A Alienação (Karl Marx)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Alienação (Karl Marx)"

Transcrição

1 A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento A alienação do trabalho O Fenómeno da Materialização / Objectivação Uma terceira deterninação do trabalho alienado... 3 Conclusão... 4 Referências... 5 Resumo Apresenta-se o problema da Alienação elaborado a partir da abordagem de Karl Marx. Procura-se fazer uma leitura desenvolvida em três partes: a alienação pelo trabalho, a materialização/objectivação, e, por fim, a alienação do homem em relação ao homem. Introdução Marx observa a sociedade de uma forma materialista: o homem tem uma vida social e necessidades que vão muito além das básicas para a sobrevivência. Diferencia-se dos outros animais por ter desenvolvido uma consciência; os limites da sua existência abrangem um campo infinitamente maior que o dos instintos. Para possibilitar a manutenção de toda uma vida ele passa a produzir materialmente, sendo que a acção colectiva tem um papel extremo nessa mesma produção. Neste âmbito acaba por surgir a comunicação, a troca de ideias e a divisão do trabalho. A conjunção de pensamentos e linguagem, juntamente com a actividade material acabam por constituir uma parte da sua existência enquanto Homem, independentemente de quais forem as suas necessidades ou interesses. No entanto, e como resultado desta aglomeração, acontece, consequentemente, uma contradição de ideias no interior do próprio individuo. Contradição essa que põe em confronto os interesses pessoais e o interesse geral (de uma sociedade ou grupo social). É errado, porém, pensar que esse choque de ideias acontece apenas num campo abstracto/imaginativo, na verdade ele habita a realidade concreta onde o Homem, enquanto ser/fenómeno social é dependente da sua realação com os outros indivíduos. Assim, o interesse geral passa a ser uma força contrária ao interesse individual, sende que este fenómeno acaba por tornar o indivíduo estranho às suas próprias acções. Ou seja ele é obrigado a produzir materialmente em condições independentes das sua vontades. O trabalho responde à disciplina semestral Cultura Visual II do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, leccionada em 2006 por João Paulo Queiroz. 1

2 Estes conceitos são desenvolvidos, no trabalho, em três partes: a alienação do trabalho, O fenómeno da materialização/objectivação, Uma terceira determinação do trabalho alienado, partes essas que vão ser lidas pela ordem referida. 1) A alienação do trabalho Marx, no que diz respeito à alienação do trabalho, mais propriamente dita, afirma que a valorização do mundo material (em todos os seus aspectos) acaba por aumentar em proporção directa a desvalorização do próprio homem (Marx, 1993). Deste modo, o trabalho acaba por se autonomizar da ideia/conceito de trabalho, para se transformar no próprio prudutor de mercadoria. Ou seja o homem acaba por ser um produto do trabalho que produz, tornando-se escravo do mesmo. Isto acontece porque não existindo qualquer tipo de ligação entre a produção e o produtor, esta aparece como um ser estranho ao próprio indivíduo, um poder independente do produtor. O produto do trabalho é o trabalho que acabou por se fixar num objecto incorporando-o e assim, acabando por se transformar em algo físico, palpável. A realização do trabalho constitui simultâneamente a sua materialização. Assim, o processo de alienação pressupõe duas etapas: a realização do trabalho, que aparece na esfera da economia política como desrealização do trabalhador e a materialização que aparece como perda e servidão do próprio objecto. Depois, a apropriação gera a alienação. A realização do trabalho surge de tal modo como desrealização que o trabalhador se invalida até à morte pela fome. A materialização revela-se de tal maneira como perda do objecyo, que o trabalhador acaba por ficar privado dos objectos necessários não só à vida como também ao próprio trabalho. A apropriação do objecto manifesta-se a tal ponto como alienação que quanto mais objectos o trabalhador produzir tanto menos ele pode possuir e mais se submete ao domínio do seu producto/ capital. Tudo isto remete para o facto do produto do seu trablho aparecer em relação ao trabalhador como um objecto estranho. Com base neste pressuposto, é claro que quanto mais o trabalhador se esgota em si mesmo mais poderoso se torna o mundo material que ele próprio cria perante si. Assim torna-se cada vez mais pobre interiormente e cada vez menos pertence a si próprio (Pensar em Termos de Alienação, s.d.) Marx estabelece, no que diz respeito a esta questão, um paralelismo entre a situação mencionada e a situação religiosa: quanto mais o homem atribui a Deus, tanto menos guarda para si mesmo, afirma (Marx, 1993). 2

3 O trabalhador coloca toda a sua vida no objecto, no entao esta já não lhe pertence mas sim ao próprio objecto. Quanto maior for, assim, a sua actividade, menos o objecto percente ao trabalhador. O que se incorporou no objecto do seu trabalho já não é seu. Assim pode dizer-se que tanto maior é o produto, mais ele fica diminuído. A alienação do trabalhor significa não só que o trabalho se transforma em objecto, assumindo uma existência externa, mas também que existe indepentendemente e fora dele tornando-se um poder autónomo. A vida que o trabalhador deu ao objecto torna-se uma força hostil e antagónica. 2) o fenómeno da materialização/objectivação O trabalhador nada pode criar sem a natureza : este é o material onde se realiza o trabalho, onde ele é activo, a partir do qual e por meio do qual produz coisas. Mas assim como a natureza e o mundo externo sensível, fornecem os meios de existência do trabalho, no sentido em que o trabalho não pode viver sem um objecto ( no qual se exercita) de igual modo ela proporciona os meios de existência : O mundo da natureza torna-se cada vez menos um objecto que pertence ao seu trabalho ou um meio de existência no sentido imediato, meio para a subsistência física do trabalhador. Assim, o trabalhador torna-se servo do objecto, primeiro porque recebe um objecto de trabalho, ou seja, recebe trabalho; em seguida, pelo facto de receber meios de subsistência. Deste modo o objecto capacita-o para existir, primeiro como trabalhador, e em seguida como sujeito físico. A culminação de tao servidão é que ele só pode manter-se como sujeito físico, enquanto trabalhador e só trabalhador enquanto sujeito físico. Conclui-se, portanto, que o homem enquanto trabalhador, so se sente livermente activo nas suas funções animais ( comer, beber, procriar, etc), enaquanto nas funções humanas se sente reduzido a animal. No entanto funções como beber, comer e procriar, são também certamente funções humanas. Mas abstractamente consideradas, o que as separa da restante esfera da actividade humana e as transforma em finalidades últimas e exclusivas é o elemento animal (Marx, 1993). Considerámos o acto de alienação da actividade prática e humana, o trabalho, segundo dois aspectos: A relação entre trabalhador e producto de trabalho como relação na qual o segundo é um objecto estranho que domina o primeiro. O mesmo se aplicando ao mundo da natureza, como um mundo estranho e hostil; 3

4 A relação do trabalho ao acto da produção dentro do trabalho. Tal relação é a realação do trabalhador à própria actividade como uma coisa estranha, que não lhe pertence., a actividade como sofrimento, aforça como impotência, a criação como emasculação, a própria energia física e mental do trabalhador, a sua vida pessoal como uma actividade dirigida contra ele, independente dele, que não lhe pertence. Aqui podemos falar de auto-alienação, em contraposição com a acima referida alienação da coisa. 3) Uma terceira deterninação do trabalho alienado O homem é um ser genérico em dois sentidos: por um lado, faz objecto seu, prática e teoricamente, a espécie, por outro lado comporta-se perante si mesmo como a espécie presente, viva, como um ser universal e portanto livre. A vida genérica, tanto para o homem como para o animal, possui a sua base física no facto de que o homem vive da natureza inorgânica, e uma vez que o homem é mais universal que o animal, também mais universal é a esfera da natureza inorgânica de que ele vive. No plano físico o homem vive apenas dos produtos naturais na forma de alimento, calor, vestuário, etc. A universalidade do homem aparece praticamente na universalidade que faz de toda a natureza o seu corpo inorgânico: como meio imediato de vida como objecto material e instrumento da sua actividade vital O homem vive da natureza, ou melhor, a natureza é o seu corpo com o qual tem de manter-se em permanente intercâmbio para não morrer. Afirmar que a vida física e espiritaul do homem e a natureza são interdependentes, significa apenas que a natureza se interrelaciona consigo mesma, já que o homem é uma parte da natureza. Uma vez que o trabalho alienado, por uma lado aliena a natureza do homem e por outro, aliena o homem em si mesmo, a sua função activa, a sua actividade vital, acaba por alienar igualmente o homem a respeito da espécie; transforma a vida genérica em meio da vida individual. Em primeiro lugar aliena a vida genérica e individual; em seguida muda esta última na sua abstracção em objectivo da primeira, portanto na sua forma abstracta e alienada. De facto o trabalho e a actividade produtiva aparecem agora ao homem como unico meio de satisfação de uma necessidade (a de manter a existência física). A vida revela-se simplesmente como meio de vida (Marx, 1993). 4

5 O animal identifica-se imediatamente com a sua actividade vital. Não se destingue dela. É a sua própria actividade. Mas o homem faz da actividade vital o objecto da vontade e da consciência. A actividade vital consciente, destingue o homem das actividades vitais dos animais. Só por esta razão é que ele é um ser genérico. Ou melhor só é um ser consciente, quer dizer, a sua vida constitui para ele um objecto, porque é um ser genérico. Unicamente por isso é que a sua actividade surge como livre. O trabalho alienado inverte a relação uma vez que o homem, enquanto ser consciênte, transforma a sua actividade vital, o seu ser, em simples meio da sua existência. A consciência que o homem tem da própria espécie muda-se através da alienação, de maneira que a vida genérica se transforma para ele em meio. Por conseguinte, o trabalho alienado transforma: a vida genérica do homem, tal como a natureza enquanto sua propriedade genérica espiritual. Aliena o homem e o próprio corpo, bem como a natureza externa, a sua vidade intelectual e humana. Uma consequência imediata da alienação do homem a respeito do produto do seu trabalho, da sua vida genérica, é a alienação do homem relativamente ao homem. Quando o homem se contrapõe a si mesmo, entra igualmente em oposição com os outros homens. De modo geral, a afirmação de que homem se encontra alienado da sua vida genérica, significa que um homem está alienado dos outros, e que cada um dos outros se encontra igualmente alienado da vida humana. Conclusão O homem, ao modificar a sua faceta animal e, consequentemente, a sua humanidade (subordinando-a a um complexo sistema social de valores), acaba por perder a sua verdadeira essência. A alienação humana e, sobretudo, a relação em que o homem se encontra consigo mesmo, realiza-se e exprime-se primeiramente na relação do homem com os outros homens. Então, na relação do trabalho alienado, cada homem olha os outros homens segundo o padrão e a relação em que ele próprio, enquanto ser trabalhador, se encontra. Existe também a questão da alimentação da alienação: trata-se neste caso de um certo tipo de propagandas de produtos que vai desumanizar os homens, sendo que, um dos grandes objectivos das mesmas será o de relacionar o produto com o consumidor, apropriando-se neste caso do próprio consumidor, e, atingindo o seu propósito a partir do momento em que o produto é consumido, e a sensação de humanização estanque após a sua utilização. 5

6 Em síntese, para melhor compreender o problema da alienação é importante ter em conta a sua dupla contradição. Por um lado, há a ruptura do indivíduo com a sua própria natureza havendo também uma síntese de ruptura anterior que apresenta agora novas possibilidades de romper com a mesma alienação. Em seguida apresenta-se uma contradição externa: o produto tenta desumanizar-se o que leva o homem a lutar pela reapropriação da sua própria natureza. Referências Marx, K., «O Trabalho Alienado» in Manuscritos Económico Filosóficos, Lisboa: Ed. 70 Wikipedia contributors (2006 a), The Free Encyclopedia [em linha]. Disponível em «http://pt.wikipedia.org/wiki/karl_marx» Wikipedia contributors (2006 b), The Free Encyclopedia [em linha]. Disponível em «http://pt.wikipedia.org/wiki/aliena%c3%a7%c3%a3o» Pensar em Termos de Alienação (s.d.) [em linha]. Disponível em «www.marxists.org/portugues/seve/1999/02-02.htm» 6

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

Manuscritos Econômico-Filosóficos

Manuscritos Econômico-Filosóficos Manuscritos Econômico-Filosóficos Karl Marx Trabalho Alienado (XXII) Partimos dos pressupostos da Economia Política. Aceitamos sua terminologia e suas leis. Aceitamos como premissas a propriedade privada,

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Teoria Sociológica I

Teoria Sociológica I MARX, Karl, Trabalho Estranhado e Propriedade Privada, Manuscritos Econômico-filosóficos, São Paulo, Boitempo Editorial, 2004 (tradução de Jesus Ranieri) (1844) Partimos dos pressupostos da economia nacional.

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Pode-se deduzir que a matéria, tal como a conhecemos, representa o estado mais condensado do fluido universal.

Pode-se deduzir que a matéria, tal como a conhecemos, representa o estado mais condensado do fluido universal. CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO PRINCÍPIO MATERIAL E PRINCÍPIO INTELIGENTE Por Joel Matias Quando de nossas trocas de idéias com estudantes da Doutrina Espírita, temos observado a existência de alguma dificuldade

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires

ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO. Manuel João Pires SOCIALISMO2007 ÉTICA AMBIENTAL: A ÉTICA DO FUTURO Manuel João Pires ÉTICA AMBIENTAL Reflexão sobre os princípios que devem orientar a nossa acção nas relações que estabelecemos com o mundo natural. ÉTICA

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Uma Introdução à Filosofia de Sri Aurobindo Joan Price 1 Capítulo 5 Involução e Ignorância Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Ponto de partida

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

TRABALHO ESTRANHADO* (Extrato)

TRABALHO ESTRANHADO* (Extrato) TRABALHO ESTRANHADO* (Extrato) Karl Marx** XXII Partimos dos pressupostos da economia nacional. Aceitamos sua linguagem e suas leis. Supusemos a propriedade privada, * O presente texto é um fragmento (parte

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Princípios Elementares de Filosofia

Princípios Elementares de Filosofia Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Obra editada pela Prelo Editora, SARL, em janeiro de 1975 (4.ª Edição) Colocado em linha em: 2012/01/23 Princípios

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Bravo Nico Universidade de Évora 1. INTRODUÇÃO Aprendemos em qualquer circunstância. Aprendemos

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro)

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Boas práticas de fabrico de manipulados (Revogado pela Portaria n.º 594/2004, de 2 de Junho) O Dec.

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

ALIENAÇÃO DO TRABALHO

ALIENAÇÃO DO TRABALHO ALIENAÇÃO DO TRABALHO Enquanto ser ativo, o homem se humaniza pelo trabalho e se desumaniza no trabalho. Por que o trabalho, atividade pela qual o homem se produz, também o aliena de si e dos outros? Desde

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções como Dinheiro Funções básicas: a) medida de valores; b) meio de circulação. Funções próprias: a)

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO A realidade é que o homem tem um estranho desejo de conhecer e que sua natureza falha... A verdadeira natureza do homem é ampla, consiste em ter capacidades e também em ter

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi

PLANEJAMENTO E GESTÃO. Renato De Marchi PLANEJAMENTO E GESTÃO Renato De Marchi Processo de Trabalho e Eficiência Produtiva Com o avanço da divisão do trabalho, a ocupação da maior parte daqueles que vivem do trabalho, isto é, da maioria da população,

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

Vogal de Caridade Cadernos de Serviços

Vogal de Caridade Cadernos de Serviços Vogal de Caridade Cadernos de Serviços Nome: Conselho Local / Regional / Nacional Centro Local: Vicente de Paulo foi um homem aberto a Deus e aos homens, daí ser chamado o santo da caridade. Homem humano,

Leia mais

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de História de Educação Física -

Leia mais

Palavras-chave: Teatro, teatro épico, identificação, estranhamento

Palavras-chave: Teatro, teatro épico, identificação, estranhamento Entre a Identificação e o Estranhamento Natássia Duarte Garcia Leite de Oliveira. Programa de Pós-Graduação em Educação/ Universidade Federal de Goiás Doutoranda Cultura e Processos Educacionais Orientadora:

Leia mais

XXV anos de FUNDOS de PENSÕES

XXV anos de FUNDOS de PENSÕES XXV anos de FUNDOS de PENSÕES 05 de Maio de 2010 - Lisboa - Francisco de Medeiros Cordeiro Provedor dos Participantes e Beneficiários de Adesões Individuais a Fundos de Pensões Abertos I ve Got a Feeling

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 7.7.2006 Jornal Oficial da União Europeia L 186/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1028/2006 DO CONSELHO de 19 de Junho de 2006 relativo às normas de

Leia mais

A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. O processo de degradação do trabalho na sociedade capitalista.

A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. O processo de degradação do trabalho na sociedade capitalista. A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA Cristhyane Ramos Haddad - UTP Daniel Vieira da Silva UTP Resumo: O presente artigo pretende mostrar que o trabalho no sistema capitalista assume a

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

o FE Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital e a Senhora terra e a Senhora Terra Esteé éum mundoencantado Virado às avessas Virado às avessas

o FE Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital e a Senhora terra e a Senhora Terra Esteé éum mundoencantado Virado às avessas Virado às avessas ! a l a f o FETICHE fala! E H C I T o FE o iolad desm tido r perve Este Esteé éum um mundo mundoencantado encantado Virado às avessas Virado às Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital avessas e

Leia mais

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida 1 TEMA Como as instruções maçônicas mudaram minha vida Paulo Cesar de Freitas Machado - A M CAD. Nº 8064 2 A Glória do Grande Arquiteto do Universo Como as instruções maçônicas mudaram minha vida INTRODUÇÃO:

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da

Leia mais

Jan/2009. Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com

Jan/2009. Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com Jan/2009 Joanna de Ângelis afirma que os questionamentos e desafios da humanidade terrena somente poderão ser resolvidos quando o ser humano for considerado

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: ALGUMAS REFLEXÕES

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: ALGUMAS REFLEXÕES O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: ALGUMAS REFLEXÕES Resumo VIVAN, Renato Pizzatto PMC/ UFPR renato_vivan@yahoo.com.br Área Temática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 As assertivas a seguir resumem formulações teóricas da Sociologia sobre coesão social e anomia Leia-as e assinale a alternativa que indica as formulações corretas na tradição teórica

Leia mais

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós Esta é a primeira de duas lições que lhe darão um bom fundamento para tudo quanto estudar neste curso. Nesta primeira lição, estudará a sua importância no corpo de Cristo.

Leia mais

0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas.

0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas. 0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas. 0 homem se sente aparentado com a Terra e suas forças. A própria vida instrui-o claramente

Leia mais

Processos apensos T-6/92 e T-52/92. Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias

Processos apensos T-6/92 e T-52/92. Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias Processos apensos T-6/92 e T-52/92 Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias «Funcionários Acto que causa prejuízo Reembolso das despesas com auxiliares médicos e enfermagem Redução

Leia mais

Trabalhar com Paramédicos no Terreno

Trabalhar com Paramédicos no Terreno Transmitindo ao Mundo a sua mensagem de solidariedade e humanismo, sobretudo através das suas missões e do desenvolvimento de técnicas e métodos de intervenção em situações de crise evolutivas. As nossas

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

Pensar enfermagem é necessário

Pensar enfermagem é necessário Pensar enfermagem é necessário Maria Irene da Paz Valente Professora Coordenadora Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico da Guarda Enfermeiro é aquele Ser Humano, que cuida de outro Ser Humano,

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL A Motivação : a força geradora do comportamento Quando nos interrogamos sobre a razão pela qual o indivíduo age de determinada maneira, estamonos a interrogar pelos motivos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM INFANTIL NAS PERSPECTIVAS SÓCIO-HISTÓRICA, ANTROPOLÓGICA E PEDAGÓGICA: UM ESTUDO DO REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Denise Fernandes CARETTA Prefeitura

Leia mais

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da indústria artesanal não se concedia demasiada importância ao fenómeno do trabalho infantil. As pessoas de então preocupavam-se,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

Ética, educação ambiental e acesso à informação

Ética, educação ambiental e acesso à informação População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2008-09 Ética, educação ambiental e acesso à informação Gustavo Vicente Ética A palavra ética vem do grego ETHOS que significa: modo de ser, carácter

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL

ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL 212 ESTRATÉGIAS PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL Cyro de Almeida Durigan Uni-FACEF INTRODUÇÃO O Brasil pode ser considerado, ainda, um país em desenvolvimento no que tange o turismo. Há apenas alguns anos o

Leia mais

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras.

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras. A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em um encontro querigmático, tem a finalidade de levar o participante ao conhecimento do Deus Trino, que por amor cria o mundo e os homens. Ao mesmo tempo,

Leia mais

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ Resolução da Assembleia da República n.º 74/2004 Concordata entre a República Portuguesa e a Santa Sé, assinada em 18 de Maio de 2004 na cidade do Vaticano Aprova, para ratificação, a Concordata entre

Leia mais

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO?

A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? A PRIVATIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITOS ADQUIRIDOS OU ARBÍTRIO LEGISLATIVO? Intervenção de Lino José Baptista Rodrigues Ribeiro Juiz Desembargador do Tribunal Central

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais