Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?"

Transcrição

1 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido aos Serviços de Logística para Produtos Químicos e Petroquímicos, perigosos e não perigosos, oferecidos por empresas de transporte rodoviário para Indústrias Químicas associadas à ABIQUIM. As perguntas e respostas visam elucidar dúvidas comuns a respeito deste Programa. Qual é o objetivo do SASSMAQ? O Sistema tem como objetivo aperfeiçoar e agilizar o processo de qualificação e avaliação de transportadoras pelas empresas contratantes, visando a redução progressiva e contínua dos riscos envolvidos nas operações de transporte e distribuição de produtos químicos, atendendo rigorosamente a padrões técnicos pretendidos pelas indústrias químicas. Representa uma evolução dos serviços de logística, capaz de produzir efeitos positivos para todos os agentes envolvidos. Quais são as vantagens de aderir ao SASSMAQ? Para as Empresas de Logística, haverá redução de custos e tempo necessário para receber diferentes avaliações de clientes atuais e potenciais, sendo este um Sistema único aceito pelas Indústrias Químicas associadas à ABIQUIM, o que assegura à Transportadora a participação garantida no mercado de Serviços de Logística de produtos Químicos. Para as Indústrias Químicas, haverá uma forma única de avaliação de seus prestadores de serviço de logística, agilizando assim a seleção e qualificação do fornecedor. Como o processo é feito por um Organismo Certificador independente, credenciado junto ao INMETRO, isto confere maior independência e credibilidade ao Sistema de Avaliação. Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? ABIQUIM: Associação Brasileira da Indústria Química. Responsável pelo Gerenciamento do SASSMAQ, mantém e revisa a sistemática de Avaliação, estabelece os critérios para o Sistema e mantém o Banco de Dados de Empresas Avaliadas e Organismos Certificadores e Auditores Qualificados. Organismo Certificador: (como por exemplo, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini FCAV) órgão independente, especializado em auditorias e credenciado pela ABIQUIM para aplicar a Avaliação e informar a esta os resultados. Fundação Vanzolini - FCAV 1/7

2 Empresas Prestadoras de Serviço de Logística: Empresas usuárias do Sistema, que oferecem suas instalações para a Avaliação e disponibilizam os resultados aos clientes. Indústrias Químicas: Empresas usuárias de serviços de logística, que irão qualificar Empresas Avaliadas para a atividade a ser contratada. Qual é o prazo para adesão ao SASSMAQ? O Termo de Compromisso de 2003 e 2004, das Indústrias Químicas estabelece a "utilização preferentemente de operadores de logística e transporte que tenham sido avaliados pelo SASSMAQ e dentro dos prazos acordados." O Prazo máximo sugerido pela ABIQUIM é de Dezembro/2004 para Transportadoras de Graneis Líquidos e Dezembro/2005 para Transportadoras de produtos embalados. Qual é o custo de uma Avaliação do SASSMAQ? O custo e o tempo necessário para a Avaliação dependem do porte da Empresa, número de filiais, elementos avaliados, número de colaboradores, etc. É necessário que a Empresa esteja certificada nas normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS ou Transqualit? Não. O SASSMAQ é indicado preferencialmente, porém de forma não obrigatória, para empresas com Sistema de Gestão da Qualidade certificado. Mesmo que esteja certificada, ela não está dispensada da Avaliação. Porém, se a empresa tiver Sistema de Gestão da Qualidade, Meio Ambiente e Saúde e Segurança Ocupacional, o processo de Avaliação é otimizado. Como é o processo de qualificação do SASSMAQ? - A Empresa Prestadora de Serviços de Logística solicita à Fundação Vanzolini uma Avaliação de SASSMAQ, fornecendo informações quanto ao número de filiais, elementos avaliados, número de funcionários, porte da empresa, etc ; - A Fundação Vanzolini envia a proposta para execução da avaliação; - Após o aceite, é realizada a avaliação e gerados os relatórios; - Os relatórios são fornecidos à Empresa e à ABIQUIM. Fundação Vanzolini - FCAV 2/7

3 Fluxograma do Processo para a Qualificação SASSMAQ Empresa Prestadora de Serviços de Logística Avaliação Relatório Organismo Certificador FCAV Relatório Requisitos Adicionais Qualificação Termo de Avaliação Indústria Química Consulta ABIQUIM Como funciona o Sistema de Avaliação? A Avaliação consiste em dois módulos: Elementos Centrais e Elementos Específicos. Cada empresa de Logística deve receber a avaliação Elementos Centrais na matriz ou gerência da unidade de Negócios correspondente (uma única vez, cobrindo todos os serviços), permitindo uma visão ampla do quadro administrativo, financeiro e social da empresa. Este módulo é composto 132 Questões e 225 Quesitos aplicáveis em Segurança Saúde, Meio Ambiente e Qualidade. E o módulo Elementos Específicos, que será aplicado para cada filial ou unidade de operação (uma avaliação específica para cada serviço: Transporte Rodoviário, Transporte Intermodal, Armazenamento, Garagens, Estações de Limpeza, etc). Este módulo é composto 211 Questões e 218 Quesitos aplicáveis em Segurança Saúde, Meio Ambiente e Qualidade. Não é possível haver avaliação somente específica. Fundação Vanzolini - FCAV 3/7

4 Como a avaliação é conduzida? Através de questionários, são atribuídos pontos às questões. As questões, para o Central e para o Específico, estão subdivididas em : - Gerenciamento - Saúde, Segurança e Meio Ambiente - Qualidade - Equipamentos - Operações - Segurança Patrimonial - Inspeção do Local Se a empresa atende à questão, é dada nota 1; se atende parcialmente ou não atende, a nota é zero. As questões, para ambos os módulos, estão divididas em: mandatórias (M) baseadas em requisitos regulamentares ou normativos, de atendimento obrigatório, requisitos da Indústria Química (I) que, se não atendidas, deve ser fixado prazo (até 6 meses) entre a indústria química e o fornecedor de serviços, e desejáveis (D) - itens que indicam avanços que podem ser medidos objetivamente, para demonstrar melhoria contínua, referentes à Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade. Qual é o critério para indicação positiva da avaliação de uma empresa? Existe uma orientação da ABIQUIM quanto aos percentuais das questões que a prestadora de serviços logísticos deve atender: - 100% das questões mandatórias (M), - Mínimo de 70 % de atendimento nas questões requisitos da indústria ( I ) - Não há percentual definido para as questões desejáveis (D). Se a empresa não atender aos critérios do SASSMAQ, poderá receber nova avaliação? Sim, após a empresa resolver as situações não atendidas. A nova avaliação será focada nas questões onde a nota atribuída foi zero. No entanto, a aprovação dos resultados e a conseqüente qualificação das empresas transportadoras cabem às Indústrias Químicas contratantes. Fundação Vanzolini - FCAV 4/7

5 Qual é a validade das Avaliações? A avaliação perde a validade após 2 anos. Ao final da validade a empresa deve passar por nova avaliação. Avaliações de manutenção podem ser solicitadas pelas empresas de serviço de logística para verificação de melhorias, atualização ou implementação de novos sistemas de trabalho. Como a Indústria Química acessa os resultados? A certificadora envia cópia do Termo de Avaliação para o banco de dados da ABIQUIM. As Indústrias Químicas associadas podem consultar quais empresas transportadoras foram avaliadas e solicitar os relatórios de avaliação às respectivas empresas. Quem faz parte da equipe auditora? A equipe auditora normalmente é formada por um ou dois auditores. Estes auditores são profissionais com experiência em auditorias e conhecimento específico no ramo de negócio, sendo qualificados pela coordenação do programa SASSMAQ após realização do curso ministrado pela ABIQUIM. Normas internacionais adotadas pela FCAV e requisitos específicos da ABIQUIM garantem que o auditor possui conhecimento adequado a avaliação. Como saberei que áreas serão avaliadas? A empresa envia uma série de documentos para análise da Fundação Vanzolini (Questionário Preliminar e anexos). Estes documentos são cuidadosamente avaliados pela equipe auditora e servem para que a FCAV elabore uma programação de auditoria. Desta programação constam os departamentos, os horários e itens do Sistema que serão avaliados. A programação é sempre enviada com uma semana de antecedência, para que a empresa possa se preparar para receber a equipe. Posso ter acesso ao currículo da equipe auditora? Sim. Ao receber a programação, a empresa é informada quem serão os auditores. Basta consultar a home page da FCAV para analisar o currículo da equipe. Fundação Vanzolini - FCAV 5/7

6 O que é a Comissão de Certificação? O relatório da equipe auditora é enviado à uma Comissão, da qual participam membros externos à FCAV e, eventuais apelações de clientes são considerados com toda a atenção. Isto quer dizer que, caso a empresa não concorde com o parecer da equipe auditora com referência a resultado final ou com relação a uma particular observação, pode apresentar a sua posição à Comissão. É a Comissão de Certificação quem valida o parecer da equipe auditora, autorizando a emissão do Termo de Avaliação. Esta Comissão se reúne de quanto em quanto tempo? Onde? A Comissão analisa criticamente os relatórios da avaliação mensalmente e se reúne nas instalações da FCAV. É importante salientar que esta Comissão é formada por brasileiros e se reúne no Brasil, permitindo rapidez e agilidade nas decisões. Eventuais esclarecimentos podem ser feitas em nossa língua. Em casos especiais, um representante da empresa pode ser convidado a participar da Comissão como ouvinte. O trabalho da FCAV somente se restringe à Certificação? Não. A FCAV foi fundada em 1967, quando ainda não existia certificação ISO A FCAV foi instituída por professores da Universidade de São Paulo e é reconhecida como um Centro de Excelência Internacional em Gestão. Por meio do contato com a FCAV, sua empresa terá acesso a um centro de conhecimento e canal de capacitação multidisciplinar de sua equipe. A FCAV pode fornecer consultoria para a montagem e implantação do SASSMAQ? Não. Conforme regras internacionais e regras éticas internas da FCAV, não existe a possibilidade de fornecimento de serviços de consultoria para implantação de Sistemas de Gestão ou qualquer outra norma que a FCAV certifique. A FCAV também não recorre a subterfúgios para tal atividade como, por exemplo, uso de empresas coligadas ou controladas. A FCAV destacando continuamente sua eqüidistância, atua como parceira das empresas de consultoria, reconhecendo e incentivando seu papel, nunca atuando como concorrente. Fundação Vanzolini - FCAV 6/7

7 Quais são os critérios para escolher uma certificadora e avaliar as propostas? A nossa sugestão é de que se leve em consideração as seguintes preocupações, sem nenhuma ordem de preferência: - Prestígio e credibilidade da certificadora; - Lista de clientes; - Clareza da proposta (não existência de custos escondidos, impostos, auditorias extras não explicitadas, método de aprovação não claro, etc.); - Preços e condições de pagamento; - Competência da equipe auditora; - Não existência de atividades de consultoria para implantação, nem de empresas coligadas que fazem tal serviço; - A entidade oferece algo mais que as auditorias, como por exemplo, capacitação; - Existência de Comissão de Certificação no Brasil, a fim de facilitar possíveis apelações ou esclarecimento de dúvidas. No caso de outras dúvidas, a quem devo consultar? Não hesite em nos contatar pelo telefone (11) , Ramais 103 e 105 ou consulte nossa home page: Fundação Vanzolini - FCAV 7/7

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

O que você tem com ISO?

O que você tem com ISO? O que você tem com ISO? A UU L AL A Não, caro aluno, o título da aula não está errado e nem foi cochilo do digitador ou da revisão. É isso aí: você tem tudo a ver com ISO. E existem muitas razões. Por

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA

MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA Série CNS Cadernos Técnicos MANUAL OPERACIONAL PARA COMITÊS DE ÉTICA EM PESQUISA a)em pesquisas envolvendo crianças e adolescentes, portadores de perturbação ou doença mental e sujeitos em situação de

Leia mais

3 REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NOVO MERCADO 9 SEÇÃO IV - CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA 9 SEÇÃO V - CONSELHO FISCAL DA COMPANHIA

3 REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NOVO MERCADO 9 SEÇÃO IV - CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA 9 SEÇÃO V - CONSELHO FISCAL DA COMPANHIA ÍNDICE 3 REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NOVO MERCADO 3 SEÇÃO I - OBJETO 3 SEÇÃO II - DEFINIÇÕES 6 SEÇÃO III - AUTORIZAÇÃO PARA NEGOCIAÇÃO NO NOVO MERCADO 9 SEÇÃO IV - CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA

Leia mais

Centros de Serviços Compartilhados

Centros de Serviços Compartilhados Centros de Serviços Compartilhados Tendências em um modelo de gestão cada vez mais comum nas organizações Uma pesquisa inédita com empresas que atuam no Brasil Os desafios de compartilhar A competitividade

Leia mais

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE

Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE Código ABVCAP ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Mercado de FIP e FIEE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS 3 3 7 TÍTULO II FIP/FIEE

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

[2010] Banco GE Capital S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos

[2010] Banco GE Capital S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos [2010] Banco GE Capital S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Circular 3477/2009 Banco GE Capital S/A Relatório Anual para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no.

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças

Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças 1 Análise das vantagens da implementação da norma SA 8000 em uma empresa do setor de autopeças RESUMO A responsabilidade social é uma maneira de conduzir os negócios de forma a atender as necessidades

Leia mais

5. AUDITORIA FINANCEIRA

5. AUDITORIA FINANCEIRA 5. AUDITORIA FINANCEIRA 5.1 Conceito A Auditoria Financeira tem como objeto o exame de demonstrações contábeis, bem como de seus quadros isolados, elementos, contas ou itens específicos das entidades que

Leia mais

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO NOVA CARTILHA ESCLARECEDORA SOBRE A LEI DO ESTÁGIO Ministério do Trabalho e Emprego Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo André

Leia mais

faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39

faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39 faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39 faq_apdz_2012_rev2.indd 2 01/06/12 11:39 Apresentação Seja bem-vindo ao Programa Aprendiz Legal! O Aprendiz Legal atende a milhares de jovens em todo o Brasil,

Leia mais

GUIA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GUIA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GUIA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 1 Inspire-se, acredite em você e... sucesso! 2 G UIA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ninguém entra em um jogo para perder, certo?

Leia mais

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica:

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica: A FACIAP tem grande interesse na constituição de novas ACEs, assim como no desenvolvimento das que já estão atuando. Para encurtar caminhos e auxiliar novas lideranças que estão assumindo as ACEs e para

Leia mais

A AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE IMÓVEIS UMA ABORDAGEM INTEGRADA PARA O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS

A AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE IMÓVEIS UMA ABORDAGEM INTEGRADA PARA O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS A AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE IMÓVEIS UMA ABORDAGEM INTEGRADA PARA O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS DOCUMENTO DE CONSULTA DEZEMBRO 2013 2 ÍNDICE 1. O OBJETO DA CONSULTA... 4 2. O PROCESSO DE CONSULTA... 5

Leia mais

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Sumário Introdução... 4 1. O que é o Pregão... 7 Bens e Serviços Comuns... 8 Base Legal... 9 2. Fase Preparatória... 10 Autoridade Competente... 11 Instauração

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP 1 ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP Supervisora Geral Profª Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves Diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis FMP Prof. Paulo Cesar Guimarães Diretora da Faculdade

Leia mais

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS S 2013 1 APRESENTAÇÃO As normativas

Leia mais

4. Empresas estatais estão definidas na NBC TSP 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis.

4. Empresas estatais estão definidas na NBC TSP 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis. NBC TSP 26 - Redução ao Valor Recuperável de Ativo Gerador de Caixa Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir os procedimentos que uma entidade adota para determinar se um ativo gerador de caixa sofreu

Leia mais

O Brasil e os Transportes Rodoviários: Uma visão sobre Gestão de Riscos e Alta Performance na Cadeia de Suprimentos. ABRALOG / Accenture

O Brasil e os Transportes Rodoviários: Uma visão sobre Gestão de Riscos e Alta Performance na Cadeia de Suprimentos. ABRALOG / Accenture O Brasil e os Transportes Rodoviários: Uma visão sobre Gestão de Riscos e Alta Performance na Cadeia de Suprimentos ABRALOG / Accenture Setembro de 2012 Conteúdo Contexto...4 Simpósio...6 Perspectivas...10

Leia mais

DIRETRIZES PARA COMBATER O CONLUIO ENTRE CONCORRENTES EM CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE

DIRETRIZES PARA COMBATER O CONLUIO ENTRE CONCORRENTES EM CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE DIRETRIZES PARA COMBATER O CONLUIO ENTRE CONCORRENTES EM CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE FEVEREIRO DE 2009 1 DIRETRIZES PARA COMBATER O CONLUIO ENTRE

Leia mais

MPE MPE MPE O CAMINHO PARA TER SUCESSO NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA DE RISCO AVALIAÇÃO ESCLARECIMENTO PEDIDO DE

MPE MPE MPE O CAMINHO PARA TER SUCESSO NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA DE RISCO AVALIAÇÃO ESCLARECIMENTO PEDIDO DE O CAMINHO PARA TER SUCESSO NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA PASSO A PASSO PARA MONTAR UMA LICITAÇÃO 1º - Procure o Sebrae AVALIAÇÃO DE RISCO SUBCONTRATAÇÃO COMPULSÓRIA DE COM PAGAMENTO DIRETO REGULAMENTAÇÃO LOCAL

Leia mais

GUIA DO DIREITO À SAÚDE

GUIA DO DIREITO À SAÚDE GUIA DO DIREITO À SAÚDE Sistema Público de Saúde (SUS), medicamentos e planos de saúde Abril/2006 ÍNDICE 1. Apresentação... 4 2. O sistema público de saúde... 5 2.1. Introdução... 5 2.2. Perguntas e respostas

Leia mais

Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO)

Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO) www.pwc.com.br Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO) Início de uma nova década de crescimento A Nova Bolsa Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO) 1 2 PwC BM&FBOVESPA Índice i

Leia mais

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com a Casa do Contabilista de Ribeirão Preto Conselho Deliberativo Presidente: Fábio Meirelles (FAESP) ACSP Associação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA NOS NEGÓCIOS ÍNDICE USO ADEQUADO DE BENS E INFORMAÇÕES Nosso compromisso 3 Nosso objetivo e nossos valores 4 A quem o código se aplica 5 O que os funcionários devem fazer 6 O

Leia mais