Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos"

Transcrição

1 Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática do sintoma e o saber, como ele se articula no discurso da histérica e sua passagem, a partir de um quarto de volta, ao discurso do analista. A histeria funda a psicanálise: "o psicanalista no início só teve que escutar o que dizia a histérica." 1 Só há psicanalista a partir da histérica. Seus sintomas, e os enigmas que eles suscitam levam Freud a produzir uma subversão na estrutura do saber com a descoberta do saber inconsciente. Lacan aborda o saber na formalização de estruturas quaternárias: são quatro discursos, quatro letras, quatro lugares que, pela rotação integral de noventa graus, escreve o laço social e o real da experiência analítica. Discursos 87

2 88 DO SINTOMA AO SíNTHOMA Há uma necessidade lógica de escrever aquilo que não pode ser dito, algo de real que só é abordável pela via do materna. Nessa estrutura discursiva, inerente ao processo de análise, destaca-se o modo de operar a passagem à analista com o problema crucial do término da transferência e da questão de final de análise. Na escrita dos quatro discursos sobre o fundamento do discurso analítico, Lacan abre uma nova dimensão na abordagem da clínica e do sintoma. Nos movimentos de discurso se comprova a finitude da experiência de análise. Nela se delimita um tempo de começo e um tempo de fim, momentos não cronológicos, mas lógicos que, sob a incidência do real próprio da experiência, só podem ser abordados a-posteriori. O discurso da histérica responde a um momento peculiar da entrada do ser falante no processo da cura. Não deixa de nos surpreender que todo sujeito (seja homem ou mulher) que habita a linguagem, compelido pela associação livre, faz falar seu sintoma, isto é, "se histeriza". Desde Freud se sabe que o sintoma implica um processo de divisão do sujeito, uma solução de compromisso entre os processos inconscientes recalcados e o seu retorno pela via da substituição. Este processo de substituição Lacan o formaliza com o materna da metáfora na estrutura da linguagem: s s Este algoritmo destaca uma posição primordial do significante e do significado como ordens distintas e separadas por uma barreira resistente à significação. O novo fundamento topológico do significante é a cadeia. A formalização fala de um significante mas sempre é necessário ao menos dois num encadeamento. O significado é sempre barrado e inconsciente. Pelo trabalho de substituição metafórica aparece algo do sentido do real da sexualidade. Passar pelo discurso histérico é a lei, a regra do jogo: "o que o analista institui é a histerização do discurso, ou seja, a introdução estrutural, em condições artificiais, do discurso da histérica." É o discurso próprio do sujeito que constitui, na entrada em análise, seu sintoma no campo do Outro, isto é, na estrutura da transferência que é o tempo lógico da constituição do materna do sujeito suposto saber. A transferência faz metáfora através da barra separadora do significante e do significado. O S é o significante da transferência em relação ao significante qualquer (Sq) que é o analista enquanto função. Embaixo da barra estaria o significado, s, do sujeito dividido na entrada em análise que opera em adjacência ao saber inconsciente. É do analista oferecer-se como significante para que uma suposição possa estabelecer-se, suposição que é resposta à hiância do ato inaugural. O analista é aquele que tem um saber sobre sua experiência, quer dizer, sabe de saída que na saída do processo analítico há salto, há vazio, impossibilidade. Porque disso sabe

3 UM QUARTO DE VOLTA 89 é que está nas condições estruturais de possibilitar que o artefato da transferência, enquanto saber suposto do significante no inconsciente, faça operar um sujeito destinado a sua destituição no final do processo de cura. O discurso histérico, ao fazer funcionar o sujeito do sintoma como agente, no processo de início de uma análise, destaca uma peculiar articulação entre o saber e a verdade. O sintoma se funda na relação do sujeito ao saber. O sujeito do inconsciente é aquele definido, desde Freud, por "uma relação nova, original de um sujeito a um não saber" 3, a uma recusa ao saber sobre o sexo que determina sua divisão. No neurótico (histérico ou obsessivo) há um não querer saber sobre a castração, para ganhar consistência imaginária o saber sobre seu sintoma. A questão do sujeito ancorado nesse discurso é animar o Outro a produzir um saber, fazê-lo trabalhar. Esse saber, no entanto, não lhe serve pois está alienado a esse Outro em posição de mestria e de ideal, possuidor de um saber ao qual a histérica se subtrai. Esse saber, portanto, não retorna como saber inconsciente, ou seja, aquele que diz algo de uma verdade que não se sabe. É um saber marcado pela impotência que protege o sujeito da impossibilidade do Real. É impotente enquanto que ignora o impossível de um saber sobre a verdade. O paradoxo é que, ao mesmo tempo que está na posição de dependência imaginária ao saber do Outro, o castra enquanto esse saber se demonstra impotente para agir sobre seu desejo. A verdade, nesse discurso, não está no saber inconsciente, senão no gozo que sustenta sua divisão, seu sintoma, seu sofrimento. O sujeito, sob o efeito da linguagem, padece. Da castração ele extrai gozo que se cristaliza num discurso de queixa e de ressentimento: "Eu não consigo nada, a análise não adianta, não tenho jeito." São momentos de extrema dificuldade numa cura, quando um obstáculo essencial se presentifica: "não quero saber nada disso... enquanto isso goza." Se goza não sabe. É o que Freud descobre em suas primeiras histéricas. Está aí a paralisia de Elizabethe Von R, cujo sintoma é sustentado pelo gozo recalcado: "o que a histérica reprime, e na verdade promove, é esse ponto ao infinito do gozo como absoluto." 4 Ela abre ao desejo de saber que supõe estar no homem, mas inconscientemente só acredita no saber da mulher, eaíestá Dora, pois é ela, "A Mulher", que poderia saber o que é preciso para o gozo do homem. A procura de "A Mulher", quanto a do Mestre, se fundamenta em um ponto comum: são aqueles que detém o saber, e, por isso tem o privilégio de ocupar o lugar de Outro absoluto. Poder-se-ia considerar aqui um ponto de articulação e talvez de interseção entre o materna deste discurso e o fantasma da histérica que Lacan aborda no Se-

4 90 DO SINTOMA AO SINTHOMA minárfa da Transferência: 0 A. no qual o a é o objeto substitutivo ou metafóri- <P co colocado sobre algo que está escondido, a saber, o <p, sua própria castração imaginária. O está no lugar do $, o sujeito dividido na fórmula do fantasma fundamental, pois é essa a verdade do sujeito histérico: "O que suporta a histérica é que o Outro que é o homem, saiba que objeto precioso ela se torna no contexto do discurso. E, depois de tudo, não é isso o fundo mesmo da experiência analítica." 5 A questão é o analista não cair na armadilha da histérica e ocupar esse lugar do saber, ficar cativo pelo saber. Lacan adverte que o analista deve ser "dupe", tolo, e, enquanto tolo, possibilitar a rotação de discurso ou seja, esse quarto de volta que é a colocação em ato do discurso do analista. Este ato é a interpretação, que permite passar da impotência ao confronto com a impossibilidade. Esta mudança de discurso se faz desde o campo do Outro onde o sujeito encontra o -1 que não responde ao lugar de mestria. Lacan não se deixou enganar pelo brilho do saber e, desde o começo, colocou a posição do analista do lado da ignorância douta, uma ignorância calculada, um semblante de ignorância que, justamente não deve entender-se como ausência de saber: "o fruto positivo da revelação da ignorância é o não saber que não é uma negação de saber senão sua forma mais elaborada... o analista deve reconhecer em seu saber o sintoma de sua ignorância." 6 Desde essa posição, o analista pode operar com o ato que, inserido na ordem da certeza e não do conhecimento, teria como efeito produzir um outro saber em análise. Haveria uma passagem de um desejo de saber a uma interrogação sobre seu desejo: "se há algo que a psicanálise deveria forçar-nos a manter obsecadamente, é que o desejo de saber não tem nenhuma relação com o saber. O desejo de saber não é o que conduz ao saber." 7 O desejo de saber coloca a análise num impasse. Sair dele pela via do ato é fazer operar o discurso do analista... Ou seja, o quarto de volta a partir do qual o a passa a ocupar o lugar de agente e o saber fica no lugar de verdade. O saber analítico é aquele marcado pela impossibilidade de alcançar o todo. A posição do analista como semblante de a,

5 UM QUARTO DE VOLTA 91 semblante de causa, é a mais conveniente para interrogar o saber no que se refere a verdade. É desde esse lugar que interpela o sujeito. Este discurso ao tocar o impossível articula a fórmula lacaniana: "não há relação sexual, relação que possa ser escrita... Essa relação é impossível de se escrever, ou seja, é nisso que ela não é af irmável, mas da mesma forma não refutável: a título de verdade. A presentificação do discurso do analista na cura produz na histérica a possibilidade de mudança em sua posição frente ao sexo, frente ao significante fálico. Recoloca em análise a questão da mulher: que quer a mulher? Um analista. Ou seja, aquele que, desde a posição de semblante de objeto causa, a remete à pergunta sobre o desejo, o Che Vuoi? Esta retorna ao sujeito como um enigma sobre o sexo. Na posição mulher há uma queda do universal. Ela é não toda em relação ao falo. A direção de uma cura está marcada por este quarto de volta, essa operação de corte do analista, seu ato, que determina ó percurso desde o sujeito histérico à questão mulher, ao S (A), do gozo ao desejo. A posição de Lacan deve pensar-se como rotação de um quarto de volta em relação a clínica freudiana que tem como fundamento de sua prática a construção de um saber. Freud toma o nome do Pai, o complexo de Édipo, a sexualidade infantil como eixos teóricos para avançar em direção ao sintoma e ao deciframento do saber inconsciente. A incidência do saber no real da ciência, condição necessária mas não suficiente, obriga Freud a tentar escrever seu projeto no discurso da ciência. O "erro" com suas histéricas provinha dessa posição. Elas respondiam muito bem ao mestre animando-o com seu sintoma a um saber que, para elas, era absolutamente indiferente: "o que a ciência deve à estrutura histérica, o romance de Freud, são seus amores com a verdade." 9 Há um ponto que Freud não erra: é com o real, a saber, "a matemática de Freud. Isto que está determinado segundo a lógica de seu discurso. A errância dele. Quer dizer, o modo que ele tentava tornar este discurso analítico adequado ao discurso científico. Era isso seu Erre. É isto que o tinha eu não posso dizer impedido, enfim de fazer a matemática, pois a matemática ele a fazia assim, seria preciso um segundo passo para, em seguida, poder inscreve-la." 10 Esse segundo passo é o de Lacan e sua escrita. O analista deve ser suficientemente tolo para poder errar, isto é, agir na errância. Lacan propõe uma prática que se funde na ex-sistência do inconsciente: do sujeito que se concebia agente do discurso ao sujeito enquanto afetado pela causa que ex-siste à ele. Eis aí o quarto de volta: o objeto, que por uma sorte de miragem obturava seu fantasma, ex-siste ao significante e à imagem. Desse lugar sem complemento, desse fora provoca-se a torção que é a própria superfície de Moebius. Nesse quarto de volta, nessa torção, há chances de passagem à analista com a responsabilidade que esse ato supõe. O analista só pode autorizar-se de si próprio, quer dizer, do ato que o constitui na sua própria experiência de análise. Entre o sujeito e o saber há uma superfície modificada. Trata-se de uma linha de duas voltas provocada pela torção irredutível do objeto. É uma margem, um litoral entre o saber e o gozo. O discurso da ciência faz do saber do real o suporte de

6 92 DO SINTOMA AO SINTHOMA sua formalização. Para que o inconsciente pudesse existir como discurso foi necessário o lugar que a ciência destinou para ao saber. Porém, a psicanálise destaca o saber do real e opera com restos de saber que a ciência rejeita. O objeto a, construído por Lacan, ex-siste ao discurso da ciência, e, dessa ex-sistência causa o inconsciente. Essa incidência do objeto a na causação do desejo tem no passe, um dispositivo de verificação. É da pressa que o objeto determina, com sua queda do saber, que uma análise se conclua em ato. Esse instante passa. É do analista transmitir o particular desse instante em que o objeto terá causado um ponto inessencial no saber: seu des-ser. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. LACAN, J., Le Séminaire, livre XVII, L' Envers de Ia psychanalyse, Paris, Seuil, p Ibidem, p LACAN, J., Seminário XII, Les Problèmes Cruciaux pour Ia Psychanalyse, inédito, lição de 09/06/ Seminário XVI, D'un Autre à 1'autre, inédito. 5. Le Séminaire, livre XVII, op.cit., p "Variantes de Ia cure-type" in Écríts, Paris, Seuil, p Le Séminaire, livre XVII, op.cit., p "Note Italienne" in Petits Écríts et Conférences, p Ibidem, p LACAN, J., Seminário Les Non Dupes Errent, inédito, lição de 20/11/73. BIBLIOGRAFIA LACAN, J., Écríts, Paris, Seuii. Le Séminaire livre VIII, Le Transfer, Paris, Seuil. Le Séminaire livre XX, Encore, Paris, Seuil. "Proposição de 9 de outubro de 1967" in Documentos para uma Escola n. 0, Revista da Escola Letra Freudiana (circulação interna), Rio de Janeiro.

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Um caso de término de análise com criança

Um caso de término de análise com criança Um caso de término de análise com criança "Falta um pouquinho..." Beatriz Siqueira Vera Vinheiro Introdução "É a criança que é alimentada com mais amor a que rechaça o alimento ejoga com sua recusa como

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2 O ANALISTA-PARCEIRO-SINTHOMA DA HISTÉRICA Tania Coelho dos Santos - Membro da EBP/Rio e da AMP Eu defendo que a clínica psicanalítica hoje precisa orientar-se pelo parceiro-sinthoma. 1 Isso signfica que

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO Jacques Laberge 1 Não há ato sexual, mas há ato psicanalítico! Isso é uma compensação? Não há ato sexual, mas há ato de casamento. Para confirmar que não há

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra

Sonhos de Angústia. Introdução. Maria Lucía Silveyra Sonhos de Angústia Maria Lucía Silveyra Tradução: Paloma Vidal Introdução Hoje, a cem anos do Projeto Freudiano, é um fato que as coordenadas simbólicas nas quais se inscreve a psicanálise têm variado.

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

Amor, Transferência e Desejo 1.

Amor, Transferência e Desejo 1. Amor, Transferência e Desejo 1. Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1997. Trabalho publicado nos Anais da II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1998.

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise O psicanalista só se autoriza de si mesmo Inicio com três citações de Lacan: Angela Dal' Vesco Nery O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...)Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

A prevalência do falo (Joël Dor)

A prevalência do falo (Joël Dor) A prevalência do falo (Joël Dor) A prevalência do falo Cap. 11 Em Introdução à leitura de Lacan Joël Dor. Artes Médicas, Porto Alegre, 1991. Original: Introduction à la lecture de Lacan L inconscient structuré

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não DESMENTIDO Jairo Gerbase A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não Os axiomas Poderíamos nomear [S( Α )] de primeiro não. Em primeiro lugar, no sentido de era uma vez, no sentido mítico, histórico,

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE:CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DE PSICANÁLISE NOS CURSOS DE PSICOLOGIA 1

PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE:CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DE PSICANÁLISE NOS CURSOS DE PSICOLOGIA 1 Psicol. USP vol.12 no.2 São Paulo 2001 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200016 PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE:CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DE PSICANÁLISE NOS CURSOS DE PSICOLOGIA 1 Miriam Debieux

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Pela ex-sistência de um significante novo!

Pela ex-sistência de um significante novo! Pela ex-sistência de um significante novo! Tania Coelho dos Santos Com que sonham os analistas? O sonho de nossa época é o de maximizar o gozo útil. O que caminha na superfície do gosto é a mensuração

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Alienação, separação e travessia da fantasia 1

Alienação, separação e travessia da fantasia 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 1 Março 2010 ISSN 2177-2673 Alienação, separação e travessia da fantasia 1 Marcos Bulcão Nascimento Em termos gerais, pode-se dizer que o processo de alienação

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Que saber há no real?

Que saber há no real? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 Qual saber há no Real? Teresinha Natal Meirelles do Prado Na apresentação do tema do IX Congresso da AMP 1, J.-A. Miller lança

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar Júlio Eduardo de Castro* Unitermos: psicanálise em intensão; sintoma; ética da psicanálise. Resumo Este artigo aborda a ética da psicanálise

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes *

A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes * A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes * Resumo: Artigo sobre a teoria dos jogos enquanto metáfora da partida analítica a partir de uma lógica, de uma estratégia e de uma tática cujo desenrolar

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO

A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO De qual sujeito se trata? Cynara Teixeira Ribeiro Andréa Hortélio Fernandes O estudo do fenômeno

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS E O REAL

A INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS E O REAL A INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS E O REAL Jacques Laberge 1 Pai, você não vê que estou queimando? Vater, siehst du denn nicht das ich verbrenne? Assim falou o filho em tom de muita repreensão (G.W. II-III, 513).

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais