1 Um guia para este livro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Um guia para este livro"

Transcrição

1 PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando suas partes principais. Para tanto, fornece uma orientação sobre os motivos da relevância da pesquisa qualitativa nas últimas décadas do século XX e no início do século XXI. O livro inicia com uma visão geral dos fundamentos da pesquisa qualitativa. Passo então a apresentar ao leitor os aspectos fundamentais da pesquisa qualitativa (de modo geral), bem como a variedade dos métodos e das abordagens (Capítulo 2). O Capítulo 3 apresenta as relações entre a pesquisa qualitativa e a pesquisa quantitativa, assim como as possibilidades e as ciladas das abordagens combinadas de ambas. O quarto capítulo delineia as questões éticas relativas à pesquisa qualitativa. Juntos, estes capítulos oferecem um panorama para auxiliar a pesquisa e a utilização dos métodos qualitativos que se encontram delimitados e discutidos detalhadamente nos capítulos posteriores do livro.

2

3 1 Um guia para este livro A abordagem do livro, 13 A estrutura do livro, 14 Recursos peculiares deste livro, 17 Como utilizar este livro, 18 OBJETIVOS DO CAPÍTULO Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de: entender a organização deste livro. situar diversos aspectos da pesquisa qualitativa neste livro. identificar quais capítulos utilizar para diversas finalidades. A ABORDAGEM DO LIVRO Ao escrever este livro, levamos em consideração dois grupos de leitores os pesquisadores novatos e os pesquisadores experientes. Em primeiro lugar, o livro orienta o novato à pesquisa qualitativa, talvez até mesmo à pesquisa social em geral. Para este grupo, formado em grande parte por estudantes de graduação ou pós-graduação, o livro é concebido como uma introdução básica aos princípios e às práticas da pesquisa qualitativa, a sua base teórica e epistemológica e a métodos mais importantes. Em segundo lugar, o pesquisador no campo poderá utilizar este livro como uma espécie de caixa de ferramentas ao enfrentar questões e problemas práticos do cotidiano da pesquisa qualitativa. A pesquisa qualitativa está se firmando em muitas ciências sociais, na psicologia, na enfermagem e em áreas afins. Tanto pesquisadores novatos quanto experientes poderão utilizar uma grande variedade de métodos específicos, cada um dos quais partindo de diferentes premissas e perseguindo diferentes objetivos. Cada método na pesquisa qualitativa está baseado em um entendimento específico de seu objeto. Contudo, os métodos qualitativos não devem ser considerados independentemente do processo da pesquisa e da questão em estudo. Eles estão especificamente encaixados no processo de pesquisa e são mais bem compreendidos e definidos a partir de uma perspectiva orientada ao processo. Portanto, a preocupação central do livro é uma apresentação das diferentes etapas no processo da pesquisa qualitativa. Os métodos mais importantes para a coleta e a interpretação dos dados e para a avaliação e a descrição dos resultados estão apresen-

4 14 Uwe Flick tados e situados em uma estrutura orientada ao processo. Isto deverá fornecer uma visão geral do campo da pesquisa qualitativa, das alternativas metodológicas concretas, bem como de suas pretensões, aplicações e de seus limites. Isto deverá habilitar o pesquisador a optar pela estratégia metodológica mais apropriada a seu objeto e a suas questões de pesquisa. O ponto de partida neste livro consiste no fato de que a pesquisa qualitativa trabalha, acima de tudo, com textos. Os métodos para a coleta de informações entrevistas ou de observações produzem dados que são transformados em textos através de gravação e de transcrição. Os métodos de interpretação partem destes textos. Diferentes roteiros conduzem em direção aos textos do centro da pesquisa, e também conduzem ao afastamento desses textos. Muito resumidamente, o processo de pesquisa qualitativa pode ser representado como sendo um caminho da teoria ao texto e outro caminho do texto de volta à teoria. A interseção desses dois caminhos é a coleta de dados verbais ou visuais e a interpretação destes dentro de um plano específico de pesquisa. A ESTRUTURA DO LIVRO O livro é dividido em sete partes que visam ao desdobramento do processo da pesquisa qualitativa em seus estágios principais. A Parte I delimita a Estrutura de procedimento da pesquisa qualitativa conforme o discutido nos Capítulos de 2 a 4. Capítulo 2 investiga e responde questões fundamentais da pesquisa qualitativa. Com esta finalidade, a atual relevância da pesquisa qualitativa é delineada tendo como pano de fundo as recentes tendências na sociedade e nas ciências sociais. O debate sobre abordagem qualitativa versus abordagem quantitativa é abordado e contextualizado em exemplos de pesquisas realizadas nos Estados Unidos e na Europa. Por último, o capítulo discute técnicas para o aprendizado da aplicação da pesquisa qualitativa. Capítulo 3 expõe a relação entre pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa. São levantadas e desenvolvidas algumas questões para a orientação da avaliação da apropriabilidade da pesquisa qualitativa e da quantitativa. Este capítulo permite que o leitor conheça diversas abordagens e possa então decidir qual delas se adapta melhor a sua pesquisa. Capítulo 4 enfoca uma estrutura diferente para a pesquisa qualitativa a ética na pesquisa. A ética da pesquisa qualitativa merece uma atenção especial, uma vez que o pesquisador chegará muito mais próximo de questões da vida particular e cotidiana dos participantes. Ponderação e sensibilidade à questão da privacidade são essenciais antes de se dar início a um trabalho qualitativo. Ao mesmo tempo, debates genéricos sobre ética de pesquisa frequentemente deixam de contemplar dificuldades e problemas peculiares à pesquisa qualitativa. Após a leitura deste capítulo, o pesquisador deverá saber da importância de um código de ética antes de iniciar sua pesquisa, bem como reconhecer a necessidade das comissões de ética. A questão se a pesquisa é ou não ética dependerá em muito das decisões práticas tomadas no campo. Após a delimitação da estrutura da pesquisa qualitativa, podemos entender o processo de um estudo qualitativo. A Parte II levará o leitor Da Teoria ao Texto. Capítulo 5 apresenta a utilização da literatura teórica, metodológica e empírica em um estudo qualitativo. Trata da utilização e da busca destas

5 Introdução à pesquisa qualitativa 15 fontes ao longo do processo de pesquisa e durante a composição escrita do trabalho. Ao final, são apresentadas algumas sugestões sobre como encontrar a literatura. Capítulo 6 trata das diversas posturas teóricas fundamentais à pesquisa qualitativa. As perspectivas do interacionismo simbólico, da etnometodologia e do estruturalismo encontram-se discutidas enquanto abordagens paradigmáticas em seus pressupostos básicos e em avanços recentes. A partir destas discussões, a relação dos aspectos essenciais da pesquisa qualitativa fica completa. Ao final, apresento dois debates teóricos atualmente muito fortes na pesquisa qualitativa. O feminismo e os estudos de gênero, assim como a discussão envolvendo positivismo e construcionismo já contam com uma quantidade considerável de estudos qualitativos sobre como entender as questões de pesquisa, como conceber o processo de pesquisa e como utilizar os métodos qualitativos. Capítulo 7 segue a discussão levantada no Capítulo 6 e esboça a base epistemológica da pesquisa qualitativa construcionista com a utilização de textos como material empírico. Na Parte III, Plano de Pesquisa, chegamos a questões mais práticas sobre como planejar a pesquisa qualitativa. Capítulo 8 delineia o processo da pesquisa qualitativa demonstrando que as etapas isoladas encontram-se muito mais ligadas umas às outras do que no processo passo a passo da pesquisa quantitativa. Capítulo 9 trata da relevância de uma questão de pesquisa bem-definida para a condução da pesquisa e de como alcançá-la. Capítulo 10 fala sobre como adentrar um campo e sobre como entrar em contato com os participantes da pesquisa. Capítulo 11 abrange o tema da amostragem como selecionar os participantes ou grupos de participantes, situações, etc. Capítulo 12 apresenta uma visão geral das questões práticas sobre como planejar a pesquisa qualitativa. Compreende também os planos básicos da pesquisa qualitativa. A Parte IV apresenta uma das principais estratégias para a coleta de dados. A produção de dados verbais nas entrevistas, narrativas e grupos focais. Capítulo 13 apresenta uma série de entrevistas caracterizadas pela utilização de um conjunto de questões abertas para estimular as respostas dos participantes. Algumas destas entrevistas, como é o caso das entrevistas focais, são utilizadas para os mais diversos propósitos; já outras, como as entrevistas com especialistas, possuem um campo de aplicação mais específico. Capítulo 14 esboça uma estratégia distinta para a obtenção de dados verbais. A etapa central aqui é o estímulo às narrativas (isto é, especialmente as narrativas de histórias de vida ou narrativas mais focadas em situações específicas). Essas narrativas são estimuladas em entrevistas especialmente planejadas a entrevista narrativa na primeira entrevista, e a entrevista episódica como segunda alternativa. Capítulo 15 analisa as formas de coleta de dados verbais em um grupo de participantes. Atualmente os grupos focais estão muito proeminentes em algumas áreas, enquanto que os grupos de discussão são mais tradicionais. Ambos baseiam-se no estímulo de discussões, ao passo que as entrevistas de grupo servem mais à obtenção de respostas para questões específicas. As

6 16 Uwe Flick narrativas em conjunto pretendem fazer com que um grupo de pessoas conte uma história que seja comum a todos os participantes. Capítulo 16 resume os métodos para coleta de dados verbais. O capítulo tem a finalidade de ajudar o leitor a decidir-se entre os diferentes caminhos delineados na Parte 4, por meio da comparação entre os métodos e de um checklist elaborada para orientá-lo nesta decisão. A Parte V analisa os dados visuais em suas várias propostas de comunicação, bem como a utilização de dados eletrônicos. Capítulo 17 trata da etnografia e da observação, participante ou não. O emprego de outras estratégias para a coleta de dados (como entrevistas, uso de documentos, etc.) com o objetivo de complementar a observação. Capítulo 18 amplia a parte visual de dados para a análise, o estudo e a utilização de mídias como fotos, filmes e vídeos como dados. Capítulo 19 avança um pouco mais e explora a utilização de documentos além dos dados visuais. O capítulo analisa a construção e o processo desses documentos na pesquisa qualitativa. Capítulo 20 analisa a internet como campo de pesquisa e como instrumento para o procedimento da pesquisa. Aqui, outra vez, o leitor encontrará métodos que já foram tratados em capítulos anteriores como entrevistas, grupos focais e etnografia. Porém, aqui, estes métodos aparecem descritos de forma específica para a utilização na pesquisa qualitativa online. Capítulo 21 adota uma perspectiva comparativa e sintetizadora dos dados visuais. Esta visão geral deverá auxiliar o leitor a definir sobre quando escolher cada método e sobre quais são as vantagens e os problemas de cada um deles. As primeiras partes do livro concentram-se na coleta e na produção de dados. A Parte VI trata do prosseguimento do texto à teoria trata de como desenvolver insights teoricamente relevantes a partir desses dados e do texto produzido a partir deles. Para tanto, o foco desta parte são os métodos qualitativos para a análise dos dados. Capítulo 22 discute como documentar os dados na pesquisa qualitativa. As notas de campo e as transcrições são apresentadas em detalhes, por meio de exemplos, quanto a seus aspectos técnicos e gerais. Capítulo 23 abrange métodos que utilizam códigos e categorias como instrumentos para a análise de textos. Capítulo 24 prossegue com abordagens cujo interesse maior está na forma como algo é dito e não apenas no que é dito. A análise de conversação observa como funciona a conversação no cotidiano e em um contexto institucional e observa quais são os métodos utilizados pelas pessoas para a comunicação em qualquer tipo de contexto. Análises de discurso e de gênero vêm aprofundando esta perspectiva em diversas direções. Capítulo 25 explora a análise narrativa e a hermenêutica. Estas abordagens analisam os textos a partir de uma orientação combinada para forma e conteúdo. Aqui, uma narrativa não é apenas analisada quanto ao que é dito, mas também como a história é revelada, em que momento ela é contada e o que isso revela sobre o que é relatado. Capítulo 26 discute o uso de computadores e especificamente de softwares para a análise de dados qualitativos. Apresenta fundamentos e exemplos do software mais importante. Este capítulo deverá auxiliar o leitor a decidir-se pelo uso ou não de algum software para sua análise, e sobre qual deles utilizar.

7 Introdução à pesquisa qualitativa 17 Capítulo 27 oferece uma visão geral resumida das perspectivas para a análise de textos e outros materiais na pesquisa qualitativa. O leitor encontrará, novamente, uma comparação entre as diversas abordagens e um checklist que deverão auxiliá-lo a escolher o método apropriado para a análise do material em questão e, assim, avançar teoricamente dos dados para descobertas relevantes. A sétima e última parte retoma o contexto e a metodologia, apresentando questões sobre a fundamentação e a redação da pesquisa qualitativa. Capítulo 28 discute a aplicabilidade dos critérios tradicionais de qualidade na pesquisa qualitativa e seus limites. Discorre também sobre os critérios alternativos que vêm sendo desenvolvidos para a pesquisa qualitativa e para abordagens mais específicas. Ao final, o capítulo demonstra por que responder-se à questão da qualidade na pesquisa qualitativa representa atualmente, ao mesmo tempo, uma grande expectativa exterior à disciplina e uma necessidade para o aperfeiçoamento da prática de pesquisa. Capítulo 29 prossegue tratando deste tema, apresentando formas de responder à questão da qualidade na pesquisa qualitativa além da formulação de critérios. Com este propósito, o capítulo discute estratégias para o controle de qualidade e para a solução das questões da indicação e da triangulação. Capítulo 30 por último, apresenta as questões da redação na pesquisa qualitativa a apresentação dos resultados ao público e as influências da forma de redação sobre as descobertas da pesquisa. O capítulo conclui ao lançar um olhar para o futuro da pesquisa qualitativa, oscilando entre arte e método. RECURSOS PECULIARES DESTE LIVRO Acrescentei alguns recursos com o objetivo de tornar o livro mais útil ao aprendizado da pesquisa qualitativa e à orientação do estudo qualitativo. Você irá encontrá-los ao longo dos capítulos seguintes. Objetivos do capítulo No início de cada capítulo, encontrase um guia ao próprio capítulo que consiste de duas partes: primeiro uma visão geral dos tópicos tratados no capítulo. A seguir, uma lista dos objetivos do capítulo, definindo, assim, o que o leitor deverá ter aprendido após sua leitura. Isto deverá orientá-lo dentro do capítulo e ajudá-lo a encontrar novamente os tópicos após concluir a leitura do capítulo e do livro. Quadros Os temas principais encontram-se destacados em quadros. Esses quadros poderão ter diversas funções alguns resumem etapas centrais de um método, alguns fornecem informações práticas, e outros apresentam listas de modelos para questões (por exemplo, nos métodos de entrevista). Os quadros estruturam o texto de modo a favorecer uma melhor orientação durante a leitura. Estudos de caso Os estudos de caso considerados ao longo de todo o livro analisam os métodos e a aplicação destes por parte de proeminentes pesquisadores. Estas coleções de estudos demonstram a prática dos princípios da pesquisa qualitativa em situações particulares. Os estudos de caso servirão

8 18 Uwe Flick para ajudá-lo a refletir sobre como as coisas são feitas na pesquisa qualitativa e sobre problemas ou questões que surgem durante a leitura de tais casos. Muitos dos estudos de caso apresentados aqui foram extraídos de publicações de figuras-chave na pesquisa qualitativa. Outros foram retirados de minha própria pesquisa. Ainda, em diversos destes estudos, o leitor identificará os mesmos projetos de pesquisa mencionados anteriormente para ilustrar algum outro tópico. Checklists As checklists aparecem em vários capítulos, em particular nos Capítulos 16, 21 e 27. Muitas destas checklists oferecem um processo de tomada de decisão para a seleção de métodos, e outras têm a finalidade de averiguar a correção de uma decisão. Tabelas Nos Capítulos 16, 21 e 27, o leitor encontrará também tabelas de comparação entre os métodos descritos em detalhes nos capítulos anteriores. Estas tabelas adotam uma perspectiva comparativa para um único método, permitindo uma visualização de suas qualidades e fragilidades à luz de outros métodos. Esse é um aspecto peculiar deste livro e foi pensado com a intenção de auxiliar o leitor na seleção do método certo para sua questão de pesquisa. Questões-chave Ao final da descrição de cada um dos métodos aqui apresentados, estes serão avaliados por meio de uma lista de questões-chave (por exemplo: Quais as limitações do método?). Essas questões-chave aparecem repetidamente no livro e deverão facilitar o encaminhamento e a avaliação de cada método. Referência cruzada A referência cruzada oferece o encadeamento de métodos específicos ou questões metodológicas. Isso facilita o arranjo da informação dentro de um contexto. Pontos-chave Ao final de cada capítulo, o leitor encontrará uma lista de pontos-chave que resume os pontos mais importantes do capítulo. Exercícios Os exercícios situados ao final dos capítulos funcionam como uma revisão, pois propõem a avaliação de pesquisas realizadas por outras pessoas e o planejamento da pesquisa futura. Leituras adicionais Ao final dos capítulos, uma lista de referências bibliográficas oferece uma oportunidade para o aprofundamento dos conteúdos apresentados no capítulo. COMO UTILIZAR ESTE LIVRO O leitor poderá utilizar este livro de diversas maneiras, dependendo de sua experiência e especialidade no campo da pesquisa qualitativa. A primeira destas maneiras é proceder à leitura contínua do início ao final do livro, uma vez que ele irá guiálo por todas as etapas de planejamento para a montagem de um projeto de pesquisa. Estas etapas conduzem o leitor desde a

9 Introdução à pesquisa qualitativa 19 obtenção do embasamento necessário ao planejamento e à condução da pesquisa às questões de avaliação da qualidade e de redação da pesquisa. No caso do livro ser utilizado como uma ferramenta de referência, a seguir uma lista destacando algumas áreas de interesse: O conteúdo de fundamentação teórica da pesquisa qualitativa encontra-se nos Capítulos de 2 a 7, os quais apresentam um panorama geral e a base filosófica. As questões metodológicas de planejamento e de concepção da pesquisa qualitativa encontram-se expostas e discutidas na Parte III. A Parte VII retoma esse nível conceitual ao analisar o tema da qualidade na pesquisa. A Parte III apresenta, ainda, discussões sobre como planejar a pesquisa qualitativa em um nível prático, propondo sugestões sobre como fazer amostragem, como formular uma questão de pesquisa e como entrar em um campo. As Partes de IV a VII revelam questões práticas relevantes ao procedimento da pesquisa qualitativa ao descreverem uma série de métodos detalhadamente.

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

AULA 15 Análise de dados e conclusões

AULA 15 Análise de dados e conclusões 1 AULA 15 Análise de dados e conclusões Ernesto F. L. Amaral 12 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.131-140 & 141-147.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 1 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Metodologia

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Dados de Identificação: -Estagiário/a: -Campo de Estágio: -Supervisor/a de campo: -Orientador/a acadêmico/a: 1) Intervenção observada/realizada:

Dados de Identificação: -Estagiário/a: -Campo de Estágio: -Supervisor/a de campo: -Orientador/a acadêmico/a: 1) Intervenção observada/realizada: RELATÓRIO DESCRITIVO PROCESSUAL (RDP) 1 * Relatório que pressupõe o acompanhamento ou a execução de uma intervenção em Serviço Social. * O ideal é que a intervenção seja gravada e posteriormente degravada,

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

EDITAL NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPEX INCRIÇÕES DE PROJETOS FACISA/FCM/ESAC ANO 2014

EDITAL NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPEX INCRIÇÕES DE PROJETOS FACISA/FCM/ESAC ANO 2014 EDITAL NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPEX INCRIÇÕES DE PROJETOS FACISA/FCM/ESAC ANO 2014 A Coordenação do Núcleo de Pesquisa e Extensão NUPEX torna público que estão abertas inscrições para projetos

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA MORFOFISIOLOGIA E COMPORTAMENTO HUMANO Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. HISTÓRIA E SISTEMAS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Galáxia E-ISSN: 1982-2553 aidarprado@gmail.com. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil

Galáxia E-ISSN: 1982-2553 aidarprado@gmail.com. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil Galáxia E-ISSN: 1982-2553 aidarprado@gmail.com Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Brasil Bueno da Silva, Simone Questões de método: Aspectos da prática de pesquisa em internet. FRAGOSO, Suely;

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr Design Pedagógico Módulo: O Modelo Atômico de Bohr 1. ESCOLHA DO TÓPICO 1.1. O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA FERNANDA SILVA MEDEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA FERNANDA SILVA MEDEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA FERNANDA SILVA MEDEIROS USO DE QUESTIONÁRIOS NOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DA LICENCIATURA EM QUÍMICA: UMA DISCUSSÃO METODOLÓGICA Porto

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Pesquisa em Marketing

Pesquisa em Marketing Aula 2 1. Desenvolver PROJETO DE PESQUISA 2. Selecionar o Tipo de Pesquisa Adequada 3. Discutir Metodologias e Ferramentas Introdução às Etapas do Processo de Pesquisa Processo de um Projeto Pesquisa em

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos Faculdade INED Cursos Superiores de Tecnologia Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa Objetivos gerais e específicos Objetivo resultado a alcançar; Geral dá resposta ao problema; Específicos

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL 77 DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL Cristina Klipp de Oliveira Daniela Erani Monteiro Will Márcia Loch Roseli Rocha Moterle RESUMO: O material didático utilizado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇÃO DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO O INTERCÂMBIO DE CURSOS ENTRE O TRT8 E O INTERLEGIS RODOPIANO NETO Assessor de Planejamento e Gestão OBJETIVOS 1. Orientar

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

As práticas de letramento digital na formação de professores

As práticas de letramento digital na formação de professores As práticas de letramento digital na formação de professores Nádie Christina Machado Spence 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 90040-060

Leia mais

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista [X ] PÔSTER A GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES NÃO- GOVERNAMENTAIS (ONG): UM ESTUDO DE CASO EM ONGS AMBIENTAIS FINANCIADAS PELA AGÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL - USAID

Leia mais

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica)

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Localização: Em domicílio (com visitas de campo previstas) Prazo para envio de candidatura:

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu.

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu. ARTIGOS CIENTÍFICOS Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e

Leia mais

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos:

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: 3 Metodologia O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: A questão da pesquisa O tipo da pesquisa e metodologia utilizada A coleta dos dados e tratamento

Leia mais

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Realizado por Janeiro de 2009 De acordo com Bloom a aprendizagem ocorre em três domínios: cognitivo psicomotor (habilidades) afetivo (atitudes ) Domínio cognitivo

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, março de 2016. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas no MANUAL

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO RIO BRANCO Ano AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO Pré-Projeto de Pesquisa apresentado como exigência no processo de seleção

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: UM LEVANTAMENTO DE PESQUISAS NOS ANAIS DO ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA: UM LEVANTAMENTO DE PESQUISAS NOS ANAIS DO ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MODELAGEM MATEMÁTICA: UM LEVANTAMENTO DE PESQUISAS NOS ANAIS DO ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Jeferson Takeo Padoan Seki jefersontakeopadoanseki@hotmail.com Universidade Estadual do Norte do

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Frederico Sauer, D.Sc. Auditor de Segurança da Informação fsauer@gmail.com 1/65 Objetivos Essenciais Conceito de Risco e suas componentes Mensurabilidade do Risco Gestão do Risco

Leia mais

Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras 20/08/2011. Projeto de Pesquisa 1 PROJETO PROJETO. Professor: Fernando Zaidan

Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras 20/08/2011. Projeto de Pesquisa 1 PROJETO PROJETO. Professor: Fernando Zaidan Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras realizar a pesquisa interpretar resultados Projeto de Pesquisa 1 Professor: Fernando Zaidan Tema Título (provisório) Objetivos e Questão PROJETO Artigo e Defesa

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS Ana Patrícia de Souza; Keila Gomes Tavares; Graciene Matos Lopes; Denilson Diniz Pereira Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

Freitas e Moscarola (2002) definem com muita exatidão o papel essencial e estratégico de uma pesquisa estruturada cientificamente:

Freitas e Moscarola (2002) definem com muita exatidão o papel essencial e estratégico de uma pesquisa estruturada cientificamente: 5. Metodologia de Pesquisa O capítulo 5 descreverá a metodologia de pesquisa utilizada para atingir os objetivos propostos na dissertação, a fim de tratar a problemática diagnosticada na revisão de literatura.

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

Sumário CAPÍTULO 2 AUDITORIA INDEPENDENTE: RESPONSABILIDADE LEGAL, OBJETIVOS GERAIS, NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE, ÉTICA PROFISSIONAL E CONTROLE

Sumário CAPÍTULO 2 AUDITORIA INDEPENDENTE: RESPONSABILIDADE LEGAL, OBJETIVOS GERAIS, NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE, ÉTICA PROFISSIONAL E CONTROLE Sumário CAPÍTULO 1 ORIGEM, CONCEITOS, TRABALHOS DE ASSEGURAÇÃO E TIPOS DE AUDITORIA... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Conceito de Auditoria...2 1.3. Evolução da Auditoria...3 1.4. Trabalhos de Asseguração...4

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica.

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica. CURSO: MBA em GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: PLANO DE TI PROJETO FINAL Última revisão: Junho/2014 Horas-aula - Orientação ao projeto: 30 Horas-aula - Desenvolvimento do projeto: 60 Horas-aula

Leia mais

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo.

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo. 1 Introdução Quando nos propomos a pensar o quê um professor pode usar na sua relação com os alunos em sala de aula como recurso didático, o que imaginamos? Há um universo de possibilidades para estabelecer

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN CAMPUS AVANÇADO PROFª. MARIA ELISA DE A.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2.1 Capítulo 2 QUALIDADE DE SOFTWARE 1. INTRODUÇÃO Como foi mencionado no capítulo anterior, o papel da Engenharia de Software é, principalmente, fornecer métodos e ferramentas para

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES TAMASSIA, Silvana Ap. Santana Pontifícia Universidade Católica- PUC/SP Esta pesquisa busca

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA: CTE 2010 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE TÉCNICAS DE ENSINO SIGLA:

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. 1 POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Indaial, Maio, 2011. Tatiana dos Santos da Silveira - UNIASSELVI silsa@terra.com.br Educação Universitária Nível Meso Gerenciamento, Organização e Tecnologia

Leia mais

COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR

COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR 1 COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR Indaial - SC - Abril 2012 Ana Luisa Fantini Schmitt - Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI)

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM Danyelle Ravenna Lopes de Sousa Estudante de Pedagogia - UESPI Janaina Gomes Viana de Souza

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: Relevância, Percepção e Grau de Satisfação de. Alunos do Ensino Superior

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: Relevância, Percepção e Grau de Satisfação de. Alunos do Ensino Superior AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: Relevância, Percepção e Grau de Satisfação de Alunos do Ensino Superior RESUMO Eliel Unglaub, Ph.D. Luciane W. B. Hees Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP /Brasil

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

JAD. Joint Application Design. NOME: Edgar Masayuki Saito R.A. 0610125 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS

JAD. Joint Application Design. NOME: Edgar Masayuki Saito R.A. 0610125 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS JAD Joint Application Design Curso: Administração habilitação em Sistemas de Informações Disciplina: Análise de Sistemas II

Leia mais

Planejamento de Marketing Digital

Planejamento de Marketing Digital .pdf [ebook] Planejamento de Marketing Digital 2012 2013 2014 2015 2016 Dicas para a leitura deste ebook Os itens do índice são todos clicáveis. Ao clicar no conteúdo de interesse você será levado para

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3.598, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº. 5.395,

Leia mais

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação Resenha Crítica: Qual a relação entre competitividade, gestão do conhecimento e tecnologia da informação? Paulo Fernando da Silva Para discutirmos a relação

Leia mais

Objetivo do trabalho 4

Objetivo do trabalho 4 CC-226 Introdução à Análise de Padrões Prof. Carlos Henrique Q. Forster Instruções para Trabalho 4 Objetivo do trabalho 4 Relatar os resultados obtidos no trabalho 3 e estendidos na forma de escrita científica

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Este capítulo descreve os princípios metodológicos adotados no estudo, bem como os procedimentos escolhidos para a coleta e análise dos dados, além das considerações sobre as possíveis limitações

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência XVII ENCONTRO NACIONAL DA ABEM DIVERSIDADE MUSICAL E COMPROMISSO SOCIAL O PAPEL DA EDUCAÇÃO MUSICAL SÃO PAULO, 08 A 11 DE OUTUBRO DE 2008 IMPRIMIR FECHAR A inserção do Youtube na aula de piano: um relato

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais