QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM..."

Transcrição

1 QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica); Psicólogo pela PUC Minas. Rua Lopes da Cunha 145; 4/508 Fonseca; Niterói-RJ; CEP: / Tel.: (21) RESUMO: Lacan postula que amar é dar aquilo que não se tem. O amor, portanto, implica o domínio do não-ter, acentuando a dimensão faltante do sujeito. Se para amar é necessária a aceitação da condição de não-todo, o que podemos dizer acerca do amor na perversão, uma vez que o perverso é aquele que, desmentindo a castração, renega a falta para viver para o gozo? Contrariando o domínio do não-ter, ele se apresenta como aquele que tem o saber sobre o desejo e sobre o gozo, conciliando-os e resolvendo sua contradição originária. A perversão parece nos colocar diante de um ponto de interseção entre amor e gozo que não necessariamente se excluem. É possível que, ao se deparar com o desejo, o gozo encontre seu próprio limite. Talvez não seja tanto de seu gozo que o perverso se ocupe, mas de seu desejo que ele não negligencia. Enfim, que lugar poderia ter o amor na perversão? Essa questão, fundamental para a clínica sob transferência, orienta este trabalho. PALAVRAS-CHAVE: Amor; Perversão; Falta; Desejo; Gozo. A assertiva lacaniana de que amar é dar aquilo que não se tem instaura o amor no campo da falta (LACAN, /1992). Mas como pode alguém dar aquilo que lhe falta? O sujeito da psicanálise, tal qual Lacan (1960/1998) o define, é tomado como algo cujo modo de existir é a barra, a abolição, a incompletude, operações pelas quais ele se constitui e se realiza. É nesse sentido que o amor implica o domínio do não-ter. Para amar é necessária a aceitação da condição de não-todo, o reconhecimento de que não se tem ; é preciso admitir a castração como aquilo que torna possível o enlaçamento à lei do Outro. O lugar do amor deve ser situado a partir do encontro sempre faltoso do sujeito com o Outro, na ilusão apaziguadora da completude perdida, na busca incansável da satisfação primeira e num profundo anseio de seu retorno sob o signo do desejo. Como aquilo que faz suplência à relação sexual, ele revela um esforço sempre precário

2 de fazer frente ao real da falta. Contudo, o amor pertence ao domínio do mito, uma vez que não encontra sua satisfação na realidade. Logo, ele não é real: é um engodo; é a falsidade resultante do assujeitamento do desejo ao desejo do Outro. Para Ferreira (2004) ele seria, então, uma tentativa de fazer desaparecer sempre um efeito de logro, na medida em que o que falta ao amante o amado também não tem. Numa época em que o amor se torna líquido, evidenciando a fragilidade dos laços humanos (BAUMAN, 2006), cada sujeito é levado a reinventar sua relação com ele, num labirinto de mal entendidos onde, a saída não existe. Sob o imperativo do gozo o amor parece encontrar seu entrave. Assim sendo, o que é possível dizer acerca do amor na perversão considerando que o perverso é aquele que, desmentindo a castração, renega a falta para viver para o gozo? Contrariando o domínio do não-ter, ele se apresenta como aquele que tem o saber sobre o desejo e sobre o gozo, conciliando-os e resolvendo sua contradição originária. Daqui derivam as dificuldades para se definir a relação do perverso com o amor. Contudo, uma relação difícil não significa ausência nem impossibilidade. Segundo Braunstein (2007), pensar a relação entre o amor e a perversão a partir de seus limites e impasses nos permite ampliar nossa compreensão acerca do específico de um amor que denuncia as convenções unificadoras e que desmente a falta ao invés de basear-se nela. Ao falarmos do amor na perversão, propomos uma inversão da lógica lacaniana para questionarmos: E quando amar é dar aquilo que se tem? Seria isso possível? Na perversão a função de fazer advir a falta como causa de desejo encontrar-se-ia obstruída: Ao desmentir o desejo, a ele se renuncia; a ele se cede. Posto que o desejo está do lado do Outro, desejar é mostrar uma falta e oferecer esta falta à falta do Outro, ou seja, reconhecer a recíproca castração para atravessá-la (BRAUNSTEIN, 2007). Condição para o amor, o desejo no perverso é convertido em vontade de gozo ; uma vontade que não é livre arbítrio, uma submissão acrítica a uma norma absoluta. Uma vontade que faz do gozo o princípio racional da ação, que não nasce da decisão elaborada de um querer, mas de uma coação que exige escapar da lei do Édipo e da castração. Entretanto, Lacan ( /2005) nos adverte que a vontade de gozo na perversão fracassa em relação ao exercício do desejo. O desejo poderia ser chamado vontade de gozo se, frente a esta, ele não se colocasse de maneira tão imponente:

3 Mesmo na perversão, na qual o desejo se dá como aquilo que serve de lei, ou seja, como uma subversão da lei, ele é, efetivamente, suporte de uma lei. Se há uma coisa que hoje sabemos do perverso, é que aquilo que aparece externamente como uma satisfação irrefreada é uma defesa, bem como o exercício de uma lei, na medida em que esta refreia, suspende, detém o sujeito no caminho do gozo. A vontade de gozo no perverso, como em qualquer outro, é uma vontade que fracassa que depara com seu próprio limite, seu próprio freio, no exercício mesmo do desejo (LACAN, /2005, p. 166). A partir dessa formulação de Lacan, somos levados a pensar que talvez não seja tanto de seu gozo que o perverso se ocupa, mas de seu desejo que ele não negligencia. A perversão parece nos colocar diante de um ponto de interseção entre amor e gozo que não necessariamente se excluem. É possível que, ao se deparar com o desejo, o gozo encontre seu próprio limite. A perversão é a recusa, mediante o desmentido, de converter os valores do gozo em moeda do desejo. Entretanto, o desejo não está ausente no perverso. Mesmo que precariamente, é o desejo que o move, pois a renúncia ao gozo se produziu: por isso não é um psicótico. Ele sabe que deve renunciar ao gozo, mas mesmo assim... busca implacavelmente alcançá-lo. O perverso é um sujeito dividido pelo desejo, contudo, o desejo, que é fautor da fenda no sujeito, sem dúvida se conformaria em se dizer vontade de gozo, pois ele já começa derrotado, fadado à impotência (LACAN, /1998, p. 784). Por mais que o desejo se converta em vontade de gozo, nem por isso deixa de ser o meio de defesa do perverso contra o gozo: Também ele se defende, à sua maneira, em seu desejo. Pois o desejo é uma defesa, proibição de ultrapassar um limite no gozo (LACAN, 1960/1998, p. 839). Miller (2000) diz que o desejo vem efetuar uma significantização do gozo; um gozo mortificado pela identificação fálica que entrava o livre curso de desejo e que deve ser transposto para o significante. Trata-se, essencialmente, do apagamento do gozo pelo significante que o anula e o restitui sob a forma de desejo significado: O gozo, por um lado, não é outra coisa que o desejo, que é, ao mesmo tempo, desejo morto (MILLER, 2000, p. 91). Lacan ( /1985) ressalta o amor como o único a fazer com que o gozo condescenda ao desejo. Para Miller (2010) o gozo condescende ao desejo na tentativa de suprir a ausência da relação sexual colocando em evidência a oposição entre o

4 enquistamento do gozo autoerótico e o amor que mostra sua abertura ao Outro. Mas como esse gozo pode entrar na dimensão do Outro? Como passamos do gozo ao desejo do Outro? Que lugar poderia sobrar para o amor como aquilo por meio do qual se atam e desatam os nós na clínica possível da perversão? A Clínica nos obriga e distinguir no mesmo sujeito sua posição em relação ao desejo como pergunta e a resposta que ele já tem sobre seu gozo. Nesse sentido, é possível perceber na perversão um sintoma da transferência; e se é possível falarmos de transferência na perversão, logo nos obrigamos a falar do amor numa relação analítica ancorada sobre a predominância do desafio como fenômeno transferencial, implicando uma não-outorgação da função analítica (FERRAZ, 2005). Na clínica, o sujeito-suposto-saber é que faz o vínculo entre o saber e o amor. O amor em jogo na transferência está ligado à presença do analista e à função que ele ocupa no tratamento. A demanda do paciente é de saber, e é em termos de saber que o analista deve responder a este amor. O sujeito busca uma resposta sobre si mesmo e seu sofrimento, porém, na perversão, a queda do suposto saber do analista se dá na entrada. Sendo assim, o que pode a análise? É inegável que a clínica da perversão se caracteriza por uma especificidade da relação transferencial. É partindo de uma aposta na ampliação da clínica psicanalítica e de seus dispositivos que nos propomos a investigar a relação transferencial peculiar à clínica da perversão. Tal clínica traz em sua base a sutil complexidade das relações narcisistas de objeto que produzem formas de vinculação diferente tanto das neuróticas como das psicóticas. A perversão lança um desafio ao analista, cujo objetivo seria a imposição da lei do seu próprio desejo sobre a lei paterna, a lei da diferença sexual e sobre a ordem simbólica. Diante dessa realidade, a função analítica passa a ser a de não ceder às imposições do paciente, identificando na própria transferência, a essência da perversão. Pensamos não haver outra forma de compreender essa especificidade de transferência que não seja por uma disposição ética do analista para a escuta. A clínica da perversão coloca em jogo uma questão que não é meramente técnica, mas essencialmente ética. Dogmatizar o veredictum de que o perverso não se angustia, é incorrer no risco de uma perversão da situação analítica (QUEIROZ, 2004). Assim, a análise assumiria uma configuração de impasse e paralisia, de desprezo do paciente pela análise, e de nenhuma identificação e aposta do analista no material clínico trazido pelo paciente. Não se trata

5 de recusar a demanda de amor específica do sujeito da perversão, mas também não cabe ao analista responder a ela. O fundamental nesse caso é se dispor a assumir outras posições e outras disposições para suportar em sua relação com esse sujeito a homologia entre suas posições de instrumentos de gozo do Outro (MILLER, 2010). A resposta do analista é o amor, o amor de transferência que o mantém afastado do gozo desse sujeito que ama dando aquilo que se tem. Referências Bibliográficas: BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, FERRAZ, F. C. Tempo e ato na perversão. São Paulo: Casa do Psicólogo, FERREIRA, N. P. A teoria do amor. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, LACAN, J. (1960) Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ( ) O Seminário Livro VIII: A transferência: Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ( ) Kant avec Sade. In Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ( ) O seminário Livro X: A angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ( ) O Seminário Livro XX: Mais ainda: Rio de Janeiro: Jorge Zahar, MILLER, J-A. O desejo. In Lacan Elucidado: Palestras no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Os seis paradigmas do gozo. In Opção Lacaniana. São Paulo, n 26-27, p , abril de Uma conversa sobre o amor. Opção Lacaniana on-line. Ano 1; nº 2, Julho, Disponível em: <www.opcaolacaniana.com.br>; Acesso em 25 de julho de QUEIROZ, E. F. A clínica da perversão. São Paulo: Editora Escuta; 2004.

Uma conversa sobre o amor

Uma conversa sobre o amor Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 1 Jacques-Alain Miller Foi um alívio ver que não havia nada sobre o quadro. Porque essa manhã, em outro lugar, ao entrar em uma

Leia mais

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : o corpo nas neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Introdução Foi através dos mistérios do corpo que Freud criou a psicanálise.

Leia mais

Os seis paradigmas do gozo

Os seis paradigmas do gozo Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 1 Jacques-Alain Miller (Paris), em Lacan, tal como eu os havia exposto em Los Angeles, são fotogramas simplificados. Eles foram

Leia mais

Alienação, separação e travessia da fantasia 1

Alienação, separação e travessia da fantasia 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 1 Março 2010 ISSN 2177-2673 Alienação, separação e travessia da fantasia 1 Marcos Bulcão Nascimento Em termos gerais, pode-se dizer que o processo de alienação

Leia mais

Ingresso do conceito de Passagem ao ato na teoria psicanalítica Tatiana Lins 1 Ana Maria Rudge 2

Ingresso do conceito de Passagem ao ato na teoria psicanalítica Tatiana Lins 1 Ana Maria Rudge 2 12 Ingresso do conceito de Passagem ao ato na teoria psicanalítica Tatiana Lins 1 Ana Maria Rudge 2 Resumo: Este artigo apresenta as consequências da introdução da noção de "passagem ao ato" no campo da

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

O QUE LEVA O SUJEITO A CRER?

O QUE LEVA O SUJEITO A CRER? UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICANÁLISE MESTRADO Pesquisa e Clínica em Psicanálise MARIA CECILIA GARCEZ O QUE LEVA O SUJEITO A CRER? SUJEITO

Leia mais

ACTING-OUT: O OBJETO CAUSA DO DESEJO NA SESSÃO ANALÍTICA

ACTING-OUT: O OBJETO CAUSA DO DESEJO NA SESSÃO ANALÍTICA ACTING-OUT: O OBJETO CAUSA DO DESEJO NA SESSÃO ANALÍTICA Tania Coelho dos Santos 1 Publicado em OPÇÃO LACANIANA Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, número 30, eds. Eólia, SP pags. 2001 A experiência

Leia mais

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan O objetivo deste artigo é abordar a constituição do eu como unidade e sua relação com a constituição da

Leia mais

Apresentação do Seminário 6: o desejo e sua interpretação, de Jacques Lacan, por Jacques-Alain Miller 1

Apresentação do Seminário 6: o desejo e sua interpretação, de Jacques Lacan, por Jacques-Alain Miller 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 Apresentação do Seminário 6: o desejo e sua interpretação, de Jacques Lacan, por Jacques-Alain Miller 1 1 Aqui está um livro

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Tema: 3 DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento Perla Klautau

Leia mais

THE PASSAGE TO THE ACT AS THE REAL ANSWER

THE PASSAGE TO THE ACT AS THE REAL ANSWER Título: A passagem ao ato como resposta do real Autor: Frederico Zeymer Feu de Carvalho - Psicanalista, membro EBP/AMP. Psychoanalyst, member EBP / AMP. E-mail: fredericofeu@uol.com.br Resumo: O tema da

Leia mais

A SEPARAÇÃO AMOROSA: UMA ABORDAGEM PSICANALÍTICA

A SEPARAÇÃO AMOROSA: UMA ABORDAGEM PSICANALÍTICA A SEPARAÇÃO AMOROSA: UMA ABORDAGEM PSICANALÍTICA Elen de Paula Ferreira* RESUMO: Neste trabalho, abordamos o sofrimento decorrente da separação amorosa a partir do referencial teórico da psicanálise, mais

Leia mais

A criança objetalizada

A criança objetalizada A criança objetalizada Cristina Drummond Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise A posição de objeto da criança Para ler as evidências, em nosso mundo contemporâneo, de que os sujeitos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICANÁLISE A CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO NO AUTISMO E SUA RELAÇÃO COM O OUTRO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ROBERTA

Leia mais

Os paradoxos do conceito de resistência: do mesmo à diferença The paradoxes of the concept of resistance: from the same to the difference

Os paradoxos do conceito de resistência: do mesmo à diferença The paradoxes of the concept of resistance: from the same to the difference Os paradoxos do conceito de resistência: do mesmo à diferença The paradoxes of the concept of resistance: from the same to the difference Rodrigo Ventura 1 Palavras-chave Resistência; diferença; conflito

Leia mais

Tá cada vez mais down no high society! Down, down, down... cantava

Tá cada vez mais down no high society! Down, down, down... cantava EDITORIAL Tá cada vez mais down no high society! Down, down, down... cantava Elis Regina, ironizando as angústias da periclitante classe média brasileira, nos anos 70, na canção de Rita Lee. Down passou

Leia mais

Que saber há no real?

Que saber há no real? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 Qual saber há no Real? Teresinha Natal Meirelles do Prado Na apresentação do tema do IX Congresso da AMP 1, J.-A. Miller lança

Leia mais

A passagem ao ato do analista

A passagem ao ato do analista A passagem ao ato do analista Flavia Pinhal de Carlos e Marta Regina de Leão D Agord O termo passagem ao ato foi utilizado, assim como o termo acting out, como tradução do termo alemão agieren usado por

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

A (não) extração do objeto a na psicose: algumas notas sobre o Homem dos Lobos

A (não) extração do objeto a na psicose: algumas notas sobre o Homem dos Lobos Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Mestrado em Psicologia Área de Concentração: Estudos Psicanalíticos Linha de Pesquisa: Conceitos fundamentais em Psicanálise

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

PÂNICO E DESAMPARO NA ATUALIDADE

PÂNICO E DESAMPARO NA ATUALIDADE PÂNICO E DESAMPARO NA ATUALIDADE Lucianne Sant Anna de Menezes Psicanalista; mestre pelo Instituto de Psicologia da USP; membro efetivo do Depto. de Formação em Psicanálise, Instituto Sedes Sapientiae;

Leia mais

The purpose of this paper is to analyze the place occupied by the child in. Opresente trabalho busca analisar o lugar ocupado pela criança, na

The purpose of this paper is to analyze the place occupied by the child in. Opresente trabalho busca analisar o lugar ocupado pela criança, na 15 Pulsional Revista de Psicanálise, ano XIV, n o 148, 15-25 A criança objeto a nos quatro discursos de Lacan Ruth Helena Pinto Cohen Opresente trabalho busca analisar o lugar ocupado pela criança, na

Leia mais

A violência e os seus limites

A violência e os seus limites Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 * Romildo do Rêgo Barros A abordagem psicanalítica da violência encontra, como se sabe, certas dificuldades. Uma delas vem do

Leia mais

A criança entre a mulher e a mãe

A criança entre a mulher e a mãe Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 1 JACQUES-ALAIN MILLER Escolhido por François Ansermet em uma lista em que eu desdobrava uma variedade diante dele, a partir

Leia mais

Um breve histórico da histeria: de Freud a Lacan

Um breve histórico da histeria: de Freud a Lacan Um breve histórico da histeria: de Freud a Lacan Monografia apresentada como requisito para conclusão do curso de especialização Lato senso: Psicanálise- Curso fundamental de Freud a Lacan, orientado pela

Leia mais

ISBN 978-85-62578-05-2. 1. Psicanálise. I. Kyrillos Neto, Fuad, org. II. Moreira, Jacqueline Oliveira, org. CDU: 159.964.2

ISBN 978-85-62578-05-2. 1. Psicanálise. I. Kyrillos Neto, Fuad, org. II. Moreira, Jacqueline Oliveira, org. CDU: 159.964.2 Pesquisa em Psicanálise : transmissão na Universidade / Fuad Kyrillos Neto, Jacqueline Oliveira Moreira, organizadores. Barbacena MG : EdUEMG, 2010. 179 p. ISBN 978-85-62578-05-2 1. Psicanálise. I. Kyrillos

Leia mais

O leão só salta uma vez: o valor da construção no método psicanalítico

O leão só salta uma vez: o valor da construção no método psicanalítico O leão só salta uma vez: o valor da construção no método psicanalítico Sandra Dias Em 1937 Freud situa além da interpretação do fragmento significante, a necessidade para o analista de adivinhar (erraten)

Leia mais