PLANO DE NEGÓCIO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA SALA DE CINEMA NA CIDADE DE IJUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE NEGÓCIO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA SALA DE CINEMA NA CIDADE DE IJUÍ"

Transcrição

1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CONTROLADORIA E GESTÃO EMPRESARIAL PLANO DE NEGÓCIO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA SALA DE CINEMA NA CIDADE DE IJUÍ MARCELO RENAN RODRIGUES Ijuí-RS 2012

2 MARCELO RENAN RODRIGUES PLANO DE NEGÓCIO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA SALA DE CINEMA NA CIDADE DE IJUÍ Trabalho de conclusão apresentado no Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Controladoria e Gestão Empresarial do departamento de Ciências Administrativas, Contábeis e da Comunicação da Unijui, para obtenção do titulo de Especialista. Profa. Orientadora: Eusélia Paveglio Vieira Ijuí-RS, Março/2012

3 AGRADECIMENTOS Primeiramente, a minha família, pelo apoio; aos amigos, pelo incentivo; a minha orientadora Eusélia, pela paciência; ao colega e amigo Dirson, pela ajuda; a turma, pela convivência; e a Deus, por tudo. A todos, muito obrigado.

4 Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. (Friedrich Nietzsche)

5 LISTA DE ABREVIATURAS CMV: Custo da mercadoria vendida COFINS: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CU: Custo Unitário DV: Despesas Variáveis ICMS: Imposto Sobre Circulação de Mercadorias UND: Unidade MC: Margem de Contribuição MCU: Margem de Contribuição Unitária MSO: Margem de Segurança Operacional MK: Mark-up PE: Ponto de Equilíbrio PIS: Programa de Integração Social PV: Preço de Venda QTD: Quantidade VLR: Valor

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Matriz SWOT...28 Quadro 2: Estimativa de Investimento Fixo...32 Quadro 3: Estimativa de Investimentos Pré-Operacionais...33 Quadro 4: Custos do Estoque Inicial dos s de Conveniência...33 Quadro 5: Políticas de Vendas/Compras/Estoques...35 Quadro 6: Estimativa do Capital de Giro...35 Quadro 7: Estimativa de Investimento Total...36 Quadro 8: Projeção dos Custos de Compra dos s Conveniência Vendidos no mês...36 Quadro 9: Formação do Mark-up...37 Quadro 10: Formação do Preço de Venda dos s de Conveniência...38 Quadro 11: Estimativa do Faturamento Mensal dos s Conveniência...39 Quadro 12: Margem de Contribuição dos s de Conveniência...41 Quadro 13: Ponto de Equilíbrio...43 Quadro 14: Margem de Segurança Operacional...45 Quadro 15: Estimativa de Clientes/Mês...46 Quadro 16: Estimativa de faturamento com venda de bilhetes...46 Quadro 17: Custo com aluguel dos filmes...46 Quadro 18: Custos de Comercialização...47 Quadro 19: Estimativa de Custo com Depreciação...47 Quadro 20: Estimativa de Custos com Funcionários...48 Quadro 21: Estimativa de Despesas Fixas Operacionais Mensais...49 Quadro 22: DRE do Primeiro Mês...50 Quadro 23: DRE nos Três Primeiros meses...51 Quadro 24: Construção de Cenários...53 Quadro 25: Fluxo de Caixa Projetado Para os Seis Meses Iniciais - Cenário Otimista...54 Quadro 26: Fluxo de Caixa Projetado Para os Seis Meses Iniciais Cenário Pessimista...56

7 Quadro 27: Projeção do Balanço do Primeiro Mês...57 Quadro 28: Lucratividade...57 Quadro 29: Rentabilidade...58 Quadro 30: Prazo de Retorno de Investimento...58

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Percentuais de despesas projetadas para desempenho da atividade comercial...50

9 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...5 LISTA DE QUADROS...6 LISTA DE FIGURAS...8 INTRODUÇAO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Definição do Tema Identificação e Caracterização da Empresa Delimitação da Questão de Estudo Definição dos Objetivos de Estudo Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO Organização Contabilidade Gerencial Plano de Negócios Importância de um Plano de Negócios Usuários, Conteúdo e Tamanho do Plano de Negócios Estrutura de Um Plano de Negócios Sumário Executivo Descrição da Empresa Plano de Marketing Plano Financeiro Estratégia METODOLOGIA...24

10 3.1 Tipo de pesquisa Plano de coleta de dados Plano de análise e interpretação dos dados PLANO DE NEGOCIOS: Estudo de caso Estrutura organizacional Missão Visão Valores Setor de atividades Análise de Mercado Clientes Fornecedores Concorrentes Análise de forças e fraquezas, oportunidades e riscos Estrutura legal Tipo de negócio Enquadramento tributário Capital social Fonte de recursos Estrutura funcional Espaço ocupado Estratégias de marketing Estrutura e layout Localização Reforma e instalação Análise Econômica Financeira do Empreendimento...32 CONCLUSÃO...59 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...61

11 11 INTRODUÇÃO Este trabalho teve o intuito de apresentar um plano de negócio, considerado este o mais adequado para definir a viabilidade ou não de um empreendimento, analisando, e descrevendo o mesmo, com o intuito de concluir o quanto os desafios e incertezas podem complicar o rendimento de uma empresa. Com as constantes mudanças nos mercados, oriundos de um mundo cada vez mais ágil salientam-se a importância de embasamento nas decisões dos administradores e de constante melhoria de processos. O plano de negócio especifica com detalhes o empreendimento a ser iniciado, servindo como ferramenta de marketing e gestão, mostrando como deve ser o empreendimento se for implantado e como as estratégias podem ser seguidas, assumindo assim papel relevante para lidar com as mudanças nos ambientes interno e externo, e para contribuir com o sucesso da mesma minimizando riscos. O ramo escolhido para a realização deste estudo foi o de criação de uma sala de projeção, com comercio de bilhetes para os filmes, pipocas, balas e bebidas. O estudo buscou descrever a possível organização como um todo, analisando e identificando por meio do plano de negócios os processos de gestão da empresa, como as funções devem ser realizadas e sua importância, para se ter uma fácil visualização de seu contexto em um cenário onde se limita em função da facilidade de acesso a esse tipo de serviço, como TV, Sky, vídeos, abrindo assim as portas para um futuro empreendimento. Para que se pudessem prever ações, delimitar a área da pesquisa, pensar como e quando fazer o relatório, elaborou-se o presente trabalho para seguir uma linha clara e segura durante toda a execução do mesmo. As base delineadoras se encontram nas próximas páginas deste relatório com espaços para a contextualização do estudo, contendo a identificação e

12 12 caracterização da empresa, apresentação, delimitação do tema e questão de estudo, além dos objetivos e justificativa. No capitulo dois apresenta-se a revisão bibliográfica, envolvendo conceitos como os de Plano de Negócio, empreendedorismo, estratégia e inovação, essenciais para o desenvolvimento do plano. Na seqüência, o relatório apresenta a metodologia, explicitando o tipo de pesquisa e coleta de dados, assim como o referencial teórico, além dos padrões utilizados para se fazer a abordagem definida e as normas que foram seguidas para atingir o resultado esperado. Posteriormente, o relatório apresenta o desenvolvimento do estudo aplicado, onde foi estruturado o plano de negócios e onde foram projetados os recursos necessários para a abertura do empreendimento, as estratégias a serem seguidas durante e após possível implantação e demonstrativos que comprovam a viabilidade deste. Para finalizar, o relatório apresenta a conclusão e a bibliografia consultada durante a sua realização.

13 13 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO O contexto do relatório contém as razões que levaram a concretização da pesquisa e contempla esta parte inicial, nele foi explicada a relevância para a realização do trabalho na forma de justificativa diante dos conhecimentos atuais, além de conter alguns dados iniciais do plano, os objetivos e a problemática do estudo. 1.1 Definição do tema Dentre as diversas possibilidades de realização do trabalho de conclusão de curso, foi levantada a contabilidade gerencial que envolve a elaboração de planos de negócios, avaliando sua viabilidade econômica financeira. O tema de estudo ficou a cargo de cada acadêmico e este decidiu por realizar o plano de negócio de uma empresa, mais especificamente uma sala de cinema, ainda não existente na cidade de Ijuí no estado do Rio Grande do Sul, a fim de determinar a viabilidade econômica deste. Neste sentido, o tema do estudo se constituiu na elaboração de um plano de negócio, mais especificamente uma sala de projeção na cidade de Ijuí no estado do Rio Grande do Sul. 1.2 Identificação e caracterização da empresa O ramo escolhido para a realização desta pesquisa foi o de uma sala de projeção. A principal atividade da empresa se dará através do comércio de bilhetes para o próprio cinema, no entanto, ainda podem ser comercializadas pipocas, doces e bebidas. Deve dispor de um funcionário no caixa, um vendedor na copa, um recepcionista na porta da sala e um na limpeza, alguns serviços podem ser terceirizados. O horário de funcionamento deverá ser das 19 as 22 nos dias de semana e das 16 as 22 nos finais de semana e em função disto o número de funcionários poderá ser aumentado. O fator diferenciação com relação ao antigo cinema da cidade se da principalmente na questão tamanho, por ser uma sala menor, conseqüentemente haverão menos custos, e dos outros

14 14 cinemas da região por estar localizado na cidade de Ijuí que possui grande público e forte presença comercial na região, é assim uma empresa de pequeno porte. Apesar de ter sua única sala na cidade de Ijuí, a empresa espera receber clientes de cidades da região noroeste do estado, especialmente Cruz Alta, Panambi, Catuípe e Augusto Pestana. Consumidores de classes A, B e C devem se tornar naturalmente o público principal. A empresa pretende locar um espaço comercial em local x ainda a pesquisar. O total de área ocupada pela empresa, assim como a capacidade da sala, serão analisados durante a coleta de dados. 1.3 Delimitação da Questão de Estudo O plano de negócios tem o objetivo de identificar e avaliar oportunidades, aumentando a probabilidade de a empresa potencializar e aproveitar estas, além de reduzir restrições e ameaças, podendo a partir disso prever boa parte dos riscos e situações ocasionais adversas. Referente a plano de negócio, (SALIM, 2005) descreve o empreendimento e os negócios que o sustentam, permitindo ao administrador situar-se nesse ambiente, sua elaboração envolve um complexo processo de aprendizagem e autoconhecimento. Nesta linha, o estudo se propôs a elaborar um plano de negócios que contemple todos os seus elementos estruturais, para que seja avaliada a sua viabilidade econômica financeira, seu plano de marketing, além de todas as variáveis existentes, permitindo ao administrador situar-se nesse mercado embasando melhor suas decisões e tornando o negócio menos arriscado. Baseado no exposto, formula-se assim a seguinte questão de estudo: De que forma a elaboração de um plano de negócios pode diminuir os riscos e incertezas na análise da viabilidade de implantação de uma sala de cinema em Ijuí?

15 Definição dos objetivos Objetivo Geral O objetivo geral do estudo se constitui em elaborar um plano de negócios contemplando todas as etapas do mesmo com o propósito de avaliar a viabilidade de implantação de uma sala de cinema na cidade de Ijuí Objetivos Específicos Revisar a literatura referente a Contabilidade gerencial e planos de negócios; Apresentar os procedimentos necessários para abertura de uma organização com fins lucrativos; Pesquisar o mercado em busca de fatores que justifiquem a viabilidade do negócio; Determinar os custos para a implantação do plano; Avaliar os resultados obtidos no Plano de Negócios. 1.5 Justificativa O trabalho serviu para analisar a viabilidade de implantação da sala de projeção por meio da realização do respectivo plano de negócios. Possibilitou agregar conhecimentos, de inovação, processos, práticas, e da própria organização em si, que de forma pensada e reflexiva puderam agregar valor, extraindo, dessa forma, o máximo de informações para o aprendizado sobre o tema. O trabalho se tornou viável em função da facilidade de acesso à informações visto o acadêmico ter tempo disponível para pesquisa e residir na cidade de Ijuí, além de ser um ramo já conhecido e ser estudado em uma cidade em crescimento. Além do que atualmente não existe sala de cinema na cidade e nenhum outro trabalho com esta temática até o momento, possibilitando assim agregar conhecimento à sociedade e ao discente.

16 16 A pesquisa ganhou importância, em função de o acadêmico estar buscando um ramo atrativo e que tenha possibilidade de crescimento, além de viabilidade financeira e taxa de retorno satisfatória, pois possui um sócio com capacidade e vontade de investimento e pensam em abrir um empreendimento. Para o curso o Plano de Negócio tem grande peso, pois, envolve Contabilidade Gerencial, muito frisada durante o curso de Pós-Graduação, podendo com ela, avaliar a viabilidade econômica do negócio. Além disso, este tema é essencial nos dias de hoje, onde grande parte das empresas que são abertas não ficam muito tempo no mercado.

17 17 2 REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico é de suma importância para um melhor entendimento do assunto e do trabalho em si, abordou temas como plano de negócio, conceito de empreendedor, estratégia, inovação, entre outros assuntos essenciais para o desenvolvimento do estudo aplicado. 2.1 Organização A definição de organização vem sendo adaptada através de transformações sociais, culturais, políticas e tecnológicas ocorridas no meio ambiente ao longo do tempo. No entendimento de Maximiano (1997, p. 25), uma organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Além de pessoas, as organizações utilizam outros recursos, como máquinas e equipamentos, dinheiro, tempo, espaço e conhecimentos. Complementando a idéia Motta (1991, p. 37) diz que a organização é uma unidade social intencionalmente constituída para atingir objetivos específicos. Muitas das concepções são frutos de enfoques explicativos, os quais são formulados com base em pesquisas empíricas, enquanto outras tem por base enfoques prescritivos, abordagens que propõe técnicas e ferramentas visando solucionar problemas específicos. A organização é uma função administrativa que se encube do agrupamento dos órgãos e das atividades necessárias para atingir os objetivos da empresa (CHIAVENATO, 1997, p. 410). Complementando, organização é um atributo de qualquer conjunto estruturado ou ordenado segundo algum critério (MAXIMIANO, 2004, p 111). 2.2 Contabilidade Gerencial A Contabilidade de Gestão ou Contabilidade Gerencial é considerada ferramenta essencial para a gestão de qualquer negocio nos dias de hoje. Administradores e gestores

18 18 convenceram-se que a analise das informações contábeis vão além do simples calculo de impostos e atendimento de legislações fiscais. A Contabilidade Gerencial é definida como processo de identificação, análise e interpretação de dados utilizados pelos gestores para planejamento, avaliação e controle dentro da organização, para assegurar o uso e responsabilidade pelos seus recursos, (Atkinson et al., 1997). Os mesmos ainda falam sobre como sistemas contábeis gerenciais efetivos podem gerar valor pelo fornecimento de informações apuradas e oportunas para o sucesso das organizações na atualidade. Para Crepaldi (1998, p.18), a Contabilidade Gerencial é um ramo da contabilidade que tem como objetivo fornecer instrumentos aos gestores, os auxiliando em suas funções. Voltada para melhor administração dos recursos econômicos da empresa através de um adequado controle de um sistema de informações gerencias. 2.3 Plano de Negócio O Plano de negócios, também chamado de plano empresarial especifica um negocio que deve ser criado, ou já iniciado. Em sentido estritamente econômico, é um plano de investimento e de aplicação de recursos, com esperança de retorno futuro. Um projeto é um conjunto de tarefas inter-relacionadas, definidas para a solução de um problema especifico ou para a obtenção de um resultado, (KOCK JS. apud HOLANDA 1975). É um conjunto de antecedentes e informações que permitem avaliar o processo de tomada de decisão e aplicação de recursos. O plano de negócios é o ato de planejar uma sequência de tarefas relativas a uma situação concreta, em busca de um fim prático, (HENNIG, SD. apud HOLANDA 1975). Plano de negocio implica num prazo determinado, numa data estipulada para conclusão e num resultado satisfatório. Ainda em sentido econômico, corresponde ao conjunto de informações ordenadas, que permite estimar os custos e benefícios de um

19 19 determinado investimento e nos indica a melhor maneira de transformar essas ações em resultados, (HOLANDA, 1975) Importância de um Plano de Negócios O mundo corporativo mudou, os mercados mudaram e a inovação se tornou sinônimo de sobrevivência. Para que as empresas tenham uma vida longa, precisam planejar suas ações e prever seus resultados. O plano de negócios é ferramenta útil nesse processo, auxiliando a empresa a percorrer um caminho com menos riscos. A formação de uma idéia e o caminho para a sua validação através do plano de negócios são os dois caminhos apresentados por Dolabela (1999) para a criação de uma nova empresa. Dornelas (2008, p. 79) contribui com a idéia de que um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso do que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. O autor ainda acrescenta: essa ferramenta de gestão pode e deve ser usada por todo e qualquer empreendedor que queira transformar seu sonho em realidade, seguindo o caminho lógico e racional que se espera de um bom administrador. Dornelas (2008, p. 85) descreve: 1. Através do plano de negócios é possível: Entender e estabelecer diretrizes para o seu negócio; Gerenciar de forma mais eficaz a empresa e tomar decisões acertadas; Monitorar o dia-a-dia da empresa e tomar ações corretivas quando necessário; Conseguir financiamentos e recursos junto a bancos, governo, Sebrae, investidores, capitalistas de risco, etc; Identificar oportunidades e transformá-las em diferencial competitivo para a empresa; Estabelecer uma comunicação interna eficaz na empresa e convencer o público externo (fornecedores, parceiros, clientes, bancos, investidores, associações, etc). 2. Alguns objetivos básicos do plano de negócios: Testar a viabilidade de um conceito de negócio; Orientar o desenvolvimento das operações e estratégia; Atrair recursos financeiros;

20 20 Transmitir credibilidade; Desenvolver a equipe de gestão. O plano de negócios explora as potencialidades de um empreendimento, assim como, seus riscos relativos. É importante instrumento de apoio a gestão da organização reduzindo incertezas e é o documento no qual o empreendedor expressa suas idéias, mostrando a viabilidade e probabilidade de sucesso do seu negócio Usuários, Conteúdo e Tamanho do Plano de Negócios Os usuários de planos de negócios são os mais variados, cada um deles tem suas próprias intenções e características, mas o principal deles é o empreendedor. Este, vai ter uma importante ferramenta de auxilio para suas decisões, assim como, outros que tem interesse no empreendimento, tais como, fornecedores, sócios, bancos e investidores. O conteúdo e o tamanho do plano dependem exclusivamente das necessidades dos usuários. Podem variar de um plano de negócios completo e detalhado, quando for direcionado a aplicação interna, a um plano de negócios conciso, quando for direcionado a atrair potenciais investidores. Para Dornelas (2008) as informações do plano de negócios devem ser apresentadas de forma relacionada, com ações coerentemente definidas e com projeções de resultados viáveis, com base em uma boa análise de mercado e da situação atual da empresa Estrutura de Um Plano de Negócios Cada empreendimento tem suas particularidades, por isso, não existe uma estrutura padrão para a elaboração de um plano de negócios. È importante que se tenha uma linguagem simples, com sessões organizadas que permitam aos usuários um fácil entendimento de como a empresa é organizada, seus objetivos, produtos, serviços, mercado e situação financeira. A seguir apresenta-se a descrição de cada seção que compõe o plano de negócios.

21 Sumário Executivo No sumário executivo, resumem-se as principais informações que serão apresentadas no plano de negócios. Na visão de Dornelas (2008) o sumário executivo deve ser escrito com ênfase nos assuntos que mais interessam ao leitor do plano de negócios. Para Filion e Dolabela (2000, p ) o Sumário Executivo sintetiza os diversos módulos do Plano de Negócio. Seu objetivo é oferecer ao leitor, de forma objetiva e resumida, uma visão geral do negócio, as estratégias propostas e os principais resultados a serem alcançados. Segundo a visão destes mesmos autores, este é o momento de venda da idéia do negócio, e deve conter: Enunciado do projeto; Competência dos responsáveis; s, serviços e a tecnologia; Mercado potencial; Elementos de diferenciação; Previsão de vendas; Rentabilidade e projeções financeiras e necessidades de financiamento. O sumário executivo nos mostra a síntese de todo o conteúdo do plano de negócios e deve ser escrito com muita atenção, pelo fato de ser a primeira parte do plano de negócios a ser lida, deverá portanto, convencer o leitor da sua potencialidade, atraindo-o para uma leitura com mais atenção e interesse Descrição da Empresa Na descrição da empresa é apresentado o resumo da organização, sua história, bem como sua estrutura de funcionamento legal e operacional. Conforme Filion e Dolabela (2000) há tópicos a serem apresentados, são eles: Missão; Objetivos; Estrutura organizacional e legal; Síntese das responsabilidades da equipe dirigente; E plano de operações e parcerias. Enfatiza-se a estrutura de funcionamento operacional e legal do empreendimento, como, a equipe gerencial, o porquê de sua criação, o propósito, a natureza dos serviços ou

22 22 produtos, seus diferenciais, a razão social e o nome fantasia, sua constituição jurídica, o porte da empresa, o enquadramento fiscal, sua localização e composição de capital Plano de Marketing No plano de marketing se descreve a análise prévia de mercado e a estratégia a ser executada após o início do empreendimento. No entendimento de Filion e Dolabela (2000, p. 172): A análise de mercado é voltada para o conhecimento de clientes, concorrentes, fornecedores e do ambiente em que a empresa vai atuar, tendo por objetivo saber se o negócio é realmente viável. Na estratégia de marketing, faz-se o planejamento da forma como a empresa oferecerá seus produtos ao mercado, visando otimizar suas potencialidades de sucesso. Na visão de Dornelas (2008, p. 88) na estratégia de marketing: Deve-se mostrar como a empresa pretende vender seu produto/serviço e conquistar seus clientes, manter o interesse dos mesmos e aumentar a demanda. Deve abordar seus métodos de comercialização, diferenciais do produto/serviço para o cliente, política de preços, principais clientes, canais de distribuição e estratégias de promoção/comunicação e publicidade, bem como projeções de vendas. Através do plano de marketing a empresa poderá adotar estratégias específicas para vender seu produto e, ou serviço, a fim de obter melhor resultado sobre seus concorrentes e atingir os objetivos traçados Plano Financeiro O plano financeiro visa apresentar em números tudo o que foi descrito nas outras seções do plano de negócios. É o conjunto de informações, controles e planilhas de cálculos, sistematizadas em diferentes documentos contábeis, compõem previsões das operações e servem como ferramentas gerenciais para o planejamento financeiro da empresa. Conforme Dornelas (2008, p. 88) no plano financeiro: A seção de finanças deve apresentar em números todas as ações planejadas para a empresa e as comprovações, por meio de projeções futuras (quanto necessita de capital, quando e com que propósito) de sucesso do negócio. Deve conter

23 23 demonstrativo de fluxo de caixa com o horizonte de, pelo menos, três anos; balanço patrimonial; análise do ponto de equilíbrio; necessidades de investimentos; demonstrativos de resultados; análise de indicadores financeiros do negócio, como faturamento previsto, margem prevista, prazo de retorno sobre o investimento inicial (payback), taxa interna de retorno (TIR) etc. Na concepção de Oliveira, Perez Jr. e Silva (2005) o planejamento financeiro permite que a empresa obtenha informações antecipadas quanto à necessidade ou disponibilidade de recursos, facilitando as decisões sobre fatores que envolvem o gerenciamento de caixa, como, por exemplo, investimentos e financiamentos. O plano financeiro apresenta as projeções financeiras, mostra a análise de viabilidade do negócio e possibilita ao empreendedor conduzir as atividades dentro do que foi planejado, corrigindo distorções, adaptando-se as mudanças de mercado e projetando novos investimentos de acordo com o nível de crescimento que foi delineado. 2.4 Estratégia Neste cenário sócio econômico globalizado e competitivo em que as organizações atuam, é fundamental que busque-se novas estratégias para se manter competitivo. Assim, a fim de embasarmos este estudo, seguem-se tópicos relevantes no que se refere ao conceito de estratégia. Para Mintzberg e Quinn (2001, p. 20) estratégia seria o padrão ou plano que integra as principais metas, políticas e sequência de ações, considerando o todo. Assim, toda tomada de decisão resultando em ação, realizada por uma organização, pode ser considerada como uma estratégia utilizada por esta. Os mesmos autores ressaltam ainda que quando estas estratégias forem bem formuladas, todos os recursos da organização serão transformadas em uma postura singular e viável. É importante entender a estratégia na pratica e no estudo como um conjunto de decisões baseadas em um plano ou emergentes do processo organizacional que integra missão, objetivos e sequência de ações administrativas num todo interdependente, (MOTTA, apud FERREIRA, 2005).

24 24 3 METODOLOGIA A metodologia contém o conjunto de processos e operações que se devem empregar na investigação. É a linha de raciocínio adotada no processo de pesquisa. 3.1 Tipo de Pesquisa A pesquisa tem embasamento teórico e relação às praticas de elaboração de plano de negócio. Segundo Vergara (2000, p.44-45), classifica-se da seguinte forma: Quanto aos fins é de caráter exploratório e descritivo, relatando os procedimentos necessários, e por haver pouco conhecimento acumulado e sistematizado na área até o momento. E quanto aos meios, através de pesquisa de campo e estudo de caso, uma vez que é circunscrito a uma ou poucas unidades, entendidas essas como uma pessoa, uma família, um produto, uma empresa, um órgão público, uma comunidade ou mesmo um país. Do ponto de vista da sua natureza, segundo Silva e Menezes (2000), pode ser considerada como Pesquisa Aplicada, por objetivar discutir teoricamente, e a partir deste ponto, elaborar um modelo que possa apoiar a gestão em seus aspectos estratégicos e operacionais; e quanto aos seus objetivos, segundo Gil (1991), como Pesquisa Exploratória, pois, visa proporcionar maior familiaridade com o problema, tentando torná-lo explicito construindo hipóteses. Quanto à forma de abordagem do problema, classifica-se como qualitativa, pois visa a construção da realidade em um nível de realidade que não pode ser quantificado, trabalhando com crenças, valores, significados e outros que não podem ser reduzidos a operacionalização de variáveis, (Minayo, 2003), e quanto aos Procedimentos Técnicos, Levantamento, quando a pesquisa envolve interrogação direta do que se deseja conhecer, (Gil, 1991) e Estudo de Caso, quando envolve o estudo profundo de um objeto de maneira que se permita seu amplo conhecimento, (Gil, 1991). 3.2 Plano de Coleta de Dados Os dados iniciais do plano de negócios foram coletados por meio de pesquisas, sites internet, além do embasamento teórico, foram estudadas estratégias que pudessem ser

25 25 utilizadas principalmente na área de marketing, e através de conversas informais com representantes do comércio. Para identificar os custos, foram realizados diversos orçamentos e comparações, assim foi possível ter uma projeção de investimentos necessários e também um melhor entendimento do negocio proposto. 3.3 Plano de Análise e Interpretação dos Dados A análise e interpretação dos dados ocorreu de forma qualitativa, com estruturação dos mesmos e descrevendo a situação das possíveis variáveis existentes, com base nas características do negócio, usando informações da pesquisa, para diagnóstico.

26 26 4 PLANO DE NEGÓCIOS: Estudo de Caso Neste capítulo apresenta-se o desenvolvimento do estudo, com o intuito de mostrar a proposta mais adequada de plano de negócio, com o objetivo de mostrar a viabilidade ou não da implantação do mesmo. 4.1 Estrutura organizacional A sala de projeção será implantada próxima ao centro da cidade Ijuí-RS, e sua atividade principal se dará por meio da venda de bilhetes para assistir os filmes. A capacidade será de uma sala para 144 pessoas, oferecendo conforto e comodidade, além de serem comercializados doces diversos, pipocas e bebidas. O público alvo principal são os residentes da própria cidade, no entanto espera-se receber clientes de cidades da região noroeste do estado, especialmente, Cruz Alta, Santo Angelo, Panambi, Catuípe e Augusto Pestana. A empresa ainda procurará fidelizar clientes como alunos e professores de escolas e creches públicas e privadas da região. O empreendimento tem razão social Show Time Cinema e contará com os dois sócios proprietários, um na parte de sistema e gerenciamento do site, além de publicidade, Já que o mesmo possui o curso de graduação em Ciências da Computação. O outro atuará na parte financeira, formado em Administração de Empresas, além de outros quatro funcionários, um na conveniência, um no caixa, um recepcionista na porta da sala, e um na parte da limpeza, a qual deverá ser feita durante o tempo enquanto a sala não estiver sendo utilizada Missão O empreendimento busca a satisfação dos clientes por meio da projeção dos filmes em um ambiente agradável, seguro e confortável, contando com a máxima qualidade de imagem, som e acomodações.

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE

COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 COMECE CERTO QUESTÕES FUNDAMENTAIS PARA O PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE NOVOS NEGÓCIOS OBJETIVO DO DEBATE Apresentar

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

FTAD -Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Empreendedorismo Prof. Carolina Lindbergh Competências a serem Trabalhadas CONHECER O SUMÁRIO EXECUTIVO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Grupo Educacional UNIS - MG

Grupo Educacional UNIS - MG 1º CONCURSO NEUNIS DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2014 1 REALIZAÇÃO: UNIS/MG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso NEUNIS de Planos de Negócio para Universitários é uma iniciativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MAYARA DA COSTA PIRES THIERES DIAS TEMBRA BUSINESS PLAN MYTDT CORPORATION BELÉM

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios DISCIPLINA: Gestão Empresarial Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Diego Beneveluthy Goncalves Barbosa Jorge Arthur de Oliveira Queiroz Leon Denis Jose da Silva Junior Rodrigo Martins de Souza Tiago Rodrigo Ferreira Silva Vinicius Santos

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais