Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DO RAIO DE ATUAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PEQUENOS ANIMAIS APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Dinâmica os Sistemas Agroalimentares e Caeias Agroinustriais LUIZA CARNEIRO MARETI VALENTE 1 ; JOSÉ VICENTE CAIXETA FILHO 2. 1.UFF, NITERÓI - RJ - BRASIL; 2.ESALQ/USP, PIRACICABA - SP - BRASIL. Determinação o raio e atuação e otimização o serviço e transporte e pequenos animais Grupo e Pesquisa: ESTRUTURA, EVOLUÇÃO E DINÂMICA DOS SISTEMAS AGROALIMENTARES E CADEIAS AGROINDUSTRIAIS Resumo No Brasil, o mercao e proutos pet em 2008 teve um faturamento e 9 bilhões e reais. Teno em vista o crescente número e petshops principalmente nos centros urbanos, este trabalho pesquisou o raio e atuação e o custo e transporte os animais aos estabelecimentos e banho e tosa no bairro e Botafogo, ciae o Rio e Janeiro. Os resultaos mostraram que consierano o tempo máximo por viagem e 40 minutos, um estabelecimento com pessoas para buscar os animais a pé tem o raio máximo e atuação e 1,5 quilômetros. Se este possui bicicleta o raio máximo é e 2 quilômetros e se possui carro, e 20 quilômetros. O meio e transporte mais barato foi a bicicleta, seguio e carro e por último uma pessoa a pé. Em geral, os estabelecimentos não ispõem e transporte por carro, mas no estuo e caso realizao, a substituição o transporte à pé pelo transporte e carro, reuziria em 7,7% os custos o ia analisao. Palavras-chaves: pequenos animais, petshop, transporte, programação linear. Range of action an pet transportation service optimization Abstract Brazilian market of pet proucts in 2008 ha sales of 9 billion reais. Given the increasing number of pet shops mainly in urban centers, this stuy analyze the range of action an the cost of transporting animals to Pet bath an grooming facilities in Botafogo, Rio e Janeiro. The results shows that consiering a maximum time per rie of 40 minutes, a person on foot has the maximum range of action of 1.5 kilometers. If it is use a bike the maximum range is of 2 kilometers an by car of 20 kilometers. The cheaper transportation was a bicycle, followe by a car an finally a person on foot. In general, pet facilities o not have transportation by car, but in the case stuy carrie out, the shift from walking for transport by car, woul reuce the costs in 7.7% in the ays analyze. Key Wors: pet animals, pet shops, transportation, linear programming. Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 1

2 1. INTRODUÇÃO A população e animais é grane em vários países o muno. No Canaá, 53% os lares têm pelo menos um cão ou um gato. Acreita-se que este país tenha aproximaamente 8,5 milhões e gatos e 6 milhões e cães (PERRIN, 2009). Na Irlana, recente estuo apontou a presença e pelo menos um gato em 10,5% os lares e pelo menos um cão em 35,6%. Daos mais etalhaos são provenientes os Estaos Unios, one 62% os lares possuem pelo menos um animal e companhia o que resulta em um total aproximao e 77,5 milhões e cães e 93,6 milhões e gatos (AVMA,2009). A estimativa essa população é importante para inicar o potencial o mercao e proutos e serviços para pequenos animais. Para os Estaos Unios, estima-se que em 2009 seam gastos 45 bilhões e ólares com a inústria pet (AVMA, 2009). No Brasil, a estimativa mais confiável a população e animais é a Associação Nacional os Fabricantes e Alimentos para Animais e Estimação (ANFAL Pet). Seguno essa entiae, existem aproximaamente 32 milhões e cães e 16 milhões e gatos. Esses números levam o país ao seguno lugar em população e cães e gatos e ao sétimo em faturamento com o mercao pet. O mercao e proutos pet em 2008 teve um faturamento e 9 bilhões e reais. Destes, o gasto com serviços foi e 21% e com equipamentos e acessórios e 9% (ANFALPet, 2009). Acreita-se que o mercao e prouto pet sea mais esenvolvio nos maiores centros urbanos one os animais e companhia são trataos com maior cuiao pelos seus onos. Além isso, estuo recente apontou um crescimento e 60% a população e cães e e 152,17% a população e gatos na ciae e São Paulo, enquanto a população humana cresceu apenas 3,5%. O mesmo estuo afirma que na ciae e São Paulo existe um cão para caa 4,5 moraores e um gato para caa 19 em méia (Oa, 2009). Assim, este trabalho pretene estuar uma parte este novo mercao no Brasil. Escolheu-se o estao o Rio e Janeiro por ter relevante participação nesse mercao. Seguno aos o Caastro Central e Empresas (IBGE,2007) o Rio e Janeiro é o seguno estao em número e empresas e ativiaes veterinárias com 295 empresas e 1024 pessoas ocupaas, São Paulo é o primeiro com 690 estabelecimentos e 2007 pessoas ocupaas. Na capital, optou-se zona sul, pela grane concentração estabelecimentos que oferecem tais serviços. Pretene-se, especificamente, estuar o serviço e transporte e pequenos animais aos estabelecimentos pet (ou petshops ) para banho ou tosa. As petshops na região estuaa que oferecem os serviços e banho e tosa, geralmente ispõe e transporte gratuito os animais até a loa. Este transporte é realizao a pé ou e bicicleta. Animais e porte grane só são transportaos a pé pois não cabem na caixa e transporte instalaa nas bicicletas. Não foi encontraa nenhuma petshop que oferecia este transporte por carro, apesar e existirem vários veículos aaptaos para o transporte esses animais circulano e ofereceno seus serviços pela ciae. Pesquisano-se na bibliografia isponível, não foi encontrao nenhum tipo e trabalho específico ao tema e transporte e animais e companhia. Desta forma, este estuo pretene em primeiro lugar, eterminar o raio e atuação esses estabelecimentos em função a istância máxima percorria pelos seus serviços e transporte e em quanto a introução e um carro poe ampliar essa istância. Esta análise será feita em conunto com a análise e custos provenientes e caa tipo e transporte. Além isso, será feito um Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 2

3 estuo e caso visano minimizar os custos e transporte em um os ias mais movimentaos e um estabelecimento e banho e tosa na região estuaa. A metoologia utilizaa foi a e programação linear. Para isso, este trabalho está iviio em outras quatro partes além esta introução. A seguir encontra-se uma revisão e literatura sobre a utilização e moelos e programação lineares para otimização e transportes em geral. Em seguia, são apresentaos os moelos criaos e utilizaos neste trabalho. A quarta parte trás os resultaos e a última, a conclusão. 2.MODELOS DE TRANSPORTE Uma função econômica atribuía ao transporte é a possibiliae e expanir mercaos. Um sistema e transporte eficiente eve ter transporte baixo custo, confiabiliae e rapiez (MARTINS e CAIXETA-FILHO, 2001). O sistema e transporte também tem importante papel e romper monopólios provocaos pelo isolamento geográfico, o que permite que a área e atuação as empresas se expana. No caso o transporte e animais e companhia, o sistema e transporte utilizao terá a capaciae e trazer os animais os clientes à empresa, o que aumenta a clientela potencial o estabelecimento, visto que muitos onos trabalham urante o ia e não teriam tempo para levar seus animais às pet-shops. Além isso, permite maior competição entre as empresas, reuzino a variação e preços os serviços. Apesar isso, a reução nos custos o transporte leva à reução no custo o serviço, aumentano a rentabiliae os empreenimentos. A competição entre toos os prestaores o mesmo tipo e serviço é promovia pela melhoria os transportes: um estabelecimento mais istante é capaz e competir com outros mais próximos se seus custos são comparativamente inferiores. Para a análise e reução os custos e transporte, muitos autores utilizam a metoologia e programação matemática. Na pesquisa bibliográfica realizaa não foi encontrao estuo que tratasse especificamente o transporte e animais e companhia, mas existem estuos tratano a escolha o melhor meio e transporte e a reução os custos principalmente relacionaos à caeias agroinústrias. Alguns exemplos no Brasil. envolvem estuos e caso e proução e logística e carne e frango, açúcar e álcool, flores, suco concentrao e larana, são eles: Taube (1996), Yoshizaki et al. (1996), Colin et al. (1999), Munhoz & Morabito (2001a, 2001b), Caixeta-Filho et al. (2002) e Paiva & Morabito (2006). Fonseca e Silva (2005) esenvolveram um estuo que envolvia roteirização e moo a reuzir os custos e transporte e uma cooperativa e leite, visano recolher o máximo possível e leite e 18 zonas e istribuição e moo a suprir toa a capaciae e 18 usinas e processamento localizaas no Distrito Feeral, Goiás e Minas Gerais. O plano e istribuição sugerio foi capaz e reuzir os custos totais e transporte por ia em 16,53%. Existe também o chamao transporte urbano e cargas que poe ser efinio como a organização o eslocamento e proutos entro o território urbano (DABLANC, 1997). Um termo mais novo é City Logistics e pretene tratar além as preocupações a logística urbana, o aumento e congestionamento, poluição, ruío e outros muitos fatores e tenta conciliar tuo com uma intervenção otimizaora as ativiaes e proceimentos Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 3

4 que visam ao bem estar global o ambiente urbano. Seguno tal conceito, o sistema e transportes aborao neste estuo é classificao com elivery com recepção assistia, pois em geral, é necessária a presença e uma pessoa na resiência para receber o animal. 3.METODOLOGIA A metoologia utilizaa foi a programação linear inteira. Essa é a metoologia mais inicaa ao que esperava-se como resultao uma variável binária que inicaria qual veículo seria utilizaa para buscar caa animal em seu omicílio. Os cálculos foram realizaos por meio o software GAMS-IDE. 3.1 O moelo matemático Para atingir os obetivos propostos, foram esenvolvios ois moelos. O primeiro para eterminar o raio ótimo e atuação e o seguno para otimizar too o transporte realizao em ia no estabelecimento estuao. O seguno moelo é erivao o primeiro Moelo e otimização por viagem A função obetivo a ser minimizaa nesse moelo é a função e custo total as viagens. A formulação o moelo é aa por: Z G * E * H / A G * C * H (1) = + As variáveis e parâmetros utilizaos são: Z é o custo total ; G é ummy para se o transporte ocorre com o veículo ao omicilio ; E é o custo o transporte por hora; H é a istância total o omicílio à empresa (istância multiplicaa por 2 para consierar a ia e a volta em caa viagem); A é a velociae méia e caa veículo; C é o custo o transporte por quilômetro. A primeira parte a equação G * E * H / A refere-se ao custo total o transporte por hora. Nesta parte os custos horários totais são calculaos como a soma os gastos com funcionários (salário e encargos) com a epreciação o veículo. A seguna parte a equação G * C * H refere-se ao valor gasto por quilômetro roao, somano-se o combustível à manutenção o veículo. As restrições incluías no moelo foram: G H / A 0,66 (2) Que restringe o tempo total a viagem à 40 minutos (ou 0,66 hora). Tal restrição é necessária para evitar que o animal se estresse urante o transporte à empresa ou resiência (ficano no máximo 20 minutos no traeto). G 1 (3) Que obriga que pelo menos uma viagem sea realizaa até caa omicílio. Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 4

5 Como não havia limitações e oferta e serviços ou viagens o veiculo o moelo para minimizar a soma total as viagens, minimizou o custo iniviual e caa viagem. As istâncias utilizaas variaram e 0,5 à 8 quilômetros (com intervalos e 0,5 quilômetro) apenas para eterminar até qual istância caa veiculo poe ir seno economicamente eficiente. Como cães e porte grane não poem ser transportaos por bicicletas, essa simulação foi executaa uas vezes. Na primeira, os moais possível foram: uma pessoa à pé, e bicicleta ou e carro significano o transporte e animais e pequenos ou méio porte. Na seguna os moais existentes eram apenas uma pessoa à pé ou e carro, inicano o transporte e animais e grane porte Otimização os transportes a empresa estuaa. Para a formulação o seguno moelo aproveitou-se em grane parte a primeira formulação, aicionano-se as restrições pertinentes à empresa estuaa. Assim, o moelo esenvolvio tinha a seguinte função obetivo a ser minimizaa: = CTT CT * G (4) Em que: CTT é o custo total o transporte, que é a variável a ser minimizaa, G é a ummy que inica qual veículo leva à qual omicílio, CT é o custo o transporte e caa veiculo ao omicílio e é ao pela equação: CT = E * 2* H / A + C * 2 * H (5) Em que: E é o custo o transporte por hora; H é a istância total o omicílio à empresa (istância multiplicaa por 2 para consierar a ia e a volta em caa viagem); A é a velociae méia e caa veículo; C é o custo o transporte por quilômetro. As istâncias os omicílios à empresa estão multiplicaas por 2 pois são necessárias uas viagens para caa omicílio: uma para buscar o animal e outra para entregá-lo. As restrições incluías no moelo foram: G = n (6) Em que n é o número e omicílios que emanam o serviço. Esta restrição faz com que toos os omicílios que emanam o serviço seam atenios. G = 1 (7) Esta restrição faz com que caa omicílio sea atenio por apenas um veículo. G bicicleta. = 0 apenas se B =1 (8) A variável B tem valor 1 se o animal à ser transportao é e porte grane. Esta restrição impee que um animal grane sea transportao por bicicleta. G * 2 * H / A DMP (9) Em que DMP, a istância máxima percorria por veículo é aa por: Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 5

6 DMP = NV A *8 (10) * Esta restrição restringe a somatória o tempo e viagens os veículos à no máximo 8 horas por ia. G NMS (11) Equação que inica o número e transportes realizaos eve ser menor ou igual ao número máximo e serviços (NMS) que poe ser oferecio pela empresa. Para este estuo e caso o NMS foi 25. G H / A 0,66 (12) É a mesma equação o primeiro problema e restringe caa viagem à no máximo 40 minutos. 3.2 Coleta e aos A coleta e aos para esse trabalho ocorreu entre os ias 02 e 04 e ezembro e 2009 e foi realizaa em ois estabelecimentos que prestam serviços e banho e tosa e transportam os animais à pé ou e bicicleta. Ambos eram localizaos no bairro e Botafogo, Rio e Janeiro (RJ). O bairro foi escolhio por se localizar na Zona Sul a ciae, local one acreita-se há maior emana por esse tipo e serviço, ao que a rena os moraores é mais elevaa. Para a obtenção os valores referentes ao transporte os animais e carro, fez-se contato telefônico com uma empresa e taxiog que atene, em sua maioria, moraores a Zona Sul a ciae. Um os estabelecimentos concorou em fornecer os aos necessários à realização o estuo e caso. Nesse caso, a istância entre o estabelecimento e os omicílios foi calculaa por um site que oferece e roteamento gratuito. Os principais valores utilizaos nesse estuo são apresentaos na tabela a seguir. Tabela 1 Principais parâmetros utilizaos no estuo Moal Velociae méia (km/h) Custo por quilômetro (combustível + manutenção) Custo por hora (salários+ encargos + epreciação) A pé 4,5 0,00 6,3 Bicicleta 6,0 0,03 6,39 Carro 60 1,00 11,69 Fonte: aos a pesquisa 4 RESULTADOS 4.1 Raio ótimo e atuação e caa veiculo Para a eterminação o raio ótimo e atuação e caa veículo foi simulaa a situação e entrega em 16 omicílios com istâncias totais (ia e volta) até o estabelecimento variano e 0,5 a 8 km. Os custos calculaos para caa moal são apresentaos na tabela a seguir. Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 6

7 Tabela 2 Custos totais e transporte por moal, moal escolhio e tempo a viagem. Distância Custo por moal (em R$) Moal Tempo a viagem (em Km) A pé Bicicleta Carro escolhio (em horas) 0,5 0, Bicicleta , Bicicleta ,5 2, Bicicleta Bicicleta , Bicicleta Bicicleta , Bicicleta Bicicleta , Carro Carro , Carro Carro , Carro Carro , Carro Carro Fonte: resultaos a pesquisa O moal escolhio foi selecionao como seno o e menor custo. Observa-se que o transporte e bicicleta é apenas válio até a istância e 4 km. Após essa istância, o tempo total e viagem supera o limite máximo estabelecio e 40 minutos (ou horas). Nesse caso, a seguna opção mais barata é o transporte e carro. Esse limite máximo foi observao nas entrevistas nos estabelecimentos (que variava e 30 à 40 minutos). Locais com istâncias maiores não são atenios pelo serviço e busca e entrega e animais. O transporte por bicicleta só é válio para animais e pequeno e méio porte. Animais e grane porte só poem ser transportaos a pé ou e carro. Como o valor o transporte não mua, a opção e transporte por carro seria a mais vantaosa. Com relação ao raio e atuação os moais, um estabelecimento que só possua entregaores a pé é capaz e buscar animais até um raio e 1,5 km (percorreno no máximo 3 km por viagem), seguno a restrição e tempo máximo estabelecia, ao custo e R$ 4,20 reais por viagem. Uma bicicleta é capaz e alcançar um raio máximo e 2 km (4 km por viagem) ao custo e R$ 4,38 e um carro é capaz e alcançar um raio e até 20 km ao custo e R$ 23,90. Uma representação gráfica o raio e atuação esses meios e transporte é apresentaa na figura 1. Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 7

8 Figura 1 Representação esquemática o raio máximo e atuação o serviço e busca e pequenos animais por veículo utilizao. Fonte: Elaboração os autores Um resultao inesperao foi o fato e a busca e animais a pé não é mais vantaoso para nenhuma istância. Isso se eve ao fato e que os gastos extras com manutenção e epreciação com a bicicleta são mais baratos que o tempo economizao pelo funcionário, á que ambos os funcionários recebem o mesmo salário. Outro ponto é que os estabelecimentos e banho e tosa não ispõe e automóveis para o serviço e busca. Em entrevista com um os profissionais que oferece esse serviço, este eclarou que ao iniciar o negócio esperava que um grane volume e seu tempo fosse ocupao com banho e tosa, mas como o transporte é geralmente oferecio incluío no preço o serviço, praticamente não há emana para o transporte por carro. Aina seguno o entrevistao, a maior emana é para levar animais à consultas e exames, viagens, muanças e serviços funerários. 4.2 Estuo e caso Em seguia foi realizao um estuo e caso visano calcular e reuzir (se possível) os custos e transporte e um estabelecimento que presta esse tipo e transporte Caracterização a empresa A empresa estuaa se localiza no bairro e Botafogo, na ciae o Rio e Janeiro. Começou há 12 anos quano sua proprietária fazia banhos e tosa à omicilio. Está localizaa há 5 anos em uma casa one atene os animais e seus clientes. A empresa oferece os serviços e banho, tosa e hospeagem (apenas para os clientes caastraos). Tem uma equipe e 4 funcionários mais a ona (que faz tosa nos animais). Dos quatro funcionários, ois são responsáveis principalmente pelo transporte os animais e serviços e menor complexiae. Hoe, possui aproximaamente 500 clientes fixos. Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 8

9 É capaz e atener e 25 a 30 animais por ia e funciona 6 ias por semana (e seguna à sábao). Os ias e maior movimento foram apontaos como seno segunafeira, quarta-feira, sexta-feira e sábao nos quais sua oferta e serviços é esgotaa. Para o transporte e animais, possui uas bicicletas: uma com uma caixa méia (para transporte e animais até 15 quilos) e outra com uma caixa méia na frente e uma caixa pequena (para transporte e animais até 6 quilos) atrás. A regra utilizaa é a seguinte: transporta os animais pequenos e méios e bicicleta e os e grane porte a pé Otimização o transporte Para a aplicação o seguno moelo esenvolvio, foram coletaos os aos e porte e istância os animais atenios na quarta-feira (02/12/2009). O resultao a otimização para a situação atual coinciiu a regra e transporte que a empresa usa. Foi então feita uma simulação para saber se a isponibilização e um carro para este serviço seria capaz e reuzir os custos e transporte iários. Os resultaos a situação atual e a simulação estão apresentaos na tabela a seguir. Tabela 3 - Resultaos a otimização para o estuo e caso Domicílios Distâncias Tem animal grane? Veículos usaos Situação Atual Simulação 1 2,8 não bicicleta bicicleta 2 2,8 não bicicleta bicicleta 3 2,4 não bicicleta bicicleta 4 2,6 não bicicleta bicicleta 5 2,8 sim a pé carro 6 3 sim a pé carro 7 2,4 sim a pé carro 8 2,8 sim a pé carro 9 2,6 não bicicleta bicicleta 10 2 sim a pé carro 11 2,8 sim a pé carro 12 1,2 sim a pé carro 13 0,6 não bicicleta bicicleta 14 2,4 sim a pé carro 15 1,2 não bicicleta bicicleta 16 1,2 não bicicleta bicicleta 17 2,4 não bicicleta bicicleta 18 2,6 não bicicleta bicicleta 19 2,8 não bicicleta bicicleta 20 0,6 não bicicleta bicicleta 21 2 sim a pé carro Custo total o transporte 113,79 105,01 Fonte: Elaboração a autora Com esses resultaos observa-se que os custos o transporte o ia estuao eram e R$ 113,79. A isponibilização e um carro para fazer o transporte os animais seria capaz e reuzir os custos para R$ 105,01 (uma reução e 7,7%). Isso ocorreria, pois o transporte a pé seria substituío pelo transporte e carro. Como as istâncias atenias são Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 9

10 pequenas, o carro é capaz e buscar os animais muito mais rápio, o que também geraria maior conforto para os animais. Os onos esse tipo e empreenimento poem optar por pagar um serviço terceirizao ou isponibilizar um veiculo a própria empresa para fazer esse serviço. Um carro também seria capaz e aumentar o raio e atuação a empresa como estuao na primeira parte este artigo. Entretanto, como a oferta e serviços está praticamente completa, o aumento o raio e atuação a empresa não é o obetivo nesse caso. 5 CONCLUSÕES Os serviços e transporte são uma parte importante os custos as petshops por serem fornecios unto com o serviço e banho e/ou tosa. Por esse motivo, se não forem bem planeaos poem comprometer o lucro as empresas. Assim, este trabalho avaliou as possibiliaes e transporte isponíveis e seus custos. Mostrou-se que o transporte os animais por bicicleta é o mais barato. Entretanto este transporte não poe ser utilizao para transporte e animais e grane porte. Para esses animais, as empresas isponibilizam o transporte a pé. Entretanto, como apontao nesta pesquisa, este é o meio mais caro os três utilizaos. O transporte com carros é o seguno mais barato evio à reução e tempo que este proporciona. Além isso, a isponibilização e um carro poe aumentar em 10 vezes o raio e atuação essas empresas. Uma as limitações o moelo utilizao é não permitir o aproveitamento os trechos realizaos vazios para transporte e animais e iferentes omicílios além e não consierar que as viagens poem levar vários animais que moram próximos uns os outros. Para tal, sugere-se que em uma futura aboragem este problema, sea feito um moelo que inclua a roteirização os traetos o estabelecimento estuao aos omicílios o que eliminará as limitações o presente moelo além e permitir maior reução nos custos. 6 BIBLIOGRAFIA American Veterinary Meicine Association (AVMA) National Pet Owner Survey. Disponível em Acesso em 2 ez ANFALPET. Setor e Pet foo (alimentos para animais e companhia) teve crescimento negativo em Disponível em: Acesso em:04 ez CAIXETA-FILHO, J. V.; SWAAY-NETO, J. M. V.; WAGEMAKER, A. P.; Optimization of the Prouction Planning an Trae of Lily Flowers at Jan e Wit Company; Interfaces, v. 32, n. 1, p , COLIN, E. C.; CIPPARRONE, F. A. M.;SHIMIZU, T. Otimização o custo e transporte na istribuição-armazenagem e açúcar. Proução, v. 9, n. 1, p , Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 10

11 DABLANC, L. Entre olice et service L action public sur lê transport e merchanises em ville: Lê cãs e metrópoles e Paris et New York. Tese e outorao. École nationale ês ponts et chaussées p. FONSECA, A.P; SILVA, E.P. DE LA S. Planeamento o sistema logístico e istribuição e leite. In: BOTELHO FILHO, F.B. (org.) Estuos Rurais. Brasília: Universiae e Brasília, Centro e Estuos Avançaos Multiisciplinares, Núcleo e Estuos Avançaos. v.5, n.20, p. Instituto Brasileiro e Geografia e Estatística (IBGE). Caastro Geral e Empresas(2007). Disponível em: Acesso em 11 ez MARTINS, R. S.; CAIXETA-FILHO, J.V. Evolução histórica a gestão logística o transporte e cargas. In.CAIXETA-FILHO, J.V.; MARTINS, R.S. (org). Gestão Logística o transporte e Cargas. São Paulo: Atlas, p. MUNHOZ, J. R.; MORABITO, R. A goal programming moel for frozen concentrate orange uice prouction an istribution system. OPSEARCH, v. 38, n. 6, p , 2001b. MUNHOZ, J. R.; MORABITO, R. Um moelo baseao em programação linear e programação e metas para análise e um sistema e proução e istribuição e suco concentrao congelao e larana. Gestão & Proução, v. 8, n. 2, p , 2001a. ODA, F. São Paulo ganhou 900 mil cães e 350 mil gatos em apenas seis anos. Jornal a Tare. 28 e novembro e Disponível em: Acesso em 04 ez PAIVA, R. P. O.; MORABITO, R. Um moelo e otimização para o planeamento agregao a proução em usinas e açúcar e álcool. Gestão & Proução, PERRIN, T. The business of urban animals survey: the facts an statiscs on companion animals in Canaá. Canaian Veterinary Journal, v.50 p TAUBE, M. Integrate planning for poultry prouction at Saia, Interfaces, v. 26,p , YOSHIZAKI, H. T. Y.; MUSCAT, A. R. N., BIAZZI, J. L. Decentralizing ethanol istribution in southeastern Brazil. Interfaces, v. 26, n. 6, p , Campo Grane, 25 a 28 e ulho e 2009, Socieae Brasileira e Economia, Aministração e Sociologia Rural 11

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1 Avaliação a Ativiae Reproutiva e Ativiae Trófica a Ictiofauna o Rio Negro, Pantanal, MS Vitor Simão Galletti, Fábio Eir os Santos Costa, Sinei Euaro Lima Junior Resumo: Este trabalho foi elaborao visano

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS DISSERTAÇÃO TÁBUAS SELETAS DE MORTALIDADE: COMPORTAMENTO DA

Leia mais

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia Análise a Capaciae e um squema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimíia Vitor Rocha e Carvalho * e Celso e Almeia Departamento e Comunicações FC UNICAMP Caixa Postal:, CP: 33-97, Campinas SP e-mail: vitorc@ecom.fee.unicamp.r,

Leia mais

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada

Méritos comparativos da Cromatografia em Fase Líquida de Alta Eficiência em escala convencional e minituarizada Rev. Bras. Farm. 9(): 44-50, 0 ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW Méritos comparativos a Cromatografia em Fase Líquia e Alta Eficiência em escala convencional e minituarizaa Comparative merits of conventional

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

Risk attitudes in self-service restaurants

Risk attitudes in self-service restaurants ORIGINAL ORIGINAL ATITUDES DE RISCO EM RESTAURANTES DE AUTO-SERVIÇO 9 Atitues e risco o consumior em restaurantes e auto-serviço Risk attitues in self-service restaurants Renata Puppin ZANDONADI Raquel

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz EFEIO ESABILIZANE DE ELO DE CORRENE CONÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISEMAS DE RANSMISSÃO EM CORRENE ALERNADA Walenir Alexanre a Silva Cruz ESE SUBMEIDA AO CORPO DOCENE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Vanina Macowski Durski Silva 1 Sérgio Adriano Loureiro 2 Antonio Galvão Novaes 3 Antonio Sérgio Coelho 3

Vanina Macowski Durski Silva 1 Sérgio Adriano Loureiro 2 Antonio Galvão Novaes 3 Antonio Sérgio Coelho 3 P&D em Engenharia e Proução, Itajubá, v. 10, n. 2, p. 208-222, 2012 Introução o conceito e gestão transporte colaborativo entre empresas manufatureiras e transportaores marítimos utilizano a aboragem e

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry

A primeira gama de rolamentos para uso extremo disponível como padrão. SNR - Industry A primeira gama e rolamentos para uso extremo isponível como parão. SNR - Inustry I N U S T R Y TN21Ra:TN21Fc 2/04/08 16:04 Page 2 Uma gama aaptaa para as aplicações mais exigentes. Uma gama técnica testaa

Leia mais

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue Moelos Epiemiológicos Acoplaos para a Dinâmica a Transmissão a Dengue Ana Carolina Simoneto 1, Rogério Luis Rizzi 1 1 Colegiao o Curso e Matemática - Centro e Ciências Exatas e Tecnológicas a Universiae

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP

MAIO/JUNHO de 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESCOLA POLITÉCNICA - USP ANO XII n 56 MAIO/JUNHO e 2005 INFORMATIVO DA FUNDAÇÃO ARLOS ALBERTO VANZOLINI - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ESOLA POLITÉNIA - USP 2 ENTREVISTA Terceirização e TI Executivo o setor e telecomunicações

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade

Redes especiais para abastecimento de água Sistema de tubagens PP-R. Garantir a fiabilidade Rees especiais para abastecimento e água Sistema e tubagens PP-R Garantir a fiabiliae Rees especiais para abastecimento e água Proteger a fonte A água é fonte e via e conforto. Criar um sistema e tubagens

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE FUZZY - SENSORLESS APLICADO AO MOTOR DE

CONTROLE DE VELOCIDADE FUZZY - SENSORLESS APLICADO AO MOTOR DE CONTROLE DE VELOCIDADE FUZZY - SENSORLESS APLICADO AO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO William César e Anrae Pereira, Carlos Matheus Rorigues e Oliveira, Geyverson Teixeira e Paula, Thales Eugenio Portes e Almeia,

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva

Leia mais

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching imulação para Ensino a Teoria as Restrições imulation for Theory of Constraints Teaching Júlio César Bastos e Figueireo, Dr. Escola uperior e Propagana e Marketing - EPM jfigueireo@espm.br --Recibio para

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga

Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga Uma heurística para guiar os usuários a Internet baseaa no comportamento a formiga Wesley Martins Teles, Li Weigang, Célia Gheini Ralha 1 Departamento e Ciência a Computação Universiae e Brasília (UnB)

Leia mais

Mecanismos básicos de Propagação

Mecanismos básicos de Propagação Mecanismos básicos e Propagação Reflexão: Ocorre quano a ona propagaa se encontra com objetos muito granes quano comparaos com o comprimento e ona; Difração: Ocorre quano o caminho entre o transmissor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q:

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q: CONDENSADOR Capaciae eléctrica O potencial eléctrico e um conutor esférico e raio R, e carga eléctrica : 1 4 R cont. 4 R te C A carga e o potencial são granezas irectamente proporcionais. C epene apenas

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS AUTORES Ariano Firmino V. e Araújo. Doutor em Economia pelo Programa e Pós-Grauação

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação.

Caracterização da propagaçã o de redes de sensores sem fio em ambientes industriais utilizando a RSSI como parâmetro de avaliação. Caracterização a propagaçã o e rees e sensores sem fio em ambientes inustriais utilizano a RSSI como parâmetro e avaliação. erson Roberto Luqueta Centro e Ciências Exatas, Ambientais e e Tecnologias. ontifícia

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALINE KOCHOLIK MÁRCIA CLÁUDIA MASUR INCOTE SIMULADOR FASORIAL PARA

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Aspectos ecofisiológicos de dez espécies em uma área de caatinga no município de Cabaceiras, Paraíba, Brasil

Aspectos ecofisiológicos de dez espécies em uma área de caatinga no município de Cabaceiras, Paraíba, Brasil Aspectos ecofisiológicos e ez espécies em uma área... 201 Aspectos ecofisiológicos e ez espécies em uma área e caatinga no município e Cabaceiras, Paraíba, Brasil Elizamar Ciríaco a Silva 1, Rejane Jurema

Leia mais

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga ísica ascículo 03 Eliana S. e Souza Braga Ínice Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico... Exercícios... Gabarito...4 Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico Trabalho e uma

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS a Artigo Original http://x.oi.org/0.4322/276-523.0958 DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS Antônio Ael os Santos Cristóvão Nery Giacomin

Leia mais

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas Manuel António Facas Vicente Estimação os Erros e uma Máquina Estacionária e Meição e Coorenaas Departamento e Matemática Faculae e Ciências e Tecnologia Universiae e Coimbra 1997 Estimação os Erros e

Leia mais

Transporte urbano - Táxi

Transporte urbano - Táxi Hugo Chinaglia (6451151) Isabela Gallego (6451105) Lucas Morita (6450873) Marcella Monaco Jyo (6451001) Transporte urbano - Táxi Desenvolvimento o projeto e proposta final FAU-USP 2010 Hugo Chinaglia (6451151)

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

Paralelismo de Inversores Monofásicos, Isolados ou em Conexão com a Rede, com Otimização da Resposta Dinâmica

Paralelismo de Inversores Monofásicos, Isolados ou em Conexão com a Rede, com Otimização da Resposta Dinâmica Júlio e Mesuita Filho Faculae e ngenharia - Campus e lha Solteira Programa e Pós Grauação em ngenharia létrica Laboratório e letrônica e Potência - LP Ruben Barros Gooy Paralelismo e nversores Monofásicos,

Leia mais

Comunicação sem fios. Livros recomendados

Comunicação sem fios. Livros recomendados Livros recomenaos Wireless Communications, Principles & Practice, Theoore S. Rappaport, Prentice Hall Communications Engineering an emerging Technologies Series, 1999. UMTS Networks Architecture, Mobility

Leia mais

As afirmações abaixo apontam algumas tendências do

As afirmações abaixo apontam algumas tendências do 31 GEOGRAFIA a Assinale a alternativa que explica os contrastes verificaos nos gráficos e transição emográfica a China e o Oriente Méio. a) Na China, ese a écaa e 70, a meta emográfica estabelecia pelos

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

COLORÍMETRO CR-400/410

COLORÍMETRO CR-400/410 COLORÍMETRO CR00/410 Apresentamos o sucessor o Konica Minolta CR300/310, nosso colorímetro mais venio munialmente e aceito como parão em várias inústrias. CR00 Área e meição e Ø8mm CR10 Área e meição e

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

News. Relatório da ASBIA confirma ótimos resultados da ABS Pecplan na venda de sêmen em 2009 A. anos. Uberaba, Brasil - Abril 2010

News. Relatório da ASBIA confirma ótimos resultados da ABS Pecplan na venda de sêmen em 2009 A. anos. Uberaba, Brasil - Abril 2010 nº 13 News Prezao Leitor, Temos muita satisfação ao apresentar à vocês esta eição o informativo mensal. Os resultaos positivos o Relatório a SBI, somaos aos números extraorinários a BS Pecplan, nos permitem

Leia mais

FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 24 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO. τ at = 0. τ at = 3,0. 10 5 J. τ at = 3,0. 10 2 kj.

FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 24 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO. τ at = 0. τ at = 3,0. 10 5 J. τ at = 3,0. 10 2 kj. FRENTE 1 MECÂNICA MÓDULO 4 TEOREMA DA ENERGIA CINÉTICA E MÉTODO GRÁFICO 1. (FGV-RJ-014) Uma criança cansaa e carregar um brinqueo quer entregá-lo ao pai. Para isso, precisa levantar o brinqueo e uma altura

Leia mais

Desenvolvimento de metodologia e estudo do potencial da técnica TOFD visando a inspeção e o monitoramento de equipamentos

Desenvolvimento de metodologia e estudo do potencial da técnica TOFD visando a inspeção e o monitoramento de equipamentos ISSN 57-7076 Revista Matéria, v. 4, n. 4, pp. 79 87, 2009 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo6 Desenvolvimento e metoologia e estuo o potencial a técnica D visano a inspeção e o monitoramento

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação Eimair Bottega Ebeling Análise a base e pilares pré-molaos na ligação com cálice e funação Dissertação apresentaa à Escola e Engenharia e São Carlos a Universiae e São Paulo, como parte os requisitos necessários

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais