Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel"

Transcrição

1 Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

2 O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes, com elevada eficiência, principalmente em casos de deslocamentos a médias e grandes distâncias. Apresenta, ainda, maior segurança, em relação ao modal rodoviário, com menor índice de acidentes e menor incidência de furtos e roubos.

3 O modal ferroviário consiste em transporte de carga por ferrovias, operação feita por trens que é constituído de vagões e locomotivas, esse modal apresenta um baixo custo operacional e pequeno consumo de combustível em relação ao transporte rodoviário Esse transporte é caracterizado com operação de pontos fixos, por estações e pátios de cargas, sendo competitivo em destino de carga fixa e para longas distancias, onde o transbordo é realizado na origem do destino da carga e são compensados pelo menor custo de transporte. O modal ferroviário encontra muita dificuldade em percorrer áreas de aclive e declive acentuado, ocasionando o reembarque (transbordo) de mercadorias para que as mesmas possam chegar ao seu destino, além de um elevado custo de investimento na manutenção e funcionamento de todo o sistema.

4 Transporte ferroviário é realizado sobre linhas férreas para transportar pessoas e mercadorias. Uma característica importante da linha férrea é a bitola que tem como definição a distância entre os trilhos de uma ferrovia. No Brasil, existem 3 tipos de bitola: larga (1,60m), métrica (1,00m) e a mista. Destaca-se que grande parte da malha ferroviária do Brasil está concentrada nas regiões sul e sudeste com predominância para o transporte de cargas.

5 Transporte Ferroviário Internacional O transporte ferroviário internacional oferece habitualmente uma única opção em cada rota. O exportador, de posse das informações básicas da carga a ser transportada (cubagem, peso, natureza da carga, embalagem e número de volumes), entra em contato com a companhia ferroviária para afretamento do espaço no veículo ferroviário. O transporte ferroviário internacional apresenta diferenças de bitolas das férreas, o que acaba requerendo transbordos da mercadoria ao longo do percurso. Neste modal de transporte, o conhecimento de embarque ferroviário (Rail Way Bill) é confeccionado pelas companhias ferroviárias.

6 Características do transporte ferroviário de carga no Brasil: - Grande capacidade de carga; - Adequado para grandes distâncias; - Elevada eficiência energética; - Alto custo de implantação; - Baixo custo de transporte; - Baixo custo de manutenção; - Possui maior segurança em relação ao modal rodoviário visto que ocorrem poucos acidentes, furtos e roubos. - Transporte lento devido às suas operações de carga e descarga; - Baixa flexibilidade com pequena extensão da malha; - Baixa integração entre os estados; - Pouco poluente.

7 São cargas típicas do modal ferroviário: Produtos Siderúrgicos; Grãos; Minério de Ferro; Cimento e Cal; Adubos e Fertilizantes; Derivados de Petróleo; Calcário; Carvão Mineral e Clinquer; Contêineres..

8 Descrição da malha ferroviária: Extensão da malha ferroviária brasileira: 28 mil 190 quilômetros de ferrovias (considerando as devoluções de trechos da FCA). - Carga transportada: (TU) (janeiro até abril 2014). - Quantidade de locomotivas em circulação: (em 12/11/2014). - Quantidade de vagões em circulação: (em 12/11/2014). - Segundo dados da ANTT, estão previstos R$ 91 bilhões de investimentos relacionados ao PIL nas ferrovias brasileiras nos próximos 25 anos ( ).- - Cargas típicas do modal ferroviário e principais mercadorias transportadas (TU) até setembro de 2014: minério de ferro, soja, açúcar, carvão mineral, grãos, milho, farelo de soja, óleo diesel, celulose, produtos siderúrgicos, ferro gusa. - O sistema ferroviário nacional é o maior da América Latina em

9 Contexto Físico O sistema ferroviário brasileiro totaliza quilômetros, concentrando-se nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, atendendo parte do Centro-Oeste e Norte do país. Foram concedidos aproximadamente, quilômetros das malhas.

10 Mapa do Sistema Ferroviário Nacional

11 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes O setor ferroviário participou na matriz de transporte de carga do Brasil, com o percentual de 20,86%, em 2000, considerando o total da carga transportada no país.

12

13 Malha ferroviária de Santa Catarina O foco principal é escoar a produção interna com baixo custo e alta funcionalidade: este é o grande triunfo do transporte ferroviário. Em Santa Catarina são 1365 km de estradas de ferro, em bitola de 1 metro. Outro ponto positivo na intensificação do transporte ferroviário é a absorção de parte dos veículos pesados, grandes responsáveis pela deterioração das rodovias.

14 O serviço ferroviário em Santa Catarina é realizado por duas concessionárias: ALL - América Latina Logística km; e FTC - Ferrovia Tereza Cristina km. A ALL possui quatro trechos, sendo que estão em operação 581 km utilizados no transporte de grãos, madeira e carga geral. São eles: Porto União - Marcelino Ramos (sem operação); Mafra - Porto União (sem operação); Mafra - São Francisco do Sul (Porto); Mafra - divisa do Rio Grande do Sul, via Lages. A Ferrovia Tereza Cristina localiza-se no Sul do Estado e à especializada no transporte de carvão. Ela faz o abastecimento da Usina Termoelétrica Jorge Lacerda diretamente das minas.

15 Ferrovias Planejadas Com o objetivo de ampliar a malha ferroviária, a Secretaria de Infraestrutura desenvolveu em 2003 o Estudo de Viabilidade do Sistema Ferroviário no Estado de Santa Catarina, o qual propõe duas novas ferrovias: Ferrovia Litorânea km; e Ferrovia Leste-Oeste km. O estudo da Ferrovia Litorânea indica um caminho que ligaria Imbituba a Araquari, e conectaria as ferrovias ALL e FTC, além dos quatro portos catarinenses. Por sua vez, a Ferrovia Leste-Oeste previa a ligação entre as cidades de Itajaí- e Chapeco, conectando a ALL em Ponte Alta, no Planalto Serrano e em Herval do Oeste, no Vale do Rio do Peixe. A Secretaria de Estado da Infraestrutura, em convenio com o Ministério dos Transportes, pretende realizar os projetos básicos das ferrovias planejadas.

16

17 Obrigado!!

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas 7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Vicente Abate - Presidente da ABIFER

Leia mais

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS

Leia mais

A Vale. Milhares de empregados da Vale participam. de mais de 500 comunidades ao redor do mundo. intensamente do dia-a-dia

A Vale. Milhares de empregados da Vale participam. de mais de 500 comunidades ao redor do mundo. intensamente do dia-a-dia A Vale Somos uma empresa pioneira de mineração diversificada e de logística, focada em pesquisar e produzir ingredientes essenciais e que geram produtos de uso comum, como carros, aparelhos domésticos

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução Departamento de Eng. Produção Estradas de Ferro Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 História 3 Provas ou 2 Provas (individual) 1 Trabalho ou 2

Leia mais

América Latina Logística Malha Norte

América Latina Logística Malha Norte AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - SUFER GERÊNCIA DE REGULAÇÃO E OUTORGA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro 1 INTRODUÇÃO O Brasil encontra-se num ambiente favorável de crescimento econômico nos últimos anos. A economia brasileira tem como principais forças o comércio, o setor industrial e o agronegócio. O agronegócio,

Leia mais

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Ministério dos Transportes PAULO SÉRGIO PASSOS Ministro de Estado dos Transportes Florianópolis, 27 de fevereiro de 2013 ASPECTOS NACIONAIS INFRAESTRUTURA

Leia mais

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

Construir km de ferrovias

Construir km de ferrovias Construir 4.696 km de ferrovias Entendimento: Entre 2011 e o final de 2014, o País contará com 4 956 km adicionais de trilhos de ferrovias, não incluídos os modais urbanos (trens urbanos e metrôs), bem

Leia mais

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 INFORMAÇÕES GERAIS FCA Com mais de 8 mil quilômetros de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE REDE América Latina Logística Malha Norte

DECLARAÇÃO DE REDE América Latina Logística Malha Norte DECLARAÇÃO DE REDE - 2016 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT SUPERINTENDÊNCIA DA INFRAESTRUTURA E SERVIÇO DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - SUFER GERÊNCIA DE REGULAÇÃO E OUTORGA DE INFRAESTRUTURA

Leia mais

Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL

Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL NATAL- RN 2015 INTRODUÇÃO Companhia Siderúrgica Nacional, construída entre os anos de 1942 e 1947, empresa

Leia mais

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos INFRA ESTRUTURA Unidade de Estudos Econômicos Vendas de Combustíveis - 2003 - (m 3 ) Fonte: ANP Brasil Rio Grande do Sul ÓLEO DIESEL 36.583.949 2.635.789 GASOLINA 21.539.654 1.794.099 GLP 11.385.310 789.869

Leia mais

Conhecimentos Gerais

Conhecimentos Gerais Conhecimentos Gerais Logística de Transporte no Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Gerais LOGÍSTICA DE TRANSPORTE NO BRASIL Transportes O sistema de transportes

Leia mais

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999):

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999): Prof. Andressa Caracterização Geral A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes contêm três elementos: Infraestrutura - é a malha de transporte: rodoviária,

Leia mais

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Modais de Transporte no Brasil Características dos Modais Modal Ferroviário Maior concentração das ferrovias no Brasil As ferrovias

Leia mais

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo 27/03/2014 Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE VISÃO GERAL PORTO DE SANTOS / BRASIL ÁREA DE INFUÊNCIA PORTO DE SANTOS 75 67% 56%

Leia mais

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov MRS Logística Negócios nos Trilhos Nov - 2011 Quem somos Concessionária Pública de Transporte Ferroviário, que interliga os três principais centros industriais do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas

Leia mais

Início da operação privada: 01/02/1997

Início da operação privada: 01/02/1997 Início da operação privada: 01/02/1997 Cronologia Fatos e Datas Relevantes Inclusão PND: Decreto 473 de 10/03/1992; Lei n 9.491/97 Programa Nacional de Desestatização; Contrato de Concessão e Arrendamento:

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação Objetos fixos, fluxos e rede de transporte Do ponto de vista da circulação, o espaço geográfico é uma combinação de objetos

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 451 Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS FEIXES DE DESVIOS Denomina-se comprimento útil de um desvio, a parte do desvio onde poderão

Leia mais

CLIPPING DE NOTÍCIAS

CLIPPING DE NOTÍCIAS Data: 09.02.2015 Veículo: DIARIO DO PARÁ Caderno: BRASIL Pág.:A3 Coluna: LINHA DIRETA 1- Matérias referente diretamente à Companhia ( X ) 3- Matérias de interesses da Companhia ( ) Data: 09.02.2015 Veículo:

Leia mais

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás Tópico: Segurança e Condições de Serviço Autores: Engº João Alberto

Leia mais

Perspectivas. Dezembro de 2006

Perspectivas. Dezembro de 2006 Perspectivas Dezembro de 2006 PORTO de SANTOS - Maior com plexo portuário da América do Sul - Área aproximada: 8 milhões de m 2 - TONELAGEM : Crescimento contínuo / Recorde histórico de 72 milhões tons

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE TRANSPORTE FERROVIÁRIO. Junho de 2006

EVOLUÇÃO RECENTE TRANSPORTE FERROVIÁRIO. Junho de 2006 EVOLUÇÃO RECENTE DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Junho de 2006 O processo de privatização da operação ferroviária teve início, praticamente, com a inclusão da Rede Ferroviária Federal S. A. RFFSA no Programa

Leia mais

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL

Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Seminário CNI BID TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL Custos de transporte nas exportações brasileiras: como solucionar os gargalos? Eng. Elcio Ribeiro, MSc. Uso da Terra no Brasil Área

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil e Manabi) 30 anos

Leia mais

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ José Vicente Caixeta Filho Professor Titular Depart. de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Paulo Sérgio Passos Ministro de Estado dos Transportes Brasília, 16.07.2014 Brasil e China: Economias Complementares China

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 27 de novembro de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com ANTF, membro desde setembro

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

BALANÇO DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO.

BALANÇO DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO. BALANÇO 2003-2005 DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO. No início de 2003, o Governo Federal lançou o Plano de Revitalização das Ferrovias Brasileiras, que estruturou ações de integração e adequação de toda

Leia mais

COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE

COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE Como calcular as principais taxas que compõem o frete Introdução Frete Peso Cubagem Frete Valor GRIS Pedágio Outras Taxas Contato 03 04 06

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO AS POLÍTICAS PÚBLICAS E ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERMODALIDADE EM SÃO PAULO Palestrante: MILTON XAVIER Secretaria dos Transportes 28 abr 2006 SECRETARIA DOS TRANSPORTES A demanda de transporte

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

Administração do Transporte 2008

Administração do Transporte 2008 Administração do Transporte 2008 A cadeia de suprimento começa com o cliente e sua necessidade de obter o produto. O próximo estágio dessa cadeia de suprimento é uma loja que o cliente procura. Por exemplo:

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 06 de Maio de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul - FNS

Leia mais

RUMO ALL. Reunião Anual com Investidores. Dezembro 2015

RUMO ALL. Reunião Anual com Investidores. Dezembro 2015 RUMO ALL Reunião Anual com Investidores Dezembro 2015 2 Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 01 MUDANÇA DE CONTROLE MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil

Leia mais

Cold Chain Capacity and Growth in Latin America. Jose Luis Demeterco CEO, Brado Logistica S.A.

Cold Chain Capacity and Growth in Latin America. Jose Luis Demeterco CEO, Brado Logistica S.A. Cold Chain Capacity and Growth in Latin America Jose Luis Demeterco CEO, Brado Logistica S.A. Click here to play VIDEO O INÍCIO Duas empresas pioneiras que por seis anos operaram através de contratos

Leia mais

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 Estudo de Expansão BID Estudo de Acessibilidade USP/FDTE Planejamento Estratégico da CODESP Estudo da

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos XVII Assembleia Geral da CIT 27 e 28/06/2012 - Manaus/AM Sávio Neves Diretor Institucional ANPTrilhos Presidente ABOTTc

Leia mais

O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ

O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ O IMPACTO DO PEDÁGIO NO TRANSPORTE DE GRÃOS E INSUMOS NO ESTADO DO PARANÁ CURITIBA, JUNHO DE 2011 1 INTRODUÇÃO Os objetivos do presente trabalho são mensurar os impactos das atuais tarifas de pedágio nos

Leia mais

INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE. 8º Encontro de Logística e Transportes

INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE. 8º Encontro de Logística e Transportes INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE INVESTIMENTOS PRIVADOS MODAL RODOVIÁRIO ACESSO RODOVIÁRIO OBRAS DO GOVERNO ESTADUAL ACESSO RODOVIÁRIO OBRAS DO GOVERNO ESTADUAL ACESSO RODOVIÁRIO

Leia mais

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Uso de SIG no Ministério dos Transportes CONSTRUCTION AND INFRASTRUCTURE Rio de Janeiro, 12 de Setembro de 2013 Ministério dos Transportes

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 06 MALHA FERROVIÁRIA

Leia mais

PRINCIPAIS DESTAQUES

PRINCIPAIS DESTAQUES RESULTADOS DO 1T16 Divulgação Imediata A MRS atinge marcas históricas no 1T16, com recordes de transporte tanto no Heavy Haul (minério de ferro, carvão e coque) quanto na Carga Geral (demais produtos transportados).

Leia mais

Associação de Terminais Portuários Privados. Apresentação Institucional Agosto/2016

Associação de Terminais Portuários Privados. Apresentação Institucional Agosto/2016 Associação de Terminais Portuários Privados Apresentação Institucional Agosto/2016 Um pouco da nossa história: ATP surgiu da vontade de um conceituado grupo de empresas que exploram instalações portuárias

Leia mais

São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural

São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural Agência de Notícias Brasil-Árabe - SP 30/01/2004-07:00 São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural Após a descoberta, pela Petrobras, de uma enorme jazida

Leia mais

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI

1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística. 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes. 3. Impacto Rodoanel. 4. Situação Atual no SAI Seminário: Acessibilidade ao Porto de Santos Agosto de 2010 Agenda 1. Ecorodovias Infraestrutura e Logística 2. Concessionária Ecovias dos Imigrantes 3. Impacto Rodoanel 4. Situação Atual no SAI 5. Projetos

Leia mais

Apresentação SEDE SOCIAL e MATRIZ: /

Apresentação SEDE SOCIAL e MATRIZ:  / Apresentação - 2016 SEDE SOCIAL e MATRIZ: Rua Viçosa, nº 43, sala 704/705/706/707 São Pedro Belo Horizonte MG CEP: 30330-160 www.mileniumbh.com.br / email: mileniumltda@mileniumbh.com.br IDENTIDADE ESCRITÓRIO

Leia mais

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm

Delivery x2 vs Ford Cargo 816 4x2. VW rpm + 9,10% Ford 1500 rpm Página 1 de 7 Você está em DELIVERY 8.160 4X2 Home» Caminhões Volkwagen» Delivery Olá EDUARDO VASQUES SAIR Home Empresas Caminhões Volkswagen Delivery Delivery 5.150 4x2 Delivery 8.160 4x2 Delivery 9.160

Leia mais

5 O transporte ferroviário e o escoamento da soja do Mato Grosso

5 O transporte ferroviário e o escoamento da soja do Mato Grosso 5 O transporte ferroviário e o escoamento da soja do Mato Grosso A infra-estrutura logística para o escoamento da soja tem sido considerada um dos pontos de maior gargalo neste setor, afetando a sua competitividade.

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

4 Resultados: Comparação entre modais

4 Resultados: Comparação entre modais 71 4 Resultados: Comparação entre modais 4.1 Introdução A determinação do custo de transporte de gás natural se baseou na estimativa dos custos de investimento e operacionais para diferentes combinações

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO Campo Grande MS 20/07/2012 FABIANO TOLFO Gerente de Desenvolvimento de Negócios Email: fabianotolfo@petrobras.com.br LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO AGENDA:

Leia mais

Resultados 2T12 e 1S12 Pág. 9 de 31 ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO

Resultados 2T12 e 1S12 Pág. 9 de 31 ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO Resultados e Pág. 9 de 31 ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO A ALL Operações Ferroviárias é composta de 6 concessões ferroviárias no Brasil e na Argentina, totalizando 21,3 mil km de ferrovias,

Leia mais

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Painel 4 - A Competitividade da Indústria Metroferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 12 de setembro de 2012 ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Rio de Janeiro 12 de Dezembro de 2012 Marcelo C.Carboni CBMM Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração

Leia mais

A (falta de) infraestrutura e sua influencia no Mercado Global. Tema: Escoamento de safras agrícolas

A (falta de) infraestrutura e sua influencia no Mercado Global. Tema: Escoamento de safras agrícolas A (falta de) infraestrutura e sua influencia no Mercado Global Tema: Escoamento de safras agrícolas O desafio logístico é transformar distancias físicas em distancias econômicas isto é aproximar o centro

Leia mais

,8% ,7% ,4% ,7% ,4%

,8% ,7% ,4% ,7% ,4% Fernando Seabra Mundo (mi. US$) Brasil (mi. US$) MarketShare 2010 39.719 11.043 27,8% 2011 45.698 16.327 35,7% 2012 53.183 17.248 32,4% 2013 57.444 22.810 39,7% 2014 59.005 23.277 39,4% Fonte: comtrade.un.org

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko CUSTOS LOGÍSTICOS Profª. Evelise Czerepuszko MISSÃO: O produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. Quais são as consequências da falta do produto? CONCEITO

Leia mais

1 Introdução 1.1 Apresentação

1 Introdução 1.1 Apresentação 1 Introdução 1.1 Apresentação O Brasil é, notoriamente, um país com características geográficas favoráveis ao cultivo de produtos agrícolas. O primeiro registro dos predicados agrícolas desta terra data

Leia mais

1 Dimensionamento de Frota

1 Dimensionamento de Frota 1 Dimensionamento de Frota DESENVOLVA UM MODELO DE SIMULAÇÃO COM N CAMINHÕES QUE CIRCULAM ENTRE UMA FÁBRICA E PORTO. TANTO NA FÁBRICA COMO NO PORTO ESSES CAMINHÕES PASSAM POR UM PROCESSO DE PESAGEM NA

Leia mais

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística. Marinha Mercante Brasileira X Burocracia

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística. Marinha Mercante Brasileira X Burocracia Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Marinha Mercante Brasileira X Burocracia Luís Fernando Resano Vice-Presidente Executivo do Syndarma Sindicato Nacional das Empresas de Navegação

Leia mais

ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO

ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO Resultados Página 9 de 29 ALL OPERAÇÕES FERROVIÁRIAS DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO A ALL Operações Ferroviárias é composta de 6 concessões ferroviárias no Brasil e na Argentina, totalizando 21,3 mil km de ferrovias,

Leia mais

Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP

Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP Desenvolvimento do Modal Ferroviário FIESP Julho/2015 Principais Investimentos da MRS em São Paulo Julho/2015 Para suportar o crescimento futuro a MRS vem realizando investimentos significativos como forma

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil 4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil Para permitir o fluxo dos produtos através da Cadeia de Suprimentos de Petróleo, iniciando na produção ou importação de óleos crus, passando

Leia mais

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor 01 de setembro de 2015. Belém - PA Adalberto Tokarski Diretor AGENDA 1. AS HIDROVIAS BRASILEIRAS 2. COMPLEXO HIDROVIÁRIO REGIÃO AMAZÔNICA 3. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE GRÃOS 4. NOVOS INVESTIMENTOS Região

Leia mais

Fact Sheet 2009 VPAR VID. Fact Sheet Votorantim Composição da Receita Líquida. Composição do EBITDA. Composição da Exportação

Fact Sheet 2009 VPAR VID. Fact Sheet Votorantim Composição da Receita Líquida. Composição do EBITDA. Composição da Exportação Fact Sheet Votorantim Fact Sheet VPAR Fundada em 98 (9 anos de história) 65 mil funcionários Presença em 0 países Foco em core businesses desinvestimento VBC, CanaVialis e Alellyx Investimento social externo

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO DESENVOLVIMENTO OPORTUNIDADES E DESAFIOS AVALIAÇÕES TÉCNICAS / FEVEREIRO DE 2016 LUIZ ANTONIO FAYET Consultor da CNA AGRONEGÓCIO BRASILEIRO EVOLUÇÃO HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR

Leia mais

Aco. Presente na. sua vida do começo a cada recomeço

Aco. Presente na. sua vida do começo a cada recomeço Aco Presente na sua vida do começo a cada recomeço SUSTENTABILIDADE DOS PROCESSOS E PRODUTOS O aço está presente em todos os momentos de nossas vidas. Na construção da casa, no café da manhã em família,

Leia mais

Desempenho do setor ferroviário no Brasil, após o Plano Real, e suas perspectivas para os próximos anos¹

Desempenho do setor ferroviário no Brasil, após o Plano Real, e suas perspectivas para os próximos anos¹ Desempenho do setor ferroviário no Brasil, após o Plano Real, e suas perspectivas para os próximos anos¹ 1 Reno Schmidt² - schmidt.reno@gmail.com Resumo O transporte ferroviário brasileiro, que tem início

Leia mais

01. (ENEM) 64 CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II

01. (ENEM) 64 CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II Aula n ọ 13 01. (ENEM) No diagrama estão representadas as duas modalidades mais comuns de usinas elétricas, as hidroelétricas e as termoelétricas. No Brasil, a construção de usinas hidroelétricas deve

Leia mais

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas - SUFER Roteiro 1. Investimentos em Infraestrutura Ferroviária 2.

Leia mais

Tomando decisões sobre os trilhos

Tomando decisões sobre os trilhos tecnologia.qxp 11/13/2006 9:44 AM Page 84 TECNOLOGIA Fotos: João Bosco Setti Tomando decisões sobre os trilhos Atuando na Malha Sudeste da Rede Ferroviária Federal, a MRS Logística vem registrando aumentos

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

7 Estudo de Caso: Malha Ferroviária Centro-Sul

7 Estudo de Caso: Malha Ferroviária Centro-Sul 7 Estudo de Caso: Malha Ferroviária Centro-Sul 7.1 Apresentação Este capítulo destina-se ao estudo de caso: projeção da demanda de açúcar na malha ferroviária Centro-Sul. Para o estudo de caso o trabalho

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 61 CONCEITOS SOBRE RECURSOS ENERGÉTICOS Como pode cair no enem? (ENEM) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia.

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Gustavo Cellet Marques INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Gustavo Cellet Marques INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, 25 de Março de 2013 Gustavo Cellet Marques 1 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de estágio

Leia mais

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Ramo Agropecuário Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Paulo César Dias do Nascimento Júnior Coordenador do Ramo Agropecuário da OCB Lima, 20 e 21 de março de 2013. Sistema OCB. Você participa.

Leia mais

4 Metodologia Levantamento de Dados

4 Metodologia Levantamento de Dados 4 Metodologia 4.1. Levantamento de Dados Para se calcular alguns indicadores que auxiliam na definição das características das Configurações Propostas, serão utilizados alguns dados estimados. Estes valores

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

Seminário Pará Oportunidades de Negócios

Seminário Pará Oportunidades de Negócios Seminário Pará Oportunidades de Negócios Ian Corrêa - Vice presidente Valor Econômico / FIESP 15/04/2010 Grupo Aço Cearense Sede: Fortaleza(CE) Tradição: 30 anos de mercado Colaboradores: 3.450 diretos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Motivação

1 Introdução. 1.1 Motivação 1 Introdução 1.1 Motivação Ferramentas de otimização são cada vez mais necessárias num mundo onde sistemas cada vez mais complexos devem atender a crescentes demandas usando recursos limitados. Apesar

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO DO TRÁFEGO DE CAMINHÕES E SUA RELAÇÃO COM AS POLÍTICAS BRASILEIRAS DE INVESTIMENTOS EM TRANSPORTES

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO DO TRÁFEGO DE CAMINHÕES E SUA RELAÇÃO COM AS POLÍTICAS BRASILEIRAS DE INVESTIMENTOS EM TRANSPORTES UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO DO TRÁFEGO DE CAMINHÕES E SUA RELAÇÃO COM AS POLÍTICAS BRASILEIRAS DE INVESTIMENTOS EM TRANSPORTES Gerusa Ravache Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa

Leia mais