CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?"

Transcrição

1 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011

2 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal do Paraná UFPR para fins de elaboração de dissertação de mestrado em Filosofia. CURITIBA 2011

3 Tema: Em Kant, é possível o homem racional ser feliz? Apresentação do tema: a presente pesquisa tem por objetivo investigar em que medida o homem, condicionado à legislação moral, pode se considerar livre na busca pela felicidade. Como a aspiração à felicidade, na filosofia kantiana, pode indicar um contra-senso se pensada em relação à liberdade e a moralidade no mundo sensível. A razão humana, para Kant, tem um papel fundamental na determinação dos nossos conhecimentos. É a partir dela que podemos pensar a liberdade e o agir moral. Com base na razão, é possível averiguar a conformidade do mundo moral com as suas próprias prescrições, pois, a moralidade nos serve de lei somente enquanto somos seres racionais, tem ela que valer também para todos os seres racionais 1. É, também, possível pensar a liberdade justamente pelo fato de sermos seres racionais e, por isso, livres para refletir sobre o agir, tem que ser demonstrada a liberdade como propriedade da vontade de todos os seres racionais 2. É importante considerar que no O Cânone da Razão Pura, Kant coloca a liberdade da vontade como um dos propósitos finais da razão especulativa no uso transcendental, e argumenta que, mesmo não possuindo relevância para o saber, é recomendada pela razão e, por isso, deve possuir valor na ordem prática. Ora, se prático é tudo aquilo que é possível pela liberdade 3, a liberdade é um pressuposto da razão, por outro lado, a aplicação do livre arbítrio nos é conhecida empiricamente. A razão possui, com relação a ele, apenas um uso regulador e serve somente para realizar a unidade das leis empíricas. Guido Antônio de Almeida mostra, no texto Liberdade e Moralidade segundo Kant, um dos caminhos que se pretende investigar para a compreensão da razão na determinação da liberdade, a saber: o arbítrio, na medida em que o atribuímos tanto aos homens quanto aos animais, pode ser definido como o poder de escolher o que é bom e evitar o que é mau. O homem, porém, possui a razão e, por isso, a capacidade de julgar e, portanto, de representar proposicionalmente o que lhe parece bom. No entanto, visto que o homem não faz necessária e infalivelmente o que julga que é bom fazer, o que é bom para ele aparece sob a forma do dever, ou seja, como algo que ele deve fazer 4. Ora, o que diferencia o homem dos animais é a razão, essa capacidade de 1 KANT. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, BA99/100 2 Idem 1 3 KANT. Crítica da Razão Pura, A800 B828 4 ALMEIDA. Liberdade e Moralidade segundo Kant, p.183 3

4 conhecer e analisar a sua própria ação e, com isso, não estar simplesmente sujeito ao instinto natural. Sendo assim, a razão permite indagar a própria inclinação do homem perante o mundo sensível. Contudo, os seres humanos são seres distintos entre si, no que diz respeito às inclinações, cada um almeja satisfazer as suas pretensões de formas diferentes. Mas, a existência da lei moral, uma lei universal que prescreve as ações de maneira incontestável, ou seja, que determina o agir moral exclusivamente pelo dever, remete a questão do homem racional, livre no agir, que observa na lei moral a sua obrigatoriedade, contudo, no mundo sensível, a sua inclinação natural. Em Kant, existe uma distinção na formulação do conceito de liberdade, uma vez que ele pode ser determinado em sentido transcendental e prático. O primeiro como não sendo um princípio válido na explicação dos fenômenos, pois se abstrai de qualquer pressuposto dado na experiência. Distintamente, o segundo conceito permite uma demonstração na experiência, ainda que não necessariamente. Consideremos, pois, por experiência, a liberdade prática como uma das causas naturais, a saber, como uma causalidade da razão na determinação da vontade, enquanto a liberdade transcendental exige uma independência dessa mesma razão relativamente a todas as causas determinantes do mundo sensível 5. Ora, considerando a possibilidade da liberdade prática de ser demonstrada por experiência 6, é necessário apresentar em que medida a relação entre vontade e liberdade pode ser determinada pela razão, pois, não é apenas aquilo que estimula, isto é, afecta imediatamente os sentidos, que determina a vontade humana; também possuímos um poder de ultrapassar as impressões exercidas sobre a nossa faculdade de desejar, mediante representações do que é, mesmo longinquamente, útil ou nocivo 7. Justamente pelo fato de sermos seres racionais e enquanto tais providos dessa disposição da razão que a vontade é uma espécie de causalidade dos seres vivos, enquanto racionais, e liberdade seria a propriedade desta causalidade, pela qual ela pode ser eficiente 8. Dessa forma, para atribuirmos liberdade à vontade, é necessário que essa liberdade seja universalizada, ou seja, válida para todos os seres racionais. Parece, porém, que a conjectura da idéia de liberdade e de moralidade, como princípios da autonomia da vontade, remete a um contexto nebuloso, já que a liberdade 5 KANT. Crítica da Razão Pura, A803 B831 6 Idem, A802 B830 7 Idem 6 8 KANT. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, BA97 4

5 da vontade, mesmo não sendo exclusivamente compreendida na experiência, pode ser afetada por ela. Por outro lado, a moral é uma lei universal válida para a ação humana, e alheia a qualquer inclinação empírica. A partir disso, como é possível pensar uma conformidade na liberdade da vontade que seja satisfatória à lei moral, uma vez que, temos que atribuir a todo o ser dotado de razão e vontade esta propriedade de se determinar a agir sob a idéia da sua liberdade 9. Nesse momento, é possível abordar a idéia de felicidade que, na Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1784), sugere um caráter mais leve como motivo de determinação da vontade à inclinação moral, pois, achamos que o simples fato de ser digno da felicidade, mesmo sem o motivo de participar dessa felicidade, pode por si só interessar 10. Seria possível aceitar que a liberdade, em parte movida e em parte restringida pelas leis morais, seria ela mesma a causa da felicidade em geral 11. Mas, dessa forma, é necessário averiguar qual valor Kant atribui à liberdade da vontade na busca da felicidade e, em que parte, essa relação está vinculada à credibilidade moral. Uma vez que, na filosofia kantiana, a moral é um preceito inteiramente racional e estruturado na forma do dever incondicionado, admito que há, realmente, leis morais puras que determinam completamente a priori o fazer e o não fazer, ou seja, o uso da liberdade de um ser racional em geral e que estas leis comandam de uma maneira absoluta 12. Considerando a relação de moral e felicidade em Kant, se observa no O Cânone da Razão Pura que a disposição moral é a condição que, antes de mais, torna possível a participação na felicidade 13. Contudo, não é a perspectiva da felicidade que torna possível a disposição moral 14, uma vez que isso aniquilaria todo valor moral, que condiciona as regras para sermos dignos da felicidade. Na Crítica da Razão Prática (1784), Kant retoma esse vínculo em um contexto distinto, e aponta com mais convicção,que a lei moral tem que ser algo diverso do principio da felicidade própria 15, pois a felicidade é um princípio prático material. Sendo assim, mesmo considerando que, em Kant, a relação entre felicidade e moral diz respeito ao mérito de ser feliz, a felicidade pode ser investigada por caminhos diferente a saber: existe um caráter de participação na felicidade, ou seja, o fato de me comportar conforme as leis 9 KANT. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, BA Idem, BA KANT. Crítica da Razão Pura, A809 B Idem, A807 B Idem, A813 B Idem KANT. Crítica da Razão Prática, A65 5

6 morais, permitem ao homem ser digno de esperar encontrar a felicidade; por outro lado, a felicidade é um princípio prático material, ela pertence à concepção do agrado da vida, que o homem possui perante as representações daquilo que lhe apetece diante da sensibilidade. Sendo assim, como a felicidade está vinculada ao aspecto empírico, parece perder todo seu vínculo com o aspecto moral. Dessa forma, é importante prescrever e apresentar as medidas a tomar na relação que se pretende esboçar entre moral e liberdade na pressuposição de uma felicidade e, como é indispensável à concepção desses três conceitos na filosofia kantiana, é importante observar em que medida eles se equiparam ou se divergem. Justificativa: Primeiramente, é importante ponderar o papel que a razão assume perante a moral e a liberdade na filosofia kantiana, pois considerando que esses dois princípios estão fundados na capacidade racional humana de fazer uso da sua vontade e agir no mundo, devido ao fato de podermos pensar a nossa própria liberdade e ação, é necessário que a razão mantenha a sua natureza arquitectónica. No Prefácio da Segunda Edição da Crítica da Razão Pura (1787), parece existir uma tentativa de resolver a problemática da razão descrita no texto da Terceira Antinomia. Kant considera na crítica que se a razão restringisse a nossa capacidade de formular conceitos somente à experiência, como aborda a concepção empirista, então toda a pretensão de um uso da razão prático puro se tornaria problemática, uma vez que, se a nossa vontade não é livre e a alma é tão divisível e corruptível como a matéria, então as ideias morais e seus princípios perdem todo o valor 16. Ora, mesmo que a crítica sugira apenas a idéia de que a nossa razão nunca seria capaz de transpor as barreiras da experiência, a capacidade da razão pensada, nos princípios da razão especulativa, se estrutura para ir além dos seus limites. Isso não visa estabelecer uma idéia de extensão, mas de restrição do uso da nossa razão. Sendo assim, uma crítica que limita a razão especulativa é, como tal, negativa, mas na medida em que anula um obstáculo que restringe ou mesmo ameaça aniquilar o uso prático da razão, é de fato de uma utilidade positiva e altamente importante, logo que nos persuadirmos de que há um uso prático absolutamente necessário da razão pura (o uso moral) KANT. Crítica da Razão Pura, A468 B Idem, BXXV 6

7 Kant revela que se desconhecêssemos os diferentes interesses da razão, o homem acabaria em um completo estado de oscilação, uma vez que, hoje, estaria convencido de que a vontade humana é livre; amanhã, se considerasse a cadeia indissolúvel da natureza, persuadir-se-ia que a liberdade é apenas uma auto-ilusão e que tudo é simplesmente natureza 18. Em decorrência disto, se tornaria questionável o próprio propósito deste trabalho, pois, se ignorarmos o papel da razão na determinação do conceito de liberdade, acabaria na pressuposição de uma liberdade dada somente empiricamente ou na idéia de uma liberdade especulativa que, para Kant, não pode nos oferecer conhecimento algum. Em Kant, existe uma distinção no contexto da formulação do conceito de liberdade, uma vez que ele pode ser tomado em sentido transcendental e prático. O primeiro, como não sendo um princípio válido na explicação dos fenômenos, se abstrai de qualquer pressuposto dado na experiência. Distintamente, o segundo conceito permite uma demonstração na experiência, mesmo que não necessariamente. Consideremos, pois, por experiência, a liberdade prática como uma das causas naturais, a saber, como uma causalidade da razão na determinação da vontade, enquanto a liberdade transcendental exige uma independência dessa mesma razão relativamente a todas as causas determinantes do mundo sensível 19. Kant utiliza a doutrina da prudência para esclarecer sua argumentação com relação às leis práticas, uma vez que, ambas fazem uso da razão na determinação da moral relacionada à felicidade, de formas distintas. A doutrina da prudência tem o papel de unir as nossas inclinações na busca de um fim último e assegurar a conformidade dos meios necessários para se alcançar esse fim, mesmo que este fim pressuponha uma noção de felicidade, não é propriamente para a razão seu objeto último. Sendo assim, nessa doutrina, a razão é a apenas responsável por fornecer leis pragmáticas a nossa conduta, leis estas que pretendem satisfazer os fins dados pelos nossos sentidos, mas não leis consideradas pela razão puras a priori. É uma concepção mais profunda da razão e da liberdade que leva Kant a assumir as leis práticas, nas quais o fim pode ser dado inteiramente a priori pela razão e que, dessa forma, comandam, não segundo leis empíricas, mas de forma incondicional, como produtos da razão pura prática e, portanto, podem compreendem a idéia das regras morais. 18 KANT. Crítica da Razão Pura, A475 B Idem, A803 B831 7

8 Kant aceita a necessidade dos princípios da moralidade e, a partir dele, a possibilidade de esperar a felicidade, pois, ao que tudo indica, todos têm motivo para almejar a felicidade se conduzirem a sua conduta de forma digna. Sendo assim, parece existir uma ligação entre o sistema moral e a felicidade, pois, toda a esperança tende para a felicidade e está para a ordem prática e para a lei moral 20. A conduta humana, em conformidade com a moralidade, deve permitir que aquele que não se tornou indigno da felicidade seja esperançoso de um dia alcançá-la. E ainda que no mundo moral, no qual conceitualmente excluímos os obstáculos à moralidade, deve existir uma atribuição necessária à idéia de felicidade, pois, a liberdade, influenciada ou limitada pelas leis morais, seria a causa da felicidade 21. Entretanto, ao afirmar no O Cânone da Razão Pura que a felicidade é a satisfação de todas as nossas inclinações 22 a pesquisa não pretende atribuir à felicidade a necessidade de satisfação das nossas inclinações sensíveis e acabar entrando no mesmo caminho criticado por Kant, posteriormente, na Crítica da Razão Prática (1788), ao questionar a filosofia estóica e epicurista, que atribuíam ao prazer todo o motivo da felicidade. Ora, mesmo que ser feliz seja necessariamente a aspiração de todo ente racional 23 é necessário esclarecer as interpretações inconsistentes dos estóicos e dos epicuristas com relação à prudência e à moralidade, pois, para o primeiro, a prudência teria a mesma formulação que a moral, dessa forma, o fato do homem ser consciente das prescrições morais o levariam a felicidade. Por outro lado, para o estóico, somente a moralidade é conhecimento, sendo assim, o fato de ter consciência dessa moral levaria à felicidade. Por isso, é importante levar em consideração a diferença entre a lei pragmática e moral em Kant, pois, para ele, aquela, possui por motivo a felicidade e, esta é uma lei que visa indicar como é possível tornar-se digno da felicidade. Portanto, a lei pragmática busca dizer o que nos seria possível fazer se pretendemos participar da felicidade, enquanto que a lei moral ordena de forma absoluta como é possível se tornar digno da felicidade. Sendo assim, parece que Kant considera a idéia de felicidade possível, mas não no mundo sensível, pois, se a relacionarmos com as leis morais, se observa que a moralidade em si constitui um sistema, mas não a felicidade, a não ser enquanto 20 KANT. Crítica da Razão Pura, A805 B Idem, A809 B Idem, A806 B KANT. Crítica da Razão Prática, A45 8

9 distribuída em medida exatamente proporcional à moralidade 24. No entanto, a moralidade faz abstração a qualquer inclinação sensível para considerar somente a liberdade do homem enquanto ser racional, e a partir dessa condição refletir o mérito de esperar ser digno da felicidade. Problematização: Considerando a tensão da razão apresentada no texto da Terceira Antinomia na Crítica da Razão Pura (1781), no qual Kant releva a pretensão da razão de fugir do campo da experiência e estender seu domínio para além de qualquer aspecto empírico, é possível remeter a uma conturbada citação com relação à idéia de liberdade, a saber, sou livre nos meus atos (?) 25 ou, por outro lado, como outros seres, sou conduzido pelo fio da natureza e do destino (?) 26. Portanto, o fato do homem ser um ser racional, permitiria a ele se considerar livre, ou esta condição não pode transcender aos móbiles empíricos, já que, ao mesmo tempo em que o homem é um ser racional é, também, um ser sensível e, como tal, sujeito às inclinações da experiência. Na concepção de liberdade da vontade, surge o problema de pensar como a vontade pode ser prescrita no mundo moral, pois ela não pressupõe em si mesma a conformidade com as regras morais. Para esclarecer o contexto dessa concordância entre liberdade da vontade e moralidade, Kant utiliza a noção de uma vontade absolutamente boa, a qual, a máxima pode sempre conter-se a si mesma em si, considerada como lei universal 27. Mas, ao que ele nos indica, essa boa vontade serve para confrontar a própria condição humana, pois, ao reconhecer que ela é, restritamente, conforme a moralidade e que não pode ser afetada de forma alguma por nenhuma inclinação sensível, ela só seria possível de ser admitida em um ser desprovido de sensibilidade, o que só é passível de se pensar em um mundo distinto do empírico. Portanto, existe uma tensão ao pensar o homem racional como livre, uma vez que não é plausível conhecer intimamente a intenção humana em relação à conformidade moral e, também, a própria condição do homem pensar-se como um ser racional livre, não determina em que medida ele se desvincula do instinto natural. 24 KANT. Crítica da Razão Pura, A811 B Idem, A463 B Idem KANT. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, BA98/99 9

10 A lei moral é o único fundamento determinante da vontade pura 28, ora, como a legislação moral está vinculada somente à forma da máxima, como um princípio determinante, não pode encontrar em nenhum objeto do nosso querer a sua definição, sendo assim, não é pressuposta a partir de nenhum dado material. Então, como é possível pensar um ser racional, ou seja, condicionado às prescrições morais, que visa à felicidade, mas que, a não ser pela razão pode determinar-se como livre. E ainda, como é possível determinar que a conformidade da relação entre moral e felicidade seja conhecida, já que a primeira é uma lei do dever a priori e, a segunda, é um princípio prático material. Por outro lado, como investigar um conceito de liberdade da vontade, na filosofia kantiana, que possa ser proveitoso para explicar a conformidade da ação com as prescrições do dever moral. É importante considerar a distinção kantiana entre o conceito de liberdade transcendental e o conceito de liberdade prática, exposta no O Cânone da Razão Pura, para discorrer sobre a idéia de lei moral. Considerando o primeiro conceito, como ele não pode ser conhecido na experiência, deve ser um conhecimento puro a priori e, como tal, não pode ser de forma alguma afetado por inclinações sensíveis; logo, só pode ser assumido em um mundo distinto do empiricamente conhecido. Por outro lado, o conceito prático pode ser conhecido na experiência, mas não necessariamente determinado por ela, pois, se assim fosse, toda a nossa vontade acabaria na sujeição ao empiricamente dado. Sendo assim, é possível pensar uma independência da vontade perante as inclinações sensíveis através da representação do que nos proporciona prazer ou desprazer e essa capacidade repousa na razão. Entretanto, não nos parece possível excluir a inclinação empírica, isto é, considerar-nos livre no agir e, ao mesmo tempo, nos considerar seres morais. Ora, mas Kant escreve na Crítica da Razão Pura (1781) que é justamente através da liberdade que podemos pensar a moral, ou seja, que a liberdade efetivamente existe; pois esta idéia manifesta-se pela lei moral 29. Contudo, há uma problemática entre a felicidade e o contexto da moralidade, pois, considerando que a moral é um princípio do dever válido incondicionadamente, não pode existir nela uma esperança que recompensa a si própria, orientando o comportamento de cada indivíduo perante o que se deve fazer. Sendo assim, a moralidade não poderia possuir uma base sólida, pois estaria sujeita às inclinações sensíveis que visam a um fim empírico, a felicidade. Aristóteles revela, na 28 KANT. Crítica da Razão Prática, A Idem, A5 10

11 obra Ética a Nicômaco, que toda ação é movida em busca de um bem e esse bem revela-se como um fim desejado em si mesmo, por conseguinte, como o bem supremo, ou seja, a felicidade. A questão é a escolha da atividade que dará ao ser humano o bem supremo? Uma vez que, é possível falar em virtude relacionada ao meio termo, na filosofia aristotélica. Ora, que motivos, então, nos permitem excitar a esperança de chegar à felicidade, se me comportar de modo a não ser indigno da felicidade, devo também esperar poder alcançá-la? 30. Portanto, parece incognoscível aceitar a existência de uma liberdade da vontade que não busque a satisfação da felicidade e que atribui ao homem racional a conformidade com a lei moral. Objetivo Geral: Abordar em que medida é possível estabelecer, na filosofia kantiana, com base nos textos da Crítica da Razão Pura (1781), Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1784) e Crítica da Razão Prática (1788), a busca pela felicidade no homem racional. Com o intuito de apreender se o homem, enquanto ser racional, é realmente livre na sua determinação de felicidade, ou simplesmente, é determinado por inclinações sensíveis. Objetivos Específicos: Apresentar em que medida a razão permite ao homem se conceber como um ser livre, com base na discussão do problema da definição do conceito de liberdade apresentado, por Kant, na Crítica da Razão Pura (1781). Considerar a importância do conceito de vontade perante formulação da liberdade e de moralidade na Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1784). Caracterizar a relação entre liberdade e moralidade na pretensão de chegar à felicidade, na medida em que se encontram diferentes articulações na ligação dessas idéias na Crítica da Razão Pura (1781) e na Crítica da Razão Prática (1788). Demonstrar qual a problemática da felicidade se associada, simultaneamente, ao princípio da moralidade e da liberdade. 30 KANT. Crítica da Razão Prática, A809 B837 11

12 Bibliografia: ALLISON, Henry. Kant s theory of freedom. Cambridge University Press. New York, ALMEIDA, Guido Antônio de. Liberdade e Moralidade Segundo Kant. Analytica, v. 2 n.1. Rio de Janeiro, FREITAG, Bárbara. Itinerários de Antígona a questão da moralidade. Papirus, 4 ed. Campinas, KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Trad. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Trad. Valério Rohden. Martins Fontes. São Paulo, KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad. Paulo Quintela. Edições 70. Lisboa, PASCAL, Georges. O Pensamento de Kant. Vozes, 3 ed. Petrópolis PIMENTA, Pedro P. G. Reflexão e Moral em Kant. Azougue Editorial. Rio de Janeiro,

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura

Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura [Happiness and the dignity of being happy: the highest good as a dialectical ideal of pure practical reason] Solange

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

KANT E A FACULDADE DE JULGAR

KANT E A FACULDADE DE JULGAR KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO Nuno Ornelas Martins 2009 Covilhã, 2011 FICHA TÉCNICA Título: A Ética Kantiana e o Espírito do Cristianismo Autor: Nuno Ornelas Martins Colecção: Artigos LUSOSOFIA

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA RODRIGUES, Ederson Dias¹ ALVES, Marcos Alexandre.² ¹Acadêmico bolsista PIBID/CAPES ²Orientador

Leia mais

A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana

A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana Andréa Faggion UEM, Maringá Introdução Kant trabalhou sobre a formulação do princípio supremo subjacente aos mandamentos morais nas

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

A DOUTRINA METAFÍSICA DO DIREITO EM IMMANUEL KANT

A DOUTRINA METAFÍSICA DO DIREITO EM IMMANUEL KANT 'Ix LII IYA ; '7'] *4 e uux.z.i =vil ;yj ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Francisco Targino Facundo l A DOUTRINA METAFÍSICA DO DIREITO EM IMMANUEL KANT 'e FORTALEZA-CEARÁ 200 FRANCISCO TARGINO FACUNDO

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Universidade Federal do Piauí, Brasil

Universidade Federal do Piauí, Brasil RAWLS: CRITICA DE SCHOPENHAUER A FILOSOFIA KANTIANA Elnora Gondim Universidade Federal do Piauí, Brasil Resumo.- O objetivo aqui é entender a afirmação que se encontra no livro de Rawls o O Liberalismo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Sobre o princípio e a lei universal do Direito em Kant Guido Antônio de Almeida* RESUMO O artigo distingue duas fórmulas do princípio do Direito em Kant; mostra que na primeira delas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP DANILO CITRO SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO OURO PRETO 2011 2 Danilo Citro Sobre a analogia entre natureza e arte na

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia 1 Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia Luís Washington Vita (1955) DELFIM SANTOS, Fundamentação Existencial da Pedagogia, Limeira, Letras da Província, 1951-115; Revista Brasileira de Filosofia

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca 822 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca Joel Extramar, Reinholdo Aloysio Ullmann (orientador)

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 Daniela Da Rosa Molinari 2, Aline Antunes Gomes 3, Luana Rambo Assis 4, Luciano Almeida Lima 5. 1 Projeto de pesquisa

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA KANT E A FORMAÇÃO HUMANA Silvério Becker Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC RESUMO: O texto procura uma aproximação ao conceito de formação conforme a visão de Immanuel Kant. Apresenta

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

ÉTICA, RELIGIÃO E EDUCAÇÃO EM KANT

ÉTICA, RELIGIÃO E EDUCAÇÃO EM KANT 102 ÉTICA, RELIGIÃO E EDUCAÇÃO EM KANT Wescley Fernandes Araujo Freire * Resumo: O objetivo deste trabalho é identificar a relação entre os conceitos de Ética, Religião e Educação como necessária à realização

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

EDUCAÇÃO NA LIBERDADE: KANT E A FUNDAMENTAÇÃO DA PEDAGOGIA

EDUCAÇÃO NA LIBERDADE: KANT E A FUNDAMENTAÇÃO DA PEDAGOGIA EDUCAÇÃO NA LIBERDADE: KANT E A FUNDAMENTAÇÃO DA PEDAGOGIA Regina Coeli Barbosa Pereira. Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas da UFJF. Doutora em Filosofia pela UFRJ. Professora Adjunta da Faculdade

Leia mais

AULA 17 MEDIUNIDADE NAS CRIANÇAS E NOS ANIMAIS

AULA 17 MEDIUNIDADE NAS CRIANÇAS E NOS ANIMAIS Às vezes, as manifestações mediúnicas que a criança apresenta são por causa das perturbações no ambiente do lar. Neste caso, o recomendável é atende-la com assistência espiritual, passes (para não favorecer

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS DA MORAL DE KANT NA OBRA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES

ALGUNS ASPECTOS DA MORAL DE KANT NA OBRA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES ALGUNS ASPECTOS DA MORAL DE KANT NA OBRA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES Julio Cezar Lazzari Junior Mestrando em Filosofia pela USJT Resumo: Este artigo tem o objetivo de captar alguns aspectos

Leia mais

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível?

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Adílio Jorge Marques* * Doutor em História e Epistemologia das Ciências (UFRJ/HCTE). Professor Substituto do Departamento de História

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON

A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON 28 A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON Bruno Camilo de Oliveira RESUMO: Analisamos o manuscrito Peso e Equilíbrio dos Fluidos, de Isaac Newton, datado da virada da década de 1660 para a de 1670. Num momento de

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: A Vontade Palestrante: Dulce Alcione Rio de Janeiro 29/09/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Luno" (nick: [Moderador]) "Médium

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant

Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant Immanuel Kant (1724 1804) A Ética de Kant Nota Biográfica Immanuel Kant nasceu em 1724 Na cidade de Konisberg na Prússia. A sua palavra de ordem: tem a coragem de te servires do teu próprio entendimento!

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

e-mail: atendimento@popconcursos.com.br Telefone: (019) 33274092 www.popconcursos.com.br

e-mail: atendimento@popconcursos.com.br Telefone: (019) 33274092 www.popconcursos.com.br Das Questões DO REGIME JURÍDICO 1. No que se refere ao regime jurídico-administrativo brasileiro e aos Por força do princípio da legalidade, o administrador público tem sua atuação limitada ao que estabelece

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA REGINA COELI BARBOSA PEREIRA Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. Doutora em Filosofia pela UFRJ. Professora Associada

Leia mais

RESENHA. PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p.

RESENHA. PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p. RESENHA PEREZ, Daniel Omar. Kant e o problema da significação. Coleção Pensamento Contemporâneo 1. Curitiba: Champagnat, 2008. 329p. JORGE VANDERLEI COSTA DA CONCEIÇÃO Mestrando em Filosofia pela PUC-PR

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA 95 O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA Ana Augusta Rodrigues Westin Ebaid Docente do Núcleo de Pesquisa e Extensão do curso de Direito

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

ÉTICA E EDUCAÇÃO: O AGIR MORAL ENQUANTO PROCESSO DE APRENDIZAGEM Irene Mônica Knapp 1 Amarildo Luiz Trevisan 2

ÉTICA E EDUCAÇÃO: O AGIR MORAL ENQUANTO PROCESSO DE APRENDIZAGEM Irene Mônica Knapp 1 Amarildo Luiz Trevisan 2 ÉTICA E EDUCAÇÃO: O AGIR MORAL ENQUANTO PROCESSO DE APRENDIZAGEM Irene Mônica Knapp 1 Amarildo Luiz Trevisan 2 Resumo: Este artigo tem a pretensão de provocar uma reflexão sobre situações que hoje se colocam

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

RESUMO DO LIVRO ÉTICA de Adolfo Sánchez Vázquez

RESUMO DO LIVRO ÉTICA de Adolfo Sánchez Vázquez FERNANDO COSTA FURLANI [Turma: 2º T] RESUMO DO LIVRO ÉTICA de Adolfo Sánchez Vázquez Trabalho de Graduação apresentado à Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, como exigência parcial

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA *

KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA * KANT E O PROBLEMA DA FOTOGRAFIA NA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA * André Luiz da Paz e Silva ** A autonomia do juízo de gosto puro pelo belo, devido a sua total liberdade em relação tanto à dimensão do conhecimento

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE Maria Aristé dos Santos 1, Danielli Almeida Moreira 2, Janaina Rufina da Silva 3, Adauto Lopes da Silva Filho 4 ¹ Alunas do Curso de Licenciatura em Filosofia da

Leia mais

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O

A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O A FILOSOFIA KANTIANA DA HISTÓRIA ENTRE A RETÓRICA E O CONHECIMENTO OBJETIVO Daniel Tourinho Peres(UFBA/CNPq) 1 Em um livro de grande prestígio, consagrado à relação de conflito entre a filosofia e a retórica,

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

KANT S CONCEPT OF DIGNITY

KANT S CONCEPT OF DIGNITY SOBRE A CARACTERIZAÇÃO DO CONCEITO DE DIGNIDADE EM KANT SOBRE A CARACTERIZACIÓN DEL CONCEPTO DE DIGNIDAD EN KANT KANT S CONCEPT OF DIGNITY Milene Consenso Tonetto Professora da Universidade Federal de

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

Desmistificando. a Nobre Instituição

Desmistificando. a Nobre Instituição Desmistificando a Nobre Instituição O que é a Maçonaria? - A Maçonaria é uma instituição essencialmente filosófica, filantrópica, educativa e progressista. Por que é Filosófica? -É filosófica porque em

Leia mais

Ciência, Filosofia ou Religião?

Ciência, Filosofia ou Religião? Ciência, Filosofia ou Religião? Obra de Rodin permite refletir sobre tríplice aspecto do Espiritismo Décio landoli Junior Estava eu visitando o museu de Rodin em Paris, quando deitei meus olhos sobre a

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

RECENSÃO. Os buracos negros da ciência económica - Ensaio sobre a impossibilidade de pensar o tempo e o dinheiro

RECENSÃO. Os buracos negros da ciência económica - Ensaio sobre a impossibilidade de pensar o tempo e o dinheiro RECENSÃO Os buracos negros da ciência económica - Ensaio sobre a impossibilidade de pensar o tempo e o dinheiro Jacques Sapir, Sururu - Produções Culturais, Lisboa, 2009 Tradução: Manuel Resende e Luis

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Verdade-correspondência e verdade-coerência 1

Verdade-correspondência e verdade-coerência 1 Verdade-correspondência e verdade-coerência 1 Jean-Louis Léonhardt jean-louis.leonhardt@mom.fr CNRS - MOM Tradução: Marly Segreto A partir de Aristóteles, uma certa concepção de verdade em ciência foi

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) O remédio musical Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Resumo: Esse artigo tem o intuito de identificar as diferentes reações e utilizações da musica como método terapêutico

Leia mais

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO Eliseu Mota Júnior motajunior@uol.com.br A origem da palavra encíclica, etimologicamente falando, remonta às cartas circulares enviadas pelos bispos a colegas

Leia mais