1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)"

Transcrição

1 INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo em Filosofia, são: O que é a Filosofia? O que vamos estudar? Para que serve a Filosofia? Estas questões, pela busca de significado, são normais quando se toma contacto com uma disciplina nova mas, no caso da Filosofia, não podemos dar uma resposta imediata e definitiva, ou seja, não podemos dar uma definição unívoca de Filosofia. (Definir Filosofia, é por si só, um problema filosófico). A origem etimológica da palavra FILOSOFIA deriva do grego: philo (amigo) + sophia (sabedoria). Então o filósofo é o amigo do saber, aquele que tem a perceção de que não sabe e que por isso procura o saber. Como e quando surgiu a Filosofia? A Filosofia surgiu por volta do Séc. VII a. C., na Grécia antiga. Diz-se que nasceu do espanto e nos seus primórdios identificava-se com o saber em geral. Grande parte das ciências modernas nasceu da Filosofia, por isso consideramos esta como a rainha de todos os saberes. O filósofo será aquele que tem a capacidade de ir par aalém do aparente e de se espantar continuamente com a realidade que o rodeia. O estudo da Filosofia vai, por isso, possibilitar uma nova atitude perante nós e o mundo, partindo das nossas próprias experiências, vamos à descoberta de novas

2 perspetivas e de novos olhares, vamos para além do aparente, daquilo que é imediatamente dado, vamo-nos libertando da força do hábito e dos preconceitos, vamos problematizando o real. A Filosofia é também uma atitude crítica, isto é, que o filósofo olha para as ideias e teorias alheias com imparcialidade, de forma a poder avaliar se são ou não verdadeiras. A Filosofia liberta-nos de: Preconceitos; Aparências; Dogmas; Hábitos; Falsas opiniões; Opiniões ingénuas; Crenças. Como a Filosofia se relaciona com os nossos espantos e com as nossas interrogações, ela é uma atividade que não tem um campo específico de ação mas abrange a totalidade da experiência humana, logo, podemos filosofar sobre tudo. O filósofo é aquele que: - Espanta-se com a realidade que o rodeis; - Evita respostas precipitadas, fáceis e dogmáticas; - Está recetivo a novas ideias; - Mantém um pensamento autónomo; - Mantém uma atitude crítica; - Mantém uma permanente curiosidade; - Quer aprofundar e fundamentar o seu saber; - Argumenta de forma correta as suas teses; - Nunca se dá por satisfeito! Porque razão é que temos de estudar Filosofia? Porque é que este assunto é importante? Ao estudar Filosofia estamos a esforçar-nos por compreender e produzir uma interpretação da realidade que está perante nós. A Filosofia ajuda-nos a pensar por nós próprios, a criticar de forma racional e argumentativa, a ter um espírito aberto e dialogante, a

3 construir uma cidadania livre e responsável. Níveis de conhecimento (Senso-Comum; Ciência; Filosofia) A Filosofia distingue-se de outros saberes, como é o caso do senso comum e da Ciência. O SENSO COMUM é um tipo de saber que se traduz numa atitude natural: ingénua, Espontânea, Acrítica, Passiva, Superficial, Familiar. O conhecimento do senso comum, é a forma mais elementar e familiar do conhecimento e deriva da observação que o Homem faz daquilo que o rodeia e que interpreta segundo a sua própria cultura. É um saber superficial e espontâneo, que não é posto em causa nem em dúvida (exceto quando deixa de funcionar) e é fundamental para as atividades quotidianas. Ingénua e passivamente aceitamos tudo aquilo que nos dizem como verdadeiro (desde que o aparente ser), por isso nunca o questionamos, é um saber acrítico. A CIÊNCIA é um saber (uma atitude) construída: Objetiva; Universal; Operativa, Racional, Crítica, Progressiva. A Ciência é um tipo de saber que vem satisfazer duas necessidades do ser humano: a de compreender e de agir sobre a Natureza. A Ciência é um saber objetivo e racional, por isso mesmo, universal. Mas também é um saber em constante progresso que pretende adquirir dados operativos que possibilitem agir sobre coisas. Embora alcançando conhecimentos verdadeiros, a ciência não pára de criticar e de questionar as suas próprias teorias, conseguindo assim uma permanente evolução.

4 A FILOSOFIA é um tipo de saber que é Radical; Universal; Autónomo; Histórico; Racional. A Filosofia é um saber radical pois ela vai ao fundo nas suas dúvidas, procura a raiz dos problemas, o fundamento de todo o saber. E aí distingue-se quer do senso comum quer da ciência. Do senso comum, pois este é um tipo de saber superficial. E da ciência pois esta procura as causas próximas enquanto que a Filosofia procura as causas primeiras. A Filosofia é um saber universal porque o seu objeto de estudo é a totalidade da experiência humana; podemos filosofar sobre tudo o que quisermos. Mas também é universal pois as suas questões colocam-se à humanidade em geral. A Filosofia também se distingue da ciência graças à sua universalidade, pois enquanto que o objeto de estudo da ciência é sempre parcelar, o da Filosofia é total. (A Filosofia interessa-se pela totalidade do real). A Filosofia é um saber autónomo. Isto quer dizer que ela é um tipo de saber livre e independente, não se sujeita a qualquer constrangimento. Deste ponto de vista, podemos distinguir a Filosofia do senso comum, pois neste tipo de saber aceitamos tudo o que nos dizem e não pensamos por nós próprios, mas também podemos distinguir a Filosofia da Religião. A Religião parte de verdades reveladas e é dogmática; a Filosofia procura a verdade e é anti-dogmática. A Filosofia é um saber histórico porque reflete a época histórica em que é produzida. («A Filosofia é filha do Tempo», Hegel). «A filosofia é marcada pela historicidade inerente à condição humana, nada que se refira ao homem, encarado como indivíduo ou como espécie, foge à mudança, pois o

5 tempo faz parte da existência humana e todos os homens estão condenados a ser e a passar, pois somos mortais e temos a consciência da nossa mortalidade e da evanescência de tudo o que criamos. Assim, a filosofia é marcada pela história, tem uma tradição duas vezes milenar que serve de base à indagação filosófica em cada momento histórico. E a par da tradição existe a inovação: em cada época surgem novos problemas que vêm enriquecer o património da racionalidade filosófica e cada filósofo, ao assumir a sua aventura filosófica, é original e inovador, acrescenta algo aos modos de ver que são próprios da filosofia» (retirado do Blogue Filosofia Limite). A Filosofia é um saber racional. As indagações filosóficas realizam-se de modo sistemático. A Filosofia trabalha com enunciados precisos e rigorosos, busca encadeamentos lógicos, opera conceitos ou ideias obtidos por procedimentos de demonstração e prova, exige a fundamentação racional do que é enunciado e pensado. Somente assim a reflexão filosófica pode fazer com que a nossa experiência quotidiana, nossas crenças e opiniões alcancem uma visão crítica de se si mesmas. Não se pode dizer "eu acho que", mas de poder afirmar "eu penso que". (Retirado do blogue: Em resumo, podemos dizer que a Filosofia é: A busca de sabedoria; Um forma de conhecimento; Uma orientação existencial; Um atividade de interrogação, reflexão, interpretação, compreensão, problematização, crítica, argumentação, especulação, autonomia. (Excertos de textos retirados de SOS Filosofia 10º Ano, Elisabete Silva, Sebenta e outros devidamente identificados ao longo deste resumo da matéria)

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS

ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS ORIGEM DA FILOSOFIA GREGA O NASCIMENTO DO LÓGOS O QUE É A FILOSOFIA? A filosofia é uma forma de pensamento que nasceu na Grécia, por volta do século VI.a.C. Contrapondo-se ao pensamento mítico, que o antecede,

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Capítulo 3 Lógica silogística

Capítulo 3 Lógica silogística 57-84 2008.02.11 22:45 Página 57 Capítulo 3 Lógica silogística Neste capítulo estudamos alguns aspectos da lógica criada por Aristóteles (384-322 a.c.), tal como foi mais tarde sistematizada. Estudamos

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA. Palavras chave: Conhecimento, Ciência, Senso Comum, Pesquisa Científica.

SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA. Palavras chave: Conhecimento, Ciência, Senso Comum, Pesquisa Científica. SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA Alexandre Dantas de Medeiros 1 Aline Cândida Dantas de Medeiros 2 Norma Danielle Silva Barreto 3 Resumo: Para que chegássemos ao nível

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

As evidências do cotidiano

As evidências do cotidiano Para que filosofia? Autora: Marilena Chauí Fonte: Convite à Filosofia As evidências do cotidiano Em nossa vida cotidiana, afirmamos, negamos, desejamos, aceitamos ou recusamos coisas, pessoas, situações.

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar.

1. A Experiência Filosófica Estranhamento ou Deslocamento. Experimenta uma quebra, uma interrupção no fluir normal de sua vida. Você para pra pensar. CURSO: ENSINO MÉDIO COMPONENTE CURRICULAR: FILOSOFIA CARGA HORÁRIA: 40 HORAS PERÍODO: 1 ANO / 2014 UNIDADE: I TRANSMISSÃO: 08/10/2014 Qurta Feira ESTÚDIO: 01 Responsável: Glaucia Produção:Adriano Arte:

Leia mais

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros " SO EM DESENCANTO ". UNIVER

- Tudo isto através das mensagens do RACIONAL SUPERIOR, um ser extraterreno, publicadas nos Livros  SO EM DESENCANTO . UNIVER TIRE ALGUMAS DE SUAS DUVIDAS SOBRE CULTURA RACIONAL - O que é CULTURA RACIONAL? R - A Cultura Racional é a cultura do desenvolvimento do raciocínio. A cultura natural da Natureza. É o conhecimento da origem

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO 1 6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO A disciplina de Filosofia no Ensino Médio visa desenvolver o senso crítico dos alunos objetivando um cidadão preparado para

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

centro atlântico Portugal/2003

centro atlântico Portugal/2003 centro atlântico Portugal/2003 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Blogs Colecção:

Leia mais

COMO GERAR IDEIAS TUTORIAL DE APOIO

COMO GERAR IDEIAS TUTORIAL DE APOIO COMO GERAR IDEIAS TUTORIAL DE APOIO COMO GERAR IDEIAS? AS BOAS IDEIAS PODEM VIR DE TODA A GENTE. PODEM MUITO BEM COMEÇAR POR TI. Muita gente pensa que as boas ideias são apenas para os outros, para pessoas

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta)

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta) Colégio Paulo VI Ano lectivo 2011/2012 10º Ano - Teste de Filosofia Tema: O que é a filosofia? / O discurso filosófico Teste n.º 1 90 min.# Nome Número Turma Professor Encarregado de Educação Classificação

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Sêneca. Da felicidade L&PM POCKET. seguido de Da vida retirada. www.lpm.com.br. Traduzido do latim por Lúcia Sá Rebello e

Sêneca. Da felicidade L&PM POCKET. seguido de Da vida retirada. www.lpm.com.br. Traduzido do latim por Lúcia Sá Rebello e Sêneca Da felicidade seguido de Da vida retirada Traduzido do latim por Lúcia Sá Rebello e Ellen Itanajara Neves Vranas www.lpm.com.br L&PM POCKET 1 Sumário Da felicidade 5 Da vida retirada 51 3 Da felicidade

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com Surgimento da ciência. Conceito filosófico do conhecimento e interesse pela pesquisa. Colaboradores: Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

O Turismo e o Não- Lugar

O Turismo e o Não- Lugar O Turismo e o Não- Lugar O Lugar l O lugar já nasce com uma identidade individual, tem uma ocupação singular e exclusiva, por isso é identitário. l Reflete também no fato de coexistirem elementos distintos

Leia mais

Prova 3 Filosofia. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Filosofia. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA 1. Confira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, conforme o que consta

Leia mais

HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA

HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: FILOSOFIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS: Contextualizar

Leia mais

Convite à filosofia. Por que filosofia?

Convite à filosofia. Por que filosofia? Convite à filosofia A verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo. Maurice Merleau-Ponty Não se pode aprender a filosofia; somente se pode aprender a filosofar. Immanuel Kant Por que filosofia? Entre

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 4º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 4º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÁTÃO CURRÍCULO DISCIPLINAR 4º ANO EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC) (SNEC) 2015-16 4 º ANO Unidade Letiva 1 Ser Verdadeiro 1. Aprender a ser verdadeiro. M. Reconhecer

Leia mais

Filosofia da Ação. Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano.

Filosofia da Ação. Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano. Filosofia da Ação Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano. Exemplos de problemas tratados: O que são ações? É o livre-arbítrio

Leia mais

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica.

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Azevedo, C. et al. (1996) Metodologia científica. Porto: s/ed. (pp.15-28) Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Aprender

Leia mais

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA Resumo Ademir Aparecido Pinhelli Mendes 1 NESEF/UFPR/UNINTER Geraldo Balduíno Horn 2 NESEF/PPGE//UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 3 Com Jaqueline Salles Temas: Esperando por um

Leia mais

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca 822 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca Joel Extramar, Reinholdo Aloysio Ullmann (orientador)

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN 1982 6613 Vol. 2, Edição 4, Ano 2007. EAD E O PROCESSO AVALIATIVO: BREVE ENSAIO SOBRE UMA PEDAGOGIA EM CONSTRUÇÃO

Revista Filosofia Capital ISSN 1982 6613 Vol. 2, Edição 4, Ano 2007. EAD E O PROCESSO AVALIATIVO: BREVE ENSAIO SOBRE UMA PEDAGOGIA EM CONSTRUÇÃO 78 EAD E O PROCESSO AVALIATIVO: BREVE ENSAIO SOBRE UMA PEDAGOGIA EM CONSTRUÇÃO Júlia de Holanda juliadeholanda@filosofiacapital.org Brasília-DF 2007 79 EAD E O PROCESSO AVALIATIVO: BREVE ENSAIO SOBRE UMA

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

REALIDADE, ILUSÃO E VERDADE REALIDADE

REALIDADE, ILUSÃO E VERDADE REALIDADE REALIDADE, ILUSÃO E VERDADE REALIDADE Quantas realidades existem? Hoje a opção cientifica nos apresenta somente uma única realidade, mas isso está sendo questionado, em principio por mim e com certeza

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

SUMÁRIO DO VOLUME. Filosofia FILOSOFIA A FILOSOFIA DA VERDADE E DO AMOR 5

SUMÁRIO DO VOLUME. Filosofia FILOSOFIA A FILOSOFIA DA VERDADE E DO AMOR 5 2 Filosofia SUMÁRIO DO VOLUME FILOSOFIA A FILOSOFIA DA VERDADE E DO AMOR 5 1. A mitologia e a verdade 6 1.1 A Filosofi a e o espírito de pesquisa 13 1.2 O mito de Cadmo e o valor da dedicação 16 1.3 O

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino

Leia mais

Mensagem de Prem Rawat

Mensagem de Prem Rawat Mensagem de Prem Rawat na Conferência de Paz Nórdica 2012 Conf. Nórdica, Página 1 Gostaria de falar-vos sobre paz. Eu sei que quase toda a gente tem a sua interpretação do que é a paz. Para mim, a paz

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa «Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa Nietzsche é uma das mais controversas personagens do seu tempo. O seu estilo, a forma radical como pôs os valores vigentes em causa e a maneira

Leia mais

SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia

SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia Prof. Denis Carlos Luckner Prof. Luís Carlos Zuze Dhein "não morda meu dedo, olhe para onde estou apontando". (Seymour Papert) FEEVALE

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

GABARITO - FILOSOFIA - Grupo L

GABARITO - FILOSOFIA - Grupo L GABARITO - FILOSOFIA - Grupo L Os comentários e indicações relativos a cada questão constituem apenas uma dentre linhas possíveis de abordagem. Como buscamos formular questões que combinassem os conhecimentos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Serviço Social 2ª Série Filosofia Aplicada ao Serviço Social A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo : 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo Habilidades: Perceber como se organizam os parágrafos de um texto dissertativo-argumentativo. Texto dissertativo O texto dissertativo é um tipo de texto

Leia mais

Presidir à Sociedade Portuguesa de Hipertensão «é uma experiência muito interessante»

Presidir à Sociedade Portuguesa de Hipertensão «é uma experiência muito interessante» 2015-11-30 19:57:39 http://justnews.pt/noticias/presidir-a-sociedade-portuguesa-de-hipertensao-e-uma-experiencia-muito-interessante Presidir à Sociedade Portuguesa de Hipertensão «é uma experiência muito

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS?

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? 1 O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? Hélio Cobe da Silva 1 Graduando em Filosofia/UEPB heliocobe@hotmail.com Profª. Drª. Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB) solangenorjosa@gmail.com Profª.

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos FILOSOFIA 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em Filosofia PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO O

Leia mais

1. O conceito de cultura que suporta a argumentação apresentada no texto pode definir-se como

1. O conceito de cultura que suporta a argumentação apresentada no texto pode definir-se como Leitura Leia o texto e responda às questões: Se se toma a palavra cultura não no sentido quantitativo de conjunto de conhecimento, mas na acepção qualificativa do desenvolvimento de aptidões pessoais,

Leia mais

Princípios Elementares de Filosofia

Princípios Elementares de Filosofia Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Obra editada pela Prelo Editora, SARL, em janeiro de 1975 (4.ª Edição) Colocado em linha em: 2012/01/23 Princípios

Leia mais

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução Rotas da Leitura Biblioteca Municipal de Beja Cristina Taquelim Introdução A promoção da leitura nas bibliotecas portuguesas públicas sofreu nos últimos anos uma forte expansão e alberga hoje um conjunto

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Romanos 8:13 Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão, Introdução: Cremos

Leia mais