais fácil, até porque a base da matriz de classificação da EMBRATUR são as normas da ISO. Por motivos legais não é possível adquirir uma norma ISO em livros, somente se uma organização adquirir para implantação, muitos autores publicam, então, os requisitos de sistematização que são previamente cedidos pela própria norma. Abaixo segue uma tabela adaptada à hotelaria:

23 22 Quadro 1: Requisitos da Iso 9001/2000 adaptado para a Hotelaria. Fonte: Adaptado por Dos Santos, 2008 de Santos, Família ISO Dentro de diversos instrumentos de implantação de gestão da qualidade existe a International Organization of Standardization (ISO) que é uma organização internacional e não governamental, com sede em Genebra, na Suíça, que tem por objetivo desenvolver e promover normas que possam ser utilizadas igualmente em diversos países do mundo. A organização foi criada por volta dos anos 40 para padronizar ranhuras em parafusos e diminuir o desperdício na segunda guerra mundial. Ao longo desses anos, já foram desenvolvidas cerca de normas internacionais nas mais diversas áreas. Até os anos 50 as normas que haviam sido criadas eram específicas para algum material, produto ou

24 23 processo. Porém,com o avanço industrial e tecnológico as normas relativas à qualidade foram surgindo (ISO, 2008) [Tradução nossa]. Em 1979, foi criada a primeira ISO em gestão da qualidade e em seguida surgiram as ISO 9000, 9001, 9002, 9003 e Sendo que a ISO 9000 serve de roteiro para implementar as demais. Com a criação da família ISO 9000 foram estabelecidas normas para a qualidade, tendo em vista o crescimento das indústrias e prestadores de serviços. A família de normas ISO 9000 representa um consenso internacional sobre as boas práticas de gestão da qualidade. É constituída por normas e orientações relativas à qualidade dos sistemas de gestão além de 8 princípios descritos a seguir (MELO, 2002): 1. Foco no cliente: É preciso que atendam às expectativas dos clientes, suprindo suas necessidades, pois as organizações dependem deles. 2. Liderança: Os líderes da organização precisam manter a equipe engajada no objetivo principal, que estabeleçam propósitos e o rumo das atividades. 3. Engajamento de pessoas: As pessoas devem contribuir com suas habilidades e estar dispostas a colaborar para o futuro do empreendimento. 4. Abordagem de Processos: Quando as atividades e os recursos são gerenciados como processos, o resultado é alcançado mais eficientemente. 5. Abordagem sistêmica para a gestão: Identificar, compreender e gerenciar os processos inter-relacionados como um sistema contribui para a eficácia da organização para concluir seus objetivos. 6. Melhoria contínua: Um objetivo permanente deverá ser a melhoria contínua de uma organização. 7. Abordagem factual para tomada de decisão: A análise de dados e de informação são baseadas em decisões eficazes. 8. Benefícios mútuos nas relações com fornecedores: uma relação de benefícios mútuos aumenta a capacidade de ambos em agregar valor. ISO 9001:2000 prevê um conjunto de requisitos para um padronizado sistema de gestão de qualidade, independentemente do tamanho da organização. É a única norma na família contra a qual as organizações podem ser certificadas, embora certificação não seja um requisito

25 24 obrigatório. Ela incorpora todos os 20 elementos de qualidade da norma de qualidade sendo a certificação mais completa (HUTCHINS, 1994). As outras normas da família abrangem aspectos mais específicos como fundamentos e vocabulários, desempenho de melhorias, documentação e aspectos econômicos e financeiros. Sendo que a ISO 9002 incorpora 18 elementos de qualidade e a ISO 9003 incorpora 12 elementos não sendo tão completas quando a ISO Abaixo segue um quadro explicativo das 5 normas da série ISO que, segundo o protocolo apresentado pela própria entidade são revisadas a cada 5 anos: SÉRIE DE NORMAS ISO 9000 Número Título Finalidade Sistema de gestão da qualidade, Estabelecer os fundamentos e o NBR ISO 9000 fundamentos e vocabulário. vocabulário da qualidade. NBR ISO 9001 NBR ISO 9002 NBR ISO 9003 NBR ISSO 9004 Sistema de gestão da qualidade, requisitos. Sistema de gestão da qualidade, modelo para a garantia da qualidade em produção e instalação. Sistema de gestão da qualidade, modelo para a garantia da qualidade em produção e instalação. Sistema de gestão da qualidade, diretrizes para melhorias de desempenho Quadro 2: Descrição das normas da série ISO 9000 Fonte: Adaptado de Santos, Especificação dos requisitos de sistema de gestão da qualidade para uma organização produzir produtos conformes e obter satisfação dos clientes. Utilizada quando a conformidade com requisitos específicos precisa ser garantida pelo fornecedor. Utilizada quando a conformidade com requisitos específicos precisa ser garantida pelo fornecedor. Por meio de inspeção e ensaios finais. Prover guias para sistemas de gestão da qualidade, incluindo melhorias contínuas, para a satisfação dos clientes e de outras partes interessadas. No Brasil, essas normas são representadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que também participou da fundação da organização ISO. A ISO 9001:2000 é representada no Brasil pela sigla ABNT NBR ISO 9001.

26 25 A versão brasileira da ISO 9001 estabelece requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) de um empreendimento que segundo o Comitê Brasileiro da Qualidade tem por objetivo gerar confiança no comprador, onde o fornecedor irá abastecer de forma consistente e repetitiva os serviços e produtos que foram especificados no contrato. Não é a norma que especifica quais requisitos o empreendimento deverá ter e sim oferece referências, regras e catálogos nos quais poderá ser baseado. A empresa deverá desenvolver durante o processo de implantação da norma uma compreensão dos objetivos e benefícios bem como a auto disciplina para que a norma surta efeito. Segundo Hutchins (1994, p. 05) o propósito básico das normas da série para a qualidade é habilitar uma companhia a estabelecer sistemas de qualidade, manter a integridade do produto ou serviço e satisfazer o cliente. Os procedimentos usados para a implantação de normas de qualidade ainda geram certo desconforto para os funcionários. Muitas vezes, os empreendimentos não seguem regra alguma e por isso o impacto com a implantação de uma ISO. Porém, é preciso treinar e capacitar os colaboradores para que a implantação de um sistema de qualidade surta efeito, pois serviços prestados com eficiência serão sempre lembrados pelos clientes. 2.5 Análise de Gaps O setor de serviços está em crescimento e fazendo com que as empresas se preocupem mais com a qualidade de seus serviços prestados. Dentre inúmeras ferramentas utilizadas para analisar a real qualidade dos serviços prestados por uma empresa está o Modelo Conceitual da Qualidade de Serviços ou Modelo de Gap. A discrepância entre as expectativas dos consumidores e as percepções da qualidade dos serviços inter-relacionadas com as deficiências constadas forma a idéia central do Modelo de Análise de Gap. Essa ferramenta tem como principal objetivo comparar as expectativas e percepções dos clientes em cada afirmativa de um questionário utilizado. A análise desses dados permite que se perceba a qualidade dos serviços prestados pelos funcionários bem como seus pontos fortes e fracos (ZEITHAML, et. al, 1990).

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 PACOTE ENTRADA SAÍDA DIÁRIAS DEZEMBRO 30/11/2011 QUA 05/12/2011 SEG 5 07/12/2011 QUA 12/12/2011 SEG 5 14/12/2011 QUA 19/12/2011 SEG 5 NATAL 21, 22,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná Direito do Consumidor Turista Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná No Brasil os direitos do consumidor são regulamentados pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8078/90). A lei é aplicada quando

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada.

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada. CONDIÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS A aquisição de pacotes e programas de viagens nacionais e internacionais adquiridas da ARA TRAVEL TURISMO E VIAGENS LTDA.

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer A hospedagem no Arraial do Conto Hotel e Lazer é regida pelas seguintes condições: 1. Preenchimento da Ficha de Identificação: É obrigatório

Leia mais

CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO. Manual de Orientação

CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO. Manual de Orientação CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO Manual de Orientação FINALIDADE Esse documento tem o propósito de orientá-lo a respeito dos treinamentos ministrados no CIT em Francisco Beltrão Pr. INVIOLAVEL Fundada

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 IDENTIFICAÇÃO Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 Data de efetivação do manual: / / Data da próxima revisão: / / Frequência de revisão: Anual REGISTRO

Leia mais

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas Pesquisa Setorial Meios de Hospedagem Sebrae em em Goiás Goiás Conselho Deliberativo Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Presidente Diretoria Executiva

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001: UM CASO DE INSUCESSO

PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001: UM CASO DE INSUCESSO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001: UM CASO DE INSUCESSO Morgana Wasyluk (FAHOR) mw000797@fahor.com.br Gleise Catarina Damião (FAHOR) gd000832@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio@fahor.com.br

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO HISTÓRICO 1990 Mudanças no Pais e no Setor da Construção Civil - Abertura do

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

POLÍTICA DE VIAGEM PÁGINA: 1/10. Área a que se aplica: Comporte SBC e SP

POLÍTICA DE VIAGEM PÁGINA: 1/10. Área a que se aplica: Comporte SBC e SP POLÍTICA DE VIAGEM PÁGINA: 1/10 Área a que se aplica: Todas Executado por: Colaboradores que utilizam recursos de viagem Unidade: Comporte SBC e SP Autor: Elidia Ribeiro Secretária Executiva Criação 17/06/2011

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

LITORAL VERDE OPERADORA DE TURISMO LTDA. (RG. EMBRATUR: 19.017699.10.0001-4)

LITORAL VERDE OPERADORA DE TURISMO LTDA. (RG. EMBRATUR: 19.017699.10.0001-4) LITORAL VERDE OPERADORA DE TURISMO LTDA. (RG. EMBRATUR: 19.017699.10.0001-4) CONDIÇÕES GERAIS/CONTRATO DE ADESÃO VIAGENS INTERNACIONAIS MERCOSUL CONCORDÂNCIA E ADESÃO DO USUÁRIO Ao participar de quaisquer

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 Leonardo Rospi (UNIP Universidade Paulista) lrospi@terra.com.br Oduvaldo Vendrametto (UNIP Universidade Paulista)

Leia mais

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel

Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel Danilo Assugeni BONFIM 1 Danilo Henrique BELINE¹ Karen Aline KONTI¹ Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Este trabalho pretende mostrar um pouco

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Para obter a acreditação o laboratório deve implementar um sistema de gestão da qualidade com especial atenção para os aspectos da

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO Sesc DE CAMINHADAS E CORRIDAS

REGULAMENTO CIRCUITO Sesc DE CAMINHADAS E CORRIDAS REGULAMENTO CIRCUITO Sesc DE CAMINHADAS E CORRIDAS CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as etapas do CIRCUITO Sesc DE CAMINHADAS E CORRIDAS 2015. Art.

Leia mais

MANUAL DO PARTICIPANTE

MANUAL DO PARTICIPANTE MANUAL DO PARTICIPANTE Caros participantes do 19º Encafé Muito em breve estaremos reunidos no Breezes Búzios, um belo e aprazível resort na Região dos Lagos no qual promoveremos mais uma grande confraternização

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE LUIS ALVES Janeiro 2013 UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Uma empresa que em mais de 20 anos de atuação, soube conquistar a credibilidade do mercado e a fidelidade de seus clientes.

Uma empresa que em mais de 20 anos de atuação, soube conquistar a credibilidade do mercado e a fidelidade de seus clientes. 1. Apresentação da Empresa A GIORDANI TURISMO é uma empresa especializada em consultoria de viagens que oferece assessoria completa a seus clientes realizando o gerenciamento de sua viagem para destinos

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

1. Apresentação da Empresa

1. Apresentação da Empresa 1. Apresentação da Empresa A GIORDANI TURISMO é uma empresa especializada em consultoria de viagens que oferece assessoria completa a seus clientes realizando o gerenciamento de sua viagem para destinos

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA.

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luana Jung de Araujo 1 ; Priscila Karvat Geremias 1 ; Isadora Balsini Lucio

Leia mais

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE www.redeadm.com.br Fortaleza-CE 03 Conhecendo a RAH. Seu hotel, flat ou condomínio em ótimas mãos. Com a RAH Rede Administradora Hoteleira, você tem à sua disposição uma empresa que garante a melhor administração

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. SOBRe nós ONE Lifestyle é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja, onde quer que

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA Adevair Aparecido Dutra Junior 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios Objetivos do Projeto Geral Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios da atividade turística, como forma de fortalecimento do setor de turismo

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

JPM VIAGENS E TURISMO LTDA TERMOS E CONDICÕES GERAIS DE USO DO SISTEMA DE RESERVAS ONLINE INFORMAÇÕES INICIAIS:

JPM VIAGENS E TURISMO LTDA TERMOS E CONDICÕES GERAIS DE USO DO SISTEMA DE RESERVAS ONLINE INFORMAÇÕES INICIAIS: INFORMAÇÕES INICIAIS: JPM VIAGENS E TURISMO LTDA TERMOS E CONDICÕES GERAIS DE USO DO SISTEMA DE RESERVAS ONLINE i. A JPM Viagens e Turismo LTDA (JPM) é uma operadora de turismo que fornece, para pessoas

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna.

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. aprendaaviajarbarato.com.br ALINE BALTAZAR 1 Don t let your dreams be dreams... Jack Johnson

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Índice. Informações sobre conteúdo do site...04

Índice. Informações sobre conteúdo do site...04 Índice Informações sobre conteúdo do site...04 Como usar o site...05 Conhecendo o site... 06 Conectando ao site...10 Resumo de suas reservas...11 Iniciando a pesquisa...12 Como fazer reserva de hotel Definindo

Leia mais

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites

BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites BEACH PARK ACQUA RESORT 08 Dias / 07 Noites INCLUSO: Passagem aérea em vôo regular ; 07 noites de hospedagem com café da manhã e jantar; Traslado de chegada e saída; Bolsa de Viagem; Seguro Viagem. ROTEIRO:

Leia mais

Gestão e Qualidade - Aula 1

Gestão e Qualidade - Aula 1 Gestão e Qualidade - Aula 1 HISTÓRIA DA NORMATIZAÇÃO O conceito de normatização é tão antigo quanto a história do homem. Os homens das cavernas padronizaram os sons para obterem uma comunicação oral, associando

Leia mais

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 DENARDIN, Vanessa Cibele Cauzzo 2 REIS, Tatiane 3 1 Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Pousada Japeju, Capão da Canoa, RS, Brasil.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

BOLETIM 02 INFORMAÇÕES SOBRE HOSPEDAGEM

BOLETIM 02 INFORMAÇÕES SOBRE HOSPEDAGEM XVIII CONGRESSO ESCOTEIRO NACIONAL XIX ASSEMBLÉIA ESCOTEIRA NACIONAL XVII FÓRUM NACIONAL DE JOVENS LÍDERES 27 A 29 DE ABRIL DE 2012 SÃO LUIS MARANHÃO BOLETIM 02 INFORMAÇÕES SOBRE HOSPEDAGEM Sempre com

Leia mais

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR HOTEL PROVÍNCIA Diárias: 1 pessoa R$ 100,00 diária 2 pessoas R$ 160,00 diária Valores sem taxas e incluindo café da manhã. Duvidas, estamos a disposição para mais informações.

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Uma experiência inesquecível e marcante que mudará a gestão e a forma de enxergar o seu negócio. www.dmc3.com.br

Uma experiência inesquecível e marcante que mudará a gestão e a forma de enxergar o seu negócio. www.dmc3.com.br Uma experiência inesquecível e marcante que mudará a gestão e a forma de enxergar o seu negócio. 100% de satisfação dos participantes da turma de 2013 40% dos presentes em 2013 já reservaram suas vagas

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA Todos os Direitos reservados (e-mail: felipe@novastecnologias.net msn: fdenis_natal@hotmail.com) O Gerhotel é um sistema de gerenciamento

Leia mais