Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006"

Transcrição

1 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento O Conhecimento A sensação e percepção Kant e o conhecimento como actividade construtiva regulada pelo sujeito 3 Conclusão 5 Referências.. 5 Resumo Explica-se o conhecimento em geral e suas áreas abrangentes. É depois feita uma abordagem ao conhecimento do ponto de vista de Kant, expondo as várias estruturas que no entender kantiano intervêm no acto de apreender. Conclui-se que o acesso ao conhecimento numénico pode, eventualmente, ser possível. Introdução Ao fundar as bases do sistema de filosofia transcendental, Kant lançou as bases para o que é hoje a génese de grande parte das problemáticas filosóficas contemporâneas. O conhecimento, como acto, é explorado de vários pontos de vista e tomado como um processo que envolve várias estruturas e das quais surgem diferentes passos de tomada de consciência. Kant, atento aos recentes desenlaces da física (através de Newton) que, se conseguira declarar como uma disciplina dotada de um grau de cientificidade próximo do da matemática e da lógica, procurou conferir à filosofia uma seriedade semelhante, restaurandolhe a credibilidade, pela superação das posições do dogmatismo racionalista e do empirismo céptico através de uma investigação crítica dos métodos da metafísica, entendida como uma ciência unificadora da multiplicidade empírica. Com este trabalho pretende-se uma visão mais profunda mas mesmo assim simples, primeiramente geral e explícita, do conhecimento e de seguida um desenvolvimento mais específico segundo Kant. Assim, abordo em primeira posição o conceito de conhecimento e todas as estruturas nele implicadas, depois a sensação e a percepção como passos do acto de conhecer e finalmente, a perspectiva de Kant sobre o conhecimento e como ele se efectua, e também como, talvez, através de uma nova abordagem, possamos atingir o númeno, a coisa em si. O trabalho responde à disciplina semestral Cultura Visual II do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, leccionada em 2006 por João Paulo Queiroz. 1

2 1. O Conhecimento Conhecer é aprender características da realidade que nos rodeia, classificá-la, diferencia-la, assimilando novas ideias. É atribuir significado e sentido ao real identificando realidades tendo contacto com elas. O conhecimento permite-nos ter a consciência da existência de algo e reconhecê-lo. Permite fazer previsões, antecipações e projectos. Assim, conhecer implica, observar, ter percepções e fazer experiências. Envolve estabelecer relações e associações entre coisas, pensar e raciocinar. Compreende também analisar, criticar e avaliar formando ideias próprias. No dia-a-dia percepcionamos, recebemos e captamos impressões sensoriais do meio envolvente através dos cinco sentidos: visão, olfacto, tacto, paladar, audição. O mundo exterior age sobre nós mas também se entranha na nossa consciência, sendo a informação reelaborada e guardada. Quando vemos ou ouvimos algo, damo-nos conta de que estamos vendo ou ouvindo. Sabemos que as coisas nos acontecem e entendemo-las «como» isto ou aquilo. Com isto, o conhecimento puramente sensitivo é atravessado e superado por outro elemento, com o qual o conhecimento se torna propriamente humano. As impressões e as sensações puramente sensíveis também as tem o animal. Mas um conhecimento sensível, como é próprio do animal irracional, não podemos entendê-lo nem captá-lo, porque é um fenómeno que nós como homens desconhecemos por completo. O conhecimento do homem, experimenta-se e entende-se sempre na consciência, capta-se e reelabora-se com o pensamento. (Coreth, cit. por Fitas:1) Para cada um, a realidade, tal como é apreendida, depende dos órgãos dos sentidos e da maneira como o cérebro integra acontecimentos sensoriais e motores. O nosso equipamento sensorial e nervoso fecha-nos na representação do mundo (Jacob cit. por Fitas, 2004: 3) tanto que nos é difícil formar a possibilidade de ver esse mundo de maneira diferente. Existem três faculdades cognitivas que nos permitem produzir o conhecimento: os sentidos, o pensamento/razão e a imaginação. Os sentidos proporcionam-nos a capacidade de obter informações sobre a realidade exterior e informam-nos sobre realidades concretas, materiais e físicas. Os sentidos dão-nos realidades particulares e informações subjectivas. É implicada a presença das realidades que estão a ser percepcionadas. Outra faculdade cognitiva é o pensamento/razão que é a capacidade de elaborar ideias ou raciocínios a partir de informações obtidas pelos sentidos e dá-nos informação sobre realidades concretas e 2

3 abstractas. Pensamos através de conceitos universais e abstractos que se aplicam a diferentes realidades particulares. Esta faculdade pode elaborar conhecimentos subjectivos (por exemplo uma opinião pessoal) ou conduzir à objectividade através da discussão e elaboração de acordos e consenso. Não implica a presença das realidades que estão a ser pensadas. A última faculdade, a imaginação, serve de elemento de ligação entre o concreto dos sentidos e o abstracto do pensamento. A imaginação é aptidão de criar imagens mentais a partir de elementos já conhecidos. As imagens criadas pela imaginação são constituídas por elementos concretos construídos pele nossa mente. É ainda de acrescentar que os sentimentos e emoções não são faculdades cognitivas mas interferem no nosso conhecimento. 2. A sensação e a percepção A sensação e a percepção são duas acções de tomada de conhecimento que acontecem no sistema psicofisiológico por excitação produzida pelo meio exterior. (Diciopédia, 2002). Enquanto que sensação é a recepção através dos sentidos e só dos sentidos, a percepção é a fusão de sensação, consciência e interpretação (sentidos) com a razão. A percepção tem uma vertente objectiva que se entende por aquilo que percepcionamos dependendo da estrutura ou características da realidade percepcionada. Existe também a vertente subjectiva em que a percepção é influenciada/condicionada por: estrutura dos órgãos sensoriais e do sistema nervoso, o contexto onde se encontram os objectos, os nossos conhecimentos/experiências, hábitos e expectativas, e o estado emocional do sujeito. Podemos então perceber que existem dois elementos que dependem um do outro para existir conhecimento: o sujeito (aquele que conhece; a consciência; o cognoscente) e o objecto (aquele que é conhecido: o cognoscido). Apesar desta relação ser uma co-relação (dependem um do outro) cada um tem funções diferentes: sujeito - apreender, captar o objecto; objecto - ser apreendido, captado pelo sujeito, que interpreta estas novas informações no seu conhecimento. Kant chama-nos a atenção para a importância dos objectos no mundo mas, simultaneamente, dá uma importância decisiva às intuições intelectuais não podendo, no entanto, nenhuma das partes, por si só, fornecer-nos o conhecimento. (Carlos, 2004) 3. Kant e o Conhecimento como actividade construtiva regulada pelo sujeito Para ultrapassar a incompatibilidade das abordagens racionalista e empirista do conhecimento, Kant estabeleceu a sua posição no que veio a designar como revolução copernicana no domínio da metafísica: seguindo os passos de Copérnico - que não podendo 3

4 prosseguir na explicação dos movimentos celestes enquanto admitia que toda a multidão de estrelas se movia em torno do espectador, tentou ver se não daria melhor resultado fazer antes girar o espectador e deixar os astros imóveis (Kant cit. por Carlos, 2004) -, propõe que o conhecimento deixe de se guiar pela natureza dos objectos, passando, pelo contrário, a ser o objecto regulado pelas faculdades cognitivas do sujeito, o que significa ver no conhecimento não uma mera competência passiva, mas uma actividade construtiva regida por leis próprias. Kant vai proceder à uma tentativa de autonomia da razão, isto é, esclarecer em que limites ela é ou não dependente do recurso à experiência e de estruturas a priori, ocupando-se assim mais do modo de conhecer os objectos do que propriamente destes. É com a experiência que todo o nosso conhecimento começa. Ela é necessária para estimular as nossas faculdades cognitivas e estruturas a priori. Apesar de ter início com a experiência, nem todo o conhecimento se produz através dela, existe o conhecimento a priori. Todos os seres humanos possuem as seguintes estruturas/faculdades cognitivas: Sensibilidade - é a capacidade de receber informações através dos sentidos; é o elemento de receptividade. É graças a ela que produzimos intuições (conhecimentos imediatos); Entendimento - é a capacidade de produzir conhecimento através do pensamento; é o elemento de espontaneidade. É através dele que produzimos conceitos (conhecimentos mediatos); Razão - é a capacidade de pensar em termos metafísicos, que ultrapassam a experiência. É o pensar através de ideias. Partindo da distinção entre juízos analíticos - juízos universais e necessários nos quais o predicado se encontra contido nas determinações do sujeito, pelo que nada lhe acrescenta -, juízos sintéticos - aqueles em que o predicado acrescenta uma nova determinação ao sujeito, embora a sua origem empírica os destitua de universalidade - e juízos sintéticos a priori - os que, fundamentando-se numa síntese a priori (não empírica), permitem acrescentar novas determinações ao sujeito sem, no entanto, deixarem de ser universais e necessários -, conclui que só os últimos asseguram um autêntico progresso do saber e que neles reside o princípio de possibilidade de todo o conhecimento científico. [ ] No entanto, os juízos, produzidos pelo entendimento, operam sobre conteúdos que, enquanto seres humanos, só podemos intuir através da sensibilidade, única faculdade capaz de gerar em nós representações e que, por isso, deverá ser considerada como fonte inicial do conhecimento (dos dados fenoménicos). É na Crítica da Razão Pura (1781 e 1787) que Kant irá esclarecer em que medida estão presentes, quer na sensibilidade quer no entendimento, os elementos a priori que podem transmitir a universalidade e a necessidade aos juízos sintéticos (Diciopédia, 2002). Existem estruturas a priori presentes em todas as faculdades cognitivas, uma vez que a mente tem de possuir categorias de forma a poder compreender a massa não- 4

5 interpretada (Wikipedia contributors, 2006). As formas a priori da Sensibilidade são o tempo e o espaço pois Kant considera que não são dados da experiência nem conceitos nem se encontram de alguma maneira nas coisas. (Sandra Fitas, 2004, comunicação pessoal, 14 de Maio). No Entendimento são os conceitos que são elementos a priori do entendimento, estes permitem aos objectos serem pensados. Destes conceitos Kant elabora as categorias puras do entendimento, por exemplo a categoria da causalidade. São as intuições da sensibilidade que dão conteúdo aos conceitos do entendimento; são os conceitos do entendimento que permitem interpretar as intuições da sensibilidade. Na Razão existem as ideias a priori, por exemplo a ideia de Deus. Podemos então construir dois tipos de conhecimento: o conhecimento a priori (independente da experiência; ex: Os elefantes são grandes. apliquei a categoria da substância) e o conhecimento empírico (produzido a partir da experiência) (Sandra Fitas, 2004, comunicação pessoal, 14 de Maio). As categorias do entendimento são aplicadas às formas puras (a priori) da sensibilidade (espaço, tempo). Bem Supremo O objecto chega até nós de outra forma. Juízos Fenómeno Númeno Espaço - Tempo Fig.1 Esquema explicativo de como o objecto é apreendido pelo sujeito Kant define que só podem ser consideradas como objecto de conhecimento as representações com origem nas intuições sensíveis cuja actividade apenas se refere ao fenómeno - coisa que está para outra coisa, manifestação do númeno mas que apenas nos dá uma ideia do númeno. É a realidade captada pelo sujeito submetida às suas estruturas a priori (espaço, tempo, categorias). É conhecido pela sensibilidade e entendimento. O númeno, por sua vez, é a coisa em si, o mundo informe. É apenas conhecível indirectamente, não há possibilidade de conhecer alguma vez a realidade em si pois passará sempre pelo filtro dos sentidos. É o objecto independente do sujeito e das suas estruturas a priori. Nunca temos acesso a ele e não pode ser conhecido, só pode ser pensado. É o que o espírito concebe para 5

6 além do fenómeno mas não pode abranger (Kant, cit. por Carlos, 2004). É pensado através das ideias da Razão. Se Kant interroga-se sobre os limites do conhecimento possível, propondo um conhecimento que tenha em conta a experiência e simultaneamente a luz da Razão, então se mudarmos a nossa experiência, a maneira como sentimos e percepcionamos (receptividade), mudaremos a nossa maneira de pensar no Mundo, nas coisas tanto abstractas como concretas, mudaremos os nosso entendimento e nossa razão pois estaremos a abrir novas entradas de conceitos, que de um modo ou de outro podem dar conhecimento. No entanto, é frequente consideramos uma ilusão as experiências para as quais não temos explicação, ou seja, em que se revelam incompatibilidades com as experiências já feitas. Não podemos falar de uma nítida distinção entre as experiências perceptivas e as ilusões: se considerarmos que as ilusões consistem em percepcionar o mundo como algo de diferente do que ele é realmente, todas as percepções serão ilusórias (Fitas, 2004: 3). Se assim é, nunca sentiremos o estado puro das coisas? O Homem está condenado a viver no mundo dos fenómenos, salvo se se induzir um estado modificado de consciência (Simões, 2003: 14), isto é, se uma pessoa modificar o seu estado de percepção da realidade, como na meditação ou os chamados estados de transe pela ingestão de drogas, por exemplo. Fig.2 Ilusão óptica: serão duas figuras humanas num fundo branco ou uma taça num fundo preto? 6

7 Conclusão O objectivo deste trabalho é ajudar na compreensão dos campos que o conceito númeno toca e como até chegarmos à sua definição temos de compreender como o conhecimento se forma. Neste trabalho foi abordado o conhecimento como objectivo apenas alcançável através da interacção entre sentidos, entendimento e razão, ou seja, as estruturas que nos proporcionam o saber. Foi também explicado a diferença entre sensação e percepção, como formas diferentes de receber estímulos exteriores. Foi de seguida exposto a linha geral da filosofia de Kant quanto ao conhecimento e como ele é processado. Pensador audacioso e dotado de um espírito analítico fora do comum, Kant, deixou marcas indeléveis na teoria do conhecimento, sendo por isso indiscutível um esclarecimento de toda os envolventes no processo a que o levou a pensar de tal modo. Referências A dialéctica da Razão Pura (2003). Disponível em < acedido em Carlos, J. (2004), Revolução Coperniciana [em linha]. Disponível em <http://www.google.com/search?q=cache:flsu1t7dpsoj:web.educom.pt/~pr1327/esquemas/kant.ppt+kant+ n%c3%bameno&hl=pt-pt&gl=pt&ct=clnk&cd=3>, acedido em Diciopédia (2002) Emmanuel Kant [CD Multimédia], Porto: Porto Editora Multimédia Fitas, Sandra (2004), Textos de Apoio para Aulas: O conhecimento Simões, M. (2003) Evolução e crises espirituais In Simões, M. e Resende e M., Gonçalves (Eds.), S. Psicologia da Consciência, Lisboa: Lidel, pp Wikipedia contributors (2006). Immanuel Kant. In Wikipedia, The free Encyclopedia [em linha]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/kant#metaf.c3.adsica_e_epistemologia_de Kant>, acedido em

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE Maria Aristé dos Santos 1, Danielli Almeida Moreira 2, Janaina Rufina da Silva 3, Adauto Lopes da Silva Filho 4 ¹ Alunas do Curso de Licenciatura em Filosofia da

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

KANT E A FACULDADE DE JULGAR

KANT E A FACULDADE DE JULGAR KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP DANILO CITRO SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO OURO PRETO 2011 2 Danilo Citro Sobre a analogia entre natureza e arte na

Leia mais

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO A realidade é que o homem tem um estranho desejo de conhecer e que sua natureza falha... A verdadeira natureza do homem é ampla, consiste em ter capacidades e também em ter

Leia mais

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO Nuno Ornelas Martins 2009 Covilhã, 2011 FICHA TÉCNICA Título: A Ética Kantiana e o Espírito do Cristianismo Autor: Nuno Ornelas Martins Colecção: Artigos LUSOSOFIA

Leia mais

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível?

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Adílio Jorge Marques* * Doutor em História e Epistemologia das Ciências (UFRJ/HCTE). Professor Substituto do Departamento de História

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL ZANDONATO, Zilda Lopes - UNESP GT: Educação Fundamental/nº 13 Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

O papel dos animais de companhia na sociedade. Seminário maiores de 23 anos

O papel dos animais de companhia na sociedade. Seminário maiores de 23 anos O papel dos animais de companhia na sociedade Seminário maiores de 23 anos O ser humano sempre viveu rodeado de animais, adaptando-se a estes e vice-versa, consoante as suas necessidades. Actualmente e

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Universidade Federal do Piauí, Brasil

Universidade Federal do Piauí, Brasil RAWLS: CRITICA DE SCHOPENHAUER A FILOSOFIA KANTIANA Elnora Gondim Universidade Federal do Piauí, Brasil Resumo.- O objetivo aqui é entender a afirmação que se encontra no livro de Rawls o O Liberalismo

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

O P O N T O D O M E I O

O P O N T O D O M E I O PLENILÚNIO DE LIBRA (Lua Cheia 18/10/2013 às 20h38, hora local de Argentina e Brasil) O P O N T O D O M E I O A matéria é o veículo para a manifestação da alma neste plano de existência, e a alma é o veículo

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Lisboa, Setembro de 2007 Índice I Introdução... 3 II Inscrição Obrigatória. 4 III - Aplicação Contratação de Escola.......... 5 1. Acesso à aplicação Contratação de

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1 133 UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT Alexandre TELES 1 Resumo Kant, em sua Lógica Transcendental deriva da forma do juízo a sua Tábua das Categorias, as quais

Leia mais

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem CURSO: PSICOPEDAGOGIA Universidade São Judas Tadeu Módulo: INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS Observação: Todos os textos foram elaborados pela professora Rosa Maria Carvalho da Silveira. Alguns desses textos

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA

DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA JURÍDICA Apontamentos do Prof. Antonio Carlos Machado - 2006.1 - pág. 1 UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CCJ CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: H 544 - HERMENÊUTICA JURÍDICA DO PROCESSO DO CONHECIMENTO À HERMENÊUTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR 1 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR Sidney Maia Rodrigues 1 Sumário: 1. Introdução; 2. Revisão da literatura; 3. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO A educação é uma atividade humana com limitado referencial teórico, ou seja,

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas Interpretativas No âmbito dos poderes que estatutáriamente lhe são conferidos, a Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, tendo em consideração as questões colocadas pelos órgãos da Câmara

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo

Súmula Teoria Energética. Paulo Gontijo Súmula Teoria Energética Paulo Gontijo O Universo Chama-se Universo ao conjunto de todas as coisas. Sua existência pressupõe a necessidade de dois conceitos anteriores a ele, que se denominam existência

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

A Literacia Mediática Aplicada às Artes

A Literacia Mediática Aplicada às Artes A Literacia Mediática Aplicada às Artes Ivan Gouveia Mestrado em Ensino Universidade Évora Resumo: A questão da promoção da literacia, mais recentemente da literacia mediática, tem-se constituído como

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização.

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI BOTTEGA, Fernanda 1 RAFFAELLI, Alexandra Franchini 2 Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 INTRODUÇÃO Sabe-se

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS CONCEPÇÕES NORTEADORAS DA PRÁTICA DOCENTE

O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS CONCEPÇÕES NORTEADORAS DA PRÁTICA DOCENTE O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS CONCEPÇÕES NORTEADORAS DA PRÁTICA DOCENTE Ana Maria L. B. de Carvalho UNESP Bauru ambcarvalho@terra.com.br Nelson Antonio Pirola UNESP Bauru - npirola@uol.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Processo de Pesquisa Científica

Processo de Pesquisa Científica Processo de Pesquisa Científica Planejamento Execução Divulgação Projeto de Pesquisa Relatório de Pesquisa Exposição Oral Plano de Pesquisa Pontos de referência Conhecimento Científico É a tentativa de

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Este texto é uma síntese da posição de Thomas Nagel da hipótese empírica da necessidade da identidade entre estados mentais e estado cerebrais. Se a aparência

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin OFICINAS DE CINEMA Viviane Scalon Fachin Resumo Destacamos, neste trabalho, a utilização de vídeos educativos e demais produções cinematográficas para o ensino de História no Ensino Médio. Vivemos uma

Leia mais

IX SEMANA ACADÊMICA DE

IX SEMANA ACADÊMICA DE PROBLEMAS FILOSÓF ICOS DA CONTEMPORANEIDADE Filosofia e cinema: Metodologia de prática pedagógica em Filosofia na Educação Superior Dennis Donato Piasecki - UNICENTRO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Caminhos para a aprendizagem

Caminhos para a aprendizagem Page 1 of 5 Home Comunicação pessoal Educação Tecnologias na Educação Educação a distância Identidade Caminhos para a aprendizagem inovadora José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

COEM. CEUH Centro Espírita União e Humildade. Curso de Orientação e Educação Mediúnica. 7ª Sessão Classificação Mediúnica

COEM. CEUH Centro Espírita União e Humildade. Curso de Orientação e Educação Mediúnica. 7ª Sessão Classificação Mediúnica CEUH Centro Espírita União e Humildade Ponta Grossa / PR COEM Curso de Orientação e Educação Mediúnica 7ª Sessão Classificação Mediúnica - Mediunidade - Médium - Fenômenos Mediúnicos COEM - Curso de Orientação

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br 1 DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA COMPORTAMENTO MOTOR O comportamento motor estuda de que maneiras seu cérebro e sistema nervoso se desenvolveram e se ajustaram a fim de melhorar seu controle e sua

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais