A crítica à razão especulativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A crítica à razão especulativa"

Transcrição

1 O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo

2 Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista, chave na história do século XX. Karl Marx Até agora os filósofos não fazem senão interpretar o mundo de diversas maneiras, porém trata-se de transformá-lo.

3 Fontes de seu pensamento O marxismo se fundamenta em três pilastras fundamentais: ECONOMIA POLÍTICA INGLESA HEGEL SOCIALISMO UTÓPICO FRANCÊS

4 INFLUÊNCIA DE HEGEL: MÉTODO DIALÉTICO A sociedade avança no tempo, através de conflitos e contradições, por meio de formas superiores de organização (progresso histórico). Criador do Idealismo Absoluto

5 ECONOMIA POLÍTICA INGLESA Ricardo, Adam Smith O valor de um produto se baseia no trabalho que se incorpora ao mesmo, na quantidade e qualidade do trabalho que foi requerido na sua elaboração.

6 SOCIALISMO UTÓPICO FRANCÊS Proudhon, Bakunin, Louis Blanc Necessidade de ir mais além da sociedade burguesa, das conquistas da Revolução Francesa, através das reformas sucessivas do sistema. Bakunin Proudhon

7 VERTENTES DA OBRA DE MARX Segundo Althusser, filósofo marxista, podemos distinguir duas grandes etapas em sua obra: Marx jovem Teoria da alienação, Reflexão sobre a ideologia Marx maduro Materialismo histórico

8 As Classes Sociais As desigualdades sociais são provocadas pelas relações de produção, que no capitalismo se divide em proprietários e não-proprietários dos meios de produção.

9 As Classes Sociais As relações entre as classes são de oposição, antagonismo, exploração e complementaridade.

10 As Classes Sociais Os não-proprietários vendem sua força de trabalho. Os interesses de classe são inconciliáveis (exploração).

11 As Classes Sociais As classes, porém, são complementares. Uma existe por causa da outra.

12 As Classes Sociais Desde o surgimento da propriedade privada, a história do homem é a história da luta de classes.

13 As Classes Sociais Exemplo: ideologia. É a garantia da dominação por parte da classe dominante. Tanto do proletariado, que resiste, tanto pelas formas da classe dominante.

14 TEORIA DA ALIENAÇÃO FONTES Economia: ato mediante o qual uma pessoa transmite a outra a propiedade Hegel: Objetivação do Espírito em sua obra Feuerbach: empobrecimento do homem em Deus

15 BASES ANTROPOLÓGICAS DA TEORIA DA ALIENAÇÃO O homem se mostra, desde suas origens, como um ser ativo e produtivo. A capacidade ativa e produtiva do homem se realiza no trabalho. Mediante o trabalho, o homem transforma a natureza e se transforma a si mesmo.

16 BASES ANTROPOLÓGICAS DA TEORIA DA ALIENAÇÃO O homem sempre trabalhou em grupo, de forma que o trabalho foi também um instrumento transformador das relações sociais. No trabalho o homem se realiza também como espécie, como ser genérico. A história do homem é a história do desenvolvimento crescente de suas possibilidades e ao mesmo tempo de uma crescente alienação.

17 A ALIENAÇÃO NO TRABALHO Alienação do produto (despojo) Ao transformar-se o objeto em produto e introduzir-se no mercado Escapa do controle do trabalhador.

18 Alienação do trabalho Alienação do ato de trabalho. O trabalho na sociedade capitalista não é um fim, não está orientado a propiciar o desenvolvimento do homem. Se não que é um meio para satisfazer as necessidades biológicas fora do trabalho.

19 Alienacão do trabalho Alienação da vida em geral O trabalho alienado faz com que o trabalhador seja despossuído também da vida da espécie, enquanto a natureza e a cultura, a criatividade lhe são alienadas, ao não ter aceso ao seu desfrute.

20 Outras formas de alienação Alienacão econômica Alienação social: As relações sociais se instrumentalizam Alienação política: O Estado está ao serviço das classes exploradoras Alienação religiosa: o explorado se refugia na religião para escapar da miséria

21 A superação da alienação Sociedade comunista. Suprime a desumanização O principal instrumento para superar a alienação é a luta de classes A classe operaria é a única classe Revolucionária. Não é uma generalização do ter, senão uma realização do ser do homem.

22 QUE IMPORTÂNCIA TEM O PENSAMENTO? TEORIA DAS IDEOLOGIAS A consciência é um produto social. A forma de vida existente no modo de produção capitalista é a que criou o modo idealista de pensar Marx sublinhou a dependência que existe entre o pensamento e a vida material e social do homem Serve o pensamento para transformar a realidade?

23 O caráter enganoso das ideologias Um dos riscos do pensamento é oferecer uma imagen falseada ou sublimada das condições em que se desenvolve a vida humana. Moral Filosofia Religião Toda ideologia trata de justificar e defender os interesses subjetivos dos que formulam o conteúdo ideológico

24 A crítica das ideologias Toda ideologia serve para mascarar a exploração. Para mostrar as bases da exploração precisa criticar as ideologias. A ciência critica de forma racional e objetiva a sociedade, frente às ideologias O materialismo histórico foi a teoria criada por Marx para analisar objetiva e criticamente as leis sócio-históricas, com a finalidade de promover a mudança social.

25 Origem histórica do capitalismo Acumulação primitiva de capital. Passagem do artesanato à manufatura. Revolução Industrial.

26 O Salário O operário, nada possuindo, vende sua força de trabalho, que se torna mercadoria.

27 O Salário Salário = valor da força de trabalho. O salário deve garantir a reprodução das condições de subsistência do trabalhador e sua família.

28 O Salário O salário depende dos bens necessários ao trabalhador, que variam conforme os costumes.

29 O Salário Depende da natureza do trabalho, destreza, habilidade educação e treinamento para o trabalho.

30 Trabalho, valor e lucro O Trabalho é uma mercadoria especial para o capitalismo, que ao invés de se desvalorizar, gera riqueza.

31 Trabalho, valor e lucro Assim, no valor de uma mercadoria incorpora-se o valor do tempo de trabalho de todos os que nela trabalharam.

32 Trabalho, valor e lucro Para Marx, o trabalha reaviva algo morto. No valor de uma mercadoria incorpora-se o tempo de trabalho necessário à produção.

33 Trabalho, valor e lucro Para lucrar, não bastaria aumentar o preço do produto (ficaria irreal ao mercado, mais caro do que custou para ser produzido).

34 Mais-valia Para lucrar, o capitalista se apropria daquilo que o proletário produziu, porém não embolsou. É no salário que se lucra.

35 Mais-valia Uma coisa é o valor da força de trabalho, outra é quanto esse trabalho rende ao capitalista.

36 Mais-valia Quanto mais mecanizada, menos importante é o trabalho; a força de trabalho vale menos, mas se produz mais. E lucra-se mais.

37 O MATERIALISMO HISTÓRICO Mediante esta teoria Marx quis explicar o desenvolvimento histórico desde a óptica da classe trabalhadora, para promover a transformação social. Método de explicação A dialética Hegel Marx História como o desenvolvimento do Espírito História como luta de classes IDEALISMO MATERIALISMO

38 MARCO DE COMPREENSÃO DO HISTÓRICO A história não pode ser considerada como uma coleção de fatos isolados. O social deve ser estudado como uma totalidade concreta, à luz de um modelo teórico abstrato, o modo de produção. TOTALIDADE SOCIAL CONCRETA (Formação social) TOTALIDADE ABSTRATA (Modo de produção)

39 O MODO DE PRODUÇÃO Modelo teórico que estuda o social como um conjunto deestruturas articuladas e onde o econômico é determinante enm última instância Infraestrutura económica Superestrutura jurídico política Superestrutura ideológica

40 A Infraestrutura econômica de uma sociedade é a forma como essa totalidade social organiza la produção material de bens, a distribução e o consumo. Da forma como os homens produzem mediante o trabalho os bens materiais, depende a organização que adotam a distribução e o consumo. A INFRAESTRUTURA ECONÔMICA

41 A PRODUCÃO DE BENS As distintas formas que adotam a produção de bens nos diferentes modos de produção dependem: FORÇAS PRODUTIVAS RELAÇÕES SOCIAIS DE PRODUÇÃO Quantidade de bens e riqueza social que uma comunidade é capaz de produzir em um momento dado São as que se estabelecem entre os homens na esfera econômica, quando trabalham

42 As relações sociais de produção Se sustentam nas relações de propriedade Se manifestam em todas as esferas da vida social Determinam as classes sociais

43 Tipos de relações sociais de produção Relações de exploração Relações de cooperação Baseadas na propriedade privada dos meios de produção Baseadas na propriedade social dos meios de produção Relações de escravidão Relações de servidão Relações capitalistas Sociedades primitivas Futura sociedade sem classes

44 As forças produtivas Dependem Relações sociais de produção Dos meios de trabalho e sobretudo da tecnologia Crescimento das forças produtivas Mudança nas relações sociais de produção Modificação da totalidade social

45 A superestrutura jurídicopolítica Conteúdo Instituições e leis Estado Hegel A máxima expressão do Espírito objetivo de um povo Mar x Instrumento de dominação das classes hegemônicas sobre as classes oprimidas

46 A mudança histórica A contradição no interior da totalidade social é o motor da mudança tanto em Hegel como em Marx Hegel As contradições têm lugar na esfera do pensamento. Marx Arrancam na infraestrutura e se expressam em todas as esferas da totalidade social.

47 Os Meios de Produção na História Escravista Feudal A forma de apropriação do trabalho excedente por parte dos homens livres se realiza através do direito de cidadania.. A apropriação do trabalho alheio se realiza pelo senhor feudal através dos tributos e das prestações pessoais Capitalista Os donos dos meios de produção se apropriam do trabalho excedente dos assalariados através da mais-valia. Se haveria de caraterizar pela propriedade coletiva dos meios de produção. Socialista

48 Crítica à Marx - Levou à uma nova análise da sociedade. - Relacionou realidade, filosofia e ciência. -Analisando de forma concreta cada sociedade, conseguiu realizar abstrações.

49 Crítica à Marx -Pensa as realidades de forma universalista. -A ciência só não seria ideológica se inserir no contexto das relações de produção.

50 Crítica à Marx -Sociedades não são doentes, são relações de conflito. -Na prática, porém, suas conclusões não se mostraram completamente corretas. Afinal de contas, é apenas ciência, provisória portanto.

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama Sociologia Jurídica Apresentação 1.1.a Origem e panorama Origem e panorama Autores clássicos da sociologia Émile Durkheim Karl Marx Max Weber Émile Durkheim Fonte: SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia

Leia mais

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan SOCIOLOGIA Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan TRABALHO Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

TRABALHO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

TRABALHO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO TRABALHO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Aula 2 Tema 1.1 - Conceitos de Ciência, Tecnologia e Inovação Tecnológica: o conhecimento científico como socialmente construído Flavia L. Consoni Agosto, 2006 Estrutura

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL Fixação 1) Leia com atenção as proposições abaixo: I) A história de qualquer sociedade até aos nossos dias foi apenas a história da luta

Leia mais

KARL MARX (1818-1883)

KARL MARX (1818-1883) KARL MARX (1818-1883) 1861 Biografia Nasceu em Trier, Alemanha. Pais judeus convertidos. Na adolescência militante antireligioso; A crítica da religião é o fundamento de toda crítica. Tese de doutorado

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2ª ETAPA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2ª ETAPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos PAAES - Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior

Leia mais

O marxismo heterodoxo de João Bernardo

O marxismo heterodoxo de João Bernardo O marxismo heterodoxo de João Bernardo João Alberto da Costa Pinto 1 Meu propósito neste colóquio é o de fazer uma rápida apresentação de alguns aspectos conceituais que considero fundamentais na proposta

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO O que é trabalho? A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado na agricultura e também como instrumento de tortura. O trabalho está associado

Leia mais

A LOUCURA DO TRABALHO

A LOUCURA DO TRABALHO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLO GIA ORGANIZACIONAL II PROFESSORA: SIRLEI CAVINATO A LOUCURA DO TRABALHO Acadêmica:

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA. Concepção de currículo integrado

FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA. Concepção de currículo integrado FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA Concepção de currículo integrado A FORMAÇÃO INTEGRADA A formação Integrada Dois eventos recentes: marcaram as lutas O decreto 2.208/97 Aparta ensino médio de educação profissional

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO Sistema de Ensino CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO UNO Ensino Médio Sociologia 1 Módulo I Nascimento da Sociologia I Do início 1. Da era pré-científica ao Renascimento I. O conhecimento como característica

Leia mais

Estratificação/ Classes/ Desigualdade Social

Estratificação/ Classes/ Desigualdade Social 1. Dos fatores abaixo, NÃO podemos relacionar como uma das causas das desigualdades sociais: a) má distribuição de renda. b) omissão do Estado. c) perpetuação da pobreza. d) diferenças etárias e geracionais.

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 61 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.6 CIÊNCIA

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica POSSIBILIDADES DIDATICO-PEDAGÓGICAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA: UMA PROPOSTA ENTRE DOMÍNIOS DE CONHECIMENTOS NA ESCOLA ESTADUAL INDIGENA CENTRAL EDUCAÇÃO BÁSICA KĨSÊDJÊ Rosimeyre Gomes da Silva

Leia mais

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO 5.11.05 O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Primeira versão, 5.11.2005; segunda, 27.2.2008. No século dezessete, Hobbes fundou uma nova teoria do Estado que

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2015.

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2015. LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2015. Série: 2 º ano Aluno(a): Disciplina: Sociologia Professora: Rafael e-mail: rafaelgargano@gmail.com Karl Marx Profº: Rafael Gargano Principais conceitos Mais-Valia

Leia mais

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Karl Marx Prof Hilton Franco

Curso Wellington Sociologia Teorias Sociológicas Karl Marx Prof Hilton Franco 1. Segundo Marx, o fator fundamental do desenvolvimento social assenta-se nas contradições da vida material, na luta entre as forças produtivas da sociedade e as relações sociais de produção que lhe correspondem.

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01 Leia este trecho:... aquele que não faz parte de cidade alguma [ápolis], por natureza e não por acaso, é inferior ou

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA Carta de Santa Maria FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO SANTA MARIA-RS/BRASIL EDUCAÇÃO: ECONOMIA SOLIDÁRIA E ÉTICA PLANETÁRIA Nós, participantes do Fórum Mundial de Educação, realizado em Santa Maria (RS-Brasil),

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO BATISTA, Erika IFSP_Campinas/Unesp erikkabatista@gmail.com DE BLASI, Jacqueline

Leia mais

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014 A dialética em Marx Francisco Antonio de Vasconcelos EU-Piauí Doutor em Educação Universidad de la Empresa (reconhecido pela Universidade Federal de Uberlândia). E-mail: franciscoantonio_vasconcelos@yahoo.com.br

Leia mais

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo Súmula Teoria Energética Paulo Gontijo O Universo Chama-se Universo ao conjunto de todas as coisas. Sua existência pressupõe a necessidade de dois conceitos anteriores a ele, que se denominam existência

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Michael Heinrich * Resumo Neste pequeno artigo 1, o autor introduz didaticamente o conceito de dinheiro que se encontra

Leia mais

Cultura: diferentes significados

Cultura: diferentes significados 1 Cultura: diferentes significados O termo cultura é utilizado com diferentes significados. No senso comum encontramos o uso do termo como sinônimo de educação. Nesta acepção, a cultura tem sido motivo

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

o FE Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital e a Senhora terra e a Senhora Terra Esteé éum mundoencantado Virado às avessas Virado às avessas

o FE Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital e a Senhora terra e a Senhora Terra Esteé éum mundoencantado Virado às avessas Virado às avessas ! a l a f o FETICHE fala! E H C I T o FE o iolad desm tido r perve Este Esteé éum um mundo mundoencantado encantado Virado às avessas Virado às Em que o Senhor Em que o Capital Senhor Capital avessas e

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise Positiva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II David Ricardo Profa. Enimar No século XVIIII tem início a fase científica da Economia. As Escolas Fisiocrata e Clássica foram as primeiras Escolas do Pensamento Econômico

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano didático pedagógico. A História como Ciência.

Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano didático pedagógico. A História como Ciência. Unidade I Grandes civilizações antigas. Aula 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano didático pedagógico. A História como Ciência. Habilidade: Aula de introdução e análise dos principais temas científicos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos SERVIÇO SOCIAL Campus Regional de Ivaiporã 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Serviço Social PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

A organização dos meios humanos na empresa

A organização dos meios humanos na empresa António Malta A organização dos meios humanos na empresa 1. Para poder desempenhar a sua função económica geral produção de bens ou prestação de serviços a empresa tem necessariamente que contar com uma

Leia mais

A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL 1 A REALIDADE SOCIAL DOS TRABALHADORES DO CORTE DE CANA E O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Mirlaine Morais Da Silva RESUMO O presente trabalho tem o intuito de propor uma análise do trabalho rural, principalmente

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM EDUCAÇÃO: HISTÓRIA, POLÍTICA, SOCIEDADE

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM EDUCAÇÃO: HISTÓRIA, POLÍTICA, SOCIEDADE PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE: A RACIONALIDADE TECNOLÓGICA NA REGULAÇÃO DOS SISTEMAS DE ENSINO Responsável: CARLOS ANTONIO GIOVINAZZO JUNIOR Esta proposta insere-se no projeto de pesquisa

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PALAS ATHENA CENTRO DE ESTUDOS FILOSÓFICOS. Sustentabilidade e Consumo Uma equação responsável

ASSOCIAÇÃO PALAS ATHENA CENTRO DE ESTUDOS FILOSÓFICOS. Sustentabilidade e Consumo Uma equação responsável ASSOCIAÇÃO PALAS ATHENA CENTRO DE ESTUDOS FILOSÓFICOS Programa Valores da Convivência na Vida Pública e Privada 2011 Sustentabilidade e Consumo Uma equação responsável Relações homem versus natureza Um

Leia mais

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas.

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Módulo 14 O Mercado Monetário 14.1. A Moeda A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Moeda é um ativo com o qual as pessoas compram e vendem

Leia mais

Introdução de Sociologia

Introdução de Sociologia Introdução de Sociologia Prof. Petterson A. Vieira www.profpetterson.com O que é Sociologia? A Sociologia é um ramo da ciência que estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

ILANA FINKIELSZTEJN EILBERG

ILANA FINKIELSZTEJN EILBERG ILANA FINKIELSZTEJN EILBERG O DIREITO FUNDAMENTAL À EDUCAÇÃO E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Dissertação de Mestrado apresentada como requisito final para obtenção do título de Mestre em Direito, no Programa

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais